Trabalho decente e crescimento econômico

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU número 8 diz: “Promover o crescimento econômico sustentado, inclusivo e sustentável, emprego pleno e produtivo e trabalho decente para todos”.

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU número 8 diz: “Promover o crescimento econômico sustentado, inclusivo e sustentável, emprego pleno e produtivo e trabalho decente para todos”.

 

Mais sobre este ODS em https://nacoesunidas.org/pos2015/ods8 e notícias sobre o tema abaixo.

CEPAL divulga na quinta-feira (14) seu último relatório econômico do ano sobre os países da América Latina e do Caribe. Foto: EBC

CEPAL divulga na quinta (14) último relatório do ano sobre economia latino-americana e caribenha

A Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) divulga na quinta-feira (14) o Balanço Preliminar das Economias da América Latina e do Caribe 2017, publicação em que atualizará as estimativas de crescimento para os países da região neste ano e em 2018.

O relatório será apresentado em coletiva de imprensa pela secretária-executiva da CEPAL, Alicia Bárcena, na sede da comissão em Santiago, no Chile. A coletiva será transmitida ao vivo pelo site da instituição.

Imigrantes haitianos em Iñapari, no Peru. A rota é usada por muitos para alcançar o Brasil pela fronteira com o Acre, para depois seguirem para centros urbanos. Segundo as mais recentes estimativas, mais de 50 mil haitianos já migraram para o Brasil desde o terremoto que atingiu o país caribenho, em janeiro de 2010. Foto: Marcello Casal Jr./ABr

População de migrantes no Brasil aumentou 20% no período 2010-2015, revela agência da ONU

De 2010 a 2015, a população de migrantes vivendo no Brasil cresceu 20%, chegando a 713 mil. Desse contingente, 207 mil vêm de outros países da América do Sul. Volume de sul-americanos que chegaram ao território brasileiro também aumentou 20% no mesmo período. É o que revela o relatório da Organização Internacional para as Migrações (OIM), World Migration Report 2018, divulgado trienalmente e publicado no início do mês (1º).

A ONU reviu para cima a projeção de crescimento da economia brasileira, e agora estima expansão de 2% em 2018. Foto: EBC

ONU prevê crescimento de 2% para economia brasileira em 2018

As Nações Unidas projetam crescimento de 2% para o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro no ano que vem, com previsão de avanço de 0,7% este ano, segundo o relatório Situação Econômica Mundial e Perspectivas (WESP, na sigla em inglês) lançado na segunda-feira (11) em Nova Iorque.

Em 2019, a projeção é de avanço de 2,5%. A retomada ocorre após forte queda de 3,8% e 3,6% em 2015 e 2016, respectivamente. “Enquanto o crescimento médio na região deve se fortalecer gradualmente, permanecerá bem abaixo das taxas observadas durante o boom das commodities dos anos 2000”, disse o documento.

Governo federal solicitou em 2015 ao Banco Mundial relatório sobre gastos públicos. Foto: Sesc SP/Julia Parpulov

Banco Mundial: adiar reforma da previdência só aumentaria ajuste a ser feito no futuro

O aumento do gasto previdenciário no Brasil é motor de um forte desequilíbrio fiscal. Diante disso, mesmo o país enfrentando uma dura crise econômica, é necessário resolver esse problema estrutural uma vez que adiá-lo só aumentaria o tamanho do ajuste a ser feito no futuro, na opinião do diretor do Banco Mundial para o Brasil, Martin Raiser.

Para ele, a reforma tributária também deve ser prioridade, uma vez que a alta carga recai principalmente sobre os mais pobres, com baixa tributação sobre a renda, particularmente grandes fortunas.

Imagem: Pixabay

Impulso da economia global é oportunidade para enfrentar problemas de desenvolvimento, aponta relatório da ONU

Uma recuperação na economia global – agora crescendo cerca de três por cento – pavimenta o caminho para reorientar políticas para enfrentar problemas de longo prazo, como mudanças climáticas e desigualdade, e remover obstáculos institucionais para o desenvolvimento.

