Arquivo da tag: Indústria; inovação e infraestrutura

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU número 11 diz: “Tornar as cidades e os assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis”.

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU número 9 diz: “Construir infraestruturas resilientes, promover a industrialização inclusiva e sustentável e fomentar a inovação”.

 

Mais sobre este ODS em https://nacoesunidas.org/pos2015/ods9 e notícias sobre o tema abaixo.

O projeto apoia agricultores familiares de algodão e instituições públicas de quatro países africanos a conectar os subprodutos do algodão — como óleo e torta — feijão — a mercados estáveis, incluindo alimentação escolar. Foto: PMA

Países africanos concluem planejamento de projeto para apoiar agricultores do algodão

Foi concluída nesta semana a fase de planejamento da iniciativa “Além do Algodão” em Benim, Quênia, Moçambique e Tanzânia. O programa tem o objetivo de impulsionar a geração de renda de agricultores familiares e aumentar a segurança alimentar e nutricional em áreas rurais dos quatro países participantes.

A iniciativa é um trabalho conjunto do Centro de Excelência contra a Fome — fruto de uma parceria entre o governo brasileiro e o Programa Mundial de Alimentos (PMA) das Nações Unidas — e da Agência Brasileira de Cooperação (ABC), com apoio do Instituto Brasileiro do Algodão.

Papa Francisco foi à sede da FAO em Roma, na Itália. Foto: FAO/Alessandra Benedetti

Líderes mundiais devem colocar tecnologia ‘a serviço dos pobres’, defende papa Francisco

Em Roma, na sede da FAO, o Papa Francisco pediu avanços nesta quinta-feira (14) no uso da inovação e empreendedorismo para erradicar a má nutrição no mundo e transformar comunidades rurais. O pontífice, porém, alertou que “as novas tecnologias não devem ir contra as culturas locais e o conhecimento tradicional”. Ao contrário, defendeu o chefe da Santa Sé, devem ser complementares a saberes e práticas locais.

Festival de Ciência e Engenharia dos Estados Unidos realizado em 2014. Na foto, robô da NASA. Foto: NASA/Aubrey Gemignani

ONU vê aumento dos pedidos de patentes de inteligência artificial; China e EUA lideram

A “explosão” em pedidos de patentes para aparelhos e máquinas movidos por Inteligência Artificial (IA) nos últimos cinco anos sugere que o campo pode em breve revolucionar todas as áreas da vida cotidiana, indo bem além do mundo tecnológico, segundo um relatório das Nações Unidas.

De acordo com o relatório Tendências da Tecnologia, divulgado pela Organização Mundial de Propriedade Intelectual (OMPI) em janeiro, 50% de todas as patentes para IA foram publicadas desde 2013, somando mais de 170 mil ideias.

A parceria entre o PNUD e o Pardee Center teve início em 2016, ano seguinte à aprovação da Agenda 2030 e dos ODS. Foto: Nilvane Machado

Evento em Brasília debate alcance dos objetivos globais em nível subnacional no Brasil

Propostas para guiar a elaboração de políticas públicas que possibilitem o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) serão debatidas até 22 de fevereiro em uma série de encontros de especialistas no “II Workshop: Cenários e Análises Subnacionais para o Alcance dos ODS”.

Promovido pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) em parceria com o Pardee Center for International Futures, centro de pesquisa da Universidade de Denver, nos Estados Unidos, o workshop teve sua primeira sessão na terça-feira (12), em Brasília (DF), e contou com a presença de parceiros do governo federal e de institutos estaduais de pesquisa.

O objetivo da conferência é identificar as principais ações que garantirão a disponibilidade e o acesso a alimentos seguros agora e no futuro. Foto: PEXELS (CC)/Daria Shevtsova

Conferência pede cooperação internacional para evitar contaminação por alimentos no mundo

Maior cooperação internacional é necessária para evitar que a contaminação de alimentos siga causando problemas de saúde na população mundial e, consequentemente, dificultando o progresso do desenvolvimento sustentável.

Essa foi a pauta da abertura da primeira Conferência Internacional de Segurança Alimentar organizada por União Africana (UA), Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) e Organização Mundial da Saúde (OMS) em Addis Abeba, Etiópia.

