Secretário-geral da ONU

O secretário-geral da ONU, António Guterres. Foto: ONU/Mark Garten (arquivo)

O nono secretário-geral da ONU, António Guterres. Foto: ONU/Mark Garten

De acordo com a Carta das Nações Unidas, o secretário-geral é o “chefe administrativo” da Organização e deve cumprir “outras funções que lhe são confiadas” pelo Conselho de Segurança, Assembleia Geral, Conselho Econômico e Social e outros órgãos das Nações Unidas.

 

A Carta também diz que o secretário-geral tem o dever de “levar à atenção do Conselho de Segurança qualquer assunto que em sua opinião possa ameaçar a manutenção da paz e segurança internacional”. Saiba mais sobre o tema clicando aqui e confira todas as notícias relacionadas abaixo.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, durante abertura de mesa-redonda sobre saúde mental em Londres, no início de maio de 2018. Foto: Susan Smart/Wellcome Trust

Saúde mental é ‘questão negligenciada’, mas chave para alcançar objetivos globais

A saúde mental continua sendo uma das questões de saúde global mais negligenciadas, embora seja fundamental para a realização dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) adotados pelos líderes mundiais, disseram os principais funcionários da ONU em um evento em Londres no início de maio.

“Uma em cada quatro pessoas experimenta um episódio de saúde mental durante a sua vida, mas a questão continua largamente negligenciada”, disse o secretário-geral da ONU, António Guterres.

Eleitor em local de votação em Erbil, na região do Curdistão, no Iraque, participando das primeiras eleições nacionais desde que os militares iraquianos declararam a vitória sobre o Estado Islâmico do Iraque e do Levante (ISIL), no final de 2017. Foto: ONU/UNAMI

Iraque: chefe da ONU elogia realização da primeira eleição legislativa após derrota do Estado Islâmico

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, parabenizou o povo iraquiano pela realização das primeiras eleições parlamentares nacionais, no último sábado (12), desde que o país declarou vitória sobre o Estado Islâmico do Iraque e do Levante (ISIL/Dae’sh) no final do ano passado. ONU forneceu assistência técnica à Comissão Eleitoral Independente do Iraque.

Forças de paz da missão da ONU na República Centro-Africana (MINUSCA) em patrulha na capital do país, Bangui. Foto: ONU/MINUSCA

Fim da violência na República Centro-Africana ainda está distante, diz ONU

Na República Centro-Africana, o fim da violência e a garantia de estabilidade ainda são objetivos difíceis de serem alcançados, apesar dos esforços de diversos atores, disse um oficial sênior da ONU ao Conselho de Segurança.

O Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) descreveu a República Centro-Africana como “um país frágil” devastado por anos de conflito e que enfrenta desafios estruturais e econômicos.

Protestos na Faixa de Gaza no dia 14 de maio de 2018. Foto: OCHA

ONU condena violência das forças de segurança israelenses contra palestinos em Gaza

O Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) condenou nesta terça-feira (15) o que chamou de “terrível e mortal” violência na Faixa de Gaza na segunda-feira (14), quando ao menos 58 palestinos foram mortos e 1,3 mil foram feridos com munição letal pelas forças de segurança israelenses na área próxima à cerca que separa a Faixa de Gaza de Israel.

“Ressaltamos, novamente, que a força letal só pode ser usada como último recurso, não como primeiro, e somente quando há uma ameaça imediata à vida ou de ferimentos graves. Uma tentativa de se aproximar, atravessar ou danificar a cerca não representa ameaça à vida ou de ferimentos graves e não é motivo suficiente para o uso de munição real. Este é também o caso no que diz respeito ao lançamento de pedras e de coquetéis molotov à distância contra forças de segurança bem protegidas localizadas atrás de posições defensivas”, disse o porta-voz do ACNUDH.

Marcha contra o racismo e a xenofobia em Madrid, Espanha, em maio de 2016. Foto: Adolfo Lujan/Flickr/CC

Neonazismo é um ‘câncer’ que voltou a se espalhar pelo mundo, alerta chefe da ONU

Em inauguração de exposição sobre a Segunda Guerra Mundial, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, afirmou em Nova Iorque, nesta semana (9), que atos para lembrar o conflito nunca foram tão significativos quanto atualmente. Segundo o chefe da ONU, mais uma vez, o mundo é palco da proliferação do antissemitismo e do neonazismo, descrito por Guterres como “um câncer”. Na terça-feira (8), a rendição incondicional da Alemanha completou 73 anos.

