Assembleia Geral da ONU

Acompanhe a cobertura completa em português do debate geral da 72ª Assembleia Geral da ONU, bem como os eventos paralelos de alto nível. Outras informações nas páginas oficiais (www.un.org/en/ga e gadebate.un.org), bem como pela hashtag #UNGA. Acompanhe ao vivo em webtv.un.org

Ri Yong Ho, chanceler da Coreia do Norte, em discurso no debate geral da 72ª sessão da Assembleia Geral da ONU. Foto: ONU/Cia Pak

Coreia do Norte condena comentários ‘imprudentes e violentos’ de Trump

O ministro das Relações Exteriores da Coreia do Norte, Ri Yong Ho, condenou, no último sábado (23), as “palavras imprudentes e violentas” do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, dizendo que o próprio líder norte-americano está em uma “missão suicida”.

Na última semana (19), Trump afirmou que os EUA são obrigados a se defender e a defender seus aliados. Ele chegou a dizer que “não teria escolha a não ser destruir totalmente a Coreia do Norte”.

Família de refugiadas reassentadas em Portugal há mais de um ano. Foto: ACNUR/Bruno Galan Ruiz

Ministro português diz que país poderá receber mais 8,5 mil refugiados

Portugal está de portas abertas para receber mais 8,5 mil refugiados, disse na sexta-feira (22) o ministro dos Negócios Estrangeiros do país, Augusto Santos Silva, em entrevista à ONU News sobre a participação de seu país na Assembleia Geral da ONU, em Nova Iorque.

Atualmente, o país acolhe cerca de 1,5 mil refugiados. Silva afirmou que a decisão de dobrar o número de refugiados recebidos, estabelecido inicialmente em 5 mil conforme acordado com a União Europeia, foi tomada pelo país para cumprir um direito humanitário.

Primeiro-ministro de Dominica, Roosevelt Skerrit. Foto: ONU/Cia Pak

Líderes do Caribe criticam ceticismo sobre as mudanças climáticas e pedem recursos para prevenir desastres

Em pronunciamento na Assembleia Geral da ONU, o primeiro-ministro de Dominica, Roosevelt Skerrit, criticou no sábado (23) aqueles que insistem em negar as mudanças climáticas. Como prova de que se trata de um fenômeno verdadeiro e em curso, o chefe de Estado lembrou a devastação deixada pelos furacões Irma e Maria em seu país. Território atingido pela tempestade foi descrito como “zona de guerra”. Posicionamento do dirigente foi semelhante ao de outros líderes do Caribe.

Primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau. Foto: ONU/Cia Pak

Na ONU, Canadá reconhece que país falhou historicamente em proteger direitos dos indígenas

Em pronunciamento na Assembleia Geral da ONU, o primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, reconheceu na quinta-feira (21) que governos sucessivos de seu país foram incapazes de respeitar os direitos dos indígenas. Para muitos integrantes dos povos originários, abusos persistem até hoje, afirmou o dirigente. Segundo Trudeau, erros históricos e um legado negativo do colonialismo privaram o Canadá das contribuições que essas populações poderiam ter dado para o desenvolvimento da nação.

Ministra da Cooperação para o Desenvolvimento, Ulla Tøernæs, da Dinamarca. Foto: ONU/ Cia Pak

Na Assembleia Geral, UE reforça compromissos com a prevenção de conflitos e proteção de refugiados

Na Assembleia Geral das Nações Unidas, presidentes e ministros europeus discursaram em favor de formas estruturadas e justas de prevenção de conflitos. As preocupações em comum foram os ataques terroristas e a ameaça do uso de armas nucleares.

Diante da maior crise migratória desde a segunda guerra mundial, os líderes pediram tratamento humano para centenas de milhares de refugiados que chegam ao continente, bem como a gestão ordenada dos fluxos de migrantes.

Sigmar Gabriel, ministro das Relações Exteriores da Alemanha. Foto: ONU/Cia Pak

Alemanha critica nacionalismo ‘egoísta’ e pede mais cooperação entre países durante debate na ONU

Representando a Alemanha no debate anual da Assembleia Geral da ONU, o ministro das Relações Exteriores, Sigmar Gabriel, alertou na quinta-feira (21) para uma crescente onda de nacionalismo radical, que pode gerar novos conflitos no mundo. Lembrando que a cooperação internacional não equivale à perda de soberania, o dirigente criticou quem usa o lema “nosso país primeiro”.

Migrantes e refugiados se deslocam por rota nos Bálcãs. Foto: ACNUR/Mark Henley

Dirigentes da ONU defendem novos acordos globais sobre refúgio e migração

Em meio ao encontro de chefes de Estado na sede da ONU, dirigentes das Nações Unidas defenderam novos acordos globais sobre fluxos migratórios. Tratados devem oferecer garantias para proteger as pessoas que se deslocam pelo mundo. Em pronunciamento para marcar um ano da adoção da Declaração de Nova Iorque para os Refugiados e Migrantes, na quarta-feira (20), oficiais do organismo internacional explicam o desdobramento político desse documento.

Primeira-ministra Sheikh Hasina, de Bangladesh, durante pronunciamento no debate anual de chefes de Estado na Assembleia Geral da ONU. Foto: ONU/Cia Pak

Bangladesh pede criação de zonas sob supervisão da ONU para proteger rohingyas em Mianmar

Em pronunciamento na Assembleia Geral da ONU, a primeira-ministra de Bangladesh, Sheikh Hasina, criticou na quinta-feira (21) as violações de direitos humanos enfrentados pelo povo Rohingya em Mianmar. Denunciando o que chamou de limpeza étnica na província mianmarense de Rakhine, a dirigente pediu ao chefe da ONU que crie, dentro de Mianmar, zonas supervisionadas pelas Nações Unidas, a fim de garantir a segurança dos rohingyas.

À esquerda, o secretário-geral da ONU, António Guterres. À direita, o presidente da França, Emmanuel Macron. Foto: ONU/Kim Haughton

Secretário-geral da ONU pede apoio a pacto ambiental proposto pela França

Em encontro paralelo ao debate de chefes de Estado, na Assembleia Geral da ONU, o presidente da França, Emmanuel Macron, apresentou na terça-feria (19) a proposta do país de criar um pacto global ambiental. Documento seria primeiro acordo legalmente vinculante sobre o meio ambiente que reuniria todas as convenções e diretrizes do direito internacional para o tema. Proposta recebeu forte apoio do secretário-geral António Guterres.

Foto: Leo Pinheiro / Fotos Públicas

Governos devem permitir que as pessoas amem quem elas escolherem, defende ONU

Em meio ao encontro anual de chefes de Estado na sede da ONU, o alto-comissário das Nações Unidas para os direitos humanos, Zeid Al Hussein, pediu que países criminalizem a discriminação enfrentada por gays, lésbicas, bissexuais, pessoas trans e intersex. Em evento que reuniu ministros e lideranças políticas para abordar os desafios da população LGBTI, o dirigente foi taxativo: ‘Pedimos a todos os governos que permitam às pessoas amar quem elas escolherem’.

Jovens participam de cerimônia pelo Dia Internacional da Paz na sede da ONU em Nova Iorque na semana passada (15). Foto: ONU/Kim Haughton

Secretário-geral da ONU pede engajamento da juventude na prevenção de conflitos

Os jovens precisam ser parceiros significativos na prevenção de conflitos e na manutenção da paz, e as Nações Unidas precisam pensar “fora da caixa” sobre como se relacionar com a juventude globalmente, disse o secretário-geral da ONU, António Guterres, durante evento ministerial realizado nesta quinta-feira (21) paralelamente ao debate geral da Assembleia Geral.

Na semana passada (15), a sede das Nações Unidas em Nova Iorque comemorou o Dia Internacional da Paz com com o toque anual do sino da paz, pedindo que combatentes em todo o mundo derrubassem suas armas e cumprissem um dia de cessar-fogo e não violência.

Cerca de 275 refugiados e migrantes aguardam para o desembarque no porto de Pozzalo, na Itália, após serem resgatados alguns dias antes. Foto: ACNUR/F.Malavolta

Contribuição dos migrantes é ‘esmagadoramente positiva’, diz secretário-geral da ONU

Durante um encontro na sede da ONU em Nova Iorque nesta quarta-feira (20), representantes das Nações Unidas destacaram a necessidade de continuar trabalhando em conjunto para promover formas mais justas de compartilhar a responsabilidade dos refugiados, bem como alcançar uma migração segura e ordenada.

“A migração não é um fenômeno novo; nem está criando a ameaça dramática de que muitos falam. A maioria dos migrantes se move de forma ordenada entre os países e dá uma contribuição esmagadoramente positiva para seus países anfitriões e seus países de origem”, destacou o secretário-geral da ONU, António Guterres.

Phumzile Mlambo-Ngcuka, diretora-executiva da ONU Mulheres, em meio aos Campeões da Igualdade do movimento ElesPorElas. Foto: ONU Mulheres/Celeste Salome

Na ONU, reitor da USP defende educação como instrumento para combater discriminação

Em evento paralelo ao debate anual da Assembleia Geral da ONU, o reitor da Universidade de São Paulo (USP), Marco Zago, defendeu na quarta-feira (20) que a educação é um instrumento capaz de combater a violência contra as mulheres e toda as formas de discriminação. Dirigente é o único latino-americano no grupo Campeões da Igualdade, iniciativa da ONU Mulheres que reúne dez chefes de Estado, dez CEOs e dez reitores de universidades comprometidos com a igualdade de gênero.

Tratado sobre a Proibição de Armas Nucleares foi assinado por vários chefes de Estado e ministros. Foto: ONU/Kim Haughton

Chefes de Estado assinam tratado sobre armas nucleares na sede da ONU

Na sede da ONU, em Nova Iorque, o Tratado sobre a Proibição de Armas Nucleares foi aberto nesta quarta-feira (20) para receber assinaturas dos Estados-membros. Esse é o primeiro acordo legalmente vinculante sobre restrições ao uso de armamentos atômicos. Em cerimônia para marcar a abertura do documento a compromissos de cada nação, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, lembrou que existem 15 mil armas nucleares espalhadas pelo mundo.

Presidente brasileiro, Michel Temer, fala durante a 72ª sessão do debate geral da Assembleia Geral da ONU, em Nova Iorque. Foto: ONU

Brasil chama países a assinarem Tratado sobre a Proibição de Armas Nucleares

O presidente brasileiro, Michel Temer, disse nesta terça-feira (19) que o Brasil assinará amanhã o Tratado sobre a Proibição de Armas Nucleares, chamando outras nações a também se unir ao compromisso pelo desarmamento.

“Eu terei a honra de assinar, amanhã, o Tratado sobre a Proibição de Armas Nucleares. O Brasil esteve entre os artífices do tratado. Será um momento histórico”, disse Temer em discurso para líderes mundiais na abertura da 72ª Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova Iorque. Adotado em julho deste ano, o tratado para a proibição de armas nucleares é o primeiro instrumento multilateral vinculativo negociado em 20 anos para o desarmamento nuclear.

Secretário-geral da ONU, António Guterres, apresenta relatório anual sobre o trabalho da Organização na Assembleia Geral. Foto: ONU/Cia Pak

Na Assembleia Geral da ONU, Guterres pede união dos países pela paz

Em seu discurso para a reunião anual de líderes mundiais na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque, o secretário-geral da ONU, António Guterres, lembrou nesta terça-feira (19) as diversas ameaças — incluindo o perigo nuclear, a mudança climática e os conflitos em andamento — que precisam ser superadas para criar um mundo melhor para todos.

Guterres disse que a migração segura não pode ser limitada a uma elite global, e enfatizou a necessidade de se fazer mais para enfrentar seus desafios. Refugiados, pessoas deslocadas internamente e migrantes não são o problema, e sim os conflitos, as perseguições e a pobreza, declarou. Diante desse cenário, disse Guterres, a ONU lançou iniciativas de reforma da própria Organização.

Letreiro do lado de fora do prédio da Assembleia Geral da ONU em Nova Iorque para promover a 72ª sessão do debate geral. Foto: ONU/Kim Haughton

Debate anual da Assembleia Geral da ONU começa nesta terça-feira (19) com foco nas pessoas

Líderes globais reúnem-se na sede da ONU em Nova Iorque nesta semana para o encontro diplomático anual de alto nível conhecido como debate geral, que irá focar nas necessidades das populações mundiais e em discussões sobre questões vitais como desenvolvimento sustentável e mudanças climáticas.

O tema dos debates da 72ª sessão da Assembleia Geral da ONU é “focar nas pessoas — lutar pela paz e pela vida decente para todos em um planeta sustentável” e, nesse espírito, monarcas, presidentes e premiês devem lançar discussões que definirão respostas internacionais para muitos dos atuais desafios globais, incluindo conflitos prolongados, extrema pobreza e fome e a crise de refugiados.

Miroslav Lajčák (direita) e António Guterres durante reunião de alto nível sobre os impactos do furacão Irma. Foto: ONU

Países precisam ampliar resiliência frente a mudanças climáticas, dizem oficiais da ONU

Lembrando o crescente impacto de eventos climáticos extremos, oficiais das Nações Unidas — incluindo o secretário-geral da ONU, António Guterres, e o presidente da Assembleia Geral, Miroslav Lajčák — pediram nesta segunda-feira (18) mais esforços para impulsionar a resiliência e fortalecer medidas de mitigação de danos.

“A temporada de furacões deste ano segue um padrão: mudanças climáticas estão tornando eventos climáticos extremos mais severos e frequentes, empurrando comunidades a um ciclo vicioso de choque e recuperação”, disse Guterres em evento de alto nível sobre o furacão Irma, lembrando que somente no último mês foram registrados quatro fortes furacões no Oceano Atlântico, causando mortes e destruição.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, fala sobre a reforma da organização durante encontro na sede em Nova Iorque ao lado do presidente dos EUA, Donald Trump (à direita), e a chefe de gabinete de Guterres, a brasileira Maria Luiza Ribeiro Viotti (à esquerda). Foto: ONU/Mark Garten

Mais de 128 países se comprometem com reformas para uma ‘ONU do século 21’

Comprometendo-se a tornar as Nações Unidas uma organização mais forte e mais responsiva às pessoas que apoia, o secretário-geral, António Guterres, participou na segunda (18) de uma reunião de alto nível sobre a reforma da organização global.

O encontro foi presidido pelos Estados Unidos e contou com a presença de Donald Trump; o presidente norte-americano afirmou que as Nações Unidas foram fundadas sob ‘objetivos nobres’, mas que ‘nos últimos anos não alcançou seu pleno potencial’.

Secretário-geral da ONU, António Guterres (centro), chega para reunião durante semana de debates da Assembleia Geral. Foto: ONU

Secretário-geral da ONU pede reforma das finanças globais e impulso ao desenvolvimento sustentável

Durante as reuniões da Assembleia Geral que ocorrem esta semana em Nova Iorque, o secretário-geral da ONU, António Guterres, enfatizou nesta segunda-feira (18) o papel das Nações Unidas em ajudar a reformar finanças “improdutivas” e redirecionar os investimentos para a criação de um mundo melhor para todos.

“Podemos optar por reclamar sobre a falta de financiamento para a Agenda 2030 em um mundo inundado por tantas finanças improdutivas e não compensadoras. Ou podemos aproveitar a oportunidade para remodelar as finanças, de acordo com nossas necessidades urgentes e coletivas”, disse o secretário-geral. “A escolha é clara. Vamos investir na Agenda 2030 e no financiamento de um mundo melhor para todos”.

Miroslav Lajčák (centro) assumiu a presidência da 72ª sessão da Assembleia Geral. Foto: ONU/Kim Haughton

Assembleia Geral da ONU inaugura sua 72ª sessão com foco nas pessoas

A Assembleia Geral das Nações Unidas inaugurou nesta terça-feira (12) sua 72ª sessão, com uma ênfase na busca pela paz e vida decente para todos em um planeta sustentável.

“A ONU foi criada para as pessoas”, disse Miroslav Lajčák em seu primeiro discurso como presidente da Assembleia Geral. “As pessoas que precisam mais da ONU não estão sentadas nesta sala hoje. Elas não estão envolvidas nas negociações de resoluções. (…) É uma das tarefas da Assembleia Geral garantir que suas vozes ainda possam ser ouvidas”.

Cúpula de Soluções de 2016. Foto: Cúpula de Soluções

ONU convida sociedade civil a participar de cúpula sobre soluções sustentáveis na Assembleia Geral

Durante o encontro anual da Assembleia Geral da ONU, que acontece entre os dias 18 e 28 de setembro, um evento paralelo ao debate dos chefes de Estado ocupará as galerias da sede das Nações Unidas — a Cúpula de Soluções. A iniciativa selecionará pessoas de diferentes partes do mundo, que poderão apresentar suas estratégias para o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Brasileiros podem participar. Prazo para inscrição foi ampliado para 29 de agosto.

Colônia de corais em manguezais em Raja Ampat, na Indonésia. Foto: Alex Lindbloom/USA/Prêmio do Dia Mundial dos Oceanos 2016

ONU realiza Conferência sobre os Oceanos para promover ações contra degradação marinha

De 5 a 9 de junho, a Organização das Nações Unidas reúne em Nova Iorque autoridades do mundo todo para incentivar ações que melhorem a qualidade dos oceanos. As atividades do homem estão afetando o habitat marinho, a qualidade e temperatura da água, a saúde da vida marinha e até a oferta de peixes e frutos do mar.

No Brasil, o evento terá ações educativas no AquaRio, onde o Centro de Informação das Nações Unidas (UNIC Rio) conscientizará o público sobre a necessidade de conservação dos oceanos. A principal mensagem é “Menos plástico e mais peixes. Somente juntos conseguiremos salvar os oceanos. Se não mudarmos nossas ações agora, teremos mais plásticos nos oceanos do que peixes em 2050”.

Veículos da ONU percorrem ruas em meio a prédios destruídos pela guerra em Homs, na Síria. Foto: UNICEF

ONU aprova mecanismo para investigar possíveis crimes de guerra na Síria

A Assembleia Geral da ONU aprovou a criação de um painel independente para ajudar na investigação e eventual processo dos responsáveis por crimes de guerra ou crimes contra a humanidade na Síria.

O mecanismo, que atuará em cooperação com a Comissão Independente Internacional de Investigação na Síria, irá coletar, consolidar, preservar e analisar provas referentes a violações e abusos dos direitos humanos e das leis humanitárias.

O secretário-geral designado, António Guterres, fala à Assembleia Geral na ocasião de sua nomeação como próximo chefe da organização. Foto: ONUAmanda Voisard

Novo secretário-geral diz que dignidade humana será centro de seu trabalho na ONU

O próximo secretário-geral da ONU, António Guterres, disse nesta quinta-feira (13) que fará a dignidade humana o centro de sua atuação à frente nas Nações Unidas, durante discurso à Assembleia Geral após sua nomeação para o cargo.

“Nos últimos dez anos, testemunhei em primeira mão o sofrimento das pessoas mais vulneráveis do mundo, visitei zonas de guerra e campos de refugiados, onde alguém poderia legitimamente perguntar: o que aconteceu com a dignidade e o valor do ser humano?”, disse.

Rua em Havana, capital de Cuba. Foto: Radmilla Suleymanova

Cuba-EUA: diplomacia gerou ‘algum progresso’, mas embargo continua, diz ministro cubano

Em seu discurso na Assembleia Geral da ONU, ministro das relações exteriores de Cuba, Bruno Eduardo Rodríguez Parrilla, observou o progresso nas relações diplomáticas, no diálogo e na cooperação em áreas de interesse mútuo.

No entanto, destacou que o bloqueio econômico ainda em vigor continua causando sérios danos e sofrimentos à população de Cuba, bem como prejudicando o funcionamento da economia cubana e sua relação com outros países.