Empregos dignos e crescimento econômico

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU número 8 diz: “Promover o crescimento econômico sustentado, inclusivo e sustentável, emprego pleno e produtivo e trabalho decente para todos”.

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU número 8 diz: “Promover o crescimento econômico sustentado, inclusivo e sustentável, emprego pleno e produtivo e trabalho decente para todos”.

 

Mais sobre este ODS em https://nacoesunidas.org/pos2015/ods8 e notícias sobre o tema abaixo.

IBGE e OIT divulgam pesquisa sobre relações de trabalho e sindicalização

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulga na quarta-feira (26), às 10h, o suplemento da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) 2015: Aspectos das relações de trabalho e sindicalização (2015). Haverá entrevista coletiva no auditório do IBGE, localizado na Avenida República do Chile, 500, 3º andar, Rio de Janeiro.

Fruto de parceria entre IBGE, Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) e Organização Internacional do Trabalho (OIT), o suplemento traz, pela primeira vez, o panorama nacional das relações entre trabalhadores e empregadores.

Posto de atendimento do INSS. Foto: Agência Brasil/Marcelo Camargo

Banco Mundial defende reforma da Previdência e alerta para déficits nos próximos 50 anos

Em nota técnica sobre a reforma da Previdência discutida no Brasil, o Banco Mundial aponta que as mudanças sugeridas pelo governo federal são “necessárias e urgentes” para conter a dívida da seguridade social.

Atualmente, sistemas de pensões — para funcionários do Estado e do setor privado — respondem por cerca de um terço do gasto público. Sem alterações, déficit do Regime Geral de Previdência Social (RGPS), destinado ao segundo grupo, chegará a 16% do Produto Interno Bruto (PIB) até 2066.

CEPAL prevê que economia latino-americana e caribenha deve se expandir 1,1% em 2017 depois de dois anos de contração. Foto: EBC

CEPAL reduz previsão de crescimento da economia latino-americana e caribenha

A Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) atualizou as projeções de crescimento da atividade econômica da região para 2017, e espera uma expansão média de 1,1% durante este ano. A projeção está levemente abaixo da estimativa feita em dezembro de 2016, de 1,3%.

Para o Brasil, a previsão é de avanço de 0,4% este ano, o segundo pior desempenho na região, depois da Venezuela (-7,2%).

Mercado de peixe em Roma, na Itália. Foto: FAO / Alessia Pierdomenico

Modelo da FAO ajudará a manter pesca ilegal fora do mercado global

Globalmente, entre 91 e 93 milhões de toneladas de peixes são pescados anualmente, e os produtos do mar estão entre os alimentos mais negociados no mundo, com um valor de exportação de 142 bilhões de dólares em 2016.

Estima-se também que a pesca ilegal e não regulamentada tire até 26 milhões de toneladas de peixes dos oceanos por ano, prejudicando os ecossistemas marinhos e os esforços para gerir de forma sustentável a pesca.

Marcha das Margaridas de Brasília em 2015. Foto: ONU Mulheres/Isabel Clavelin

Em Moçambique, mulheres reúnem-se pela igualdade de gênero no campo

Trabalhadoras rurais de Brasil, Angola, Cabo Verde, Guiné Bissau, Moçambique e Portugal reúnem-se em Maputo, capital moçambicana, para discutir uma agenda internacional de luta pelo empoderamento das mulheres do campo.

“Elas fazem parte de um dos grupos em situação de maior vulnerabilidade que, ao mesmo tempo, são agentes centrais para a erradicação da pobreza e promoção da segurança alimentar e nutricional”, disse Nadine Gasman, representante da ONU Mulheres Brasil.

Número de pesquisadores na América Latina e no Caribe é bem inferior ao de países desenvolvidos. Foto: EBC

América Latina e Caribe têm até 90% menos pesquisadores do que países desenvolvidos, diz CEPAL

A América Latina e o Caribe têm apenas 520 pesquisadores por 1 milhão de habitantes, proporção bem inferior da verificada em países desenvolvidos — onde, em média, o número varia de 2 mil a 8 mil. Disparidades foram tema de palestra dada na quinta-feira (20) pela secretária-executiva da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe, Alicia Bárcena, durante evento de abertura do ano letivo da Universidade do Chile.

