Arquivo da tag: Igualdade de gênero

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU número 5 diz: “Alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas”.

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU número 5 diz: “Alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas”.

 

Mais sobre este ODS em https://nacoesunidas.org/pos2015/ods5 e notícias sobre o tema abaixo. Dentro do Sistema ONU, quem lidera o tema é a ONU Mulheres. Acesse o site da agência no Brasil (www.onumulheres.org.br).

O que são os Princípios de Empoderamento das Mulheres?

VÍDEO: O que são os Princípios de Empoderamento das Mulheres?

Pense no impacto de uma assinatura. Pense na magnitude de um movimento global. Pense na diferença que você pode fazer e no poder da mudança transformadora. Assinando os Princípios de Empoderamento das Mulheres, você pode estimular seus acionistas a impulsionar a mudança no local de trabalho, no mercado e na comunidade, por meio de uma estrutura de trabalho de sete princípios.

Promovido pela ONU Mulheres e pelo Pacto Global da ONU, os Princípios de Empoderamento das Mulheres são um roteiro para a sustentabilidade, inovação e produtividade das empresas.

Não perca a oportunidade de causar um impacto duradouro nos seus funcionários, fornecedores, clientes e investidores. Una-se a empresas líderes que já estão na jornada para criar sustentabilidade e crescimento. Comprometa-se com os Princípios de Empoderamento das Mulheres e aproveite o momento para sua organização aderir.

Trabalhador de serviço de entrega de comida. Foto: Flickr/wan mohd (CC)

CEPAL: plataformas digitais e informalidade ameaçam condições de trabalho na América Latina

A expansão do trabalho por conta própria, o surgimento de novas formas de trabalho intermediadas por plataformas digitais e, em vários países, uma maior informalidade do emprego assalariado, são indicadores de novos retrocessos no cumprimento do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) número 8 da Agenda 2030. Esse ODS busca promover o crescimento econômico sustentado, inclusivo e sustentável, o emprego pleno e produtivo e o trabalho decente para todos.

Essa é a conclusão da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) e da Organização Internacional do Trabalho (OIT), em nova edição de sua publicação conjunta “Conjuntura Laboral na América Latina e no Caribe” (N⁰ 20, maio de 2019), publicada nesta quarta-feira (15).

Um centro de recepção e documentação inaugurado pelo governo federal com apoio do Sistema ONU Brasil na cidade de Pacaraima está há um mês identificando e emitindo documentos para pessoas vindas da Venezuela. Foto: ACNUR/Reynesson Damasceno

No Paraná, UNFPA debate integração de mulheres migrantes com servidores públicos

No Paraná, o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) participou de uma rede de capacitação que mobilizou 245 agentes públicos do estado e debateu os desafios de integração das mulheres refugiadas e migrantes no mercado de trabalho brasileiro.

A agência da ONU abordou temas como a violência de gênero contra essa população e o acesso a serviços de saúde sexual e reprodutiva. Outra pauta dos diálogos foi o apoio prestado pelo organismo aos venezuelanos que chegam ao Brasil por Roraima.

Ação do Botafogo homenageou as 11,6 milhões de brasileiras que criam seus filhos sozinhas. Foto: Botafogo/Vitor Silva

No Dia das Mães, ONU Mulheres e Botafogo homenageiam brasileiras que criam os filhos sozinhas

Em jogo contra o Fluminense no último sábado (11), no Rio de Janeiro (RJ), o Botafogo entrou em campo com um cartaz em que a estrela icônica do seu emblema havia desaparecido. O sumiço de um dos símbolos alvinegros foi intencional. O objetivo do clube carioca era homenagear outras “estrelas solitárias” — as 11,6 milhões de mães solteiras no Brasil que têm de criar seus filhos sozinhas.

Realizada na véspera do Dia das Mães, a ação de conscientização foi fruto de uma parceria com a ONU Mulheres.

Foto: UNAIDS

ONU alerta para vínculos entre violência de gênero e HIV no Oriente Médio

No Oriente Médio e norte da África, existem cerca de 220 mil pessoas soropositivas, segundo o Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS). De acordo com o organismo internacional, mulheres vítimas de abuso podem estar mais vulneráveis à infecção pelo vírus da AIDS. Para responder a esse cenário, um projeto criado em 2018 pela agência da ONU dá voz às mulheres que desejem falar sobre os vínculos entre violência de gênero e HIV.

