Vida terrestre

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU número 15 diz: “Proteger, recuperar e promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres, gerir de forma sustentável as florestas, combater a desertificação, deter e reverter a degradação da terra e deter a perda de biodiversidade”.

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU número 15 diz: “Proteger, recuperar e promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres, gerir de forma sustentável as florestas, combater a desertificação, deter e reverter a degradação da terra e deter a perda de biodiversidade”.

 

Mais sobre este ODS em https://nacoesunidas.org/pos2015/ods15 e notícias sobre o tema abaixo.

Membro das forças de paz da ONU planta árvore em El Fasher, no Sudão. Foto: ONU/Albert Gonzalez Farran

Meio ambiente também é vítima de guerras e conflitos, diz chefe da ONU

Lembrando o Dia Internacional para a Prevenção da Exploração do Meio Ambiente em Tempos de Guerra e Conflito Armado, 6 de novembro, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, ressaltou a necessidade de reconhecer que o meio ambiente também é vítima das guerras.

“Áreas da Europa ainda são afetadas por contaminação por metais pesados de munições utilizadas durante a Primeira Guerra Mundial”, disse Guterres.

Seminário discutirá a importância dos jardins botânicos, papel dos setores público e privado, soluções locais e interface entre ciência e tecnologia. Foto: Instituto Inhotim.

BID e Inhotim realizam seminário internacional sobre mudança do clima e biodiversidade

O Instituto Inhotim e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) realizam entre 29 de novembro e 1º de dezembro em Brumadinho (MG) o seminário internacional “Mudança Climática e Biodiversidade: Ideias e Atitudes que Fazem Diferença”. O evento reunirá especialistas brasileiros e estrangeiros, e as palestras terão transmissão ao vivo pela Internet.

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) participará do evento, moderando a mesa de debate “Interface entre ciência, tecnologia e tomada de decisão pública e privada para o combate à mudança climática”.

Seminário no Rio discutiu acúmulo de lixo nos mares e oceanos. Foto: EBC

No Rio, especialistas buscam soluções para problema sistêmico do lixo nos oceanos

A responsabilidade sobre as toneladas de lixo jogadas todos os anos nos oceanos do mundo é compartilhada. Trata-se de um problema sistêmico cuja solução poderá vir da ação de empresas e do poder público, mas também de indivíduos e da sociedade civil. A conclusão é de especialistas que participaram de seminário esta semana no Rio de Janeiro sobre o tema.

Organizado pela ONU Meio Ambiente e parceiros, o I Seminário Nacional sobre Combate ao Lixo no Mar foi concluído nesta quarta-feira (8) após debates, compartilhamento de dados e detalhamento de práticas bem-sucedidas.

Todd Cort ressaltou o potencial da sustentabilidade para investimentos, uma vez que o mercado exigirá num futuro próximo que as empresas calculem, por exemplo, o risco climático de suas operações Foto: Rede Brasil do Pacto Global/Luísa Monteiro

Mercado exigirá que empresas calculem risco climático, diz especialista da Universidade de Yale

As pessoas que falam de sustentabilidade não são as mesmas que falam de finanças. Foi assim que Todd Cort, professor da Escola de Administração de Yale, nos Estados Unidos, resumiu o desafio que a sustentabilidade corporativa encontra na tradução de seus valores aos investidores financeiros, durante palestra na Fundação Getulio Vargas (FGV), em São Paulo, no fim de outubro (19).

De acordo com o especialista, os últimos relatórios da força-tarefa global para encorajar empresários a divulgar voluntariamente dados sobre riscos ambientais apontam que, no futuro próximo, o mercado exigirá que as empresas calculem o risco climático. O relato é da Rede Brasil do Pacto Global.

O derretimento das geleiras é uma das grandes preocupações das mudanças climáticas, aumentando o nível dos oceanos e ameaçando provocar o desaparecimento de regiões litorâneas e pequenas ilhas. Foto: Wikicommons/NASA Goddard Space Flight Center (cc)

Atuais compromissos para Acordo de Paris não manterão aquecimento global abaixo dos 2ºC

As metas de cada país junto ao Acordo de Paris reduzirão em apenas um terço do necessário o volume de emissões de gases do efeito estufa. Com a implementação dos atuais compromissos nacionais, a temperatura da Terra provavelmente aumentará em pelo menos 3ºC até 2100 — bem acima do objetivo do Acordo, que visa manter o aquecimento global abaixo dos 2ºC até o fim do século. É o que revela uma nova pesquisa da ONU Meio Ambiente, divulgada nesta terça-feira (31). Agência das Nações Unidas pediu revisão das metas.

