Arquivo da tag: Ação contra a mudança global do clima

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU número 13 diz: “Tomar medidas urgentes para combater a mudança climática e seus impactos”.

 

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU número 13 diz: “Tomar medidas urgentes para combater a mudança climática e seus impactos”.

 

Mais sobre este ODS em https://nacoesunidas.org/pos2015/ods13 e na página sobre o Acordo de Paris sobre Mudanças Climáticas (nacoesunidas.org/acordodeparis).

 

Acompanhe abaixo todas as informações e esforços da ONU para combater a mudança climática e promover o desenvolvimento sustentável.

 

Na ONU, Javier Bardem defende tratado global de proteção dos oceanos

O ator espanhol Javier Bardem dirigiu-se a delegados de 193 Estados-membros das Nações Unidas que participam de uma conferência intergovernamental em Nova Iorque para a redação de um instrumento vinculante que proteja a biodiversidade dos oceanos no mundo.

A reunião é a terceira de uma rodada de quatro que buscam concretizar as negociações do tratado, iniciadas há dez anos.

O tratado global para os oceanos seria o primeiro instrumento vinculativo sob a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar, e abarcaria a conservação e o uso sustentável da diversidade biológica marinha nas áreas fora de jurisdições nacionais.

As duas organizações trabalharão mais próximas para monitorar ameaças contra defensores dos direitos ambientais. Foto: Agência Brasil/Marcelo Camargo

Agências da ONU assinam acordo para proteger direito humano a um meio ambiente saudável

As ameaças a indivíduos e comunidades que defendem seus direitos ambientais e fundiários se intensificam em muitas partes do mundo. Neste contexto, a ONU Meio Ambiente e o Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) uniram esforços para promover e proteger os direitos humanos e ambientais por meio de um novo acordo de cooperação assinado na sexta-feira (16).

As duas organizações trabalharão mais próximas para monitorar ameaças contra defensores dos direitos ambientais, advogar por melhor proteção, apelar para uma responsabilização mais eficaz dos perpetradores de violência e intimidação, desenvolver redes de defensores de direitos humanos ambientais e promover a participação significativa na tomada de decisões ambientais.

Mudanças climáticas ameaçam a Amazônia e, consequentemente, disponibilidade de recursos hídricos para países da região. Foto: Flickr (CC) / Dams999

FAO lista 7 segredos sobre a importância das florestas para planeta e humanidade

As florestas estão silenciosamente trabalhando em segundo plano, secretamente limpando nossa água, filtrando nosso ar e nos protegendo das mudanças climáticas.

Elas são anjos da guarda de mais de 1 bilhão de pessoas, fornecendo alimentos, medicamentos e combustível para aqueles que não podem ter acesso a esses recursos. Elas abrigam mais de três quartos da biodiversidade terrestre e muitas das pessoas mais pobres do mundo.

As florestas desempenham um papel fundamental em nossas vidas. Papel que nem sequer reconhecemos. A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) listou sete de seus segredos mais bem guardados.

Mulheres indígenas da Colômbia. Foto: Gerardo Segura Warnholtz/PROFOR

Antropólogo fala sobre defesa da Amazônia colombiana e proteção de povos indígenas

Das 7 mil línguas faladas em todo o mundo, 4 mil são línguas indígenas, das quais quase 3 mil estão em perigo de desaparecer, de acordo com a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO). O Dia Internacional dos Povos Indígenas, celebrado em 9 de agosto — e que este ano coincidiu com o Ano Internacional das Línguas Indígenas — chamou a atenção para esse dado preocupante.

Nesse contexto, o Banco Mundial destaca o trabalho do antropólogo norte-americano naturalizado colombiano Martin von Hildebrand, fundador e presidente da organização não governamental Gaia Amazonas. O especialista dedicou a vida à defesa e à promoção dos direitos territoriais, e da conservação cultural e biológica na Amazônia colombiana. Leia a entrevista.

