Indústria; inovação e infraestrutura

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU número 11 diz: “Tornar as cidades e os assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis”.

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU número 9 diz: “Construir infraestruturas resilientes, promover a industrialização inclusiva e sustentável e fomentar a inovação”.

 

Mais sobre este ODS em https://nacoesunidas.org/pos2015/ods9 e notícias sobre o tema abaixo.

Economia brasileira deve crescer 1,4% em 2018, de acordo com projeções da CEPAL. Foto: EBC

CEPAL reduz previsão de crescimento da economia brasileira para 1,4% em 2018

A Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) atualizou suas projeções de crescimento da atividade econômica da região para 2018, e espera uma expansão média de 1,3% na América Latina e no Caribe durante este ano, levemente inferior à prevista em agosto, de 1,5%. Para 2019, é prevista uma taxa de crescimento de 1,8%, informou a comissão em comunicado nesta quarta-feira (17).

A projeção de crescimento da economia brasileira foi revisada para baixo. A comissão estima que o PIB do país irá avançar 1,4% em 2018, contra previsão de 1,6% em agosto. Para 2019, a projeção é de uma alta de 2,1%.

Investimento estrangeiro direto (IED) caiu 40% em relação a 2017 até agora no ano, informou a UNCTAD. Foto: EBC

ONU: investimento estrangeiro direto cai no mundo; países em desenvolvimento são menos afetados

O investimento estrangeiro direto (IED) caiu 40% em relação ao ano passado até agora, informou na segunda-feira (15) a Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD), mas a queda de 470 milhões de dólares está acontecendo em maior parte em nações ricas e industrializadas, especialmente na América do Norte e Europa Ocidental.

De acordo com a UNCTAD, a queda ocorreu principalmente por conta de reformas fiscais nos Estados Unidos, que encorajaram grandes companhias norte-americanas a levar ganhos no exterior para os EUA – principalmente a partir de países da Europa Ocidental.

A estimativa da FAO é de que cerca de 1,3 bilhão de toneladas de comida seja descartada por ano no mundo. Foto: Pexels

FAO desenvolve metodologia para mensurar desperdício de alimentos no mundo

A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) está desenvolvendo uma metodologia para criar um novo índice, o Food Lost Index, com o objetivo de mensurar de maneira mais precisa o desperdício de alimentos no mundo, disse na quarta-feira (10) o diretor-geral da agência, José Graziano da Silva.

Além de considerações econômicas, as perdas e desperdícios de alimentos tem também uma grande dimensão ética e ambiental. Enquanto 821 milhões de pessoas no mundo estão em estado de insegurança alimentar, um terço de toda a produção alimentar do mundo é desperdiçada diariamente, segundo a FAO.

Trabalhadores em uma fábrica de vestuário em Bangladesh. Foto: OIT Bangladesh

Empresas do mundo todo têm ignorado obrigações de direitos humanos, dizem relatores da ONU

Muitas companhias em todo o mundo têm ignorado suas responsabilidades em relação aos direitos humanos, enquanto governos têm fracassado em dar bons exemplos e regular práticas comerciais, disse nesta terça-feira (16) um grupo de especialistas independentes das Nações Unidas.

“A diligência devida em matéria de direitos humanos consiste em evitar os impactos negativos sobre as pessoas”, disse Dante Pesce, que preside o Grupo de Trabalho sobre Empresas e Direitos Humanos.

Na sede da ONU em Genebra, o estacionamento de carros autônomos é apresentado com a utilização de tecnologia móvel. Foto: ONU/Jean-Marc Ferre

Resolução da ONU abre caminho para uso massivo dos carros autônomos

Uma resolução para garantir o uso seguro de veículos autônomos foi aprovada no Fórum Global para a Segurança no Tráfego de Veículos da Comissão Econômica da ONU para a Europa (UNECE, na sigla em inglês) ocorrida em Genebra, na quarta-feira (11).

Em comunicado, a UNECE disse que os veículos autônomos têm o potencial de criar transporte mais seguro, eficiente e ambientalmente sustentável, pode transformar setores inteiros da economia e melhorar as vidas de milhões de pessoas, principalmente daquelas que não sabem dirigir ou têm acesso limitado à mobilidade.

