Arquivo da tag: Ação contra a mudança global do clima

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU número 13 diz: “Tomar medidas urgentes para combater a mudança climática e seus impactos”.

 

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU número 13 diz: “Tomar medidas urgentes para combater a mudança climática e seus impactos”.

 

Mais sobre este ODS em https://nacoesunidas.org/pos2015/ods13 e na página sobre o Acordo de Paris sobre Mudanças Climáticas (nacoesunidas.org/acordodeparis).

 

Acompanhe abaixo todas as informações e esforços da ONU para combater a mudança climática e promover o desenvolvimento sustentável.

 

Um denso prado de ervas marinhas na Grécia. Esta espécie também conhecida como “azeitona-do-mar”. Foto de Dimitris Poursanidis / GRID-Arendal

Ervas marinhas são arma secreta na luta contra o aquecimento global

Apesar de serem um dos ecossistemas sob ameaça mais negligenciados do planeta, as ervas marinhas podem ter um futuro promissor, graças à sua capacidade de absorver carbono. As ervas marinhas são plantas produtoras de flor que formam prados densos em áreas rasas e protegidas ao longo da costa.

Elas oferecem uma série de benefícios: atuam como viveiro e fonte de alimento para uma grande variedade de espécies marinhas; abrigam muitos peixes, tartarugas e dugongos; protegem as costas absorvendo a energia das ondas; produzem oxigênio e limpam o oceano absorvendo os nutrientes poluentes. Leia o relato do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA).

Grupos de voluntários podem ser agentes de mudanças por meio do engajamento da comunidade e atuação das pessoas. Foto: Allyson Pallisser/UNV Brasil

ARTIGO: Voluntários oferecem tempo, habilidades e entusiasmo às comunidades do mundo

Em artigo, o administrador do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Achim Steiner, fala sobre a importância do trabalho dos voluntários para o combate às mudanças climáticas, para a prestação de cuidados e saúde e para a criação de oportunidades para as pessoas mais marginalizadas no mundo todo.

“Os notáveis resultados já alcançados pelas voluntárias e voluntários todos os dias mostram como é possível desempenhar um papel ativo na formação de um futuro mais brilhante, sustentável e inclusivo.” Leia o artigo completo.

Empresas brasileiras se comprometeram a reduzir emissões e apoiar combate às mudanças climáticas. Foto: Sarah Richter/CC.

Empresas brasileiras assinam compromisso para reduzir emissões de gases do efeito estufa

Mais três empresas brasileiras assinaram compromissos com a Rede Brasil do Pacto Global para reduzir suas emissões de gases do efeito estufa e contribuir para limitar o aumento da temperatura global a 1,5 grau Celsius até 2020.

A fabricante de bebidas Ambev, a empresa de reciclagem Ecopanplas e a varejista de moda Renner confirmaram seu apoio à iniciativa Business Ambition for 1.5º.

Elas se somam a cinco outras empresas nacionais empenhadas em limitar a temperatura média global, seguindo metas baseadas na ciência para chegar a um equilíbrio sustentável do clima.

Madri sedia, entre 2 e 13 de dezembro, a 25ª Conferência das Partes (COP25).

5 coisas que você precisa saber sobre a Conferência da ONU sobre o Clima

Em Madri, capital da Espanha, lideranças globais se reúnem entre 2 e 13 de dezembro para a 25ª Conferência das Partes (COP25). A COP é a reunião anual que acontece desde 1995 com os 197 países que assinam a Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC).

Mas e a Cúpula de Ação Climática que aconteceu em setembro em Nova Iorque, para que serviu? E o que é Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC)?

Para sanar dúvidas a respeito dos muitos acrônimos utilizados pelas Nações Unidas neste assunto, a organização responde a cinco questões fundamentais a fim de deixar o leitor a par das ferramentas, pactos e agências internacionais que foram criados para ajudar a promover a ação contra as mudanças climáticas em todo o mundo.

