Arquivo da tag: Paz; justiça e instituições eficazes

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU número 16 diz: “Promover sociedades pacíficas e inclusivas para o desenvolvimento sustentável, proporcionar o acesso à justiça para todos e construir instituições eficazes, responsáveis e inclusivas em todos os níveis”.

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU número 16 diz: “Promover sociedades pacíficas e inclusivas para o desenvolvimento sustentável, proporcionar o acesso à justiça para todos e construir instituições eficazes, responsáveis e inclusivas em todos os níveis”.

 

Mais sobre este ODS em https://nacoesunidas.org/pos2015/ods16 e notícias sobre o tema abaixo.

Durante o segundo semestre de 2019, o Empoderando Refugiadas promove workshops temáticos para mulheres refugiadas em São Paulo (SP) e Boa Vista (RR). Foto: Fellipe Abreu

Empresas e mulheres refugiadas reúnem-se em dinâmica de empregabilidade em SP

De um lado, empresas que buscam diversidade de talentos. De outro, mulheres refugiadas que necessitam de uma colocação no mercado de trabalho brasileiro. Foram estas necessidades que possibilitaram o encontro destes dois grupos para uma dinâmica de empregabilidade em São Paulo, na última segunda-feira (2).

O Empoderando Refugiadas está em sua quarta edição e trabalha a empregabilidade de mulheres em situação de refúgio em São Paulo (SP) e Boa Vista (RR), além do engajamento de empresas sobre a contratação de refugiadas e migrantes. O projeto é uma parceria entre a Rede Brasil do Pacto Global, a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) e a ONU Mulheres.

5ª Semana do Bebê tem o apoio do UNICEF e aborda direitos de gestantes, mães e seus bebês no sistema prisional do Rio de Janeiro. Foto: Renata Caldeira / Ponte.

Evento para debater maternidade no sistema prisional do Rio de Janeiro conta com apoio do UNICEF

Entre 5 e 7 de dezembro, a Unidade Materno Infantil (UMI), no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu (RJ), recebe a 5ª Semana do Bebê.

Evento é promovido pelo governo do estado do Rio de Janeiro por meio da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) e conta com o apoio do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), órgãos públicos e organizações da sociedade civil.

Objetivo é discutir o bem-estar e os direitos das gestantes, mães e bebês no sistema prisional do estado, com o tema “Ser mãe é transformar a vida em um novo começo”. Edição deste ano conta com rodas de conversa sobre direitos sexuais e reprodutivos; oficinas; atividades com familiares; e momentos de cuidados de beleza, incluindo desfile das mães e gestantes no último dia do evento.

Grupos de voluntários podem ser agentes de mudanças por meio do engajamento da comunidade e atuação das pessoas. Foto: Allyson Pallisser/UNV Brasil

ARTIGO: Voluntários oferecem tempo, habilidades e entusiasmo às comunidades do mundo

Em artigo, o administrador do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Achim Steiner, fala sobre a importância do trabalho dos voluntários para o combate às mudanças climáticas, para a prestação de cuidados e saúde e para a criação de oportunidades para as pessoas mais marginalizadas no mundo todo.

“Os notáveis resultados já alcançados pelas voluntárias e voluntários todos os dias mostram como é possível desempenhar um papel ativo na formação de um futuro mais brilhante, sustentável e inclusivo.” Leia o artigo completo.

Os venezuelanos Ricardo e Maria e seu filho de um mês moram em um abrigo em Manaus (AM). Foto: ACNUR/Santiago Escobar-Jaramillo

ACNUR elogia decisão do Brasil de reconhecer milhares de venezuelanos como refugiados

A Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) celebrou a decisão do Brasil de reconhecer a condição de refugiado de milhares de venezuelanos solicitantes desta situação. Cerca de 21 mil venezuelanos vivendo no país se beneficiaram da decisão tomada na quinta-feira (5) pelo Comitê Nacional de Refugiados (CONARE).

A partir de agora, venezuelanos e venezuelanas solicitantes da condição de refugiado que atenderem os critérios necessários terão seu procedimento acelerado, sem a necessidade de entrevista.

UNICEF pede urgência na investigação das mortes de adolescentes e jovens em Paraisópolis

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) pediu na quarta-feira (4) a apuração das circunstâncias e da responsabilidade pelas mortes de nove adolescentes e jovens durante baile na favela de Paraisópolis, em São Paulo (SP), na madrugada de domingo (1º).