Alimentos contaminados com bactérias, vírus, parasitas, toxinas ou produtos químicos são responsáveis pelo adoecimento de mais de 600 milhões e pela morte de 420 mil pessoas por ano. As doenças ligadas a alimentos inseguros sobrecarregam os sistemas de saúde e prejudicam as economias, o comércio e o turismo.

Hospital Universitário de Dourados (MS). Foto: EBSERH.

Manual dá diretrizes para arquitetura e engenharia de hospitais universitários federais

A Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH) e o Escritório das Nações Unidas de Serviços para Projetos (UNOPS) publicaram este mês manuais de arquitetura e engenharia para hospitais universitários federais vinculados à instituição.

Os documentos trazem orientações para a definição dos materiais de revestimentos e de sistemas de infraestrutura, como ar condicionado e aquecimento. Também propõem técnicas que contribuem para a sustentabilidade da edificação, reduzindo o consumo de energia e de água.

O material será utilizado pela equipe de arquitetura e engenharia da Rede EBSERH, mas também pode ser empregado como referência por outros hospitais e escritórios de arquitetura.

Feirante em Bangladesh. Foto: Banco Mundial/Scott Wallace

Escolhas alimentares de hoje afetam saúde das pessoas e do planeta de amanhã

Transformar dietas e a maneira com a qual produzimos alimentos têm amplo potencial de melhorar tanto a saúde humana quanto a sustentabilidade ambiental no futuro. A conclusão é de novo relatório da Comissão EAT-Lancet, lançado na terça-feira (5) na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque, e produzido por ONU Meio Ambiente e Missão Permanente da Noruega.

O relatório afirma que “se mudarmos a maneira com a qual produzimos, consumimos, transportamos e desperdiçamos alimentos, podemos alimentar todos com uma dieta saudável e melhorar a saúde do planeta”.

Caminhões no posto fronteiriço entre Chungara e Tambo Quemado, entre Chile e Bolívia. Foto: Wikimedia Commons/ Roman Bonnefoy (CC)

ONU e Bolívia inauguram em La Paz unidade de combate a contrabando e narcotráfico

O Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) e o governo boliviano inauguraram na semana passada (6) em La Paz uma sala de trabalho da Unidade de Controle Portuário, do Programa de Controle de Contêineres, cujo objetivo é combater o tráfico de entorpecentes, contrabando, entre outros crimes.

Globalmente, o UNODC e a Organização Mundial de Aduanas (OMA) estabeleceram o Programa de Controle de Contêineres com o objetivo de ajudar os governos a criar controles eficazes de contêineres, mediante o melhoramento das capacidades das aduanas nacionais, das polícias e das autoridades encarregadas de aplicar a lei. Esses controles servem para prevenir o tráfico de drogas e outros ilícitos, assim como para facilitar o comércio legal e aumentar a arrecadação dos Estados.

Na Guatemala, Martha Alicia Benavente participou de uma capacitação para se tornar engenheira solar. Foto: ONU Mulheres/Ryan Brown

Em dia internacional, ONU alerta para exclusão de mulheres nas áreas de ciência e tecnologia

Em mensagem para o Dia Internacional das Mulheres e Meninas na Ciência, lembrado neste 11 de fevereiro, a UNESCO e a ONU Mulheres alertam para obstáculos à participação feminina nos setores de tecnologia, engenharia e programação — nichos da atividade produtiva que estão entre os que mais crescem no mundo.

Atualmente, as Nações Unidas estimam que menos de 30% dos pesquisadores em áreas científicas e tecnológicas sejam mulheres. Habilidades em ciência, tecnologia, engenharia e matemática serão fundamentais em economias marcadas pelo avanço da automatização e pela criação de empregos em áreas que exigem alta qualificação.

Mulheres e meninas continuam extremamente sub-representadas nas ciências exatas. Foto: ONU Mulheres Vietnã

Para solucionar desafios globais, ciência precisa de mais mulheres e meninas

Muitos dos maiores problemas globais podem continuar sem solução porque mulheres e meninas estão sendo desencorajadas a trabalhar nas ciências exatas. O papel da educação científica em um mundo em transformação não pode ser desvalorizado. Estima-se que 90% dos empregos do futuro exigirão alguma forma de habilidade em novas tecnologias, e as categorias de empregos de maior crescimento são relacionadas a ciência, tecnologia, engenharia e matemática.

