Vida na água

Entre os dias 5 e 9 de junho a ONU realizará em sua sede em Nova Iorque a Conferência sobre os Oceanos.

Entre os dias 5 e 9 de junho a ONU realizou em sua sede em Nova Iorque a Conferência sobre os Oceanos.

Trata-se de um encontro com os principais chefes de Estado e de Governo do mundo, bem como representantes de organizações que trabalham com o tema, para apoiar a implementação do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 14: conservar e utilizar de forma sustentável os oceanos, os mares e os recursos marinhos para o desenvolvimento sustentável.

Acompanhe todos os detalhes nessa página especial, na página oficial do evento (oceanconference.un.org) ou pelas hashtags #SaveOurOcean e #MaresLimpos. Acesse também um texto com perguntas e respostas sobre a conferência clicando aqui.

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU número 14 diz: “Conservação e uso sustentável dos oceanos, dos mares e dos recursos marinhos para o desenvolvimento sustentável”.

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU número 14 diz: “Conservação e uso sustentável dos oceanos, dos mares e dos recursos marinhos para o desenvolvimento sustentável”. Mais sobre este ODS em https://nacoesunidas.org/pos2015/ods14; notícias sobre o tema abaixo.

Veleiro representa a campanha #MaresLimpos na regata e realiza ações de limpeza dos oceanos. Foto: ONU Meio Ambiente

ONU leva debate sobre poluição plástica para competição mundial de vela em Itajaí

Sede brasileira da maior regata à vela do mundo, a cidade de Itajaí, no litoral de Santa Catarina, recebe em abril a Volvo Ocean Race, uma das mais difíceis e renomadas competições da modalidade, realizada a cada três anos. Nesta edição, o torneio uniu forças com a campanha #MaresLimpos, iniciativa da ONU Meio Ambiente pelo fim da poluição dos oceanos por plástico. Organismo internacional promove seminário e ações de conscientização na cidade catarinense.

Representante da FAO participou de fórum de agronegócio em Londrina (PR), onde e ressaltou o papel do Brasil na produção de alimentos. Foto: FAO/Olivier Thuillier

FAO destaca papel do Brasil na resposta à demanda global por alimentos

O representante da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) no Brasil, Alan Bojanic, participou na segunda-feira (9) do 3º Fórum do Agronegócio, que debateu o protagonismo do agronegócio brasileiro pelo mundo, as estratégias para consolidar novos mercados e as soluções para os problemas que atingem o setor, como infraestrutura, armazenamento, competitividade e logística.

Bojanic destacou o papel do Brasil na resposta à demanda global por alimentos. “Até 2024, 2027 temos certeza de que o Brasil estará produzindo 300 milhões de toneladas de grãos, o que é chave para nós que pensamos em segurança alimentar para a população de todo o planeta”, afirmou. Para Bojanic, o Brasil precisa exportar conhecimento, ser modelo de sustentabilidade e líder em empreendedorismo.

Amazônia. Foto: Paulo Santos/2001/Amazônia Sob Pressão (via Agência Brasil)

ONU divulga texto do primeiro acordo ambiental entre países da América Latina e Caribe

O Escritório de Assuntos Jurídicos da ONU divulgou nesta semana (9) a cópia autêntica do primeiro acordo ambiental da América Latina e do Caribe. Adotado em 4 de março deste ano, na Costa Rica, o documento agora pode ser acessado gratuitamente em meio online. O marco regional é o primeiro tratado no mundo a ter determinações legalmente vinculantes sobre proteção de ambientalistas que atuam em defesa dos direitos humanos.

ONU Meio Ambiente, Ministério do Meio Ambiente e Centro para Monitoramento da Conservação Mundial promovem oficina em Recife (PE) sobre governança de áreas marinhas protegidas. Foto: ONU Meio Ambiente

Soluções para a biodiversidade marinha é tema de workshop internacional da ONU em Recife

A ONU Meio Ambiente, o Ministério do Meio Ambiente e o Centro para Monitoramento da Conservação Mundial (UN Environment – WCMC) promovem em Recife (PE) de 10 a 12 de abril um workshop sobre conservação da biodiversidade marinha. O encontro reunirá especialistas, organismos internacionais, ONGs, pesquisadores e representantes da sociedade civil com conhecimento na gestão de Unidades de Conservação (UCs).