Guias e turistas na Cachoeira da Formiga. Foto: Banco Mundial/Juliana BragaGuias e turistas na Cachoeira da Formiga. Foto: Banco Mundial/Juliana Braga

Banco Mundial ajuda Tocantins a explorar turismo sustentável

Em parceria com o Banco Mundial, o governo do Tocantins implementará o projeto Desenvolvimento Regional Sustentável Integrado. Voltada para os setores de transporte, agricultura, pecuária, educação e, sobretudo, turismo, a iniciativa deverá beneficiar mais de 300 mil pessoas, incluindo 13 mil indígenas e 7,5 mil quilombolas. Programa incluirá a criação de um Observatório do Turismo, responsável por contabilizar visitantes do estado e monitorar serviços para viajantes.

Mudanças climáticas ameaçam a Amazônia e, consequentemente, disponibilidade de recursos hídricos para países da região. Foto: Flickr (CC) / Dams999

ONU e 9 países discutem no Rio como partilhar ganhos da exploração de recursos genéticos

A ONU Meio Ambiente e o Ministério do Meio Ambiente promoveram nesta semana, no Rio de Janeiro, um workshop sobre uso de recursos genéticos e conservação da biodiversidade. Realizado no Jardim Botânico, encontro reuniu especialistas da Colômbia, Argentina, Peru, Uruguai, Filipinas, Senegal, África do Sul, Namíbia e Brasil. Entre os temas da discussão, estava a divisão equitativa dos benefícios vindos da exploração do patrimônio genético do planeta.

Na imagem, poluição atmosférica na cidade de São Paulo. Foto: Flickr/Thomas Hobbs (cc)

Países latino-americanos e caribenhos reafirmam compromisso com planeta livre de poluição

Os países da América Latina e do Caribe reafirmaram no início de outubro em Bogotá, na Colômbia, seus compromissos por um planeta livre de poluição, durante a consulta regional para a terceira Assembleia das Nações Unidas para o Meio Ambiente (UNEA), que acontece no início de dezembro em Nairóbi, no Quênia.

Na região, 100 milhões de pessoas vivem em áreas suscetíveis à poluição do ar — com risco de desenvolverem doenças respiratórias e outros problemas de saúde — e pelo menos 25 milhões estão em contato direto com águas poluídas originadas em áreas urbanas.

Mata Atlântica no Rio de Janeiro. Foto: Foto: Rodrigo Soldon (CC)

ONU firma parceria pela participação civil na preservação municipal da Mata Atlântica

Para promover a conservação da Mata Atlântica nos 17 estados onde ela está presente, a ONU Meio Ambiente e a Associação Nacional dos Órgãos Municipais de Meio Ambiente (ANAMMA) firmaram na semana passada uma nova parceria. Cooperação visa sistematizar e integrar ações locais de preservação, além de fortalecer a participação da sociedade civil na elaboração de políticas públicas.

Para ampliar o conhecimento sobre o papel dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável – os ODS – e da Agenda 2030 da ONU, o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) designou dois filhotes de panda como os primeiros embaixadores animais para os ODS. Além disso, 17 pessoas de todas as partes do planeta já foram anunciadas pela agência da ONU pelos seus esforços de conscientização sobre os objetivos globais. Confira nesse vídeo da TV ONU e do PNUD

VÍDEO: Os pandas embaixadores em ação pelos objetivos globais da ONU

Para ampliar o conhecimento sobre o papel dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável – os ODS – e da Agenda 2030 da ONU, o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) designou dois filhotes de panda como os primeiros embaixadores animais para os ODS. Além disso, 17 pessoas de todas as partes do planeta já foram anunciadas pela agência da ONU pelos seus esforços de conscientização sobre os objetivos globais. Confira nesse vídeo da TV ONU e do PNUD.

