Arquivo da tag: Secretário-geral da ONU

O secretário-geral da ONU, António Guterres. Foto: ONU/Mark Garten (arquivo)

O nono secretário-geral da ONU, António Guterres. Foto: ONU/Mark Garten

De acordo com a Carta das Nações Unidas, o secretário-geral é o “chefe administrativo” da Organização e deve cumprir “outras funções que lhe são confiadas” pelo Conselho de Segurança, Assembleia Geral, Conselho Econômico e Social e outros órgãos das Nações Unidas.

 

A Carta também diz que o secretário-geral tem o dever de “levar à atenção do Conselho de Segurança qualquer assunto que em sua opinião possa ameaçar a manutenção da paz e segurança internacional”. Saiba mais sobre o tema clicando aqui e confira todas as notícias relacionadas abaixo.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, durante discurso em conferência sobre Cooperação Sul-Sul em Buenos Aires. Foto: UNIC Buenos Aires

Cooperação Sul-Sul é vital para luta contra mudança climática, diz Guterres em Buenos Aires

A Cooperação Sul-Sul é chave para o desenvolvimento sustentável e para a luta contra o aquecimento global, disse o secretário-geral das Nações Unidas na quarta-feira (20), na sessão de abertura da Segunda Conferência da ONU sobre Cooperação Sul-Sul, na capital argentina, Buenos Aires.

Segundo Guterres, a cooperação pode permitir que países em desenvolvimento aprendam uns com os outros e cresçam mais rapidamente, diminuindo diferenças de renda e construindo sociedades inclusivas e resilientes.

“A Cooperação Sul-Sul será vital para garantir apoio mútuo e troca de conhecimentos, para melhorar adaptação e aumentar a resiliência de países em desenvolvimento e comunidades que enfrentam os impactos devastadores da mudança climática”, declarou.

Jorge Chediek, enviado do secretário-geral da ONU para a Cooperação Sul-Sul, e o presidente do Uruguai, Tabaré Vásquez (centro), no lançamento de relatório sobre a cooperação entre países em desenvolvimento no mundo digital. Foto: ONU/Laura Quinones

ONU lança plataforma para cooperação técnica entre países do Sul Global

Quando países do Sul Global fecharam um histórico acordo de cooperação técnica há 40 anos, a tecnologia digital era algo do futuro, mas nações em desenvolvimento avançaram um longo caminho desde então. A China, por exemplo, conseguiu enviar um veículo de exploração para o lado escuro da Lua, enquanto a Índia tem um satélite orbitando Marte.

Uma nova ferramenta digital lançada na terça-feira (19), pouco antes da Segunda Conferência de Alto Nível da ONU para Cooperação Sul-Sul, busca fortalecer o compartilhamento de tecnologias em benefício dos países em desenvolvimento.

Por meio da Cooperação Sul-Sul, treinamento e orientações técnicas sobre produção de arroz foram fornecidos a agricultores africanos. Agora, a Costa do Marfim comemora uma farta colheita do produto. Foto: FAO/Wang Jinbiao

O que é Cooperação Sul-Sul e por que ela importa?

Mais de 1 mil pessoas, incluindo delegações governamentais e representantes do setor privado e da sociedade civil, irão se reunir nesta semana (de 20 a 22) na capital da Argentina, Buenos Aires, para a Segunda Conferência de Alto Nível das Nações Unidas para a Cooperação Sul-Sul, ou BAPA+40.

A Cooperação Sul-Sul se refere à cooperação técnica entre países em desenvolvimento no Sul Global. É uma ferramenta usada por Estados, organizações internacionais, acadêmicos, sociedade civil e setor privado para colaborar e compartilhar conhecimento, habilidades e iniciativas de sucesso em áreas específicas, como desenvolvimento agrícola, direitos humanos, urbanização, saúde, mudança climática etc.

O tema central das discussões de Buenos Aires será como a Cooperação Sul-Sul representa uma oportunidade de alcançar a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, o modelo globalmente aceito para paz e prosperidade às pessoas e ao planeta.