“Diante da morte brutal de nove adolescentes e jovens na favela de Paraisópolis, em São Paulo, é necessário reafirmar: nenhuma vida vale menos”, disse o UNICEF em comunicado.

“Uma vida sem medo, sem racismo, sem violência é direito de cada criança, adolescente e jovem, independente do local onde more. Uma cidade que vem reduzindo os homicídios entre a sua população não pode aceitar a morte violenta de seus meninos e meninas. É urgente prevenir novas mortes”, disse o UNICEF.

Durante os 11 dias de protestos, pelo menos nove pessoas morreram e 1.507 ficaram feridas no Equador. Foto: EPA-EFE/Paola Aguilar.

Bachelet pede diálogo para evitar novos conflitos no Equador

A alta-comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, denunciou na última sexta-feira (29) o “alto custo humano” dos recentes conflitos no Equador. Durante os protestos ocorridos entre os dias 3 e 13 de outubro, pelo menos nove pessoas morreram e 1.507 ficaram feridas.

Após analisar as informações coletadas pela missão de investigação do Escritório do Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) no país, Bachelet encorajou que todos os atores sociais do país sul-americano dialoguem, a fim de evitar novos embates e criar uma sociedade inclusiva “com total respeito por sua natureza multicultural”.

“É de suma importância que a sociedade como um todo, com o governo como uma força orientadora, se reúna em busca de caminhos de entendimento mútuo com o objetivo de construir uma sociedade inclusiva, multicultural e pacífica”, ressaltou a liderança.

Segunda edição da Conferência de Políticas para Imigrantes da cidade de São Paulo contou com o apoio da Organização Internacional para as Migrações (OIM). Foto: Divulgação/OIM.

Em São Paulo, OIM apoia II Conferência Municipal de Políticas para Imigrantes

Entre 8 e 10 de novembro, cidade de São Paulo sediou a 2ª Conferência Municipal de Políticas para Imigrantes, com o apoio técnico da Organização Internacional para as Migrações (OIM).

Sob o tema “Somos todos cidadãos”, evento reuniu 383 pessoas de 42 nacionalidades e discutiu mais de 400 propostas relacionadas à participação social e aos direitos da população migrante no contexto local.

Na estratégia de interiorização promovida pela Operação Acolhida do governo federal, cidade se tornou o principal destino escolhido por migrantes e refugiados venezuelanos que chegam ao país pelo norte. Segundo o coordenador de projetos da OIM em São Paulo, Guilherme Otero, município “aponta um caminho interessante para muitas outras cidades brasileiras que enfrentam desafios semelhantes”.

Curso é oportunidade de geração de renda para pessoas como Odris Carolina, de 30 anos, engenheira industrial venezuelana que agora mora no Brasil. Foto: ACNUR/Felipe Irnaldo

Curso de manicure oferece alternativa de geração de renda para venezuelanas em Manaus

Como dizer “rojo” ou “amarillo” em português? Aprender cores e tintas em um novo idioma, além de técnicas básicas e avançadas de manicure e pedicure, tem sido a nova rotina de 25 venezuelanas moradoras do bairro do Coroado, na zona leste de Manaus (AM).

Uma parceria da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) com o Centro de Educação Tecnológica do Amazonas (CETAM) promoveu em outubro e novembro um curso de qualificação profissional para refugiadas e migrantes moradoras do bairro, com o objetivo de gerar renda e facilitar sua integração local, econômica e social.

A situação de insegurança em Mianmar para a minoria muçulmana rohingya está gerando uma das maiores crises humanitárias do mundo. Foto: ACNUR

Nações Unidas pedem US$29 bilhões para ajuda humanitária em 2020

Uma em cada 45 pessoas do planeta precisará de proteção humanitária em 2020. Para isso, são necessários 29 bilhões de dólares. O apelo está no Panorama Global Humanitário, lançado simultaneamente nesta quarta-feira (4) em Genebra, Berlim, Bruxelas, Londres e Washington.

As Nações Unidas, em colaboração com centenas de organizações humanitárias não governamentais, apresentou o resumo de seus planos para assistir 109 milhões de pessoas mais vulneráveis vivendo em crises humanitárias em todo o mundo.

São pessoas que precisam de comida, abrigo, atendimento médico, educação emergencial, proteção ou outra assistência básica em 53 países, do Afeganistão à Zâmbia.

Protestos têm sido liderados por jovens que expressam frustração com más perspectivas econômicas, sociais e políticas. Foto: ACNUDH.