Amazônia. Foto: Paulo Santos/2001/Amazônia Sob Pressão (via Agência Brasil)

Iniciativa apoiada pelo Banco Mundial prevê recuperar 30 mil hectares da Amazônia até 2023

Uma iniciativa para a recuperação de áreas degradadas na Amazônia brasileira prevê a recuperação, nos próximos seis anos, de uma área de quase 30 mil hectares, o que corresponde a um número estimado de 73 milhões de árvores.

A ação é resultado de parceria entre Ministério do Meio Ambiente (MMA), Fundo Global do Meio Ambiente (GEF – Global Environment Facility), Banco Mundial, Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio), Conservação Internacional (CI-Brasil), Instituto Socioambiental (ISA) e Amazonia Live, iniciativa socioambiental do festival Rock in Rio.

À esquerda, o secretário-geral da ONU, António Guterres. À direita, o presidente da França, Emmanuel Macron. Foto: ONU/Kim Haughton

Secretário-geral da ONU pede apoio a pacto ambiental proposto pela França

Em encontro paralelo ao debate de chefes de Estado, na Assembleia Geral da ONU, o presidente da França, Emmanuel Macron, apresentou na terça-feria (19) a proposta do país de criar um pacto global ambiental. Documento seria primeiro acordo legalmente vinculante sobre o meio ambiente que reuniria todas as convenções e diretrizes do direito internacional para o tema. Proposta recebeu forte apoio do secretário-geral António Guterres.

Mudanças climáticas ameaçam a Amazônia e, consequentemente, disponibilidade de recursos hídricos para países da região. Foto: Flickr (CC) / Dams999

Representantes de reservas da biosfera da UNESCO discutem estratégias de gestão e conservação

Representantes das reservas da Amazônia Central, da Caatinga, do Cerrado, do Cinturão Verde da Cidade de São Paulo, da Mata Atlântica, do Pantanal e da Serra do Espinhaço reúnem-se amanhã (22), no Jardim Botânico de Brasília, para discutir estratégias de conservação. Evento visa compartilhar experiências de gestão que garantam a manutenção financeira das reservas e a proteção ambiental.

Guardiões da Galáxia e Homem de Ferro se unem à ONU para proteger camada de ozônio

A Marvel e a ONU Meio Ambiente se uniram para comemorar os 30 anos do Protocolo de Montreal, marco que rege as ações dos países para reduzir a produção de substâncias destruidoras da camada de ozônio.

A agência das Nações Unidas e a gigante dos quadrinhos lançaram a campanha “Heróis do Ozônio”. Iniciativa tem a participação do Homem de Ferro e dos Guardiões da Galáxia, que convocam o público a proteger o mundo.

Colheita de milho em Sertão Santana. Foto: Pedro Revillion / Palácio Piratini (CC)

Com participação da FAO, setores produtivos do agronegócio debatem inovação sustentável

Seminário ocorrido em Brasília contou a mediação do representante da FAO Brasil, Alan Bojanic. Produzir sem impactar o meio ambiente se tornou um desafio do agronegócio brasileiro, que este ano deve movimentar R$ 1,7 trilhão. Com as mudanças no clima, novos acordos ambientais e exigências dos parceiros comerciais do Brasil, sustentabilidade e inovação se tornaram condições exigidas pela sociedade e pelos agentes que compõe o setor.

Oficina em manejo de açaizais de várzea promovida pelo projeto Bem Diverso em Afuá, Ilha do Marajó (PA). Foto: Projeto Bem Diverso.

PNUD apoia Congresso Brasileiro e Latino-Americano de Agroecologia em Brasília

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) apoia o Congresso Brasileiro e Latino-Americano de Agroecologia 2017, que ocorre de terça (12) a sexta-feira (15) em Brasília (DF) e reúne pesquisadores e trabalhadores ligados a práticas agroecológicas e ao uso sustentável da biodiversidade.

A contribuição do PNUD ao congresso ocorre por meio do projeto Bem Diverso, executado em parceria com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA), que organiza o evento.

A Iniciativa dos Jardins de Alimentos da ONU (‘UN Food Gardens’), em parceria com a ONU-Habitat, está organizando uma mostra de iniciativas de agricultura urbana de pequena escala nas Américas.