Durante décadas, a República Centro-Africana sofreu com a instabilidade e os conflitos. No entanto, na pequena cidade ocidental de Bouar, ex-combatentes estão entregando suas armas para trabalhar em projetos comunitários. Com o apoio da missão de paz da ONU no país, a MINUSCA, estes ex-combatentes estão agora centrados na paz e na estabilidade para promover o progresso em seu país. Confira nessa matéria em vídeo da ONU

VÍDEO: Restaurando a paz na República Centro-Africana

Durante décadas, a República Centro-Africana sofreu com a instabilidade e os conflitos. No entanto, na pequena cidade ocidental de Bouar, ex-combatentes estão entregando suas armas para trabalhar em projetos comunitários. Com o apoio da missão de paz da ONU no país, a MINUSCA, estes ex-combatentes estão agora centrados na paz e na estabilidade para promover o progresso em seu país. Confira nessa matéria em vídeo da ONU.

América Latina e Caribe devem retomar taxas mais expressivas de crescimento econômico em 2017. Foto: Banco Mundial

Brasil deve crescer 0,7% em 2017, revela Banco Mundial em nova previsão

O Banco Mundial anunciou nesta terça-feira (18), em Washington, que a economia da América Latina e do Caribe crescerá 1,5% em 2017 e 2,5% em 2018, após seis anos de desaceleração econômica regional, incluindo dois anos de recessão. Brasil e Argentina, que estão aos poucos saindo de um cenário de contração da economia, têm papel modesto nesse novo momento regional: devem crescer 0,7% e 3%, respectivamente. Em previsões anteriores publicadas em janeiro, o organismo financeiro calculava que o Brasil cresceria menos em 2017 (0,5%).

O cacique Ricardo Benete mostra o apiário da terra guarani. Foto: Banco Mundial/Mariana K. Ceratti

Com apoio do Banco Mundial, guaranis de SC voltam a cultivar os próprios alimentos

Houve um tempo em que os guaranis da terra Tekoa Marangatu, no sul do Brasil, caçavam e coletavam para se alimentar. Hoje, a dieta é completamente diferente. Saíram as frutas, verduras, legumes e carnes; entraram os enlatados, biscoitos e outros produtos industrializados. Para reverter esse cenário, o Banco Mundial apoia os indígenas a retomar o cultivo de produtos naturais, antes plantados e consumidos na própria aldeia.

Refugiadas receberam orientações sobre direitos, inserção no mercado de trabalho e aspectos da cultura brasileira. Foto: Rede Brasil do Pacto Global/Fellipe Abreu

Refugiadas vivendo no Brasil aprendem sobre cultura local e direitos das mulheres

Violência de gênero, participação no mercado de trabalho e particularidades da cultura brasileira foram alguns dos temas abordados por empresas do Pacto Global da ONU no segundo workshop do projeto Empoderando Refugiadas, iniciativa que reúne estrangeira vítimas de deslocamento forçado para ajudá-las a conseguir um emprego no Brasil. Encontro aconteceu na semana passada (10), no Instituto Carrefour, em São Paulo, e reuniu cerca de 30 pessoas, entre palestrantes e refugiadas.

Infraestrutura pode ser motor do crescimento econômico na América Latina e no Caribe. Foto: Banco Mundial

Banco Mundial discute papel da infraestrutura no crescimento econômico da América Latina e Caribe

Com os preços das matérias-primas em baixa no mercado internacional, investir em infraestrutura pode ajudar a América Latina e o Caribe a retomar taxas mais expressivas de crescimento econômico. A aposta é do Banco Mundial, que discute o tema em um evento na próxima quinta-feira (20). Encontro de especialistas acontece na sede do organismo, em Washington, mas poderá ser acompanhado pela internet de qualquer parte do mundo.

A OMC prevê crescimento de 2,4% para o comércio global em 2017, caso a economia mundial se recupere como esperado. Foto: UNCTAD.

Fechar fronteiras para o comércio global só pioraria desemprego, alerta OMC

Fechar as fronteiras dos países para o comércio global de mercadorias não traria benefícios para as economias mundiais nem reduziria o desemprego, alertou o diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), Roberto Azevêdo.

“Fechar as fronteiras para o comércio só pioraria a situação — não traria os empregos de volta, faria mais empregos desaparecerem”, declarou Azevêdo durante coletiva de imprensa em Genebra, na qual a organização divulgou previsões sobre o comércio global deste ano.

