Arquivo da tag: Educação de qualidade

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU número 4 diz: “Assegurar a educação inclusiva e equitativa e de qualidade, e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todos”.

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU número 4 diz: “Assegurar a educação inclusiva e equitativa e de qualidade, e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todos”.

 

Mais sobre este ODS em https://nacoesunidas.org/pos2015/ods4 e notícias sobre o tema abaixo.

ONU destaca que um em cada cinco trabalhadores ainda vive em pobreza moderada ou extrema. Foto: Banco Mundial/Stephan Gladieu

ONU: um em cada cinco trabalhadores vive na pobreza

No Dia Mundial da Justiça Social (20), as Nações Unidas chamaram a atenção para a situação de pobreza moderada ou extrema que ainda atinge pelo menos 20% das trabalhadoras e trabalhadores em todo o mundo.

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) lembra que muitos trabalhadores recebem salários estagnados, a desigualdade de gênero prevalece e as pessoas não estão se beneficiando igualmente do crescimento econômico. Além disso, as disparidades geográficas impedem o acesso ao trabalho decente.

Jogadora Marta leva Objetivos de Desenvolvimento Sustentável ao Carnaval do Rio

A jogadora de futebol Marta Vieira da Silva será homenageada por uma escola de samba no Rio de Janeiro (RJ) por conta de sua jornada de empoderamento e superação das barreiras de gênero. Meninas do programa “Uma vitória leva à outra”, iniciativa de esportes e habilidades para a vida da ONU Mulheres e do Comitê Olímpico Internacional (COI), também participarão do desfile no sábado (22) de Carnaval no Sambódromo.

Sempre que consegue uma pausa durante o dia, a jovem de 16 anos lê e escreve contos. Foto: ACNUR/Hannah Maule-ffinch

Refugiada somali retoma estudos em escola criada pela ONU no Quênia

A jovem somali Mumina passa todo seu tempo livre viajando o mundo por meio da literatura. Sempre que consegue uma pausa durante o dia, a menina de 16 anos lê e escreve contos, os quais são compartilhados com amigos no campo de refugiados de Kakuma, no Quênia.

Ela acabou de concluir seu último ano em uma das instituições de ensino mais prestigiadas do Quênia e única destinada a crianças em idade escolar localizada em um campo de refugiados. A escola foi criada pela Agência da ONU para Refugiados (ACNUR).

A representante do UNFPA no Brasil, Astrid Bant, participou de atividade na Fiocruz, no Rio de Janeiro (RJ) para o Dia Internacional das Mulheres e Meninas na Ciência. Foto: Fiocruz

‘Arrisque-se, procure mentoras e faça plano de vida’, diz chefe do UNFPA a meninas no Rio

A representante do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) no Brasil, Astrid Bant, nasceu na Holanda e foi a primeira de sua família a cursar faculdade.

Com vasta experiência no Sistema ONU e em organizações internacionais de defesa dos direitos humanos, ela deu algumas dicas de vida e de carreira a meninas com idade entre 12 e 17 anos no Rio de Janeiro (RJ).

A conversa foi promovida na terça-feira (11) pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) por ocasião do Dia Internacional das Mulheres e Meninas na Ciência.

Este ano ocorre o aniversário de 25 anos da Conferência de Pequim sobre Mulheres, que marcou uma virada significativa na agenda global para a igualdade de gênero. Foto: Banco Mundial/Arne Hoel

Educação de meninas é indispensável para alcançar desenvolvimento sustentável, diz Guterres

A promoção da educação para meninas adolescentes é “base indispensável para atingirmos os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável”, afirmou o secretário-geral da ONU, António Guterres, na terça-feira (11).

A declaração foi feita durante evento de lançamento da iniciativa de educação “Drive for 5” na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque. O evento foi organizado pela missão da Irlanda na ONU.

A “Drive for 5” é um plano de ação global para todos os governos se comprometerem com cinco ações transformadoras: 12 anos de educação de qualidade gratuita; ambientes escolares de qualidade; treinamento de professores; viagens seguras entre residência e escola; e proteger a saúde das meninas no ambiente escolar.