Maria da Penha, símbolo da lei de prevenção e enfrentamento da violência doméstica e familiar, salientou: “as empresas, como parte da sociedade, têm responsabilidade nesse processo pelo fim da violência contra a mulher”. Foto: ONU Mulheres

Fórum em SP discute responsabilidade das empresas no combate à violência doméstica

O papel das empresas no combate à violência doméstica e suas responsabilidades pela promoção da igualdade de gênero foi tema do 1º Fórum Instituto Vasselo Goldoni, realizado em São Paulo, no fim de abril (25).

A iniciativa teve o apoio da ONU Mulheres por meio do programa “Ganha-Ganha: Igualdade de Gênero Significa Bons Negócios”, desenvolvido em parceria com a Organização Internacional do Trabalho (OIT) e a União Europeia.

“As empresas precisam ajudar a conscientizar e abrir canais para que suas funcionárias possam falar sobre o tema, para que tenham mais um canal ao qual recorrer”, disse Maria da Penha Maia Fernandes, símbolo da luta contra a violência doméstica no Brasil, e que também participou do fórum.

A jogadora brasileira Marta. Foto: ONU Mulheres/Ryan Brown

Secretário-geral da ONU nomeia jogadora Marta como defensora dos objetivos globais

O secretário-geral da ONU, António Guterres, anunciou na quinta-feira (9) a nomeação da jogadora de futebol Marta Vieira da Silva como uma das novas defensoras dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) para 2019-2020.

A jogadora brasileira está entre as 17 personalidades públicas encarregadas pelo secretário-geral das Nações Unidas de promover os ODS, aumentar a conscientização com novos públicos, manter o compromisso global e pedir maior ambição e ação em escala para alcançar os objetivos globais até 2030.

Secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, ao lado das chefes das comissões regionais das Nações Unidas: Rola Dashti (ESCWA), Alicia Bárcena (CEPAL), Armida Alisjahbana (ESCAP), Oľga Algayerová (UNECE) e Vera Songwe (UNECA). Foto: ONU/Eskinder Debebe

Pela primeira vez, mulheres ocupam chefia de todas as comissões regionais da ONU

As comissões regionais das Nações Unidas existem há mais de 70 anos. Mas, pela primeira vez, cada uma delas está sendo comandada por uma mulher nomeada pelo secretário-geral da ONU, António Guterres.

Esta conquista destaca que, desde o dia que assumiu, o chefe da ONU está determinado a alcançar a paridade de gênero até 2030, como parte da Agenda para o Desenvolvimento Sustentável.

A ONU News conversou com estas líderes sobre os passos que estão sendo dados para tornar realidade o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 5 (ODS 5), sobre empoderamento de mulheres.

Foto: Centro de Excelência contra a Fome do Programa Mundial de Alimentos da ONU

Programa da ONU e Brasil trocam conhecimentos sobre segurança sanitária dos alimentos

O Centro de Excelência contra a Fome – uma parceria entre o Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas (PMA) e o governo do Brasil – recebeu Nafissatou Diop, engenheira de alimentos que trabalha na Unidade de Segurança Sanitária de Alimentos do Programa Mundial de Alimentos em Roma, para uma missão de intercâmbio no Brasil.

Ela visitou instituições brasileiras para conhecer as práticas brasileiras de garantia da qualidade e da segurança sanitária dos alimentos, além de identificar sinergias entre o trabalho do Centro de Excelência e de sua unidade em Roma.

Em todo o mundo, de 3,8% a 8,8% das mulheres grávidas sofrem violência pelos chamados parceiros íntimos, segundo o UNFPA. Foto: EBC

OPAS, Ministério da Saúde e parceiros promovem treinamento para reduzir mortes maternas por hemorragia

O Ministério da Saúde do Brasil e a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), escritório regional da Organização Mundial da Saúde (OMS) para as Américas, iniciaram na quinta-feira (2), no município de São Paulo, a terceira edição do treinamento de instrutores da estratégia Zero Morte Materna por Hemorragia no Brasil.

O evento, que seguiu nesta sexta-feira (3) e capacitou nesta edição 36 profissionais de 22 estados brasileiros, contou com a parceria da Universidade Federal da Bahia (UFBA) e da Universidade Federal do Ceará (UFC).

Surto de zika é oportunidade de país discutir temas como autonomia sexual e reprodutiva das mulheres, segundo especialistas da ONU. Foto: OPAS

Exercício dos direitos reprodutivos de jovens é desafio da Agenda 2030, destaca UNFPA

Entre os desafios nacionais para alcançar as metas pactuadas na Agenda 2030 – um conjunto de 17 objetivos e 169 metas de desenvolvimento sustentável –, no que diz respeito ao exercício dos direitos sexuais e reprodutivos, está a elaboração de políticas voltadas para jovens e adolescentes.