Mãe e bebê em um centro de acomodação na Beira, em Moçambique, onde sua filha de 2 anos recebe tratamento para malária. Foto: UNICEF/James Oatway

Apenas 1 em cada 5 países tem estratégia de saúde para enfrentar mudanças climáticas

Proteger a saúde das pessoas dos perigos das mudanças climáticas, como estresse por calor, tempestades e tsunamis, nunca foi tão importante, mas a maioria dos países está fazendo muito pouco a esse respeito, alertou a Organização Mundial da Saúde (OMS) na terça-feira (3).

Dos países que realizaram uma análise das ameaças climáticas para a saúde da população, os riscos mais comuns foram: estresse por calor e ferimentos ou morte por eventos climáticos extremos.

Também foram apresentados problemas de segurança alimentar e hídrica, além de doenças transmitidas por vetores, como cólera, dengue ou malária.

Eventos climáticos extremos atingem o mar Adriático em Ražanac, na Croácia. Foto: OMM/Aleksandar Gospić

Década atual deve ser a mais quente já registrada, diz agência meteorológica da ONU

Impulsionado pelas emissões de gases de efeito estufa, o aquecimento global excepcional significa que esta década provavelmente será a mais quente já registrada, de acordo com a Organização Mundial de Meteorologia (OMM), que divulgou dados provisórios sobre o clima global na terça-feira (3).

A agência também descobriu que 2019 caminha para se tornar o segundo ou terceiro ano mais quente da história, com a temperatura média global de janeiro a outubro cerca de 1,1 grau Celsius acima da era pré-industrial.

Foto: ActionVance/CC.

Setor de ar condicionado discute uso de substâncias que não agridem camada de ozônio

Na última quinta-feira (29), evento em Brasília discutiu alternativas de fluidos frigoríficos inofensivos à camada de ozônio e de baixo impacto para o meio ambiente para serem utilizados em aparelhos de ar condicionado de uso residencial.

Debate ocorreu no Encontro sobre Tecnologias para o Setor de Ar Condicionado realizado pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA) e pela Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (UNIDO), e reuniu especialistas e representantes do setor.

De acordo com o Ministério do Meio Ambiente, em 2018, o Brasil alcançou a eliminação de 38% do consumo dos hidroclorofluorcarbonos (HCFCs), substâncias que contribuem com o aquecimento do planeta e agridem a camada de ozônio. Segundo o diretor de Economia Ambiental e Acordos Internacionais do MMA, Adriano Santhiago, índice coloca o país muito perto de concluir a meta de eliminação de 39,3% do consumo da substância até o ano de 2020.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, na abertura da Conferência Climática da ONU (COP25) em Madri. Foto: ONU

Economia verde é oportunidade que precisa ser aproveitada pelos países, diz chefe da ONU na COP25

Uma economia verde “não deve ser temida, mas (encarada como) uma oportunidade a ser aproveitada”, afirmou o secretário-geral da ONU, António Guterres, nesta segunda-feira (2), em uma palestra aos delegados na abertura da Conferência Climática da ONU (COP25) em Madri.

Guterres delineou o programa de trabalho para o que será um evento de duas semanas, cobrindo vários aspectos da crise climática, incluindo capacitação, desmatamento, povos indígenas, cidades, finanças, tecnologia e gênero. “As tarefas são muitas”, disse ele, “nossos prazos são apertados e todos os itens são importantes”.

COP25 ocorrerá em Madri, na Espanha, até 13 de dezembro. Foto: ifema feria de madrid

COP25: conferência da ONU começa em Madri com objetivo de ampliar ambição climática

Governos de todo o mundo reúnem-se a partir desta segunda-feira (2) em Madri, na Espanha, para participar na Conferência da ONU sobre o Clima (COP25), que ocorre até 13 de dezembro com o objetivo de ampliar a ambição dos países no combate às mudanças climáticas.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, discursará na cerimônia de abertura. Segundo seu porta-voz, ele deve fazer um apelo aos líderes mundiais para que aumentem sua ambição para alcançar as metas estabelecidas no Acordo de Paris. Guterres também deve pedir que adotem as mais novas regras sobre a implementação desse acordo.