Crianças na escola primária Zanaki, em Dar es Salaam, na Tanzânia. Foto: Banco Mundial/Sarah Farhat

No dia da juventude, chefe da ONU defende educação para estimular pensamento crítico

Em mensagem para o 12 de agosto, Dia Internacional da Juventude, o secretário-geral da ONU, António Guterres, alerta para a crise de aprendizado nas escolas, onde meninos e meninas nem sempre recebem o apoio necessário para desenvolver pensamento crítico e aprimorar competências tecnológicas.

O chefe das Nações Unidas defende uma educação que seja inclusiva, acessível e que conecte os jovens com o mundo de hoje, abordando temas como as mudanças climáticas, direitos humanos e igualdade de gênero.

Solo ressecado próximo ao rio Nilo Branco, em Cartum, Sudão. Foto: Banco Mundial/Arne Hoel

Agricultura e usos do solo representam 23% das emissões de gases do efeito estufa, diz ONU

Novo relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) aponta que mudanças no uso do solo são necessárias para limitar o aquecimento global a 2º C, conforme previsto pelo Acordo de Paris.

Atualmente, a agricultura, a silvicultura e outros tipos de uso do solo representam 23% das emissões humanas de gases do efeito estufa.

Ao mesmo tempo, a publicação alerta que as mudanças climáticas poderão agravar a degradação do solo no mundo, comprometendo a produção e a oferta de alimentos.

Foto: GTC/DoFPS

Butão torna-se refúgio para população de tigres-de-bengala

Atualmente, a variedade de tigres é de 7% do que era no século 19. Em população, agora são uma mera fração. Acredita-se que menos de 3,8 mil tigres permaneçam em estado selvagem em apenas 13 países. E na maioria dos lugares, seus habitats são esparsos e fragmentados, confinando o predador de longo alcance a pequenos bolsões de áreas protegidas.

Mas, em um país, os tigres encontraram refúgio. No Butão, os tigres-de-bengala podem percorrer um habitat contíguo em todo o país, que se estende desde as selvas subtropicais das terras baixas até as florestas subalpinas, a 4.500 metros de altitude, nas encostas das montanhas. Com 71% do país sob cobertura florestal e mais da metade designada a áreas protegidas, os tigres têm liberdade de habitar praticamente qualquer lugar. O relato é da ONU Meio Ambiente.

Refugiados rohingya enfrentaram três dias de chuva contínua que causaram inundações, deslizamentos de terra e danos a estruturas residenciais. Foto: ACNUR/David Azia

Crise climática deve alterar padrões de assentamentos e migrações, diz autoridade da ONU

Ao longo da história humana, a migração e o clima sempre estiveram interligados. Agora, na era contemporânea, os impactos da crise climática provocada pelo homem devem alterar extensivamente os padrões de assentamentos humanos.

Segundo a chefe da divisão de Migração, Meio Ambiente e Mudança Climática da Organização Internacional para as Migrações (OIM), estamos vivendo em uma era em que eventos catastróficos relacionados ao clima estão ligados à atividade humana, e que provavelmente terão grande impacto sobre a maneira com a qual decidimos migrar e assentar.

“Há previsões para o século 21 que indicam que até mais pessoas terão que se movimentar como resultado destes impactos climáticos adversos. O Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática (IPCC), principal autoridade da ONU para ciências climáticas, tem afirmado repetidamente que as mudanças geradas pela crise climática irão influenciar padrões de migração”, afirmou Ionesco.

Refugiados da Somália chegam a campo na Etiópia. Devido à falta de chuvas e contínua insegurança no país, o número de refugiados no assentamento aumentou. Foto: UNICEF/Jiro Ose

Chefe da ONU expressa preocupação com mudança climática e crescimento de tensões políticas

O aquecimento global e as tensões políticas crescentes são perigosos e evitáveis, disse o secretário-geral das Nações Unidas na quinta-feira (1º), em preparação à Cúpula da ONU sobre Ação Climática. Durante conversa com jornalistas em Nova Iorque, António Guterres, afirmou que, embora tenha havido verões quentes no Hemisfério Norte, o deste ano “não é o verão de nossa juventude”, e sim uma emergência climática.

