Vídeos da ONU

Todos os vídeos da ONU podem ser utilizados livremente e estão também em www.youtube.com/onubrasiloficial e www.facebook.com/ONUBrasil/videos.

A República do Congo, país centro-africano com mais de 4,7 milhões de pessoas, é altamente dependente dos recursos florestais para os meios de subsistência. Apesar de ser o segundo recurso natural mais valioso depois do petróleo, a contribuição das florestas para a economia nacional é relativamente baixa.

VÍDEO: Na República do Congo, envolver comunidades no manejo florestal sustentável traz benefícios

As taxas de desmatamento e de degradação, embora baixas em relação aos padrões internacionais, têm crescido rapidamente nos últimos anos na República do Congo. Prevê-se que se acelerem ainda mais à medida que o país tenta desenvolver áreas florestais, e à medida que a população cresce cerca de 3% ao ano.

Confira nesse vídeo como a iniciativa REDD+, a Redução de Emissões decorrentes do Desmatamento e da Degradação de Florestas, está ajudando a reverter esse processo.

Resgatado aos 17 anos, Rafael deu voz às 21 milhões de vítimas da escravidão no mundo durante o lançamento da campanha 50 For Freedom no Brasil. Foto: Thiago Foresti

Trabalhadores resgatados da escravidão contam suas histórias no lançamento da campanha 50 For Freedom

Em evento realizado no Senado na terça-feira (9), a Organização Internacional do Trabalho (OIT) lançou a campanha 50 For Freedom para pedir que o Brasil reforce o combate ao trabalho forçado com a ratificação do Protocolo sobre o tema.

Aproximadamente 21 milhões de pessoas ainda são vítimas da escravidão moderna. Trata-se da segunda atividade ilícita mais rentável no mundo, gerando anualmente 150 bilhões de dólares em lucros ilegais.

Quando os africanos foram trazidos, séculos atrás, para Cuba para trabalhar nas plantações de açúcar, também trouxeram suas tradições culturais – incluindo sua música e instrumentos. Quando chegaram na ilha caribenha, abraçaram o ritmo da população indígena e a misturaram com sua própria batida africana. Agora, os jovens estão mantendo viva a música dos escravos a partir de criações próprias. Confira nessa matéria especial, parte da Década Internacional de Afrodescendentes da ONU. #DécadaAfro

Ritmos africanos permeiam a música cubana; vídeo

Quando os africanos foram trazidos, séculos atrás, para Cuba para trabalhar nas plantações de açúcar, também trouxeram suas tradições culturais – incluindo sua música e instrumentos. Quando chegaram na ilha caribenha, abraçaram o ritmo da população indígena e a misturaram com sua própria batida africana. Agora, os jovens estão mantendo viva a música dos escravos a partir de criações próprias. Confira nessa matéria especial, parte da Década Internacional de Afrodescendentes da ONU.

De acordo com a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), mais de 65 milhões de pessoas em todo o mundo foram forçadas a sair de suas casas; entre elas, 21 milhões são refugiadas. Em uma pequena cozinha na cidade de Nova Iorque, refugiados de 11 países diferentes estão se comunicando e contribuindo para sua nova nação por meio do que sabem melhor fazer: a comida. A ‘Eat Offbeat’ contrata cozinheiros caseiros apaixonados e os treina como chefs profissionais que concebem, preparam e entregam refeições étnicas autênticas.

Em Nova Iorque, refugiados reconstroem a vida como chefs de cozinha

De acordo com a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), mais de 65 milhões de pessoas em todo o mundo foram forçadas a sair de suas casas; entre elas, 21 milhões são refugiadas.

Em uma pequena cozinha na cidade de Nova Iorque, refugiados de 11 países diferentes estão se comunicando e contribuindo para sua nova nação por meio do que sabem melhor fazer: a comida. A ‘Eat Offbeat’ contrata cozinheiros caseiros apaixonados e os treina como chefs profissionais que concebem, preparam e entregam refeições étnicas autênticas.