Organização Meteorológica Mundial alerta para níveis recordes de gases de efeito estufa na atmosfera

As concentrações de gases de efeito estufa atingiram um novo recorde. A Organização Mundial Meteorológica (OMM) informou na última segunda-feira (25) que os níveis dos três principais gases captadores de calor que são emitidos na atmosfera – dióxido de carbono, metano e óxido nitroso – alcançaram um patamar alarmante.

Dados fazem parte do último Boletim de Gases de Efeito Estufa da OMM, lançado em 20 de novembro, que apresenta um balanço das medições referentes ao ano de 2018. Com base nos dados do Boletim, a organização avalia que não é estimado que as emissões globais enfraqueçam até 2030 (nem mesmo até 2020) se as políticas climáticas existentes permanecerem inalteradas.

Em um apelo aos governos para que façam mais para reverter a dependência dos países na produção de energia a partir de combustíveis fósseis, em compromisso com o Acordo de Paris firmado em 2015, o secretário-geral da OMM, Petteri Taalas, alertou que “o bem-estar futuro da humanidade” está em jogo.

Em 1 de julho de 2016, Amaia, de 11 anos, uma menina inuíte, pisa em bloco de gelo no Oceano Ártico, em Barrow, Alasca (EUA). O derretimento anômalo do gelo do Ártico é um dos muitos efeitos do aquecimento global que tem sério impacto na vida dos seres humanos e na natureza. Foto: UNICEF

Corte de emissões precisa ser mais drástico para limitar aumento de temperatura global a 1,5ºC

Mesmo que todos os compromissos atuais sob o Acordo de Paris para o clima sejam implementados, as temperaturas deverão subir 3,2°C, trazendo impactos climáticos ainda maiores e mais destrutivos, segundo novo relatório do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA).

Para alcançar a meta de 1,5°C, a ambição coletiva precisa aumentar em mais de cinco vezes em relação aos níveis atuais para proporcionar os cortes necessários na próxima década.

Os oceanos são tão importantes quanto as florestas para a regulação do clima da Terra. Foto: FAO

Sustentabilidade dos oceanos é tema de evento internacional no Rio organizado pela UNESCO

O Rio de Janeiro é sede esta semana do Workshop Regional do Atlântico Sul, evento preparatório para a Década das Nações Unidas da Ciência Oceânica para o Desenvolvimento Sustentável (2021 a 2030).

O evento acontece até quarta-feira (27), na Escola de Guerra Naval, e é organizado pela Comissão Oceanográfica Intergovernamental (COI) da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).

Crianças em frente à sua nova escola, feita de tijolos de plástico reciclado em Sakassou, no centro da Costa do Marfim. Foto: UNICEF/Frank Dejongh

Cartilha para crianças explica direito a um meio ambiente seguro, saudável e sustentável

Apesar de as crianças serem mais vulneráveis aos problemas ambientais, seus pontos de vista e interesses geralmente são deixados de fora da tomada de decisões. Para reverter esse quadro, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) lançou uma cartilha em português que explica a crianças e jovens, de maneira didática, as principais conclusões do Relator Especial sobre os Direitos da Criança e o Meio Ambiente.

A exposição infantil a poluentes e outras substâncias tóxicas também contribui para deficiências, doenças e mortalidade prematura na idade adulta. Elas, por exemplo, são mais suscetíveis à poluição do ar do que os adultos e, como seus sistemas imunológicos ainda estão em desenvolvimento, correm maior risco de infecções respiratórias e têm menos capacidade de combatê-las.

A atriz Millie Bobby Brown foi nomeada nesta terça-feira (20) nova embaixadora da Boa Vontade do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF). Foto: UNICEF

Millie Bobby Brown e David Beckham lideram cúpula da ONU sobre direitos da criança

A atriz britânica Millie Bobby Brown e o ex-jogador de futebol britânico David Beckham, embaixadores do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), vão liderar nesta quarta-feira (20) uma cúpula global na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque, onde se juntarão a crianças e jovens para exigir proteção e promoção de seus direitos.

A cúpula do UNICEF faz parte das comemorações do Dia Mundial da Criança. No mesmo dia, celebra-se o trigésimo aniversário da adoção da Convenção sobre os Direitos da Criança, tratado de direitos humanos mais amplamente ratificado da história.