Mais de 400 pessoas são mortas e 19 mil ficam feridas durante protestos no Iraque

Manifestantes protestam nas ruas do Iraque desde a primeira semana de outubro exigindo eleições livres, fim da corrupção generalizada, emprego e crescimento econômico. Mais de 400 pessoas foram mortas e 19 mil ficaram feridas durante as manifestações.

A representante especial do secretário-geral da ONU para o Iraque, Jeanine Hennis-Plasschaert, falou ao Conselho de Segurança da ONU a partir de Bagdá na terça-feira (3). Segundo ela, as regras de atuação das forças de segurança no país foram alteradas para garantir a segurança dos manifestantes, mas “a realidade é que o uso de munição real continua, dispositivos não letais continuam sendo usados ​de forma ​indevida, e prisões e detenções ilegais ocorrendo”.

No domingo (1), o Parlamento iraquiano aceitou o pedido de renúncia do primeiro-ministro, Adel Abdel Mahdi. As Nações Unidas pedem que os responsáveis pelas mortes durante os protestos sejam identificados e julgados.

Missão das Nações Unidas na República Democrática do Congo (MONUSCO) em patrulha. Foto: MONUSCO / Sylvain Liechti

Brasileiro assume Missão da ONU no Congo

O secretário-geral da ONU, António Guterres, anunciou a nomeação do general brasileiro Ricardo Augusto Ferreira Costa Neves como comandante do componente militar da Missão de Estabilização da ONU na República Democrática do Congo (MONUSCO). Ele sucede o general Elias Rodrigues Martins Filho, também brasileiro, que concluiu seu mandato em 31 de outubro.

Atualmente Diretor de Avaliação e Promoção no Comando do Exército Brasileiro, Costa Neves tem uma destacada carreira militar de mais de 30 anos, incluindo o Comando da Academia Militar.

Jan Jarab, representante na América do Sul do Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos - Foto: ACNUDH

Jan Jarab é novo representante do Escritório de Direitos Humanos da ONU para América do Sul

Já está em Santiago do Chile Jan Jarab, o novo Representante na América do Sul do Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos. De nacionalidade tcheca, Jarab chegou à região depois de três anos e meio liderando o Escritório da ONU Direitos Humanos no México.

Jarab tem como horizonte a melhoria dos direitos humanos para ampliar os espaços democráticos na região, que enfrenta importantes desafios.

Protagonistas do filme contaram suas trajetórias no evento de lançamento em São Luiz (MA). Foto: OIT

Produzido por OIT e MPT, documentário ‘Precisão’ emociona plateia no Maranhão

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) e o Ministério Público do Trabalho (MPT) lançaram na semana passada (28) em São Luís (MA) o documentário “Precisão”, que mostra a história de trabalhadores(as) resgatados(as) de condições análogas à escravidão.

Parte de um projeto de promoção dos princípios e direitos fundamentais do trabalho, o filme narra a trajetória de seis pessoas que decidiram contar suas experiências para alertar sobre esse crime. Dezenas de estudantes, autoridades e especialistas no tema participaram do evento.

Participantes de edições anteriores do programa Embaixadores da Juventude. Foto: UNODC

Prefeitura de São Paulo assina acordo para implementar Programa Embaixadores da Juventude

O Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) e a Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania do Município de São Paulo assinaram na sexta-feira (29) acordo de financiamento para implementar o Programa Embaixadores da Juventude no ano que vem.

A iniciativa tem o objetivo principal de aperfeiçoar capacidades de liderança, engajamento social e relacionamento interpessoal para garantir a melhor representação da juventude brasileira em espaços nacionais e internacionais de diálogo e tomada de decisão.

Elitânia de Souza da Hora, 25 anos, era ativista dos direitos humanos e uma promissora liderança jovem da Comunidade Quilombola do Tabuleiro da Vitória, no município de Cachoeira, na Bahia. Foto: Reprodução internet.

Agências da ONU pedem que caso de jovem assassinada na Bahia seja investigado e solucionado

Representantes do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) no Brasil e da ONU Mulheres divulgaram nesta terça-feira (3) uma nota sobre o assassinato da estudante Elitânia de Souza da Hora, de 25 anos, na cidade de Cachoeira, Bahia.

Elitânia era uma liderança da Comunidade Quilombola do Tabuleiro da Vitória, localizada na mesma cidade em que foi violentamente assassinada a tiros na última quarta-feira (27), a despeito de uma medida protetiva concedida pela Justiça em prol de sua segurança. A suspeita é de que a jovem tenha sido vítima de feminicídio.