Da esquerda, o diretor-geral da OMC, Roberto Azevêdo; o presidente do Banco Mundial, Jim Yong Kim; a diretora-executiva do FMI, Christine Lagarde; e o CEO das Câmaras de Comércio da Alemanha, Martin Wansleben, no lançamento em Berlim do relatório ‘Tornando o comércio um motor de crescimento para todos’ Foto: OMC

ONU: políticas nacionais podem compensar impacto do desemprego causado pela concorrência no mercado

O comércio leva a ganhos de produtividade e benefícios significativos para os consumidores, especialmente os pobres, mas também pode ser responsável por deslocamentos de empregos que devem ser enfrentados através de políticas nacionais sólidas e capazes de ajudar a recuperação dos desempregados.

Foi o que afirmaram economistas da Organização Mundial do Comércio (OMC), do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial nessa semana (10) durante lançamento de relatório.

A febre aftosa é uma doença viral altamente contagiosa que afeta especialmente bovinos e suínos. Foto: EBC

Reunião em Pirenópolis (GO) discute erradicação da febre aftosa na América do Sul

Reunião realizada na semana passada (6 e 7 de abril) em Pirenópolis, Goiás, discutiu o progresso da América do Sul rumo à erradicação da febre aftosa, quatro anos depois de o último foco da doença ter sido reportado na região.

O encontro foi convocado pelo Centro Pan-Americano de Febre Aftosa (PANAFTOSA) da Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) com o apoio do governo brasileiro e do governo de Goiás.

Jim Estil (ao centro) decidiu trazer para Guelph, no Canadá, 58 famílias sírias. Foto: ACNUR/Annie Sab

Empresário investe US$ 1,5 milhão e reassenta mais de 200 refugiados sírios em cidade no Canadá

O empresário canadense Jim Estil conseguiu reassentar 58 famílias de refugiados sírios na cidade de Guelph, no Canadá. A decisão de ajudar vítimas da guerra foi tomada há cerca de um ano e meio, quando o homem de negócios avaliou que poderia trazer mais de 200 sírios para o município. A iniciativa, porém, teria um custo bem alto — 1,5 milhão de dólares. O valor não impediu Jim de ajudar os outros.

CEPAL prevê que economia latino-americana e caribenha deve se expandir 1,1% em 2017 depois de dois anos de contração. Foto: EBC

Cenário econômico é oportunidade de ampliar integração latino-americana, diz CEPAL

A secretária-executiva da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), Alicia Bárcena, afirmou que o atual cenário econômico apresenta a oportunidade de fortalecer a integração regional, e destacou que esta deve ser promovida para além do comércio.

“Propomos que seja fortalecida a integração para além da troca de mercadorias. Devemos avançar na facilitação do comércio, na participação em cadeias de valor, na integração da infraestrutura e da energia, assim como na área tecnológica e digital”, disse Bárcena.

Remessas de migrantes beneficiam 750 milhões de pessoas, segundo o FIDA. Foto: FIDA

Remessas de migrantes beneficiam 750 milhões de pessoas e somam quase meio trilhão de dólares

Números foram divulgados pelo Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA), que chamou atenção para o impacto positivo do dinheiro de migrantes na vida de seus familiares vivendo nos países de origem. Agência das Nações Unidas aponta que as remessas ajudam a estabilizar as comunidades de nações afetadas por conflitos ou desastres naturais. Organismo também desmistificou ideia de que envio de recursos provocaria escoamento de fundos do país de acolhimento para as terras natais.

Existem 100 milhões de pessoas sem acesso a sistemas adequados de saneamento na América Latina e 70 milhões não têm água encanada, segundo dados da ONU. No Brasil, menos da metade da população tem acesso a redes de esgoto. Foto: EBC

América Latina precisa melhorar eficiência de gastos em infraestrutura, diz Banco Mundial

A região da América Latina e Caribe poderia melhorar significativamente sua infraestrutura avaliando melhor as prioridades e melhorando a eficiência dos gastos, de acordo com novo relatório do Banco Mundial.

Melhorar o desempenho em um ambiente fiscal apertado exigirá prioridades bem definidas, de acordo com a instituição. O relatório aponta o saneamento básico e o transporte, áreas em que a América Latina e o Caribe estão atrasados em relação a outras regiões de renda média, como áreas potencialmente prioritárias.

