Saúde e bem-estar

O ODS 3 diz: "Assegurar uma vida saudável e promover o bem-estar para todos, em todas as idades"

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU número 3 diz: “Assegurar uma vida saudável e promover o bem-estar para todos, em todas as idades”.

 

Mais sobre este ODS em https://nacoesunidas.org/pos2015/ods3 e notícias sobre o tema abaixo.

A hanseníase é uma doença infecciosa crônica causada por bactérias. Foto: EBC

Agência da ONU apresenta estratégia para livrar Brasil da hanseníase

A Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) apresentou na quinta-feira (19) em Palmas, no Tocantins, a Estratégia Global para Hanseníase 2016-2020.

Embora a hanseníase esteja presente em 24 dos 35 países das Américas, todos eliminaram a doença como problema de saúde pública (menos de um caso por cada 10 mil habitantes) – com exceção do Brasil. Por isso, a OPAS/OMS tem se empenhado em colaborar com as ações dos governos e instituições brasileiras.

Jovens palestinos reúnem-se em prédio abandonado de Gaza. Foto: ONU/Shareef Sarhan

Com ‘otimismo cauteloso’, oficial da ONU cita desenvolvimentos positivos no conflito Israel-Palestina

O secretário-geral assistente da ONU para assuntos políticos, Miroslav Jenca, reportou na quarta-feira (18) ao Conselho de Segurança alguns desenvolvimentos positivos no conflito entre Israel e Palestina, especialmente em relação aos esforços de reconciliação intra-palestinos.

Sob o acordo, a Autoridade Nacional Palestina deve assumir o controle das fronteiras da Faixa de Gaza a partir de 1º de novembro. Uma declaração divulgada pelo Egito, que facilitou o acordo, destacou que o governo palestino deve assumir todas as suas responsabilidades na gestão do enclave a partir de 1º de dezembro.

Bebê de nove dias na cidade de Bambaya, no distrito de Kono, em Serra Leoa. Foto: UNICEF/Phelps

ONU: 7 mil recém-nascidos morrem por dia no mundo

A cada dia de 2016, 15 mil crianças morreram antes do seu quinto aniversário. Quase metade delas – ou 7 mil bebês – faleceu nos primeiros 28 dias de vida, segundo relatório divulgado nesta semana (19) pela ONU. Documento aponta queda na mortalidade geral de crianças com menos de cinco anos, mas identifica alta na proporção de bebês que morrem durante o período neonatal.

Levantamento de agências das Nações Unidas aponta que, na África Subsaariana, uma a cada 36 crianças morre no primeiro mês de vida. Em países desenvolvidos, a taxa é de uma a cada 333.

Programa da ONU divulgará versão em português de boletim quinzenal sobre população LGBTI

O Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) disponibilizará, a partir deste mês, versões em português do seu boletim quinzenal Olhar para a Igualdade, que aborda desafios e conquistas da população LGBTI. Publicação reúne notícias, pesquisas e fatos que ganharam destaque na mídia. Compilação, produzida desde 2014 pela iniciativa Equal Eyes com a ONU, explora temas como direitos humanos e legais, saúde e cultura.

Segundo a OPAS, é necessário que todos os setores do governo — responsáveis por agricultura, comércio e desenvolvimento urbano —, promovam políticas públicas coerentes que facilitem a opção por uma vida saudável. Foto: EBC

ONU pede coerência nas políticas públicas das Américas para facilitar vida saudável

As Américas apresentam os maiores níveis de sobrepeso e obesidade do mundo e os níveis mais baixos de atividade física. Esses fatores aumentam o risco de doenças crônicas não transmissíveis (DCNT), principais causas de morte na região.

Para reverter essa tendência, a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) sugere que os países da região adotem políticas públicas coerentes — nos setores agrícola, de comércio e desenvolvimento urbano —, de forma a facilitar a opção por uma vida mais saudável por parte de seus cidadãos.

A cidade de São Paulo é um dos principais destinos de migrantes sul-americanos. Foto: Agência Brasil

Relatório reúne informações para cidades do Mercosul elaborarem políticas de atendimento a migrantes

O Instituto de Políticas Públicas em Direitos Humanos (IPPDH) do Mercosul publicou relatório com informações úteis para a formulação e implementação de políticas públicas de promoção e proteção dos direitos humanos dos migrantes em cidades do bloco.

O estudo, apoiado pelo escritório regional para a América do Sul da Organização Internacional para as Migrações (OIM), analisou as políticas adotadas em São Paulo para o acolhimento de migrantes sul-americanos.