Cerimônia de encerramento do Festival Cine Migração 2018, no Cairo, capital do Egito. Foto: OIM.

Festival Cine Migração da OIM exibe filmes em sete cidades brasileiras

Organização Internacional para as Migrações (OIM) inaugura nesta terça-feira (3) o Festival Global de Cinema sobre Migração (ou Cine Migração).

Realizado pela OIM desde 2016, o festival deste ano apresenta no Brasil uma seleção de nove filmes (três longas e seis curtas) “que abordam os desafios da migração e as contribuições únicas que os migrantes trazem para suas novas comunidades”, contou o chefe de missão da OIM no Brasil, Stéphane Rostiaux.

Com exibições em cinemas, auditórios e até abrigos para refugiados, a programação vai até 22 de dezembro e ocorre em sete cidades brasileiras: Curitiba, que sedia nesta terça-feira (3) o evento de abertura, Boa Vista, Brasília, Belo Horizonte, Manaus, São Paulo e Pacaraima, em Roraima, que abriga grande número de venezuelanos que chegam ao Brasil.

Departamento da ONU promove treinamento de segurança a funcionários e parceiros no Rio de Janeiro

O Departamento de Salvaguarda e Segurança das Nações Unidas (UNDSS) no Brasil ofereceu, entre 26 e 28 de novembro, o XII Treinamento SSAFE (Secure Approaches in Field Environments ) no Rio de Janeiro. Objetivo do treinamento é garantir a segurança dos funcionários do Sistema ONU e capacitá-los a enfrentar situações de risco em suas atividades.

Participaram 32 funcionários das Nações Unidas no Brasil, representantes de Organizações Não Governamentais (ONGs) parceiras e outras instituições estaduais – entre as quais a Cruz Vermelha Brasileira (CVB); Processo APELL; Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro (PMERJ); e Escola de Defesa Civil.

Quando mulheres e meninas não têm acesso a serviços de saúde reprodutiva, insumos e informações, têm menos poder de escolha sobre seus corpos. Foto: UNFPA/Solange Souza

UNFPA: equidade de gênero é chave para desenvolvimento sustentável

A uma plateia de defensores públicos e procuradores, a representante do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) no Brasil, Astrid Bant, afirmou que a equidade de gênero é chave para alcançar o desenvolvimento sustentável e a defesa dos direitos humanos.

Astrid lembrou que a igualdade de gênero é um dos principais temas que norteiam o Plano de Ação da Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento (CIPD), ocorrida em 1994, no Cairo.

Na ocasião, 179 países concordaram que os direitos reprodutivos fazem parte dos direitos humanos, e que a desigualdade entre homens e mulheres são uma barreira para o exercício de ambos. Quando mulheres e meninas não têm acesso a serviços de saúde reprodutiva, insumos e informações, têm menos poder de escolha sobre seus corpos.

Menina nigeriana, grávida de gêmeos após ser forçada a se prostituir após sua chegada à Itália pela rota do Mar Mediterrâneo. Foto: Unicef | Alessio Romenzi.

ONU: Dia Internacional chama atenção para formas contemporâneas de escravidão

O Dia Internacional para a Abolição da Escravidão (2 de dezembro) deste ano foca na erradicação das formas contemporâneas desse tipo de crime. O dia internacional marca a data da adoção, pela Assembleia Geral da ONU, da Convenção das Nações Unidas para a Supressão do Tráfico de Pessoas e a Exploração da Prostituição.

De acordo com a ONU, o mundo tem mais de 40 milhões de vítimas da escravidão contemporânea – cerca de 25% das vítimas são crianças; e mulheres e meninas são as mais afetadas, representando 99% das vítimas na indústria comercial do sexo e 58% em outros setores.

Depois de comerem juntas, participantes do Femme Debout cantam e dançam em Bangui, República Centro-Africana. Foto: ACNUR | Adrienne Surprenant.

Com apoio do ACNUR, mulheres na República Centro-Africana criam grupo para superar efeitos da guerra

Na República Centro-Africana, um conflito entre grupos armados muçulmanos e cristãos se espalhou pelo país em 2013. Afetadas pelos traumas e perdas causados por anos de conflito no país, mulheres criaram um grupo para cuidar umas das outras e discutir seus problemas e conquistas.

