Arquivo da tag: Secretário-geral da ONU

O secretário-geral da ONU, António Guterres. Foto: ONU/Mark Garten (arquivo)

O nono secretário-geral da ONU, António Guterres. Foto: ONU/Mark Garten

De acordo com a Carta das Nações Unidas, o secretário-geral é o “chefe administrativo” da Organização e deve cumprir “outras funções que lhe são confiadas” pelo Conselho de Segurança, Assembleia Geral, Conselho Econômico e Social e outros órgãos das Nações Unidas.

 

A Carta também diz que o secretário-geral tem o dever de “levar à atenção do Conselho de Segurança qualquer assunto que em sua opinião possa ameaçar a manutenção da paz e segurança internacional”. Saiba mais sobre o tema clicando aqui e confira todas as notícias relacionadas abaixo.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, realiza coletiva de imprensa virtual sobre o impacto de seu apelo por um cessar-fogo global durante a pandemia de COVID-19. Foto: ONU/Loey Felipe

Chefe da ONU pede mais esforços diplomáticos para atingir cessar-fogo em meio à pandemia

Há dez dias, o secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu um cessar-fogo global imediato para que pessoas em regiões devastadas por guerras recebam ajuda para combater a pandemia do novo coronavírus.

Segundo Guterres, o apelo foi endossado até agora por 70 Estados-membros, parceiros regionais, atores não estatais e outros.

Mas ele reconheceu as “enormes dificuldades” na implementação de uma trégua para deter conflitos que se deterioram há anos, nos quais “a desconfiança é profunda”.

União é imprescindível para vencer os desafios da pandemia do novo coronavírus - Foto: Gerd Altmann/Pixabay

ARTIGO: Todos na luta contra uma pandemia sem precedentes

Apenas trabalhando em conjunto o mundo poderá enfrentar as consequências devastadoras da COVID-19, afirma o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, em artigo de opinião publicado em jornais de todo o mundo. 

Ele defende testagem e identificação de contatos, quarentenas, tratamentos e medidas de segurança para equipes médicas, combinadas com a restrição de movimento e de contatos até que apareçam terapias e vacinas.

Conferência do clima da ONU, a COP26, que ocorreria este ano em Glasgow, no Reino Unido, foi adiada para outubro de 2021. Foto: Unsplash/Adam MarikarConferência do clima da ONU, a COP26, que ocorreria este ano em Glasgow, no Reino Unido, foi adiada para outubro de 2021. Foto: Unsplash/Adam Marikar

Conferência do clima da ONU é adiada para 2021 devido à pandemia de coronavírus

Sem fim à vista para a pandemia provocada pelo novo coronavírus, as negociações da ONU sobre mudanças climáticas que ocorreriam na Escócia no final do ano foram adiadas para outubro de 2021.

A decisão foi anunciada na noite de quarta-feira (1) pelo grupo consultivo para as negociações da COP26, supervisionadas pelo órgão da ONU sobre mudanças climáticas, a UNFCCC, após conversas envolvendo Reino Unido e outros países.

O Fundo Fiduciário da ONU em apoio às vítimas de exploração e abuso sexual, apoiou mulheres na República Democrática do Congo (RDC) a receber treinamentos vocacionais, como o cultivo de cogumelos. (Outubro de 2018) Foto: MMichael Ali/MONUSCO

ONU cobra mais apoio às vítimas de abuso sexual por funcionários da organização

Embora as medidas de apoio às vítimas de exploração e abuso sexual cometidas por funcionários da ONU estejam se mostrando eficazes, ainda há espaço para fazer mais, disse a autoridade responsável por esses esforços, Jane Connors, a jornalistas em Nova Iorque. A advogada de direitos das vítimas da ONU apresentou um panorama do último relatório sobre seu mandato, que abrange o ano passado.

Oitenta casos foram comunicados em missões de paz e políticas em 2019, enquanto 95 relatos foram registradas em outras entidades da Organização. A ONU tem uma política de tolerância zero para exploração e abuso sexual cometida por pessoal civil e uniformizado que atua sob sua bandeira.

