Paz; justiça e instituições eficazes

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU número 16 diz: “Promover sociedades pacíficas e inclusivas para o desenvolvimento sustentável, proporcionar o acesso à justiça para todos e construir instituições eficazes, responsáveis e inclusivas em todos os níveis”.

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU número 16 diz: “Promover sociedades pacíficas e inclusivas para o desenvolvimento sustentável, proporcionar o acesso à justiça para todos e construir instituições eficazes, responsáveis e inclusivas em todos os níveis”.

 

Mais sobre este ODS em https://nacoesunidas.org/pos2015/ods16 e notícias sobre o tema abaixo.

Diretor-executivo do UNICEF, Anthony Lake, segura criança de oito meses em Alsamah, no Iraque. Foto: UNICEF/Anmar

‘Iraque é um país de esperança em meio aos destroços da guerra’, diz chefe do UNICEF

Cerca de 1,4 milhão de crianças foram deslocadas pela violência no Iraque e 200 mil crianças permanecem presas em Mossul, onde persistem fortes combates entre forças do governos e o Estado Islâmico do Iraque e do Levante (ISIL). No entanto, as crianças têm o poder de tirar o país do conflito e trazer um futuro de paz, afirmou o diretor-executivo do UNICEF, Anthony Lake, após visita à região.

Crianças dos povos indígenas Senú celebram a inauguração do espaço comunitário Casa do Saber. Foto: ACNUR/ A.Méndez

Agência da ONU apoia Casa do Saber em povoado indígena da Colômbia

A Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) apoiou a criação de uma Casa do Saber no povoado indígena de Senú, localizada na reserva de San Andrés de Sotavento, no departamento de Córdoba, ao norte da Colômbia. O local terá espaço de escolarização e intercâmbio de conhecimentos.

Os grupos étnicos na Colômbia sofreram intensamente os efeitos do conflito armado interno. Dos 7,3 milhões de deslocados do país, estima-se que cerca de 3% pertençam à população indígena e 10% sejam afrodescendentes.

Presídio de Águas Lindas, em Goiás, em 2009. Foto: Antonio Cruz/ABr

Tuberculose é problema de saúde nas Américas; incidência é alta nos presídios brasileiros

As Américas reduziram consideravelmente o número de novos casos e de mortes por tuberculose nos últimos 25 anos. No entanto, estima-se que quase 270 mil pessoas tenham contraído a doença em 2015 e quase 50 mil não sabem que estão doentes. Nos presídios brasileiros, a incidência da doença entre detentos é muito maior quando comparada à população em geral.

No marco do Dia Mundial da Tuberculose, 24 de março, a Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) convoca todos a trabalharem juntos para pôr fim à doença e não deixar ninguém para trás.

Sede da Coordenação da ONU em Brasília. Foto: PNUD/divulgação

Sistema ONU no Brasil divulga comunicado sobre assassinatos de defensores de direitos humanos

O Sistema das Nações Unidas no Brasil divulgou nesta sexta-feira (24) uma nota sobre os assassinatos de dois defensores de direitos humanos no Brasil.

Waldomiro Costa Pereira, militante do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), foi assassinado dentro da UTI de um hospital na cidade de Parauapebas, no Pará. Em Ronda Alta, no Rio Grande do Sul, o cacique Antonio José Mig Claudino foi assassinado com cinco tiros dentro de um bar numa aldeia onde há disputa de terras.

Refugiado participa da Copa dos Refugiados de 2015, evento promovido para dar visibilidade à causa do refúgio e promover a integração desta população por meio do esporte. Foto: ACNUR / Emiliano Capozoli

Copa dos Refugiados reunirá 110 atletas em Porto Alegre no próximo domingo

Para promover a inclusão social e cultural de pessoas que buscaram refúgio no Brasil, acontece no próximo domingo (26) em Porto Alegre (RS) a Copa dos Refugiados. O evento futebolístico terá oito times, totalizando 110 atletas migrantes e refugiados de países como Senegal, Angola, Haiti, Venezuela, Colômbia e Peru.

A Copa é uma realização da Ponto, agência de inovação social, em parceria com entidades e empresas apoiadoras como a Associação Antônio Vieira (ASAV), Associação Buriti de Arte, Cultura e Esporte (ABACE), Arena do Grêmio, Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), Grêmio Foot-ball Porto Alegrense e Prefeitura Municipal de Porto Alegre, entre outras entidades e organizações da sociedade civil.