Quase metade das mulheres (126 milhões ) latino-americanas e caribenhas em idade de trabalhar já fazem parte da força de trabalho, segundo diretor da OIT. Foto: Agência Brasil

Evento da OIT em Genebra reúne especialistas para discutir futuro do trabalho

A sede da Organização Internacional do Trabalho (OIT) em Genebra, na Suíça, recebe a partir desta quinta-feira (6) o Diálogo Global sobre o Futuro do Trabalho, que abordará questões sobre o desenvolvimento das nossas sociedades nos próximos anos. O evento reunirá economistas, acadêmicos e outros especialistas que discutirão os modelos de trabalho das próximas décadas. O fórum poderá ser acompanhado ao vivo pela Internet.

Segundo a OIT, o percentual de sindicalização do Brasil está acima de outros países da América Latina. Foto: EBC

Federação das Indústrias do DF adere ao movimento ElesPorElas

O Sistema Federação das Indústrias do Distrito Federal (Fibra) celebrou a adesão oficial ao movimento ElesPorElas HeForShe, em parceria com o governo de Brasília, com o compromisso de lançar iniciativas que reconheçam a conexão entre crescimento econômico e igualdade de gênero.

Criado pela ONU Mulheres, o movimento ElesPorElas (HeForShe) é um esforço global para envolver homens e meninos na remoção das barreiras sociais e culturais que impedem as mulheres de atingir seu potencial, e ajudar homens e mulheres a modelarem juntos uma nova sociedade.

Em todo o mundo, as mulheres fazem a grande maioria do trabalho não remunerado, incluindo assistência à infância, culinária, limpeza e agricultura. Este trabalho não remunerado é essencial para que as famílias e as economias funcionem, mas também é menos valorizado do que o trabalho remunerado. Inclui o cuidado familiar com crianças e idosos, por exemplo. A especialista da ONU Mulheres Shahra Razavi revela o valor real do trabalho não remunerado – e como podemos reduzir o fardo para as mulheres, enfrentando a discriminação das nossas sociedades.

VÍDEO: Qual é o real valor do trabalho não remunerado?

Em todo o mundo, as mulheres fazem a grande maioria do trabalho não remunerado, incluindo assistência à infância, culinária, limpeza e agricultura. Este trabalho não remunerado é essencial para que as famílias e as economias funcionem, mas também é menos valorizado do que o trabalho remunerado. Inclui o cuidado familiar com crianças e idosos, por exemplo.

A especialista da ONU Mulheres Shahra Razavi revela o valor real do trabalho não remunerado – e como podemos reduzir o fardo para as mulheres, enfrentando a discriminação das nossas sociedades. Confira nesse vídeo.

Avó alimenta neta de 2 anos no distrito de Dhading, no Nepal. Foto: Banco Mundial/Aisha Faquir

Cúpula da ONU discute envelhecimento populacional e desenvolvimento sustentável

O órgão consultivo das Nações Unidas para questões relacionadas à população e ao desenvolvimento iniciou na segunda-feira (3) sua cúpula anual, com foco na mudança das estruturas etárias da população e no desenvolvimento sustentável.

A ONU estima que, até 2050, a população com mais de 65 anos na Europa irá aumentar de 23% para 28%. Para o secretário-geral António Guterres, a migração internacional pode ajudar a enfrentar os desafios do envelhecimento populacional. Ele encorajou todos os governos a facilitar processos migratórios seguros, ordenados e regulares.

Para Banco Mundial, países latino-americanos e caribenhos precisam intensificar a integração regional para retomar o crescimento. Foto: APPA

Menos de 1% das empresas latino-americanas realizam exportações, diz CEPAL

Em seminário em Tegucigalpa, em Honduras, a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) defendeu na terça-feira (28) a participação mais igualitária de empresas de pequeno e médio porte da região no mercado de exportações. Segundo a agência da ONU, isso poderia fortalecer a presença de companhias latino-americanas no comércio internacional. Menos de 1% do setor privado regional realiza vendas ao exterior.

Refugiados participam de Feirão do Emprego em São Paulo. Foto: Governo de São Paulo (Arquivo)

Agência da ONU participa de seminário em SP sobre integração de refugiados nas grandes cidades

A integração dos refugiados em grandes cidades será tema de palestra magna da Expo Arquitetura Sustentável, que acontece em São Paulo na próxima terça-feira (4). A representante da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) no Brasil, Isabel Marquez, será uma das palestrantes.