De fato, a Organização Meteorológica Mundial (OMM) indicou que 2019 teve o mês de junho mais quente já registrado, com recordes quebrados de Nova Déli ao Círculo Ártico. O mês de julho também deve igualar, ou até mesmo superar, o mês mais quente já registrado na história. Além disso, 2015 a 2019 formam o período de cinco anos mais quente já registrado.

Colheita de milho em Sertão Santana (RS). Foto: Pedro Revillion/Palácio Piratini/CC

Aliança empresarial publica guia sobre sustentabilidade no setor de alimentos e agronegócio

A Rede Brasil do Pacto Global — aliança corporativa alinhada aos valores da ONU — lançou na quarta-feira (31) um guia para que empresas de alimentação e o agronegócio adequem suas atividades produtivas aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). O chamado Manual do Replicador vai ajudar companhias do setor a buscar modelos mais responsáveis de cultivo e fabricação de alimentos.

Em Westminster, no Reino Unido, jovens protestam por ações climáticas urgentes. Foto: Flickr (CC)/Rox

Secretário-geral da ONU alerta que julho foi o mês mais quente já registrado

O secretário-geral da ONU, António Guterres, disse na quinta-feira (1º) que julho igualou ou superou o mês mais quente já registrado na história, segundo novos dados da Organização Meteorológica Mundial (OMM).

“De acordo com os dados mais recentes da OMM e de seu centro de clima, julho igualou se não superou o mês mais quente já registrado na história. Isso ocorre após o registro do junho mais quente já registrado”, disse o secretário-geral da ONU.

A natureza por ajudar as cidades a resolver muitos problemas ambientais causados pela humanidade. Foto: Green City Solutions

Empresa alemã desenvolve instalação urbana com musgo para reduzir poluição nas cidades

Quando Peter Sänger, de 26 anos, e Liang Wu, de 34, se juntaram, perceberam imediatamente que tinham algo em comum. Ambos firmes defensores da luta contra a poluição do ar na Alemanha, eles acreditam que, se você não pode medi-la, não poderá vencê-la.

É por isso que eles fundaram a Green City Solutions — uma solução para quantificar a poluição e purificar o ar das cidades por meio de instalações urbanas com musgos.

Sua invenção, a CityTree, atua tanto como purificador de ar quanto como um display de plantas. Produzidas com base na ciência, as “árvores” verticais de painéis planos espalhadas por cidades da Europa “comem” a poluição do ar e ao mesmo tempo servem de assentos para pedestres. O relato é da ONU Meio Ambiente.

Homem se refresca em uma fonte durante a onda de calor em 2010 em Londres. Foto: Flickr/Chris JL

Nova onda de calor atinge Europa e especialistas ressaltam ligação com mudança climática

Pela segunda vez em menos de um mês, uma intensa e ampla onda de calor atingiu a Europa, com novas temperaturas mínimas e máximas recordes, interrupções nos sistemas de transportes e infraestrutura e pressão sobre a saúde humana e ao meio ambiente. De acordo com Organização Meteorológica Mundial (OMM), esses fenômenos carregam “a assinatura da mudança climática provocada pelo homem”.

Bélgica, Alemanha, Luxemburgo e Holanda tiveram novas temperaturas nacionais recordes, conforme termômetros ultrapassaram a marca de 40°C no pico da onda de calor em 25 de julho. Na França, Paris registrou seu dia mais quente, com temperatura de 42,6°, um patamar sem precedentes desde o início dos registros.