Escombros na cidade de Maarat al-Numaan, na província de Idlib. Foto: UNICEF/Giovanni Diffidenti

‘Maratona do sofrimento’ na Síria está longe de acabar, alerta negociador da ONU

Os conflitos na Síria “não acabaram”, assim como a “maratona de sofrimento” para milhões de pessoas no país devastado pela guerra, afirmou um oficial humanitário sênior da ONU.

“Não acabou. Este é meu receio, que as pessoas pensem que o conflito chegou ao fim”, afirmou Jan Egeland, em meio a informações de que “milhares de pessoas” da área rural de Damasco estavam se preparando para ser evacuadas com destino a Idlib, no noroeste do país.

Yukiya Amano, diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA). Foto: AIEA/Dean Calma

Chefe da AIEA diz que Irã está cumprindo seus compromissos no acordo nuclear

Um dia depois de os Estados Unidos anunciarem a saída do acordo internacional sobre o programa nuclear iraniano, o chefe da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) disse nesta quarta-feira (9) que o Irã está cumprindo consistentemente com seus compromissos.

Yukiya Amano, que lidera a AIEA, disse que o Irã foi “alvo do regime de verificação nuclear mais robusto do mundo” sob os termos do acordo de 2015, conhecido como Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA, na sigla em inglês).

Secretário-geral da ONU visitou o centro de Havana. Foto: CEPAL

Em Cuba, chefe da ONU elogia ‘corajosa visão’ de desenvolvimento da América Latina

O chefe das Nações Unidas, António Guterres, enfatizou na terça-feira (9) o papel central que a América Latina e o Caribe têm em garantir uma “globalização justa” que não deixe ninguém para trás.

Em discurso durante uma sessão da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), iniciada em Cuba na segunda-feira (8), Guterres disse que o fórum “é central para apoiar os países da região na implementação da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável”.

Rua em Havana, capital de Cuba. Foto: Radmilla Suleymanova

CEPAL realiza diálogo em Cuba sobre trajetória para o desenvolvimento sustentável

A secretária-executiva da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), Alicia Bárcena, reafirmou na segunda-feira (7) o compromisso do organismo regional das Nações Unidas de acompanhar Cuba, assim como o conjunto dos países-membros do organismo regional, em seu percurso rumo ao desenvolvimento sustentável, às vésperas da abertura do 37º período de sessões da CEPAL, dedicado ao país anfitrião e que ocorre até sexta-feira (11) em Havana.

Durante o Dia Nacional, organizado pelo governo cubano para analisar a contribuição da CEPAL ao pensamento econômico e social da América Latina e do Caribe, Bárcena avaliou os progressos feitos por Cuba na implementação da Agenda 2030 e seu compromisso com um enfoque integral em matéria de desenvolvimento.

Bandeiras do Irã. Foto: Flickr (CC)/yeowatzup

Secretário-geral da ONU defende manutenção de acordo nuclear com Irã

Em entrevista à rede de notícias britânica BBC durante viagem oficial à Inglaterra, o secretário-geral da ONU, António Guterres, defendeu a manutenção do acordo nuclear com o Irã, considerado pelo chefe das Nações Unidas “uma importante vitória diplomática”. Questionado se estava preocupado com a eventual saída dos Estados Unidos do documento, o dirigente disse que “não devemos descartar o acordo a menos que tenhamos uma boa alternativa”.

Centro antigo de Havana, Cuba. Foto: Wikicommons/Emmanuel Huybrechts

Reunião da CEPAL em Cuba terá presença de secretário-geral da ONU e autoridades regionais

A Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) realizará na semana que vem (de 7 a 11) em Havana, Cuba, seu 37º Período de Sessões, a reunião bienal mais importante dessa comissão regional das Nações Unidas, com a participação de mais de 25 ministros, vice-ministros e outras autoridades de mais de 20 países.

A cerimônia de abertura terá a participação do secretário-geral da ONU, António Guterres. A cúpula analisará temas relevantes para o desenvolvimento dos países da região e o progresso das atividades da comissão.

Capacetes-azuis da MINUSCA patrulham a capital da República Centro-Africana, Bangui. Foto: MINUSCA

Secretário-geral da ONU condena violência na capital da República Centro-Africana

Manifestando preocupação com a retórica inflamada em meio à disseminada violência em Bangui, capital da República Centro-Africana (RCA), o secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu que todos os atores permaneçam calmos e trabalhem juntos para construir a paz no país.

Em meio à violência, uma igreja foi atacada e um pastor assassinado. Dois membros da Missão de Paz das Nações Unidas na República Centro-Africana (MINUSCA) também ficaram feridos quando foram apedrejados por uma multidão.