Projeto ajudará a fornecer dados sobre uso de florestas - Foto: Pedro Dias/Pixabay

Novo projeto florestal da ONU ajudará países a cumprir compromissos com mudanças climáticas

A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) anunciou na última segunda-feira (11) um novo projeto que possibilitará 26 países de fornecer dados aprimorados sobre o uso de suas florestas e terras – uma promessa de todos os representantes signatários do Acordo de Paris. A iniciativa, que já apoia 70 nações, investirá 7,1 milhões de dólares no monitoramento de matas nativas, a fim de garantir um manejo mais sustentável da terra.

De acordo com a FAO, o monitoramento preciso sobre o uso das florestas e terras é essencial para que os países acompanhem o progresso em relação aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), à medida que adotam medidas de mitigação de mudança climática e de adaptação.

Os capacetes-azuis apoiaram a transição do Haiti para a democracia, a reconstrução do país e os esforços para estabilidade após o terremoto de janeiro de 2010. Estimados 220 mil haitianos morreram como resultado do terremoto. Os capacetes-azuis distribuíram materiais para abrigo temporário a pessoas de Porto Príncipe que ficaram sem-teto após o desastre. Foto: Minustah/Logan Abassi, 2010

Em Cuiabá, UNDRR participa do Primeiro Seminário Mato-Grossense sobre Redução do Risco de Desastres

O Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres (UNDRR, na sigla em inglês) participou, entre 30 e 31 de outubro, em Cuiabá, do Primeiro Seminário Mato-Grossense sobre Redução do Risco de Desastres.

Presente no evento, o vice-chefe do UNDRR para as Américas e o Caribe, Nahuel Arenas Garcia, destacou a importância de um enfoque multisetorial e colaborativo entre os vários atores que trabalham com a Redução do Risco de Desastres (RRD), e insistiu no desafio econômico que os desastres representam para a região.

A agência da ONU avalia que com a organização do seminário, o Estado do Mato Grosso reconhece a importância desse tema para a agenda do desenvolvimento sustentável e a necessidade de aumentar a sensibilização sobre as oportunidades e os desafios que a Redução do Risco de Desastres traz para a região.

Escoteiros são incentivados a inspirar suas famílias, escolas e comunidades a mudar seus hábitos de consumo. Foto: Asociación de Scouts de México

Escoteiros da América Latina e do Caribe juntam-se à luta global contra a poluição por plástico

Milhares de escoteiros da América Latina e do Caribe irão participar dos esforços globais contra o lixo marinho com o desafio de reduzir o uso de plásticos por 10 semanas – parte da campanha Mares Limpos do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA).

Todo ano, mais de 8 milhões de toneladas de plástico chegam aos oceanos, ameaçando os ecossistemas marinhos do mundo.

A crescente crise alimentar, que afeta tanto as comunidades urbanas quanto as rurais, se vê agravada pelo aumento dos preços dos alimentos; pelas perdas em larga escala na pecuária; e ao aumento do desemprego. Foto: FAO | Telcinia dos Santos.

Agências de alimentação da ONU pedem mais apoio para vítimas da fome na África Austral

Segundo agências de alimentação das Nações Unidas, até 45 milhões de pessoas em 16 países da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) sofrerão grave insegurança alimentar nos próximos seis meses.

A crescente crise alimentar, que afeta tanto as comunidades urbanas quanto as rurais, se vê agravada pelo aumento dos preços dos alimentos; pelas perdas em larga escala na pecuária; e ao aumento do desemprego.

“As chuvas tardias, largos período de seca, ciclones de grande magnitude e os problemas econômicos têm demonstrado ser uma combinação desastrosa para a segurança alimentar e os meios de subsistência em toda a África Austral”, afirmou Alain Onibon, coordenador sub-regional da FAO para a África Austral.

A premiação aconteceu em Roma (Itália) durante a 31ª Reunião das Partes do Protocolo de Montreal (MOP-31). Foto: UNIDO.