Conforme dados apresentados na terça-feira (30) pela oficial em saúde sexual e reprodutiva do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), Anna Cunha, o Brasil ainda apresenta, por exemplo, alto índice de gravidez na adolescência: uma média de 18,1% de nascimentos oriundos de mães adolescentes, apesar de uma baixa taxa de fecundidade geral. Ao menos 24 mil bebês são de mães com idade entre 10 e 14 anos.

Comitiva brasileira foi formada por 20 pessoas de empresas e instituições. Foto: ONU Mulheres

Na ONU, empresas brasileiras discutem desafios e oportunidades para mulheres no mercado de trabalho

Grupo brasileiro foi formado por executivas e executivos diversas companhias e compartilhou experiência de empresas com políticas de igualdade de gênero durante os Fóruns dos Princípios de Empoderamento das Mulheres (WEPs) e WeEmpower/Ganha-Ganha, voltados a profissionais de negócios.

Encontros e debates foram promovidos pela ONU Mulheres e pelo Pacto Global das Nações Unidas na Comissão da ONU sobre a Situação das Mulheres (CSW), maior fórum intergovernamental sobre igualdade de gênero no mundo.

Adesão ao movimento ElesPorElas foi formalizada durante o 25º Congresso Nacional Escoteiro, realizado em Brasília. Foto: Escoteiros do Brasil

Escoteiros do Brasil aderem a movimento da ONU pela igualdade entre homens e mulheres

Os Escoteiros do Brasil aderiram neste mês (26) ao movimento ElesPorElas (HeForShe, em inglês), uma iniciativa global da ONU Mulheres em prol da igualdade de gênero. Atualmente, a associação nacional de escotismo reúne 75 mil jovens e tem o apoio voluntário de 25 mil adultos. Nos últimos dez anos, o número de integrantes cresceu em torno de 35%, chegando a 671 cidades de todas as 27 unidades federativas do Brasil.

Uma vítima de estupro no Sudão do Sul narra os ataques em um local não revelado perto da cidade de Bentiu. Foto: UNMISS/Isaac Billy (dezembro de 2018)

Direitos de mulheres precisam ser protegidos ‘antes, durante e após conflitos’

O Conselho de Segurança adotou na terça-feira (23) uma resolução apresentada pela Alemanha para reduzir violência sexual em conflitos e acabar com o uso de estupros como arma de guerra.

O encontro de alto nível marcou os 10 anos da adoção da resolução 1888, que criou o mandato da representante especial sobre violência sexual em conflito.

Segundo o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, ao longo desta última década houve uma “mudança de paradigmas” no entendimento do impacto devastador da violência sexual em conflitos, no âmbito da paz e da segurança internacionais.

O Kenneth é a primeira tempestade com intensidade de ciclone já registrada no nordeste do país. Imagem: OMM

ONU ajuda Moçambique a se preparar para chegada de novo ciclone

Agências da ONU anunciaram nesta quinta-feira (25) uma ampliação das medidas de emergência para apoiar Moçambique a enfrentar mais um ciclone, que já atingiu o nordeste do país. A tempestade tropical conhecida pelo nome Kenneth chegou pouco mais de um mês após a passagem do Idai pela nação africana.

“Estamos esperando que chuvas torrenciais provocarão enchentes súbitas e deslizamentos de terra, com impacto nas províncias do nordeste”, afirmou o porta-voz do Programa Mundial de Alimentos (PMA), Herve Verhoosel.

Durante a oficina, mulheres receberam camisinhas femininas doadas por empresa referência em saúde reprodutiva. Foto: UNFPA Brasil/Debora Rodrigues

Roraima: fundo de população da ONU discute prevenção da gravidez e de infecções sexuais com venezuelanas

Em Pacaraima (RR), o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) reuniu mulheres venezuelanas para oficinas e rodas de conversa sobre saúde sexual e reprodutiva. Encontros no último final de semana divulgaram informações sobre infecções sexualmente transmissíveis (ISTs), prevenção da gravidez e uso do preservativo feminino e masculino. A agência da ONU também distribuiu camisinhas para as refugiadas e migrantes.