Mostra de iniciativas de agricultura urbana de pequena escala recebe propostas até 10 de setembro

A Iniciativa dos Jardins de Alimentos da ONU (‘UN Food Gardens’), em parceria com a ONU-Habitat, está organizando uma mostra de iniciativas de agricultura urbana de pequena escala nas Américas.

A mostra tem como objetivo compartilhar experiências, conscientizar sobre a agricultura urbana na região, bem como incentivar a ação política em apoio desta importante atividade nos contextos da Nova Agenda Urbana adotada na conferência Habitat III e dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

Da esquerda para a direita: João Carlos Jarochinski, da Rede Sul-Americana para as Migrações Ambientais (RESAMA) e Organização Internacional para as Migrações (OIM); Isabel Marquez, representante da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR); Rayne Ferretti, Oficial Nacional da ONU-Habitat; Ana Toni, do Instituto Clima e Sociedade, moderadora do debate. Foto: UNIC Rio/Julia De Cunto

Acordos climáticos ajudarão a conter crise migratória, dizem especialistas em evento da ONU

A crise migratória está atrelada ao comprometimento com os acordos climáticos e a criação de políticas de proteção para populações em maior situação de vulnerabilidade.

É o que defendem os especialistas que discutiram, nesta terça (05), os deslocamentos causados por questões climáticas durante o “Seminário Vidas Deslocadas – diálogos sobre Mudanças Climáticas e Mobilidade Humana”, no Museu do Amanhã. Confira matéria e vídeo sobre o debate.

Plantação de soja no Mato Grosso. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Produção sustentável de commodities é foco de parceria global

A produção de soja, carne e óleo de palma é atualmente o principal condutor do desmatamento tropical. Em vista disso, algumas das maiores organizações de conservação, desenvolvimento e finanças do mundo, assim como países produtores, lançaram nesta semana uma parceria inovadora em Nova York. Ação é promovida pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), pela ONU Meio Ambiente e diversas outras organizações globais e governos.

Castanha é produto florestal importante para comunidades que vivem na região amazônica. Foto: Agência Brasil/Marcelo Camargo

FAO participa de debates sobre gestão financeira de áreas da Amazônia sob proteção

Em São Paulo para um evento sobre a gestão financeira de áreas da Amazônia sob proteção ambiental, o representante da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), Alan Bojanic, lembrou que zonas de preservação também têm uma função social. Essas regiões, segundo o especialista, podem oferecer oportunidades de geração de renda para quem mora perto das florestas, sem prejudicar o ecossistema.

Vista aérea da Amazônia. Foto: Flickr/CIAT/ Neil Palmer (cc)

ARTIGO: Os defensores do meio ambiente lutam por você

Em artigo, o diretor regional da ONU Meio Ambiente, Leo Heileman, lembra que o ano passado foi o mais sangrento para os ativistas ambientais: 200 defensores do meio ambiente foram assassinados em 24 países, e a América Latina foi o cenário de 60% desses homicídios, de acordo com a organização Global Witness.

Para Heileman, não podemos permitir que aqueles que lutam por nosso bem-estar continuem caindo em um campo de batalha que tragicamente vai se expandindo a mais países da América Latina e do Caribe. Leia o artigo completo.

Prêmio Jovens Campeões da Terra receberá votos do público para escolher vencedores. Foto: PEXELS

ONU Meio Ambiente anuncia finalistas regionais do prêmio Jovens Campeões da Terra

Após receber cerca de 600 inscrições, a ONU Meio Ambiente anunciou nesta terça-feira (15) os 30 finalistas regionais da seleção que escolherá os próximos Jovens Campeões da Terra. Cada participante do concurso se inscreveu na competição com uma “grande ideia” para preservar a natureza. Caso sejam vitoriosos, eles poderão tirá-las do papel. Público poderá votar online pelos concorrentes favoritos até 31 de agosto. Em setembro, serão anunciados os seis campeões.

Cerrado. Foto: Agência Brasil/Elza Fiúza

Com US$ 6,6 mi, programa da ONU promoverá crescimento sustentável no cerrado brasileiro

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e a organização não governamental Conservation International lançaram na segunda-feira (7), em Brasília, o projeto “Reduzindo o Desmatamento na Cadeia Produtiva de Soja”. Com investimentos de 6,6 milhões de dólares, iniciativa visa promover padrões sustentáveis na exploração da soja, em regiões do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia onde predomina o bioma cerrado.