No entanto, mulheres e meninas continuam extremamente sub-representadas nesses campos do conhecimento. Dados da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) apontam que menos de um terço das estudantes do sexo feminino do mundo escolhe assuntos relacionados a ciência, tecnologia, engenharia e matemática no ensino superior, enquanto apenas um terço escolhe assuntos ligados às novas tecnologias.

Betty Ndugga é uma empreendedora do distrito de Luwero, em Uganda. Foto: FAO

FAO facilita acesso de agricultores africanos à mecanização sustentável

A Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) e a Rede Africana de Conservação (ACT) assinaram na quinta-feira (7) um memorando de entendimento para incentivar maior acesso dos pequenos agricultores africanos à mecanização sustentável das propriedades, como tratores e outras máquinas que podem melhorar a vida do trabalhador rural.

A parceria também procura vincular o uso de máquinas agrícolas à agricultura de conservação, que é um sistema de cultivo que promove o mínimo de perturbação do solo e o plantio de espécies vegetais complementares para melhorar a biodiversidade e os processos biológicos naturais.

Vista aérea de Dubai, Emirados Árabes. Foto: Wikimedia Commons/ Nino Verde (CC)

Secretário-geral da ONU designa Maher Nasser como comissário para Expo 2020 em Dubai

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, anunciou nesta sexta-feira (8) a nomeação de Maher Nasser como comissário-geral para a participação da Organização na Expo 2020 em Dubai, nos Emirados Árabes. Nasser é diretor da divisão de relações institucionais do Departamento de Comunicação Global da ONU.

Um dos mais importantes eventos mundiais, a Expo 2020 em Dubai é uma feira internacional que reúne empresas privadas, ONGs e instituições governamentais para discutir temas como negócios, tecnologia, urbanismo, sustentabilidade, ciências, cultura, gastronomia e economia.

Foto: Shutterstock

Assembleia Ambiental da ONU mira soluções inovadoras para futuro global

As Nações Unidas convidam governos e setores público e privado a repensar seus padrões de consumo e produção sob o tema “Pense no planeta, Viva simples”, durante a 4ª Assembleia Ambiental da ONU, que ocorre de 11 a 15 de março em Nairóbi, no Quênia.

A Assembleia Ambiental das Nações Unidas (UNEA) é o maior fórum mundial de alto nível para questões de meio ambiente. Nela, chefes de Estado, ministros do Meio Ambiente, ativistas, presidentes de multinacionais, ONGs e outros convidados se reúnem para discutir e assumir compromissos globais com a proteção ambiental.

Na Somália, plantações e gado morreram em áreas onde não há água corrente há três anos por conta de falta de chuva. Foto: PNUD/Said Isse

ONU destaca urgência de ação climática após agência meteorológica confirmar aquecimento global recorde

Na esteira de dados divulgados pela Organização Meteorológica Mundial (OMM) indicando que os últimos quatro anos foram oficialmente os “quatro mais quentes já registrados”, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, pediu ação climática urgente e aumento da ambição, antes da Cúpula sobre o Clima, marcada para setembro.

A reação aconteceu após a OMM emitir um relatório confirmando que 2015, 2016, 2017 e 2018 foram os quatro anos mais quentes registrados até hoje. A análise, com base em monitoramento realizado por cinco organizações internacionais, também mostra que a temperatura média global da superfície da Terra em 2018 foi aproximadamente 1°C acima da base pré-industrial (1850-1900).

Contêineres em porto de São Tomé e Príncipe. UNCTAD/Jan Hoffmann

Brasil pode se beneficiar com guerra comercial entre EUA e China, diz UNCTAD

A disputa comercial entre China e Estados Unidos pode fazer pouco para proteger produtores desses dois países, mas pode beneficiar exportadores brasileiros e de países da União Europeia, disseram especialistas das Nações Unidas na segunda-feira (4).

