Tribunal da ONU elogia prisão de ex-membro de forças paramilitares sérvias

O Tribunal de crimes de guerra da ONU para os conflitos dos Bálcãs na década de 1990 saudou a prisão de Radovan Stankovic, membro fundador das unidades paramilitares sérvias e que enfrenta múltiplas acusações de crimes contra a humanidade. Ele foi preso no fim de semana na Bósnia-Herzegóvina, mais de quatro anos depois de ter escapado da prisão em maio de 2007.

O Promotor do Tribunal Penal Internacional para a ex-Iugoslávia (ICTY), Serge Brammertz, disse esperar que “essa prisão reflita um compromisso maior das autoridades da Bósnia-Herzegóvina para ajudar o processo de trazer justiça àqueles que foram responsáveis por crimes graves cometidos em seu território”.

Stankovic foi o primeiro acusado, em 1992, pelo ICTY, que está situado em Haia. Ele foi transferido pelo Tribunal para a Bósnia-Herzegóvina, em setembro de 2005, onde foi sentenciado com vinte anos de prisão pela Corte de Estado por crimes de guerra, incluindo estupro e escravização de mulheres muçulmanas. Entretanto, ele escapou da prisão dois anos após sua sentença.