ONU lança plano para ‘derrotar o vírus e construir um mundo melhor’

Para combater as devastadoras dimensões socioeconômicas da crise da COVID-19, o chefe da ONU se concentrou nos mais vulneráveis, elaborando políticas que, entre outras coisas, apoiam o fornecimento de seguro de saúde e desemprego e proteções sociais, além de fortalecer as empresas para evitar falências e perdas de empregos.

O alívio de dívidas soberanas também deve ser uma prioridade, disse António Guterres, observando que a ONU está “totalmente mobilizada” e está estabelecendo um novo Fundo Fiduciário para a Resposta e Recuperação frente à COVID-19, formado por múltiplos parceiros, para responder à emergência e promover a recuperação após o choque socioeconômico.

“Quando superarmos esta crise, o que acontecerá, teremos uma escolha”, disse. “Podemos voltar ao mundo como era antes ou lidar de maneira decisiva com os problemas que nos tornam desnecessariamente vulneráveis ​​a crises.”

Nações Unidas entregam mais de 250 mil máscaras médicas ao prefeito de Nova Iorque. Foto: ONU/Eskinder Debebe

COVID-19: ONU doa 250 mil máscaras para profissionais de saúde em Nova Iorque

Em nome da cidade de Nova Iorque, o prefeito Bill de Blasio recebeu 250 mil máscaras doadas pela ONU no sábado (28), destinadas a profissionais de saúde na metrópole que abriga a sede da Organização.

O chefe da ONU elogiou os trabalhadores da saúde na cidade de Nova Iorque que, segundo ele, têm atuado “corajosamente, de forma altruísta e incansável em resposta à disseminação da COVID-19 pelos bairros”, em uma referência aos cinco bairros nos quais a cidade é administrativamente dividida (Manhattan, Queens, The Bronx, Brooklyn e Staten Island).

Representantes da ONU pedem solidariedade social para enfrentar o novo corovanírus - Foto: Gerald Altmann/Pixabay

Representantes da ONU pedem união, compaixão e solidariedade

O representante da Aliança de Civilizações das Nações Unidas (UNAOC), Miguel Moratinos, e o conselheiro especial da ONU para Prevenção do Genocídio, Adama Dieng, expressaram grande preocupação com o aumento do estigma, do discurso de ódio e de crimes de ódio contra pessoas e grupos erroneamente difamados e percebidos por estarem associados com o novo coronavírus em todo o mundo.

Em comunicado conjunto, eles lembraram que embora a pandemia seja uma ameaça global para a paz e a segurança, ela também é uma oportunidade para demonstrar união.

“Derrotar a pandemia implica em efetiva cooperação internacional, implementando uma abordagem que envolva toda a sociedade, que inclua todos os governos nacionais, sociedade civil, mídia, empresas privadas, líderes religiosos, jovens e mulheres”, afirmaram os representantes.

Secretário-geral da ONU foi um dos participantes da cúpula virtual do G20 sobre a pandemia de COVID-19. Foto: ONU

Uma economia global sustentável precisa surgir após pandemia, diz chefe da ONU ao G20

Os líderes mundiais reunidos na cúpula virtual do G20, realizada na quinta-feira (26), comprometeram-se a injetar mais de 5 trilhões de dólares na economia global para combater os impactos da pandemia de COVID-19.

Eles também expandirão a capacidade industrial para atender à enorme e crescente demanda por suprimentos médicos, que serão disponibilizados a um preço acessível e no menor tempo possível, segundo compromisso das principais potências econômicas do mundo.

Plano de Resposta Humanitária Global do COVID-19 será coordenado pelo Escritório das Nações Unidas de Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) e depende de abordagem global - Foto: Gerd Altmann/Pixabay

ONU lança plano de resposta humanitária: abordagem global é a única maneira de lutar contra COVID-19

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, lançou nesta quarta-feira (25) um plano de resposta humanitária global de 2 bilhões de dólares para lutar contra a COVID-19 nos países mais vulneráveis, numa proposta para proteger milhões de pessoas e reduzir a disseminação do vírus no mundo. O plano contempla 51 países de América do Sul, África, Oriente Médio e Ásia.

A COVID-19 já matou mais de 16 mil pessoas em todo o mundo e há aproximadamente 400 mil casos registrados.

O plano de resposta será implementado pelas agências da ONU, com Organizações Não Governamentais (ONGs) internacionais e consórcios de ONGs tendo um papel direto na resposta.

