Terrorismo e deterioração humanitária são principais desafios da África Ocidental, diz órgão da ONU

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Apesar dos desdobramentos políticos positivos ocorridos recentemente na África Ocidental, presidente do Conselho de Segurança das Nações Unidas expressou preocupação com a expansão do terrorismo na região.

Diffa, a região mais pobre do Níger, foi afetada pelo aumento da violência na Nigéria devido à ação do Boko Haram. Foto: UNICEF/Cherkaoui

Diffa, a região mais pobre do Níger, foi afetada pelo aumento da violência na Nigéria devido à ação do Boko Haram. Foto: UNICEF/Cherkaoui

O Conselho de Segurança recebeu com otimismo os recentes desdobramentos políticos positivos em alguns países da África Ocidental, mas expressou preocupação quanto à ameaça terrorista na região.

“O Conselho de Segurança condena veementemente todos os ataques terroristas realizados na região, particularmente no Norte e na região central do Mali, e na região da bacia do Lago Chade, executados principalmente pelo Boko Haram e pelo Estado Islâmico do Iraque e do Levante (ISIS)”, disse Liu Jieyi, presidente do Conselho no mês de julho, em declaração presidencial na última segunda-feira (24).

Em nome do Conselho, Liu Jieyi expressou preocupação especial em relação aos ataques a civis – principais vítimas da violência terrorista – e destacou a importância de uma abordagem abrangente para enfraquecer e vencer os terroristas, de acordo com o direito internacional.

O Conselho sublinhou seu compromisso de trabalhar através do Escritório das Nações Unidas para a África Ocidental (UNOWAS) para fortalecer a cooperação na abordagem de ameaças à segurança transfronteiriça e no combate à expansão do terrorismo.

O documento também cita a grave situação humanitária causada pelas atividades dos terroristas na região do Lago Chade e chamou a comunidade internacional para “apoiar de imediato a prestação de assistência humanitária urgente às pessoas mais afetadas pela crise em Camarões, no Chade, no Níger e na Nigéria”.

Preocupado com a pirataria no Golfo da Guiné, bem como o tráfico de seres humanos, drogas e outros bens ilícitos, o Conselho sublinhou a necessidade de reforçar a luta contra as atividades ilícitas na sub-região.

O Conselho de Segurança expressou otimismo em relação aos desenvolvimentos políticos positivos em vários países da África Ocidental. Sobre a Costa do Marfim, parabenizou os progressos alcançados na paz, estabilidade e prosperidade econômica após o encerramento da Operação da ONU no país (UNOCI), no dia 30 de junho.

Além disso, os membros do Conselho destacaram as eleições legislativas livres e transparentes na Gâmbia – elogiando os esforços diplomáticos dos chefes de Estado da região que resultaram na transição pacífica do poder para o presidente democraticamente eleito, Adama Barrow.

A declaração parabenizou a liderança da África Ocidental em iniciativas de combate ao terrorismo e encorajou a colaboração entre os Estados-membros, as organizações regionais e sub-regionais, a ONU e outras partes interessadas “para aumentar a coesão social e enfrentar desafios à boa governança”.


Comente

comentários