Relatório da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD) estimou que a União Europeia deve capturar cerca de 70 bilhões de dólares do comércio bilateral entre EUA e China.

Uma das consequências da imposição de tarifas também tem sido o desvio do comércio em favor de outros exportadores, em particular o Brasil, que rapidamente se tornou o principal fornecedor de soja para a China, disse o documento.

Foto: Wikimedia (CC)/Rafael Matsunaga

ARTIGO: Riscos socioeconômicos e ambientais são ofuscados por crescimento global

Em artigo, o economista-chefe da ONU e secretário-geral adjunto para o desenvolvimento econômico, Elliott Harris, alerta que os indicadores robustos da economia global estão ofuscando crescentes desafios econômicos, sociais e ambientais, que dificultam o progresso em direção aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) das Nações Unidas.

“Existem vários fatores de risco que podem interromper a atividade e provocar danos significativos às perspectivas de desenvolvimento no longo prazo. No ano passado, as disputas de política comercial se intensificaram, e as vulnerabilidades financeiras aumentaram à medida que a liquidez global se estreitou, lançando uma sombra sobre as perspectivas para 2019 e além”. Leia o artigo completo.

Após uma série de eleições altamente esperadas em toda a América Latina, a incerteza política em algumas das maiores economias da região aumentou - pesando sobre as perspectivas, segundo especialista do FMI. Foto: Agência Brasil

ARTIGO: América Latina e Caribe em 2019 — uma expansão moderada

Em artigo, o diretor do departamento do hemisfério ocidental do Fundo Monetário Internacional (FMI), Alejandro Werner, afirma que o enfraquecimento da economia global e as crescentes incertezas políticas estão contribuindo para desacelerar o crescimento latino-americano. Em média, a região deve crescer 2% em 2019 e 2,5% em 2020 — bem abaixo de outras regiões.

Sobre o Brasil, o especialista afirma que o crescimento deverá ser de mais de 2% em 2019-2020 pela primeira vez desde 2013. Para ele, a agenda de reformas favoráveis ao mercado do novo governo ajudou a aumentar a confiança dos empresários e a melhorar as perspectivas de crescimento no curto prazo. Leia o artigo completo.

Foto: ONU Meio Ambiente

Seu celular é realmente inteligente?

Os smartphones revolucionaram nossas vidas cotidianas. Com mensagens instantâneas na ponta dos dedos, a comunicação atual é rápida, eficaz e barata. Mas o quão inteligentes são nossos telefones no que se refere ao impacto ambiental? Você sabe o que tem dentro do seu celular?

Grandes nomes da indústria tomaram medidas significativas para melhorar sua pegada ecológica, mas as preocupações ambientais, sociais e econômicas permanecem, especialmente no que se refere aos direitos humanos e à extração de metais preciosos em geral.

Ouro, prata, cobalto, estanho, tântalo, tungstênio e cobre são componentes essenciais de telefones celulares e outros aparelhos elétricos que usamos diariamente. E, sendo a mineração um dos setores de uso mais intensivo de óleos combustíveis derivados de petróleo, a extração contribui significativamente para a mudança climática.

Indígenas Pataxó Hã-hã-hãe vivem na aldeia Naõ Xohã, às margens do rio Paraopeba que foi afetado pelo colapso da barragem em Brumadinho (MG). Foto: FUNAI/Lucas Hallel

Brumadinho: relator da ONU alerta para necessidade de monitorar qualidade da água

As ações dos próximos dias serão cruciais para interromper a contaminação dos rios na região de Brumadinho (MG), palco de desastre ambiental após o rompimento de uma barragem de rejeitos de atividades mineradoras. A opinião é do relator especial da ONU para o direito à água e ao saneamento, Leo Heller, em entrevista à ONU News.

“As empresas afirmam que os resíduos não contêm material tóxico. Mas os rios em geral de regiões de mineração têm muitos metais sedimentados no fundo. Particularmente o rio Paraopeba é um rio situado em uma região de intensa atividade de mineração e industrial, no fundo desse rio existem metais acumulados, nocivos à saúde. A chegada da lama no rio Paraopeba muito provavelmente vai revolver, colocar em circulação muitos metais e isso pode ser muito nocivo à saúde humana”, declarou.