O plano prevê o envio de equipamentos para testes e suprimentos médicos, instalação de  estações para lavagem das mãos em acampamentos e assentamentos, campanhas de informação pública e pontes aéreas para levar trabalhadores e insumos na América Latina, África e Ásia.

Secretário-geral da ONU, António Guterres, na cúpula do G20 no Japão em 2019. Foto: ONU Japão/Ichiro Mae

G20 tem a chance de ampliar fortemente combate ao coronavírus, diz chefe da ONU

O grupo dos países mais industrializados do mundo, o G20, precisa responder às numerosas ameaças que a doença provocada pelo novo coronavírus representa para as pessoas em todos os lugares, de acordo com o secretário-geral da ONU.

Numa carta aos membros do Grupo das 20 potências industrializadas (G20), António Guterres elogiou a decisão de convocar uma cúpula virtual de emergência sobre a pandemia, que já afetou a saúde, a educação e as economias em todo o mundo.

“A COVID-19 exigirá uma resposta como nenhuma antes – um plano de ‘guerra’ em tempos de crise humana”, escreveu ele na segunda-feira (23).

ONU: “Só avançaremos quando confrontarmos juntos o legado racista da escravidão”

ONU: ‘Só avançaremos quando confrontarmos juntos o legado racista da escravidão’

Em uma mensagem em vídeo, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, marca nesta semana o Dia Internacional em Memória das Vítimas da Escravidão, lembrado anualmente a cada 25 de março.

Ele pediu que todos se manifestem contra todas as formas de racismo e manifestações de comportamento racista: “Precisamos, urgentemente, desmantelar as estruturas racistas e reformar as instituições racistas. Só avançaremos quando confrontarmos juntos o legado racista da escravidão.”

Na Bielorússia, turfas como estas estão sendo revitalizadas e ajudam a reduzir os efeitos de carbono, já que podem absorver e capturar o dióxido de carbono (CO2) da atmosfera e reduzir sua concentraçnao no ar. Foto: PNUD/Bielorússia

Dia Mundial da Água: recursos hídricos são essenciais para a solução da mudança climática

No Dia Mundial da Água – 22 de março -, as Nações Unidas lançaram um relatório que aponta que tanto os impactos quanto as causas das mudanças climáticas vão exigir mudanças maiores na maneira como usamos e reaproveitamos os recursos limitados de água do planeta terra.

O novo relatório pede, entre outras coisas, esforços concretos para enfrentar o crescente stress hídrico e aumentar a eficiência no uso de água na agricultura e na indústria.

O documento pede ações em três áreas: primeiro, capacitando as pessoas a se adaptar aos impactos da mudança climática; segundo, aumentar a resiliência dos meios de subsistência; e terceiro, reduzindo o que provoca a mudança climática.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, durante coletiva de imprensa virtual sobre a pandemia de COVID-19. Foto: Reprodução

Chefe da ONU pede solidariedade, esperança e resposta global coordenada para combater pandemia

À medida que o medo e a incerteza do público crescem em torno da pandemia da COVID-19, “mais do que nunca, precisamos de solidariedade, esperança e vontade política para enfrentar essa crise juntos”, disse o secretário-geral da ONU, António Guterres, nesta quinta-feira (19), em sua primeira coletiva de imprensa virtual.

O chefe da ONU disse que enfrentar a emergência de saúde é a sua preocupação número um, e defendeu a ampliação dos gastos com saúde para cobrir, entre outras coisas e “sem estigma”, testes, apoio aos profissionais de saúde e garantia de suprimentos adequados.

Sobre o âmbito econômico, salientou: “fundamentalmente, precisamos nos concentrar nas pessoas – nos trabalhadores mais vulneráveis, com baixos salários, pequenas e médias empresas”. “Isso significa apoio salarial, seguro, proteção social, prevenção de falências e perda de empregos”. Leia a reportagem completa.

Coronavírus: ‘Estamos todos juntos nesta situação – e juntos vamos superá-la’, diz secretário-geral da ONU

Coronavírus: ‘Estamos todos juntos nesta situação – e juntos vamos superá-la’, diz secretário-geral da ONU

Em mensagem em vídeo nesta sexta-feira sobre o novo coronavírus, o secretário-geral da ONU, António Guterres, destacou que as Nações Unidas – incluindo a Organização Mundial da Saúde, agência líder para a resposta internacional – estão totalmente mobilizadas.