Maior equilíbrio de mulheres nas redações não só ajudaria a promover maior igualdade de gênero, mas colaboraria também para promover esteriótipos sobre a mulher. Foto: Pixabay

CEPAL: novas políticas industriais são fundamentais para pequenas e médias empresas latino-americanas

A nova geração de políticas industriais que impulsionam os ecossistemas tecnológicos é fundamental para o desenvolvimento das micro, pequenas e médias empresas da América Latina, afirmaram autoridades, especialistas internacionais e representantes do setor público e privado que participam de seminário iniciado na quarta-feira (10) em Buenos Aires, na Argentina.

Na reunião de alto nível, os participantes abordarão os principais desafios dessas empresas e a construção de estratégias de cooperação que as ajudem a superá-los. O evento, que acaba nesta quinta-feira (11), é organizado por Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), União Europeia e União Industrial Argentina (UIA).

Criptomoeda brasileira facilita empréstimos a pequenos produtores rurais

Estimativas recentes do Banco Mundial dão conta de que existem cerca de 2 bilhões de pessoas não bancarizadas no mundo todo. Elas sofrem com a falta de acesso a crédito ou a empréstimos comerciais, o que limita severamente as possibilidades de crescimento econômico.

Nesse cenário, a mineira Taynaah Reis, de 30 anos, descobriu na tecnologia um meio de conectar pessoas que querem investir com aquelas que precisam de recursos. Em 2017, criou a primeira criptomoeda brasileira com propósito de abordar os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas.

O relato é da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO).

O FMI prevê crescimento de 2,3% para a economia brasileira este ano. Foto: EBC

FMI reduz previsão de crescimento da economia global para 3,7% em 2018-19

O mais novo relatório sobre perspectivas econômicas do Fundo Monetário Internacional (FMI) divulgado nesta terça-feira (9) reduziu a previsão de crescimento global, que segundo o organismo permanecerá estável em 3,7% ao longo de 2018-19.

Em abril passado, o ímpeto da economia mundial levou o FMI a projetar uma taxa de crescimento de 3,9% para este ano e para o próximo. No entanto, considerando os desenvolvimentos desde então, esse número pareceu ser excessivamente otimista, na opinião do fundo.

Para o Brasil, a projeção do FMI é de crescimento de 1,4% em 2018 e de 2,4% no ano que vem.

A pesquisa foi lançada na última quinta-feira e os resultados serão disponibilizados o final deste ano. Foto: EBC

Escritório da ONU e CGU iniciam pesquisa na área de PPPs e concessões

Escritório das Nações Unidas de Serviços para Projetos (UNOPS), Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU) iniciaram na semana passada (4) pesquisa sobre regulação em Parcerias Público-Privadas (PPPs) e concessões no Brasil. O objetivo da iniciativa é apoiar governos e órgãos reguladores a identificar gargalos na estrutura regulatória, além de auxiliar a identificar possíveis oportunidades na área.

Professora Joana d’Arc Félix de Sousa é uma inventora em série e detém 15 patentes. Foto: OMPI

ENTREVISTA: Cientista brasileira fala sobre importância da propriedade intelectual para a inovação

A jornada da brasileira Joana d’Arc Félix de Sousa como cientista começou com suas brincadeiras infantis no curtume perto de casa. Filha de curtidor e empregada doméstica, a professora, formada em Harvard, foi aclamada nacionalmente por sua defesa do ensino de ciências e por contribuir para que jovens de comunidades marginalizadas percebessem seu potencial para inventar, criar e empreender.

Em entrevista à Organização Mundial de Propriedade Intelectual (OMPI), Joana, que é detentora de várias patentes relacionadas ao setor coureiro-calçadista, discute sua pesquisa atual e compartilha opiniões sobre a importância da educação científica e o papel dos direitos de propriedade intelectual no fortalecimento da inovação do Brasil e no desempenho econômico de longo prazo.

O Banco Mundial revisou para baixo as expectativas de crescimento econômico para a América Latina e Caribe em 2018 e 2019. Foto: Agência Brasil

Banco Mundial projeta crescimento de 1,2% para economia brasileira este ano

O Banco Mundial revisou para baixo as expectativas de crescimento econômico para a América Latina e Caribe em 2018 e 2019. Relatório lançado nesta sexta-feira (5), em Washington D.C., calcula um crescimento de 0,6% para este ano e 1,6% para o próximo.

Para o Brasil, espera-se crescimento de 1,2% em 2018 e 2,2% em 2019. Apesar de positivos, os números mostram uma desaceleração que impacta a economia da América do Sul como um todo. O subcontinente deve ter contração de 0,1% em 2018 e crescimento de 1,2% em 2019.