Confira nessa reportagem especial da TV ONU.

É essencial que os Estados implementem a Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas, segundo presidente de fórum da ONU. Foto: Agência Brasil

Relatora da ONU diz que direito dos povos indígenas não estão sendo garantidos no mundo

Os direitos dos povos indígenas estão sendo violados por autoridades e corporações que desejam acessar suas terras e recursos naturais, como o petróleo. A declaração foi feita na segunda-feira (1) em Nova Iorque pela relatora especial da ONU para o tema, paralelamente ao Fórum Permanente das Nações Unidas para Questões Indígenas.

“A situação dos direitos dos povos indígenas não está em um bom estado nos dias atuais porque há políticas e leis usadas para criminalizá-los”, disse Victoria Tauli-Corpuz, relatora especial para os direitos dos povos indígenas.

Soldado sírio veste uma máscara para protegê-lo de ataques com armas químicas e biológicas. Foto: Wikicommons/My76Strat (CC)

‘Progressos estão ameaçados’, alerta ONU no 20º aniversário da Convenção sobre Armas Químicas

O secretário-geral da ONU, António Guterres, alertou que os progressos alcançados para a eliminação dos arsenais de armas químicas em todo o mundo estão ameaçados por conflitos no Oriente Médio.

“O recente ataque na Síria é um lembrete horrível dessa ameaça”, disse o dirigente máximo da ONU em mensagem para o 20º aniversário da Convenção sobre Armas Químicas.

Estudante recebe vacina contra doenças como hepatite B, influenza A (H1N1), sarampo e febre amarela. Foto: Wilson Dias/ABr

Mais de 300 milhões vivem com infecção crônica por hepatite no mundo, alerta OMS

Novos dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) revelam que cerca de 325 milhões de pessoas no mundo vivem com infecção crônica pelo vírus da hepatite B ou C.

O relatório global sobre hepatites de 2017 indica que a maioria dessas pessoas não tem acesso a testes e tratamentos que podem salvar vidas. Como resultado, milhões estão em risco de uma lenta progressão para doença hepática crônica, câncer e morte.

Cuba se tornou recentemente o primeiro país do mundo a receber a validação da Organização Mundial da Saúde (OMS) de eliminação da transmissão vertical – de mãe para filho – do HIV e da sífilis. O sucesso da ilha caribenha é mais um passo em direção é um passo na direção certa para reduzir a ameaça global do HIV e da AIDS, uma das metas do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) número 3. Confira nessa matéria especial em vídeo.

Cuba é o primeiro país do mundo a erradicar transmissão materna de HIV e sífilis; vídeo

Cuba se tornou recentemente o primeiro país do mundo a receber a validação da Organização Mundial da Saúde (OMS) de eliminação da transmissão vertical – de mãe para filho – do HIV e da sífilis.

O sucesso da ilha caribenha é mais um passo em direção é um passo na direção certa para reduzir a ameaça global do HIV e da AIDS, uma das metas do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) número 3. Confira nessa matéria especial em vídeo.

Durante décadas, a República Centro-Africana sofreu com a instabilidade e os conflitos. No entanto, na pequena cidade ocidental de Bouar, ex-combatentes estão entregando suas armas para trabalhar em projetos comunitários. Com o apoio da missão de paz da ONU no país, a MINUSCA, estes ex-combatentes estão agora centrados na paz e na estabilidade para promover o progresso em seu país. Confira nessa matéria em vídeo da ONU

VÍDEO: Restaurando a paz na República Centro-Africana

Durante décadas, a República Centro-Africana sofreu com a instabilidade e os conflitos. No entanto, na pequena cidade ocidental de Bouar, ex-combatentes estão entregando suas armas para trabalhar em projetos comunitários. Com o apoio da missão de paz da ONU no país, a MINUSCA, estes ex-combatentes estão agora centrados na paz e na estabilidade para promover o progresso em seu país. Confira nessa matéria em vídeo da ONU.

