Secretário-geral da ONU

O secretário-geral da ONU, António Guterres. Foto: ONU/Mark Garten (arquivo)

O nono secretário-geral da ONU, António Guterres. Foto: ONU/Mark Garten

De acordo com a Carta das Nações Unidas, o secretário-geral é o “chefe administrativo” da Organização e deve cumprir “outras funções que lhe são confiadas” pelo Conselho de Segurança, Assembleia Geral, Conselho Econômico e Social e outros órgãos das Nações Unidas.

 

A Carta também diz que o secretário-geral tem o dever de “levar à atenção do Conselho de Segurança qualquer assunto que em sua opinião possa ameaçar a manutenção da paz e segurança internacional”. Saiba mais sobre o tema clicando aqui e confira todas as notícias relacionadas abaixo.

Secretário-geral da ONU visita campo de refugiados do Sudão do Sul em Imvepi, Uganda. Foto: ONU/Mark Garten

Países comprometem-se a doar US$350 mi para apoiar refugiados sul-sudaneses em Uganda

Uma cúpula de solidariedade a refugiados sul-sudaneses em Uganda levantou 358 milhões de dólares em compromissos de doações, anunciaram as Nações Unidas nesta sexta-feira (23).

No ano passado, a população de refugiados em Uganda mais do que dobrou — passando de 500 mil para mais de 1,25 milhão —, principalmente devido ao influxo de pessoas fugindo da violência e da instabilidade no Sudão do Sul, o que se transformou na crise de refugiados que mais cresce no mundo.

Depois de três dias na estrada, refugiados sul-sudaneses chegam ao recém-construído campo de Gure Shembola, na Etiópia. Foto: ACNUR/Diana Diaz

Secretário-geral da ONU pede apoio e solidariedade para número recorde de pessoas deslocadas

Segundo últimos dados da ONU, 84% dos refugiados são acolhidos por países de renda baixa ou média. No total, 65,6 milhões de pessoas deslocadas à força: 300 mil a mais do que em 2015. Crianças compõe a metade dos refugiados do mundo.

“Refletimos sobre a coragem daqueles que fugiram e a compaixão daqueles que os recebem”, disse o chefe da ONU, António Guterres, no Dia Mundial do Refugiado (20).

Mulheres em abrigo para vítimas de violência sexual e de gênero em Mogadishu, Somália. Foto: UNICEF/Holt

Secretário-geral da ONU pede eliminação da violência sexual em conflitos

No Dia Internacional para a Eliminação da Violência Sexual em Conflito, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, lembrou as mulheres, meninas, homens e meninos que sofreram as atrocidades da violência sexual durante guerras, e reafirmou “nosso compromisso para eliminar esse flagelo”.

“Esses crimes nunca deveriam ser minimizados como produtos inevitáveis da guerra”, declarou. “A violência sexual é uma ameaça para o direito dos indivíduos a uma vida de dignidade, e para a paz e a segurança coletiva da humanidade”.

Órfãos sírios em ônibus escolar, em Homs. Foto: ACNUR/Andrew McConnell

Guerra, violência e perseguição elevam deslocamentos forçados a um nível sem precedentes

Em todo o mundo, o deslocamento forçado causado por guerras, violência e perseguições alcançou em 2016 os níveis mais altos já registrados, segundo relatório divulgado hoje (19) — véspera do Dia Mundial do Refugiado — pela Agência da ONU para Refugiados (ACNUR). Ao final do ano passado, cerca de 65,6 milhões de pessoas eram consideradas vítimas de deslocamento forçado. Desse contingente, 22,5 milhões eram refugiados — um recorde histórico.

Pessoas desalojadas carregam seus pertences pelo campo do aeroporto de M’Poko, em Bangui, capital da República Centro-Africana. Foto: OCHA/Phil Moore

ONU alerta para ‘sinais claros’ do aumento da violência na República Centro-Africana

Nações Unidas pedem ajuda para milhares de deslocados e refugiados centro-africanos em meio à maior onda de violência no país nos últimos três anos de conflito civil. Mapeamento indica mais de 600 violações em massa de direitos entre 2003 e 2015, incluindo massacres, estupros coletivos e ataques contra forças de paz. Chefe humanitária da ONU no país pede apoio da comunidade internacional.

