Arquivo da tag: Secretário-geral da ONU

O secretário-geral da ONU, António Guterres. Foto: ONU/Mark Garten (arquivo)

O nono secretário-geral da ONU, António Guterres. Foto: ONU/Mark Garten

De acordo com a Carta das Nações Unidas, o secretário-geral é o “chefe administrativo” da Organização e deve cumprir “outras funções que lhe são confiadas” pelo Conselho de Segurança, Assembleia Geral, Conselho Econômico e Social e outros órgãos das Nações Unidas.

 

A Carta também diz que o secretário-geral tem o dever de “levar à atenção do Conselho de Segurança qualquer assunto que em sua opinião possa ameaçar a manutenção da paz e segurança internacional”. Saiba mais sobre o tema clicando aqui e confira todas as notícias relacionadas abaixo.

Menino olha ruínas de escola destruída em junho de 2015 em Saada, no Iêmen. Foto: UNOCHA

Guterres pede ‘contenção máxima’ após ataques contra refinarias na Arábia Saudita

O secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu no domingo (15) “contenção máxima” após uma onda de ataques de drones reivindicados por rebeldes iemenitas houthis contra duas instalações de processamento de petróleo baseadas na Arábia Saudita.

Em comunicado emitido por seu porta-voz, Guterres disse “condenar os ataques de sábado às instalações de petróleo da Aramco na província oriental da Arábia Saudita reivindicados pelos houthis”.

Ele também pediu para todas as partes em conflito “exercerem restrição máxima, evitarem qualquer escalada em meio a tensões elevadas e cumprirem o Direito internacional humanitário”.

O secretário-geral da ONU, António Guterres. Foto: ONU/Manuel Elias

Guterres: democracia é alicerce para paz, desenvolvimento sustentável e direitos humanos

O secretário-geral da ONU, António Guterres, disse no domingo (15) que o mundo vive “um período em que a confiança é baixa e a ansiedade é alta”. Em mensagem de vídeo para o Dia Internacional da Democracia, a liderança das Nações Unidas afirmou que “as pessoas estão frustradas com as crescentes desigualdades e abaladas por mudanças radicais da globalização e da tecnologia”.

Segundo Guterres, as pessoas também “veem conflitos que não são resolvidos, uma emergência climática sem resposta, injustiças não abordadas e o espaço cívico reduzido”.

A bióloga norte-americana e pioneira da exploração em águas profundas Sylvia Earle, em foto de 2012. Foto: Wikimedia Commons/USFWS - Pacific Region (CC)

Prêmio da ONU Meio Ambiente homenageia inovadores do desenvolvimento sustentável

Um titã do mundo corporativo com uma agenda não convencional, especialistas em alimentos que pensam de maneira inovadora e uma mergulhadora cujo nome se tornou sinônimo de conservação. Estes são apenas alguns dos heróis ambientais que dedicaram suas vidas a concretizar visões audaciosas de um mundo melhor.

Estes também foram alguns dos vencedores recentes do Prêmio Campeões da Terra da ONU Meio Ambiente, a mais prestigiada premiação ambiental do mundo. Suas ações inspiraram outros na luta por um mundo mais saudável, equilibrado e sustentável. Leia a história de cinco deles.

Secretário-geral da ONU coloca flores em túmulos de capacetes-azuis em Mavivi, leste da República Democrática do Congo, em 1º de setembro de 2019. Foto: ONU/Martine Perret

Em visita à República Democrática do Congo, Guterres reafirma apoio à missão da ONU no país

No segundo dia de sua visita à República Democrática do Congo (RDC), o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, elogiou no domingo (1) a coragem dos congolenses e o sacrifício feito pelos capacetes-azuis da ONU que deram suas vidas para protegê-los.

Guterres falou em coletiva de imprensa na cidade de Beni, que está no epicentro da epidemia de ebola do país. Ele mencionou a falta de segurança e outros problemas graves que a região está sofrendo, como sarampo, malária e cólera.