Chamado “Femme Debout” (“Mulheres de Pé”, na tradução livre), o grupo se reúne semanalmente sob a liderança de Florence Atanguere, uma mãe e viúva de 51 anos centro-africana. Ela e as demais mulheres foram vítimas de terríveis atos de violência, incluindo assassinatos brutais de membros da família e violência sexual.

Apoiada pela Agência das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR), por meio da agência parceira PARET, a associação tem 175 integrantes, cristãs e muçulmanas, que convivem em paz. Na associação, elas aprendem habilidades diferentes e dispõem de um fundo financeiro que as auxilia em momentos de emergência.

Trabalhador de saúde cuida de criança em isolamento em centro de tratamento do ebola em Beni, Kivu do Norte, República Democrática do Congo. Foto: UNICEF/Guy Hubbard

Ataques matam agentes da saúde que combatiam ebola na República Democrática do Congo

Grupos armados reivindicaram os ataques que mataram quatro profissionais de saúde que combatiam o ebola e feriram outros cinco no leste da República Democrática do Congo.

O ataque aconteceu no campo de Biakato Mines e em um escritório de coordenação de resposta ao ebola. A informação foi confirmada pelo chefe da Organização Mundial da Saúde (OMS) na quinta-feira (28).

A agência da ONU, que pediu o fim dos ataques, afirmou que os ataques podem reverter progressos significativos contra a epidemia que assola o país desde agosto de 2018. Nas últimas semanas, o número de infecções caiu.

A 2ª edição do Circuito Urbano terá como tema geral “Cidades Inovadoras e Inclusivas” e como pergunta inspiradora “Como a inovação pode aprimorar serviços e políticas urbanas de maneira inclusiva e sustentável?”. Foto: ONU-Habitat/Lucille Kanzawa

UNICEF alerta para alto número de homicídios de adolescentes no Brasil

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) reuniu lideranças empresariais em São Paulo (SP) na quinta-feira (28) para discutir a importância de se garantir os direitos de crianças e adolescentes no país. Na ocasião, a representante da agência no Brasil, Florence Bauer, alertou sobre o alto número de assassinatos de adolescentes.

“São 32 adolescentes assassinados por dia. Nenhum país em guerra tem esses números. O Brasil é o país com mais homicídios de adolescentes no mundo”, alertou Bauer, defendendo políticas públicas que garantam a igualdade de direitos.

Sede da ONU, em Nova Iorque. Foto: ONU/Manuel Elias

Fundo da ONU para democracia oferece financiamento a organizações da sociedade civil

O Fundo de Democracia das Nações Unidas (UNDEF) convida organizações da sociedade civil de todo mundo a se inscrever até 22 de dezembro em seu projeto de financiamento.

O UNDEF apoia projetos que empoderem a sociedade civil, promovam direitos humanos e encorajem a participação de todos grupos sociais no processo democrático.

Serão recebidas propostas de projetos em todas as áreas e, nesta edição, é incentivado o envio de projetos relacionados à mídia e à liberdade de imprensa.

Combate à discriminação racial e às desigualdades de gênero será foco das próximas parcerias entre o UNFPA e os governos da Bahia e de Salvador. Foto: Marcha Mundial das Mulheres Bahia/Facebook (via EBC)

UNFPA firma parceria com Bahia para defender igualdade racial e direitos das mulheres

O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) assinou na quarta-feira (27), em Salvador (BA), dois termos de cooperação técnica com órgãos do Governo do Estado da Bahia, com o objetivo de impulsionar ações de saúde sexual e reprodutiva, igualdade racial e de defesa dos direitos das mulheres.

O acordo foi firmado com a Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM) e a Secretaria de Promoção da Igualdade Racial (Sepromi). O evento de assinatura dos termos teve a presença da nova representante do UNFPA no Brasil, Astrid Bant.

À esquerda: Ajna Jusic, Presidente da Associação "Filhos Esquecidos da Guerra"; no centro: Phumzile Mlambo-Ngcuka, Diretora Executiva da ONU Mulheres; e à direita, Maria Luiza Ribeiro Viotti, chefe de gabinete do secretário-geral da ONU, discursa na comemoração oficial do Dia Internacional para Eliminação da Violência contra Mulheres. Foto: ONU | Evan Schneider.

ONU: Violência contra mulher é uma barreira para um futuro de paz para todos

A comemoração oficial das Nações Unidas para o Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres (25 de novembro) ocorreu na última segunda-feira (25), na Câmara do Conselho Econômico e Social das Nações Unidas (ECOSOC), na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque.