Vista aérea de Teerã. Foto: Hansueli Krapf/Wikimedia Commons (CC)

Corte Internacional de Justiça ordena que EUA suspendam sanções econômicas contra Irã

Em uma decisão emitida nesta quarta-feira (3), a Corte Internacional de Justiça, o principal órgão judicial das Nações Unidas, ordenou que os Estados Unidos suspendam algumas das sanções econômicas impostas ao Irã, que afetam a importação de bens humanitários e produtos, bem como a segurança de aeronaves civis.

O Irã alegou que as sanções violaram um tratado bilateral de 1955 que regulamenta o comércio entre os dois países e, em agosto, levou o caso à Corte, buscando uma suspensão de emergência.

Em sua decisão, a Corte considerou que restrições à exportação de “alimentos e remédios, incluindo remédios que salvam vidas, tratamento para doenças crônicas ou cuidados preventivos e equipamentos médicos, podem ter um impacto negativo na saúde e na vida das pessoas no Irã”.

O evento, também realizado pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) brasileiro e francês, teve como objetivo promover a importância do uso estratégico de ferramentas de propriedade intelectual para pequenas e médias empresas no país. Foto: OMPI

ONU promove seminário sobre propriedade intelectual para pequenas empresas em MG

O escritório brasileiro da Organização Mundial de Propriedade Intelectual (OMPI) e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE) promoveram no início de agosto em Belo Horizonte (MG) o terceiro seminário internacional sobre indicações geográficas e marcas coletivas, tendo como público-alvo pequenas e médias empresas.

O evento, também realizado pelos institutos de propriedade industrial de Brasil e França, teve como objetivo promover a importância do uso estratégico de ferramentas de propriedade intelectual para pequenas e médias empresas no país.

O curso foi realizado em parceria com o GDF e teve o objetivo de apoiar a renegociação do contrato do Centro Administrativo do Distrito Federal (CADF). Foto: UNOPS

Escritório da ONU promove curso de capacitação no DF sobre Parcerias Público-Privadas

O Escritório das Nações Unidas de Serviços para Projetos (UNOPS) promoveu no fim de setembro em Brasília (DF) curso de capacitação na área de Parcerias Público-Privadas (PPPs), que reuniu cerca de 30 profissionais do Governo do Distrito Federal (GDF).

A capacitação reuniu profissionais cujo trabalho está relacionado à área de PPPs, em quaisquer etapas do processo como concepção, avaliação, construção, exploração, financiamento e operação de projetos.

O chanceler chinês, Wang Yi, fala durante a 73ª sessão da Assembleia Geral da ONU, em Nova Iorque. Foto: ONU/Kim Haughton

Na ONU, China diz que não será chantageada nem sucumbirá a pressões de comércio

O comércio internacional tem uma natureza de “ganha-ganha” e não deveria ser um jogo cuja soma é zero, disse o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, aos líderes mundiais na Assembleia Geral da ONU nesta sexta-feira (28), afirmando que o país “não será chantageado ou sucumbirá a pressões”.

“A China defende um acordo adequado baseado em regras e consenso através de diálogo e de consultas em pé de igualdade”, disse Wang ao debate geral anual da Assembleia, acrescentando que o país também está agindo para “manter o sistema de livre comércio e as regras e ordens internacionais” tendo como objetivo os interesses comuns de todos os países.

Petrobras e PNUD firmam acordo para promover desenvolvimento sustentável em 110 municípios. Foto: Agência Petrobras

Petrobras e PNUD firmam acordo para promover desenvolvimento sustentável em 110 municípios

Atuar na ampliação de capacidades locais e estimular o desenvolvimento territorial sustentável em 110 municípios onde a Petrobras está presente são os objetivos do acordo firmado entre a companhia e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) na terça-feira (25), em Brasília (DF).

Assinada no aniversário de três anos da aprovação da Agenda 2030 e seus Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), a parceria alcançará cerca de 2.200 participantes, incluindo gestores municipais, instituições executoras de projetos socioambientais apoiados pela Petrobras e outros atores locais relevantes.

O documento da UNCTAD diz que a hiperglobalização não resultou em um mundo de "ganha-ganha". Mas nem o recuo ao nacionalismo nostálgico nem a duplicação do apoio ao livre comércio fornecem a resposta correta, segundo o relatório. Foto: Rafael Matsunaga/CC Flickr.

