Igualdade de gênero

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU número 5 diz: “Alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas”.

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU número 5 diz: “Alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas”.

 

Mais sobre este ODS em https://nacoesunidas.org/pos2015/ods5 e notícias sobre o tema abaixo. Dentro do Sistema ONU, quem lidera o tema é a ONU Mulheres. Acesse o site da agência no Brasil (www.onumulheres.org.br).

Campanha 'Ela Decide Seu Presente e Seu Futuro' será lançada em São Paulo em evento gratuito. Imagem: UNFPA/Ela Decide

Fundo de População da ONU lança campanha por saúde sexual e reprodutiva no Brasil

A campanha ‘Ela Decide Seu Presente e Seu Futuro’ mobilizará ações de empoderamento para que brasileiras possam tomar decisões autônomas sobre sua sexualidade – sobre engravidar ou não, sobre quando e quantos filhos ter e sobre como vivenciar a maternidade.

Inspirada na ação global ‘She Decides’, a iniciativa será lançada em 26 de abril, em São Paulo, em evento gratuito e aberto ao público.

A campanha é a primeira realizada pela Aliança pela Saúde e pelos Direitos Sexuais e Reprodutivos no Brasil, formada pelo Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), a Embaixada dos Países Baixos, instituições privadas e filantrópicas.

A cabeleireira Claudia Fernandes (direita) lembrou a importância de haver informações e produtos de beleza para a população negra, principalmente para crianças e jovens. Foto: UNIC Rio/Ana Rosa Alves

Uso do cabelo afro é ato político, dizem blogueiras e especialistas em beleza

O Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio) conversou com blogueiras, empresárias e cabeleireiras sobre como a aceitação do cabelo afro pode influenciar na construção de autoestima e da identidade negra.

Em julho de 2017, uma pesquisa realizada pelo Google BrandLab mostrou que, pela primeira vez no Brasil, houve maior número de buscas no Google por cabelos cacheados em comparação a lisos. Os dados mostraram um crescimento de 232% na busca por cabelos cacheados entre 2016 e 2017 e um crescimento de 309% por cabelos afro.

Cantando canções em homenagem às mulheres, cerca de 150 representantes de todo o Sudão do Sul deram realizaram em março deste ano um diálogo nacional de três dias com funcionários da Missão das Nações Unidas no país, a UNMISS. Realizado na capital, Juba, visa ampliar as vozes das mulheres nos processos de paz. As mulheres sul-sudanesas – incluindo mulheres no governo, na sociedade civil, na política, nas forças armadas e entre as pessoas deslocadas internamente – estão expressando a necessidade urgente de paz e maior representação política para todos e todas.

No Sudão do Sul, mulheres participam de diálogo nacional para ampliar participação política

Cantando canções em homenagem às mulheres, cerca de 150 representantes de todo o Sudão do Sul deram realizaram em março deste ano um diálogo nacional de três dias com funcionários da Missão das Nações Unidas no país, a UNMISS.

Realizado na capital, Juba, visa ampliar as vozes das mulheres nos processos de paz.

As mulheres sul-sudanesas – incluindo mulheres no governo, na sociedade civil, na política, nas forças armadas e entre as pessoas deslocadas internamente – estão expressando a necessidade urgente de paz e maior representação política para todos e todas. Assista nesse vídeo.

Marielle Franco, vereadora do Rio de Janeiro e defensora dos direitos humanos. Foto: Mídia Ninja

ARTIGO: Marielle Franco — democracia, legado e violência contra as mulheres na política

Em artigo publicado na imprensa, a representante da ONU Mulheres no Brasil, Nadine Gasman, e Flávia Biroli, da Universidade de Brasília (UnB), lembram que a vereadora do Rio, Marielle Franco, era a “voz de quem não é ouvida nos espaços de poder”. Mulher, negra, lésbica e com origem na favela, denunciava as práticas de extermínio contra os jovens da periferia. Para Nadine e Flávia, seu assassinato estremece a democracia e mostra a necessidade de legislação específica contra a violência direcionada às mulheres na política.