Evento deu início aos 16 Dias de Ativismo contra a violência de gênero, que neste ano tem como tema “Geração Igualdade contra o estupro!”, e contou com a presença de oficiais das Nações Unidas – que prestaram solidariedade a vítimas de violência contra mulher e a ativistas que trabalham para acabar com essa violação.

Segundo a vice-secretária geral da ONU, Amina Mohammed, o estupro e outras formas de violência de gênero “causam enormes prejuízos econômicos, políticos e sociais a indivíduos, famílias e Estados-nação, e continuam sendo um obstáculo para atingir a igualdade, o desenvolvimento, a paz e o cumprimento dos direitos humanos de mulheres e meninas”.

Moisés brinca de ser jornalista, entrevistando refugiados em frente a seus abrigos no abrigo Rondon 3, em Boa Vista (RR). Foto: ACNUR/Vincent Tremeau

Menino de 10 anos entrevista refugiados e migrantes venezuelanos em abrigo de Roraima

O venezuelano Moisés, de 10 anos, habituou-se a percorrer as tendas do abrigo temporário para refugiados e migrantes em Boa Vista (RR) – onde vive com sua família há um ano -, em busca de boas histórias.

Com uma câmera de papelão e um microfone de plástico, ele entrevista pessoas venezuelanas interessadas em contar suas trajetórias, mesmo que o resultado da conversa não seja gravado para a posteridade.

“Pergunto às pessoas como foi sua jornada da Venezuela até o Brasil”, explica o aspirante a repórter. “As responsabilidades de um jornalista são contar as notícias, falar com as pessoas e informar bem.” Leia o relato da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR).

A oficina é parte das ações desenvolvidas pelas agências das Nações Unidas visando acelerar a resposta humanitária e garantir direitos de todos os venezuelanos que buscam refúgio no Brasil. Foto: ACNUR

Santarém (PA) promove oficinas de saúde para lembrar dois anos do acolhimento de venezuelanos

A Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e a Prefeitura de Santarém (PA) realizam até sexta-feira (29) o evento Santarém Acolhedora, lembrando o aniversário de dois anos da Casa de Acolhimento para Adultos e Famílias (CAAF), que abriga famílias venezuelanas.

A programação prevê oficina para aceleração da resposta no cuidado à atenção à saúde integral da população venezuelana abrigada em Santarém.

A iniciativa é parte das ações desenvolvidas pelas agências das Nações Unidas visando acelerar a resposta humanitária e garantir direitos de todos os venezuelanos que buscam refúgio no Brasil.

O retorno voluntário assistido e a reintegração é um componente indispensável da abordagem integrada à gestão da migração. O objetivo é promover o retorno e a reintegração de migrantes que não podem ou não querem permanecer em seus países de acolhimento – de modo ordenado e humano – e desejam regressar voluntariamente aos seus países de origem. A implementação bem-sucedida desses programas requer a cooperação e a participação de uma ampla gama de interlocutores – incluindo migrantes, sociedade civil e governos, tanto nos países anfitriões quanto nos países de origem. As parcerias entre a Organização Internacional para as Migrações (OIM) e várias partes interessadas nacionais e internacionais são essenciais para a implementação efetiva desses programas, desde a fase de pré-retorno até a etapa de reintegração.

OIM: migrantes internacionais somam 272 milhões, 3,5% da população global

Enquanto a maior parte da população global permanece vivendo no país de nascença, cada vez mais pessoas estão migrando em busca de melhores oportunidades, especialmente de emprego, segundo relatório publicado nesta quarta-feira (27) pela Organização Internacional para as Migrações (OIM).

O documento estimou a existência e ao menos 272 milhões de migrantes internacionais no mundo em 2019, o que corresponde a 3,5% da população mundial. Esse número representa um aumento de 23% na comparação com 2010, quando havia 220,78 milhões de migrantes, ou 3,2% da população global, segundo dados da OIM.

Participantes da roda de conversa sobre direitos LGBTQI+ promovida pelo UNFPA em Brasília (DF). Foto: UNFPA

Fundo de População da ONU promove rodas de conversa para apoio à comunidade LGBTQI+

Escutar e compartilhar vivências de resiliência e empatia foi a proposta da roda de conversa promovida pelo Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) em Brasília (DF) com representantes da comunidade LGBTQI+.

Foram detalhados problemas, mas também lutas e conquistas, principalmente no que se diz respeito à visibilidade e à participação.

“Por meio de nossas histórias podemos ir adiante. Saber que uma pessoa LGBTQI+ avança por seus direitos nos ajuda a seguir vivendo e tendo esperança”, disse o venezuelano Angel Daniel.