A conclusão está no relatório das Nações Unidas Situação Econômica Mundial e Perspectivas 2018 (WESP, na sigla em inglês), lançado nesta segunda-feira (11) em Nova Iorque.

Para o secretário-geral da ONU, António Guterres, o documento “demonstra que as atuais condições macroeconômicas oferecem aos decisores políticos uma capacidade maior de enfrentar alguns dos problemas mais enraizados que continuam a impedir o progresso rumo aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável”.

Ministro da Justiça, Torquato Jardim, durante lançamento do Selo Resgata, que certifica empresas que contribuem para a reintegração de presos. Foto: Agência Brasil/Valter Campanato

Selo reconhece empresas que colaboram com reintegração de ex-detentos

Um dos principais desafios de quem acaba de cumprir pena em regime fechado é encontrar emprego. Merecem, portanto, reconhecimento, incentivo e visibilidade instituições que colaboram com a reintegração de ex-detentos ao mercado de trabalho e à sociedade.

Essa é a ideia por trás do Selo Resgata, lançado pelo Ministério da Justiça. A proposta é reconhecer empresas e instituições que contratam pessoas privadas de liberdade e egressos do sistema penitenciário. A iniciativa recebeu apoio técnico do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Idoso na vila de Nongma, no sudoeste da China. Foto: Banco Mundial/Steve Harris

Países dos BRICS terão 940 milhões de idosos até 2050

Para discutir os desafios sociais trazidos pelo envelhecimento, o Fundo de População da ONU (UNFPA) foi a Pequim com uma delegação brasileira para participar nos dias 6 e 7 de dezembro da primeira Reunião dos BRICS sobre Envelhecimento. Segundos os organizadores do evento, em 2015, Brasil, China, Rússia, Índia e África do Sul eram o lar de mais de 380 milhões de idosos com 60 anos ou mais. Até 2050, contingente chegará a cerca de 940 milhões.

Embora a taxa de matrícula no ensino primário tenha aumentado para cerca de 98% em 2015, a taxa de matrícula nacional para crianças de 3 a 5 anos foi de apenas 41% em 2016. Por meio de um projeto do Banco Mundial para a primeira infância, 100 escolas formais e pré-escolas comunitárias foram abertas, beneficiando mais de 125 mil estudantes de 3 a 5 anos de idade. Investir em crianças pequenas é um dos gastos mais inteligentes que um país pode fazer para enfrentar a desigualdade, romper o ciclo da pobreza e melhorar a qualidade de vida no futuro. Saiba mais nesse vídeo e em www.worldbank.org/cambodia

Com apoio do Banco Mundial, Camboja investe em educação na primeira infância

Embora a taxa de matrícula no ensino primário tenha aumentado para cerca de 98% em 2015, a taxa de matrícula nacional para crianças de 3 a 5 anos foi de apenas 41% em 2016. Por meio de um projeto do Banco Mundial para a primeira infância, 100 escolas formais e pré-escolas comunitárias foram abertas no Camboja, beneficiando mais de 125 mil estudantes de 3 a 5 anos de idade.

Investir em crianças pequenas é um dos gastos mais inteligentes que um país pode fazer para enfrentar a desigualdade, romper o ciclo da pobreza e melhorar a qualidade de vida no futuro. Saiba mais nesse vídeo.

Publicação da ONU Meio Ambiente orienta empresas a abordar sustentabilidade com consumidores. Imagem: ONU Meio Ambiente

Em São Paulo, ONU treinará empresas para abordar sustentabilidade de produtos com consumidores

Em parceria com a Rede Brasil do Pacto Global das Nações Unidas e com o apoio do Instituto Akatu, a ONU Meio Ambiente realiza na quinta-feira (7), em São Paulo, o workshop “Comunicando a Sustentabilidade dos Produtos”. Treinamento acontece às 10h, no escritório da ONU em São Paulo. Durante a formação, participantes conhecerão recomendações da agência ambiental das Nações Unidas sobre o tema.