“Como parte de nossa família humana, trabalhamos 24 horas por dia com os governos, fornecendo orientação internacional, ajudando o mundo a enfrentar essa ameaça. Estamos totalmente solidários com você”, afirmou.

Confira a mensagem em vídeo na íntegra.

Na sede da ONU em Nova Iorque, muitos funcionários deixaram o prédio para trabalhar em casa. Foto: ONU/Loey Felipe

Coronavírus: OMS pede que países intensifiquem esforços para combater pandemia

Diante da pandemia da doença provocada pelo novo coronavírus, a COVID-19, os países devem intensificar esforços para combater sua disseminação, disse o chefe da Organização Mundial da Saúde (OMS) em Genebra na quinta-feira (12).

“Esta é uma pandemia controlável. Os países que decidem desistir de medidas fundamentais de saúde pública podem acabar com um problema maior e um fardo mais pesado para o sistema de saúde, exigindo medidas mais severas de controle.”

Mãe segura seus dois filhos em Alepo, na Síria, cidade destruída pela guerra. Foto: UNICEF

Síria: Guterres pede fim da ‘carnificina’ e das violações do direito internacional

Agências da ONU enfatizaram seu compromisso de continuar apoiando civis afetados pela guerra na Síria, que neste mês entra em seu décimo ano. O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, declarou nesta quinta-feira (12) que “não podemos permitir que o décimo ano resulte na mesma carnificina, na mesma violação de direitos humanos e do direito internacional humanitário”.

“O conflito na Síria está entrando no seu décimo ano. Uma década de confrontos não trouxe nada além de ruína e miséria. E os civis estão pagando o preço mais alto. Não há solução militar. Agora é a hora de dar à diplomacia a chance de trabalhar.”

Nova-iorquinos usam máscaras faciais como precaução contra o coronavírus. Foto: ONU/Loey Felipe

Coronavírus: declaração de pandemia é chamado à ação, diz secretário-geral da ONU

O secretário-geral da ONU, António Guterres, afirmou na quarta-feira (11) que todos enfrentamos uma ameaça comum, o novo coronavírus COVID 19, e que a declaração de pandemia pela Organização Mundial da Saúde (OMS) é um chamado à ação — de todos, em todos os lugares.

“Também é um chamado à responsabilidade e à solidariedade — enquanto nações e populações unidas”, disse. “Enquanto combatemos o vírus, não podemos deixar o medo viralizar.”

ONU convida brasileiros a participar de pesquisa online sobre o futuro que queremos

A Organização das Nações Unidas (ONU) completa 75 anos em 2020 e, para marcar o aniversário, está realizando uma conversa global sobre o papel da cooperação internacional na construção do futuro que queremos. Além de diálogos presenciais em todos os cantos do planeta — chamados Diálogos UN75 —, há uma pesquisa online, de um minuto, disponível em português.

As respostas ajudarão a melhorar a gestão internacional dos temas globais que exigem uma cooperação entre fronteiras, setores e gerações, necessária para termos um mundo mais seguro, justo e sustentável para todas e todos.

Mulheres parlamentares da Câmara Baixa do Afeganistão (Wolesi Jirga ou “Casa do Povo”) chegam à cerimônia de inauguração em Cabul (2001). Foto: ONU/Eric Kanalstein

Comissão de mulheres da ONU reúne-se em Nova Iorque para promover igualdade de gênero

Apesar das restrições impostas pelo novo coronavírus, ativistas pela igualdade de gênero se reuniram na sede da ONU nesta segunda-feira (9) para a última sessão da Comissão sobre o Status da Mulher (CSW, na sigla em inglês), com o objetivo de reforçar a mensagem de que os direitos das mulheres são direitos humanos.

Os Estados-membros adotaram uma Declaração Política na qual se comprometeram a intensificar as ações para implementar plenamente o marco da Declaração de Pequim e da Plataforma de Ação sobre Igualdade de Gênero, acordado há 25 anos.