Crise de refugiados do Sudão do Sul é a maior da África. Foto: ACNUR/David Azia

Crise de refugiados fugindo do Sudão do Sul é a que cresce mais rapidamente no mundo, diz ONU

Atualmente, o número de pessoas que deixou o Sudão do Sul para buscar segurança em nações vizinhas é de 1,6 milhão. Em março, novas chegadas a territórios estrangeiros atingiram uma máxima de mais de 5 mil por dia. Uganda é o país mais sobrecarregado, com 800 mil sul-sudaneses.

Segundo a ONU, arrecadações para as vítimas de deslocamento forçado vivendo em outros países atingiram apenas 8% da meta de 781,8 milhões de dólares.

Durante encontro na sede da ONU em Nova York, a sobrevivente do genocídio do povo yazidi Nadia Murad pediu investigação dos crimes do Estado Islâmico do Iraque e do Levante (ISIL/Da'esh). “O que mais [a comunidade internacional] precisa ouvir antes de agir” e responsabilizar o ISIL por seus crimes, questionou Murad. Ela pediu que o governo iraquiano e as Nações Unidas estabeleçam uma investigação e deem a todas as vítimas do ISIL a justiça que elas merecem.

‘O que mais vocês precisam ouvir antes de agir’, diz ativista yazidi na ONU

Durante encontro na sede da ONU em Nova York, a sobrevivente do genocídio do povo yazidi Nadia Murad pediu investigação dos crimes do Estado Islâmico do Iraque e do Levante (ISIL/Da’esh). “O que mais [a comunidade internacional] precisa ouvir antes de agir” e responsabilizar o ISIL por seus crimes, questionou Murad. Ela pediu que o governo iraquiano e as Nações Unidas estabeleçam uma investigação e deem a todas as vítimas do ISIL a justiça que elas merecem.

No Dia Mundial de Luta contra a Aids, ONU pediu “espírito intransigente” para colocar fim à epidemia até 2030. Foto: ONU

Fundo de População da ONU passa a presidir grupo de trabalho sobre HIV/AIDS

O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) assumiu esta semana (20) o lugar do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) na liderança do Grupo Temático Ampliado do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (GT/UNAIDS) no Brasil durante o novo biênio 2017-2018.

“As discussões no âmbito do GT/UNAIDS tem sido de altíssimo nível e bastante estratégicas, com a participação do mais alto escalão do governo, da ONU e de organizações parceiras, para que esse grupo ampliado possa pautar o debate nacional sobre HIV e temas relacionados como Direitos Humanos”, explica Georgiana Braga-Orillard, diretora do UNAIDS no Brasil.

Estudantes assistem a espetáculo na escola Barros Barreto, em Salvador, Bahia. A performance abordava temas sociais como racismo e discriminação por gênero. Foto: UNICEF/Claudio Versiani

Em dia internacional, ONU pede que países combatam discursos de ódio

Na ocasião do Dia Internacional para a Eliminação da Discriminação Racial, o secretário-geral da ONU, António Guterres, disse todos têm um papel a cumprir e uma responsabilidade coletiva no combate à intolerância e à disseminação do ódio.

“Parece que estamos vivendo em um mundo cada vez mais intolerante e mais dividido. A discriminação e a violência estão crescendo. As pessoas estão sendo alvo por sua raça, nacionalidade, etnia, religião ou orientação sexual”, declarou. “Políticos e líderes precisam se manifestar e conter o discurso de ódio”, completou.

Angelina Jolie participou da conferência anual em memória a Sérgio Vieira de Mello. Foto: ACNUR/Mark Henley

Angelina Jolie: ‘se líderes não mantêm internacionalismo vivo, somos nós que devemos fazê-lo’

‘Temos que desafiar a ideia de que os líderes mais fortes são os mais dispostos a ignorar os direitos humanos em favor do interesse nacional’, declarou Angelina Jolie em evento na sede da ONU, em Genebra, organizado para lembrar a memória do diplomata brasileiro Sérgio Vieira de Mello. A atriz afirmou que cidadãos devem manter internacionalismo e senso de justiça vivos no mundo.

Foto: upslon/Flickr

ONU Mulheres recebe inscrições para Grupo Assessor da Sociedade Civil

A ONU Mulheres recebe candidaturas de representantes de organizações e redes da sociedade civil brasileira para o Grupo Assessor da Sociedade Civil (Brasil). O prazo de inscrição vai até 30 de abril por meio do e-mail onumulheres@unwomen.org.