Lionel Messi recebe o título de embaixador para o turismo responsável das mãos do secretário-geral da OMT, Zurab Pololikashvili. Foto: OMT

Lionel Messi é nomeado embaixador da ONU para turismo responsável

O argentino Lionel Messi é o mais novo embaixador das Nações Unidas para o turismo responsável. O jogador recebeu o título da Organização Mundial do Turismo (OMT) no último sábado (7), após partida do Barcelona contra o Leganés.

A OMT é a agência da ONU especializada na promoção do crescimento econômico inclusivo e sustentável por meio do turismo. O organismo internacional também defende que o turismo seja universalmente acessível.

Projeto Bem Diverso na comunidade do Alto do Rio Pardo de MG. Foto: Projeto Bem Diverso

Conferência discute direitos e desafios de comunidades tradicionais do norte de MG

Assim como os indígenas e quilombolas, as populações tradicionais do norte de Minas Gerais, conhecidas como “geraizeiros”, têm formas próprias de organização social, ocupação e manejo de territórios e recursos naturais, que são condição para sua reprodução cultural, social, religiosa, ancestral e econômica. O grupo utiliza conhecimentos, inovações e práticas gerados e transmitidos pela tradição.

Com o apoio do Projeto Bem Diverso, iniciativa do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) que capacita comunidades rurais para a produção sustentável, ocorre de 6 a 8 de abril em Catanduva, município de Vargem Grande do Rio Pardo (MG), a 5ª Conferência Geraizeira, que discutirá os desafios atuais e comuns a essas comunidades.

Foto: ONU-Água

Empresas pedem marco regulatório para água envolvendo governos, setor privado e sociedade civil

A criação de um marco regulatório brasileiro para a água envolvendo governos, setor privado e sociedade civil é a principal recomendação do relatório final do Water Business Day, que condensa as discussões do evento realizado em março (18) durante as atividades do Fórum Mundial da Água, em Brasília (DF).

O documento defende que o escopo legal seja construído de forma coletiva e aumente a confiança entre empresas e sociedade, valorizando de forma transversal esse recurso natural e incentivando os investimentos de longo prazo.

Residentes coletam lixo em ilha de Galápagos. Foto: Parque Nacional de Galápagos

Moradores das Ilhas Galápagos combatem a maré de plástico

Quando os voluntários de uma operação de limpeza costeira nas Ilhas Galápagos encontraram uma lata de refrigerante de uma marca proveniente da Indonésia, não se surpreenderam. Há meses estavam recolhendo toneladas de plásticos vindas de outras regiões do planeta e que chegavam a essas praias remotas, localizadas a 1 mil quilômetros do Equador.

O país é parte da campanha global Mares Limpos da ONU Meio Ambiente, o movimento mais ambicioso das Nações Unidas contra o lixo marinho. A campanha promove a aliança entre governos, setor privado e cidadãos para deter a poluição por plástico.

Veleiro representa a campanha #MaresLimpos na regata e realiza ações de limpeza dos oceanos. Foto: ONU Meio Ambiente

Em Itajaí, ONU pede fim da poluição plástica durante maior regata à vela do mundo

Em abril, chega ao Brasil a maior regata à vela do mundo. A competição aportará em Itajaí, Santa Catarina, com o apoio da ONU Meio Ambiente, que entra na disputa para pedir o fim da poluição dos mares pelo lixo plástico. A agência das Nações Unidas e a Volvo Ocean Race promoverão na cidade um encontro de especialistas e atividades de conscientização. Um veleiro representará a campanha #MaresLimpos das Nações Unidas.