Em Fortaleza (Ceará), Valeska Nunes da Silva (direita), 22 anos, por pouco não perdeu a vida ao dar à luz. Foto: OPAS/OMS

Oficinas para profissionais de saúde salvam vidas de centenas de mães e bebês no Brasil

As oficinas da estratégia Zero Morte Materna por Hemorragia, desenvolvidas pela Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) e o Ministério da Saúde do Brasil, têm ajudado a salvar as vidas de centenas de mães e bebês.

Oito estados foram elencados como prioritários para receber a estratégia. “Esses estados são convidados a escrever um plano de ação estadual para o enfrentamento da mortalidade e a enviar profissionais para a formação, além de seguir com a estratégia para dentro de suas regiões e unidades de saúde”, explicou Mônica dos Reis, consultora de saúde da mulher da OPAS/OMS no Brasil.

O Grupo da Diversidade do ADOLESCENTRO reúne-se quinzenalmente às quartas-feiras, das 14h às 16h. Foto: UNFPA/Fernando Ribeiro

Parceiro de agência da ONU apoia saúde física e emocional de jovens trans

Parceiro do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), o Centro de Referência, Pesquisa, Capacitação e Atenção ao Adolescente em Família (ADOLESCENTRO) apoia a saúde física e emocional de adolescentes trans.

Com unidades no Distrito Federal, em São Paulo e Porto Alegre, o Grupo de Diversidade da instituição também oferece assistência aos demais adolescentes da população LGBT. Saiba mais sobre a organização.

Um em cada cinco bebês que nascem no Brasil é filho de mãe adolescente. Foto: Governo do Rio de Janeiro

Brasil tem sétima maior taxa de gravidez adolescente da América do Sul

O Brasil tem a sétima maior taxa de gravidez adolescente da América do Sul, empatando com Peru e Suriname, com um índice de 65 gestações para cada 1 mil meninas de 15 a 19 anos, segundo dados referentes ao período de 2006 a 2015 divulgados nesta terça-feira (17) pelo Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA).

Apesar de as taxas brasileiras serem menores que as de países sul-americanos como Venezuela (95) e Bolívia (88), ainda estão longe de países desenvolvidos como França (6) e Alemanha (8), ou mesmo de nações em desenvolvimento como Índia (28) e Rússia (27), segundo o levantamento.

A demanda não atendida por serviços de saúde, incluindo o planejamento reprodutivo, pode enfraquecer as economias e sabotar o progresso já alcançado rumo ao cumprimento do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) número 1, que trata da eliminação da pobreza, disse a agência da ONU.

A série é fruto de uma parceria entre o UNAIDS e a Globo. Foto: Reprodução da vinheta de 'Eu Só Quero Amar'/Gshow

Produzida com a ONU, série da Globo sobre HIV entre jovens é indicada ao Emmy Kids

A novela Malhação, da Rede Globo, foi indicada ao Emmy Kids 2017 na categoria digital pela websérie ‘Eu Só Quero Amar’, produzida e exibida pelo Gshow, a plataforma de entretenimento online do canal. O projeto é fruto de uma parceria entre o Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS), a área de Responsabilidade Social da TV Globo e o Gshow. Produção aborda relacionamento entre um jovem HIV-positivo e uma menina que não tem o vírus.

UNFPA alerta para desigualdades de gênero e suas consequências para a saúde e independência econômica das mulheres. Foto: Andrew McConnell/IRC/Panos Pictures

Desigualdades ameaçam saúde e autonomia das mulheres, alerta fundo de população da ONU

Apenas metade das mulheres em todo o mundo possui emprego remunerado. Globalmente, o que é pago às mulheres corresponde a 77% do que é pago aos homens. Em todo o mundo, três em cada cinco mulheres não têm acesso a licença-maternidade. No Brasil, um em cada cinco bebês nasce de mães adolescentes. Entre elas, de cada cinco, três não trabalham nem estudam.

Cenário de desigualdades é tema do relatório ‘Situação da População Mundial 2017’, do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA). Agência da ONU defende importância dos direitos e serviços de saúde sexual e reprodutiva.

Família pede ajuda nas ruas da cidade de Secunda, na província sul-africana de Mpumalanga. Foto: Jan Truter (CC, Flickr)

FMI discute ferramentas de política fiscal para crescimento inclusivo

Em relatório divulgado na quinta-feira (12), o Fundo Monetário Internacional (FMI) afirmou que as crescentes desigualdades e a desaceleração econômica no mundo todo ampliaram as discussões sobre políticas de apoio ao crescimento inclusivo.