ONU aponta concentração do poder econômico nas mãos de poucas empresas internacionais

A economia mundial permanece em terreno instável uma década depois da crise financeira de 2008, com as guerras comerciais aparecendo como um sintoma de um mal-estar mais profundo, segundo o relatório publicado nesta quarta-feira (26) pela Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD).

O documento examina como o poder econômico está sendo concentrado em um número menor de grandes empresas internacionais, e o impacto que isso está tendo na capacidade dos países em desenvolvimento de se beneficiar de sua participação no sistema de comércio internacional.

Segundo o relatório, a hiperglobalização não resultou em um mundo de “ganha-ganha”. Mas nem o recuo ao nacionalismo nostálgico nem a duplicação do apoio ao livre comércio fornecem a resposta correta, afirma a UNCTAD. Para a conferência da ONU, o livre comércio reduziu o espaço político para os países em desenvolvimento e cortou as proteções para os trabalhadores e as pequenas empresas, ao mesmo tempo em que protegeu a renda das grandes empresas.

Escritório das Nações Unidas de Serviços para Projetos (UNOPS) e a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH) lançaram manuais de arquitetura para os hospitais universitários federais vinculados à instituição. Foto: UNOPS

ONU e parceiro lançam manuais de arquitetura para hospitais universitários

O Escritório das Nações Unidas de Serviços para Projetos (UNOPS) e a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH) lançaram nesta segunda-feira (24) em Brasília (DF) manuais de arquitetura para os hospitais universitários federais vinculados à instituição.

Os manuais serão úteis para padronizar os projetos de arquitetura dos hospitais da rede EBSERH seguindo parâmetros de humanização e sustentabilidade. Além disso, consideram as diferenças regionais dos locais em que há hospitais da rede no país e os parâmetros de acessibilidade.

Secretário-geral da ONU, António Guterres, fala na abertura do debate geral da 73ª sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas. Foto: ONU/Cia Pak

Mudanças climáticas e multilateralismo são destaque no primeiro dia da Assembleia Geral da ONU

Os temas recorrentes nesta terça-feira (25) no primeiro dia do debate geral da Assembleia Geral da ONU, em Nova Iorque, foram os potencialmente catastróficos impactos das mudanças climáticas. O secretário-geral da ONU, António Guterres, alertou em seu discurso inaugural que a velocidade do aquecimento global tem provocado emergências no mundo todo, enquanto líderes dos países enfatizaram suas vulnerabilidades no que se refere a esse tema.

Palácio do Itamaraty, em Brasília (DF). Foto: Agência Brasil/Wilson Dias

Instituto Rio Branco lança prêmio para monografias em direito do comércio internacional

O Instituto Rio Branco (IRBr), com apoio institucional da Cátedra OMC no Brasil, lançou na segunda-feira (24) o Prêmio Bruno Guerra Carneiro Leão de Monografias em Direito do Comércio Internacional, com o objetivo de estimular o interesse de estudantes e profissionais brasileiros pelo tema.

Para concorrer, estudantes ou profissionais deverão submeter uma monografia inédita, de no máximo 50 páginas, relacionada ao tema “O Brasil e as Questões Contemporâneas do Direito do Comércio Internacional”. As inscrições começam em 5 de novembro.

Em 15 de setembro, o veleiro Flipflopi, de nove metros, com as cores do arco-íris e artesanato pioneiro feito com 10 toneladas de plástico reciclado queniano, foi lançado da ilha de Lamu em sua viagem inaugural. Foto: ONU Meio Ambiente

Veleiro de plástico reciclado no Quênia alerta para perigo ambiental dos descartáveis

O projeto Flipflopi é um plano ambicioso para construir um veleiro tradicional de plástico reciclado e navegá-lo ao longo da costa da África Oriental para espalhar a mensagem de que nossa dependência de plásticos de uso único é um desperdício destrutivo.

No início do ano que vem, o Flipflopi viajará para Zanzibar como parte de uma campanha, apoiada pela iniciativa Mares Limpos da ONU Meio Ambiente, para espalhar uma “revolução plástica” ao longo do litoral, muitas vezes salpicado de resíduos plásticos de lugares tão distantes quanto a Tailândia e a Malásia.

Linha de montagem do Grupo Chrysler, reequipada com mais 1,1 mil robôs na cidade de Sterling Heights, no estado norte-americano do Michigan. Foto: Flickr (CC)/Fiat Chrysler Automobiles (FCA)

Brasil ‘vai ser atropelado’ por revolução digital e automação, avalia especialista

Sem investimentos em educação e infraestrutura, o Brasil “vai ser atropelado” pela revolução digital, avalia o especialista em robótica Edson Prestes. O brasileiro integra o Painel de Alto Nível da ONU sobre Cooperação Digital, que se reúne pela primeira vez nesta segunda-feira (24), em Nova Iorque.