Projeto brasileiro de refrigeração sustentável recebe prêmio internacional

Projeto brasileiro de refrigeração via propano para uso comercial em supermercados recebeu nesta terça-feira (05/11), em Roma (Itália), prêmio internacional.

A iniciativa premiada é coordenada pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA) e executada no Brasil em parceria com a Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento industrial (UNIDO) e a empresa paranaense Eletrofrio Refrigeração.

O prêmio foi concedido pela Sociedade de Engenheiros de Aquecimento, Refrigeração e Ar Condicionado (ASHRAE), sediada em Atlanta (EUA), e pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA).

Pacto visa reduzir as emissões de gases que provocam o aquecimento do planeta através do reforço da resposta global a esta ameaça. Foto: Banco Mundial | Curt Carnemark.

EUA apresentam à ONU pedido formal de retirada do Acordo de Paris

As Nações Unidas anunciaram que o secretário-geral, António Guterres, foi informado pelo governo dos Estados Unidos que o país começará a se retirar formalmente do Acordo de Paris sobre a mudança climática.

Notificação de saída foi feita à ONU no dia do quarto aniversário da entrada em vigor do pacto. Pelos termos do acordo, saída norte-americana deve acontecer em 4 de novembro de 2020.

O Acordo de Paris visa reduzir as emissões de gases que provocam o aquecimento do planeta através do reforço da resposta global a essa ameaça.

Segundo o PNUMA, a urbanização pode representar uma ferramenta crucial para o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Foto: Foster and Partners via PNUMA.

Iniciativas do Programa da ONU para o Meio Ambiente auxiliam desenvolvimento sustentável das cidades

Segundo o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), com mais da metade da população global vivendo em cidades, elas concentram tanto os desafios do combate às mudanças climáticas quanto as soluções, por serem berço das inovações tecnológicas que podem impulsionar o alcance da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.

O PNUMA trabalha em parceria com o Programa de Assentamentos Humanos das Nações Unidas (ONU-HABITAT) e outros organismos para promover o desenvolvimento sustentável dos centros urbanos, como o Centro de Conhecimento sobre Cidades e Mudanças Climáticas, um repositório on-line de informações sobre a mudança climática para apoiar a tomada de decisão de governanças locais.

Leia o relato do PNUMA para o Dia Mundial das Cidades (celebrado em 31 de outubro).

Governo espanhol fez oferta para acolher conferência. Foto: ONU News | Anton Uspensky

ONU confirma Madri como sede da 25ª Conferência sobre Mudança Climática

As Nações Unidas confirmaram que Madri, na Espanha, irá acolher a 25ª Conferência Internacional sobre Mudança Climática (COP 25).

Nota da secretária-executiva da Convenção Sobre Mudança Climática, Patricia Espinosa, informou que evento será mantido para acontecer entre 2 e 13 de dezembro.

A COP 25 seria realizada no Chile, mas presidente Sebastián Piñera cancelou a possibilidade de sediar o evento devido à onda de protestos no país.

Agricultora brasileira da associação da comunidade negra de Jatobá. Foto: Banco Mundial/Romel Simon

ARTIGO: O papel das mulheres na segurança alimentar

Em artigo, o representante da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) no Brasil, Rafael Zavala, analisa o papel das mulheres na segurança alimentar à luz dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Ao mesmo tempo em que são responsáveis por mais da metade da produção de alimentos, mais de 60% das pessoas com gome crônica no mundo também são mulheres e meninas. Leia o artigo completo.

Tóquio é a maior cidade do mundo, com 37 milhões de habitantes. Foto: Banco Mundial | Antony Tran.

No Dia Mundial das Cidades, ONU propõe debate acerca dos desafios da urbanização global

Concentrando mais de 70% das emissões globais de dióxido de carbono, os centro urbanos “são onde a batalha climática será amplamente vencida ou perdida”, afirmou o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, em sua mensagem oficial para o Dia Mundial das Cidades, celebrado anualmente em 31 de outubro.

Sob o tema “Mudando o mundo: inovações e uma vida melhor para as gerações futuras”, a Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) sediará hoje (31) uma conferência em Paris para debater com representantes de cerca de 24 municípios de todas as partes do mundo os desafios e as oportunidades trazidos com o processo de urbanização.