Projeto leva capacitação em artesanato local e empoderamento feminino para indígenas do Mato Grosso do Sul. Foto: Acervo pessoal/Janir Gonçalves Leite

Projeto voluntário fortalece artesanato e cultura local entre indígenas do Mato Grosso do Sul

Um projeto de confecção de joias sustentáveis com mulheres indígenas do Mato Grosso do Sul não para de crescer. Idealizada pela servidora pública Janir Gonçalves Leite, a iniciativa foi uma das vencedoras do Prêmio Viva Voluntário 2018, promovido pelo governo federal em parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). O reconhecimento injetou 50 mil reais nas atividades, que puderam ser ampliadas em 2019.

Adolescentes participantes de projeto na Ilha de Cotijuba, em Belém (PA), recebem certificado do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA). Foto: UNFPA Brasil

Projeto em ilha no Pará apoia saúde sexual e reprodutiva de adolescentes ribeirinhas

Um projeto transformador na vida de 30 mulheres e adolescentes ribeirinhas foi concluído na terça-feira (16) na Ilha de Cotijuba, em Belém (PA), com uma cerimônia de encerramento e entrega de certificados.

A iniciativa “Rompendo Barreiras e Construindo Respeito” promoveu, ao longo de cinco meses, oficinas de capacitação, conhecimento e habilidades para a vida, abordando temas como gravidez na adolescência, prevenção de infecções sexualmente transmissíveis, uniões precoces e empoderamento feminino.

Alinhado com a campanha “Ela Decide”, o projeto foi realizado por meio de uma parceria entre Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), Embaixada do Canadá no Brasil, Coletivo Mangueiras e Instituto Papai.

De acordo com o censo demográfico mais recente, as mulheres rurais são responsáveis pela renda de 42,2% das famílias do campo no Brasil.. Foto: Banco Mundial/Andrea Borgarello

FAO lista sete maneiras de ampliar acesso de mulheres rurais à tecnologia

As Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) melhoram a vida dos pequenos agricultores de diversas maneiras, desde o monitoramento de safras até o acompanhamento dos preços de mercado e a disseminação de boas práticas para facilitar o acesso a serviços bancários.

No entanto, muito desse potencial permanece inexplorado, particularmente no caso das mulheres, que desempenham um papel fundamental na produção agrícola, mas também enfrentam desigualdades digital, rural e de gênero. Muitas vezes, elas tendem a ter menos acesso às TIC, o que as deixa em desvantagem.

Diante desse cenário, a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) listou sete maneiras de ampliar o acesso de mulheres rurais às Tecnologias de Informação e Comunicação.

Altos níveis de estigma e discriminação impulsionam novas infecções por HIV no Egito, que duplicaram entre 2010 e 2016. Mulheres e adolescentes geralmente são as mais vulneráveis. Foto: UNAIDS

UNAIDS apoia ações de saúde sexual e reprodutiva para mulheres no Egito

Quando a família e os vizinhos de Salma Karim descobriram que ela vivia com HIV, eles a expulsaram de casa. Sem ter para onde ir, ela foi forçada a deixar seus dois filhos pequenos para trás. Esta não é uma história incomum no Egito, onde uma em cada cinco pessoas vivendo com o vírus diz ter sido forçada a sair de casa por locatários, familiares ou vizinhos. O relato é do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS).

Diante desse cenário, o UNAIDS, em parceria com o Ministério da Saúde e População do Egito, uniu esforços para desenvolver uma resposta transformadora de igualdade de gênero à epidemia do HIV no país.

“Uma Vitória Leva à Outra” é um programa conjunto entre a ONU Mulheres e o Comitê Olímpico Internacional, em parceria com as ONGs Women Win e Empodera. Foto: ONU Mulheres

ONU Mulheres promove igualdade de gênero no Congresso Olímpico Brasileiro em SP

A ONU Mulheres estará presente na primeira edição do Congresso Olímpico Brasileiro, que acontece no no sábado (13), no WTC, em São Paulo, e é organizado pelo Instituto Olímpico Brasileiro, área de Educação do Comitê Olímpico do Brasil (COB).

Em seu estande, além de apresentar os resultados do bem-sucedido programa de esportes voltado para meninas adolescentes, Uma Vitória Leva à Outra, a ONU Mulheres promoverá diálogos e distribuirá materiais informativos para atletas, treinadores, dirigentes, gestores e demais participantes do congresso.