Funcionários que trabalham na Missão Multidimensional Integrada das Nações Unidas para a Estabilização da República Centro-Africana (MINUSCA) organizam evento com estudantes para discutir crimes de exploração e abuso sexual em Bangui. Foto: ONU/Hervé Serefio

ONU recebeu 259 acusações de exploração e abuso sexual em 2018

As Nações Unidas receberam 259 acusações de exploração e abuso sexual em 2018, de acordo com relatório mais recente apresentado à Assembleia Geral pelo secretário-geral da ONU, António Guterres. Embora os números tenham aumentado em relação aos dois anos anteriores, o documento mostrou a existência de uma conscientização maior entre funcionários, além das melhoras nas ferramentas de denúncia.

De 1º de janeiro a 31 de dezembro de 2018, a ONU recebeu um total de 148 acusações de exploração e abuso sexual envolvendo diretamente funcionários da ONU e 111 envolvendo funcionários de organizações parceiras que implementam programas das Nações Unidas. Isso representa um aumento no número de incidentes relatados em comparação com 2017, quando 138 acusações foram feitas. Em 2016, 165 acusações foram registradas.

Bandeira da Indonésia em Pujon, Java Oriental. Foto: Flickr (CC)/Prayitno

Terremoto e enchentes na Indonésia deixam pelo menos 79 mortos e mais de 4 mil deslocados

O secretário-geral da ONU, António Guterres, expressou solidariedade ao governo e povo da Indonésia após o país ser atingido no domingo (17) por enchentes e um terremoto que deixaram pelo menos 79 mortos e mais de 4 mil pessoas deslocadas.

De acordo com a imprensa internacional, fortes chuvas afetaram a província de Papua, no leste da nação asiática, e regiões adjacentes, causando alagamentos severos e deslizamentos de terra.

Em Westminster, no Reino Unido, jovens em protesto na última sexta-feira (15) por ações climáticas urgentes. Foto: Flickr (CC)/Rox

ARTIGO: Mudanças climáticas — vamos ouvir os jovens do mundo

Em artigo divulgado na imprensa portuguesa, o secretário-geral da ONU, António Guterres, celebra o ativismo dos milhares de jovens que foram às ruas na última sexta-feira (15) para cobrar ações climáticas urgentes de governos e do setor privado.

Chefe das Nações Unidas alerta para a necessidade de mudanças radicais nas sociedades, com a eliminação dos subsídios para combustíveis fósseis e atividades agrícolas de elevados níveis de emissões e com a escolha por energias renováveis, veículos elétricos e práticas que respeitem o clima.

Bandeira da Nova Zelândia vista na sede das Nações Unidas em Nova Iorque. Foto: ONU/Loey Felipe

Guterres pede que países se posicionem contra ódio após ataques em mesquitas na Nova Zelândia

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, instou a comunidade internacional a se posicionar contra o “ódio antimuçulmano”, após ataques a tiros em massa na sexta-feira (15) na Nova Zelândia. Os ataques miraram duas mesquitas e deixaram ao menos 49 mortos e diversos feridos, alguns em estado crítico.

“Estou entristecido e condeno veementemente os ataques a tiros contra pessoas inocentes, conforme rezavam pacificamente em mesquitas na Nova Zelândia”, tuitou o chefe da ONU, expressando suas “mais profundas condolências às famílias das vítimas”.

“Hoje, e todos os dias, devemos nos posicionar contra ódio antimuçulmano e todas as formas de intolerância e terror”, afirmou.

O enviado especial Geir O. Pedersen destacou a importância de construção de confiança entre o governo e a oposição na Síria. Foto: ONU/Loey Felipe

Novo enviado da ONU para Síria promete trabalhar de forma diligente pela paz

Com o marco de oito anos desde o início do brutal conflito na Síria se aproximando, o novo enviado especial das Nações Unidas para o país fez seu primeiro briefing ao Conselho de Segurança sobre o complexo mapa político para encerrar a guerra, prometendo trabalhar de forma imparcial e ativa.

O enviado especial Geir O. Pedersen destacou a importância de construção de confiança entre o governo e a oposição, dizendo que sírios de todos os lados “precisam se envolver no esforço para construir confiança e buscar a paz”.

Pedersen assumiu o cargo no final de dezembro, substituindo o diplomata italiano-sueco Staffan de Mistura.