Acordo latino-americano sobre justiça ambiental deve ser vinculante, defende relator da ONU

Em encontro da Comissão Econômica da ONU para a América Latina e o Caribe (CEPAL), em Buenos Aires, 24 países discutiram como avançar na elaboração de um acordo regional sobre acesso à informação, participação e justiça ambientais. Para o relator independente das Nações Unidas, John Knox, esse seria um dos mais importantes tratados sobre direitos humanos e meio ambiente dos últimos 20 anos. Mas documento precisa ser legalmente vinculante, ou corre o risco de representar um retrocesso, alertou o especialista.

Cinturão Verde de São Paulo. Foto: UNESCO/Garbobarsch

Brasil passa a ter 7 reservas biológicas registradas em rede da UNESCO

Uma decisão do Conselho de Coordenação Internacional do Programa O Homem e a Biosfera separou as reservas da Mata Atlântica e do Cinturão Verde da cidade de São Paulo. Antes, os domínios constituíam uma única área proteção da Rede Mundial de Reservas da Biosfera. Com a deliberação, o Brasil passa a ter sete zonas de preservação cadastradas na projeto, que é uma iniciativa de cooperação da UNESCO para preservar sítios naturais.

Relator especial da ONU sobre meio ambiente e direitos humanos, John Knox, em pronunciamento no Senado. Foto: Agência Senado/Pedro França

Países da América Latina e Caribe reúnem-se com relator da ONU para discutir acesso à justiça ambiental

Reunião em Buenos Aires marca a sétima rodada de negociações para a definição de uma estratégia regional que permita aos países executar, de forma plena, o princípio nº 10 da Declaração do Rio sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento. Diretiva determina que nações deverão garantir aos seus cidadãos acesso eficaz a procedimentos judiciais e administrativos envolvendo questões ambientais, incluindo a mecanismos de ressarcimento de danos e recursos.

Fundação Banco do Brasil reconhece projetos sociais. Imagem: Fundação BB

Fundação Banco do Brasil divulga projetos sociais reconhecidos por premiação em parceria com a ONU

A Fundação Banco do Brasil divulgou nesta terça-feira (25) o resultado da primeira fase do seu Prêmio de Tecnologia Social. Das 735 iniciativas inscritas neste ano, 173 foram consideradas aptas para receber a certificação oferecida pela instituição. Em 2017, a premiação conta com a parceria da UNESCO, da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), do Banco Mundial e do Programa da ONU para o Desenvolvimento (PNUD).

Centro cultural do BID em Washington é palco de exposição do Instituto Inhotim. Imagem: BID

Com a ONU, Inhotim inaugura exposição em Washington sobre impacto do homem na natureza

Em parceria com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), o Instituto Inhotim inaugurou na terça-feira (18), em Washington, uma exposição sobre o impacto das atividades humanas na natureza e os perigos das mudanças climáticas. A mostra reúne obras de arte e experiências audiovisuais inspiradas no centro de arte localizado em Minas Gerais.

Sítio Arqueológico do Cais do Valongo não é apenas o principal cais de desembarque de africanos escravizados em todas as Américas, como é o único que se preservou materialmente. Foto: UNIC Rio/Natalia da Luz

Cais do Valongo, no Rio, é inscrito na Lista do Patrimônio Mundial da UNESCO

O Comitê do Patrimônio Mundial da UNESCO decidiu incluir em sua Lista do Patrimônio Mundial o sítio arqueológico Cais do Valongo, no Rio de Janeiro, por seu significado para gerações passadas, presentes e futuras no que se refere à história do tráfico atlântico e a escravização de africanos. A decisão ocorreu no domingo (9) durante a 41ª reunião do Comitê, realizada na Polônia.

Para a representante interina da UNESCO no Brasil, Marlova Jovchelovitch Noleto, “o Cais do Valongo tem valor histórico, arqueológico e cultural, traz memórias de um período da história que não pode se repetir jamais e, por isso mesmo, precisa ser lembrado”.