Refugiados e migrantes venezuelanos perto da fronteira entre Colômbia e Venezuela. Foto: ACNUR/Siegfried Modola

Consulta na América do Sul encaminha propostas ao Fórum Global para Refugiados

Realizada pela Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) e parceiros, a primeira consulta regional de ONGs e sociedade civil sobre o deslocamento na América do Sul aconteceu no Rio de Janeiro (RJ) na semana passada (21 e 22).

A América Latina recebe mais de 12 milhões de pessoas deslocadas, incluindo cerca de 4,6 milhões de refugiados e migrantes venezuelanos que deixaram seu país em busca de proteção ou melhores condições de vida.

Nesse sentido, sociedade civil e setores público e privado desempenham papel fundamental para garantir que refugiados tenham acesso à ajuda humanitária, sistemas de proteção e soluções efetivas.

ONU condena ataque que matou um funcionário da organização no Afeganistão

Um funcionário das Nações Unidas foi morto e duas outras pessoas ficaram feridas quando o veículo em que estavam foi atacado na capital afegã, Cabul, no domingo (24).

A Missão de Assistência da ONU no Afeganistão (UNAMA) e o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, condenaram o ataque e pediram investigação rápida para levar os responsáveis à Justiça.

O ataque ocorre em um momento de recrudescimento da violência no Afeganistão, que tem deixado alto número de vítimas fatais entre a população civil.

OIT e MPT lançam documentário sobre pessoas resgatadas de trabalho escravo no Brasil

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) e o Ministério Público do Trabalho (MPT), com apoio do governo do Maranhão, lançam na quinta-feira (28) em São Luiz o documentário “Precisão”, que conta a história de pessoas resgatadas de condições análogas ao trabalho escravo no Brasil.

“Precisão” é a palavra utilizada pelo maranhense para definir a extrema necessidade de lutar pela sua sobrevivência. Vulneráveis sócio e economicamente, é por “precisão” que brasileiros e brasileiras acabam submetidos a essas condições de trabalho no Brasil.

Os protagonistas estarão presentes no lançamento do documentário na capital maranhense e participarão de uma roda de conversa para contar suas experiências.

OIM busca sensibilizar setor privado sobre a inclusão de migrantes vulneráveis no mercado de trabalho brasileiro. Foto: Pacto Global/Fellipe Abreu

OIM realiza capacitação para políticas destinadas a migrantes em situação de vulnerabilidade

A Organização Internacional para as Migrações (OIM) realiza na quinta-feira (28) mais uma capacitação voltada à implementação de políticas para migrantes em situação de vulnerabilidade no mercado de trabalho. Esta edição ocorre pela primeira vez no Nordeste, em Recife (PE), e é aberta ao público.

O objetivo do evento é sensibilizar o setor privado para a inserção laboral de pessoas refugiadas e migrantes, esclarecendo mitos e dúvidas sobre o processo de contratação, prestação de assistência e documentação.

Vista de La Paz, Bolívia. Foto: Carakan/Flickr/CC

ONU elogia avanços na Bolívia para chegar a solução pacífica e democrática à crise

O secretário-geral da ONU, António Guterres, elogiou os avanços positivos anunciados este fim de semana para uma solução pacífica e democrática da crise na Bolívia, informou seu porta-voz na terça-feira (25). Ele, no entanto, pediu o fim da retórica de intolerância no país.

Guterres deu boas-vindas à aprovação unânime da legislação para estabelecer um novo Tribunal Supremo Eleitoral que convocará eleições gerais o mais rápido possível. Segundo ele, as Nações Unidas estarão prontas para apoiar esse processo.

Um dos destaques da programação é a participação de adolescentes, internos e egressos do sistema, em atividades ligadas à arte, cultura, participação política e esportes. Foto: Pexels/CC.

Adolescentes e internos participam de seminário no DF sobre sistema socioeducativo

O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) apoiou a realização em Brasília (DF) do II Simpósio Nacional em Socioeducação, cujo objetivo foi discutir formas de enfrentar os desafios para aprimorar o sistema socioeducativo brasileiro.

Um dos destaques da programação foi a participação de adolescentes, internos e egressos do sistema em atividades ligadas a arte, cultura, participação política e esportes.