Jovem de Bissau coloca voto em urna durante eleições legislativas. Foto: Alexandre Soares

ONU: eleição pacífica na Guiné-Bissau é novo capítulo para democracia no país

O vice-representante especial das Nações Unidas para Guiné-Bissau, no oeste da África, cumprimentou políticos, eleitores e autoridades do país pela realização pacífica da eleição para a Assembleia Nacional no domingo (10).

As Nações Unidas esperam que a eleição ajude a encerrar a crise política que tem abalado o país desde 2015. A expectativa foi expressa em recente relatório do secretário-geral da ONU, publicado em fevereiro, e em resolução aprovada na semana passada pelo Conselho de Segurança.

Membros da UNMISS fazem patrulha em Juba em maio de 2015. Foto: UNMISS

Enviado da ONU alerta para necessidade de ajuda humanitária no Sudão do Sul

O acordo de paz apoiado pelas Nações Unidas no Sudão do Sul está sendo mantido e resultou em mudanças positivas, mas dezenas de milhares de civis ainda precisam de assistência humanitária vital, afirmou na sexta-feira (8) o representante especial do secretário-geral da ONU no país.

Embora o Sudão do Sul esteja passando por relativa estabilidade há cerca de cinco meses, a população ainda enfrenta altos níveis de insegurança alimentar e falta de serviços de saúde e educação.

Representantes da sociedade civil Mary Fatiya (Sudão do Sul) e Muniba Mazari (Paquistão) falam durante a 63ª sessão da Comissão das Nações Unidas sobre a Situação das Mulheres (CSW) na sede da ONU em Nova Iorque. Foto: ONU Mulheres/Ryan Brown

Cúpula da ONU discute serviços e infraestruturas para a igualdade de gênero

Uma mãe paquistanesa cadeirante que deseja visitar um parque sem ter que se preocupar com rampas de acesso e uma jovem mulher do Sudão do Sul que sonha em ter assistência de saúde acessível estiveram entre as palestrantes na segunda-feira (11) em Nova Iorque do maior encontro anual das Nações Unidas sobre igualdade de gênero e direitos das mulheres.

Em discursos à 63ª sessão da Comissão das Nações Unidas sobre a Situação das Mulheres (CSW), Muniba Mazari e Mary Fatiya pediram que proteções sociais básicas sejam garantidas para mulheres e meninas no mundo todo, com base em necessidade e em linha com seus direitos humanos inalienáveis.

Participantes de Assembleia da ONU para o Meio Ambiente fazem um minuto de silêncio em homenagem às vítimas da queda de um avião da Ethiopian Airlines. Foto: ONU Meio Ambiente

ONU lamenta queda de avião na Etiópia; 22 funcionários da Organização morreram

O secretário-geral da ONU, António Guterres, afirmou estar “profundamente triste” com a queda neste domingo do avião da Ethiopian Airlines, que deixou todas as 157 pessoas a bordo mortas, incluindo pelo menos 22 funcionários das Nações Unidas.

Aeronave caiu logo após decolar da capital da Etiópia, Adis Abeba. O destino do voo era Nairóbi, no Quênia, onde teve início nesta segunda-feira a Assembleia da ONU para o Meio Ambiente.

Patrulha do MINUSCA em Bangui, capital da República Centro-Africana. Foto: ONU/Catianne Tijerina (arquivo)

Novo acordo de paz na República Centro-Africana é apenas um passo, diz enviado

Apesar da assinatura de um recente acordo de paz entre o governo da República Centro-Africana (RCA) e 14 grupos armados, “não devemos esquecer que a situação no país continua séria”, disse um enviado da ONU ao Conselho de Segurança na semana passada (21).

“O mais difícil está por vir. O teste real será a implementação plena e de boa fé do acordo”, disse Parfait Onanga-Anyanga, representante especial do secretário-geral da ONU e chefe da missão das Nações Unidas na RCA.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, e Mark Lowcock, coordenador de ajuda de emergência das Nações Unidas, participam de conferência sobre o Iêmen em Genebra, na Suíça. Foto: ONU/Jean Marc Ferre

Doadores prometem US$2,6 bi para financiar ajuda humanitária no Iêmen

Doadores prometeram 2,6 bilhões de dólares para fornecer a urgentemente necessária ajuda a milhões de civis iemenitas que enfrentam uma “esmagadora calamidade humanitária” após quase quatro anos de guerra brutal, disse o secretário-geral da ONU nesta terça-feira (26).