David Scheff e Vicky Cornell são entrevistados pelo UNTV na sede da ONU, em Nova Iorque. Foto: ONU/Lulu Gao

Estigma prejudica resposta à crise de dependência em opioides, dizem especialistas

O reconhecimento da dependência de drogas como uma doença foi o foco de um painel de discussões na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque, na quinta-feira (24). O evento “Sem deixar ninguém para trás: a epidemia de opioides como um desafio global” foi organizado pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) para destacar o crescente problema de dependência em todo o mundo.

“Quando entendemos que pessoas estão doentes, o estigma vai embora, e nós sabemos o que fazer, nós as tratamos com compaixão e damos a elas o melhor tratamento que podemos”, disse David Sheff, escritor best seller e ativista que se tornou especialista na crise internacional de opioides, uma grande emergência de saúde pública nos Estados Unidos.

Lixo eletrônico - Imagem: Pixabay (CCO)

Mundo produzirá 120 milhões de toneladas de lixo eletrônico por ano até 2050, diz relatório

O nível de produção de lixo eletrônico global deverá alcançar 120 milhões de toneladas ao ano em 2050 se as tendências atuais permanecerem, de acordo com relatório da Plataforma para Aceleração da Economia Circular (PACE) e da Coalizão das Nações Unidas sobre Lixo Eletrônico, divulgado em Davos, Suíça, na quinta-feira (24).

No relatório, membros da PACE e da Coalizão da ONU sobre Lixo Eletrônico, incluindo a ONU Meio Ambiente, pedem uma inspeção do sistema atual de eletrônicos, enfatizando a necessidade de uma economia circular na qual recursos não sejam extraídos, usados e descartados, mas avaliados e reutilizados de maneira que minimize impactos ambientais e crie empregos decentes e sustentáveis.

O secretário-geral da ONU, António Guterres (direita), fala no Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, ao lado do presidente do Fórum, Børge Brende, em 24 de janeiro de 2019. Foto: Fórum Econômico Mundial/Benedikt von Loebell

Resposta disfuncional a problemas comuns mostra importância do multilateralismo, diz Guterres

Os problemas do mundo estão mais e mais integrados, mas a resposta a eles é cada vez mais “fragmentada” e “disfuncional”, disse o secretário-geral da ONU, António Guterres, na quinta-feira (24), em um apelo aos governos e outros parceiros a responder às queixas da população e se comprometer com a cooperação internacional.

Em seu discurso, feito durante o Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, Guterres deu um panorama abrangente dos atuais riscos e desafios globais, enquanto também disse notar “ventos de esperança” para a potencial resolução de conflitos em República Centro-Africana, Sudão do Sul, Iêmen e Síria.

Quatro medicamentos antiepilépticos são essenciais para o tratamento da epilepsia. A maioria dos países da América Latina e do Caribe possui esses medicamentos, mas apenas em serviços especializados. Foto: PEXELS

Mais da metade das pessoas com epilepsia na América Latina não recebe tratamento

A epilepsia é um dos transtornos neurológicos mais comuns no mundo, afetando aproximadamente 50 milhões de pessoas – 5 milhões delas na região das Américas. No entanto, estima-se que a lacuna de tratamento na América Latina e no Caribe seja superior a 50%, o que significa que mais da metade das pessoas com essa doença não recebe atenção em serviços de saúde.

A fim de ajudar os países a elaborar programas para detectar casos e aumentar o acesso ao tratamento adequado para esse transtorno, a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) lançou recentemente a publicação “The Management of Epilepsy in the Public Health Sector 2018” (disponível em inglês e espanhol). Atualmente, dois em cada três países não possuem um programa ou plano para atender pessoas com essa doença.

Painel sobre cooperação digital em Genebra foi liderado pela filantropa Melinda Gates (esquerda) e pelo fundador do Alibaba Jack Ma (falando no microfone). Foto: ONU/Adam Kane

Chefe da ONU pede ideias inovadoras para tecnologias acelerarem desenvolvimento sustentável

Discussões entre tomadores de decisão e influenciadores globais aconteceram na sede das Nações Unidas em Genebra nesta semana com o objetivo de limitar o risco crescente de ataques cibernéticos internacionais e promover as vantagens da tecnologia digital, em meio a um pedido do chefe da ONU por “ideias ousadas e inovadoras”.