A estilista Magna Coeli decidiu fazer moda de um jeito diferente, reaproveitando materiais que seriam normalmente descartados. Foto: Refazenda

No dia de sobrecarga da Terra, ONU celebra estilista brasileira que transforma lixo em luxo

Neste 29 de julho, o mundo lembra o chamado Dia de Sobrecarga da Terra — a data em que o consumo de recursos do planeta pelos seres humanos ultrapassou a capacidade que a natureza tem de repor esses recursos ao longo do ano.

Para marcar o dia, a ONU Meio Ambiente celebra a trajetória da estilista brasileira Magna Coeli, que decidiu repensar a forma de se fazer moda, reaproveitando sobras de tecido e materiais que normalmente seriam descartados.

Manguezal no parque nacional Los Haitises, na República Dominicana. Foto: WkiMedia (CC)/Anton Bielousov

UNESCO afirma que manguezais são aliados do ser humano na luta contra as mudanças climáticas

Em mensagem para o Dia Internacional de Conservação do Ecossistema de Mangue, celebrado nesta sexta-feira (26), a diretora-geral da UNESCO, Audrey Azoulay, lembrou que esses ecossistemas são fundamentais tanto para comunidades de regiões costeiras — onde os manguezais são fonte de subsistência e proteção contra desastres naturais — quanto para o resto do mundo, que tem nos mangues um aliado contra o aquecimento global.

A medida se dá no âmbito do Projeto de Gerenciamento e Destinação Final de SDOs, coordenado pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA) e executado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Foto: PNUD

Projeto fortalece regeneração de gases usados pelo setor de refrigeração

Para gerenciar o uso de gases contaminados e nocivos à camada de ozônio em aparelhos de refrigeração, centros de regeneração e armazenagem (CRAs) estão sendo beneficiados em diferentes regiões do país.

A medida se dá no âmbito do Projeto de Gerenciamento e Destinação Final de SDOs, coordenado pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA) e executado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

De maneira eficaz, um cromatógrafo gasoso atesta a qualidade das substâncias regeneradas nos CRAs e avalia se o material foi, efetivamente, regenerado. Quando o fluido regenerado é aprovado nesse teste, ele pode voltar a ser comercializado como gás puro e de uso seguro nos equipamentos dos clientes.

Na imagem, poluição atmosférica na cidade de São Paulo. Foto: Flickr (CC)/Thomas Hobbs

ONU convoca todos os níveis de governo a combater poluição do ar e mudanças climáticas

A ONU lançou nesta semana a ‘Iniciativa Ar Limpo’, que chama governos nacionais e subnacionais a comprometer-se em alcançar uma qualidade do ar segura para os cidadãos. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a cada ano, a poluição do ar causa 7 milhões de mortes prematuras.

O cumprimento do Acordo de Paris sobre mudanças climáticas poderia salvar mais de 1 milhão de vidas por ano até 2050. No marco dos esforços para alcançar as metas do acordo, a redução da poluição do ar, por si só, geraria benefícios de saúde estimados em 54,1 trilhões de dólares.

O parapentista, empreendedor e cineasta ambiental de Hong Kong Malcolm Wood é o novo participante da campanha da ONU Meio Ambiente "Heróis da Montanha". Foto: @codytutts

Cineasta e parapentista de Hong Kong une-se a campanha da ONU Meio Ambiente

O parapentista, empreendedor e cineasta ambiental de Hong Kong Malcolm Wood é o novo participante da campanha da ONU Meio Ambiente “Heróis da Montanha”, cujo objetivo é alertar para os efeitos das mudanças climáticas nas montanhas e geleiras do mundo.

Ele se juntará a atletas famosos como o escalador canadense Will Gadd, o ciclista austríaco Michael Strasser, a esquiadora queniana Sabrina Simader e o aventureiro britânico Ben Fogle, que ajudam a chamar a atenção para questões ambientais emergentes nas montanhas, incluindo mudanças climáticas, gestão de resíduos e perda de biodiversidade.