Segundo o Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais das Nações Unidas (UN Desa), até 2050, cerca de 6,7 bilhões de pessoas estarão vivendo em cidades – tornando o mundo quase 70% urbano.

Santiago do Chile. Foto: Santiago do Chile. Foto: B1mbo/Wikipédia/CC

Chile desiste de sediar conferência sobre mudança climática; ONU busca alternativas

As Nações Unidas confirmaram nesta quarta-feira (30) a informação sobre a desistência do Chile de sediar a Conferência Internacional sobre Mudança Climática (COP 25).

Em nota, a secretária-executiva da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês), Patricia Espinosa, disse ter recebido a comunicação direta do presidente chileno, Sebastián Piñera, de que seu país não sediará mais o evento, marcado para ocorrer de 2 a 13 de dezembro.

Espinosa disse que o Chile está “atravessando uma situação difícil”, e que ela e sua equipe já começaram a pensar em alternativas para que a conferência seja realizada em outro lugar.

Castanha é produto florestal importante para comunidades que vivem na região amazônica. Foto: Agência Brasil/Marcelo Camargo

Workshop no Rio discute métricas para avaliar impacto dos negócios na biodiversidade

O Rio de Janeiro sediará, nos dias 29, 30 e 31 de outubro, workshop sobre negócios e biodiversidade, cujo objetivo é impulsionar a troca de experiências entre empresas interessadas em reformular seus modelos de negócios para práticas mais sustentáveis.

Durante os três dias, especialistas do mundo inteiro vão discutir temas como medição, monitoramento e divulgação de impactos e a dependência das empresas em relação à biodiversidade. Com a reunião de diferentes setores e metodologias, a intenção é formar uma visão comum em torno de métricas e boas práticas de preservação.

O evento é uma iniciativa do iniciativa do Centro Mundial de Monitoramento da Conservação do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA-WCMC).

Agricultores brasileiros estão utilizando técnicas orgânicas envolvendo leguminosas que reduzem os custos e combatem as mudanças climáticas. Foto: EMBRAPA

Saiba como participar da campanha pelo clima da Rede Brasil do Pacto Global

A Rede Brasil do Pacto Global, junto à agência publicitária Almap BBDO, lançou o movimento #AceitaEstaCaneta. A ideia é mobilizar os principais líderes corporativos para que assinem um compromisso público de limitar o aumento da temperatura da Terra a 1,5°C e atingir o objetivo de zero emissão de gases de efeito estufa antes de 2050.

As metas são baseadas na ciência e visam evitar uma catástrofe climática. A iniciativa faz parte da frente de atuação Action4Climate, projeto do Pacto Global que promove ações pelo clima.

O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) é considerada neutro em relação ao clima. Foto: PNUMA.

Dez anos de neutralidade climática no PNUMA

Aos 47 anos, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) está em plena maturidade. O que se traduz em um grande número de conquistas – como a realização do Protocolo de Montreal de 1987, que limitou as emissões de gases que prejudicam a camada de ozônio; e a Convenção de Minamata de 2012, que limitou as emissões de mercúrio tóxico.

Mas, nesse percurso, também foram contabilizados erros, como o aumento do número de viagens aéreas e, consequentemente, de emissão de CO².

No entanto, o órgão continua reduzindo suas emissões anuais de carbono, sabendo que deve dar o exemplo: seu mandato é estabelecer a agenda ambiental global, fornecendo liderança e soluções para alguns dos desafios mais urgentes que a humanidade enfrenta.

"A FabricAID redesenha a forma como pensamos a moda", Omar Itani, 24, um dos ganhadores do Prêmio Jovens Campeões da Terra 2019.

No Líbano, jovem premiado pela ONU reformula o futuro da moda enquanto ajuda refugiados

O ganhador do Prêmio Jovens Campeões da Terra 2019 para a região do Sudoeste Asiático, Omar Itani é fundador da FabricAid, uma iniciativa de Beirute, no Líbano, que recicla roupas e tecidos descartados que gerariam danos ao meio ambiente.