Falando paralelamente à conferência de arrecadação de recursos em Genebra, na Suíça, Guterres elogiou a generosidade dos Estados-membros, que prometeram 30% mais do que na conferência do ano passado para a ajuda humanitária no Iêmen.

Mulher em um abrigo para meninas e mulheres que sofreram violência sexual e de gênero, em Mogadíscio, capital da Somália. Foto: UNICEF / Kate Holt

ONU e Cruz Vermelha denunciam que violência sexual é usada como ‘arma de guerra’ em conflitos armados

O secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu urgência no combate à violência sexual em conflitos armados, uma prática que tem sido usada como “arma de guerra” por grupos em confronto. As Nações Unidas e o Comitê Internacional da Cruz Vermelha lançaram na segunda-feira (25) um apelo humanitário de 27 milhões de dólares para financiar a resposta ao problema em 14 países.

A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável foi estabelecida pelos países-membros da ONU no fim de 2015. Foto: ONU

Guterres pede apoio de parlamentares para atacar problemas globais

Em discurso na quinta-feira (21) a parlamentares de todo o mundo reunidos na sede das Nações Unidas em Nova Iorque, o chefe da ONU pediu apoio para leis e financiamento de iniciativas da Organização relacionadas a problemas globais como mudança climática, migração descoordenada e perigos de algumas das novas tecnologias.

“Como ex-parlamentar, eu sentia a pesada responsabilidade de representar pessoas e tentar avançar com seus desejos”, disse o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, eleito sete vezes ao Parlamento de Portugal. Guterres também foi primeiro-ministro do país por mais de seis anos.

Câmara do Conselho de Direitos Humanos em Genebra. Foto: ONU/Elma Okic

ONU destaca luta dos movimentos sociais em reunião do Conselho de Direitos Humanos

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, afirmou na segunda-feira (25) ao Conselho de Direitos Humanos que os direitos estão sob ataque em muitas partes do mundo, insistindo que ainda não perdeu esperança graças a poderosos movimentos populares por justiça social.

Em discurso ao fórum sediado em Genebra na abertura de sua 40ª sessão, Guterres destacou o importante papel do Conselho como “epicentro” para diálogo e cooperação em todas as questões de direitos humanos: civis, políticas, econômicas, sociais e culturais.

A luta da Namíbia pela independência esteve na agenda da ONU por mais de 40 anos. Na foto, um trabalhador coloca um cartaz perto de Windhoek proclamando a independência do país. Foto: ONU/John Isaac

Guterres abre sessão de 2019 do Comitê Especial sobre Descolonização

Desde o início da década de 1960, o comitê de descolonização das Nações Unidas tem “acompanhado muitos territórios em suas jornadas”, disse na quinta-feira (21) o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, na abertura da sessão de 2019 do órgão em Genebra, na Suíça.

Como “um dos capítulos mais significativos da história da Organização”, Guterres descreveu a descolonização como elemento transformador das Nações Unidas, “impulsionando o crescimento da Organização dos 51 membros originais para os 193 atualmente”.

Quando o conflito estourou, em 2015, o Iêmen já era considerado um dos países mais pobres do mundo. Foto: PMA/Reem Nada

Conferência em Genebra busca US$4,2 bi para ajuda humanitária no Iêmen

Uma conferência a ser realizada na terça-feira (26) em Genebra, na Suíça, apresentará um pedido de 4,2 bilhões de dólares das Nações Unidas para intensificar a ajuda a milhões de pessoas no Iêmen, onde anos de guerra criaram a pior emergência humanitária do mundo.

Liderado pelos governos da Suécia e Suíça, e com participação do secretário-geral da ONU, António Guterres, o pedido para o Iêmen também busca aumentar a conscientização para as mais de 3 milhões de pessoas – incluindo 2 milhões de crianças – que estão em situação de má-nutrição aguda.