Falando a um painel de especialistas liderado pela filantropa Melinda Gates e pelo fundador do Alibaba, Jack Ma, o secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu para os participantes refletirem sobre os riscos e os benefícios de nossa era digital – a chamada Quarta Revolução Industrial.

“Precisamos de novos pensamentos e novas ideias inovadoras para aproveitar os benefícios e gerenciar os riscos desta era digital”, disse, por meio de videoconferência, enquanto pedia para o Painel de Alto Nível sobre Cooperação Digital refletir sobre como tecnologia pode acelerar a Agenda 2030 sobre Desenvolvimento Sustentável.

Foto: Kaboompics/CC

Agência da ONU recebe inscrições para curso sobre propriedade intelectual no Rio

A Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI) recebe até 18 de fevereiro inscrições para o Curso de Verão de Propriedade Intelectual OMPI-Brasil.

O curso terá 50 vagas presenciais e acontecerá no Rio de Janeiro, de 11 a 22 de março. Dez vagas são destinadas à participação por videoconferência no escritório da Associação Brasileira de Propriedade Intelectual (ABPI), em São Paulo.

Trabalhadores em indústria eletrônica de Bekasi, na Indonésia. Foto: OIT/A. Mirza

OIT: países devem agir para que inovações criem oportunidades no mundo do trabalho

Inovações sem precedentes no mundo do trabalho oferecem “inúmeras oportunidades”, mas os países devem agir para que elas não criem mais desigualdades e incertezas, segundo um novo relatório da Organização Internacional do Trabalho (OIT) divulgado nesta terça-feira (22).

Segundo o relatório, forjar esse novo caminho requer ação comprometida por parte de governos, bem como organizações de empregadores e trabalhadores.

O documento sugere que os países garantam direito universal à aprendizagem ao longo da vida; intensifiquem os investimentos em instituições, políticas e estratégias que irão apoiar as pessoas ao longo de transições de trabalho futuras; implementem uma agenda transformadora e mensurável para a igualdade de gênero; forneçam proteção social universal do nascimento até a velhice.

A presidente da Assembleia Geral da ONU, María Fernanda Espinosa. Foto: ONU

Presidente da Assembleia Geral cita fortalecer multilateralismo e revitalizar ONU como prioridades

Revitalizar as Nações Unidas para “fortalecer uma ordem mundial multilateral com base em regras” lidera uma lista de prioridades que a presidente da Assembleia Geral expôs a Estados-membros da ONU nesta terça-feira (22).

Convencida de que “revitalizar a ONU e avançar o multilateralismo andam lado a lado”, a presidente da Assembleia Geral, María Fernanda Espinosa, disse que está se comunicando com líderes mundiais em Nova Iorque e no exterior “para promover este objetivo”.

Vista aérea de Davos, na Suíça. Foto: Fórum Econômico Mundial/Andy Mettler

Especialistas da ONU pedem que direitos humanos estejam presentes nos debates de Davos

Enquanto líderes globais se reúnem em Davos para o Fórum Econômico Mundial, especialistas das Nações Unidas enfatizaram a importância essencial dos direitos humanos para o tema central do evento, a “Globalização 4.0: Moldando uma Nova Arquitetura na Era da Quarta Revolução Industrial”.

“Os líderes empresariais e políticos em Davos devem garantir que a Quarta Revolução Industrial trabalhe para os indivíduos e comunidades mais desfavorecidos ou marginalizados, em vez de meramente para os ricos e poderosos. Isso só será possível se os esforços para reformular a globalização forem construídos sobre a base dos direitos humanos para todos”, disse Surya Deva, presidente do Grupo de Trabalho das Nações Unidas sobre Empresas e Direitos Humanos.

Juan Pablo Bohoslavsky. Foto: ONU/Jean-Marc Ferré

Reformas econômicas devem garantir defesa dos direitos humanos, diz relator da ONU

Os direitos humanos devem ser um componente integral da formulação de políticas para garantir que reformas econômicas ajudem as sociedades a avançar, em vez de criar obstáculos para a vida das pessoas, disse nesta segunda-feira (21) um especialista independente nomeado pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU.