Meninas em escola em Wixarica, Nuevo Colonia, México. Foto: UNICEF/Richter

América Latina e Caribe: uma década perdida para acabar com o casamento infantil

A América Latina e o Caribe é a única região do mundo onde a prevalência do casamento infantil e da união precoce não diminuiu na última década, disse nessa semana o UNICEF. Sem progresso acelerado, quase 20 milhões de meninas na América Latina e Caribe se casarão na infância até 2030.

Brasil lidera o número de casamentos infantis da América Latina e tem o 4º maior índice global em números absolutos. Cerca de 3 milhões de jovens de 20 a 24 anos tiveram o matrimônio formalizado antes da maioridade no país. O número representa 36% do total de mulheres casadas dessa faixa etária.

Foto: upslon/Flickr

UNAIDS detalha medidas para promover igualdade de gênero dentro da organização

Na África Subsaariana, três em cada quatro novas infecções por HIV entre jovens de 15 a 19 anos ocorrem entre meninas, enquanto, globalmente, o vírus é a principal causa de morte entre mulheres de 30 a 49 anos, segundo dados do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS).

“Sabemos que a igualdade de gênero e o empoderamento feminino são pontos essenciais para acabar com a epidemia de AIDS até 2030, como parte dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). O UNAIDS está comprometido com a integração da igualdade de gênero e dos direitos humanos em suas políticas programáticas e de gestão”, disse o programa da ONU em nota.

Resposta humanitária no Brasil se intensifica diante da crescente chegada de venezuelanos

Mais de 800 venezuelanos cruzam a fronteira brasileira todos os dias, de acordo com as estimativas mais recentes do governo federal. À medida que a complexa situação política e socioeconômica na Venezuela piora, os venezuelanos que chegam ao Brasil precisam urgentemente de comida, abrigo e assistência médica. Também são muitos que demandam proteção internacional.

A Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) está trabalhando com autoridades para identificar os venezuelanos dispostos a se mudar voluntariamente de Roraima para outras partes do Brasil. A interiorização fornecerá soluções de longo prazo às pessoas necessitadas e trará alívio a pressão sobre as comunidades e serviços locais no estado. Dois voos, operados pela Força Aérea Brasileira, partiram de Boa Vista esta semana. O primeiro transportou 104 venezuelanos para São Paulo (SP). O segundo deve ocorrer nesta sexta-feira (6) com destino a São Paulo e Cuiabá (MT).

A vereadora Marielle Franco, assassinada no Rio de Janeiro há cerca de 20 dias, foi homenageada por seu trabalho exponencial com as populações negras e periféricas. Foto: UNFPA/Thaís Rodrigues

Fundo da ONU discute questões populacionais e presta homenagem a Marielle em Brasília

Com o intuito de discutir os desafios da pauta populacional, o evento “I Diálogos Brasileiros em População e Desenvolvimento – Marielle Franco, presente” iniciou suas atividades na quarta-feira (4) em Brasília (DF). O debate foi aberto pela ex-presidente da Comissão Nacional de População e Desenvolvimento e conselheira do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) no Brasil, Elza Berquó, que falou sobre a atual conjuntura sociopolítica do país e a importância de abordar a situação dos refugiados em âmbito mundial.

O evento também prestou homenagem à vereadora Marielle Franco, assassinada mês passado no Rio de Janeiro. “Marielle foi um marco pela sua participação, renovação e nos lembra as bandeiras da ONU perante o combate ao racismo, ao machismo e a todas as opressões”, disse o representante do UNFPA Brasil, Jaime Nadal.

Crianças com autismo em escola na Espanha. Foto: Observatorio de la Infancia en Andalucía/Creative Commons

Chefe da ONU pede empoderamento de mulheres e meninas com autismo

No Dia Mundial de Sensibilização para o Autismo, lembrado em 2 de abril, o secretário-geral da ONU, António Guterres, se uniu ao chamado global para empoderar mulheres e meninas com autismo e envolvê-las na tomada de decisões frente aos desafios que enfrentam.

“Elas enfrentam (…) barreiras no acesso a educação e ao emprego, não têm seus direitos reprodutivos respeitados e a liberdade de fazer suas próprias escolhas, e não são envolvidas na tomada de decisões sobre questões relacionadas a elas”, disse o secretário-geral da ONU em mensagem para o dia.

Neste documentário, acompanhamos os bastidores das investigações sobre as violências sexuais cometidas durante os recentes conflitos na Síria e no Iraque. Mostramos a busca por justiça por três mulheres iazidis e uma ativista síria que foram sequestradas pelo ISIL, bem como os desafios enfrentados pelas e pelos investigadores internacionais para localizar as vítimas e coletar evidências.

Evidências de esperança: investigadores da ONU buscam justiça para vítimas de violência sexual

Neste documentário, acompanhamos os bastidores das investigações sobre as violências sexuais cometidas durante os recentes conflitos na Síria e no Iraque. Mostramos a busca por justiça por três mulheres iazidis e uma ativista síria que foram sequestradas pelo ISIL, bem como os desafios enfrentados pelas e pelos investigadores internacionais para localizar as vítimas e coletar evidências.

Relatório do Banco Mundial avaliou a inclusão das mulheres na economia de 189 países. Foto: PNUD

Governos de 65 países tomaram medidas para melhorar inclusão econômica das mulheres

Governos de 65 economias tomaram passos para melhorar a inclusão econômica das mulheres, promovendo 87 reformas legais nos últimos dois anos, de acordo com estudo do Banco Mundial divulgado no fim de março (29) que deu pontuações aos países com base em sete indicadores de igualdade de gênero.

O Brasil recebeu pontuação máxima nos quesitos acesso a instituições, uso de propriedade e incentivos para o trabalho. No entanto, teve pontuação menor no quesito acesso ao emprego, uma vez que o relatório considerou que o país não adota licença parental (licença tanto para pais como para mães) e não tem leis prevendo remuneração igual para homens e mulheres nas mesmas funções, entre outros fatores.

O Brasil tem boas práticas na área de conservação de solos, mas é preciso divulgá-las ainda mais entre os agricultores, segundo representante da FAO no país. Foto: EBC

FAO e Ministério do Meio Ambiente buscam combater desertificação em áreas degradadas

A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e o Ministério do Meio Ambiente lançaram em fevereiro iniciativa que visa a recuperação de terras degradadas, denominada projeto Redeser. As ações começarão no Maranhão, em quatro municípios com alto risco de desertificação — Barreirinhas, Tutoia Matões e Água Doce. Posteriormente, serão estendidas para os estados de Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Bahia e Alagoas.

Segundo o representante da FAO no Brasil, Ala Bojanic, o projeto integra o escopo da Convenção das Nações Unidas para o Combate à Desertificação e Mitigação dos Efeitos das Secas. “É essencial recuperar e manter a terra hoje, para garantir comida para o futuro”, declarou.

UNFPA já alertou para desigualdades de gênero e suas consequências para a saúde e independência econômica das mulheres. Foto: Andrew McConnell/IRC/Panos Pictures

Fundo da ONU participa de evento em Brasília sobre população e desenvolvimento

A Rede Brasileira de População e Desenvolvimento (REBRAPD) promove esta semana (4 a 6) em Brasília (DF) o evento “I Diálogos Brasileiros em População e Desenvolvimento – Marielle Franco, presente”.

Realizado com apoio do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), o encontro pretende discutir os desafios da pauta populacional, entre eles, a necessidade de uma agenda transversal e integral de direitos humanos nas políticas públicas para o enfrentamento das desigualdades estruturais do país.

Projeto do FIDA e do governo do Piauí visa fortalecer produção agrícola do Semiárido. Foto: FIDA/Larissa Machado

Projeto de fundo agrícola da ONU inspira Piauí a promover igualdade de gênero no campo

Para acabar com as desigualdades de gênero no meio rural, o governo do Piauí instituiu na semana passada (26) o Comitê de Políticas Públicas para as Mulheres Rurais. Organismo ficará responsável por assegurar direitos e acesso a terra, crédito e documentação para agricultoras.

No estado, o projeto Viva o Semiárido, fruto de parceria das autoridades com o Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola das Nações Unidas (FIDA), já implementava ações voltadas para a inclusão produtiva das mulheres no campo. A estratégia da iniciativa para abordar disparidades entre homens e mulheres foi elaborada com o apoio de consultores da ONU e inspirou a criação do novo comitê estadual.

Escolas queimadas pela Boko Haram em 2013 em Maiduguri, capital do estado de Borno, nordeste da Nigéria. A violência na região já custou mais de 20 mil vidas e milhares de meninas, meninos, mulheres e homens foram sequestrados por grupos armados. Foto: IRIN/Aminu Abubaka

ONU condena ataque a civis no nordeste da Nigéria; 34 pessoas foram mortas

Denunciando um ataque contra civis na região nordeste da Nigéria, um funcionário humanitário das Nações Unidas pediu a todas as partes envolvidas no conflito que cessem imediatamente as hostilidades e garantam a proteção dos civis.

Segundo os últimos relatos, pelo menos 34 pessoas foram mortas e mais de 90 ficaram feridas no ataque que ocorreu em 1º de abril próximo a Belle Village, na periferia de Maiduguri, capital do estado de Borno.

Foto: OIM

Parceria entre agências da ONU visa garantir saúde e bem-estar de mulheres e crianças

A Parceria H6 une esforços de seis organizações internacionais para ajudar os países a concretizar a estratégia “Cada Mulher, Cada Criança”, do secretário-geral das Nações Unidas. A iniciativa mobiliza compromisso político e recursos para transformar as sociedades de forma que mulheres, crianças e adolescentes possam exercer seus direitos de saúde e bem-estar.

A iniciativa é formada por Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS), Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), Organização Mundial da Saúde (OMS), ONU Mulheres e Banco Mundial.

Refugiada de Mianmar trabalha com costura em campo de Cox's Bazar, Bangladesh. Foto: ACNUR

Mulheres refugiadas de Mianmar tecem novas vidas em Bangladesh

Em uma sala lotada no campo de refugiados de Nayapara, em Bangladesh, há uma concentração intensa em meio ao zumbido de máquinas de costura.

Quarenta mulheres jovens trabalham duro, produzindo itens que fazem parte dos kits de higiene feminina distribuídos pela Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) duas vezes por ano para refugiadas em idade reprodutiva, incluindo roupas íntimas e absorventes reutilizáveis.

Mais de 688 mil refugiados foram forçados a fugir para Bangladesh desde que a violência eclodiu na região de Maungdaw, no norte do estado de Rakhine, em Mianmar, há seis meses. Há registros de que tropas e multidões atacaram e mataram moradores e atearam fogo em suas aldeias.

Os dez anos da Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas são o mote do documentário “Mulheres Indígenas: Vozes por Direitos e Justiça”. Foto: UNIC Rio/Natalia da Luz

ONU Brasil lança documentário ‘Mulheres Indígenas: Vozes por Direitos e Justiça’

Os dez anos da Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas são o mote do documentário “Mulheres Indígenas: Vozes por Direitos e Justiça”, lançado pela ONU Brasil nesta quinta-feira (29), em Brasília (DF). O vídeo recupera alguns momentos do diálogo entre as mulheres indígenas e as Nações Unidas em torno de sua articulação pelos direitos humanos e em defesa de seus povos e territórios, no Brasil e no exterior.

História de escrava inspirou centro de acolhimento para vítimas, que recebeu apoio de projeto do Banco Mundial. Foto: Banco Mundial

No Piauí, mulheres libertam-se da violência de gênero e recuperam a autoestima

Em 1770, a escrava Esperança Garcia fez história ao redigir uma petição ao presidente da Província de São José do Piauí, Gonçalo Lourenço Botelho de Castro. Em uma carta, denunciou os maus-tratos físicos dos quais ela e seu filho eram vítimas na Fazenda de Algodões.

Em homenagem à sua coragem, a Secretaria da Mulher da Prefeitura de Piauí deu seu nome ao primeiro Centro de Referência da Mulher em Situação de Violência. Com o apoio do projeto “Lagoas do Norte: Melhorando a Governança Municipal e a Qualidade de Vida em Teresina”, realizado em parceria com o Banco Mundial, o centro tornou-se referência ao oferecer em um mesmo local atendimento multidisciplinar para vítimas de violência doméstica.

Anália Tuxá, Lucely Morais e Maria do Socorro participam de reunião do projeto DGM, em Brasília. Foto: Banco Mundial/Juliana Braga

Lideranças femininas e saberes tradicionais dão força à preservação do Cerrado

Três mulheres líderes de povos indígenas e comunidades tradicionais estão unindo forças para manter viva a história de seus povos. Com o apoio do projeto Mecanismo de Doação Dedicado a Povos Indígenas e Comunidades Tradicionais (DGM), a cacique Anália Tuxá, a quebradeira de coco-babaçu Maria do Socorro Lima e a quilombola Lucely Pio têm mobilizado suas comunidades para, juntas, realizarem o sonho de terem suas terras protegidas e tradições preservadas.

O projeto é liderado pelo Programa de Investimento Florestal (FIP), do Fundo de Investimento do Clima (CIF) administrado pelo Banco Mundial e executado pelo Centro de Agricultura Alternativa do Norte de Minas.

Campanha da ONU Mulheres discute inclusão das mulheres negras em planos dos países para cumprir metas de desenvolvimento das Nações Unidas. Imagem: ONU Mulheres

Em dia contra discriminação, ONU defende inclusão de mulheres negras em metas de desenvolvimento

No mês do Dia Internacional para a Eliminação da Discriminação Racial, lembrado em 21 de março, a ONU promoveu nas redes sociais uma campanha pela inclusão das mulheres negras nos esforços de desenvolvimento dos países. Iniciativa pedia que cidadãs afrodescendentes sejam priorizadas em ações de combate à fome e às disparidades sociais, bem como em estratégias pela promoção da saúde, do trabalho decente e da igualdade de gênero.

Mulheres indígenas brasileiras têm sido decisivas para avanço dos espaços de discussão política sobre direitos humanos desses povos. Foto ONU Mulheres/Bruno Spada

Mulheres indígenas de Brasil e Canadá discutem direitos e participação política em Brasília

Os direitos humanos das mulheres indígenas é tema de atividades que reunirão ativistas, representantes das Nações Unidas e parceiros a partir desta terça-feira (27) em Brasília (DF). Um dos pontos altos da programação é a troca de experiências entre 24 indígenas brasileiras e duas canadenses, vinculadas à organização não governamental NWAC – Native Women’s Association of Canada, na quarta e quinta-feira (28 e 29).

O encontro é resultado de parceria entre ONU Brasil e governo do Canadá com o objetivo para ampliar a articulação política e a colaboração entre mulheres indígenas dos dois países.

Encerramento da 62ª Sessão da Comissão da ONU sobre o Status da Mulher. Foto: ONU Mulheres/Ryan Brown

Países e sociedade civil firmam plano na ONU para melhorar vida das mulheres rurais

O maior encontro anual da ONU sobre igualdade de gênero e direitos das mulheres foi encerrado na sexta-feira (23), em Nova Iorque, com a adoção de um plano para promover o empoderamento das mulheres e meninas que vivem no meio rural. Atualmente, 80% das pessoas em situação de pobreza extrema moram no campo. Muitas delas são mulheres, que têm menos acesso a terra, recursos agrícolas, tecnologia e proteção social.

Com apoio do Banco Mundial e do governo do Rio Grande do Norte, grupo de mulheres organiza o cultivo de algas e a fabricação de produtos derivados. Foto: Banco Mundial/João Vidal

Mulheres conquistam independência financeira com projeto de maricultura no RN

Na pequena cidade de Rio do Fogo, litoral do Rio Grande do Norte, um grupo de 16 mulheres está mudando a economia da cidade. Com o apoio do Projeto Rio Grande do Norte Sustentável, uma parceria entre o Banco Mundial e o governo do estado, elas formaram a Associação de Maricultoras do Rio do Fogo (AMAR) para organizar o cultivo de algas e a fabricação de produtos derivados. A iniciativa pretende ampliar sua participação no mercado e, consequentemente, sua independência financeira.

No Dia Laranja, ONU Brasil defende atenção especializada a mulheres indígenas

No Dia Laranja pelo fim da violência contra as mulheres, lembrado a cada dia 25, a ONU Brasil chama a atenção para a situação das mulheres indígenas, e pede que elas sejam atendidas por serviços especializados que levem em conta suas especificidades.

Entre as atividades para lembrar a data, destaca-se o lançamento do documentário “Mulheres Indígenas: Vozes por Direitos e Justiça”, produzido pelo Grupo Temático de Gênero, Raça e Etnia da ONU Brasil e pelo Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio), com apoio da embaixada do Canadá.