O evento que marcou o Dia Internacional das Mulheres e Meninas na Ciência, promovido pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), foi realizado na capital federal e em outros estados do país. Foto: UNFPA

Oficial do UNFPA inspira meninas em Brasília (DF) a seguir sonhos profissionais

A uma plateia de quase 200 meninas entre 12 e 17 anos em Brasília (DF), a oficial do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) Rachel Quintiliano lembrou sua trajetória profissional e reforçou a importância de mulheres e meninas seguirem seus sonhos profissionais para mudar realidades.

O evento que marcou o Dia Internacional das Mulheres e Meninas na Ciência, promovido pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), foi realizado na capital federal e em outros estados do país.

A 2ª edição do Circuito Urbano terá como tema geral “Cidades Inovadoras e Inclusivas” e como pergunta inspiradora “Como a inovação pode aprimorar serviços e políticas urbanas de maneira inclusiva e sustentável?”. Foto: ONU-Habitat/Lucille Kanzawa

Para prevenir violência no Brasil, estudo recomenda investir em jovens e reduzir acesso a armas

Na última década, as taxas de assassinatos de jovens no Brasil cresceram 17%. Quase metade do total de homicídios do país em 2018 (56 mil) corresponde à morte de homens negros, com idade entre 15 e 29 anos. Os dados foram compilados no estudo “Prevenção da violência juvenil no Brasil: uma análise do que funciona”, produzido pelo Instituto Igarapé com apoio do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA).

Os autores do diagnóstico, Robert Muggah e Ana Paula Pellegrino, alertam que, para reduzir a violência, é necessário ampliar as oportunidades para pessoas jovens por meio de investimentos em educação e empregabilidade equitativos e capazes de desafiar estereótipos de identidade e raça. O foco deve ser dado às regiões menos assistidas pelas políticas públicas. Além disso, é recomendada a redução do acesso às armas de fogo.

Reunião entre representantes do UNFPA e do governo da Paraíba ocorreu na Casa da ONU, em Brasília (DF). Foto: UNFPA/Fabiane Guimarães

UNFPA discute com governo da Paraíba projeto para desenvolvimento da juventude

O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) retomou o diálogo com o governo da Paraíba para o desenvolvimento de um projeto conjunto direcionado a jovens e adolescentes, principalmente meninas, a partir de 10 anos.

As conversas, que se iniciaram em 2016 e foram retomadas agora, vão buscar um objetivo comum: empoderar a juventude com políticas públicas exclusivas para a faixa etária, prevendo um currículo que passe por educação, saúde e habilidades para a vida.

Vista aérea de Cristalina (GO). Foto: Prefeitura de Cristalina

OIT e MPT apresentam 1ª turma de projeto de aprendizagem inclusiva em Cristalina (GO)

A cidade de Cristalina (GO) conhecerá na quarta-feira (12) a primeira turma do Projeto-Piloto de Aprendizagem Profissional Inclusiva (API), composta por 20 jovens com idade entre 15 e 21 anos matriculados na rede municipal de ensino.

Promovido pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), pelo Ministério da Economia e pelo Ministério Público do Trabalho (MPT), o evento será realizado na Câmara Municipal de Cristalina, das 9h às 12h, com a presença de autoridades locais e federais, e de representantes de empresas parceiras do projeto e da sociedade civil.

Em dia internacional, Guterres defende igualdade de gênero na ciência e tecnologia

Menos de 30% dos pesquisadores científicos do mundo são mulheres: essa é apenas uma das estatísticas que mostram quantos desafios ainda restam para mulheres e meninas no campo científico no Dia Internacional das Mulheres e Meninas na Ciência, lembrado nesta terça-feira (11).

Pedindo o fim do desequilíbrio de gênero na ciência, o secretário-geral da ONU, António Guterres, disse em sua mensagem para o dia que “desmantelar estereótipos de gênero” é um passo essencial.

Ele destacou o fato de que “meninas e meninos têm um desempenho igualmente bom em ciências e matemática, mas apenas uma fração das estudantes do ensino superior optam por estudar ciências” e apelou a um desenvolvimento de carreira mais favorável para mulheres cientistas e pesquisadoras.

Alunas da Escola Primária de Vahdat tentam conter suas risadas para uma foto em grupo antes que seus professores cheguem à sala. Foto: ACNUR/Mohammad Hossein Dehghanian

Política inclusiva ajuda crianças refugiadas afegãs a continuar estudos no Irã

Graças ao governo do Irã e à Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), a afegã Parisa, de 16 anos, passou a ter uma educação adequada com a abertura da Escola Primária Vahdat. Seus colegas de escola incluem outras 140 crianças afegãs e 160 iranianos da comunidade local, todos estudando lado a lado.

Cerca de 480 mil crianças afegãs que vivem no Irã estão se beneficiando dessas políticas de educação inclusiva, das quais 130 mil são afegãs sem documentos, como Parisa. Somente em 2019, 60 mil novos estudantes afegãos encontraram um lugar em salas de aula no Irã.

Presidente da Elektro, Antônio Casanova, e representante do UNICEF no Brasil, Florence Bauer, assinam parceria para doação via conta de luz - Foto: Divulgação

Elektro firma parceria com o UNICEF para doação via conta de energia

A Elektro, distribuidora controlada pela Neoenergia, firmou parceria com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) para viabilizar doações por meio da conta de luz. Com isso, todas as distribuidoras da Neoenergia – que atua em São Paulo e Mato Grosso do Sul – se tornam parceiras do UNICEF, apoiando ações que ajudam a garantir os direitos de meninas e meninos. As contribuições serão destinadas às áreas de educação, saúde e proteção de crianças e adolescentes brasileiros.

Os interessados em doar por meio desse formato podem se inscrever pelo telefone 0800 605 2020 e solicitar o valor que desejam incluir todo mês na conta de luz. A quantia poderá ser alterada ou suspensa a qualquer momento pelo titular. Após a adesão, os clientes da Elektro receberão periodicamente informações sobre as iniciativas apoiadas e vidas que foram transformadas.

Ato realizado diante do Congresso Nacional, em Brasília, para lembrar a memória de vítimas da transfobia no Brasil. Foto: Flickr (CC)/Mídia Ninja

População trans ainda é mais vulnerável ao estigma e à discriminação no Brasil

A população de transexuais e travestis é a que mais sofre os impactos do estigma e da discriminação no Brasil. Segundo o Índice de Estigma em relação às pessoas vivendo com HIV/AIDS no país, realizado em sete capitais brasileiras, 90,3% da população de transexuais e travestis entrevistada já passou por pelo menos uma situação de estigma ou discriminação por conta da sua identidade de gênero.

A venezuelana Zaida Martins participou do projeto do ACNUR em parceria com a ONG Compassiva para a revalidação de diplomas como importante mecanismo de integração local. Foto: ACNUR/Felipe Irnaldo

Primeiro diploma revalidado para refugiada venezuelana é entregue no AM

Zaida Maria Fermin, de 49 anos, chegou ao Brasil em setembro de 2018 com poucos pertences, mas muito conhecimento. Bióloga de formação e doutora em Ciências da Educação, Zaida tornou-se a primeira refugiada venezuelana a ter o seu diploma revalidado no Brasil.

“Agora vou poder retribuir tudo o que o Brasil fez por mim, ensinando tudo o que aprendi”, disse. A revalidação aconteceu por meio de parceria da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) com a Associação Compassiva, implementada pela Universidade do Estado do Amazonas (UEA).

Vista aérea do centro de Maricá (RJ). Foto: Prefeitura de Maricá/Fernando Silva

Projeto facilita acesso de famílias pobres a programas sociais em Maricá (RJ)

Cerca de 200 profissionais das secretarias de Assistência Social, Saúde e Educação de Maricá (RJ) participaram em janeiro de treinamentos relativos a protocolos que serão adotados durante a implementação do projeto “Chegou a sua vez” no município.

A iniciativa, apoiada pelo Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos (ONU-HABITAT), visa identificar e encaminhar famílias em situação de vulnerabilidade e extrema pobreza a programas sociais e serviços públicos na cidade.

Opening of Consciência, art exhibition to promote the SDGs - September 2019 -Photo: Naiara Azevedo

Mais de 140 mil pessoas visitam exposição do UNIC Rio sobre desafios globais

Mais de 140 mil pessoas visitaram a exposição Consciência, organizada em parceria pelo Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio), Centro Cultural Correios e Instituto Claro na capital fluminense.

A mostra, inaugurada em setembro e encerrada este mês, apresentou ilustrações do artista peruano Ivan Ciro Palomino. As imagens despertam a curiosidade pelo uso provocativo de elementos do cotidiano (uma cadeira, uma mala, uma piscina, por exemplo) colocados em contextos de crises climática, migratória e humanitária.

Pobreza, discriminação por gênero, deficiência, origem étnica ou idioma de instrução, distância física das escolas e infraestrutura precária estão entre os obstáculos que continuam a impedir que as crianças mais pobres tenham acesso a uma educação de qualidade. Foto: UNICEF

UNICEF: 1 em cada 3 adolescentes de famílias pobres do mundo nunca frequentou a escola

Uma em cada três adolescentes das famílias mais pobres do mundo nunca frequentou a escola, de acordo com um novo relatório do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) lançado na segunda-feira (22), enquanto ministros da Educação se reúnem no Fórum Mundial da Educação e líderes globais na Reunião Anual do Fórum Econômico Mundial.

Pobreza, discriminação por gênero, deficiência, origem étnica ou idioma de instrução, distância física das escolas e infraestrutura precária estão entre os obstáculos que continuam a impedir que as crianças mais pobres tenham acesso a uma educação de qualidade.

Embora o Brasil tenha avançado no acesso à escola, o problema ainda não está resolvido. Foto: UNICEF/Raoni Libório

UNICEF: 2 milhões de crianças brasileiras correm o risco de não voltar às aulas

Início de ano é hora de volta às aulas. Mas essa não é uma realidade para quase 2 milhões de crianças e adolescentes brasileiros. São meninas e meninos que deixaram as salas de aula, ou que nunca sequer chegaram a frequentá-las.

Neste começo do ano, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) faz um apelo para que todos os municípios realizem a Busca Ativa Escolar: ou seja, unam as equipes da administração pública e da sociedade civil para ir de casa em casa encontrar e levar para a escola todos os estudantes que estão fora dela.

Criança corre em meio a escombros no centro de Benghazi, na Líbia. Foto: UNICEF/Giovanni Diffidenti

Situação de milhares de crianças na Líbia é insustentável, alerta UNICEF

O mundo não deve aceitar a situação “terrível e insustentável” enfrentada pelas crianças na Líbia, disse a chefe do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) nesta sexta-feira (17).

“As crianças na Líbia, incluindo crianças refugiadas e migrantes, continuam sofrendo gravemente em meio à violência e ao caos desencadeado pela guerra civil de longa data do país”, disse a diretora-executiva Henrietta Fore, em comunicado.

O UNICEF e seus parceiros no terreno estão apoiando crianças e famílias, fornecendo acesso a cuidados de saúde e nutrição, proteção, educação, água e saneamento.

Crianças fabricam instrumentos musicais com materiais recicláveis no Egito

O músico egípcio Shady Rabab, de 26 anos, criou um projeto na cidade de Luxor que ajuda crianças em situação de rua a fabricar instrumentos musicais a partir de materiais recicláveis. Vencedor do prêmio Jovem Campeão da Terra para a África em 2018, Rabab lançou a iniciativa Garbage Music, que usa arte e expressão criativa para combater a poluição plástica.

O Prêmio Jovens Campeões da Terra é a principal iniciativa do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) para engajar os jovens nos desafios ambientais mais prementes do mundo.

Iniciativa global financia projetos de impacto social criados por adolescentes e jovens

O Chama Na Solução é uma iniciativa global criada pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e implementado no Brasil com apoio do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) para fomentar projetos de impacto social criados por adolescentes e jovens.

Nesta edição, podem se inscrever equipes interessadas em trabalhar com os seguintes temas: educação, empregabilidade e engajamento cidadão. As inscrições vão até 19 de janeiro.