O argentino Juan Pablo Bohoslavsky, especialista independente sobre dívida externa e direitos humanos, publicou os “Princípios Orientadores sobre Avaliação de Impactos de Reformas Econômicas nos Direitos Humanos” para auxiliar Estados, instituições financeiras internacionais e sociedade civil a garantir que os direitos humanos sejam incorporados nas políticas econômicas.

O investimento estrangeiro direto (IED) global caiu quase um quinto em 2018, segundo a UNCTAD. Foto: EBC

Fluxo global de investimento estrangeiro direto cai ao nível mais baixo em uma década

O investimento estrangeiro direto (IED) global caiu quase um quinto em 2018, de 1,47 trilhão de dólares em 2017 para 1,2 trilhão de dólares no ano passado, de acordo com dados mais recentes do Monitor de Tendências de Investimentos Globais da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD), divulgados nesta segunda-feira (21).

A queda deriva da reforma fiscal corporativa nos Estados Unidos. A partir de 2017, empresas multinacionais norte-americanas embarcaram em uma grande repatriação de ganhos estrangeiros acumulados, uma ação que afetou fortemente a Europa.

O Brasil teve queda de 12% no fluxo de investimento estrangeiro direto ao país no ano passado, para 59 bilhões de dólares.

Gerentes de compras no Cazaquistão aprendem a usar aplicativo desenvolvido pela FAO. Foto: FAO

FAO destaca necessidade de inovação digital inclusiva para agricultura familiar no mundo

Chegou a hora de acelerar a inovação na agricultura, e fazer isso de forma a promover melhoras para as centenas de milhões de pessoas que produzem a maior parte dos alimentos do mundo na agricultura familiar, disse no sábado (19) o diretor-geral da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), o brasileiro José Graziano da Silva.

Garantir que as tecnologias digitais transformadoras não deixem ninguém para trás significa encontrar formas de permitir que os pequenos produtores rurais — incluindo os jovens — possam aproveitar seu uso, aumentar sua produtividade e melhorar seu acesso aos mercados, disse o responsável da FAO aos participantes do Fórum Mundial sobre Alimentação e Agricultura (GFFA, na sigla em inglês), realizado em Berlim.

A FAO e o Governo da Suíça convidam indivíduos, empresas e instituições para apresentar suas indicações para o Prêmio Internacional de Inovação para a Alimentação e a Agricultura Sustentáveis, até o dia 28 de fevereiro de 2019. Foto: PEXELS

FAO recebe candidaturas a prêmio de inovação para alimentação e agricultura sustentáveis

A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e o governo da Suíça convidam indivíduos, empresas e instituições a apresentar até 28 de fevereiro suas candidaturas ao Prêmio Internacional de Inovação para a Alimentação e a Agricultura Sustentáveis.

A FAO vê a inovação como uma força motriz fundamental para um mundo livre de fome e desnutrição, onde a agricultura e a alimentação possam contribuir para a redução da pobreza de maneira econômica, social e ambientalmente sustentável.

Mulheres e homens de uma comunidade local, no Lesoto, participam de consultas para os planos de desenvolvimento locais contra os impactos da ação climática e insegurança alimentar. Foto: FAO (arquivo).

Guterres detalha as cinco prioridades das Nações Unidas em 2019

Mesmo diante de “ventos contrários”, as Nações Unidas “fizeram uma diferença real” em 2018 e precisarão fazer ainda mais em 2019, conforme o planeta enfrenta “um mundo de problemas”, segundo mensagem do secretário-geral da ONU, António Guterres, divulgada na quarta-feira (16), que citou cinco prioridades para o ano.

Entre os sucessos do ano passado, ele citou progresso em direção à paz no Iêmen, na Península Coreana e no Sudão do Sul; e entre as ex-inimigas Etiópia e Eritreia.

Ele também destacou o “resultado bem-sucedido” da conferência da ONU sobre o clima em dezembro na Polônia, na qual houve consenso geral sobre como implementar o Acordo de Paris para o clima, de 2015.