Menino tenta atravessar rio em Bangladesh após chuvas. Ele coleta garrafas plásticas lançadas no rio para vendê-las à reciclagem, em julho de 2019. Foto: UNICEF/Thomas Nybo

UNICEF: enchentes e deslizamentos matam 90 crianças em Nepal, Índia e Bangladesh

Chuvas fortes, enchentes intensas e deslizamentos em Nepal, Índia e Bangladesh mataram ao menos 93 crianças e colocaram as vidas de milhões em risco, de acordo com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF). Estimativas revelam que mais de 12 milhões de pessoas foram afetadas até agora, e a expectativa é de que esse número deve aumentar.

Danos em estradas, pontes e ferrovias tornaram muitas áreas inacessíveis e crianças estão em necessidade urgente de água limpa, itens de higiene, alimentos e espaços seguros em abrigos.

O UNICEF está trabalhado em coordenação com governos e parceiros humanitários dos três países para aumentar a resposta às crianças e famílias afetadas.

Documento publicado pela UNFCCC vai orientar Estados-membros em seus planos nacionais para combater mudanças climáticas e reduzir emissões de gases do efeito estufa. Foto: WikiCommons / Library of Congress / Alfred Palmer

Empresas globais firmam compromisso com ação climática mais ambiciosa

Vinte e oito empresas com uma capitalização de mercado total de 1,3 trilhão de dólares estão se preparando para estabelecer um novo nível de ambição climática em resposta a uma campanha promovida às vésperas da Cúpula de Ação Climática da ONU, que ocorrerá em 23 de setembro, em Nova Iorque.

As empresas se comprometeram com metas climáticas mais ambiciosas, alinhadas com a limitação do aumento da temperatura global de 1,5°C acima dos níveis pré-industriais e em zerar as emissões líquidas de carbono até 2050.

Trata-se de uma iniciativa promovida pelo Pacto Global da ONU, pela Iniciativa de Metas Baseadas na Ciência (SBTi) e pela coalizão We Mean Business. 

O relatório pede ajustes significativos na produção de alimentos, bem como mudanças no consumo das pessoas. Foto: ONU Meio Ambiente

Relatório da ONU pede mudanças na forma como o mundo produz e consome alimentos

Com a previsão de que a população mundial chegará a quase 10 bilhões em 2050, um novo relatório mostra que o sistema global de alimentos deve passar por mudanças urgentes para garantir que haja comida adequada para todos, sem destruir o planeta.

Produzido pelo World Resources Institute em parceria com Banco Mundial, ONU Meio Ambiente, Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e agências francesas de pesquisa agrícola CIRAD e INRA, o relatório apresenta soluções para reformular a forma como o mundo produz e consome alimentos de forma a garantir uma sustentabilidade para o sistema alimentar até 2050.

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, em visita à sede da ONU, em Nova Iorque. Foto: ONU News/Reprodução

Na ONU, São Paulo detalha meta de migrar frota de ônibus para energia limpa

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, disse na terça-feira (16) em visita à sede da ONU, em Nova Iorque, que governos locais brasileiros estão agindo para reduzir as emissões de gases de efeito estufa. Ele falou à ONU News paralelamente a evento que reuniu mais de 100 líderes de governos locais e regionais.

Para Covas, a maior cidade brasileira tem avançado em prol da ação climática, especialmente em áreas como transporte, água e espaços verdes.

“Eu vim aqui, em primeiro lugar, para mostrar o que a cidade de São Paulo vem fazendo — por exemplo, a mudança na frota de ônibus hoje movida a diesel, que nós aprovamos uma lei no ano passado, para que os mais de 14 mil ônibus sejam transformados em até 20 anos em ônibus movidos a energia sem emissão de CO2, sem emissão de óxido de nitrogênio e sem emissão de material particulado”, disse. Assista ao vídeo da entrevista.