Gul Shirin, de 45 anos, deu início a uma unidade de costura na província de Parwan. Zarmina, de 35, acaba de estabelecer sua própria micro-estufa no distrito de Paghman, na província de Cabul. Ao lançar as pequenas empresas e ‘casas verdes’, centenas de mulheres afegãs podem agora se manter e apoiar suas famílias. Suas histórias ressaltam o foco do Afeganistão na capacitação das mulheres e na garantia que elas possam participar ativamente da sociedade. Confira nesse vídeo do Banco Mundial.

VÍDEO: Empoderando as mulheres para o crescimento do Afeganistão

Gul Shirin, de 45 anos, deu início a uma unidade de costura na província de Parwan. Zarmina, de 35, acaba de estabelecer sua própria micro-estufa no distrito de Paghman, na província de Cabul. Ao lançar as pequenas empresas e ‘casas verdes’, centenas de mulheres afegãs podem agora se manter e apoiar suas famílias. Suas histórias ressaltam o foco do Afeganistão na capacitação das mulheres e na garantia que elas possam participar ativamente da sociedade. Confira nesse vídeo do Banco Mundial.

A 150ª adesão aos princípios de empoderamento das mulheres da ONU aconteceu durante o Fórum Mulheres de Destaque, no final de novembro, em São Paulo. Foto: ONU Mulheres

Princípios de empoderamento das mulheres da ONU alcançam 150 empresas signatárias no Brasil

“Igualdade significa negócios”. É sob esta afirmação que a ONU Mulheres e o Pacto Global da ONU vêm trabalhando para promover os Princípios de Empoderamento das Mulheres (WEPs, da sigla em inglês) no Brasil e no mundo.

Baseados em práticas empresariais bem-sucedidas, tais princípios orientam corporações a adaptar as políticas existentes ou criar novas práticas para trabalhar a promoção da igualdade entre homens e mulheres no local de trabalho, no mercado, em sua cadeia de valor e na sociedade.

Maria do Carmo Vieira Araujo, 50, Ednalva Maria de Jesus, 31, e Dilma Jesus Panteleon, 40, descascam raízes de mandioca na Cooperativa na Aldeia Marcação Kiriri, perto de Ribeira do Pombal, no Estado da Bahia (12 de abril de 2016). O projeto permitiu mulheres a trabalhar, socializar, processar e vender os seus produtos de modo a sustentar a sua comunidade. O Projeto de Desenvolvimento Rural Sustentável da Região Semiárida da Bahia (Projeto Pró-semiárido), cofinanciado pelo FIDA, tem trabalhado com o povo Kiriri para permitir que eles utilizem seu conhecimento tradicional e tradições como fundamento para construir seu sustento. Foto: IFAD/Lianne Milton/Panos

Em Natal, PNUD promove seminário gratuito sobre empreendedorismo inclusivo

Modelos de negócios inclusivos na região Nordeste serão tema de um ciclo de debates do III Seminário Regional Incluir, realizado no próximo 7 de dezembro em Natal, pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE).

Evento é parte de uma série de encontros da Iniciativa Incluir, projeto da agência da ONU para estimular o empreendedorismo socialmente responsável.

Evento no Rio organizado por Banco Mundial e FGV marca lançamento de estudo sobre previdência. Foto: EBC

Banco Mundial e FGV realizam evento no Rio para discutir previdência

O Banco Mundial e a Fundação Getulio Vargas (FGV) realizam evento no Rio de Janeiro em 11 de dezembro para discutir previdência. Na ocasião, será lançado um estudo sobre o tema, que fez parte do relatório “Um Ajuste Justo: Análise da Eficiência e Equidade do Gasto Público no Brasil”, publicado no fim de novembro pelo organismo internacional.

O evento terá a presença do diretor do Banco Mundial para o Brasil, Martin Raiser, e do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.

Foto: PMA/Arssalan Serra

Centro da ONU celebra Dia Africano de Segurança Alimentar e Nutricional na Costa do Marfim

No Dia Africano de Segurança Alimentar e Nutricional, celebrado durante evento na semana passada (18) na Costa do Marfim, o diretor do Centro de Excelência contra a Fome, Daniel Balaban, lembrou o importante papel do Programa Mundial de Alimentos (PMA) e dos governos para eliminar a fome e a desnutrição no continente.