Os Grupos Assessores da Sociedade Civil da ONU Mulheres são espaços globais, regionais e nacionais com o propósito de facilitar consultas efetivas, contínuas e estruturadas entre a sociedade civil e a ONU Mulheres.

O acesso humanitário no Iêmen pode ser limitado em breve a alguns quilômetros nas principais cidades, deixando as comunidades rurais em extrema necessidade de ajuda. Foto: FAO/Rawan Shaif

ONU alerta: 17 milhões de pessoas estão com fome no Iêmen

“Vinte das 22 províncias do país estão em situação de emergência e ou em fases críticas de insegurança alimentar, e quase dois terços dos iemenitas estão enfrentando a fome e necessitam urgentemente de ajuda para salvar suas vidas e os meios de subsistência”, afirmou a agência agrícola e alimentar da ONU, a FAO. Chefe do Programa Mundial de Alimentos da ONU (PMA) visitou país e falou em “corrida contra o tempo” para salvar vidas.

Jovens mulheres na Colômbia forçadas à exploração sexual. Foto: UNICEF/ Donna DeCesare

‘Escravidão não é coisa do passado’, alerta secretário-geral da ONU

Organização Internacional do Trabalho (OIT) calcula que 21 milhões de pessoas em todo o mundo são vítimas de trabalho forçado e exploração extrema. Estimativas são de que os lucros anuais cheguem a 150 bilhões de dólares.

De acordo com o último relatório global de tráfico de pessoas do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC), as vítimas desse crime são encontradas em 106 de 193 países. Muitas delas estão em áreas de conflito, onde os crimes não são processados.

No que diz respeito à participação das mulheres no Poder Legislativo, Brasil ficou atrás de países como Turquia, Gabão, Paraguai e China. Foto: Senado Federal

Brasil fica em 167º lugar em ranking de participação de mulheres no Executivo, alerta ONU

A ONU Mulheres, em parceria com União Interparlamentar (UIP), lançou na quarta-feira (15) um panorama sobre a participação política das mulheres no mundo. Com apenas uma ministra, o Brasil ficou na 167ª posição no ranking mundial de participação de mulheres no Executivo, que analisou 174 países.

Em relação ao ranking da participação no Congresso, o país ficou na 154ª posição, com 55 das 513 cadeiras da Câmara ocupadas por mulheres, e 12 dos 81 assentos do Senado preenchidos por representantes femininas.

Quase 3 milhões de sírios menores de 5 anos cresceram sem saber como é viver em um país sem conflitos. Foto: ACNUR

ACNUR lança campanha digital para ajudar vítimas da guerra da Síria

Para marcar os seis anos do conflito na Síria, iniciado em meados de março de 2011, a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) lança uma campanha digital de captação de doações a fim de amenizar o contínuo sofrimento que afeta milhões de civis inocentes no país. É possível doar qualquer quantia, em reais.

A Síria tem hoje 13,5 milhões de pessoas precisando de ajuda humanitária, incluindo 3 milhões de crianças que crescem sem saber como é viver num país livre de conflitos. Mais de 4,9 milhões de sírios – a maioria crianças e mulheres – refugiaram-se em países vizinhos.

Seminário Internacional sobre Reforma Previdenciária - Foto: Agência Câmara

Seminário Internacional aponta que é necessário diálogo na reforma previdenciária

Especialistas alertam que é necessário dialogar com a sociedade sobre a reforma previdenciária e não restringir as mudanças apenas à sustentabilidade fiscal do sistema.

Seminário internacional sobre o tema reuniu em Brasília diversos especialistas, incluindo o ex-ministro da Fazenda do Chile e atual assessor regional da Comissão Econômica da ONU para a América Latina e o Caribe (CEPAL), Alberto Arenas.

Secretário-geral da ONU, António Guterres. Foto: ONU/Jean-Marc Ferré

‘Paz na Síria é imperativo moral e político’, diz António Guterres marcando seis anos de guerra

“Há seis anos, o povo da Síria tem sido vítima de um dos piores conflitos do nosso tempo”, disse o secretário-geral, pedindo que as partes se envolvam nos diálogos que ocorrem atualmente em Genebra (Suíça) e Astana (Cazaquistão).

Desde 2011, cerca de 6,3 milhões de pessoas já foram deslocadas devido à guerra na Síria. Outras 4,9 milhões de pessoas – em sua maioria mulheres e crianças – foram forçadas a buscar abrigo em outros países, segundo a ONU.