Instabilidade política e pobreza extrema limitam desenvolvimento econômico e social na Guiné-Bissau. Na foto, uma família viaja para a aldeia de Tebe-Zinho, onde as crianças receberão vacinas e outros serviços de saúde, com apoio do UNICEF. Foto: UNICEF / LeMoyne

Guiné-Bissau: relatório da ONU pede reforma abrangente do sistema de saúde

Relatório da ONU divulgado no início de junho revela que a implementação do direito à saúde na Guiné-Bissau está enfrentando enormes desafios. Existem apenas três pediatras no país da África Ocidental, todos eles expatriados, para uma população de cerca de 720 mil crianças menores de 15 anos. Além disso, são apenas quatro obstetras, cerca de 34 parteiras qualificadas e um anestesista em todo o país, que tem 1,8 milhão de pessoas.

ONU defende diplomacia para resolver disputas transnacionais por recursos hídricos

Com as mudanças climáticas, até 2050, pelo menos um em cada quatro habitantes do mundo viverá num país onde a falta de água doce será crônica ou recorrente. Atualmente, 75% dos Estados-membros da ONU compartilham bacias de lagos ou de rios com vizinhos. Existem mais de 270 bacias de rios “compartilhadas” internacionalmente, servindo de fonte primária de água doce para cerca de 40% da população mundial.

Crianças que visitarem o AquaRio poderão aprender sobre preservação da vida marinha. Foto: UNIC Rio/Pedro Andrade

Contradição entre economia e saúde dos oceanos é ‘artificial’, diz chefe da ONU

O secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu durante a Conferência sobre os Oceanos, realizada nessa semana na sede da ONU, uma ação global para enfrentar os atuais desafios que envolvem a saúde dos oceanos, incluindo a poluição e o uso insustentável dos recursos marinhos.

A ONU também marca nesta quinta-feira (8) o Dia Mundial dos Oceanos. “Estamos aqui para virar a maré. Nós criamos esses problemas. Com uma ação global decisiva e coordenada, podemos resolvê-los”, disse Guterres.

Pescadores em Evia, na Grécia, em janeiro de 1973. Foto: ONU/Tsagris

ONU pede que países revertam danos aos oceanos durante conferência em NY

Na abertura da primeira conferência internacional sobre a saúde dos oceanos e mares, realizada em Nova Iorque, representantes das Nações Unidas pediram nesta segunda-feira (5) ação global coordenada para proteger o planeta.

“Melhorar a saúde de nossos oceanos é um teste para o multilateralismo, e não podemos nos dar ao luxo de falhar nisso”, disse o secretário-geral da ONU, António Guterres, em sua primeira grande conferência desde que assumiu o cargo, no início deste ano.

Médico e especialista em saúde pública, Osotimehin tornou-se o quarto diretor-executivo do UNFPA em 1º de janeiro de 2011. Foto: ONU

ONU lamenta morte de diretor-executivo de Fundo de População das Nações Unidas

O secretário-geral da ONU, António Guterres, lamentou nesta segunda-feira (5) a morte do diretor-executivo do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), Babatunde Osotimehin, aos 68 anos.

Osotimehin defendeu vigorosamente três importantes objetivos das Nações Unidas, como reduzir a zero o número de mortes maternas pelo mundo, atender totalmente a demanda por planejamento familiar e eliminar práticas nocivas contra mulheres e meninas. O UNFPA pede que todos honrem o legado de Osotimehin ao defender esses objetivos globalmente.

Jovens residentes da Floresta Nacional do Tapajós. Foto: ONU/Eskinder Debebe (arquivo)

No Dia Mundial do Meio Ambiente, ONU pede conexão com o planeta

O tema deste ano do Dia Mundial do Meio Ambiente é “Conectando pessoas à natureza”, e tem como objetivo enfatizar os benefícios para a saúde física e mental de estar em meio à natureza. As Nações Unidas lembram os vastos benefícios de tal engajamento, da segurança alimentar a uma melhor saúde, além de um suprimento adequado de água e estabilidade climática.