Citando programas de transferência de renda da América Latina, como o brasileiro Bolsa Família, o relatório discute políticas fiscais de redução das desigualdades, entre elas a maior tributação do topo da pirâmide, a introdução da renda mínima universal e maiores investimentos em saúde e educação.

Feiras de saúde realizadas na sede da Cáritas RJ ofereceram vacinação, orientação sobre higiene bucal e doenças sexualmente transmissíveis (DST), dentre outros serviços e atividades. Foto: ACNUR/ Diogo Felix

Livro aborda atendimento a refugiados na saúde pública do Rio de Janeiro

A publicação ‘Recomeço’, lançada nessa semana pela Secretaria Municipal de Saúde, aborda os desafios e aprendizados de profissionais do SUS que atendem refugiados e solicitantes de refúgio na capital fluminense. Livro é fruto de quase três anos de parceria entre a pasta e a Cáritas Arquidiocesana do Rio de Janeiro, instituição parceira da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR). Volume está disponível gratuitamente na internet.

O Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde (BIREME) inaugurou em São Paulo um mural para celebrar seus 50 anos de história. Foto: OPAS/OMS

Centro de ciências da saúde inaugura mural histórico para celebrar seus 50 anos

O Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde (BIREME) inaugurou na sexta-feira (6), em São Paulo, um mural para celebrar seus 50 anos de história.

Para o representante da Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) no Brasil, Joaquín Molina, o centro é importante porque fornece ferramentas que ajudam a transformar informações difusas em conhecimento.

“É isso que nos permite tomar as decisões mais acertadas para ajudar os países a cumprirem os compromissos internacionais que assumiram, garantindo assim a melhoria da saúde da população.”

Campanha Liberdade para as Meninas, do UNICEF e da iniciativa Global Goas. Imagem: Global Goals

UNICEF e Beyoncé se unem pela liberdade das meninas

Para lembar o Dia Internacional das Meninas, observado neste 11 de outubro, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) lançou a iniciativa “Liberdade para as Meninas”, projeto de conscientização online que recebeu o apoio da cantora Beyoncé Knowles. O vídeo da campanha mostra jovens de diferentes partes do mundo dançando ao som de “Freedom”, hit da artista norte-americana. Agência da ONU convoca todos a lutar por um mundo mais justo, sem desigualdades de gênero.

Kenneth Cole, estilista, empresário, ativista e embaixador da Boa Vontade do UNAIDS. Foto: UNAIDS/Elma Okic

Justiça social para pessoas com HIV é inegociável, diz estilista Kenneth Cole

Durante participação no Fórum Social do Conselho de Direitos Humanos da ONU, na semana passada, o estilista norte-americano Kenneth Cole criticou o preconceito que ainda marginaliza pessoas vivendo com HIV. Segundo o empresário, a epidemia de HIV é não apenas um problema de saúde, mas também uma questão de justiça social. O designer é embaixador global da Boa Vontade do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS).

Segundo a OMS, um ambiente de trabalho negativo pode levar a problemas de saúde física e mental, uso abusivo de drogas ou álcool, faltas e perda de produtividade. Foto: EBC

OMS: empresas devem promover saúde mental de funcionários no ambiente trabalho

No Dia Mundial da Saúde Mental, a Organização Mundial da Saúde (OMS) lembra a importância de empresas e gestores do mundo todo adotarem iniciativas que promovam o bem-estar físico e psicológico de funcionários no ambiente de trabalho.

A agência da ONU lembra que alguns dos principais fatores de risco para a saúde mental de trabalhadores são assédio e bullying, excesso de trabalho, jornadas inflexíveis, ameaça de desemprego, entre outros.

Segundo a OMS, as empresas podem adotar intervenções como parte de uma estratégia integrada de saúde e bem-estar que inclua prevenção, identificação precoce, apoio e reabilitação.

Foto: OPAS/OMS

Agência da ONU cita queda da mortalidade infantil e de casos de malária nas Américas

A Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) apresentou na Universidade de São Paulo (USP) na sexta-feira (6) relatório que analisa tendências, desafios e condições de saúde nas Américas.

Segundo a agência da ONU, houve avanços na redução da mortalidade infantil e de casos de malária e oncocercose na região. Mas ainda há iniquidades que precisam ser enfrentadas, tanto entre os países como dentro deles, salientou.

A Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) no Brasil recebeu homenagem pela contribuição que tem dado para o aprimoramento do Sistema Único de Saúde (SUS) brasileiro. Foto: EBC

Análises epidemiológicas devem refletir sobre aspectos sociais da saúde, defende agência da ONU

Análises epidemiológicas precisam levar em conta as determinantes sociais da saúde, bem como adotar perspectivas de gênero. A recomendação é do representante da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) no Brasil, Joaquín Molina. Durante participação na abertura do 10º Congresso Brasileiro de Epidemiologia, o dirigente da agência da ONU também reiterou o apoio do organismo ao Sistema Único de Saúde (SUS) brasileiro.