Tanques de rejeitos nas instalações da Norsk Hydro em Paragominas, Pará. Foto: Flickr(CC)/Norsk Hydro

Após contaminação do rio Pará, ONU diz que segurança ambiental deve ser prioridade na mineração

Em visita ao Brasil, o diretor-executivo da ONU Meio Ambiente, Erik Solheim, defendeu na semana passada (22) que a segurança ambiental e humana deve ser priorizada em “todos os aspectos das operações de mineração”. Agência das Nações Unidas lembrou casos recentes de contaminação no país, como o episódio envolvendo a norueguesa Norsk Hydro, responsável pela refinaria Alunorte, em Barcarena, no Pará, e pela mina de bauxita de Paragominas, no mesmo estado.

Em uma competição acirrada, os participantes apresentaram novas formas de reutilização, redução do desperdício e uso racional da água. Foto: Reprodução

Projetos de gestão da água da chuva e descontaminação de embalagens vencem Camp de Ecoinovação

Após três dias de mentorias, articulações e mais de dez painéis e dinâmicas sobre negócios de impacto socioambiental, as dez ideias e dez startups do “Camp de Ecoinovação: Desafio Água” tiveram suas propostas aperfeiçoadas a partir de um novo olhar para os negócios com foco na sustentabilidade.

Em uma competição acirrada, os participantes apresentaram novas formas de reutilização, redução do desperdício e de uso racional da água, bem como ideias para melhorar o saneamento e a poluição, frente ao desafio de solucionar problemas hídricos nas cidades, indústrias e na agricultura.

O evento foi uma iniciativa da ONU Meio Ambiente em parceria com SEBRAE e apoio da organização Green Nation.

Criança toma banho em Kallyanpur, favela da capital de Bangladesh, Dhaka. Foto: ONU/Kibae Park

Universalização do saneamento está lenta demais na maior parte dos países

Rascunho do relatório de monitoramento global da ONU para o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) número 6, que prevê assegurar a disponibilidade e a gestão sustentável da água e saneamento para todas e todos até 2030, mostrou que a cobertura básica de saneamento está piorando em 20 países. O documento indicou que o progresso para a universalização do serviço está lenta demais em 89 nações e somente 14 países estão no caminho de atingir a cobertura universal nos próximos 12 anos.

A prévia do documento foi divulgada durante o Fórum Mundial da Água, que ocorre até esta sexta-feira (23) em Brasília (DF).

O relator especial da ONU para o direito à água e ao saneamento, o brasileiro Leo Heller, durante painel no Fórum Mundial da Água em Brasília (DF). Foto: UNIC Rio/Pedro Andrade

Direitos humanos devem orientar políticas de água e saneamento, diz relator da ONU

Os direitos humanos devem orientar a prestação de serviços, a regulação e as políticas públicas de água e saneamento. Se o Fórum Mundial da Água — que ocorre esta semana em Brasília (DF) — reafirmar esses princípios, será um passo importante rumo à universalização desse direito.

A opinião é do relator especial da ONU para o direito à água e ao saneamento, o brasileiro Leo Heller. Para ele, a situação do Brasil ainda é preocupante, uma vez que 50% da população não tem atendimento a redes de esgoto.

Foto: Dirklaudio/Flickr/CC

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento lança site especial sobre água

Plataforma online reúne notícias, reportagens, fotos, vídeos, artigos com foco em dois dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas: assegurar a disponibilidade e gestão sustentável da água e saneamento para todas e todos (número seis); e promover a conservação e uso sustentável dos oceanos, dos mares e dos recursos marinhos para o desenvolvimento sustentável (número 14). Acesse aqui.

Diretor-geral da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), José Graziano da Silva. Foto: FAO/Alessia Pierdomenico

Antecipar problemas de água pode aliviar pressão migratória, diz estudo da FAO

Em uma mensagem de vídeo dirigida ao 8º Fórum Mundial da Água, realizado em Brasília, o diretor-geral da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), José Graziano da Silva, alertou que dois terços da população mundial vivem em condições de escassez severa de água pelo menos uma parte do ano.

Ele apresentou um novo estudo da FAO e de parceiros que pede que se evite um “agravamento mútuo” dos vínculos entre a escassez de água e a migração. Evidências sugerem que os investimentos públicos em adaptação agrícola podem atenuar os fatores adversos da migração rural, argumento o documento.