“Espero que a minha presença aqui reafirme o meu apoio total à MONUSCO (Missão das Nações Unidas na República Democrática do Congo), na luta contra grupos armados que espalham medo e morte”, disse Guterres, em francês, língua oficial da RDC.

Bairro de Cratar em Áden, no Iêmen (18 de novembro de 2018). Foto: OCHA/Giles Clark

Violência agrava situação no Iêmen, em meio à falta de financiamento humanitário

A situação no Iêmen é “muito delicada” disse a principal oficial humanitária da ONU no país. Nos últimos três dias, ao menos 13 pessoas foram mortas e pelo menos 70 ficaram feridas durante confrontos nas províncias de Áden e Abyan.

“Famílias estão encurraladas em suas casas por causa do conflito e não conseguem obter alimentos e atendimento médico”, disse Lise Grande, coordenadora humanitária do Iêmen, na quinta-feira (22).

“Já fomos forçados a encerrar programas de vacinação e atendimento médico, além de reduzir serviços de proteção para vítimas de violência sexual e de gênero”, disse. “Se os doadores não honrarem suas promessas, 22 programas vitais vão ser encerrados nas próximas semanas.”

O secretário-geral da ONU, António Guterres, fala com jornalistas durante conferência realizada em Yokohama, Japão. Foto: ONU Japão/Ichiro Mae

No Japão, Guterres cita incêndios na Amazônia e desastres agravados por mudanças climáticas

O secretário-geral da ONU, António Guterres, citou nesta quinta-feira (29) os incêndios florestais na Amazônia e os desastres agravados pelas mudanças do clima durante sua participação na 7ª Conferência Internacional de Tóquio para o Desenvolvimento da África (TICAD).

Em declarações a jornalistas, Guterres destacou que a situação da Amazônia é séria, por estar ocorrendo em uma área “que é um recurso essencial para todos”. “Todos esses incêndios são extremamente perigosos e é necessário fazer de tudo para detê-los e ter uma política muito sólida de reflorestamento”.

“Acredito que a comunidade internacional precisa se mobilizar fortemente para apoiar os países amazônicos, a fim de fazer essas duas coisas: parar o incêndio o mais rápido possível com todos os meios possíveis e, em seguida, ter uma política de reflorestamento consistente.”

A sueca Greta Thunberg, ativista ambiental de 16 anos, navegou para o porto de Nova Iorque ladeada por uma frota de 17 veleiros representando cada um dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Foto: ONU/Mark Garten

Ativista Greta Thunberg chega a NY de barco para participar de cúpulas do clima

Depois de duas semanas navegando pelo Atlântico, a jovem ativista climática Greta Thunberg chegou à Big Apple na quarta-feira (28) para participar de duas grandes cúpulas climáticas a serem realizadas na sede da ONU no próximo mês.

Recusando-se a pegar avião por conta do alto consumo de combustível, a adolescente sueca decidiu adotar um meio de transporte de zero carbono para chamar atenção para os perigos do aumento das emissões globais e da poluição causada pela atividade humana.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, e outros membros da organização posam com as três vítimas de terrorismo que falaram em evento oficial do Dia Internacional. Foto: UN Photo | Eskinder Debebe.

Cicatrizes do terrorismo ‘são profundas’, diz chefe da ONU ao prestar homenagem às vítimas

As cicatrizes do terrorismo “são profundas” e, por mais que possam diminuir com o passar do tempo, “elas nunca desaparecem”, disse o chefe da ONU na última quarta-feira (21), em sua mensagem para marcar o segundo Dia Internacional de Lembrança e Tributo às Vítimas de Terrorismo.

Na estreia da exposição fotográfica para marcar a data, na sede da ONU em Nova Iorque, o secretário-geral disse que a ameaça terrorista e o extremismo violento estão “entre os nossos desafios mais complexos”.