“A população de refugiados de hoje é cada vez mais urbana. Esta tendência cria novos tipos de vulnerabilidade e novos desafios de proteção para a comunidade humanitária, além de criar oportunidades para ajudar refugiados a serem autossuficientes”, disse Isabel.

Visita teve como objetivo aprofundar o intercâmbio entre Brasil e Costa Rica de boas práticas de proteção dos direitos dos trabalhadores migrantes. Foto: EBC

Brasil e Costa Rica discutem proteção aos direitos de trabalhadores migrantes

Com o objetivo de aprofundar o intercâmbio entre Brasil e Costa Rica de boas práticas de proteção dos direitos dos trabalhadores migrantes, o governo costa-riquenho recebeu uma visita técnica brasileira no mês passado, organizada pelo escritório da Organização Internacional do Trabalho (OIT) no país.

A visita técnica foi realizada no marco do Projeto de Cooperação Sul-Sul para a Proteção dos Direitos dos Trabalhadores Migrantes na América Latina e no Caribe, implementado em 2015 pelo escritório da OIT no Brasil, em parceria com a Agência Brasileira de Cooperação (ABC) e Ministério do Trabalho.

Brasil afirmou ter tomado diversas medidas para garantir a segurança e a qualidade de suas carnes, afirmou a delegação brasileira aos membros da OMC. Foto: EBC

Brasil reafirma medidas de controle sanitário de carnes na OMC

O Brasil atualizou os países-membros da Organização Mundial do Comércio (OMC) sobre as medidas tomadas pelo país para garantir a segurança de suas carnes exportadas, durante reunião do Comitê sobre Medidas Sanitárias e Fitossanitárias realizada na semana passada (22 e 23 de março).

A delegação brasileira pediu que os países-membros levassem em conta as informações prestadas e “se abstivessem de adotar medidas que possam constituir restrições arbitrárias contrárias às regras da OMC”.

Chefe da CEPAL alertou que parcerias público-privadas não devem gerar passivos contingentes para as finanças públicas dos países latino-americanos e caribenhos. Foto: EBC

CEPAL pede transparência em parcerias público-privadas na região latino-americana e caribenha

As parcerias público-privadas nos países latino-americanos e caribenhos precisam ser instrumentos de desenvolvimento, e não de privilégios, atendendo a sistemas de governança e transparência. A declaração foi feita pela secretária-executiva da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), Alicia Bárcena, durante a 16ª Cúpula de Chefes de Estado e de Governo do Mecanismo de Diálogo de Tuxtla em San José, na Costa Rica.

“Não queremos que as parcerias público-privadas gerem passivos contingentes para as finanças públicas, mas que potencializem o investimento, contribuam para a diversificação produtiva”, disse Bárcena.

André Oliveira, presidente do Pacto Global da ONU no Brasil, destacou importância do combate à corrupção. Foto: Pacto Global/Fellipe Abreu

Pacto Global da ONU mapeia desafios do setor privado para enfrentar corrupção no Brasil

“O problema do Brasil não é a construção civil, não são os trens, não é a carne. O problema do Brasil é a corrupção”. Foi assim que o presidente do Pacto Global da ONU no Brasil, André Oliveira, descreveu a atual crise por que passa o país. Para combater crimes no âmbito corporativo, a rede de empresas reuniu 60 representantes do setor privado, governo e academia na semana passada (21), em São Paulo, para um workshop sobre como coibir ações corruptas.

Previsão da FAO é de que a produção de milho para 2017 na América Latina e no Caribe se manterá em níveis altos como resultado do aumento da produção em Argentina e Brasil. Foto: EBC

Brasil e Argentina impulsionam colheita de milho na América do Sul em 2017, diz FAO

A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) prevê colheitas de milho na América do Sul mais favoráveis em 2017 devido principalmente à expansão nos principais produtores, Argentina e Brasil.

O relatório “Perspectivas de colheitas e situação alimentar” (disponível em inglês) também destaca que, em 2016, a colheita recorde de milho no México e a recuperação da produção de cereais em outros países da América Central depois da seca do ano passado resultaram em uma colheita abundante de cereais na sub-região.