Segundo publicação no Twitter do comandante do Exército brasileiro, general Eduardo Villas Bôas, dois observadores militares brasileiros ficaram feridos na ocasião. Um dos boinas-azuis foi submetido na quarta-feira (2) a uma cirurgia em Kampala, Uganda, e passa bem. O segundo também passa bem e segue na missão, de acordo com o general.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, transformou o combate ao abuso e à exploração sexual na Organização uma prioridade. Foto: ONU/Evan Schneider

ONU recebeu 54 acusações de abuso sexual contra funcionários no 1º trimestre

Mais de 50 acusações de abuso e exploração sexual envolvendo pessoal servindo às Nações Unidas e seus parceiros em campo foram recebidas nos primeiros três meses deste ano, disse a Organização na terça-feira (1), em sua sede em Nova Iorque.

As acusações não foram totalmente verificadas e muitas estão na fase preliminar de análise. Elas envolvem 66 vítimas, incluindo 13 meninas menores de 18 anos, e 16 vítimas de idade desconhecida.

Palestinos durante a recente ‘Grande Marcha do Retorno’. Foto: Hosam Salem/Al Jazeera

‘Gaza está prestes a explodir’, alerta enviado da ONU ao Conselho de Segurança

O conflito entre Israel e Palestina continua sem perspectivas de uma solução política e “Gaza está prestes a explodir”, disse o enviado da ONU na região, pedindo aos dois lados que evitem novos confrontos ao longo da fronteira do enclave. Pelo menos 35 pessoas já foram mortas nos últimos protestos pacíficos dos palestinos – todos da Palestina, incluindo crianças.

“Toda semana, testemunhamos casos de uso de força letal [por Israel] contra manifestantes desarmados”, disse o alto-comissário da ONU para os direitos humanos. “Alertas das Nações Unidas e outros aparentemente não foram atendidos, já que a abordagem das forças de segurança a cada semana não parece ter mudado.”

Foto: UNAMA

Mais de 700 civis morreram no conflito do Afeganistão no primeiro trimestre

O conflito armado no Afeganistão matou 763 civis e feriu outros 1.495 nos primeiros três meses deste ano, relatou na semana passada (19) a missão das Nações Unidas no país.

“Todos os grupos envolvidos no conflito no Afeganistão precisam fazer tudo o que estiver ao seu alcance para proteger os civis”, disse Ingrid Hayden, representante especial adjunta do secretário-geral da ONU no Afeganistão. “Os civis afegãos continuam sofrendo, presos no conflito, de maneiras que são evitáveis; isso precisa acabar”, completou.

Secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres. Foto: ONU/Eskinder Debebe

Secretário-geral da ONU manifesta preocupação com mortes em protestos na Nicarágua

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, expressou na segunda-feira (23) preocupação com as mortes em uma recente onda de protestos na Nicarágua contra reformas na previdência, e pediu prudência a todos os envolvidos.

“Ele também pede que o governo da Nicarágua garanta a proteção dos direitos humanos de todos os cidadãos, particularmente o direito à reunião pacífica e à liberdade de expressão”, disse o porta-voz do chefe da ONU, Stéphane Dujarric, em comunicado.

Trabalhadores da construção civil atuam em projeto de expansão do Canal do Panamá. Foto: Banco Mundial

Investimentos de curto prazo põem em risco desenvolvimento dos países, diz relatório da ONU

Embora uma recuperação moderada da economia mundial tenha levado a um aumento do financiamento para o desenvolvimento em 2017, um novo relatório das Nações Unidas revelou este mês (13) que grande parte dos investimentos ainda é de curto prazo, colocando em risco os compromissos globais para a criação de economias sustentáveis.

“O mundo possui recursos suficientes, mas eles não são alocados nas áreas que apresentam maior necessidade”, disse o secretário-geral da ONU, António Guterres, no prefácio do relatório de 2018, denominado “Financiamento para o Desenvolvimento: Progresso e Perspectivas”.

Secretário-geral da ONU, António Guterres. Foto: ONU/Violaine Martin

Chefe da ONU condena assassinato de jornalistas na fronteira Equador-Colômbia

O secretário-geral da ONU, António Guterres, condenou o sequestro e assassinato de três trabalhadores da imprensa perto da fronteira entre Equador e Colômbia em 13 de abril, assim como o sequestro subsequente de dois outros cidadãos equatorianos.

“Esses atos são uma manifestação da ameaça representada por grupos criminosos operando na fronteira entre Equador e Colômbia”, disse o secretário-geral em comunicado divulgado por seu porta-voz.