Entre 2015 e 2016, mais 2,4 milhões de pessoas sofreram com a subnutrição na América Latina e no Caribe. Foto: EBC

ARTIGO: O repto da fome

Em artigo publicado na imprensa brasileira, o brasileiro e diretor-geral da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), José Graziano da Silva, alerta que a fome está aumentando no mundo, tanto em países em conflito, como em nações que passam por crises econômicas.

Em 2016, 815 milhões de pessoas passaram fome. Desse contingente, 20,8 milhões viviam na América do Sul, onde a desaceleração econômica, taxas crescentes de desemprego, perda real do valor do salário mínimo e deterioração das redes de proteção social agravaram os índices de subnutrição, segundo Graziano.

Público conversou sobre alimentação e sustentabilidade. Ao centro, de preto, o diretor Estevão Ciavatta com a placa do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável de nº 2 da ONU — Fome Zero e Agricultura Sustentável. Foto: Centro RIO+/Brenda Sachiko

Centro da ONU exibe documentário sobre biodiversidade e alimentação saudável

O Centro RIO+ exibiu em outubro (5), no Palácio do Itamaraty, Rio de Janeiro, o documentário ‘Fonte da Juventude’. A exibição foi seguida de bate-papo com o diretor do filme, Estevão Ciavatta. Importante peça de conscientização sobre a conjuntura alimentar no Brasil, o filme traz entrevistas com José Graziano da Silva, chefe da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), o chef Alex Atala e a culinarista Bela Gil. Obra está disponível na internet.

Michel Sidibé, diretor executivo do UNAIDS. Foto: Mark Garten/ONU

Maior desafio é a complacência com a AIDS, diz diretor-executivo de agência da ONU

O maior desafio atual é a complacência com a AIDS, afirmou o diretor-executivo do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS), Michel Sidibé, em entrevista à rede de informações sobre saúde Global Health Now, no fim de setembro (26).

“Estamos percebendo com preocupação que somos vítimas de nossas histórias de sucesso. Os jovens não se protegem mais e o perigo é que as pessoas sintam que acabou. A questão é que o foco deve manter-se apesar do progresso, pois é a única maneira de acabar com a epidemia de AIDS até 2030”, declarou.

Bandeira do orgulho trans hasteada em São Francisco, nos Estados Unidos. Foto: Flickr (CC)/torbakhopper

Agência da ONU apoia evento em São Paulo sobre saúde da população trans

A Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) promove no início de novembro (1 a 4) na capital paulista o I Encontro Brasileiro de Saúde Trans, que reunirá pessoas trans, profissionais de saúde, gestores públicos e especialistas nacionais e internacionais.

O evento é realizado em parceria com o Programa das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) no Brasil. “A população trans é, sem dúvida, uma das mais desprovidas de direitos, principalmente quando constatamos que até mesmo o próprio direito de existir lhe é negado na maioria das vezes”, disse Georgiana Braga-Orillard, diretora do UNAIDS no Brasil.

Mais Médicos aumentou número de pessoas atendidas e qualidade dos serviços de saúde. Imagem: OPAS

Mais Médicos ajuda Brasil a alcançar metas de saúde universal, avalia OPAS

Em visita a São Paulo, a diretora adjunta da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), Isabella Danel, elogiou o Mais Médicos, descrito como “um êxito” por ampliar o acesso à atenção primária. “O fortalecimento desse setor é primordial para a saúde universal”, defendeu a especialista durante ida ao Hospital Municipal Infantil Menino Jesus. Atualmente, o município conta com 262 profissionais do Mais Médicos. Desses, 78 são cubanos.

Fábrica da Natex, produtora de preservativos à base de látex natural, receberá visita de equipe do UNFPA. Foto: SECOM

ONU recebe inscrições para avaliação de produtos de saúde sexual e reprodutiva

Até 15 de novembro, o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) receberá inscrições de empresas brasileiras da área de saúde sexual e reprodutiva que desejem ter seus produtos avaliados pela Organização Mundial da Saúde (OMS). A chamada é para fornecedores de contraceptivos hormonais injetáveis. Avaliação é uma das etapas do processo que aprova quais companhias podem vender produtos para programa de abastecimento da ONU.