Javier Perez de Cuellar discursa na Assembleia Geral da ONU em Nova York após ser nomeado para um segundo mandato de cinco anos, com início em 1º de janeiro de 1987. Foto: ONU/Yutaka Nagata

ONU lamenta morte do ex-secretário-geral Javier Pérez de Cuéllar

O peruano Javier Pérez de Cuéllar, quinto secretário-geral das Nações Unidas (1982-1991), elogiado por sua capacidade de promover o diálogo e por liderar a Organização em uma década turbulenta, faleceu aos 100 anos.

Diplomata, advogado e professor veterano, ele foi o primeiro e único latino-americano a ocupar o cargo mais alto da ONU até agora.

Em comunicado divulgado na noite de quarta-feira (4), o atual secretário-geral da ONU, António Guterres, disse estar profundamente triste com a morte de Pérez de Cuéllar e elogiou o ex-chefe da ONU como “um estadista realizado, um diplomata comprometido e uma inspiração pessoal que deixou um profundo impacto nas Nações Unidas e em nosso mundo”.

O secretário-geral da ONU, António Guterres. Foto: ONU/Manuel Elias

ARTIGO: A desigualdade de poder entre os gêneros

Em artigo, o secretário-geral da ONU, António Guterres, afirma que a desigualdade de gênero é a grande injustiça de nossa época e o maior desafio de direitos humanos que enfrentamos. Segundo ele, a igualdade de gênero oferece soluções para alguns dos problemas mais intratáveis de nossos tempos.

“Se quisermos alcançar uma globalização justa que funcione para todas e todos, precisamos basear nossas políticas em estatísticas que levem em conta as verdadeiras contribuições das mulheres.” Leia o artigo completo.

Em uma operação de dois dias, a Organização Mundial da Saúde (OMS) enviou sete caminhões, ou 55 toneladas de remédios e suprimentos médicos, da Turquia para a província de Idlib e partes de Alepo. Foto: OMS

Síria: Idlib tem caos em meio à violência; Guterres pede cessar-fogo imediato

A rápida escalada do conflito no noroeste da Síria criou um “caos” na área da saúde, em meio a relatos de pessoas deslocadas que se aproximavam da fronteira turca em busca de abrigo, disse a Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta sexta-feira (28). O secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu a todas as partes que recuem diante de uma nova escalada.

O chefe das Nações Unidas descreveu a atual crise de deslocamento dentro e ao redor de Idlib e a intensificação dos confrontos entre as forças turcas e sírias, estas últimas apoiadas pela Rússia, como “um dos momentos mais alarmantes” da guerra de quase uma década.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, explica seu compromisso com a igualdade de gênero na The New School, em Nova Iorque. Foto: ONU/Mark Garten

‘O século 21 deve ser o século da igualdade para as mulheres’, diz chefe da ONU

Falando a professores e alunos da The New School, uma universidade na cidade de Nova Iorque, o chefe da ONU declarou-se feminista orgulhoso e pediu aos homens em todos os lugares apoio aos direitos das mulheres.

“Assim como a escravidão e o colonialismo eram uma mancha nos séculos anteriores, a desigualdade para as mulheres deveria nos envergonhar no século 21. Porque não é apenas inaceitável; é estúpido”, disse.

O secretário-geral da ONU, António Guterres. Foto: TASS/UN DPI

Chefe da ONU diz que direitos humanos estão sob ataque no mundo

O secretário-geral da ONU, António Guterres, lançou na segunda-feira (24) um chamado global por ação em prol dos direitos humanos.

Ao abrir a 43ª sessão do Conselho de Direitos Humanos em Genebra, Guterres disse que tal chamado ocorre no ano do 75º aniversário da ONU e em meio a um cenário em que “os direitos humanos estão sob ataque”.

Como exemplos, Guterres citou violações do direito internacional em conflitos, o tráfico de pessoas, a exploração e abuso de mulheres e meninas escravizadas, a prisão de ativistas, a perseguição de grupos religiosos e minorias e o assassinato ou assédio de jornalistas.

Em 12 de fevereiro de 2020, famílias se abrigam em um assentamento informal recentemente estabelecido que continua a receber famílias recém-deslocadas do sul de Idlib e das províncias rurais de Alepo, no noroeste da Síria. Foto: UNICEF/Baker Kasem

Enviado especial da ONU pede a Conselho de Segurança solução para conflito sírio

Com o progresso interrompido nas frentes política e de paz na Síria, o enviado especial da ONU para o país, Geir Pedersen, instou nesta quarta-feira (19) os embaixadores do Conselho de Segurança a encontrar uma solução para acabar com quase nove anos de conflito.