A indústria da moda é o segundo maior consumidor de água no mundo, utilizando água suficiente para satisfazer as necessidades de cinco milhões de pessoas e produzindo o equivalente a três milhões de barris de petróleo em microfibra – que muitas vezes são despejados no mar.

A solução de Itani está dando novos usos a antigas peças enquanto protege a natureza e ajuda refugiados vivendo em Beirute – que podem comprar as roupas da FabricAid por uma preço que varia entre 30 centavos de dólar e dois dólares.

As cidades de todo o mundo querem ser resilientes. Mas o que isso significa?

Pequenas ou grandes, as cidades de todo o mundo têm desafios comuns, em especial os trazidos pela rápida urbanização e pelas mudanças climáticas. As Nações Unidas estimam que 4 bilhões de pessoas – mais da metade da população global – vivem nos centros urbanos. Até 2050, mais de dois terços da população mundial viverá nas cidades, o que gerará uma demanda crescente por moradias acessíveis, sistemas de transporte bem conectados e outras infraestruturas e serviços, além de empregos.

Além disso, o aumento da temperatura global intensifica os riscos de elevação do nível das águas, deslizamentos de terra, secas, furacões e outros desastres, que podem levar 100 milhões de pessoas à extrema pobreza.

A boa notícia é que, com conhecimento e criatividade, os centros urbanos estão encontrando formas de enfrentar novos e antigos problemas com menos perdas e maior capacidade de recuperação. Em outras palavras, criando resiliência. O relato é do Banco Mundial.

As cidades podem diminuir o seu calor e ajudar a colocar o mundo na rota para um futuro mais fresco. Foto: PNUMA.

Cidades podem ajudar a combater mudanças climáticas, diz PNUMA

A vida sempre foi mais quente nas cidades. O concreto absorve e irradia a luz solar, e a concentração de pessoas, carros e máquinas faz com que as temperaturas sejam até 9°C maiores do que nas áreas rurais.

Isso levou a um rápido crescimento do número de aparelhos de ar condicionado, com um alto consumo de energia.

Ao implementar estratégias de refrigeração limpa, as cidades podem não apenas reduzir a demanda por ar condicionado, mas alinhar suas políticas para garantir qualidade do ar, saúde pública e resiliência energética. O relato é da ONU Meio Ambiente.

“Nossos Campeões e Jovens Campeões de 2019 se atrevem a sonhar mais; eles se esforçam mais e vão mais longe. Suas ações falam mais alto que palavras”, Inger Andersen, diretora Executiva do PNUMA. Foto: PNUMA.

Pioneiros globais recebem maior prêmio ambiental da ONU

O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) homenageou oficialmente 12 agentes de mudança ambiental de todo o mundo com o prêmio ‘Campeões da Terra’ e ‘Jovens Campeões da Terra’ de 2019 das Nações Unidas.

O Campeões da Terra – principal prêmio ambiental da ONU – é entregue anualmente a líderes destacados do governo, sociedade civil e setor privado cujas ações tiveram um impacto positivo no meio ambiente.

A cerimônia de premiação, realizada em Nova Iorque em 26 de setembro, reconheceu os premiados nas categorias Inspiração e Ação; Liderança em Políticas; Visão Empresarial; e Ciência e Inovação.

O evento 2019 da UNEP-FI debateu a importância de integrar questões ambientais, sociais e de governança nas estratégias e no dia a dia dos negócios. Foto: PNUMA.

Iniciativa Financeira do PNUMA promove evento para discutir oportunidades de negócios sustentáveis

A cidade de São Paulo sediou, nos dias 14 e 15 de outubro, a edição 2019 da Mesa Redonda Regional da Iniciativa Financeira do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (UNEP-FI, na sigla em inglês).

O evento, realizado em parceria com a Federação Brasileira dos Bancos (FEBRABAN), reuniu mais de 320 participantes, de 19 países da América Latina e Caribe, para discutir sobre os principais desafios para o desenvolvimento da região e as oportunidades de negócio trazidas pela economia de baixo carbono.