Na abertura do Fórum Mundial da Água, na segunda-feira (19), o presidente da Hungria, János Áder, reuniu-se com o presidente brasileiro, Michel Temer. Foto: Beto Barata/PR

Países estão atrasados no investimento necessário para universalizar água e saneamento

Os países estão atrasados nos investimentos em infraestrutura necessários para atingir o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) número 6 até 2030, que prevê assegurar a disponibilidade e gestão sustentável da água e saneamento para todas e todos.

A opinião é de Csaba Korosi, diretor de sustentabilidade ambiental do gabinete do presidente da Hungria, que faz parte de um painel de 11 chefes de Estado e um assessor especial convocado pelo secretário-geral da ONU e pelo Banco Mundial para discutir soluções para a gestão da água.

Segundo Korosi, o mundo precisa duplicar os investimentos em infraestrutura de água nos próximos cinco anos para atingir o ODS 6, em um montante anual de ao menos 600 bilhões de dólares.

Ilha da Trindade, no Espírito Santo. Foto: Simone Marinho/Wikimedia/CC

Brasil anuncia criação de duas áreas de proteção marinha e supera meta de Convenção da ONU

Governo brasileiro anunciou a criação de dois mosaicos de áreas de proteção marinha nos estados de Pernambuco e Espírito Santo. A ação aumentará a proteção dos oceanos brasileiros dos atuais 1,5% para 24,5%, superando o objetivo estabelecido pela Meta 11 de Aichi da Convenção sobre Diversidade Biológica, que visa a proteção de 10% das áreas marinhas e costeiras até 2020.

“Esta decisão inédita de proteger quase um milhão de quilômetros quadrados de extraordinária riqueza biológica mostra que o Brasil está empenhado na proteção de ecossistemas marinhos e espécies únicas e ameaçadas”, disse o diretor-executivo da ONU Meio Ambiente, Erik Solheim, que está no Brasil para o Fórum Mundial da Água.

Relatório foi lançado durante evento no Fórum Mundial da Água. Foto: Jorge Cardoso/8º FMA

Relatório da UNESCO indica soluções baseadas na natureza para uma melhor gestão da água

A infraestrutura cinza, ou seja, aquela construída pelo homem, foi por muito tempo considerada a principal forma de gestão da água no mundo. No entanto, soluções baseadas na natureza muitas vezes podem ser mais eficientes em termos de custo-benefício, de acordo com o coordenador e diretor do Programa Mundial de Avaliação dos Recursos Hídricos (WWAP, na sigla em inglês) da UNESCO, Stefan Uhlenbrook.

Em entrevista ao Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio) durante o Fórum Mundial da Água em Brasília (DF), o especialista afirmou que a chamada infraestrutura verde, ou soluções baseadas na natureza, como a agricultura de conservação, é subutilizada globalmente, respondendo por apenas 5% dos investimentos no setor de água.

Foto: ONU Meio Ambiente/Bruno Bimbato

Metrô de Brasília ganha vagão especial em homenagem à preservação da água

Com o objetivo de promover a conscientização sobre o uso sustentável da água e incentivar o contato com a natureza, o ICMBio, a Embaixada do Canadá e a ONU Meio Ambiente, em parceria com o Metrô-DF, inauguraram vagão adesivado com informações sobre a importância da água e sobre o papel do Parque Nacional de Brasília para sua preservação, trazendo em forma de arte os importantes elementos da fauna e flora do Cerrado.

Em Brasília, Michel Temer se encontra com a diretora-geral da UNESCO, Audrey Azoulay, para a abertura do Fórum Mundial da Água. Foto: Beto Barata/PR

No Brasil, chefe da UNESCO destaca importância das mulheres para melhorar gestão da água no mundo

A voz das mulheres é indispensável para abordar a questão da melhor gestão e uso da água no mundo, na avaliação da diretora-geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), Audrey Azoulay, presente na abertura do Fórum Mundial da Água nesta segunda-feira (19) em Brasília (DF).