Imagem feita por satélite de Iquitos, no Peru, em meio à Floresta Amazônica. Foto: NASA/Good Free Photos

Na ONU, especialistas defendem acordo latino-americano sobre justiça ambiental

Os direitos de acesso a informação, participação pública e justiça em questões ambientais são pilares das sociedades democráticas e desempenham um papel crucial na busca pelo desenvolvimento sustentável, afirmaram na segunda-feira (15) delegações de governos e especialistas da ONU e da sociedade civil.

Em evento paralelo ao Fórum Político de Alto Nível, em Nova Iorque, autoridades lembraram o Acordo de Escazú, firmado por países latino-americanos e caribenhos para proteger ativistas ambientais.

Arte: Rede Brasil do Pacto Global

Setor privado brasileiro apresenta desafios de sustentabilidade nacionais na sede da ONU

A segunda edição do encontro SDGs in Brazil ocorreu na terça-feira (16) na sede da ONU, em Nova Iorque, com o objetivo de discutir os avanços e desafios brasileiros para atingir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Cerca de 25 representantes dos setores público e privado do país participaram dos debates, junto a membros de agências das Nações Unidas.

Na área ambiental, os debates abordaram como os negócios devem lidar com a crise climática; as florestas como geradoras de prosperidade; os desafios de água e saneamento no Brasil e a relação da prática mineradora com os ODS.

Um quarto dos habitantes de Ilhas do Pacífico vive abaixo da linha da pobreza

Apesar de progressos nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) nos últimos quatro anos, alguns Estados insulares vulneráveis estão perdendo ritmo na corrida para 2030, de acordo com discussões realizadas na quarta-feira (10) em Nova Iorque durante o Fórum Político de Alto Nível para Desenvolvimento Sustentável (HLPF). Segundo dados apresentado ao Fórum, um em cada quatro habitantes de Ilhas do Pacífico vive abaixo da linha de pobreza.

A partir do curso, as usinas terão capacitação para geração de mapas de remoção de palha de acordo com suas condições agronômicas, climáticas e operacionais. Foto: CTBE/Daniel Duft

Projeto aumenta produção de eletricidade de baixa emissão na indústria da cana-de-açúcar

O Projeto SUCRE promove, em 8 de agosto, o curso gratuito “Mapas de Remoção de Palha”, no Laboratório Nacional de Biorrenováveis (LNBR), que integra o Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), em Campinas (SP). Há 15 vagas, e as inscrições podem ser feitas até 22 de julho pelo site do projeto.

A iniciativa, gerida em parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), tem como objetivo aumentar a produção de eletricidade com baixa emissão de gases de efeito estufa na indústria de cana-de-açúcar, por meio da palha gerada durante a colheita da cultura.

Quando retornou pra Nantes, na França, sua cidade natal, Coline percebeu que estava muito mais consciente dos problemas ambientais de seu centro urbano. Foto: Ana Luisa Araújo

Jovem empreendedora francesa transforma lixo orgânico em adubo para produtores locais

Insatisfeita com os efeitos nocivos da incineração de lixo orgânico em Nantes, na França, a jovem empreendedora Coline Billon, de 28 anos, decidiu começar a enfrentar o desperdício.

Hoje, ela anda de bicicleta pela cidade para encontrar restos de alimentos não comestíveis e transformá-los em “ouro negro” — um composto rico que permite a fazendeiros locais, jardineiros e supermercados nutrirem a terra e seus alimentos. Leia a entrevista concedida à ONU Meio Ambiente.

O coordenador da iniciativa "Fé pela Terra" da ONU Meio Ambiente, Iyad Abyumoghli, reúne-se com o papa Francisco paralelamente à primeira Conferência Internacional do Laudato Si’ em Roma, 2018. Foto: Vaticano

ONU Meio Ambiente une-se a lideranças religiosas em prol de práticas sustentáveis

A iniciativa da ONU Meio Ambiente “Fé pela Terra”, cujo slogan é “um planeta, várias religiões, um objetivo”, busca fazer uso e cultivar a benevolência e poder das autoridades religiosas mundiais e de seus devotos em prol do meio ambiente global.

Julho de 2019 marca o quarto aniversário do Laudato Si’, a segunda encíclica do Papa Francisco, especificamente direcionada ao meio ambiente. Nela, o Papa clama a todas as pessoas do mundo para que ajam “de maneira global, unificada e rápida” contra práticas insustentáveis.

Para comemorar o quarto aniversário do Laudato Si’, a iniciativa “Fé pela Terra”, em conjunto com parceiros como a Rede da Juventude Católica pela Sustentabilidade Ambiental na África, a organização WWF e o Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral, está organizando uma conferência nos dias 15 e 16 de julho no escritório da ONU Meio Ambiente em Nairóbi, no Quênia.

Construído em torno das terras agrícolas, o campo de refugiados de Mantapala, perto de Nchelenge, no norte da Zâmbia, foi construído em 2018 para até 20 mil pessoas. Foto: ONU Meio Ambiente

Dados e tecnologias ambientais ajudam a melhorar o planejamento em crises humanitárias

Atualmente, todos aqueles que trabalham na área ambiental têm na ponta dos dedos uma combinação de dados e tecnologias ambientais globais e técnicas de ciência de dados. Estas ferramentas têm o potencial de criar insights que podem apoiar um futuro sustentável e transformar profundamente nosso relacionamento com o planeta.

Durante décadas, a ONU Meio Ambiente tem trabalhado com o Escritório para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) e parceiros como a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) para dar sentido aos dados ambientais com o objetivo de melhorar o planejamento humanitário.

Campus da Universidade do Estado da Califórnia, em Los Angeles, nos Estados Unidos. Foto: Wikimedia (CC)/Justefrain

Universidades de todo o mundo declaram emergência climática

Organizações que representam mais de 7 mil instituições de ensino superior de todos os seis continentes declararam nesta quarta-feira (10) uma emergência climática e acordaram um plano para neutralizar as suas emissões de carbono até 2030.

Centros de ensino e pesquisa também vão ampliar a educação sobre meio ambiente e sustentabilidade no currículo escolar, tanto nas universidades como em programas para a comunidade.

Mercado de alimentos em San Lucas Tolimán, na Guatemala. Foto: Banco Mundial/Curt Carnemark

FAO: América Latina e Caribe vão responder por mais de 25% das exportações agrícolas globais até 2028

Até 2028, a América Latina e o Caribe vão responder por mais de 25% das exportações globais de produtos agrícolas e pesqueiros, segundo um novo relatório da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Publicação ressalta expansão do protagonismo regional em meio à desaceleração na produção e nas trocas em nível mundial.

Sediada pelo governo brasileiro com apoio de Salvador (BA), a Semana do Clima da America Latina e Caribe 2019 é co-organizada pela Convenção-Quadro das Nações Unidas Sobre a Mudança do Clima. Foto: ONU

Evento em Salvador visa impulsionar resposta latino-americana à emergência climática

De 19 a 23 de agosto, o centro de eventos Salvador Hall será transformado em uma “Cidade do Clima” para sediar a Semana do Clima da América Latina e Caribe 2019 (LACCW), organizada para impulsionar a resposta da região à atual emergência climática.

Sediada pelo governo brasileiro, a Semana do Clima é organizada em parceria com organizações internacionais e regionais e pela cidade Salvador (BA).

As conclusões da LACCW irão alimentar os resultados da Cúpula sobre a Ação Climática organizada pelo secretário-geral da ONU em 23 de setembro em Nova Iorque com o objetivo final de impulsionar a ambição e acelerar a implementação do Acordo de Paris e da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.