Seu apelo foi feito diante de um cenário da rápida deterioração humanitária no noroeste da Síria, onde uma ofensiva militar em andamento deslocou quase 900 mil pessoas desde dezembro.

Em Teknaf, Bangladesh, a apresentadora Joya Pul Happy (à esquerda) e sua produtora Shanta Pul na rádio comunitária, trabalham em um próximo programa. (Agosto de 2018). Foto: UNICEF/Brown

ONU destaca promoção de diversidade e inclusão no Dia Mundial do Rádio

Em uma mensagem para o Dia Mundial da Rádio 2020, comemorado nesta quinta-feira (13), o secretário-geral da ONU, António Guterres, destacou como o meio pioneiro de comunicação celebra a diversidade e contribui para a paz global.

“Enquanto nos esforçamos para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e enfrentar a crise climática, o rádio tem um papel fundamental a desempenhar como fonte de informação e inspiração”, disse Guterres.

Este ano ocorre o aniversário de 25 anos da Conferência de Pequim sobre Mulheres, que marcou uma virada significativa na agenda global para a igualdade de gênero. Foto: Banco Mundial/Arne Hoel

Educação de meninas é indispensável para alcançar desenvolvimento sustentável, diz Guterres

A promoção da educação para meninas adolescentes é “base indispensável para atingirmos os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável”, afirmou o secretário-geral da ONU, António Guterres, na terça-feira (11).

A declaração foi feita durante evento de lançamento da iniciativa de educação “Drive for 5” na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque. O evento foi organizado pela missão da Irlanda na ONU.

A “Drive for 5” é um plano de ação global para todos os governos se comprometerem com cinco ações transformadoras: 12 anos de educação de qualidade gratuita; ambientes escolares de qualidade; treinamento de professores; viagens seguras entre residência e escola; e proteger a saúde das meninas no ambiente escolar.

Em dia internacional, Guterres defende igualdade de gênero na ciência e tecnologia

Menos de 30% dos pesquisadores científicos do mundo são mulheres: essa é apenas uma das estatísticas que mostram quantos desafios ainda restam para mulheres e meninas no campo científico no Dia Internacional das Mulheres e Meninas na Ciência, lembrado nesta terça-feira (11).

Pedindo o fim do desequilíbrio de gênero na ciência, o secretário-geral da ONU, António Guterres, disse em sua mensagem para o dia que “desmantelar estereótipos de gênero” é um passo essencial.

Ele destacou o fato de que “meninas e meninos têm um desempenho igualmente bom em ciências e matemática, mas apenas uma fração das estudantes do ensino superior optam por estudar ciências” e apelou a um desenvolvimento de carreira mais favorável para mulheres cientistas e pesquisadoras.

Vista de La Paz, Bolívia. Foto: Carakan/Flickr/CC

Nações Unidas anunciam apoio técnico às eleições na Bolívia

O enviado especial do secretário-geral das Nações Unidas para a Bolívia, Jean Arnault, informou na segunda-feira (3) que uma equipe da Organização trabalhará com o Supremo Tribunal Eleitoral e os Tribunais Regionais para dar a assistência necessária às eleições gerais, marcadas para o dia 3 de maio.

As Nações Unidas também oferecerão suporte em coordenação com a sociedade civil para acompanhar e resolver possíveis conflitos que possam levar a atos de violência e assim comprometer a integridade do processo eleitoral.

Enfermeiras de pronto-socorro usam máscaras no Hospital Second People de Shenzhen, na China. Foto: Man Yi

OMS combate desinformação sobre coronavírus; Guterres alerta contra estigmatização

A Organização Mundial da Saúde (OMS) tomou medidas para garantir que a epidemia de coronavírus que custou centenas de vidas na China central não provoque uma epidemia de desinformação, alimentada por informações falsas.

Diante das preocupações de que as pessoas de descendência chinesa estejam sendo discriminadas à medida que crescem os temores sobre a disseminação do vírus, o chefe da ONU, António Guterres, pediu solidariedade internacional e o fim de qualquer discriminação.