“Trata-se de questão na qual a voz das mulheres se faz indispensável, desempenham papel central no provimento, gestão e abastecimento da água”, disse Audrey, lembrando que as mulheres do mundo, somadas, gastam mais de 200 milhões de horas por dia buscando água.

Devido a papéis tradicionais de gênero, em muitas comunidades com difícil acesso à água as mulheres são responsáveis por sua coleta em diferentes lugares do mundo.

Manguezal derrubado no Timor-Leste. Foto: ONU/Martine Perret

UNESCO lança relatório mundial sobre desenvolvimento dos recursos hídricos

As soluções baseadas na natureza podem ter um papel importante na melhoria do abastecimento e da qualidade da água e na redução do impacto dos desastres naturais, de acordo com a edição de 2018 do Relatório Mundial das Nações Unidas sobre Desenvolvimento dos Recursos Hídricos.

O estudo, que será apresentado nesta segunda-feira (19) por Audrey Azoulay, diretora-geral da UNESCO, e por Gilbert Houngbo, diretor do UN Water (ONU Água, em tradução livre) durante 8º Fórum Mundial da Água, em Brasília, defende que reservatórios, canais de irrigação e estações de tratamento de água não sejam os únicos instrumentos de gestão hídrica à nossa disposição.

José Graziano da Silva, chefe da FAO, na abertura da 35ª Conferência Regional da FAO para a América Latina e o Caribe. Foto: FAO

FAO alerta para obesidade na América Latina e Caribe

O chefe da FAO, o brasileiro José Graziano da Silva, pediu na terça-feira (6) que os países da América Latina e Caribe combatam todas as formas de má nutrição, incluindo a obesidade. Durante conferência da agência da ONU para a região, na Jamaica, dirigente afirmou que “erradicar a fome não deve ser a única preocupação em uma região na qual o sobrepeso afeta 7% das crianças com menos de cinco anos e na qual 20% dos adultos dos 24 países são obesos”.

Vigília na sede da OEA, em Washington, nos Estados Unidos, pela ativista ambiental e líder indígena hondurenha Berta Cáceres, assassinada em 2016. Foto: CIDH/Daniel Cima

ONU convoca países e setor privado a acabar com violência contra ambientalistas

A ONU Meio Ambiente lançou nesta terça-feira (6), em Genebra, a Iniciativa para Direitos Ambientais das Nações Unidas, uma estratégia para combater em todo o mundo as ameaças, intimidações, assédio e assassinatos de ambientalistas. O projeto tem por objetivo esclarecer para o público o que são os direitos ambientais e como defendê-los. Com isso, o organismo internacional espera aproximar a sociedade da proteção da natureza.

Vista aérea da Amazônia. Foto: EBC

América Latina e Caribe adotam primeiro acordo regional vinculante sobre meio ambiente

Representantes de 24 países da América Latina e do Caribe reunidos em San José, na Costa Rica, adotaram no domingo (4) o primeiro acordo regional vinculante para proteger direitos de acesso à informação, à participação pública e à Justiça em temas ambientais. O Princípio 10 da Declaração do Rio de Janeiro sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento é um instrumento legal inédito para a região.

O acordo prevê, entre outros pontos, que “cada parte garantirá um entorno seguro e propício no qual as pessoas, grupos e organizações que promovem e defendem os direitos humanos em assuntos ambientais possam atuar sem ameaças, restrições e insegurança”.

Cerca de 22 milhões de pessoas habitam a área da Bacia Amazônica e tiram seu sustento dela. Foto: EBC

Banco Mundial coordena iniciativa de proteção da Bacia Amazônica

Uma nova iniciativa para proteção da maior floresta tropical pluvial contínua do mundo, o Programa Paisagens Sustentáveis da Amazônia, compreende cinco projetos em três países da região: um no Brasil, dois na Colômbia e o mesmo número no Peru, que representam 83% da Bacia Amazônica. Esses foram os primeiros contemplados pela iniciativa, que começa com um investimento de 113 milhões de dólares e, aos poucos, pretende se estender aos seis países restantes.

O Banco Mundial é coordenador da iniciativa e lidera uma plataforma de intercâmbio de conhecimento e monitoramento sobre o tema.

Cana-de-açúcar e plantações de soja avançaram sobre florestas, como a Amazônia, com pouca atenção para os impactos ambientais. Foto: ONU Meio Ambiente GRID Arendal/Riccardo Pravettoni

Países negociam primeiro acordo ambiental da América Latina e Caribe

Delegações de 24 países latino-americanos e caribenhos deram início nesta semana (28), na Costa Rica, a uma nova rodada de negociações sobre o que poderá ser o primeiro acordo ambiental da região. Dirigentes deverão discutir os últimos detalhes para a finalização do documento, que trata dos direitos de acesso à informação sobre meio ambiente, participação política e reparação por danos e perdas de recursos.

Premiação da ONU Meio Ambiente seleciona jovens de 18 a 30 anos. Foto: PEXELS

ONU Meio Ambiente recebe inscrições para prêmio Jovens Campeões da Terra

A ONU Meio Ambiente convoca jovens de 18 a 30 anos a participar do prêmio Jovens Campeões da Terra, que reconhecerá soluções criativas para os problemas ambientais mais urgentes de nosso tempo.

Organizada em parceria com a Covestro, a competição escolherá sete vencedores, que receberão 15 mil dólares para implementar seus projetos. Ganhadores também terão treinamento personalizado e participarão de uma conferência de alto nível das Nações Unidas.

Prazo: 2 de abril; saiba os detalhes aqui.

Mico-leão-dourado na Reserva Biológia Poço das Antas, no Rio de Janeiro. Foto: Flickr (CC)/Bart van Dorp

Prêmio apoiado pela ONU reconhece avanços na conservação da biodiversidade

Até 15 de junho, a ONU e a Fundação Ambiental AEON recebem inscrições para uma premiação que reconhecerá avanços na conservação e uso sustentável da biodiversidade. O prêmio Midori seleciona a cada dois anos cidadãos, governos, organizações internacionais, pesquisadores e empresas que trabalham pela preservação da riqueza natural do planeta. Iniciativa celebra conquistas excepcionais nas áreas de ciência, políticas, conscientização pública e ação prática.

Garrafa de plástico descartada inadequadamente no entorno do Taj Mahal. Foto: Flickr (CC)/Tamas Bodi

Índia sediará celebrações do Dia Mundial do Meio Ambiente em 2018

A ONU Meio Ambiente e o governo da Índia anunciaram, nesta segunda-feira (19), que em 2018 o país asiático sediará as celebrações globais do Dia Mundial do Meio Ambiente, lembrado em 5 de junho. Com o tema “#AcabeComAPoluiçãoPlástica”, a data chama governos, setor privado, comunidades e indivíduos a reduzir a produção e o consumo excessivo de produtos plásticos descartáveis, que contaminam nossos oceanos, prejudicam a vida marinha e afetam a saúde humana.

Soldados indianos servindo à Missão de Paz da ONU na República Democrática do Congo fazem patrulha em floresta. Foto: MONUSCO

ONU oferece curso online sobre meio ambiente e conflito armado

De que forma os recursos naturais estão associados aos conflitos armados e à violência? Como o meio ambiente é impactado pela guerra? E como pode auxiliar na construção da paz? Responder a estas e outras questões é o objetivo do novo curso online gratuito sobre Segurança Ambiental e Paz Sustentável, que começa no dia 1º de março e terá a participação de um quadro internacional de profissionais.

Formação é promovida pela Academia dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, pela ONU Meio Ambiente, pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e parceiros.

Foto: Mikepaws on VisualHunt.com/CC BY-NC-SA

Veja como o Reino Unido está liderando a luta contra a poluição por plástico

Ainda estamos no segundo mês do ano, mas 2018 já teve passos concretos no combate à poluição por plásticos, pelo menos no Reino Unido.

O Palácio de Buckingham implementou um plano para eliminar o uso de plásticos descartáveis em todas as propriedades reais, enquanto um número crescente de restaurantes e bares está se unindo ao movimento global para acabar com os canudinhos. Leia a lista de medidas adotadas pelo país.