Refugiados e migrantes venezuelanos cruzam a ponte Simon Bolívar, um dos sete pontos de entrada legal ao longo da fronteira entre Venezuela e Colômbia. Foto: ACNUR/Siegfried Modola

ONU pede que governo venezuelano suspenda uso excessivo da força contra cidadãos

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, disse no domingo (24) estar chocado e triste com a morte de civis na Venezuela em meio à escalada de tensões registrada no sábado em vários pontos da fronteira com a Colômbia e o Brasil e também dentro do território venezuelano.

A chefe de Direitos Humanos da ONU, Michelle Bachelet, condenou o uso excessivo da força por oficiais de segurança venezuelanos. Segundo o Escritório de Direitos Humanos das Nações Unidas (ACNUDH), a resposta violenta levou a pelo menos quatro mortes confirmadas e a mais de 300 casos de pessoas feridas na sexta-feira e no sábado.

Nickolay Mladenov (na tela), coordenador especial da ONU para o processo de paz no Oriente Médio, fala ao Conselho de Segurança sobre a situação na região, incluindo a questão palestina. Foto: ONU/Loey Felipe/Arquivo

Perspectiva de paz ‘se apaga a cada dia’ em Gaza e Cisjordânia, diz enviado da ONU

A presença de violência e radicalismo no Território Palestino Ocupado está crescendo, e a perspectiva de paz sustentável está se apagando a cada dia, disse nesta quarta-feira (20) um enviado sênior das Nações Unidas para a região ao Conselho de Segurança.

Numa avaliação em tom sombrio, Mladenov caracterizou a esperança de uma solução pacífica de dois Estados como “escassa”. Segundo ele, o extremismo está em crescimento e o risco de guerra aumentou.

O enviado especial condenou a violência e o terror na região ao longo dos últimos meses, que resultaram na morte de 40 crianças assassinadas por forças israelenses, e no disparo de 18 foguetes de militantes palestinos em direção a Israel. Houve uma onda em violência envolvendo colonos no último ano, disse ele, com 20 incidentes registrados de colonos israelenses ferindo palestinos ou danificando suas propriedades.

Palestina vende azeitonas e outros alimentos em Jerusalém em novembro de 2018. Foto: ONU/Reem Abaza

Guterres reitera defesa à solução de dois Estados para conflito Israel-Palestina

Uma solução pacífica e justa para o conflito entre Israel e Palestina só pode ser alcançada por meio de dois Estados “vivendo lado a lado em paz e segurança”, reiterou na sexta-feira (15) o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres.

Em discurso ao Comitê das Nações Unidas para o Exercício dos Direitos Inalienáveis do Povo Palestino, criado pela Assembleia Geral da ONU em 1975, Guterres afirmou que “com base em resoluções relevantes da ONU, princípios de longa data, acordos prévios e lei internacionais”, Jerusalém deve ser a capital de ambos os Estados.

A dinamarquesa Inger Andersen é atualmente diretora-geral da União Internacional para a Conservação da Natureza. Foto: ONU Meio Ambiente

Guterres indica economista dinamarquesa como chefe da ONU Meio Ambiente

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, informou no sábado (16) à Assembleia Geral sua intenção de indicar a economista e ambientalista dinamarquesa Inger Andersen como nova diretora-executiva da ONU Meio Ambiente.

Inger Andersen é atualmente diretora-geral da União Internacional para a Conservação da Natureza, um cargo que ocupa desde 2015. Anteriormente, ocupou diversas posições de liderança no Banco Mundial e nas Nações Unidas.

Vista de bandeiras na sede da ONU em Genebra, na Suíça. Foto: ONU/Jean-Marc Ferre

Chefe da ONU elogia acordo ‘histórico’ sobre nomenclatura da Macedônia do Norte

O acordo mediado pelas Nações Unidas entre Atenas e Escópia para reconhecer formalmente a “República da Macedônia do Norte” é um passo “histórico” que deve ser apoiado por Estados-membros regionais e internacionais, afirmou o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres.

Guterres elogiou os dois lados e os primeiros-ministros Alexis Tsipras, da Grécia, e Zoran Zaev, da Macedônia do Norte, “pela determinação em criar uma visão de futuro para relações entre os dois países e reconciliação na região dos Bálcãs e além.