Secretário-geral da ONU, António Guterres, ressaltou que violência de gênero é pandemia global. Foto: ONU/Loey Felipe

Guterres diz que ONU está disponível para realizar encontro sobre Amazônia em setembro

O secretário-geral da ONU, António Guterres, disse nesta segunda-feira (26) que as Nações Unidas estão disponíveis para realizar um evento sobre a Amazônia durante o encontro de alto nível da Assembleia Geral, que acontece em Nova Iorque em setembro.

Guterres falou com jornalistas em Biarritz, na França, paralelamente ao encontro anual do G7, que reúne as sete maiores economias mundiais.

O chefe das Nações Unidas explicou que nesse encontro “os países da Amazônia e todos aqueles que quiserem apoiá-los poderiam se comprometer com a vontade coletiva da humanidade de preservar esse patrimônio universal, que é absolutamente essencial para o bem-estar da população mundial e decisivo para evitar as mudanças climáticas”.

Autoridades dos países do G7 reúnem-se no Hotel du Palais Biarritz, na França, em 25 de agosto de 2019. Foto: Casa Branca/Andrea Hanks

Chefe da ONU pede compromisso de líderes do G7 para enfrentar emergência climática

Pessoas de todo o mundo pedem uma mudança para um futuro mais verde e limpo, disse o secretário-geral da ONU, António Guterres, nesta segunda-feira (26), enfatizando que “temos as ferramentas para enfrentar a emergência climática, mas precisamos de mais vontade política”.

A mensagem foi publicada no Twitter a partir de Biarritz, na França, onde o chefe da ONU se reuniu nos últimos dois dias com líderes do G7 para mobilizar ações antes de sua Cúpula de Ação Climática no mês que vem em Nova Iorque.

Com o derretimento do gelo na Groenlândia e incêndios recorde ocorrendo do Ártico ao Alasca e na Amazônia, o secretário-geral da ONU disse que “estamos muito pior do que estávamos durante (as negociações do acordo de) Paris”, referindo-se à conferência de 2015 na capital francesa que deu origem ao acordo climático que visa aliviar o aquecimento global e reduzir as emissões de gases de efeito estufa.

Secretário-geral da ONU lembra Dia Internacional em Memória das Vítimas de Atos de Violência baseados em Religião ou Crença. Foto: Mark Garten/UN Photo

‘Mundo precisa acabar com perseguição a grupos religiosos’, diz chefe da ONU em Dia Internacional

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, pediu na quinta-feira (22) o fim da perseguição a grupos religiosos em todo o mundo. Esta é a primeira vez que a data é lembrada como o Dia Internacional em Memória das Vítimas de Atos de Violência baseados em Religião ou Crença.

Aprovada em maio pela Assembleia Geral da ONU, a resolução que instaurou o Dia Internacional contou com o apoio do Brasil e de outros sete países, que alertaram para o aumento de atos de intolerância e de violência com base na religião e na crença das vítimas.

O secretário-geral da ONU, António Guterres. Foto: ONU/Manuel Elias

Secretário-geral da ONU manifesta preocupação com incêndios na Amazônia

O secretário-geral da ONU, António Guterres, disse nesta quinta-feira (22) por meio de publicação no Twitter estar “profundamente preocupado” com os incêndios na floresta amazônica brasileira, uma importante fonte de oxigênio e de biodiversidade.

“Estou profundamente preocupado com os incêndios na floresta amazônica. Em meio a uma crise climática global, não podemos arcar com mais danos a uma importante fonte de oxigênio e de biodiversidade”, disse o chefe das Nações Unidas na rede social.

Jovens - Foto: Pixabay/CC

Brasileiro ganha “Tíquete Verde” da ONU para participar da Cúpula da Juventude para o Clima

As Nações Unidas anunciaram nesta terça-feira (20) que 100 jovens campeões do clima de todo o mundo foram selecionados e receberão apoio para participar da Cúpula da Juventude para o Clima, em 21 de setembro na sede da ONU, em Nova Iorque.

Os vencedores do “Tíquete Verde” se juntarão a mais de 500 jovens líderes do clima selecionados para participar do primeiro encontro do gênero promovido pela ONU. Entre eles está o brasileiro João Henrique Alves Cerqueira.

Voluntária atende refugiados em centro de saúde em campo de Cox's Bazar em Bangladesh. Foto: UNICEF/Brown

Dia Mundial presta tributo a mulheres que trabalham com ajuda humanitária no mundo

A atuação das trabalhadoras humanitárias faz uma enorme diferença para as vidas de milhões de mulheres, homens e crianças em necessidade urgente, disse o chefe da ONU em sua mensagem para o Dia Mundial Humanitário, lembrado nesta segunda-feira (19).

Marcando o décimo aniversário do dia oficial, a ONU está homenageando a contribuição de dezenas de milhares de trabalhadoras humanitárias que fornecem suporte para salvar vidas de pessoas vulneráveis ​​em meio a crises em alguns dos lugares mais perigosos do mundo.

O dia é lembrado todos os anos em 19 de agosto de 2003, quando a sede da ONU em Bagdá foi alvo de um ataque com caminhão-bomba que matou 22 pessoas, incluindo o brasileiro Sergio Vieira de Mello, o então principal representante das Nações Unidas no Iraque.

Líbia: ataque com carro-bomba mata três funcionários da ONU em Bengazi

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, condenou no sábado (10) um ataque com carro-bomba na frente de um shopping na cidade líbia de Bengazi, que matou três funcionários da ONU e deixou outros três feridos. Dezenas de civis também se feriram.

De acordo com comunicado do representante especial da ONU para a Líbia, Ghassan Salamé, os funcionários das Nações Unidas faziam parte da Missão de Apoio da ONU no país, a UNSMIL.

Crianças na escola primária Zanaki, em Dar es Salaam, na Tanzânia. Foto: Banco Mundial/Sarah Farhat

No dia da juventude, chefe da ONU defende educação para estimular pensamento crítico

Em mensagem para o 12 de agosto, Dia Internacional da Juventude, o secretário-geral da ONU, António Guterres, alerta para a crise de aprendizado nas escolas, onde meninos e meninas nem sempre recebem o apoio necessário para desenvolver pensamento crítico e aprimorar competências tecnológicas.

O chefe das Nações Unidas defende uma educação que seja inclusiva, acessível e que conecte os jovens com o mundo de hoje, abordando temas como as mudanças climáticas, direitos humanos e igualdade de gênero.

Membro do povo Tariana na Amazônia brasileira. Imagem de 2008. Foto: Banco Mundial/Julio Pantoja

Em dia mundial, ONU defende direito dos povos indígenas a definir estratégias de desenvolvimento

Em mensagem para o Dia Internacional dos Povos Indígenas, celebrado nesta sexta-feira (9), o secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu que países garantam a essas populações o direito a determinar o seu próprio modelo de desenvolvimento, por meio de políticas que sejam inclusivas e igualitárias. De acordo com as Nações Unidas, existem em torno de 370 milhões de indígenas no mundo.

ONU presta homenagem a vítimas de Hiroshima em aniversário de 74 anos do ataque

Em homenagem àqueles que morreram após o lançamento da bomba atômica em Hiroshima, assim como muitos outros cujas vidas foram devastadas nos anos que se seguiram, o secretário-geral da ONU, António Guterres, elogiou nesta terça-feira (6) a “coragem e liderança moral” das vítimas ao lembrar o mundo dos “custos humanos da guerra nuclear”.

“A reação aos eventos cataclísmicos de 6 de agosto de 1945 também foi o começo de um impulso global para garantir que armas nucleares jamais fossem usadas novamente”, disse a alta representante para assuntos de desarmamento, Izumi Nakamitsu, em nome do secretário-geral da ONU, durante a Cerimônia Anual da Paz em Hiroshima.