Desafio Campus 2030

Desafio Campus 2030 para estudantes e professores universitários recebe inscrições até 16 de fevereiro

Estudantes e professores universitários de todo o mundo têm até o dia 16 de fevereiro para se inscrever no Desafio Campus 2030, uma competição internacional que tem por objetivo promover os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030. As propostas devem ter soluções para campi mais sustentáveis.

Os times devem reunir de 2 a 5 pessoas e é possível se unir a uma equipe já existente – atualmente, 121 times procuram participantes. As propostas devem ser uma apresentação em inglês ou francês com cinco slides no formato PPT ou PDF.

Os vencedores receberão como prêmio uma Expedição de Aprendizado de uma semana no exterior, válido para duas pessoas do time e incluindo passagens aéreas, acomodação, treinamento e encontros profissionais.

Refugiados assistem à aula de português. Foto: ACNUR/Luiz Fernando Godinho

UniSantos abre processo seletivo para bolsas de estudos destinadas a refugiados

A Universidade Católica de Santos (UniSantos) recebe até 22 de janeiro inscrições para o concurso de bolsas de estudos para refugiados e solicitantes de refúgio.

Desde 2003, a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) implementa a Cátedra Sérgio Vieira de Mello (CSVM) em cooperação com centros universitários nacionais e com o CONARE. A UniSantos é uma das 19 universidades brasileiras conveniadas que compõem o quadro da CSVM.

A formação será oferecida para 10 equipes entre os dias 12 a 14 de fevereiro de 2020. Foto: PNUD

Agências da ONU apoiam projetos de impacto social criados por adolescentes no Brasil

Você e seus amigos e amigas têm vontade de resolver algum problema relacionado à educação, à empregabilidade ou ao engajamento cidadão, mas sentem que precisam de um empurrãozinho para impulsionar suas ideias?

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) recebem até 19 de janeiro inscrições para a iniciativa “Chama na Solução”, que apoia o desenvolvimento de projetos de impacto social criados por adolescentes.

O prefeito de Sobral (CE) Ivo Ferreira Gomes e um estudante da rede municipal de ensino. Foto: Banco Mundial

Sobral (CE) ocupa primeiro lugar no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica

A cada duas crianças de 10 anos vivendo em países em desenvolvimento, uma não entende o que lê. Esse problema, definido como pobreza na aprendizagem, é uma realidade tanto na América Latina e Caribe (onde o percentual de crianças impactadas é de 51%) quanto global (53%).

Tal cenário dá origem à crise do aprendizado: embora se reconheça que há maior cobertura educacional, a qualidade do ensino não é suficiente. Diante disso, projetos educacionais como o de Sobral (CE) mostram que, quando se quer melhorar, se pode. Leia a reportagem do Banco Mundial.

O queniano Chris Mburu na posse do Prêmio Eleanor Roosevelt de Direitos Humanos para 2019. Foto: ACNUDH.

Ativista queniano é vencedor do Prêmio Eleanor Roosevelt de Direitos Humanos de 2019

O queniano Chris Mburu foi anunciado como vencedor do Prêmio Eleanor Roosevelt de Direitos Humanos para 2019, homenagem concedida anualmente pelo Capítulo de San Diego da Associação das Nações Unidas dos EUA (UNASD).

O prêmio é dedicado a “indivíduos que acreditam nos objetivos das Nações Unidas e efetuam mudanças positivas e duradouras em seu trabalho”. A cerimônia aconteceu no dia 24 de outubro, celebrado globalmente como o Dia da ONU, nos Estados Unidos.

Chris Mburu, que enfrentou desafios para concluir seus estudos no Quênia, é uma voz ativa pelos direitos de todas e todos acessarem a escola. Sua história é relatada no documentário A Small Act (“Um pequeno ato”, na tradução livre), lançado em 2010. Desde 2011, Mburu é assessor sênior de direitos humanos em Ruanda.

UNICEF firma parceria com aplicativo TikTok para campanha global de fim de ano

O TikTok, aplicativo líder de vídeos curtos para dispositivos móveis, firmou parceria com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) em uma campanha global para comemorar momentos especiais durante a temporada de festas de final de ano. A plataforma convida os usuários a mostrar seu apoio ao UNICEF com a criação de vídeos usando a #geraçãotiktok, de 23 de dezembro de 2019 a 2 de janeiro de 2020.

Refugiados rohingya em campo de Cox's Bazaar, Bangladesh, durante visita do secretário-geral da ONU em julho de 2018. Foto: ONU

Países e bancos de desenvolvimento prometem mais de US$10 bi para apoio a refugiados

O primeiro Fórum Global sobre Refugiados, que teve fim na última quarta-feira (18), em Genebra, resultou em mais de 770 promessas de apoio, que cobrem áreas como proteção, empregabilidade e educação para refugiados e para as comunidades que os acolhem.

De acordo com a Agência das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), bancos em desenvolvimento, assim como Estados e outras partes interessadas, assumiram compromissos financeiros que totalizaram mais de 10 bilhões de dólares.

A ideia por trás do projeto Escolas Ativas é fazer com que as escolas sejam espaços em que o movimento e as atividades físicas sejam valorizados. Foto: PNUD

Projeto busca valorizar atividades físicas em escolas municipais de Maceió

A Secretaria Municipal de Educação de Maceió (SEMED) e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) apresentaram os resultados do projeto Escolas Ativas, implementado desde agosto de 2018 em dez escolas públicas da cidade.

A ideia por trás da iniciativa é fazer com que as escolas sejam espaços em que o movimento, as atividades físicas cotidianas e as práticas corporais sejam valorizadas e incorporadas nas ações pedagógicas, para além da prática esportiva pontual na aula de Educação Física.

UNICEF trabalha com parceiros de todo o Caribe para proteger e apoiar as crianças atingidas pelas mudanças climáticas. Foto: UNICEF | UN0120828.

Relatório do UNICEF alerta para aumento de crianças deslocadas no Caribe devido à crise climática

Lançado em dezembro pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), o relatório ‘Crianças desenraizadas no Caribe’ analisa o impacto da crise climática para as crianças que vivem nos Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento do Caribe.

Documento aponta que cerca de 761 mil crianças foram deslocadas internamente por tempestades na região entre 2014 e 2018 – o período de cinco anos mais quente já registrado. Segundo a diretora executiva do UNICEF, Henrietta Fore, “Este relatório é um lembrete severo de que a crise climática é uma crise dos direitos da criança”.

O UNICEF alerta que, se nada for feito, picos de deslocamento forçado no Caribe podem se tornar nova norma, uma vez que mais furacões de categoria 4 e 5 estão previstos para atingir as ilhas da região. Relatório pede aos governos que tomem medidas para a proteção das crianças desenraizadas por desastres relacionados às mudanças climáticas.

Representante do UNFPA no Brasil, Astrid Bant, reforçou a importância deste tipo de educação como forma de empoderamento e alcance de direitos para a juventude. Foto: UNFPA Brasil/Fabiane Guimarães

Educação não formal pode ser ferramenta para ampliar competências da juventude

A educação que fornece habilidades e conhecimento para uma vida inteira, mas não necessariamente passa pelos currículos e sistemas tradicionais de ensino, é tema de evento que ocorre até esta quarta-feira (11), no Rio de Janeiro (RJ).

O Fórum Mundial de Educação Não Formal é organizado pelo Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), em parceria com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e a Organização Mundial do Movimento Escoteiro.

Through the Lens of the Favela: Human Rights and Sustainable Development

Matheus Affonso is a 20-year-old photographer and graphic designer who lives in Nova Holanda neighborhood, a part of the Maré favela (slum) complex, in the north of Rio de Janeiro, Brazil. His work focuses on the LGBT community which continues to struggle for recognition.

Jacqueline Fernandes is a 33-year-old journalist who maintains a community website in the Riachuelo neighborhood, which is also located on the outskirts of the city. Both are young photographers that portray, with a new view, the daily life of these carioca communities despite the inherent socioeconomic inequalities within.

Direitos humanos: jovens fotógrafos retratam uma outra favela

Matheus Affonso é um fotógrafo e designer gráfico de 20 anos que mora no bairro de Nova Holanda, parte do complexo de favelas da Maré, zona norte do Rio de Janeiro. Ele retrata a comunidade LGBT do entorno onde vive. Jacqueline Fernandes é uma jornalista de 33 anos que vive no bairro Riachuelo, também localizado em uma região periférica da cidade. Ela mantém um portal de comunicação comunitária. Os dois são jovens fotógrafos que registram, com um novo olhar, o dia a dia das comunidades cariocas.

Ambos participaram em novembro das oficinas de fotografia do projeto Imagens do Povo, uma iniciativa da organização não governamental Observatório de Favelas que visa criar novas representações de territórios periféricos e desconstruir estigmas.

O resultado desse trabalho fez parte de uma exposição no Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro (RJ), realizada por Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) e Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio) para celebrar o Dia dos Direitos Humanos.

Garota venezuelana em centro apoiado pelo UNICEF na periferia de Caracas. Foto: Eduardo Párraga/UNICEF

UNICEF precisa de US$64,5 milhões para apoiar crianças venezuelanas em sete países

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) precisa de 64,5 milhões de dólares par apoiar seu trabalho em prol de crianças venezuelanas em sete países: Brasil, Colômbia, Equador, Peru, Guiana, Trinidad e Tobago e Panamá. É o que aponta o relatório global Ação Humanitária para Crianças, lançado em 4 de dezembro.

Para apoiar o governo brasileiro na resposta à crise migratória, desde maio de 2018 o UNICEF no Brasil abriu um escritório em Boa Vista e já expandiu suas ações para os migrantes venezuelanos também no Amazonas e Pará.

A atuação do Fundo acontece em cinco áreas prioritárias: atenção primária à saúde; nutrição; água, saneamento e higiene; educação formal e não formal; e proteção da criança.

Contraste entre as desigualdades no município do Rio de Janeiro. Foto: Luiz Gonçalves Martins - ODS 10

Relatório de desenvolvimento humano do PNUD destaca altos índices de desigualdade no Brasil

O Brasil caiu uma posição na lista de países classificados no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), divulgada nesta segunda-feira (9) pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). O país passou da 78ª para a 79ª posição no ranking de 189 países na comparação com 2017. Na América do Sul, o Brasil é o quarto país com maior IDH, ficando atrás de Chile, Argentina e Uruguai.

O relatório lembrou que pesquisas domiciliares no Brasil mostraram que os 10% mais ricos receberam mais de 40% da renda total do país em 2015. Quando consideradas todas as formas de renda, não apenas as reportadas nas pesquisas domiciliares, as estimativas sugerem que os 10% mais ricos de fato concentram 55% do total da renda do país.

O documento salientou ainda que a elevação da desigualdade na Europa foi mais moderada do que em outras regiões do globo. Segundo o relatório, além do Brasil, altos índices de desigualdade também estão presentes na África Subsaariana e no Oriente Médio.

Projeto visa promover oportunidades de acesso ao trabalho decente para jovens em situação de vulnerabilidade socioeducacional. Foto: Scott Webb/CC.

OIT e parceiros lançam projeto de inserção de jovens no mercado de trabalho em Goiás

Iniciativa conjunta da Organização Internacional do Trabalho (OIT); do Ministério Público do Trabalho (MPT); e do Ministério da Economia (ME) visa promover oportunidades de acesso ao trabalho decente para jovens em situação de vulnerabilidade socioeducacional.

O Projeto Piloto Aprendizagem Profissional Inclusiva (API) será implementado na cidade de Cristalina, em Goiás, que também sediou o evento de lançamento da iniciativa na última quarta-feira (4).

Dados de 2018 do IBGE apontam que quase 11 milhões de jovens brasileiros entre 15 e 29 anos (23% da população do país) não estão ocupados no mercado de trabalho – nem estudando ou se qualificando. Segundo a especialista da OIT, Anne Phostuma, a aprendizagem profissional “é um direito garantido por lei que atua no combate ao trabalho infantil e na promoção do emprego juvenil”, disse.