Jornalista Ricardo Boechat. Foto: BandNews

ONU homenageia jornalista Ricardo Boechat em dia mundial do rádio

Em mensagem para o Dia Mundial do Rádio, comemorado neste 13 de fevereiro, o secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu que o meio de comunicação seja usado para promover o diálogo, a tolerância e a paz. Dirigente lembrou que o rádio alcança mais pessoas no mundo do que qualquer outro meio de comunicação.

No Brasil, a UNESCO marca a data com uma homenagem a Ricardo Boechat, jornalista que, segundo o organismo internacional, “fez do rádio sua maior vocação”.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, participa de evento sobre programação digital durante a 32ª Assembleia da União Africana em Addis Ababa, Etiópia. Foto: ONU/Antonio Fiorente

Chefe da ONU elogia trabalho de programadoras africanas na luta pela igualdade de gênero

Jovens programadoras africanas estão liderando a batalha para mudar as relações de poder entre homens e mulheres no continente e criar um equilíbrio mais justo, disse o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, durante visita à Etiópia para participar da Cúpula da União Africana, em Addis Ababa.

O chefe da ONU falou após se encontrar com meninas de todo o continente que participaram da Iniciativa Meninas Africanas Podem Programar, promovida pela União Internacional de Telecomunicações (UIT) e pela ONU Mulheres.

O Dia Internacional das Mulheres e Meninas na Ciência, lembrado em 11 de fevereiro, tem objetivo de aumentar conscientização sobre o fato de que meninas e mulheres continuam sendo excluídas de participação plena nas ciências. De acordo com dados da ONU, apenas 30% de todas as alunas mulheres escolhem campos relacionados a Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática no ensino superior. Menos de 30% dos pesquisadores em todo o mundo são mulheres.

Secretário-geral da ONU, António Guterres, fala à imprensa em Addis Ababa, na Etiópia, após reunião com presidente da União Africana no sábado (9). Foto: Reprodução

Continente africano é exemplo de solidariedade a refugiados e migrantes, diz Guterres

Países africanos estão dando o exemplo para as nações mais riscas no que se refere ao tratamento de refugiados e migrantes, disse o secretário-geral da ONU, António Guterres, durante coletiva de imprensa no sábado (9) após se reunir com o presidente da Comissão da União Africana em Addis Ababa, na Etiópia.

O chefe da ONU está na capital da Etiópia para participar da cúpula da União Africana, que reúne chefes de Estado do continente. O evento deste ano, que começou no domingo (10), tem como foco refugiados e pessoas deslocadas internamente.

Na Guatemala, Martha Alicia Benavente participou de uma capacitação para se tornar engenheira solar. Foto: ONU Mulheres/Ryan Brown

Em dia internacional, ONU alerta para exclusão de mulheres nas áreas de ciência e tecnologia

Em mensagem para o Dia Internacional das Mulheres e Meninas na Ciência, lembrado neste 11 de fevereiro, a UNESCO e a ONU Mulheres alertam para obstáculos à participação feminina nos setores de tecnologia, engenharia e programação — nichos da atividade produtiva que estão entre os que mais crescem no mundo.

Atualmente, as Nações Unidas estimam que menos de 30% dos pesquisadores em áreas científicas e tecnológicas sejam mulheres. Habilidades em ciência, tecnologia, engenharia e matemática serão fundamentais em economias marcadas pelo avanço da automatização e pela criação de empregos em áreas que exigem alta qualificação.

Vista aérea de Dubai, Emirados Árabes. Foto: Wikimedia Commons/ Nino Verde (CC)

Secretário-geral da ONU designa Maher Nasser como comissário para Expo 2020 em Dubai

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, anunciou nesta sexta-feira (8) a nomeação de Maher Nasser como comissário-geral para a participação da Organização na Expo 2020 em Dubai, nos Emirados Árabes. Nasser é diretor da divisão de relações institucionais do Departamento de Comunicação Global da ONU.

Um dos mais importantes eventos mundiais, a Expo 2020 em Dubai é uma feira internacional que reúne empresas privadas, ONGs e instituições governamentais para discutir temas como negócios, tecnologia, urbanismo, sustentabilidade, ciências, cultura, gastronomia e economia.