Secretário-geral da ONU discursou em encontro do Grupo de Amigos do Clima. Foto: ONU/Eskinder Debebe

Guterres diz que tensões geopolíticas e desaceleração econômica dificultam ação climática

O secretário-geral da ONU, António Guterres, disse na segunda-feira (3) que os esforços de combate às mudanças climáticas “estão sendo dificultados ainda mais por tensões geopolíticas e pela desaceleração econômica”.

O chefe da ONU discursou num encontro do Grupo de Amigos do Clima, em Nova Iorque. O grupo, criado pela Alemanha em 2018, reúne Estados-membros de todo o mundo com interesse nas questões da mudança climática.

A chanceler alemã, Angela Merkel, discursa na Conferência de Berlim sobre a Líbia, ao lado do secretário-geral da ONU, António Guterres. Foto: Guido Bergmann/Governo Federal

Guterres: desastrosa situação humanitária na Líbia não pode continuar

O secretário-geral da ONU, António Guterres, chamou atenção para a desastrosa situação humanitária enfrentada por milhares de civis líbios, enquanto o conflito no país do norte da África se torna cada vez mais profundo e destrutivo. Ele participou de uma cúpula de alto nível sobre a Líbia, realizada no dia 19 de janeiro em Berlim, na Alemanha.

O país enfrenta lutas entre forças leais ao general Khalifa Haftar – que controla grandes extensões de território – e o governo em Trípoli.

Guterres informou que o número de pessoas afetadas pelo conflito tem crescido e leis internacionais humanitárias estão sendo desafiadas em inúmeras ocasiões. “Mais de 220 escolas em Trípoli estão fechadas, privando 116 mil crianças do básico direito humano à educação. Os migrantes e refugiados, presos em centros de detenção próximos às zonas de combate, também estão sendo afetados e continuam a sofrer em condições horríveis. Esta situação terrível não pode continuar”, declarou.

Uma cerimônia de iluminação de velas acontece em evento do Memorial do Holocausto das Nações Unidas. Foto: ONU/Manuel Elias

‘Leve nossas histórias adiante’, dizem sobreviventes do Holocausto na sede da ONU

Quando os nazistas invadiram a Polônia, Theodor Meron, de 9 anos, tornou-se um refugiado — ficou sem escola, sem infância e enfrentou perigos constantes. Mais tarde, ele se tornaria juiz do Tribunal Penal Internacional (TPI). Meron relatou sua história durante cerimônia para o Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto, ocorrida na sede da ONU, em Nova Iorque, na segunda-feira (27). Leia este e outros relatos na reportagem.

Uma rosa é colocada nos trilhos de trem no Memorial e Museu Auschwitz-Birkenau, na Polônia. Foto: Unsplash/Albert Laurence

Sociedades devem se unir contra crise global do ódio antissemita, diz Guterres

Lembrando o 75º aniversário da libertação do campo de extermínio de Auschwitz-Birkenau e os 6 milhões de judeus e outros assassinados sob ordens nazistas durante o Holocausto, o secretário-geral da ONU, António Guterres, disse em uma cerimônia em Nova Iorque nesta segunda-feira (27) que o mundo deve se comprometer a impedir a repetição desses crimes.

“Nossa solidariedade diante do ódio é necessária hoje mais do que nunca, pois vemos um ressurgimento profundamente preocupante de ataques antissemitas em todo o mundo e, o que é inacreditável, também à nossa volta aqui em Nova Iorque”, disse ele no evento para o Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto.

Secretário-geral da ONU, António Guterres, discursa durante evento em sinagoga de Nova Iorque em outubro de 2018. Foto: ONU/Rick Bajornas

Combater o antissemitismo exige solidariedade diante do ódio, diz chefe da ONU

No contexto de um fluxo constante de ataques contra judeus, suas instituições e propriedades, o secretário-geral da ONU, António Guterres, alertou no sábado (25) para uma crise global de ódio antissemita.

Enquanto vemos um ressurgimento profundamente preocupante de ataques antissemitas em todo o mundo, “a solidariedade diante do ódio é hoje mais necessária do que nunca”, disse o chefe da ONU em uma cerimônia anual de lembrança do Holocausto na histórica sinagoga de Park East, em Nova Iorque.