“Este é nosso meio ambiente. É a chave para um futuro sustentável. Sem um meio ambiente saudável, não poderemos acabar com a pobreza ou construir prosperidade”, disse o secretário-geral da ONU, António Guterres, em mensagem de vídeo para o dia.

Foto: ONU

Saída dos EUA de acordo do clima é ‘grande decepção’, diz secretário-geral da ONU

António Guterres disse que a decisão dos EUA de se retirar do Acordo de Paris sobre as mudanças climáticas é uma “grande decepção para os esforços globais para reduzir as emissões de gases de efeito estufa e promover a segurança global”. O chefe da ONU lembrou que o Acordo de Paris foi adotado por todas as nações do mundo devido ao reconhecimento sobre o “imenso mal que as mudanças climáticas já estão causando e a enorme oportunidade que apresenta a ação climática”.

Foto: ONU

Mudança climática é ameaça sem precedentes, mas também uma oportunidade, diz chefe da ONU

Em palestra a estudantes em Nova York, António Guterres apresentou um plano de ação de cinco pontos para mobilizar o mundo para a ação climática. “Milhares de empresas privadas, incluindo grandes empresas de petróleo e gás, estão tomando suas próprias medidas. Eles sabem que o negócio verde é um bom negócio. Não é apenas a coisa certa a fazer, é a coisa inteligente a fazer”, disse em evento de escola de negócios da Universidade de Nova York.

Secretário-geral da ONU, António Guterres (direita) entrega guirlanda de flores em homenagem a membros das Forças de Paz mortos em serviço. Foto: ONU/Mark Garten

Em dia internacional, ONU presta homenagem a membros das Forças de Paz

Para marcar o Dia Internacional dos Trabalhadores das Forças de Paz, lembrado em 29 de maio, as Nações Unidas realizam nesta quarta-feira (24) uma cerimônia em sua sede em Nova Iorque para homenagear as mais de 3,5 mil pessoas que morreram em serviço desde 1948, reconhecendo sua dedicação e coragem.

“Todos os dias, soldados das Forças de Paz ajudam a trazer paz e estabilidade a sociedades afetadas pela guerra no mundo todo”, disse o secretário-geral da ONU, António Guterres, em mensagem para o dia. Assista ao vídeo.

Foto: ONU

ONU confirma evidências de ataques químicos na Síria em 2016 e 2017

Em reunião no Conselho de Segurança nessa terça (23), chefe de desarmamento da ONU confirmou evidências que ocorreu exposição a substâncias químicas como o composto Sarin na Síria, em 2016 e 2017.

“Este não é um problema para ser politizado”, disse a representante das Nações Unidas para o desarmamento, Izumi Nakamitsu, que destacou que a ONU “não pode ser neutra” nesse tema. A missão foi liderada pela Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ), que atua com a ONU nas investigações.

Capacetes azuis e uniformes dos representantes das forças de paz da ONU. Foto: ONU/Marco Dormino

Soldado brasileiro morto no Haiti será homenageado na ONU em Dia Internacional das Forças de Paz

A sede das Nações Unidas em Nova Iorque lembrará o Dia Internacional dos Trabalhadores das Forças de Paz na quarta-feira (24).

O secretário-geral da ONU, António Guterres, entregará uma guirlanda de flores em homenagem aos soldados mortos, e presidirá uma cerimônia na qual a medalha Dag Hammarskjöld será entregue postumamente a 117 militares, policiais e pessoal civil que perderam suas vidas enquanto serviam as operações de paz em 2016.

Um soldado brasileiro está entre os que serão homenageados postumamente com a medalha Dag Hammarskjöld — o sargento Vicente Medeiros, que perdeu sua vida enquanto servia à Missão das Nações Unidas para Estabilização do Haiti (MINUSTAH).