Em entrevista ao Centro de Informação da ONU para o Brasil (UNIC Rio), o pesquisador defende que países em desenvolvimento precisam ter mão de obra qualificada para lidar com a crescente automação do setor produtivo.

Mais de 3 milhões de pessoas morreram por uso nocivo de álcool em 2016, segundo relatório divulgado pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Foto: EBC

Uso nocivo de álcool mata 3 milhões de pessoas por ano no mundo; homens são maioria

Mais de 3 milhões de pessoas morreram por uso nocivo de álcool em 2016, segundo relatório divulgado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta sexta-feira (21). Isso representa uma em cada 20 mortes ocorridas globalmente naquele ano. Mais de três quartos delas ocorreram entre homens. No geral, o uso nocivo do álcool causa mais de 5% da carga global de doenças.

De todas as mortes atribuíveis ao álcool, 28% são resultado de lesões, como as causadas por acidentes de trânsito, autolesão e violência interpessoal; 21% se devem a distúrbios digestivos; 19% a doenças cardiovasculares e o restante por doenças infecciosas, câncer, transtornos mentais e outras condições de saúde.

A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável foi estabelecida pelos países-membros da ONU no fim de 2015. Foto: ONU

Rede Brasil do Pacto Global apresenta em NY projetos de sustentabilidade do setor privado

A Rede Brasil do Pacto Global apresentará 19 projetos do setor privado brasileiro relacionados aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), na próxima quarta-feira (26).

O SDGsinBrazil – The Role of the Private Sector ocorre em Nova Iorque, em programação paralela à Assembleia Geral da ONU. O evento será uma oportunidade para que signatários da Rede Brasil mostrem suas ideias inovadoras de sustentabilidade empresarial a investidores internacionais e nacionais e a representantes de agências das Nações Unidas.

Campanha Mares Limpos visa combater poluição dos oceanos causada pelo consumo e produção de plástico. Foto: ONU Meio Ambiente/Shawn Heinrichs

ONU Meio Ambiente mobiliza escoteiros em campanha Mares Limpos

Entre os dias 29 de setembro e 8 de dezembro, membros juvenis dos Escoteiros do Brasil de todo o país poderão participar do desafio para conquistar a Insígnia Mares Limpos.

Em parceria com a ONU Meio Ambiente e o Movimento Menos 1 Lixo, os Escoteiros do Brasil se engajam pelo segundo ano consecutivo em um projeto de cuidado com os oceanos, incentivando lobinhos, sêniores, escoteiros e pioneiros a reduzirem o consumo de plástico por meio do “Desafio Menos 1 Lixo/Mares Limpos”.

Trânsito em São Paulo. Foto: Fotos Públicas / Oswaldo Corneti

ONU e associação de empresas estimulam uso do transporte público no Dia Mundial Sem Carro

Deixar o carro em casa e experimentar o transporte público pode ser um desafio para quem utiliza o automóvel no dia a dia, mas esse é o convite da Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU) para o próximo sábado (22), Dia Mundial Sem Carro.

A campanha publicitária é assinada pela NTU, em parceria com duas agências das Nações Unidas – a ONU Meio Ambiente e a Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) -, e reforça o vínculo do transporte coletivo com pedestres e ciclistas.

Foto:Pixabay/kaboompics (cc)

CEPAL pede mais igualdade de gênero no acesso a serviços bancários

Para avançar rumo a sistemas financeiros inclusivos que contribuam para eliminar as desigualdades de gênero, é necessário contar com dados desagregados por sexo e assim romper com o silêncio estatístico que afeta as mulheres, disse na semana passada (10) a secretária-executiva da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), Alicia Bárcena.

Segundo a chefe da CEPAL, as mulheres enfrentam barreiras para acessar o sistema financeiro e não gozam dos mesmos benefícios e direitos que os homens.

Para ela, as políticas macroeconômicas deveriam ser sensíveis às desigualdades de gênero, já que as mulheres acabam  amortecendo os choques econômicos nos períodos de crise, instabilidade ou recessão, principalmente através da sobrecarga de trabalho não remunerado.

Sede da ONU em NY. Foto: ONU/Rick Bajornas.