Ela afirmou, no entanto, que “tensões entre Estados que detêm armas nucleares estão crescendo” e que instituições para desarmamento e controle de armas, que tornaram o mundo mais seguro há décadas, estão sendo questionadas.

Chefe da ONU lamenta fim de tratado de desarmamento assinado na Guerra Fria

O secretário-geral das Nações Unidas expressou “profunda tristeza” na sexta-feira (2) com o fim do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF, na sigla em inglês), assinado entre Estados Unidos e Rússia. Em 1987, os então líderes dos EUA e da União Soviética, Ronald Reagan e Mikhail Gorbachev, assinaram o tratado para eliminar da Europa mísseis nucleares de lançamento terrestre e arsenais de alcance intermediário.

Em comunicado emitido por seu porta-voz, António Guterres relembrou que havia “consistentemente pedido para os Estados Unidos e a Rússia resolverem suas diferenças através dos mecanismos de consultas previstos no tratado”, lamentando o fato de os países não terem seguido suas recomendações.

Guterres destacou que, “no atual ambiente de segurança internacional em deterioração, acordos de controle de armas e desarmamento assinados anteriormente estão cada vez mais sob ameaça”.

Crianças-soldado são libertadas em Yambio, Sudão do Sul, em fevereiro de 2018. Foto: UNMISS/Isaac Billy

Novo relatório mostra número recorde de crianças mortas e mutiladas em conflitos

O ano de 2018 foi o pior já registrado para crianças que vivem em meio a conflitos armados, segundo um novo relatório das Nações Unidas publicado na terça-feira (30).

Nas 20 situações de conflito monitoradas na nova edição do Relatório Anual do Secretário-Geral sobre Crianças e Conflitos Armados, mais de 12 mil crianças foram mortas ou mutiladas no ano passado.

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, disse estar “especialmente assustado” com o número de violações sem precedentes. Crianças continuam sendo usadas como combatentes, especialmente em Somália, Nigéria e Síria.

Refugiados da Somália chegam a campo na Etiópia. Devido à falta de chuvas e contínua insegurança no país, o número de refugiados no assentamento aumentou. Foto: UNICEF/Jiro Ose

Chefe da ONU expressa preocupação com mudança climática e crescimento de tensões políticas

O aquecimento global e as tensões políticas crescentes são perigosos e evitáveis, disse o secretário-geral das Nações Unidas na quinta-feira (1º), em preparação à Cúpula da ONU sobre Ação Climática. Durante conversa com jornalistas em Nova Iorque, António Guterres, afirmou que, embora tenha havido verões quentes no Hemisfério Norte, o deste ano “não é o verão de nossa juventude”, e sim uma emergência climática.

De fato, a Organização Meteorológica Mundial (OMM) indicou que 2019 teve o mês de junho mais quente já registrado, com recordes quebrados de Nova Déli ao Círculo Ártico. O mês de julho também deve igualar, ou até mesmo superar, o mês mais quente já registrado na história. Além disso, 2015 a 2019 formam o período de cinco anos mais quente já registrado.

Em Westminster, no Reino Unido, jovens protestam por ações climáticas urgentes. Foto: Flickr (CC)/Rox

Secretário-geral da ONU alerta que julho foi o mês mais quente já registrado

O secretário-geral da ONU, António Guterres, disse na quinta-feira (1º) que julho igualou ou superou o mês mais quente já registrado na história, segundo novos dados da Organização Meteorológica Mundial (OMM).

“De acordo com os dados mais recentes da OMM e de seu centro de clima, julho igualou se não superou o mês mais quente já registrado na história. Isso ocorre após o registro do junho mais quente já registrado”, disse o secretário-geral da ONU.

Mulheres refugiadas manifestam apoio à campanha contra o tráfico de pessoas no campo de Wad Sharife, leste do Sudão (24 de julho de 2018). Foto: ACNUR/Bahia Egeh

Conflitos e mudanças climáticas alimentam tráfico de pessoas, diz secretário-geral da ONU

Para marcar o Dia Mundial contra o Tráfico de Pessoas, o secretário-geral das Nações Unidas destacou que a prática é “um crime hediondo que afeta todas as regiões do mundo”, especialmente mulheres e crianças. Segundo António Guterres, a maior parte das vítimas registradas foi traficada para exploração sexual, além de trabalho forçado, recrutamento como crianças-soldado e outras formas de exploração e abuso.

De acordo com o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC), 72% das vítimas detectadas são mulheres e meninas. A porcentagem de vítimas crianças mais que dobrou de 2004 a 2016.

Abdirahman Omar Osman, prefeito de Mogadíscio, durante cerimônia em março de 2018. Foto: ONU/Omar Abdisalan

Chefe da ONU condena ataque na Somália contra oficiais do governo

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, condenou o ataque terrorista de quarta-feira (24) contra escritórios da prefeitura de Mogadíscio, capital da Somália.

Segundo a imprensa internacional, seis autoridades do governo foram mortas e diversas outras ficaram feridas. Um dos sobreviventes é o prefeito da cidade, Abdirahman Omar Osman, que foi levado ao Qatar para receber tratamento médico, de acordo com a veículos de comunicação somalis.

O parapentista, empreendedor e cineasta ambiental de Hong Kong Malcolm Wood é o novo participante da campanha da ONU Meio Ambiente "Heróis da Montanha". Foto: @codytutts

Cineasta e parapentista de Hong Kong une-se a campanha da ONU Meio Ambiente

O parapentista, empreendedor e cineasta ambiental de Hong Kong Malcolm Wood é o novo participante da campanha da ONU Meio Ambiente “Heróis da Montanha”, cujo objetivo é alertar para os efeitos das mudanças climáticas nas montanhas e geleiras do mundo.

Ele se juntará a atletas famosos como o escalador canadense Will Gadd, o ciclista austríaco Michael Strasser, a esquiadora queniana Sabrina Simader e o aventureiro britânico Ben Fogle, que ajudam a chamar a atenção para questões ambientais emergentes nas montanhas, incluindo mudanças climáticas, gestão de resíduos e perda de biodiversidade.

Jayathma Wickramanayake, enviada especial do secretário-geral das Nações Unidas para a Juventude. Foto: Lindsay Barnes/UNFPA

Enviada da ONU diz que jovens do mundo estão preocupados com a paz global

Após visitar campos de refugiados na Jordânia, escolas apoiadas pela ONU em Gaza, municípios no Kosovo e Conselhos da Juventude na Dinamarca, a enviada das Nações Unidas para a Juventude foi ao Conselho de Segurança, em Nova Iorque, na quarta-feira (17) com a mensagem de que os jovens do mundo “se importam com a paz”.

A enviada também destacou a necessidade de proteger jovens ativistas, cujas atividades os colocam sob os holofotes.

“Nos últimos meses, notei com grave preocupação certos incidentes de jovens ativistas pela paz e de jovens defensores dos direitos humanos sendo submetidos a ameaças, intimidações, violências, prisões arbitrárias e retaliações por parte de atores estatais e não estatais”, disse.

Atividades de serviço ao público são realizadas por funcionários da ONU e delegados. As iniciativas são organizadas pela prefeitura de Nova Iorque para o Dia Internacional Nelson Mandela. Foto: ONU/Sergio Gomez

Chefe da ONU celebra Nelson Mandela: ‘um defensor global da dignidade e da igualdade’

Nelson Mandela era um “extraordinário defensor global da dignidade e da igualdade” que qualquer um no serviço público deveria imitar, disse o secretário-geral da ONU, António Guterres, marcando o Dia Internacional que homenageia o icônico combatente anti-apartheid, e o primeiro presidente democraticamente eleito da África do Sul.

Como “um dos líderes mais emblemáticos e inspiradores do nosso tempo, Nelson Mandela foi exemplo de coragem, compaixão e compromisso com liberdade, paz e justiça social”.

Com o discurso do ódio lançando uma sombra crescente em todo o mundo, “os apelos de Nelson Mandela para a coesão social e o fim do racismo são particularmente relevantes hoje”, disse o chefe da ONU.

Funcionária de centro médico do vilarejo Tajikhan, no Afeganistão, conversa com uma mulher e seu bebê de 5 meses em 10 de maio de 2012. Foto: Banco Mundial/Graham Crouch

Mulheres ainda enfrentam desafios de bem-estar e direitos humanos, diz chefe da ONU

Muitas mulheres e meninas “ainda enfrentam enormes desafios aos seus direitos à saúde, bem-estar e aos seus direitos humanos”, disse o secretário-geral das Nações Unidas em encontro de alto nível da Assembleia Geral na terça-feira (16), em Nova Iorque. A reunião foi convocada para marcar os 25 anos da Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento (CIPD), um importante evento em saúde reprodutiva e direitos.

“Estamos vendo um retrocesso global em direitos das mulheres, incluindo direitos reprodutivos e serviços de saúde vitais”, afirmou António Guterres aos participantes do encontro.

Embora progressos alcançados em direitos das mulheres ao longo dos últimos 25 anos tenham contribuído para reduzir a pobreza e a fome e melhorar a educação e a saúde, em torno de 650 milhões de mulheres se casaram quando ainda eram crianças. Todos os dias, mais de 500 mulheres e meninas morrem durante a gravidez e o parto em todo o mundo.

Em Moçambique, o secretário-geral da ONU, António Guterres, ouve relatos de famílias no campo de Mandruzi, a 40 km de Beira, um reassentamento que abriga 375 pessoas. Foto: ONU/Eskinder Debebe

Moçambique: Guterres promete apoio contínuo da ONU em visita a áreas atingidas por ciclones

Crianças aprendendo em salas de aula sem teto; mulheres cultivando a terra sem ferramentas — esses são alguns exemplos dos desafios enfrentados por moçambicanos que sobreviveram aos ciclones que destruíram seus meios de subsistência. Em seu último dia de visita, na sexta-feira (12), o chefe da ONU, António Guterres, testemunhou em primeira mão a força interior e a resiliência da população vivendo em um país devastado.

Guterres esteve em Moçambique para fazer um balanço dos esforços de recuperação em áreas afetadas pelos devastadores ciclones Idai e Kenneth, ocorridos em março e abril deste ano.

Mães utilizam creche no distrito de Sire, na Etiópia. Foto: Banco Mundial/Binyam Teshome

No Dia Mundial da População, Guterres defende desenvolvimento equitativo e inclusivo

À medida que a população global continua a aumentar, o secretário-geral da ONU, António Guterres, destacou nesta quinta-feira (11), Dia Mundial da População, a estreita ligação entre a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável e as tendências demográficas — exortando todos a “dar oportunidades para aqueles deixados para trás e ajudar a abrir o caminho para um desenvolvimento sustentável, equitativo e inclusivo para todos”.

“Para muitos dos países menos desenvolvidos do mundo, os desafios para o desenvolvimento sustentável são agravados pelo rápido crescimento populacional e pela vulnerabilidade às mudanças climáticas”, disse ele em comunicado. “Outros países estão enfrentando o desafio do envelhecimento populacional, incluindo a necessidade de promover um envelhecimento ativo saudável e fornecer proteção social adequada”.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, recebe flores na chegada a Maputo, Moçambique, em 11 de julho de 2019. Foto: ONU/Eskinder Debebe

Em visita a Moçambique, Guterres pede apoio rápido à reconstrução após ciclones

Ao chegar a Moçambique para expressar solidariedade e presenciar os danos causados por dois ciclones no início deste ano, o chefe da ONU, António Guterres, disse nesta quinta-feira (11) que o povo moçambicano é vítima de um desastre conectado às mudanças climáticas e a um mundo em aquecimento.

Falando em português, o chefe da ONU observou que “Moçambique quase não contribui para o aquecimento global, mas está na vanguarda das vítimas deste aquecimento global”.

“Isso dá o direito de exigir forte solidariedade e forte apoio da comunidade internacional, tanto na resposta aos traumas criados pelas tempestades que assolaram o país quanto na preparação para a reconstrução e para situações futuras”, acrescentou.

Manifestantes reúnem-se na frente da sede do exército sudanês na capital do país, Cartum. Foto: Masarib/Ahmed Bahhar

Chefe das Nações Unidas elogia acordo entre militares e oposição no Sudão

O secretário-geral da ONU, António Guterres, disse na sexta-feira (5) estar “encorajado” por relatos de um novo acordo de partilha de poder entre as Forças da Liberdade e da Mudança — uma coligação de oposição e grupos de protesto — e o conselho militar do Sudão.

Os dois lados concordaram em dividir o poder por três anos e depois realizar eleições para o retorno ao governo civil. Guterres elogiou a decisão de se estabelecer órgãos de governo transitórios, e felicitou a União Africana, a Etiópia e a Autoridade Intergovernamental Regional para o Desenvolvimento (IGAD) por seu papel nas negociações.

Chefe da ONU defende cooperação para conter ameaças climáticas em ilhas caribenhas

Para conter desafios globais especialmente ameaçadores para nações insulares vulneráveis, como algumas no Caribe, é essencial “enfrentar os ventos contrários juntos”, disse na quarta-feira (3) o secretário-geral das Nações Unidas na conferência anual da Comunidade Caribenha (CARICOM), em Santa Lúcia.

Guterres relembrou sua visita ao Pacífico Sul em maio, onde viu como “nações insulares do Pacífico estão respondendo à crise climática” ao focarem em investimentos para desenvolvimento. Ele também relembrou suas visitas após os furacões Irma e Maria gerarem caos em 2017, quando “em apenas poucos dias”, anos de “ganhos em desenvolvimento” foram destruídos em Barbuda e Dominica.

Etíopes vivendo como deslocados internos na região de Kercha, na Etiópia. Foto: UNOCHA/Tinago Chikoto

Chefe da ONU condena assassinato de autoridades etíopes em tentativa de golpe

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, condenou os assassinatos do chefe do Estado-Maior do Exército da Etiópia, Seare Mekonnen, e do governador da região de Amhara, Ambachew Mekonnen. Ambas as vítimas eram aliados do primeiro-ministro Abiy Ahmed. Homicídios aconteceram na semana passada, em meio ao que as autoridades do país africano descreveram como uma tentativa fracassada de golpe regional.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, na Conferência Mundial de Ministros da Juventude e do Fórum da Juventude, Lisboa+21, na capital portuguesa. Foto: Lisboa +21

Chefe da ONU pede que jovens continuem liderando resposta à emergência climática

Gerações mais velhas fracassaram em responder adequadamente à emergência climática, disse no fim de junho (23) o secretário-geral das Nações Unidas, enquanto os jovens estão “se apresentando ao desafio” e assumindo a liderança para diminuir o ritmo destrutivo do aquecimento global.

Em discurso de encerramento da Conferência Mundial de Ministros da Juventude e do Fórum da Juventude, em Lisboa, António Guterres disse que é preciso dar mais poder aos jovens nas tomadas de decisões.

Através das ações inspiradoras de líderes jovens, como a sueca Greta Thunberg, que criou uma greve nas salas de aula para pedir ações climáticas em todo o mundo, Guterres disse que “estudantes compreenderam mais a urgência do que líderes globais”. “Eles sabem que a janela de oportunidade está se fechando; eles estão determinados a combater esta ameaça e já estão fazendo uma grande diferença”.