“Estamos com mais pressão do que nunca para superar esses desafios rapidamente e atingir o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da Fome Zero”, disse.

Desemprego entre jovens no Brasil tem maior taxa em 27 anos, diz OIT. Foto: EBC

OIT: desemprego entre jovens brasileiros deve atingir 30% em 2017, maior taxa desde 1991

A região da América Latina e Caribe deve registrar o maior aumento das taxas de desemprego entre jovens no mundo, segundo relatório divulgado na segunda-feira (20) pela Organização Internacional do Trabalho (OIT).

As perspectivas regionais são negativamente afetadas pelo fraco desempenho econômico do Brasil, onde a taxa de desemprego entre jovens deve atingir 30%, o maior índice desde 1991, segundo o documento “Tendências Globais de Emprego para a Juventude 2017”.

Na Somalilândia, o desemprego entre jovens é um dos maiores no mundo, entre 60% e 70%. Foto: IRIN / Adrian Leversby

Jovens representam mais de 35% dos desempregados do mundo, alerta OIT

A juventude representa mais de 35% da população desempregada em todo o mundo, segundo relatório lançado nesta segunda-feira (20) pela Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Apesar de o número estimado de 70,9 milhões de jovens desempregados este ano representar uma melhora frente ao auge da crise em 2009, a OIT estima que esse volume deve aumentar em mais 200 mil em 2018, atingindo um total de 71,1 milhões.

Jovens que participaram da Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas em Bonn, na Alemanha. Foto: UNFCCC

Conferência da ONU é encerrada com ‘urgência renovada’ contra mudanças climáticas

Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP23) foi encerrada com as delegações expressando um “renovado senso de urgência” e uma “maior ambição” para combater as mudanças climáticas.

Os participantes debateram como manter o ritmo dois anos após a adoção do Acordo de Paris no contexto do recente anúncio pelo governo dos Estados Unidos de se retirar do tratado; Brasil se ofereceu para sediar a COP25 em 2019.

Foto: Gregoire Gauthier e Satoshi Ogita

Banco Mundial financia transporte rodoviário e serviços públicos no Tocantins

O Banco Mundial financia o Projeto de Desenvolvimento Regional Integrado e Sustentável (PDRIS) no Tocantins, cujo objetivo é promover uma maior eficácia do transporte rodoviário e uma maior eficiência dos serviços públicos no estado.

Segundo o organismo internacional, o aumento da eficácia dos serviços de transporte rural melhorará a acessibilidade das populações remotas do estado e, ao mesmo tempo, promoverá a integração econômica regional.

Aluno de Marabá apresenta o resultado de atividades realizadas em sala de aula com a metodologia ECOAR. Foto: Magno Barros

OIT capacita educadores do Pará no combate ao trabalho infantil

Após dois meses de atividade em sala de aula, alunos das redes de escolas municipais de Marabá e Xinguara — localizados na região de Carajás, no sudeste do Pará — apresentaram os resultados alcançados com a metodologia Educação, Comunicação e Arte na Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente (ECOAR), uma estrutura multidisciplinar que estimula o debate, a criatividade nas práticas escolares para a conscientização e o enfrentamento do trabalho infantil.

Desenvolvido pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), o ECOAR é um material didático composto por 18 módulos. Ele permite que educadores trabalhem temas relacionados aos direitos humanos das crianças em suas atividades educativas, estimulando o protagonismo de meninas e meninos, propondo o debate e disseminando práticas que promovam a prevenção e a eliminação do trabalho infantil.

Alicia Bárcena e Noam Chomsky. Foto: CEPAL

CEPAL cita necessidade de novo modelo de desenvolvimento em fórum com Noam Chomsky

A América Latina e o Caribe precisam avançar rumo a um novo paradigma de desenvolvimento baseado na igualdade e na sustentabilidade ambiental como motor do crescimento. O atual modelo, o capitalismo, não funciona.