A chef e agricultora filipina Louise Mabulo, de 20 anos, venceu o Jovens Campeões da Terra para a Ásia e o Pacífico por aumentar a renda de agricultores de cacau resiliente ao clima. Foto: Divulgação

Chef e agricultora filipina é uma das vencedoras do prêmio Jovens Campeões da Terra

A chef e agricultora filipina Louise Mabulo, de 20 anos, fundadora do Cacao Project e do Culinary Lounge, é uma das vencedoras do Prêmio Jovens Campeões da Terra da ONU Meio Ambiente para a região de Ásia e Pacífico.

Seus projetos capacitaram mais de 200 agricultores, plantaram mais de 70 mil árvores e restauraram terras devastadas pelo tufão Ngoc desde 2016. Ela também criou uma espaço culinário que adquire ingredientes de agricultores locais e incentiva a produção de refeições caseiras.

Os estudantes aprendem sobre conservação ambiental, qualidade de vida e rendas geradas pela floresta. Foto: FAS/Rodolfo Pongelupe

Fundação Amazonas Sustentável vence prêmio UNESCO-Japão em educação

A diretora-geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), Audrey Azoulay, nomeou os três vencedores deste ano do Prêmio UNESCO-Japão em Educação para o Desenvolvimento Sustentável (ESD).

Os projetos Fundação Amazonas Sustentável (Brasil), Camphill Community Trust (Botsuana) e a cidade de Hamburgo (Alemanha) foram os vencedores. Cada um dos premiados receberá 50 mil dólares, em uma cerimônia que ocorrerá na sede da UNESCO em 15 de novembro, durante a Conferência Geral da Organização.

A Fundação Amazônia Sustentável venceu o prêmio por seu projeto “Educação Relevante para o Desenvolvimento Sustentável em Comunidades Remotas da Amazônia”, cujo foco é a geração de renda baseada em florestas, conservação ambiental e qualidade de vida.

Bela Gil participa de Simpósio Internacional sobre o Futuro dos Alimentos, na sede da FAO, em Roma. Foto: FAO/Pier Paolo Cito

Bela Gil defende comida de verdade e proteção ambiental no Dia Mundial da Alimentação

Atualmente, as principais causas de mortes no mundo estão relacionadas às doenças crônicas não transmissíveis ocasionadas pela dieta de má qualidade, e que poderiam ser evitadas com uma alimentação saudável. O alerta foi feito pela chef de cozinha, nutricionista e apresentadora de TV Bela Gil, que participou em Brasília (DF) do início das comemorações do Dia Mundial da Alimentação.

Durante a palestra, que reuniu cerca de 200 pessoas, Bela Gil lembrou os problemas de saúde causados pela má alimentação e complementou: “precisamos mudar a maneira como nos alimentamos por uma questão de sobrevivência”. Ela afirmou que há atualmente uma epidemia de má nutrição, o que inclui a desnutrição e a obesidade.

Menina interage com colegas de classe em Uganda. Foto: UNICEF/Zahara Abdul

Dia Internacional das Meninas lembra 25 anos de progressos e desafios no horizonte

As mais de 1 bilhão de meninas do mundo estão sendo celebradas nesta sexta-feira (11) como uma força de mudança “sem roteiro e irrefreável” para a humanidade.

Todos os dias, meninas com menos de 18 anos desafiam estereótipos, quebram barreiras e lideram movimentos para lidar com problemas que as afetam e afetam outras pessoas, disse o secretário-geral da ONU, António Guterres, em mensagem para o Dia Internacional das Meninas.

Produtora rural colombiana transforma resíduos em energia renovável de baixo custo

Produtora rural do município de Santo Antônio, a colombiana Sandra Mendoza, de 46 anos, teve acesso a microcrédito e passou a adotar em sua propriedade o biodigestor, uma tecnologia que permite aproveitar resíduos para produzir energia renovável e de baixo custo.

Além de ser a primeira mulher presidente do Comitê Cafeeiro Municipal, Sandra fundou a Associação de Mulheres Cafeeiras de Santo Antônio. Também é a primeira a utilizar um biodigestor no estado de Tolima. Leia a reportagem da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO).