Arquivo da tag: Educação de qualidade

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU número 4 diz: “Assegurar a educação inclusiva e equitativa e de qualidade, e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todos”.

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU número 4 diz: “Assegurar a educação inclusiva e equitativa e de qualidade, e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todos”.

 

Mais sobre este ODS em https://nacoesunidas.org/pos2015/ods4 e notícias sobre o tema abaixo.

O estágio visa estimular a participação das mulheres nestas missões, em concordância com os esforços das Nações Unidas de obter, até 2020, ao menos 15% do efetivo feminino nas operações de paz. Foto: CIASC

Diretor do UNIC Rio defende maior participação de mulheres em operações de paz

O diretor do Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio), Maurizio Giuliano, fez no início de dezembro (5) uma palestra sobre operações de paz da ONU no Centro de Instrução Almirante Sylvio de Camargo (CIASC), localizado na capital fluminense. A palestra fez parte do Primeiro Estágio de Operações de Paz para Mulheres, iniciativa da Marinha do Brasil em parceria com o UNIC Rio.

O estágio visa estimular a participação das mulheres nestas missões, em concordância com os esforços das Nações Unidas de obter, até 2020, ao menos 15% do efetivo feminino nas operações de paz.

O Clube Rise está ajudando meninas adolescentes e mulheres jovens a iniciarem conversas sobre HIV e saúde, direitos sexuais e reprodutivos. Foto: UNAIDS

Projeto na África do Sul ajuda mulheres e meninas a falar sobre sexualidade

O Clube Rise está ajudando meninas adolescentes e mulheres jovens a iniciar conversas sobre HIV e saúde, direitos sexuais e reprodutivos em cidades da África do Sul.

A desigualdade de gênero é uma barreira para que adolescentes e jovens tenham acesso a serviços de HIV e de saúde sexual e reprodutiva, além de educação sexual abrangente. Também coloca as meninas em maior risco de violência baseada em gênero.

O relato é do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS).

Torre Eiffel se ilumina de verde para comemorar a entrada em vigor do Acordo de Paris sobre Mudanças Climáticas em novembro de 2016. Foto: Prefeitura de Paris/ Jean-Baptiste Gurliat

Curso online visa aumentar conscientização sobre mudanças climáticas

A UN CC:Learn, uma parceria de mais de 30 organizações das Nações Unidas, promove curso online com informações básicas em português sobre mudanças climáticas.

Composto por seis módulos, cada um com de quatro a cinco objetivos de aprendizagem, o curso tem duração de 2 horas.

Após cada módulo, o usuário deverá responder um breve questionário para verificar se alcançou os objetivos de aprendizagem.

Após responder seis questionários com pontuação acima de 70% em cada um, o usuário poderá receberá um certificado do Instituto das Nações Unidas para Treinamento e Pesquisa (UNITAR). Saiba como participar.

Fundação Goi Peace recebe até 15/6 inscrições de jovens para concurso internacional de redação

Jovens do mundo todo estão convidados a se inscrever até 15 de junho do Concurso Internacional de Redação 2019 organizado pela Fundação Goi Peace. O concurso também está sendo divulgado pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO). Podem participar candidatos que tenham até 25 anos completados até o prazo de inscrição.

O tema deste ano é “Criando uma sociedade cheia de bondade”. Os candidatos são incentivados a responder as seguintes perguntas em suas redações: “O que bondade significa para você?”, “Na sua opinião, como poderemos criar uma sociedade com mais bondade?”.

Projeto em Samambaia, no Distrito Federal, estimula brincadeiras ao ar livre e ocupação dos espaços públicos pela comunidade. Foto: Curumim Cultural

Líder voluntário incentiva brincadeiras de rua e cria fontes de renda em comunidade do DF

A iniciativa Curumim Cultural começou quando Bruno Lopes, morador de Samambaia, no Distrito Federal, percebeu que as crianças de seu bairro não tinham o costume de brincar ao ar livre. Na quadra em que vive, há muitos jovens que raramente eram vistos na rua, por diversos motivos, desde o fácil acesso aos equipamentos eletrônicos à sensação de insegurança que existe no ambiente externo.

O líder voluntário decidiu então criar um projeto que estimulasse a ocupação dos espaços públicos e a educação dos jovens por meio de atividades lúdicas. A iniciativa foi uma das vencedoras do prêmio Viva Voluntário em 2018, uma parceria entre a Casa Civil da Presidência da República e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Grandi conversa com crianças na escola Al-Shuhada em Souran, na Síria. Foto: ACNUR/Andrew McConnell

Família síria volta para casa e encontra cidade destruída pela guerra

A vida como refugiada nunca foi fácil para Zahida, de 35 anos. Mãe de cinco filhos, ela cuida sozinha das crianças desde que seu marido desapareceu há alguns anos na guerra da Síria.

No Líbano, onde vivia após fugir da guerra, ela diz que as ofertas de trabalho eram escassas e o valor do aluguel, muito alto. No entanto, ao voltar para sua terra natal, Zahida se deparou com novas dificuldades.

Após oito anos de conflito, refugiados retornam aos poucos para regiões da Síria onde se sentem seguros. Para muitos deles, o retorno é difícil e repleto de desafios. O relato é da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR).

A iniciativa atende à resolução nº 2242/2015 do Conselho de Segurança da ONU que estipula o aumento do efetivo feminino empregado em operações de paz em 15% até 2020. Foto: ONU

Programa de estágio visa ampliar participação de mulheres em operações de paz da ONU

Teve início nesta quarta-feira (13) no Rio de Janeiro (RJ) o Segundo Estágio de Operações de Paz para Mulheres na Escola de Operações de Paz de Caráter Naval do Centro de Instrução Almirante Sylvio de Camargo (CIASC), uma parceria da Marinha do Brasil e o Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio).

Além de estimular o crescimento quantitativo, o estágio visa melhorar qualitativamente a participação das mulheres nas missões, contribuindo para que ocupem postos de liderança, reforcem o empoderamento feminino e contribuam para a não violência contra a mulher, de modo a atender à demanda por considerações de gênero em toda a programação humanitária.

Crianças têm aulas em tenda em Idlib, norte da Síria. Emergências humanitárias privam crianças de saúde, nutrição, acesso a água e saneamento, educação e outras necessidades básicas. Foto: UNICEF/Watad

Síria: mais de 11 milhões de pessoas precisarão de ajuda humanitária em 2019

Níveis desconcertantes de necessidades humanitárias ainda persistem na Síria, afirmou na terça-feira (26) o Escritório das Nações Unidas de Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) a membros do Conselho de Segurança.

De janeiro a dezembro do ano passado, cerca de 25 mil pessoas foram deslocadas da província de Deir-ez-Zor, no sudeste do país, para o acampamento de Al Hol. A situação humanitária em Rukban também continua se deteriorando. Assistência humanitária adicional está sendo preparada para acomodar 42 mil pessoas.

Além disso, intensas inundações no nordeste e noroeste destruíram abrigos em acampamentos para pessoas deslocadas internamente. Em Idlib, mudanças de controle em algumas áreas levaram à suspensão de fundos, reduzindo serviços de saúde para alguns civis.

A iniciativa do PNUD envolve os municípios de Teresina, Timon, Demerval Lobão, José de Freitas e Nazária. Foto: Rômulo Piauilino

Estado e prefeituras do Piauí aderem a projeto de políticas para mulheres do PNUD

O governo do Piauí e cinco prefeituras da Região Administrativa Integrada de Desenvolvimento do Polo Grande Teresina formalizaram na segunda-feira (25) seu compromisso e engajamento com as ações desenvolvidas no estado pelo projeto “Mulheres Resilientes = Cidades Resilientes”, do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). A iniciativa envolve os municípios de Teresina, Timon, Demerval Lobão, José de Freitas e Nazária.

Com o objetivo de orientar sobre o fortalecimento de políticas públicas a partir de uma perspectiva de gênero, a iniciativa desenvolverá, junto aos governos estadual e municipais, sugestões de ação em cinco áreas: educação para o trabalho e inclusão produtiva; enfrentamento à violência contra as mulheres; promoção da saúde das mulheres; melhoria da transversalidade de gênero nos equipamentos públicos; políticas de cuidados para redução da sobrecarga de responsabilidades concentradas nas mulheres.

Debate trouxe à tona a necessidade de maior participação de mulheres e meninas nas ciências. Foto: ONU Mulheres

Desigualdades de gênero afastam mulheres e meninas da ciência, dizem especialistas

Há poucas mulheres atuando nas áreas de Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática (STEM, na sigla em inglês), em todos os países do mundo. Nas universidades, as mulheres representam apenas 35% dos alunos matriculados nesses campos do conhecimento – o percentual é ainda menor nas engenharias (de produção, civil e industrial) e em tecnologia, não chegando a 28% do total.

“É um quadro preocupante, sobretudo porque são essas áreas que vêm gerando mais oportunidades de trabalho”, disse Adriana Carvalho, gerente da ONU Mulheres para os Princípios de Empoderamento Econômico das Mulheres, durante evento realizado no Rio de Janeiro no início do mês (11). “Não é possível avançar na igualdade de gênero sem atentar para o hiato em carreiras tão promissoras”, completou.

Construído de forma colaborativa, plataforma disponibiliza acesso ao Currículo da Cidade de modo dinâmico. Foto: EBC

América Latina e Caribe alinham ações para cumprir metas globais de educação

Garantir progresso regional para atingir as metas do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável número 4 — assegurar a educação inclusiva e equitativa e de qualidade, e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todas e todos — foi o norte do 1º Encontro do Comitê Regional de Gestão do ODS-E2030 para a América Latina e o Caribe, concluído no início de fevereiro em Santiago, no Chile.

A reunião apresentou avanços em relação aos mecanismos de monitoramento, acompanhamento e relato das metas do ODS 4 realizadas pelo Instituto de Estatística da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) e pelo Laboratório Latino-Americano de Avaliação da Qualidade da Educação (LLECE).

Foto: ONU Mulheres/Ryan Brown

ONU Mulheres lista cinco formas de acabar com o comportamento tóxico

Todos os dias temos a oportunidade de defender a igualdade de gênero, de grandes e pequenas maneiras. Mas, em alguns dias, muitos de nós escorregamos quando não prestamos atenção às nossas próprias atitudes e às ações que disseminam estereótipos e desigualdade.

Das palavras que usamos no trabalho ou com nossos entes queridos até as suposições que fazemos sobre estranhos, todos nós podemos ser melhores em promover a igualdade em nosso cotidiano.

Pensando nisso, a ONU Mulheres listou cinco maneiras de romper com comportamentos tóxicos e promover a igualdade de gênero na vida.

Participantes da sessão de 2016 do Fórum Permanente das Nações Unidas para Questões Indígenas. Foto: ONU

UNESCO: todas as línguas maternas merecem ser conhecidas e reconhecidas

Todas as línguas maternas merecem ser conhecidas e reconhecidas, além de ter maior importância em todas as esferas da vida pública. A declaração foi feita pela diretora-geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), Audrey Azoulay, para a ocasião do Dia Internacional da Língua Materna, lembrado em 21 de fevereiro.

De acordo com a UNESCO, quase 40% das pessoas em todo o mundo não têm acesso à educação em uma língua que elas falem ou entendam. Essa situação persiste, apesar de estudos que mostram que o domínio de uma língua materna facilita a aprendizagem geral e a aprendizagem de outras línguas.

Nickolay Mladenov (na tela), coordenador especial da ONU para o processo de paz no Oriente Médio, fala ao Conselho de Segurança sobre a situação na região, incluindo a questão palestina. Foto: ONU/Loey Felipe/Arquivo

Perspectiva de paz ‘se apaga a cada dia’ em Gaza e Cisjordânia, diz enviado da ONU

A presença de violência e radicalismo no Território Palestino Ocupado está crescendo, e a perspectiva de paz sustentável está se apagando a cada dia, disse nesta quarta-feira (20) um enviado sênior das Nações Unidas para a região ao Conselho de Segurança.

Numa avaliação em tom sombrio, Mladenov caracterizou a esperança de uma solução pacífica de dois Estados como “escassa”. Segundo ele, o extremismo está em crescimento e o risco de guerra aumentou.

O enviado especial condenou a violência e o terror na região ao longo dos últimos meses, que resultaram na morte de 40 crianças assassinadas por forças israelenses, e no disparo de 18 foguetes de militantes palestinos em direção a Israel. Houve uma onda em violência envolvendo colonos no último ano, disse ele, com 20 incidentes registrados de colonos israelenses ferindo palestinos ou danificando suas propriedades.

O sistema educacional do Afeganistão foi devastado por mais de três décadas de conflito. Para muitas crianças do país, completar o ensino primário permanece um sonho distante. Na imagem, a jovem Fatima, de dez anos, resolve uma equação de matemática em escola na cidade de Herat. Foto: UNICEF/Mohammadi

Enviado da ONU defende acesso à educação para crianças refugiadas e em situação de conflito

O enviado especial da ONU para a Educação Global, Gordon Brown, defendeu nesta semana (19) o acesso à escolarização para todas as crianças e jovens refugiados. Em vez de terem seus passaportes carimbados em postos de controle nas fronteiras, disse o dirigente, as crianças deveriam estar na sala de aula, recebendo educação, que é o “passaporte de verdade” dos meninos e meninas para o futuro.

Projeto do FIDA e do governo do Piauí visa fortalecer produção agrícola do Semiárido. Foto: FIDA/Larissa Machado

Projeto de desenvolvimento agrícola no Piauí beneficia 19 mil famílias

Cerca de 19 mil famílias do Piauí estão sendo beneficiadas pelo projeto Viva o Semiárido, uma parceria entre a Secretaria de Estado da Educação com o Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA).

O componente educacional do projeto trabalha o contexto do semiárido entre alunos das escolas públicas. Livros didáticos apresentarão às crianças e jovens uma forma lúdica de lidar com o semiárido, impulsionando a valorização dessa região brasileira pelas próximas gerações.

Mulheres representam 20% da mão de obra do setor agrícola na América Latina e Caribe. Foto: Banco Mundial/Romel Simon

CEPAL pede que gasto com políticas sociais seja protegido na América Latina

A chefe da Comissão Econômica da ONU para América Latina e Caribe (CEPAL), Alicia Bárcena, afirmou na quarta-feira (13) que países da região precisam “proteger e fortalecer o gasto social” se quiserem cumprir as metas de desenvolvimento sustentável das Nações Unidas.

Dirigente ressaltou ainda que políticas universais de saúde, educação e proteção social não apenas contribuem com a inclusão, mas também aumentam a produtividade e o crescimento econômico.

Foto: UNFPA/Werbert da Cruz

ONU recebe inscrições para projeto Trans-Formação em Salvador e região metropolitana

A ONU Brasil, a partir da Campanha Livres & Iguais, lançou na quarta-feira (13) a primeira edição do projeto Trans-Formação em Salvador (BA) e região metropolitana do município. O objetivo é fortalecer lideranças e formar redes entre ativistas trans.

As inscrições podem ser feitas até 21 de fevereiro pelo público trans soteropolitano que queira participar do projeto ou ser consultor para sua implementação.

As duas primeiras edições do Trans-Formação ocorreram no Distrito Federal e entorno em 2017 e 2018 e formaram mais de 40 pessoas trans – entre travestis, mulheres e homens trans e pessoas não binárias – com idade entre 17 e 55 anos. A iniciativa promoveu oficinas sobre educação, saúde, empregabilidade, mídia, direitos humanos, autocuidado e participação social, acompanhadas em programas de mentoria.

Aroeiras do Itaim, Piauí. Foto: dgarkauskas/Flickr/CC

Com apoio da ONU, investimentos produtivos no Piauí beneficiarão quase 1 mil famílias

O governo do Piauí, em parceria com o Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA), lançou na semana passada projetos de investimentos produtivos (PIPs) de 8,2 milhões de reais que beneficiarão 986 famílias de 15 territórios do estado.

Os projetos têm como objetivo estimular a produção e geração de emprego e renda nas atividades econômicas de apicultura, ovinocaprinocultura, avicultura, mandiocultura, fruticultura, quintais produtivos e artesanato.

Hospital Universitário de Dourados (MS). Foto: EBSERH.

Manual dá diretrizes para arquitetura e engenharia de hospitais universitários federais

A Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH) e o Escritório das Nações Unidas de Serviços para Projetos (UNOPS) publicaram este mês manuais de arquitetura e engenharia para hospitais universitários federais vinculados à instituição.

Os documentos trazem orientações para a definição dos materiais de revestimentos e de sistemas de infraestrutura, como ar condicionado e aquecimento. Também propõem técnicas que contribuem para a sustentabilidade da edificação, reduzindo o consumo de energia e de água.

O material será utilizado pela equipe de arquitetura e engenharia da Rede EBSERH, mas também pode ser empregado como referência por outros hospitais e escritórios de arquitetura.

Na Guatemala, Martha Alicia Benavente participou de uma capacitação para se tornar engenheira solar. Foto: ONU Mulheres/Ryan Brown

Em dia internacional, ONU alerta para exclusão de mulheres nas áreas de ciência e tecnologia

Em mensagem para o Dia Internacional das Mulheres e Meninas na Ciência, lembrado neste 11 de fevereiro, a UNESCO e a ONU Mulheres alertam para obstáculos à participação feminina nos setores de tecnologia, engenharia e programação — nichos da atividade produtiva que estão entre os que mais crescem no mundo.

Atualmente, as Nações Unidas estimam que menos de 30% dos pesquisadores em áreas científicas e tecnológicas sejam mulheres. Habilidades em ciência, tecnologia, engenharia e matemática serão fundamentais em economias marcadas pelo avanço da automatização e pela criação de empregos em áreas que exigem alta qualificação.

Mulheres e meninas continuam extremamente sub-representadas nas ciências exatas. Foto: ONU Mulheres Vietnã

Para solucionar desafios globais, ciência precisa de mais mulheres e meninas

Muitos dos maiores problemas globais podem continuar sem solução porque mulheres e meninas estão sendo desencorajadas a trabalhar nas ciências exatas. O papel da educação científica em um mundo em transformação não pode ser desvalorizado. Estima-se que 90% dos empregos do futuro exigirão alguma forma de habilidade em novas tecnologias, e as categorias de empregos de maior crescimento são relacionadas a ciência, tecnologia, engenharia e matemática.

No entanto, mulheres e meninas continuam extremamente sub-representadas nesses campos do conhecimento. Dados da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) apontam que menos de um terço das estudantes do sexo feminino do mundo escolhe assuntos relacionados a ciência, tecnologia, engenharia e matemática no ensino superior, enquanto apenas um terço escolhe assuntos ligados às novas tecnologias.

Relatório de OIT e UNICEF indicou a necessidade de ação urgente para garantir a proteção social de todas as crianças no mundo. Na foto, Mustafa, de 6 anos, que trabalha com o pai em uma área industrial de Bagdá, no Iraque. Foto: UNICEF/Wathiq Khuzaie

Dois terços das crianças do mundo não têm acesso a serviços de proteção social

Seis em cada dez crianças do mundo não têm acesso à proteção social, o que as deixa particularmente vulneráveis à pobreza crônica, disse a ONU na quarta-feira (6), alertando que alguns governos estão cortando programas de transferência de renda em meio a políticas de austeridade fiscal.

Benefícios dados pelo Estado a partir de recursos públicos, na forma de transferência de renda, “tem papel essencial em quebrar o ciclo vicioso de pobreza e vulnerabilidade”, disse o relatório. Em média, os 139 países cobertos pelo documento gastam apenas 1,1% do PIB com crianças de até 14 anos.