Criança caminha em meio a inundação no distrito de Kurigram, norte de Bangladesh, em agosto de 2016. Foto: UNICEF/Akash

Bangladesh: 19 milhões de crianças estão sob risco de desastres ligados à mudança climática

Mais de 19 milhões de crianças em Bangladesh sofrem com riscos de enchentes devastadoras, ciclones e outros desastres ambientais ligados à mudança climática, alertou o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) em novo relatório publicado na semana passada (4).

De acordo com o estudo, a topografia plana, a alta densidade populacional e as fracas infraestruturas tornam o país “excepcionalmente vulnerável às poderosas e imprevisíveis forças que a mudança climática está consolidando”.

Empoderamento feminino foi pauta de encontro de jovens do Complexo do Alemão promovido pela ONU Mulheres no Rio de Janeiro (RJ). Foto: UNIC Rio/Kathlen Barbosa

ONU Mulheres debate racismo e empoderamento de meninas e mulheres com jovens do Complexo do Alemão

No Rio de Janeiro (RJ), a ONU Mulheres reuniu em Bonsucesso, zona norte da cidade, cerca de 20 jovens moradores do Complexo do Alemão para discutir o impacto da discriminação e do racismo no seu dia a dia.

Encontro neste mês (6) fez parte da campanha Vidas Negras das Nações Unidas, que visa conscientizar a população e o governo brasileiros sobre a violência contra a juventude afrodescendente. Evento também debateu meios de superar o preconceito e vulnerabilidades por meio do esporte e da cultura.

Casamento precoce permanece um sério problema no Chade e na região do Sahel, na África. Foto: ONU/Eskinder Debebe

Quatro em cada dez mulheres têm medo de negar exigências sexuais de parceiros, diz estudo

Quatro em cada dez mulheres em 51 países sentem não ter escolha a não ser concordar com as exigências sexuais de seus parceiros, informou nesta quarta-feira (10) o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA). Segundo a agência de saúde sexual e reprodutiva da ONU, estas mulheres também não têm a tomada de decisões sobre questões de gravidez e acesso a serviços de saúde.

O relatório estimou que 214 milhões de mulheres no mundo não têm acesso fácil a métodos contraceptivos por conta de obstáculos culturais e econômicos – apesar de sua disponibilidade cada vez maior. Além disso, mais de 800 mulheres morrem diariamente de causas tratáveis durante a gravidez e o parto.

De acordo com a análise, a ausência de direitos reprodutivos e sexuais tem grandes repercussões negativas sobre a educação, a renda e a segurança das mulheres, fazendo com que elas fiquem “incapazes de moldar seus próprios futuros”.

À extrema esquerda, o representante do UNFPA no Brasil, Jaime Nadal, ao lado de parceiros do Exército brasileiro e missões diplomáticas. Foto: UNFPA/Samara Cordeiro

Fundo de População da ONU e parceiros visitam projetos humanitários para venezuelanos em Roraima

Uma comitiva de parceiros do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) e o representante da agência, Jaime Nadal, visitaram Boa Vista (RR) nesta semana para acompanhar atividades de assistência humanitária a refugiados e migrantes venezuelanos. O grupo teve a oportunidade de conhecer as ações coordenadas pela Universidade Federal do estado, a UFRR, um dos primeiros órgãos públicos da região a se envolver diretamente no auxílio aos estrangeiros.

Takasu participou no Rio de Janeiro (RJ) da Assembleia Geral do Comitê Permanente da América Latina para Prevenção do Crime (COPLAD). Foto: UNIC Rio/Pedro Andrade

Segurança deve ser garantida com respeito à vida e à dignidade, diz assessor especial da ONU

A violência e a criminalidade na América Latina devem ser combatidas não apenas com a aplicação da lei, mas com a garantia de mais qualidade de vida à população, incluindo o combate a violações de direitos humanos e às desigualdades. Além disso, as políticas de segurança pública devem ser baseadas em evidências científicas e elaboradas em consulta às comunidades locais.

A avaliação é do assessor especial da ONU para a segurança humana, Yukio Takasu, que esteve em evento no Rio de Janeiro (RJ) na segunda-feira (8).

Em entrevista ao Centro de Informação da ONU para o Brasil (UNIC Rio), Takasu explicou que as Nações Unidas têm adotado oficialmente desde 2012 o conceito de “segurança humana”, que para além das políticas de repressão ao crime, visa tratar a segurança como algo mais abrangente do ponto de vista do desenvolvimento sustentável.