Razia Sultana, ativista de direitos humanos e advogada, fala durante debate aberto do Conselho de Segurança da ONU em nome de grupo de trabalho de ONGs sobre mulheres, paz e segurança. Foto: ONU/Mark Garten

Advogada de muçulmanos rohingya critica atuação do Conselho de Segurança da ONU

O Conselho de Segurança da ONU não conseguiu impedir a crise de refugiados rohingya em Mianmar, e o órgão de 15 membros precisa encaminhar os casos de violência sexual e outros crimes contra o grupo étnico para o principal tribunal criminal do mundo, disse na segunda-feira (16) a advogada dessa população muçulmana, durante debate na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque.

“De onde eu venho, mulheres e meninas têm sido estupradas por gangues, torturadas e mortas pelo exército de Mianmar, somente por serem rohingya”, disse Razia Sultana em nome de organizações não governamentais, durante debate aberto do Conselho de Segurança sobre a prevenção da violência sexual em conflito.

Secretário-geral da ONU, António Guterres, fala durante reunião de emergência do Conselho de Segurança. Foto: ONU/Manuel Elias

Conselho de Segurança rejeita pedido da Rússia de condenar ataques aéreos na Síria

Em discurso durante uma reunião de emergência do Conselho de Segurança no sábado (14), o secretário-geral da ONU, António Guterres, alertou sobre a possibilidade de a crise na Síria “sair do controle”.

A reunião foi realizada após ataques aéreos na Síria lançados pelos Estados Unidos com apoio da França e do Reino Unido, que tinham como alvo unidades supostamente conectadas a instalações de armas químicas do país.

O encontro foi convocado pela Rússia, que não conseguiu fazer com que os demais 14 membros do Conselho adotassem a resolução condenando os ataques aéreos.

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, durante encontro no Conselho de Segurança sobre a Síria. Foto: ONU/Manuel Elias

‘Não há solução militar para o conflito na Síria’, diz António Guterres

Secretário-geral da ONU comentou recentes relatos de ataques aéreos promovidos por Estados Unidos, França e Reino Unido: “Existe uma obrigação, particularmente quando se trata de questões de paz e segurança, de agir de forma consistente com a Carta das Nações Unidas e com o direito internacional em geral”.

“A Carta da ONU é muito clara sobre essas questões. O Conselho de Segurança é o principal responsável pela manutenção da paz e segurança internacionais”, disse Guterres, que voltou a pedir estabelecimento de mecanismo independente para investigar uso de armas químicas no conflito em curso, que entra em seu oitavo ano.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, em discurso na abertura do Fórum Boao para a Ásia, ocorrido na província de Hainan, no sul da China. Foto: ONU China/Zhao Yun

Na China, chefe da ONU pede globalização mais justa e ação contra mudança climática

O mundo precisa agir para disseminar os benefícios da globalização de forma mais justa, enquanto evita os perigos do protecionismo, disse o chefe das Nações Unidas na quarta-feira (11) durante visita à China.

“(A globalização) trouxe muitos benefícios — a integração das economias mundiais, a expansão do comércio, importantes avanços nas comunicações e na tecnologia”, disse. “Mas muitas pessoas foram deixadas para trás”, completou, lembrando que a “desigualdade é sistêmica e crescente”.

“Mas uma coisa precisa estar bem clara: não tornaremos a globalização mais justa pelo isolamento, protecionismo ou exclusão”, disse. “Problemas globais precisam de soluções multilaterais globais”.

Uma mãe síria deslocada internamente fugiu de combates e bombardeios pesados dentro e ao redor da Ghouta Oriental, Síria; aqui, ela usa lenha e papelão para ferver ovos para seus filhos no abrigo coletivo de Herjelleh, na zona rural de Damasco. Foto: ACNUR/Bassam Diab

Síria: Conselho de Segurança da ONU falha e não adota três resoluções sobre armas químicas

Dias depois do alegado ataque de armas químicas no subúrbio de Douma, em Damasco, o Conselho de Segurança da ONU não adotou duas resoluções concorrentes que estabeleceriam um mecanismo para investigar o uso de tais armas na Síria, bem como outra proposta sobre uma missão de investigação no país devastado pela guerra.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, repetiu o seu apelo ao órgão de 15 membros para “encontrar unidade” na questão do uso de armas químicas na Síria e garantir a responsabilização. “As normas contra armas químicas devem ser respeitadas. Eu apelo ao Conselho de Segurança para que cumpra sua responsabilidade e encontre unidade nesta questão.”