Estudantes numa escola primária em Bingerville, um distrito de Abidjan, capital da Costa do Marfim. No país, menos de 70% das crianças frequentam o ensino primário. O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) distribui kits de material escolar para as crianças e apoia o Ministério da Educação na construção de escolas e treinamento de professores. Foto: UNICEF/Dejongh

Centro de pesquisas vinculado à ONU apresenta estudos sobre combate à pobreza infantil

Formuladores de políticas públicas, pesquisadores e representantes de governos participam da Conferência Internacional sobre Subsídios Universais para Crianças, que ocorre de 6 a 8 de fevereiro, em Genebra, na Suíça, para compartilhar experiências e discutir o papel dos subsídios universais no combate à pobreza infantil, à desigualdade e na promoção da proteção social para crianças.

Uma equipe de pesquisadores do Centro Internacional de Políticas para Crescimento Inclusivo (IPC-IG), resultado de uma parceria entre o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e o governo brasileiro, participará de três sessões na conferência, onde apresentará estudos recentes sobre políticas de proteção social sensíveis às necessidades das crianças. Algumas das sessões serão transmitidas ao vivo pela Internet.

Jama Perry, aluna e professora de wapichana. Foto: Natalia da Luz/UNIC Rio

ESPECIAL: Em Roraima, cursos ajudam a preservar línguas indígenas

Desde 2009, cerca de 2 mil alunos foram certificados nos estudos das línguas macuxi e wapichana. “Esse foi um espaço para o meu reconhecimento, para valorizar a minha própria identidade”, diz Jama Perry, professora de wapichana.

Em 2019, a ONU comemora o Ano Internacional das Línguas Indígenas. Confira mais nesta reportagem especial em vídeo do Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio).

Débora Caldas com o seu desenho, que retrata um campo de concentração nazista. Foto: UNIC Rio/Pedro Andrade

Estudantes do Rio apresentam desenhos e redações sobre Holocausto em exposição da ONU

Em 27 de janeiro, a ONU marca o Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto. Para refletir sobre a tragédia que atingiu judeus e outras minorias durante a Segunda Guerra Mundial, o Centro de Informação da ONU no Brasil (UNIC Rio) inaugurou nesta semana (29) uma exposição de desenhos e redações sobre o tema, produzidas por alunos da rede municipal do Rio de Janeiro.

A abertura da mostra “Holocausto: Esquecer Jamais” reuniu os jovens autores das obras em cartaz e representantes das comunidades judaica e cigana que vivem na capital fluminense, incluindo o sobrevivente Freddy Glatt, nascido na Alemanha e perseguido pelos nazistas.

O palestino Hamid, de oito anos, olha para a cidade de Hebron da cobertura de sua casa. Foto: UNICEF/Ahed Izhiman

Cisjordânia: ONU alerta para impacto da ocupação israelense na educação de palestinos

Representantes de agências da ONU expressaram preocupação na quarta-feira (30) com o grande número de incidentes dentro ou próximos de escolas palestinas na Cisjordânia, incluindo confrontos entre alunos e forças de segurança e atos de violência de colonos israelenses.

Pronunciamento de organismos internacionais também alerta para a situação de professores que são parados em postos de checagem, o que prejudica as atividades de ensino.

O novo programa "Futebol para as escolas" da FIFA visa tornar o futebol mais acessível para meninos e meninas em todo o mundo. Foto: ONU/David Mutua

Agências da ONU firmam parceria com FIFA para impulsionar acesso de crianças ao futebol

Paralelamente ao Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça, o presidente da Federação Internacional de Futebol (FIFA), Gianni Infantino, a diretora-geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), Audrey Azoulay, e o diretor-executivo do Programa Mundial de Alimentos (PMA) das Nações Unidas, David Beasley, assinaram carta de intenções para impulsionar o acesso de crianças ao esporte e promover importantes habilidades para a vida.

O programa “Football for Schools” (“futebol para as escolas”, em tradução livre) da FIFA visa tornar o futebol mais acessível para meninos e meninas em todo o mundo, incorporando atividades de futebol em currículos de educação física (ou como uma atividade extracurricular), contribuindo para educação, desenvolvimento e empoderamento das crianças.