Acordo latino-americano sobre proteção de defensores ambientais recebe assinaturas a partir de 27/9

O acordo regional sobre acesso à informação, à participação pública e à Justiça em assuntos ambientais na América Latina e no Caribe (Acordo de Escazú) será aberto à assinatura de todos os países da região na quinta-feira (27) na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque, no marco do debate geral do 73º período de sessões da Assembleia Geral da ONU.

O chamado “Acordo de Escazú” — por ter sido adotado em 4 de março passado no município de Escazú, na Costa Rica — é o primeiro acordo ambiental da região e o único de seu tipo no mundo, já que contém disposições específicas sobre proteção de defensores de direitos humanos em assuntos ambientais. Trata-se do primeiro instrumento legal que emergiu até agora da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20).

Reunião ocorreu no fim de agosto, no Rio de Janeiro. Foto: PANAFTOSA

Rede interamericana de análises de alimentos visita instituto de controle de qualidade no Rio

Dois membros da Rede Interamericana de Laboratórios de Análises de Alimentos (RIILA) visitaram no fim de agosto (28) o Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS), localizado em Manguinhos, zona norte do Rio de Janeiro.

Entre os temas discutidos, estão a apresentação do novo portal da RILAA, a participação do INCQS na 9ª Assembleia Ordinária da Rede — que ocorrerá entre 5 e 9 de novembro em Santo Domingo, República Dominicana — e alianças futuras, sobretudo nas áreas de teste de proficiência e ensino.

Edifícios nos arredores de Wall Street. Foto: Michael Aston/Flickr (CC)

ARTIGO: Dez anos depois da quebra do Lehman Brothers — lições e desafios

Em artigo, a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, afirma que as consequências da crise financeira de 2008 e seu pesado custo sobre as pessoas comuns estão entre os fatores-chave para explicar a atual reação contra a globalização — particularmente nas economias avançadas — e a erosão da confiança no governo e em outras instituições. Leia o artigo completo.

A violência contra as mulheres – particularmente a violência por parte de parceiros e a violência sexual – é um grande problema de saúde pública e de violação dos direitos humanos das mulheres. Foto: George Campos/USP Imagens

Fundo de População da ONU participa de debate em SP sobre empresas e igualdade de gênero

O representante do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) no Brasil, Jaime Nadal, participa na semana que vem (25) de evento em São Paulo para discutir como as empresas podem impulsionar a igualdade de gênero no país, atuando de forma coordenada para o desenvolvimento social e econômico.

O painel “Alinhando esforços do setor privado na defesa dos direitos da mulher: estratégias inovadoras para fortalecer a agenda de saúde e de direitos sexuais e reprodutivos no Brasil” será realizado na terça-feira, das 11h às 12h, durante a Conferência Ethos, na capital paulista.

Foto: PEXELS

UNESCO participa de evento em Brasília sobre empreendedorismo de mulheres

A diretora e representante da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) no Brasil, Marlova Noleto, participou no fim de agosto (29) de um encontro em Brasília (DF) sobre empreendedorismo de mulheres, enfatizando a importância da educação para que mais mulheres possam empreender no país.

O painel “Mulheres transformando o mundo” foi realizado em comemoração ao primeiro ano do núcleo DF do Grupo Mulheres do Brasil, uma rede suprapartidária criada em 2013 por 40 executivas com o objetivo de engajar a sociedade civil no desenvolvimento do país.

Desde agosto de 2017, mais de 650 mil refugiados rohingya deixaram Mianmar rumo a Bangladesh em busca de segurança. Ali, vivem em condições precárias nos campos de refugiados superlotados e carecem de necessidades básicas. Foto: ACNUR/Roger Arnold

ARTIGO: Líderes comunitários fornecem a melhor esperança para um mundo conturbado

Em artigo publicado na revista The Economist, o alto-comissário da ONU para os direitos humanos em fim de mandato, Zeid Ra’ad Al Hussein, faz duras críticas à comunidade internacional e a políticos que, “desejosos de serem vistos como líderes viris”, prejudicam migrantes, refugiados e grupos mais vulneráveis da sociedade. Para Zeid, falta vontade sincera por parte dos Estados de trabalhar em conjunto, enquanto os sistemas internacionais para ação coletiva estão se decompondo.

Zeid, no entanto, elogia o trabalho de líderes comunitários e de movimentos sociais do mundo todo que, apesar das dificuldades e das constantes ameaças, estão dispostos a perder tudo — incluindo suas vidas — em defesa dos direitos humanos. Leia o artigo completo.