Evento no Rio de Janeiro comemorou os 30 anos da Convenção sobre os Direitos da Criança. Foto: UNICEF/Byron Prujansky

Evento no Rio debate desafios e avanços dos 30 anos da Convenção sobre os Direitos da Criança

Trinta e duas meninas e meninos são mortos todos os dias no Brasil. Isso significa que mais de 11 mil jovens são vítimas de homicídio por ano, número que, em 2015, superou as estatísticas de crianças assassinadas na Síria (7,6 mil) – país que há oito anos vive em estado de guerra civil.

Estes dados, coletados entre 1990 e 2017, fazem parte do relatório apresentado pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) na última quinta-feira (21), no Rio de Janeiro (RJ), durante o evento que comemorou os 30 anos da Convenção sobre os Direitos da Criança.

Procissão em Copenhague, na Dinamarca, alerta para violência contra a mulher. Foto: ONU Mulheres/Nicolai Zoffmann

Luta contra o estupro é tema de Dia Internacional para Eliminação da Violência contra Mulheres

A violência contra mulheres e meninas é a violação de direitos humanos mais comum no mundo. Muitas vezes, casos não são denunciados por conta de impunidade, vergonha e desigualdades de gênero, destacou a ONU em mensagem para o Dia Internacional para Eliminação da Violência contra Mulheres, lembrado nesta segunda-feira (25).

Os números mostram uma realidade assustadora: um terço de todas as mulheres e meninas no mundo enfrentaram violência física ou sexual durante a vida. Metade das mulheres mortas em todo o mundo foram assassinadas por seus parceiros ou familiares, e a violência perpetuada contra mulheres é a causa de morte e geração de incapacidade mais comum entre mulheres em idade reprodutiva.

Cúpula de Nairóbi gera compromissos para garantir direitos de mulheres e meninas no mundo

A Cúpula de Nairóbi foi concluída na semana passada na capital queniana com compromissos para acabar com todas as mortes maternas no mundo, assim como atender as necessidades de contracepção e de combate à violência de gênero e práticas nocivas contra mulheres e meninas até 2030.

“A Cúpula de Nairóbi representa uma visão renovada da comunidade trabalhando em conjunto para agir e cumprir. Juntos, faremos dos próximos dez anos uma década de ação e resultados para mulheres e meninas, mantendo seus direitos e escolhas no centro de tudo o que fazemos”, disse a diretora-executiva do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), Natalia Kanem.

Instalação artística na Cidade do México homenageia as mulheres vítimas de feminicídio. Obra foi realizada para o Dia Internacional da Mulher de 2018, lembrado em 8 de março. Foto: ONU Mulheres/Dzilam Mendez

CEPAL: 3,5 mil mulheres foram vítimas de feminicídio na América Latina e Caribe em 2018

Ao menos 3.529 mulheres foram assassinadas em 2018 por razões de gênero em 25 países da América Latina e do Caribe, segundo dados oficiais compilados anualmente pelo observatório de igualdade de gênero da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL).

Quatro das cinco taxas mais altas de feminicídio na América Latina foram registradas nos países do norte da América Central (El Salvador, Honduras e Guatemala) e na República Dominicana.

Os dados foram divulgados no Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres, que dá início aos 16 dias de ativismo até 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos.

Foto: Governo da Paraíba

Com apoio do PNUD, Paraíba lança Plano de Promoção da Igualdade Racial

O governo da Paraíba lançou na quarta-feira (20), Dia da Consciência Negra, o Plano Estadual de Promoção da Igualdade Racial da Paraíba, que teve o apoio do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

O documento tem como base a luta do movimento negro local, que propõe que as demandas da população negra, povos originários e comunidades tradicionais entrem na agenda de execução de políticas públicas do estado.

Pessoas refugiadas e solicitantes de refúgio no Brasil terão isenção de pagamento de taxas para a revalidação de seus diplomas na Universidade Federal do ABC (UFABC). Foto: ACNUR/Fellipe Abreu

UFABC isenta refugiados e solicitantes de refúgio de pagamento para revalidar diploma

A Universidade Federal do ABC (UFABC) aprovou a isenção de pagamento das taxas de revalidação e reconhecimento de diplomas de graduação e pós-graduação stricto sensu para os refugiados e solicitantes de refúgio no Brasil.

A UFABC é integrante da Cátedra Sérgio Vieira de Mello (CSVM), iniciativa promovida pela Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) no Brasil com o objetivo de estimular o ensino e a pesquisa acadêmica sobre deslocamento forçado e apatridia, assim como ações de apoio à população refugiada – incluindo seu acesso ao ensino superior e à validação de diplomas.