Desde janeiro de 2018, Jacqueline Côrtes faz parte do Conselho Consultivo do UNFPA no Brasil. Foto: UNFPA Brasil/Débora Klempous

Ativista LGBTI defende saúde inclusiva para pessoas trans no Brasil

Com uma trajetória marcada pela luta por inclusão e respeito à diversidade, Jacqueline Rocha Côrtes é uma das ativistas mais reconhecidas no Brasil no trabalho por políticas públicas para a população LGBTI.

Mulher trans vivendo com o HIV há mais de duas décadas, ela faz parte do Conselho Consultivo do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) no Brasil.

Para marcar o Dia Nacional da Visibilidade Trans, lembrado em 29 de janeiro, o UNFPA fez uma entrevista na qual ela aborda temas como sexualidade, segurança, cidadania e importância de serviços de saúde sexual e reprodutiva que incluam travestis e transexuais. Leia a entrevista completa.

Em abril de 2018, crianças caminhavam pelo acampamento improvisado de Fafin, na Síria, após suas famílias fugirem do distrito de Afrin, devido à escalada de violência na região. Foto: UNICEF/Al-Issa

UNICEF pede US$ 3,9 bi para ajudar crianças em crises humanitárias em 2019

Mais de 34 milhões de crianças que vivem em países afetados por conflitos e desastres não têm acesso a serviços vitais de proteção infantil, o que coloca a sua segurança, bem-estar e também o seu futuro em risco, alertou nesta terça-feira (29) o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF).

Organismo lançou apelo de 3,9 bilhões de dólares para financiar suas iniciativas de assistência em crises humanitárias ao longo de 2019. UNICEF explica que o orçamento permitira à agência da ONU fornecer água potável, nutrição, educação, saúde e proteção para 41 milhões de meninos e meninas em 59 países em todo o mundo.

Foto: Kaboompics/CC

Agência da ONU recebe inscrições para curso sobre propriedade intelectual no Rio

A Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI) recebe até 18 de fevereiro inscrições para o Curso de Verão de Propriedade Intelectual OMPI-Brasil.

O curso terá 50 vagas presenciais e acontecerá no Rio de Janeiro, de 11 a 22 de março. Dez vagas são destinadas à participação por videoconferência no escritório da Associação Brasileira de Propriedade Intelectual (ABPI), em São Paulo.

Estudantes numa escola primária em Bingerville, um distrito de Abidjan, capital da Costa do Marfim. No país, menos de 70% das crianças frequentam o ensino primário. O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) distribui kits de material escolar para as crianças e apoia o Ministério da Educação na construção de escolas e treinamento de professores. Foto: UNICEF/Dejongh

Em dia internacional, ONU ressalta que educação é essencial para combater intolerância e discurso de ódio

Em mensagem para o Dia Internacional da Educação, comemorado pela primeira vez nessa quinta-feira (24), o secretário-geral da ONU, António Guterres, afirmou que a educação é essencial para a luta contra o discurso de ódio, a xenofobia e a intolerância, além de promover o desenvolvimento sustentável dos países.

O chefe da Organização enfatizou a necessidade de levar para a escola os 262 milhões de crianças e jovens que estão fora das redes de ensino.

Recomendações para acabar com violência contra crianças e jovens em escolas do mundo todo serão apresentadas a líderes mundiais que se reúnem esta semana no Fórum Mundial de Educação, em Londres. Foto: UNICEF

Manifesto global pede fim da violência contra crianças e jovens nas escolas e arredores

Jovens de todo o mundo vão pedir aos governos o fim da violência nas escolas e arredores, durante o Fórum Mundial de Educação, que ocorre esta semana no Reino Unido.

O Manifesto Jovem #ENDviolence foi redigido no fim de 2018 por mais de 100 crianças e jovens de todo o mundo, incluindo a brasileira Lays dos Santos, que viajou à África do Sul, a convite do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), para representar meninas e meninos brasileiros.

O manifesto pede que pais, responsáveis, escolas, formuladores de políticas e comunidades levem os estudantes a sério; estabeleçam regras claras; façam leis restringindo armas; garantam segurança na escola; forneçam instalações escolares seguras; capacitem professores e conselheiros; e ensinem sobre consentimento e resposta à violência sexual.