Crianças participam de aula em escola patrocinada pelo UNICEF em Dikwa, estado de Borno, na Nigéria. Foto: UNICEF/Naftalin (arquivo)

Crise humanitária ameaça futuro de gestantes e crianças na Nigéria, alerta ONU

A insurgência do grupo terrorista Boko Haram na Nigéria provocou uma crise humanitária sem precedentes na região. Grupos em situação de vulnerabilidade são os mais afetados, com quase 3 milhões de crianças fora da escola e um crescente número de mortes de bebês ainda em gestação por conta da epidemia de cólera.

Desde 2009, mais de 2.295 professores foram mortos e 19 mil deslocados no nordeste do país. Quase 1,4 mil escolas foram destruídas, e a maioria não tem condições de operar devido a extensos danos ou por conta da situação de insegurança na região.

Relator da ONU pediu que Suíça intensifique medidas contra fluxos financeiros ilícitos de evasão fiscal e corrupção. Foto: Keith Laverack/Flickr (CC)

Relator da ONU pede que Suíça combata fluxos financeiros ilícitos; cita escândalo da Petrobras

O governo suíço adotou medidas para combater os fluxos financeiros ilícitos nos últimos anos, mas é necessário fazer mais para enfrentar questões incluindo o contínuo risco de lavagem de dinheiro, disse um especialista da ONU ao final de sua primeira visita oficial ao país.

“Isso fica particularmente evidente com o envolvimento de diversos bancos suíços no escândalo de corrupção da Petrobras e nos fluxos suspeitos ligados ao fundo soberano malaio 1MDB. É especialmente preocupante que esses eventos não tenham ocorrido anos atrás — o dinheiro estava sendo aceito até bem recentemente”, declarou o especialista.

César Nuñez, diretor regional do UNAIDS para América Latina e Caribe. Foto: UNAIDS

Programa da ONU elogia decisão do Brasil de debater prevenção combinada do HIV

Em visita ao Brasil na última semana de setembro, o diretor do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) para América Latina e Caribe, César Nuñez, elogiou a decisão do país em definir a prevenção combinada como tema do 11º Congresso AIDS e 4º Congresso de Hepatites Virais (HepAIDS 2017). Escolha pode estimular outras nações da região a debater o uso simultâneo de estratégias diferentes para evitar a infecção por HIV.

Foto de capa do plano criado pela Global Task Force on Cholera Control (GTFCC). Foto: OMS/Acland

ONU e parceiros se comprometem a reduzir mortes por cólera em 90% até 2030

Uma nova e ambiciosa estratégia para reduzir em 90% o número de mortes por cólera até 2030 foi lançada nesta quarta-feira (4) pela Global Task Force on Cholera Control (GTFCC), uma rede diversificada de mais de 50 agências internacionais, instituições acadêmicas e ONGs que apoiam países afetado pela doença.

“A OMS se orgulha de fazer parte desta nova iniciativa conjunta para deter as mortes por cólera. A doença tem um maior impacto sobre as pessoas pobres e vulneráveis – isso é inaceitável. O Global Roadmap é a melhor maneira de acabar com isso”, disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS.

A brasileira Mariângela Batista Galvão Simão foi nomeada diretora-geral assistente para Acesso a Medicamentos, Vacinas e Produtos Farmacêuticos da Organização Mundial da Saúde (OMS). Foto: UNAIDS

Brasileira é nomeada diretora da OMS para acesso a medicamentos e vacinas

A brasileira Mariângela Batista Galvão Simão foi nomeada diretora-geral assistente para acesso a medicamentos, vacinas e produtos farmacêuticos da Organização Mundial da Saúde (OMS), informou a agência das Nações Unidas.

Anteriormente, ela atuava como diretora do Departamento de Direitos, Gênero, Prevenção e Mobilização Comunitária do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS). Tem mais de 30 anos de experiência no sistema brasileiro de saúde pública e teve papel ativo na ampliação e descentralização dos serviços de saúde no país, de acordo com a OMS.

Jovem vivendo com HIV recebe tratamento antirretroviral na Costa do Marfim. Foto: UNICEF / Olivier Asselin

Estigma e discriminação afastam pessoas vivendo com HIV dos sistemas de saúde, alerta ONU

Em 19 países com dados disponíveis, uma em cada quatro pessoas vivendo com HIV já sofreu discriminação ao procurar serviços de saúde. É o que revela um novo relatório do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS), divulgado nesta semana (3), em Genebra. Pesquisa aponta que, nessas mesmas nações, 20% dos indivíduos infectados com o vírus evitaram ir a uma clínica ou hospital por medo de sofrerem preconceito.