Nova missão da ONU no Haiti sucederá MINUSTAH e terá pouco mais de mil policiais em seu efetivo. Foto: ONU/Marco Dormino

Conselho de Segurança aprova fim da missão da ONU no Haiti

Em resolução adotada unanimemente nesta quinta-feira (12) pelos membros do Conselho de Segurança das Nações Unidas, o organismo decisório determinou que a Missão de Estabilização da ONU no Haiti (MINUSTAH) deverá se retirar gradualmente do país pelos próximos seis meses, até 15 de outubro, data oficial do fim da operação.

Decisão também determina criação de nova missão, voltada para o fortalecimento do Estado de Direito e para o monitoramento dos direitos humanos.

A FAO desenvolveu um plano estratégico de três anos para a bacia do Lago Chade, a fim de melhorar a segurança alimentar da população da região. A medida foca nas mulheres e nos jovens. Foto: FAO/Pius Utomi Ekpei

‘Crise na região da bacia do Lago Chade é humanitária e ecológica’, diz FAO

Investimentos críticos em agricultura e no alívio das mudanças climáticas são necessários para enfrentar a crise na bacia do Lago Chade, onde a fome, a pobreza e a falta de desenvolvimento rural prevalecem. O alerta é da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO). De acordo com dados da ONU, cerca de 7 milhões de pessoas enfrentam o risco de sofrer de fome na região.

Treze países na África vão imunizar mais de 116 milhões de crianças contra a poliomielite nas próximas semanas. A campanha coordenada de vacinação é voltada para crianças menores de 5 anos e é a maior do tipo a ser implementada na África. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o pleno envolvimento de líderes políticos e comunitários em todos os níveis é considerado essencial para o sucesso da campanha.

Na África, campanha contra a pólio alcançará 116 milhões de crianças em 13 países; vídeo

Treze países na África vão imunizar mais de 116 milhões de crianças contra a poliomielite nas próximas semanas. A campanha coordenada de vacinação é voltada para crianças menores de 5 anos e é a maior do tipo a ser implementada na África.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o pleno envolvimento de líderes políticos e comunitários em todos os níveis é considerado essencial para o sucesso da campanha.

Uma criança de dois anos de idade é alimentada com um chá de nim em Rumbek, no Sudão do Sul. Foto: ACNUR / Rocco Nuri

Na África e no Iêmen, 20 milhões de pessoas estão em risco de morrer de fome

Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) pediu nesta terça-feira (11) apoio internacional para evitar que cerca de 20 milhões de pessoas em vários países na África e no Iêmen morram de fome. Segundo dados da ONU, desse contingente, 4,2 milhões são refugiados e o número de deslocados está aumentando em consequência da fome e da insegurança. As pessoas mais vulneráveis são crianças e mulheres que amamentam.

Foto: EBC

Preconceito contra minorias aumenta chances de ter depressão, dizem especialistas

Em seminário sobre depressão realizado no início da semana (3), em Brasília, pela Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), especialistas alertaram que o preconceito e a exclusão tornam negros, pessoas trans e indígenas mais propensos a desenvolver o transtorno mental.

Encontro fez parte das atividades do organismo regional para o Dia Mundial da Saúde, lembrado nesta sexta-feira (7). Em 2017, o tema da data é ‘Depressão: vamos conversar’.

Depressão afeta mais de 300 milhões de pessoas em todo o mundo. Foto: PEXELS

Depressão afeta mais de 300 milhões de pessoas e é doença que mais incapacita pacientes, diz OMS

Mais de 300 milhões de pessoas vivem com depressão, alertou a Organização Mundial da Saúde (OMS) na semana em que a ONU lembra o Dia Mundial da Saúde (7). A agência da ONU decidiu marcar a data internacional com a campanha ‘Depressão: vamos conversar’.

Segundo o organismo das Nações Unidas, a patologia já é considerada a principal causa de problemas de saúde e incapacidade em todo o mundo, gerando perdas anuais de 1 trilhão de dólares.