Arquivo da tag: Vida na água

Entre os dias 5 e 9 de junho a ONU realizará em sua sede em Nova Iorque a Conferência sobre os Oceanos.

Entre os dias 5 e 9 de junho a ONU realizou em sua sede em Nova Iorque a Conferência sobre os Oceanos.

Trata-se de um encontro com os principais chefes de Estado e de Governo do mundo, bem como representantes de organizações que trabalham com o tema, para apoiar a implementação do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 14: conservar e utilizar de forma sustentável os oceanos, os mares e os recursos marinhos para o desenvolvimento sustentável.

Acompanhe todos os detalhes nessa página especial, na página oficial do evento (oceanconference.un.org) ou pelas hashtags #SaveOurOcean e #MaresLimpos. Acesse também um texto com perguntas e respostas sobre a conferência clicando aqui.

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU número 14 diz: “Conservação e uso sustentável dos oceanos, dos mares e dos recursos marinhos para o desenvolvimento sustentável”.

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU número 14 diz: “Conservação e uso sustentável dos oceanos, dos mares e dos recursos marinhos para o desenvolvimento sustentável”. Mais sobre este ODS em https://nacoesunidas.org/pos2015/ods14; notícias sobre o tema abaixo.

ONU: coronavírus nos mostra como nossa saúde está vinculada à natureza

ONU: coronavírus nos mostra como nossa saúde está vinculada à natureza

Marcando o Dia Internacional da Biodiversidade (22 de maio), o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, lembrou que as soluções nessa temática estão na própria natureza.

Segundo Guterres, que gravou uma mensagem em vídeo para a data, a preservação e a gestão sustentável da biodiversidade são necessárias para mitigar as perturbações climáticas, garantir a segurança alimentar e de água e até mesmo prevenir pandemias.

“A COVID-19, que emanou da natureza, mostrou como a saúde humana está intimamente ligada com a relação que temos com o meio ambiente. À medida que invadimos a natureza e esgotamos habitats vitais, um número crescente de espécies está em risco. Incluindo a Humanidade e o futuro que queremos”, destacou; acesse aqui o vídeo.

Atualmente, os jovens estão muito à frente nos esforços de proteger o planeta se comparados às gerações anteriores. Foto: pixabay/Alexandra Koch

Reconstruir melhor no pós-pandemia demanda respeito ao direito das futuras gerações

Atualmente, os jovens estão muito à frente nos esforços de proteger o planeta se comparados às gerações anteriores. Eles viram em primeira mão os impactos gerados por uma crise realmente global. Para os que já estavam preocupados com a crise climática, a pandemia pode ter fortalecido sua determinação em transformar o planeta para melhor. A expectativa é do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA).

O PNUMA é a principal voz global em temas ambientais. Foto: Pixabay

PNUMA mapeia zoonoses e protege meio ambiente para reduzir riscos de pandemias

O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) está intensificando seu trabalho no mapeamento de ameaças zoonóticas e na proteção do meio ambiente para reduzir o risco de futuras pandemias, como a da COVID-19, que se espalhou por todo o mundo.

No documento “Trabalhando com o Meio Ambiente para Proteger as Pessoas” divulgado nesta terça-feira (12), o PNUMA mostra como está se ajustando para responder à COVID-19 e apoiar nações e parceiros na reconstrução de um mundo melhor – por meio de de bases científicas mais sólidas, políticas que apoiem um planeta mais saudável e investimentos verdes.

Foto: Flickr (CC) / Dams999

ARTIGO: Pagamento por serviços ambientais

Em artigo publicado no jornal Correio Braziliense, a representante-residente do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) no Brasil, Katyna Argueta, elogia projeto assinado pelo governo brasileiro que prevê remunerar quem preservar a floresta Amazônica por meio de compensação por serviços ambientais.

“Os ‘serviços’ podem incluir a proteção de bacias hidrográficas, a conservação da biodiversidade, a promoção do estoque de dióxido de carbono por meio, por exemplo, do replantio de árvores, da manutenção da floresta em pé ou do uso de diferentes técnicas agrícolas.” Leia o artigo completo.

Na agricultura intensiva, animais são criados em ambientes pequenos e densos, e têm diversidade genética limitada, o que os torna mais suscetíveis a doenças. Foto: OPAS

Invasão de habitats naturais intensifica surgimento de zoonoses, diz especialista

Em entrevista ao Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), o especialista ugandês Bernard Bett, que lidera pesquisas sobre doenças infecciosas negligenciadas e emergentes, afirma que as zoonoses estão mais frequentes no mundo. Isso ocorre devido à invasão de habitats naturais, à urbanização e ao desenvolvimento socioeconômico, que impõe práticas como a agricultura intensiva.

“Quando as pessoas degradam os habitats da vida selvagem ou estabelecem seus próprios assentamentos em algumas áreas, elas se tornam parte do ecossistema e do ciclo selvático – o ciclo de transmissão viral que ocorre entre os animais nas florestas.” Leia a entrevista completa.

A indiana Fátima Babu lidera campanha contra a fundição de cobre Sterlite em Tuticorin há 24 anos. Foto: Thom Pierce /Guardian/Global Witness/PNUMA

ONU e parceiros coordenam esforços para apoiar defensores ambientais

Programas das Nações Unidas, defensores do meio ambiente, ONGs e instituições acadêmicas se reuniram em Genebra no fim de fevereiro para discutir como mobilizar a comunidade internacional para apoiar os defensores ambientais.

Em todo o mundo, esses defensores estão lutando por um meio ambiente mais saudável ​​– não apenas para suas comunidades, mas para todos. Apesar de seu trabalho valioso e corajoso, eles continuam altamente vulneráveis ​​e sob crescente ataque em todo o mundo. Leia o relato do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA).

Por que o oceano é um aliado no combate à COVID-19?

A saúde do oceano está intimamente ligada à saúde da população. Algumas pessoas podem se surpreender ao ler que organismos descobertos em profundidades extremas são usados para acelerar a detecção do coronavirus e, provavelmente, ainda há mais para se aprender, mas é o meio ambiente que pode dar uma solução a humanidade.

A oceanógrafa e pesquisadora da Comissão Oceanográfica Intergovernamental da UNESCO, Francesca Santoro, explica que as bactérias encontradas nas profundezas do oceano estão sendo usadas para realizar testes rápidos para detectar a presença da COVID-19.

O conteúdo disponibilizado inclui vídeos, textos e atividades – que serão traduzidos para 10 idiomas. Foto: PNUMA

Escola pela Terra visa manter conexão de alunos com natureza durante período de isolamento

Em resposta à crise da COVID-19, foi criada uma coalizão inédita para lançar a Escola pela Terra (Earth School, em inglês), plataforma que fornece conteúdo educacional gratuito e de alta qualidade para ajudar estudantes, pais e professores em isolamento em todo o mundo. Iniciada pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) e pelo TED-Ed, a Escola pela Terra leva os alunos a uma aventura de 30 dias pelo mundo natural.

O conteúdo disponibilizado inclui vídeos, textos e atividades – que serão traduzidos para 10 idiomas – para ajudar jovens e crianças a entenderem o meio ambiente e considerarem seu papel na natureza. Essa é a maior iniciativa de aprendizagem online feita pelo PNUMA e está disponível gratuitamente no site do TED-Ed.

O Dia da Terra é mais importante do que nunca

O Dia da Terra é um lembrete oportuno para tomar medidas urgentes para proteger o planeta do aquecimento global e garantir um futuro digno e saudável, diz o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA).

Enfrentar a pandemia da COVID-19 e proteger a população das futuras ameaças globais requer o gerenciamento correto de resíduos médicos e químicos, a administração consistente e global da natureza e da biodiversidade, e o comprometimento com a reconstrução da sociedade, criando empregos verdes e facilitando a transição para uma economia neutra em carbono.

Em uma mensagem em vídeo neste Dia da Terra (22 de abril), o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, lembrou que a biodiversidade está em declínio acentuado, enquanto a ruptura climática está alcançando um “ponto sem retorno”.

No Dia da Terra, chefe da ONU propõe seis ações-chave para evitar ‘ruptura climática’

Em uma mensagem em vídeo neste Dia da Terra (22 de abril), o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, lembrou que a biodiversidade está em declínio acentuado, enquanto a ruptura climática está alcançando um “ponto sem retorno”.

Guterres ressaltou a importância de agir “sem hesitação para proteger o nosso planeta, tanto do coronavírus como da ameaça existencial das perturbações climáticas”. Segundo ele, “a crise atual é um despertar sem precedentes. Precisamos transformar a recuperação numa oportunidade real de fazer as coisas certas para o futuro”.

Na mensagem, Guterres propõe seis ações relacionadas ao clima para “moldar a recuperação e o trabalho que temos pela frente”; saiba aqui quais são.

O que fazer com resíduos biomédicos e de serviços hospitalares durante a pandemia?

Em entrevista, Keith Alverson, diretor do Centro Internacional de Tecnologia Ambiental (IETC) do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) em Osaka, no Japão, fala sobre o Compêndio de Tecnologias para o Tratamento e a Destruição de Resíduos de Saúde.

A publicação científica aborda a gestão dos lixos hospitalares e pode auxiliar a avaliação e a seleção de tecnologias apropriadas para sua destruição, além de ajudar no planejamento e gerenciamento do grande número de rejeitos oriundos da pandemia de COVID-19.

Gincana Caça aos Plástico acontece no perfil do Instagram do PNUMA - Foto: Pexels

PNUMA lança Gincana Caça aos Plásticos

A partir de hoje, a Campanha Mares Limpos ajuda pais e mães a ocupar as crianças dentro de casa com a Gincana Caça aos Plásticos.

Desenvolvida pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) em parceria com o programa ‘Criança e Consumo’, do Instituto Alana, a iniciativa pretende aproveitar o tempo de reclusão provocado pela pandemia do novo coronavírus para estimular reflexões lúdicas sobre a presença do plástico no cotidiano.

Para participar, basta seguir o perfil do PNUMA no Instagram, @unep_pt.

Jovens Campeãs da Ásia e do Pacífico, Sonika Manandhar, engenheira de software e diretora de tecnologia da Aeoli (Green Energy Mobility- GEM) e Louise Mabulo, chef premiada, agricultora e fundadora do Projeto Cacau; e a Jovem Campeã da Europa, Marianna Muntianu, ativista ambiental e fundadora do projeto Plante a Floresta (Plant the Forest, em inglês).​​​​​ Foto: PNUMA

Crises mostram urgência de promover transformações nas sociedades, dizem jovens inovadoras

Se uma doença pode nos ajudar a entender quão frágil, interconectada e preciosa é a vida, a pandemia do novo coronavírus está nos ensinando infinitas lições nos níveis pessoal, regional e mundial.

O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) conversou com três Jovens Campeãs da Terra de 2019 sobre como as crises mostram a urgência de promover transformações para a nossa sociedade.

Jovens Campeões da Terra é a principal iniciativa do PNUMA para impulsionar a juventude a enfrentar os maiores desafios ambientais do mundo.

Tabuleiro do jogo Viva os ODS. Foto: ONU

Enfrente a quarentena da COVID-19 com o jogo dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável

Em tempos de quarentena da COVID-19, o Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio) tem uma dica para distrair as crianças dentro de casa: o jogo “Viva os Objetivos”, que explica tudo sobre a Agenda 2030 e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. O material está disponível gratuitamente para download em português e é destinado para crianças de 8 a 10 anos, podendo entreter a família toda.

De forma lúdica e didática, o jogo de tabuleiro apresenta perguntas para os principais desafios enfrentados para transformar a Terra num planeta mais sustentável.

O derretimento das geleiras é uma das grandes preocupações das mudanças climáticas, aumentando o nível dos oceanos e ameaçando provocar o desaparecimento de regiões litorâneas e pequenas ilhas. Foto: Wikicommons/NASA Goddard Space Flight Center (cc)

Relatório da ONU mostra aceleração dos impactos das mudanças climáticas

Um amplo relatório climático da ONU, divulgado nesta terça-feira (10), mostra que a mudança climática está tendo um efeito importante em todos os aspectos do meio ambiente, bem como na saúde e bem-estar da população global.

O relatório documenta sinais físicos das mudanças climáticas — como aumento do calor da terra e do oceano, aceleração da elevação do nível do mar e derretimento do gelo — e os efeitos indiretos em desenvolvimento socioeconômico, saúde humana, migração e deslocamento, segurança alimentar e nos ecossistemas terrestre e marítimo.

Em março de 2019, a Assembleia Geral das Nações Unidas adotou uma resolução declarando o período de 2021-2030 como a Década de Restauração de Ecossistemas da ONU. Foto: PNUMA

ONU recebe sugestões para planejamento da Década de Restauração de Ecossistemas

Em março de 2019, a Assembleia Geral das Nações Unidas adotou uma resolução declarando o período de 2021-2030 como a Década de Restauração de Ecossistemas da ONU. A coordenação da Década é co-liderada pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) e pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO).

Para cumprir essa missão e os dois objetivos que a acompanham será necessária ajuda de toda a comunidade global. O documento com a estratégia está aberto para revisão, comentários e sugestões até 30 de abril de 2020 e qualquer pessoa interessada em contribuir com o planejamento da Década e das atividades a ela relacionadas pode participar.

Foto: Wikimedia Commons

PNUMA cita sete conexões entre você e os recifes de coral

O Dia Mundial da Vida Selvagem, celebrado nesta terça-feira (3), é uma chance para apreciarmos tudo o que a natureza oferece. O tema deste ano, “Sustentando toda a vida na Terra”, celebra a natureza que permite que animais selvagens, plantas e seres humanos prosperem em harmonia.

Entre os elementos mais valiosos da natureza estão os recifes de coral. Eles abrigam a maior variedade de espécies dos oceanos. Você pode pensar neles como florestas tropicais subaquáticas — cheias de componentes vivos e não vivos que, juntos, criam um dos ecossistemas mais exclusivos e importantes do mundo. Leia relato do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA).

O Bem Diverso é uma parceria entre a Embrapa e o PNUD. Foto: Bem Diverso

Seminário aborda experiência europeia e brasileira em conservação da biodiversidade

Promover uma dinâmica de cooperação e discussão de temas relacionados ao uso sustentável e à conservação da biodiversidade, tendo como base as experiências europeias e brasileiras. É com essa proposta que ocorreu na segunda-feira (2), em Brasília (DF), o seminário internacional “A experiência europeia e brasileira na promoção do uso e conservação da biodiversidade”.

Promovido pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), em parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), o evento foi realizado no âmbito do projeto Bem Diverso e marcou o início da segunda etapa do projeto Diálogos Setoriais, parceria gerenciada pelo Ministério de Economia, pela Delegação da União Europeia no Brasil (DELBRA) e pelo Ministério das Relações Exteriores (MRE).

Impunidade contra crimes de tortura no México preocupa especilistas da ONU. Foto: WikiCommons / Flickr / schlaeger

Cidade do México prepara-se para banir plástico descartável até 2021

A Cidade do México, uma das capitais mais populosas do Ocidente, aprovou uma nova lei proibindo o uso de sacolas de plástico. A medida, que entrou em vigor em 1º de janeiro, inaugura a intenção do país de banir plásticos descartáveis até 2021, de forma gradual.

O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) estima que 10 milhões de bolsas plásticas sejam consumidas, a cada minuto, em todo o mundo.

Estudo traz novas descobertas sobre impacto da ação humana nos ambientes de água doce

Um novo estudo global lança luz sobre o impacto da poluição na diversidade das plantas aquáticas e nos ambientes de água doce de forma geral.

A fotossíntese em muitas plantas aquáticas depende de bicarbonato (HCO3−) além de dióxido de carbono (CO2). O estudo investiga a ligação entre os dois e seu impacto na distribuição das plantas.

“As mudanças antropogênicas estão afetando as concentrações de bicarbonato e de CO2, e isso pode alterar a composição das espécies das comunidades de plantas de água doce”, diz o coautor do estudo, Ole Vestergaard, especialista em ecossistemas marinhos e de água doce do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA).

Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente lança prêmio Jovens Campeões da Terra 2020. Foto: Pixabay

ONU abre inscrições de maior prêmio global para jovens empreendedores e ambientalistas

O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) abriu nesta segunda-feira (10) as inscrições para o prêmio Jovens Campeões da Terra 2020. A competição global é um dos prêmios de maior prestígio da ONU para jovens empreendedores que têm grandes ideias para solucionar os principais desafios ambientais do planeta.

O concurso é voltado para empreendedores ambientais com idade entre 18 e 30 anos. O prazo para inscrições foi prorrogado para 30 de abril.

Manguezal no parque nacional Los Haitises, na República Dominicana. Foto: WkiMedia (CC)/Anton Bielousov

Fundo apoiará ações de adaptação às mudanças climáticas baseadas em ecossistemas

A adaptação baseada em ecossistemas (EbA, na sigla em inglês) refere-se ao conjunto de abordagens que envolvem o gerenciamento de ecossistemas para reduzir a vulnerabilidade das comunidades humanas às mudanças climáticas.

A restauração de manguezais e recifes de coral, por exemplo, protege as áreas costeiras dos impactos do aumento do nível do mar, enquanto o plantio e a restauração de vegetação nas encostas e montanhas impedem a erosão e deslizamentos de terra durante chuvas extremas.

Considerado um dos países mais ambientalmente diverso do mundo, Colômbia sustenta perto de 10% da biodiversidade de todo o planeta. Foto: IPBES.

PNUMA participa de encontro sobre biodiversidade em São Paulo

Especialistas em biodiversidade estão reunidos até sexta-feira (6) em São Paulo, em encontro preparatório para a COP15 da Convenção de Diversidade Biológica, que acontece na China em outubro.

Os resultados das discussões serão utilizados para elaborar a Carta de São Paulo. Participam do encontro todas as esferas de governo, com destaque para estados e municípios, representantes do setor público, privado, acadêmico e sociedade civil.

Os povos indígenas são os melhores protetores das florestas tropicais. Foto: Mongabay | Daniel Aguilar.

OIT pede ação dos países para erradicar pobreza entre povos indígenas

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) afirmou nesta segunda-feira (3) ser imperativo erradicar a pobreza enfrentada pelos povos indígenas. Na comparação com seus pares não indígenas, essas populações têm quase três vezes mais chances de viver na extrema pobreza, segundo relatório publicado na ocasião dos 30 anos da Convenção sobre Povos Indígenas e Tribais.

O documento concluiu que o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) está ameaçado, a menos que uma correção de curso ocorra por meio de políticas públicas que não apenas eliminem as lacunas, mas também apoiem mulheres e homens indígenas como atores essenciais do desenvolvimento sustentável e do combate às mudanças climáticas.

Corais na Ilha Jarvis, território norte-americano no sul do Oceano Pacífico. Foto: USFWS/Jim Maragos

ONU abre inscrição para bolsa sobre Lei dos Oceanos

Foram prorrogadas para até 3 de abril as inscrições para a Sessão 2020 da Bolsa Temática das Nações Unidas e da Fundação Nippon. Neste ano, o foco será “Implementação da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável através da Convenção das Nações Unidas na Lei dos Oceanos e estrutura de governança de oceanos”.

O programa consiste em um treinamento de quatro meses na Divisão de Assuntos do Oceano na sede da ONU, em Nova Iorque, entre agosto e dezembro deste ano.

Os candidatos devem ter entre 25 e 40 anos, graduação universitária e demonstrar sólido conhecimento em assuntos de oceano, incluindo Lei Marítima.

Foto: Fabrício Macedo FGMsp / Pixabay

Resoluções de ano-novo para um estilo de vida #MaresLimpos

No início desta década, pessoas em todo o mundo fizeram resoluções de ano-novo com a esperança de se tornarem melhores – fazer mais exercícios, economizar dinheiro, adotar um hobby.

Existe uma atitude, porém, que precisa mudar este ano: em relação aos plásticos descartáveis. Para Heidi Savelli, que trabalha para o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), 2020 é um ano-chave para o planeta.

“Precisamos agir agora para ter alguma chance de proteger nossa biodiversidade. Nossa atitude em relação aos plásticos descartáveis e de uso único é um bom ponto de partida. Todos os anos, estamos produzindo e consumindo cada vez mais plástico, mas não estamos intensificando os esforços para gerenciá-lo”.

A Campanha #MaresLimpos apresenta cinco sugestões que podem mudar sua vida e melhorar a saúde dos oceanos.

A edição deste ano será dedicada à biodiversidade, tema do Dia Mundial do Meio Ambiente 2020, 5 de junho. Imagem: ONU Meio Ambiente

Perda de biodiversidade é tema de concurso global de cartazes

Aproveitando a força da arte para ampliar a conscientização ambiental e inspirar ações diretas, a 16ª edição da Bienal Internacional de Cartazes recebe inscrições até 15 de maio, convidando artistas a apresentar obras em seis categorias.

Nos últimos 30 anos, cerca de 70 mil pôsteres de cinco continentes foram submetidos para a exposição, que acontece na Cidade do México. O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) é parceiro da Bienal desde 1990, patrocinando a categoria ambiental.

Opening of Consciência, art exhibition to promote the SDGs - September 2019 -Photo: Naiara Azevedo

Mais de 140 mil pessoas visitam exposição do UNIC Rio sobre desafios globais

Mais de 140 mil pessoas visitaram a exposição Consciência, organizada em parceria pelo Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio), Centro Cultural Correios e Instituto Claro na capital fluminense.

A mostra, inaugurada em setembro e encerrada este mês, apresentou ilustrações do artista peruano Ivan Ciro Palomino. As imagens despertam a curiosidade pelo uso provocativo de elementos do cotidiano (uma cadeira, uma mala, uma piscina, por exemplo) colocados em contextos de crises climática, migratória e humanitária.

O meio ambiente fundamenta cada um dos 17 objetivos, de eliminar a fome até reduzir as desigualdades e construir comunidades sustentáveis ​​em todo o mundo. Foto: PNUMA

PNUMA renova compromisso com Década de Ação para atingir objetivos globais

Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) são conhecidos como um modelo mundial para conquistarmos um futuro melhor e mais sustentável para todos. Eles abordam os desafios globais que enfrentamos, incluindo aqueles relacionados a pobreza, desigualdade, mudança climática, degradação ambiental, paz e justiça. Os 17 objetivos são todos interconectados e, para não deixar ninguém de fora, é importante que todos sejam alcançados até 2030.

Cinco anos após a inauguração desse empreendimento ambicioso, a Década de Ação sobre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável renova o compromisso da comunidade internacional de acelerar as ações para alcançar os objetivos globais. Saiba quais são as contribuições do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA).

Fundado em 2005, o prêmio celebra pioneirismo em quatro categorias: liderança política; Inspiração e ação; Visão empreendedora e Ciência e inovação. Foto: PNUMA

Prêmio Campeões da Terra recebe inscrições para edição de 2020

As indicações para o prêmio Campeões da Terra 2020, o maior prêmio ambiental da ONU, foram abertas na segunda-feira (20), com o objetivo de reconhecer a contribuição de líderes destacados de governo, sociedade civil e setor privado cujas ações tiveram um impacto positivo sobre o ambiente. As candidaturas permanecerão abertas até 20 de março de 2020.

Fundado em 2005, o prêmio celebra pioneirismo em quatro categorias: liderança política; inspiração e ação; visão empreendedora e ciência e inovação.

No início de 2020, grandes incêndios florestais, como os da Austrália, foram noticiados. Foto: UN-REDD

Crise climática provoca incêndios, ondas de calor e perda de biodiversidade

Dois mil e vinte é um ano decisivo para os tomadores de decisão que lidam com as emergências climáticas e seus efeitos sobre a biodiversidade, assim como para a humanidade como um todo, que precisa prestar atenção nos impactos do aquecimento global sobre os sistemas planetários.

O ano terá dois grandes eventos, conhecidos como “conferências das partes”, sobre a biodiversidade e o clima. Na conferência sobre biodiversidade, as partes chegarão a um acordo e apresentarão um novo conjunto de metas de proteção da natureza para a próxima década.

Loja vende produtos de mangue na Nigéria. Foto: ONU-REDD

Comunidades nigerianas recuperam ecossistemas de manguezais

A necessidade de restaurar os manguezais inspirou comunidades nigerianas a se envolver em um projeto REDD+ para plantar mais de 10 mil mudas. REDD+ é um incentivo desenvolvido no âmbito da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC) para recompensar financeiramente países em desenvolvimento pela redução das emissões de gases de efeito estufa provenientes do desmatamento e da degradação florestal.

Brasileiros se protegem do sol forte e altas temperaturas em Brasília. Foto:Agência Brasil/Fabio Rodrigues Pozzebom

Organização Meteorológica Mundial diz que 2019 foi o 2º ano mais quente já registrado

O ano de 2019 foi o segundo mais quente já registrado, ficando atrás de 2016, de acordo com a análise consolidada da Organização Meteorológica Mundial (OMM) feita a partir dos principais conjuntos de dados internacionais.

As temperaturas médias para os períodos de cinco anos (2015-2019) e de dez anos (2010-2019) foram as mais altas já registradas. Desde os anos 1980, cada década é mais quente que a anterior. A expectativa é de que essa tendência continue devido aos níveis recordes de gases de efeito estufa que retêm o calor na atmosfera.

PNUD lança um novo chamado para a ação – Desafio de Inovação para os Oceanos. Foto: iStock.com/RainervonBrandis

Concurso da ONU busca inovações que combatam poluição nos oceanos

Reconhecendo a urgência crescente em combater a poluição dos oceanos, particularmente de plásticos e nutrientes, o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) lançou um concurso que busca inovações transferíveis, replicáveis e escaláveis, que receberão subsídios de 50 mil a 250 mil dólares.

As inovações a serem submetidas podem incluir ações tecnológicas e de ponta no âmbito de políticas, regulamentação, finanças e economia, bem como outras ações voltadas para setores com base marítima ou territorial. O prazo de inscrições vai até 5 de março.

Milhares de jovens de 18 a 30 anos inscrevem-se no prêmio Jovens Campeões da Terra todo ano. Foto: PNUMA

Três razões para ser um Jovem Campeão da Terra em 2020

Se você é apaixonado ou apaixonada pelo meio ambiente e deseja levar suas ideias adiante em 2020, esta pode ser sua chance. Todos os anos, milhares de jovens de 18 a 30 anos inscrevem-se no prêmio Jovens Campeões da Terra.

Lançado em 2017 pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) e apoiado pela Covestro, o prêmio celebra e apoia indivíduos com um potencial excepcional de criar um impacto ambiental positivo. As inscrições serão abertas em janeiro.

Foto: Los Planes de Renderos, San Salvador, El Salvador

Gestão adequada de químicos e resíduos é fortalecida em El Salvador

A gestão de resíduos é um problema persistente em El Salvador, onde cerca de um quarto dos resíduos é descartado em rios ou em outras áreas naturais. Essa é uma questão particularmente problemática para produtos químicos perigosos, como o mercúrio, que muitas vezes acaba em lixões ilegais, causando problemas de saúde para a população local e afetando o meio ambiente.

Para resolver o problema, El Salvador passará os próximos três anos fortalecendo sua estrutura reguladora nacional, atualizando substâncias proibidas e proibindo o uso de equipamentos e materiais contendo mercúrio, além de melhorar o gerenciamento de resíduos e impedir a exposição a poluentes.

Foto: UNSPLASH

Bolívia cria unidade para melhorar gerenciamento de produtos químicos e resíduos

Com terrenos que variam da densa floresta amazônica a vastos desertos e montanhas, a Bolívia é frequentemente aclamada como um dos países mais biodiversos do mundo. Nos últimos dez anos, o governo boliviano tomou medidas para proteger suas ricas paisagens naturais e fortalecer as práticas ambientais, incluindo o gerenciamento de produtos químicos e resíduos.

O país está criando agora uma Unidade de Produtos Químicos e Resíduos, responsável por diagnosticar a implementação de tratados internacionais sobre produtos químicos e gerenciamento de resíduos, a fim de entender as lacunas e fraquezas que precisam ser abordadas. Isso apoiará o desenvolvimento de metodologias para processar dados sobre resíduos perigosos, bem como a conscientização e a capacitação em gestão de resíduos.