Documentário produzido com apoio da auditoria e consultoria Deloitte e da Rede Brasil do Pacto Global das Nações Unidas mostra experiências de cidades do mundo todo no uso da tecnologia e da inovação para a promoção do desenvolvimento sustentável. Foto: Reprodução

Documentário mostra uso de tecnologia e inovação para superar desafios das cidades

Documentário produzido com apoio da auditoria e consultoria Deloitte e da Rede Brasil do Pacto Global das Nações Unidas mostra experiências de cidades do mundo todo no uso da tecnologia e da inovação para a promoção do desenvolvimento sustentável.

O filme aponta que a tendência do século 21 é enxergar os centros urbanos não apenas como meros espaços eficientes de circulação de pessoas e mercadorias, mas também como ambientes de enriquecimento cultural — onde as atividades humanas são integradas aos pilares do desenvolvimento sustentável e da qualidade de vida.

Foto: ONU Mulheres/ Márcio Veltri

Fórum reúne lideranças empresariais no Rio para discutir igualdade de gênero no setor privado

O II Fórum WEPs Rio de Janeiro reuniu cerca de 180 pessoas na capital fluminense no fim de novembro (30) para discutir os principais desafios na implementação dos Princípios de Empoderamento das Mulheres (WEPs, na sigla em inglês), além de boas práticas nas empresas para promover a igualdade de gênero e o empoderamento econômico das mulheres.

O evento foi promovido pela ONU Mulheres em parceria com a Petrobras Distribuidora, por meio do programa “Ganha-Ganha: Igualdade de gênero significa bons negócios”, iniciativa de ONU Mulheres, Organização Internacional do Trabalho e União Europeia (UE). O encontro teve o apoio da Rede Brasil do Pacto Global.

Criados em 2010 pela ONU Mulheres e pelo Pacto Global da ONU, os sete Princípios de Empoderamento das Mulheres têm se tornado referência para que as empresas implementem políticas para a promoção da igualdade de gênero no local de trabalho, no mercado e na comunidade.

Foto: Flickr/S Pakhrin (CC)

Economia criativa global mostra resiliência e crescimento; Brasil tem saldo comercial no setor

Com taxas de crescimento em exportações de mais de 7% ao longo de 13 anos, o comércio global de bens criativos é um setor resiliente e em expansão impulsionado pela China, de acordo com novo relatório da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD).

Design e artes visuais estão entre os setores de maior desempenho, com moda, design de interiores e joias representando 54% de exportações de bens criativos em economias desenvolvidas e 70% (incluindo brinquedos) em economias em desenvolvimento.

Foto: Jhon Henriano/Shutterstock.com

Banco Mundial alerta para piora da economia global em 2019

As perspectivas para a economia global em 2019 pioraram, disse o Banco Mundial nesta quarta-feira (9) em novo relatório. Enquanto as tensões comerciais permanecem elevadas, o comércio internacional e o investimento desaceleram.

A previsão do Banco Mundial é de crescimento de 2,9% da economia global em 2019, frente a 3% no ano passado.

Para o Brasil, o organismo internacional projeta crescimento econômico de 2,2% em 2019 e de 1,2% em 2018. Já para a China, o PIB deve subir 6,2%, frente a estimados 6,5% no ano passado.

Campo de algodão. Foto: Arquivo/Agência Brasil

OIT, Brasil e Peru promovem trabalho decente na cadeia de produção de algodão

Com o objetivo de promover o trabalho decente na produção de algodão no país, os governos de Brasil e Peru, entidades de cooperação internacional dos dois países e a Organização Internacional do Trabalho (OIT) assinaram no início de dezembro (10) acordo para desenvolvimento do projeto “Promoção de trabalho decente na cadeia do algodão no Peru”.

O projeto inclui Ministério do Trabalho e Promoção do Emprego do Peru, Ministério do Trabalho do Brasil, Agência Peruana de Cooperação Internacional (APCI), Agência Brasileira de Cooperação do Ministério das Relações Exteriores (ABC), Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial do Brasil (SENAI) e o escritório da OIT para os países andinos.