Colheita de soja. Foto Jonas Oliveira/ANPr

Fundo verde para financiar produção de soja sustentável no Brasil é lançado em Londres

O primeiro mecanismo financeiro do mundo a oferecer títulos verdes para financiar a produção sustentável da soja no Brasil foi lançado na quinta-feira (4) durante a Semana da Ação Climática em Londres (London Climate Action Week).

O Responsible Commodities Facility (Fundo de Commodities Responsáveis, em tradução livre), apresentado na Bolsa de Londres (London Stock Exchange), pretende fornecer linhas de crédito de juros baixos para produtores brasileiros de soja e milho comprometidos em utilizar pastos degradados e evitar o desmatamento e a retirada de mata nativa para agricultura. Para os produtores, a iniciativa oferecerá um complemento importante às linhas de crédito oficiais (crédito rural).

O instrumento financeiro é gerido pela empresa Sustainable Investment Management (SIM), com sede em Londres e no Rio de Janeiro, com o apoio do governo britânico e um acordo de colaboração com a ONU Meio Ambiente.

Chefe da ONU defende cooperação para conter ameaças climáticas em ilhas caribenhas

Para conter desafios globais especialmente ameaçadores para nações insulares vulneráveis, como algumas no Caribe, é essencial “enfrentar os ventos contrários juntos”, disse na quarta-feira (3) o secretário-geral das Nações Unidas na conferência anual da Comunidade Caribenha (CARICOM), em Santa Lúcia.

Guterres relembrou sua visita ao Pacífico Sul em maio, onde viu como “nações insulares do Pacífico estão respondendo à crise climática” ao focarem em investimentos para desenvolvimento. Ele também relembrou suas visitas após os furacões Irma e Maria gerarem caos em 2017, quando “em apenas poucos dias”, anos de “ganhos em desenvolvimento” foram destruídos em Barbuda e Dominica.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, na Conferência Mundial de Ministros da Juventude e do Fórum da Juventude, Lisboa+21, na capital portuguesa. Foto: Lisboa +21

Chefe da ONU pede que jovens continuem liderando resposta à emergência climática

Gerações mais velhas fracassaram em responder adequadamente à emergência climática, disse no fim de junho (23) o secretário-geral das Nações Unidas, enquanto os jovens estão “se apresentando ao desafio” e assumindo a liderança para diminuir o ritmo destrutivo do aquecimento global.

Em discurso de encerramento da Conferência Mundial de Ministros da Juventude e do Fórum da Juventude, em Lisboa, António Guterres disse que é preciso dar mais poder aos jovens nas tomadas de decisões.

Através das ações inspiradoras de líderes jovens, como a sueca Greta Thunberg, que criou uma greve nas salas de aula para pedir ações climáticas em todo o mundo, Guterres disse que “estudantes compreenderam mais a urgência do que líderes globais”. “Eles sabem que a janela de oportunidade está se fechando; eles estão determinados a combater esta ameaça e já estão fazendo uma grande diferença”.

O representante da Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (UNIDO) para Brasil, Alessandro Amadio. Foto: UNIDO

UNIDO: parques industriais contribuem para países atingirem objetivos globais

Em muitos países em desenvolvimento, os parques industriais são vistos como ferramentas importantes para a industrialização inclusiva e sustentável e, portanto, fundamentais para o progresso nacional nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Eles podem ajudar os países a enfrentar o desafio do desenvolvimento inclusivo e sustentável através da colaboração aprimorada, e promover os objetivos globais por meio de novas parcerias.

A opinião é do representante da Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (UNIDO) no Brasil, Alessandro Amadio. Em entrevista ao Centro de Informação da ONU para o Brasil (UNIC Rio), Amadio declarou que os parques industriais devem ser considerados ferramentas inestimáveis ​​para melhorar o desenvolvimento produtivo, promover o aprendizado tecnológico e a inovação, criar empregos e atrair investimentos, gerando vantagens comparativas e competitivas. Leia a entrevista completa.