Na Somália, plantações e gado morreram em áreas onde não há água corrente há três anos por conta de falta de chuva. Foto: PNUD/Said Isse

ONU destaca urgência de ação climática após agência meteorológica confirmar aquecimento global recorde

Na esteira de dados divulgados pela Organização Meteorológica Mundial (OMM) indicando que os últimos quatro anos foram oficialmente os “quatro mais quentes já registrados”, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, pediu ação climática urgente e aumento da ambição, antes da Cúpula sobre o Clima, marcada para setembro.

A reação aconteceu após a OMM emitir um relatório confirmando que 2015, 2016, 2017 e 2018 foram os quatro anos mais quentes registrados até hoje. A análise, com base em monitoramento realizado por cinco organizações internacionais, também mostra que a temperatura média global da superfície da Terra em 2018 foi aproximadamente 1°C acima da base pré-industrial (1850-1900).

Secretário-geral da ONU, António Guterres, durante reunião do Conselho de Segurança sobre atividades mercenárias na África. Foto: ONU

Mundo precisa intensificar combate a atividades mercenárias na África, diz Guterres

O Conselho de Segurança das Nações Unidas abordou na segunda-feira (4) o tema das atividades de mercenários nos países da África, classificando-as como fonte de desestabilização do continente, prejudicando a paz e a segurança global e enfraquecendo as capacidades de Estados de protegerem seus habitantes.

“Da antiguidade à era medieval e aos dias atuais, aqueles que lutam por recompensas financeiras ou outras recompensas materiais têm sido uma quase constante nos campos de batalha”, disse o secretário-geral da ONU, António Guterres, ao Conselho, destacando que a natureza sombria de atividades mercenárias evoluiu ao longo dos anos.

“Hoje eles estão explorando e se alimentando de outros males, como crime organizado transnacional, terrorismo e extremismo violento”, disse durante a reunião do Conselho, convocada pela Guiné Equatorial, que está na presidência do órgão este mês.

Hospital de Al-Thawra, em Hodeida, no Iêmen, em foto de abril de 2017. Foto: OCHA/Giles Clarke

Partes em conflito no Iêmen se reunirão para discutir troca de prisioneiros, diz enviado da ONU

As partes em conflito no Iêmen devem se encontrar para novas discussões sobre um acordo de troca de prisioneiros, anunciou na segunda-feira (4) Martin Griffiths, enviado especial das Nações Unidas para o país devastado pela guerra.

Um acordo de troca de prisioneiros foi assinado na Suécia em dezembro e representa o primeiro desde início do conflito no Iêmen, há quase quatro anos — que provocou a pior crise humanitária do mundo.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, durante coletiva de imprensa na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque. Foto: ONU/Mark Garten

Nações Unidas mantêm oferta para mediar crise na Venezuela

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, disse na segunda-feira (4) acompanhar com preocupação a situação na Venezuela, e estar em contato com protagonistas das diferentes iniciativas de mediação da crise no país. No entanto, decidiu não participar de nenhuma dessas ações para dar credibilidade à oferta da ONU de mediar e buscar uma solução política.

“A ONU decidiu não participar de nenhuma das iniciativas internacionais para mediar a crise da Venezuela”, afirmou Guterres em entrevista à imprensa na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque.

Secretário-geral da ONU, António Guterres, fala durante cerimônia em memória às vítimas do Holocausto na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque. Foto: ONU/Loey Felipe

ONU alerta para avanço da intolerância em evento para lembrar vítimas do Holocausto

Em meio ao “aumento alarmante” do antissemitismo, o Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto foi lembrado na sede da ONU, em Nova Iorque, na segunda-feira (28). Evento homenageou os cerca de 6 milhões de judeus mortos durante a Segunda Guerra Mundial, junto a outras vítimas do que o chefe das Nações Unidas chamou de “crueldade e horror calculados, sem precedentes”.

“De um ataque mortal contra uma sinagoga nos Estados Unidos à profanação de cemitérios judeus na Europa, este ódio de séculos não só continua forte – está piorando”, disse o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, destacando a “proliferação de grupos neonazistas e tentativas de reescrever a história e distorcer os fatos do Holocausto”.