Foto: Capa do relatório "Situação da População Mundial 2019"

Países devem redobrar esforços para garantir direitos sexuais e reprodutivos para todos, diz relatório

O movimento global de direitos reprodutivos, que começou na década de 1960, transformou a vida de centenas de milhões de mulheres, de modo que elas pudessem ter informações e meios necessários para decidir sobre seus corpos e seu futuro.

No entanto, apesar dos avanços desde a criação da agência da ONU especializada em saúde sexual e reprodutiva, há um longo caminho a percorrer até que todas as pessoas possam reivindicar seu direitos e a liberdade de decidir. A conclusão é do relatório “Situação da População Mundial 2019: Um Trabalho Inacabado”, publicado nesta quarta-feira (10) pelo Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA).

Mais de 200 milhões de meninas e mulheres não estão usando contraceptivos modernos, apesar de não quererem engravidar, reportou a 52º Comissão de População e Desenvolvimento. Na foto, um abrigo de emergência para adolescentes grávidas na Tailândia apoiado pelo UNFPA. Foto: UNFPA/Ruth Carr

Países aprovam declaração sobre direitos sexuais e reprodutivos de mulheres e meninas

Ministros e representantes de diversos países aprovaram na segunda-feira (1) na sede da ONU, em Nova Iorque, uma declaração política que reafirma o apoio ao Programa de Ação da Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento (CIPD), que estabeleceu que a saúde reprodutiva, os direitos individuais e o empoderamento das mulheres são cruciais para atingir o desenvolvimento sustentável.

O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) e o Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais das Nações Unidas, juntos, monitoram a dinâmica populacional e os progressos feitos de forma a atingir os objetivos do CIPD. Relatórios entregues à Comissão mostraram que progressos foram feitos para expandir o acesso à saúde reprodutiva, reduzindo a mortalidade materna, combatendo práticas nocivas e a violência contra a mulher.

Equipe do UNOPS e da RedePPP. Foto: UNOPS

UNOPS colabora com iniciativa intergovernamental em Parcerias Público-Privadas

O Escritório das Nações Unidas de Serviços para Projetos (UNOPS) e a Rede Intergovernamental para o Desenvolvimento das Parcerias Público-Privadas (RedePPP) renovaram em março um acordo para troca de informações sobre experiências na área de parcerias público-privadas (PPPs).

O acordo tem como objetivos a promoção dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), da sustentabilidade e da igualdade de gênero nas políticas públicas relativas às PPPs. Também impulsiona a cooperação para realização de eventos e intercâmbios de boas práticas e o trabalho conjunto para aprimorar o marco legal e as capacidades do setor público na área de PPPs.

Novo código penal de Brunei impõe pena de morte para atividade sexual entre pessoas do mesmo sexo, para adultério e por ter filho fora do casamento. Foto: UNAIDS

Agências da ONU pedem que Brunei revogue disposições penais discriminatórias

O Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) e o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) manifestaram nesta quinta-feira (4) preocupação com as novas disposições do código penal de Brunei, que entraram em vigor na véspera.

O novo código, que impõem a pena de morte para a atividade sexual entre pessoas do mesmo sexo, para adultério e por ter filho fora do casamento, violam várias normas internacionais de direitos humanos, incluindo o direito de viver livre da tortura, de penas ou tratamentos cruéis, desumanos ou degradantes. As disposições terão um significativo impacto negativo na saúde e bem-estar geral da população do país asiático, disseram as agências da ONU.

Idosa em Muse Township, no estado de Shan, norte de Mianmar. Foto: OCHA/Htet Htet Oo

Mulheres vivem mais do que homens na maior parte dos países, diz relatório da ONU

A expectativa média de vida global aumentou cinco anos e meio desde a virada do século, e as mulheres sobrevivem mais do que os homens “em todos os lugares”, informou a Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta quinta-feira (4). Diferentes atitudes de homens e mulheres em relação à saúde ajudam a explicar a discrepância na expectativa de vida entre os gêneros, sugeriu o relatório.

Em países com epidemia generalizada de HIV, por exemplo, os homens “são menos propensos a fazer o teste de HIV do que as mulheres, menos propensos a ter acesso à terapia antirretroviral e mais propensos a morrer de doenças relacionadas à AIDS do que as mulheres”, concluiu o estudo.

O mesmo princípio se aplica aos portadores de tuberculose, com pacientes do sexo masculino menos propensos a procurar atendimento do que as mulheres.

Em 2016, dados indicaram que a probabilidade de um homem de 30 anos morrer de uma doença não transmissível — como problemas cardíacos — antes dos 70 anos é 44% maior do que para uma mulher de mesma idade.