As declarações foram feitas na quarta-feira (15) pela secretária-executiva da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), Alícia Bárcena, durante fórum realizado na Cidade do México ao lado de personalidades como o linguista e filósofo Noam Chomsky.

Relatório da FAO destacou desafios para garantia de direitos de mulheres rurais latino-americanas e caribenhas. Foto: EBC

Nova publicação da FAO destaca desafios para garantia de direitos das mulheres rurais

Segundo nova publicação da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), um dos elementos mais comuns que caracteriza a vida das mulheres rurais latino-americanas e caribenhas é a sobrecarga de atividades, devido a uma divisão sexual do trabalho que deixa nas mãos delas o cuidado dos filhos, dos anciãos e dos enfermos.

A “invisibilização” do trabalho que realizam no âmbito reprodutivo, produtivo e para o autoconsumo é outro fator-chave que se soma ao baixo acesso que têm aos meios de produção. O relatório também destaca dificuldades que enfrentam para a participação política e autonomia econômica.

Refugiadas sírias participam de feira gastronômica no Rio de Janeiro. Foto: ACNUR/Diogo Felix

Refugiados no Rio celebram formação em empreendedorismo com venda de produtos

Em comemoração à formatura das duas primeiras turmas do projeto Coletivos de Refugiados Empreendedores (CORES), o Programa de Atendimento a Refugiados (PARES) da Cáritas do Rio de Janeiro realiza na sexta-feira (17) um happy hour de apresentação dos negócios criados ou desenvolvidos por seus participantes.

O evento, que ocorrerá no espaço Nex Coworking Rio (Glória), a partir das 16h, será uma oportunidade para que os brasileiros conheçam e apoiem empreendimentos de refugiados residentes na cidade, de acordo com a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR).

Presidente do Banco do Brasil, Paulo Caffarelli, anunciou a parceria com o ACNUR durante sua palestra do evento Inspira BB. Foto: Julio Rua

ONU fecha parceria com banco brasileiro para facilitar integração financeira de refugiados

Três agências do Banco do Brasil localizadas no centro de São Paulo terão funcionários treinados especialmente para atender refugiados e facilitar a concessão de microcrédito para essa população. O anúncio da parceria entre a instituição financeira e a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) foi feito no sábado (4) e tem como objetivo facilitar a integração financeira de pessoas refugiadas no país.

O estudo fornece uma visão geral do progresso da América Latina na redução da desigualdade salarial durante um período de alto crescimento econômico na primeira década dos anos 2000. Foto: EBC

Banco Mundial promove debate online sobre desigualdade salarial na América Latina

O centro de estudos Wilson Center e o escritório do economista-chefe do Banco Mundial para a América Latina e o Caribe convidam para uma discussão sobre o novo relatório da instituição — “Desigualdade Salarial na América Latina — Compreender o Passado para se Preparar para o Futuro”.

O debate poderá ser acompanhado na próxima terça-feira (14), das 12h às 14h, pelos canais do Banco Mundial no Facebook.

Menino de 15 anos trabalha soldando quadro em Sanaa, no Iêmen. Foto: UNICEF/Al-Zikri

Conferência internacional sobre trabalho infantil tem início na terça-feira (14) em Buenos Aires

Dos dias 14 a 16 de novembro, a IV Conferência sobre a Erradicação Sustentável do Trabalho Infantil, realizada com o apoio da Organização Internacional do Trabalho (OIT), reunirá em Buenos Aires representantes de 193 países, incluindo de governos, associações de empregadores e trabalhadores. Objetivo do encontro é fortalecer o combate a essa violação de direitos, que tem de ser eliminada até 2025, tal como previsto pelos objetivos globais da ONU.

Produção de grãos no Paraná. Foto: ANPr / Jonas Oliveira

Aumenta peso das commodities para economia do Brasil, revela relatório da ONU

No biênio 2014-2015, as exportações de commodities do Brasil responderam por 6,5% do Produto Interno Bruto (PIB) do país — taxa 0,9% acima da proporção registrada para o período 2009-2010. Participação de minérios nas exportações de commodities caiu, enquanto peso da agricultura cresceu. É o que revela um novo levantamento da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD).