Arquivo da tag: Igualdade de gênero

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU número 5 diz: “Alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas”.

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU número 5 diz: “Alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas”.

 

Mais sobre este ODS em https://nacoesunidas.org/pos2015/ods5 e notícias sobre o tema abaixo. Dentro do Sistema ONU, quem lidera o tema é a ONU Mulheres. Acesse o site da agência no Brasil (www.onumulheres.org.br).

A diretora-executiva do UNFPA, Natália Kanem. Foto: UNFPA Bangladesh/Lauren Anders Brown

ARTIGO: juventude lidera o caminho para as soluções frente à COVID-19

Em artigo para o Dia Internacional da Juventude, a diretora-executiva do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), Natália Kanem, lembra que a juventude está agindo para resolver os problemas em suas comunidades relacionados à pandemia.

“Jovens estão na linha de frente na resposta à COVID-19, mobilizando-se em todo o mundo. Eles e elas são profissionais de saúde, ativistas, inovadores e trabalhadores sociais e comunitários.” Leia o artigo completo.

Jovens de todo o mundo estão sendo afetados pelos efeitos socioeconômicos da pandemia de COVID-19. Foto: Alexandra Koch/Pixabay

ONU elogia engajamento de jovens em meio à pandemia

Comemorando o Dia Internacional da Juventude, altos funcionários da ONU pediram que líderes de todo o mundo “façam todo o possível” para permitir que os jovens alcancem seu potencial máximo.

Contra o pano de fundo da pandemia de coronavírus, que afetou as vidas e aspirações dos jovens e aumentou suas vulnerabilidades, o secretário-geral da ONU, António Guterres, elogiou a resiliência, a desenvoltura e o envolvimento das gerações mais jovens.

“São os jovens que se levantaram para exigir ações climáticas. Eles estão se mobilizando por justiça racial e igualdade de gênero e são os defensores de um mundo mais sustentável”, disse ele em mensagem marcando a data.

Policial apoia mulher vítima de violência doméstica. Foto: Jackson Cardoso

Especialistas reúnem propostas para combater violência de gênero no Brasil durante a pandemia

Com o intuito de discutir propostas e promover o fortalecimento da sociedade civil na prevenção e resposta à violência baseada em gênero no Brasil, o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) promoveu na semana passada (6) a quarta reunião com organizações da sociedade civil da região Nordeste.

No encontro, as organizações discutiram a repercussão da Carta pela Vida das Mulheres, documento no qual pedem medidas de proteção às mulheres em risco de violência do Nordeste. A carta, que está recolhendo assinaturas de adesão na Internet, aponta para o risco de aumento da violência doméstica durante a quarentena.

Pandemia interrompe acesso a informações e serviços de saúde sexual e reprodutiva

Além das diversas consequências epidemiológicas, a pandemia da COVID-19 também vem interrompendo o acesso a informações e serviços de saúde sexual e reprodutiva. Para lidar com este cenário, especialistas recomendam a criação de estratégias que ajudem a população em situação de vulnerabilidade a acessar os serviços de saúde e contraceptivos.

As recomendações foram feitas por especialistas que participaram da 15ª edição da série de webinários “População e Desenvolvimento em Debate”, que aconteceu na semana passada (5) e foi organizado pelo Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) em parceria com a Associação Brasileira de Estudos Populacionais (ABEP).

O documento traz orientações e recomendações práticas para auxiliar e garantir o acesso das mulheres às medidas cabíveis nas situações de violência que estejam vivenciando. Foto: EBC

ONU Mulheres lança na sexta (7) diretrizes para atendimento em casos de violência de gênero

A ONU Mulheres lança na sexta-feira (7), a partir das 16h em seu canal do YouTube, um documento com diretrizes para atendimento em casos de violência de gênero contra meninas e mulheres em tempos de pandemia de COVID-19.

O documento terá recomendações para atendimento remoto e reorganização do atendimento presencial, considerando a rede de atendimento a mulheres em situação de violência e as especificidades de resposta no acolhimento às vítimas nos serviços policiais, de saúde, de abrigamento, entre outros.

UNFPA entrega 800 kits e cestas básicas para mulheres vítimas de violência em Salvador

O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), em parceria com a Prefeitura de Salvador, começou a entregar nesta terça-feira (4) 800 kits de higiene e cestas básicas a mulheres vítimas de violência doméstica e familiar que estão sob proteção e abrigamento na Bahia.

Os kits contêm artigos como sabonete, álcool em gel e máscaras de tecido confeccionadas por artesãs do coletivo de costureiras Rede de Economia do Sagrado Solidária. O objetivo é fortalecer a prevenção à COVID-19 entre essas pessoas e também a rede de proteção à violência baseada em gênero.

Máquinas de costura e materiais foram doados pelo UNFPA em Manaus (AM). Foto: UNFPA/Bruno Augusto Kelly

Com apoio do UNFPA, mulheres em custódia participam de oficina de costura em Manaus

Quatorze mulheres em custódia no Centro de Detenção Provisória de Manaus (AM) estão participando de oficina de costura em curso ministrado por meio de um projeto de ressocialização da Secretaria de Administração Penitenciária do Amazonas (Seap).

O objetivo é que aprendam a desenhar e confeccionar máscaras de tecido a serem utilizadas na prevenção ao novo coronavírus. O projeto é realizado com apoio do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA).

As 10 mil máscaras resultantes da oficina de costura serão utilizadas pelo próprio programa de assistência humanitária do UNFPA na região e também pelos funcionários e demais pessoas em custódia do sistema.

Criança no Complexo da Maré, no Rio de Janeiro (RJ). Foto: Agência Brasil/Fernando Frazão

Senso de urgência da Agenda 2030 é ainda maior com pandemia, diz ONU no Brasil

O senso de urgência para a execução da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável foi renovado diante dos efeitos da pandemia de COVID-19 no Brasil e no mundo, na avaliação do coordenador-residente da ONU no país, Niky Fabiancic.

“Temas que já estavam expressos na Agenda 2030 em 2015, como o acesso à água e a saneamento básico e a universalização dos serviços de saúde, se mostram imprescindíveis para a superação desta crise sem precedentes”, disse.

Refugiada eritreia sobrevivente de abuso sexual recebe apoio para recomeçar vida na Suécia

A refugiada eritreia Samrawit, de 20 anos, foi torturada, espancada e estuprada por quase dois anos na Líbia. Samrawit deixou a Eritreia após a partida de um parente próximo que, temendo por sua vida, fugiu do alistamento militar. Sem família no país, ela também decidiu fugir. Mas foi sequestrada e levada por traficantes de pessoas para uma cidade no Sudão, perto da fronteira com a Líbia.

Em outubro de 2019, Samrawit foi levada para Ruanda junto com outros 123 refugiados que estavam detidos na Líbia. Hoje, Samrawit está reassentada na Suécia e faz parte do programa de reassentamento do ACNUR para refugiados altamente vulneráveis. Leia a reportagem completa.

O treinamento ocorreu na Casa da Mulher Brasileira, em São Paulo (SP). Foto: OPAS

OPAS e Prefeitura de São Paulo treinam servidoras para atender mulheres vítimas de violência

A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) realizou, em conjunto com a Secretaria de Relações Internacionais e a Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania do município de São Paulo, um treinamento para cerca de 40 servidoras municipais que atendem mulheres vítimas de violência na capital paulista.

Dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública indicam que os casos de feminicídio tiveram um aumento de 22,2% em 12 estados brasileiros no período entre março/abril de 2019 e março/abril de 2020.

Na cidade de São Paulo, os casos de violência contra a mulher cresceram 30% entre os meses de fevereiro e março de 2020, segundo o Núcleo de Gênero e o Centro de Apoio Operacional Criminal do Ministério Público de São Paulo.

‘Temos que vencer a batalha contra o tráfico de pessoas’, afirma diretora UNFPA

No Dia Mundial contra o Tráfico de Pessoas (30), a diretora-executiva do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), Natalia Kanem, faz um apelo aos governos nacionais e locais, às forças policiais, aos sistemas de justiça criminal e às organizações de direitos humanos a redobrar esforços para identificar e denunciar esse crime, levar os autores à justiça e apoiar os e as sobreviventes.

“Todos os anos, dezenas de milhares de pessoas são traficadas dentro e fora das fronteiras nacionais. Mesmo nas melhores circunstâncias, mulheres e meninas em todo o mundo têm menos probabilidade do que homens e meninos de desfrutar de seu direito à saúde, autonomia, integridade corporal e se livrar da violência. O tráfico leva as desigualdades ao extremo”. Leia a declaração na íntegra.

Desaceleração econômica mundial, que se traduz em um aumento acentuado do desemprego, pode aumentar o tráfico transfronteiriço de pessoas provenientes de países que registram quedas duradouras das taxas de emprego. Foto: ONU

ONU lembra importância de profissionais que combatem tráfico de pessoas no mundo

O Dia Mundial contra o Tráfico de Pessoas deste ano homenageia os profissionais que ajudam a acabar com esse crime: policiais, assistentes sociais, profissionais de saúde, funcionários de ONGs e muitos outros que trabalham em todo o mundo para proteger os mais vulneráveis.

“Como os heróis da linha de frente que salvam vidas e sustentam nossas sociedades na pandemia de COVID-19, esses profissionais mantêm serviços vitais durante toda a crise – identificando vítimas, garantindo seu acesso a Justiça, saúde, assistência social e proteção e prevenindo novos abusos e exploração”, disse o secretário-geral da ONU, António Guterres, em comunicado para a data.

Durante o evento, a ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) disse que o empoderamento das mulheres rurais significa a promoção do crescimento e a produtividade da agricultura. Foto: MAPA

FAO e Ministério da Agricultura lançam campanha #MulheresRurais, mulheres com direitos 2020

Foi lançada na quarta-feira (29), durante evento no Palácio do Planalto, a quinta edição da campanha #MulheresRurais, mulheres com direitos, cujo objetivo é dar visibilidade às mulheres rurais, indígenas e afrodescendentes.

Entre as ações da campanha estão a identificação e difusão de experiências e conhecimentos sobre o poder transformador das mulheres rurais, indígenas e afrodescendentes, e a realização de concurso, seminários e oficinas que levem até elas o conhecimento de direitos e políticas públicas ao seu alcance.

Todas as pessoas devem ter acesso a espaços públicos verdes, diz publicação da ONU

O Escritório das Nações Unidas de Serviços para Projetos (UNOPS) e o Instituto Semeia participaram na semana passada de dois eventos online sobre a publicação “Parques para Todas e Todos”, abordando a importância de garantir o acesso de todas pessoas aos espaços públicos verdes.

Nos eventos, discutiu-se como as equipes de gestão pública podem trabalhar para incluir a perspectiva de gênero em sua atuação.

Fundo de População da ONU entrega 100 kits para mulheres em maternidade pública de Manaus

O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) entregou, na semana passada (24), 100 kits de higiene a mulheres que acabaram de dar à luz e a sobreviventes de violência sexual que estão internadas no Instituto da Mulher Dona Lindu, em Manaus (AM).

A maternidade pública é referência no acolhimento e atendimento humanizado às mulheres. Os kits, doados em parceria com a União Europeia, contêm artigos como sabonetes, álcool em gel e absorventes íntimos, e vão ajudar na prevenção da COVID-19.

Autocuidado de meninas e mulheres deve ser acompanhado de políticas de saúde

O autocuidado de meninas e mulheres durante a pandemia de COVID-19 deve ser acompanhado de políticas de saúde – como acesso a serviços de acolhimento amigáveis, distribuição de insumos como medicamentos e métodos contraceptivos, e informação de qualidade.

A conclusão é de especialistas que participaram do terceiro webinário direcionado a jovens e adolescentes, realizado pelo Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) na semana passada (16).

Investimento em políticas públicas para mulheres negras é fundamental para enfrentar a COVID-19

A ampliação do investimento em políticas públicas direcionadas às mulheres negras pode ajudar a enfrentar os impactos da pandemia, assim como o aumento de espaços que promovam as narrativas e vozes desta população.

Estas são algumas análises das especialistas que participaram da 13ª edição da série de webinários “População e Desenvolvimento em Debate” sobre os impactos da COVID-19 na vida das mulheres negras, ocorrido na semana passada (22).

O encontro foi organizado pelo Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), em parceria com a Associação Brasileira de Estudos Populacionais (ABEP), e marcou o Dia Internacional da Mulher Negra, Latino-Americana e Caribenha, celebrado em 25 de julho.

As mulheres negras no Brasil sofrem sucessivas discriminações, baseadas em racismo, sexismo e outras formas de opressão. Foto: EBC

Governos e setor privado latino-americanos precisam reforçar empoderamento econômico de mulheres negras

Na ocasião do Dia Internacional da Mulher Negra, Latino-Americana e Caribenha, celebrado em 25 de julho, a vice-presidenta da Costa Rica, Epsy Campbell, e duas especialistas negras em setor privado lembraram a importância da inclusão econômica de mulheres negras na região.

Por meio de vídeos, gravados para o programa regional Ganha-Ganha: Igualdade de Gênero Significa Bons Negócios, gerido por ONU Mulheres e Organização Internacional do Trabalho (OIT) e financiado por União Europeia em Argentina, Brasil, Chile, Costa Rica, Jamaica e Uruguai, elas chamam governos e setor privado a reforçar as iniciativas de empoderamento econômico das mulheres negras.

FAO lança programa que prevê 7 áreas prioritárias de resposta e recuperação à COVID-19

A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) divulgou seu novo programa de resposta e recuperação à COVID-19, destinado à prevenção de uma eventual emergência alimentar global durante e após a pandemia, e de uma intervenção de desenvolvimento a médio e longo prazo em relação à segurança alimentar e nutrição.

A agência da ONU solicita um investimento inicial de 1,2 bilhão de dólares para atender às necessidades do novo programa, que prevê sete áreas prioritárias. Saiba mais na reportagem.

A pandemia evidenciou o racismo, a violência e as desigualdades que afetam principalmente as mulheres negras no Brasil. Foto: EBC/Marcelo Camargo

Mulheres negras agem para enfrentar racismo e garantir direitos em meio à pandemia

A pandemia de COVID-19 tornou evidente o racismo, a violência e as desigualdades que afetam principalmente as mulheres negras no Brasil. Diante desse cenário, é preciso colocar os direitos humanos no centro das soluções.

A afirmação é da assistente social Lúcia Xavier, coordenadora da organização Criola e integrante do Comitê Mulheres Negras Rumo a um Planta 50-50 em 2030, da ONU Mulheres Brasil.

O Comitê Mulheres Negras Rumo a um Planeta 50-50 em 2030 é parceiro da ONU Mulheres no desenvolvimento de estratégia de comunicação e advocacy público para a priorização das mulheres negras na resposta do Brasil aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e à Década Internacional de Afrodescendentes.

UNICEF: 40 milhões de crianças estão sem acesso a cuidados na primeira infância no mundo

Pelo menos 40 milhões de crianças em todo o mundo estão sem acesso a cuidados essenciais na primeira infância, de acordo com documento publicado na quarta-feira (22) pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF). Isso inclui acesso presencial a creches, centros de assistência social e outros serviços, que estão fechados devido à COVID-19.

A análise mostra que o distanciamento social deixou muitos pais e mães com dificuldades para equilibrar os cuidados infantis e o emprego remunerado, com um ônus desproporcional para as mulheres que, em média, se ocupam três vezes mais com os cuidados e os trabalhos domésticos.

A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável foi estabelecida pelos países-membros da ONU no fim de 2015. Foto: ONU

ONU recebe até 3/8 inscrições para evento virtual sobre impulso aos objetivos globais

Ao longo de três dias, de 22 a 24 de setembro, durante a Semana de Alto Nível da Assembleia Geral da ONU, a Zona de Ação ODS totalmente virtual será o principal espaço colaborativo para envolver líderes emergentes e mundiais de todos os setores em discursos e debates para impulsionar a mudança exponencial necessária para as pessoas e o planeta.

Serão recebidas até 3 de agosto propostas para diálogos, workshops interativos, palestras, performances criativas, exposições virtuais e experiências imersivas e a serem consideradas para a lista de oradores. Saiba como se inscrever.

Pesquisador brasileiro participa de evento global sobre COVID-19 e população negra

Nesta quinta-feira (23), às 10h, o pesquisador brasileiro Alexandre da Silva participará do evento global virtual sobre os impactos e os desafios da pandemia da COVID-19 nas pessoas afrodescendentes. O encontro será liderado pela diretora-executiva do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), Dra. Natalia Kanem, e também contará com a participação de líderes dos Estados-membros, sociedade civil e outros especialistas.

A quarta edição da conversa global intitulada “Que segue? Acelerando nosso compromisso com mulheres e meninas” pretende fazer uma reflexão sobre o rompimento de um ciclo de desigualdades sistêmicas e a construção de sociedades igualitárias, livres de discriminação, marginalização e racismo.

O evento terá interpretação simultânea em português, espanhol, francês, além de língua internacional de sinais.

Moradores da favela da Babilônia, no Rio de Janeiro. Foto: ONU/Evan Schneider

ARTIGO: Lidando com a desigualdade pandêmica – um novo contrato social para uma nova era

Em artigo, o secretário-geral da ONU, António Guterres, afirma que a pandemia de COVID-19 é uma tragédia humana. Mas esta também criou uma oportunidade geracional para construir um mundo mais igual e sustentável, com base em duas ideias centrais: um Novo Contrato Social e um Novo Acordo Global.

“Precisamos de uma tributação justa sobre a renda e a riqueza, e uma nova geração de políticas de proteção social, com redes de segurança incluindo a cobertura universal de saúde e a possibilidade de uma renda básica universal estendida a todos”, disse Guterres.

“Para tornar possível o novo contrato social, precisamos de um novo acordo global para garantir que poder, riqueza e oportunidades sejam compartilhados de maneira mais ampla e justa no nível internacional.”

Angelina Jolie, enviada especial ao Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), em reunião do Conselho de Segurança sobre violência sexual em conflitos armados. Foto: ONU/Nabil Midani

Violência sexual em conflitos é usada como tática de guerra e arma psicológica, alerta ONU

A violência sexual é usada como uma tática de guerra e uma ferramenta política para desumanizar, desestabilizar e desalojar populações em todo o mundo, disse a especialista da ONU sobre o assunto ao Conselho de Segurança na sexta-feira (17), pressionando os países a adotarem uma abordagem centrada nos sobreviventes que garanta que as vítimas não sejam esquecidas.

Angelina Jolie, enviada especial ao Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), também participou da reunião do Conselho de Segurança sobre violência sexual em conflitos armados.

Pandemia está colocando luta pela igualdade de gênero em risco, diz relatório da ONU

A crise de desenvolvimento humano desencadeada pela pandemia está colocando em risco a luta pela igualdade de gênero. Os efeitos imediatos da COVID-19 já estão aparecendo em diferentes dimensões, da saúde e da educação ao ônus do trabalho não remunerado e à violência de gênero.

Embora a crise afete todas as pessoas, mulheres e meninas enfrentam riscos adicionais específicos devido a desigualdades, normas sociais e relações desiguais de poder profundamente arraigadas.

A conclusão é de documento elaborado pela equipe de gênero do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e pelo Escritório do Relatório de Desenvolvimento Humano.

Claudia Velasquez é a nova diretora de país e representante do escritório do UNAIDS no Brasil. Foto: UNAIDS

Redução das desigualdades é necessária para fim da epidemia de AIDS, diz nova diretora do UNAIDS Brasil

As respostas dos países à AIDS tiveram grande sucesso ao colocar as pessoas vivendo com HIV em tratamento e ao reduzir as mortes, mas o progresso na redução de novas infecções continua atrasado, principalmente entre jovens e populações-chave.

A avaliação é da bióloga norte-americana Claudia Velasquez, que assumiu esta semana (16) o posto de diretora de país e representante do escritório do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) no Brasil.

“Se não enfrentarmos as desigualdades, o estigma e a discriminação, estes fatores continuarão formando as barreiras que nos impedem de alcançar o fim da epidemia. A pandemia de COVID-19 deixou bem claro para todos nós como as desigualdades afetam o acesso aos cuidados de saúde.” Leia a entrevista completa.

Webnário lembra importância do acesso à informação para garantir saúde de adolescentes na pandemia

Realizado por meio de parceria com o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), a segunda edição do webinário “Tá no Rumo: Traçando Caminhos” discutiu na semana passada (9) com adolescentes e profissionais de saúde e educação o tema “Namoro na pandemia”.

Na ocasião, os participantes reforçaram a importância do acesso de adolescentes à informação sobre COVID-19 e saúde sexual e reprodutiva, assim como das medidas de distanciamento social e dos cuidados de prevenção.

Vice-secretária-geral da ONU, Amina J. Mohammed, discursa no Fórum Mundial de Dados em 22 de outubro de 2018, em Dubai. Foto: IISD/ENB/Kiara Worth

Pandemia revela poder de liderança das mulheres frente à crise, diz vice-secretária-geral da ONU

Embora a pandemia da COVID-19 tenha gerado uma crise mundial de saúde, humanitária e de desenvolvimento sem precedentes, também revelou o poder da liderança das mulheres, segundo a vice-secretária-geral da ONU.

“Nos últimos meses, pessoas de todo o mundo passaram a ver o que muitos de nós já sabíamos: a liderança das mulheres faz uma diferença profunda”, disse Amina Mohammed na terça-feira (14).

“As evidências mostraram – em muitos países – como os governos liderados por mulheres são mais eficazes no achatamento da curva e no posicionamento para a recuperação econômica.”

UNFPA debate práticas nocivas contra mulheres e meninas em podcast

No sexto episódio, o podcast “Fala, UNFPA” discute práticas nocivas contra mulheres e meninas, especialmente a violência e o casamento infantil. A representante do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), Astrid Bant, faz um resgate de como, historicamente, a sociedade foi construída a partir de normas que colocam as mulheres em desvantagem, e sobre como é urgente promover ações transformem essa realidade.

De acordo com o último relatório do UNFPA, 26% das meninas se casam antes dos 18 anos no país, uma a cada quatro, um índice acima da média mundial, que é de 20%. O episódio está disponível nas principais plataformas de streaming.

Não a violência (Ivan Ciro Palomino)

Organizações pedem proteção de mulheres sob risco de violência doméstica no Nordeste

Um grupo de organizações da sociedade civil apresentou a governos de estados do Nordeste documento no qual pedem medidas de proteção às mulheres em risco de violência durante a pandemia de COVID-19, informou o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) na segunda-feira (13).

A entrega da carta ocorreu durante reunião da Sala de Situação sobre Violência Baseada em Gênero, espaço de diálogo e articulação da sociedade civil do Nordeste apoiado pelo UNFPA. 

A Carta pelas Vidas das Mulheres pede que sejam feitas campanhas que identifiquem os canais de denúncia e informem as mulheres sobre como acessá-los, que as redes de proteção sejam aperfeiçoadas por meio do Sistema de Justiça e que os serviços sejam remotos sejam efetivos.

Profissionais de saúde em Madagascar testam cidadãos para a COVID-19. Foto: Banco Mundial/Henitsoa Rafalia

ONU destaca liderança de mulheres no enfrentamento à crise de COVID-19

O Women Rise for All foi lançado em 27 de abril em apoio ao pedido do secretário-geral da ONU por solidariedade e ação urgente em resposta aos impactos socioeconômicos da COVID-19.

Como um esforço global de defesa de direitos para salvar vidas e proteger os meios de subsistência, o Rise for All insta lideranças de todos os países, em todos os setores, a lidar com a crise humana da pandemia e a apoiar o Fundo de Resposta e Recuperação das Nações Unidas COVID-19.

O mecanismo foi projetado para ajudar os países e as pessoas mais expostas às dificuldades econômicas e às perturbações sociais causadas pela pandemia.

Pandemia gera novos desafios para resposta da Agenda 2030 e da Década Internacional de Afrodescendentes às mulheres negras e à eliminação das desigualdades de gênero e raça no Brasil. Foto: ONU Mulheres/Mayara Varalho

Mulheres negras inovam em estratégias de apoio comunitário na resposta à COVID-19

A pandemia tem levado organizações e coletivos liderados por mulheres negras, país afora, a inovar nas estratégias políticas de enfrentamento do racismo e de apoio comunitário à população negra na resposta à COVID-19.

A mobilização envolve redes de costura solidária, agricultura familiar, trabalhadoras domésticas, marisqueiras, catadoras e mães de jovens negros assassinados. Leia reportagem da ONU Mulheres.

Escassez, obra de Ivan Ciro Palomino

UNIC Rio lança exposição virtual sobre objetivos globais

O Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio), em colaboração com a UIA2021RIO EXPO, feira do Congresso Mundial de Arquitetos, inaugura no dia 20 de julho, às 16h, através do perfil do instagram @uia2021rioexpo, a versão virtual da exposição “Consciência”.

A mostra, com obras do artista plástico peruano Ivan Ciro Palomino, promove uma reflexão sobre os desafios globais da atualidade e fará parte de uma plataforma virtual desenvolvida pelo Congresso Mundial de Arquitetos, que seria realizado este ano, mas foi adiado em função da pandemia da COVID-19.

A exposição “Consciência” será uma das primeiras mostras do ambiente virtual Exposição 360⁰,  um espaço que receberá obras de artistas renomados em um ambiente gráfico onde os participantes poderão interagir como se estivessem em um jogo eletrônico. 

PNUD lança segunda fase da resposta integrada à COVID-19

A segunda fase da resposta integrada do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) à crise causada pela COVID-19 é projetada para ajudar os tomadores de decisão a olhar “Além da recuperação: Em direção a 2030”.

Ao abranger o papel de liderança técnica do PNUD dentro da resposta socioeconômica da ONU à pandemia, a nova etapa tem foco em quatro áreas principais: governança, proteção social, economia verde e disrupção digital.

A diretora-executiva do UNFPA, Natália Kanem. Foto: UNFPA

ARTIGO: Protegendo a saúde e os direitos de mulheres e meninas na pandemia

Em artigo, a diretora-executiva do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), Natália Kanem, lembrou que uma em cada três mulheres sofrerá violência física ou sexual durante sua vida.

“Agora, com países em quarentena e tensões domésticas aumentadas, a violência baseada em gênero está em crescimento, e os serviços de saúde sexual e reprodutiva estão sendo deixados de lado enquanto os sistemas de saúde lutam para lidar com a COVID-19.” Leia o artigo completo.

Sem ação urgente, mulheres e meninas estão em risco, alerta UNFPA. Arte: Fatma Mahmoud Salama Raslan

Fundo de População da ONU alerta para risco de retrocesso no combate à violência de gênero no mundo

Em um Dia Mundial de População marcado pela pandemia da COVID-19, o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) alerta para a necessidade de proteger mulheres e meninas, sobretudo em relação à violência baseada em gênero.

De acordo com a diretora-executiva do UNFPA, Natalia Kanem, o progresso global para colocar um fim às diversas agressões contra mulheres deve sofrer sérios retrocessos em meio à pandemia.

Além disso, o acesso à saúde sexual e reprodutiva, como pré-natal e contraceptivos, também está ameaçado. O Dia Mundial de População é lembrado no sábado (11).

Foto: EBC

América Latina e Caribe tornam-se epicentro da pandemia; ONU sugere ações

A América Latina e o Caribe tornaram-se o epicentro da pandemia de COVID-19, com vários países da região registrando agora as maiores taxas de infecção per capita e o maior número absoluto de casos no mundo. O alerta é do secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, que lançou nesta quinta-feira (9) um relatório sobre os impactos da COVID-19 na região.

Segundo o documento, espera-se uma contração de 9,1% no Produto Interno Bruto (PIB), que será a maior em um século. Os impactos sociais da pandemia serão sentidos de maneira aguda, com fortes aumentos do desemprego, da pobreza, da extrema pobreza e da desigualdade. Acesse aqui o relatório na íntegra e a mensagem em vídeo do secretário-geral.

UNAIDS lamenta a morte da ativista de direitos humanos alemã Renate Koch

O Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (UNAIDS) lamentou na quarta-feira (9) a morte de Renate Koch, uma pioneira no campo do ativismo em justiça social, feminismo e igualdade de direitos.

Nascida na Alemanha, ela fez da Venezuela a sua casa. Junto com seu companheiro, Edgar Carrasco, ela trabalhou para a organização não governamental Accion Ciudadana contra el SIDA (Ação Cidadã contra a AIDS). As campanhas e ações mobilizadas pela ONG resultaram em conquistas importantes, entre elas a de acesso gratuito ao tratamento antirretroviral em seu país de adoção.

Profissional de saúde coleta amostras para teste de COVID-19 no Hospital Estadual Mimar Sinan, em Istambul, Turquia. Foto: PNUD Turquia/Levent Kulu

Relatório da ONU sobre progresso dos ODS aponta que COVID-19 está comprometendo avanços sociais

De acordo com o Relatório 2020 dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, o mundo está progredindo – mesmo que de forma irregular e insuficiente – em áreas como melhora da saúde materna e infantil, expansão do acesso à eletricidade e aumento da representação das mulheres nos governos.

Mesmo assim, esses avanços foram contrabalanceados pelo aumento da insegurança alimentar, da deterioração do meio ambiente natural e das persistentes e generalizadas desigualdades. Leia o relato do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).