Ação contra a mudança global do clima

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU número 13 diz: “Tomar medidas urgentes para combater a mudança climática e seus impactos”.

 

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU número 13 diz: “Tomar medidas urgentes para combater a mudança climática e seus impactos”.

 

Mais sobre este ODS em https://nacoesunidas.org/pos2015/ods13 e na página sobre o Acordo de Paris sobre Mudanças Climáticas (nacoesunidas.org/acordodeparis).

 

Acompanhe abaixo todas as informações e esforços da ONU para combater a mudança climática e promover o desenvolvimento sustentável.

 

Faiza (centro), de 31 anos, da aldeia de Manono na província de Tanganyika, faz parte de um grupo de mulheres congolesas que criou um espaço para deslocados internos na escola primária EP Moni, em Kalemie. Foto: ACNUR/Colin Delfosse

Agências da ONU, Estados-membros e parceiros lançam plano para apoiar deslocados internos

À medida que as crises se multiplicam em todo o mundo e milhões de pessoas são deslocadas dentro das fronteiras de seus países por conflitos armados, violência generalizada ou violações de direitos humanos, um grupo de Estados, agências da ONU e parceiros renovou seu compromisso para trabalhar de forma colaborativa.

Nesse sentido, foi lançado na terça-feira (17) em Genebra, na Suíça, um Plano de Ação para Avanço da Prevenção, Proteção e Soluções para Deslocados Internos (2018-2020). A iniciativa propõe ações concretas para facilitar e fortalecer a participação dos deslocados internos nas decisões que lhes dizem respeito e ampliar as leis e políticas nacionais sobre o tema.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, em discurso na abertura do Fórum Boao para a Ásia, ocorrido na província de Hainan, no sul da China. Foto: ONU China/Zhao Yun

Na China, chefe da ONU pede globalização mais justa e ação contra mudança climática

O mundo precisa agir para disseminar os benefícios da globalização de forma mais justa, enquanto evita os perigos do protecionismo, disse o chefe das Nações Unidas na quarta-feira (11) durante visita à China.

“(A globalização) trouxe muitos benefícios — a integração das economias mundiais, a expansão do comércio, importantes avanços nas comunicações e na tecnologia”, disse. “Mas muitas pessoas foram deixadas para trás”, completou, lembrando que a “desigualdade é sistêmica e crescente”.

“Mas uma coisa precisa estar bem clara: não tornaremos a globalização mais justa pelo isolamento, protecionismo ou exclusão”, disse. “Problemas globais precisam de soluções multilaterais globais”.

ONU Meio Ambiente, Ministério do Meio Ambiente e Centro para Monitoramento da Conservação Mundial promovem oficina em Recife (PE) sobre governança de áreas marinhas protegidas. Foto: ONU Meio Ambiente

Soluções para a biodiversidade marinha é tema de workshop internacional da ONU em Recife

A ONU Meio Ambiente, o Ministério do Meio Ambiente e o Centro para Monitoramento da Conservação Mundial (UN Environment – WCMC) promovem em Recife (PE) de 10 a 12 de abril um workshop sobre conservação da biodiversidade marinha. O encontro reunirá especialistas, organismos internacionais, ONGs, pesquisadores e representantes da sociedade civil com conhecimento na gestão de Unidades de Conservação (UCs).

O Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas (PMA) relatam que, em três estados afetados por conflitos na Nigéria, a situação das famílias vulneráveis vem melhorando devido à assistência humanitária. Apesar disso, com a chegada da estação chuvosa em junho, elas poderão ficar sem o reabastecimento de alimentos.

Na Nigéria, programa da ONU apoia 1,2 milhão de pessoas afetadas pelo Boko Haram

O Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas (PMA) relata que, em três estados afetados por conflitos na Nigéria, a situação das famílias vulneráveis vem melhorando devido à assistência humanitária. Apesar disso, com a chegada da estação chuvosa em junho, elas poderão ficar sem o reabastecimento de alimentos.

Apesar dos desafios de segurança, o PMA distribui alimentos como arroz, óleo de cozinha, sorgo, sal e alimentos nutricionais especializados para mais de 1,2 milhão de pessoas em todas as áreas afetadas pela Boko Haram na Nigéria. Cerca de 70% dos alimentos distribuídos são adquiridos localmente, ajudando os agricultores nigerianos.

Há também apoio financeiro em lugares onde os mercados estão funcionando, permitindo que as pessoas comprem uma variedade maior de alimentos frescos e ajudem a economia local.

Confira nessa matéria em vídeo.

Projeto Ciclo Orgânico já reciclou 260 toneladas de resíduos orgânicos em dois anos no Rio de Janeiro. Foto: UNIC Rio/Brenno Felix

Projeto já reciclou 260 toneladas de resíduos orgânicos em dois anos no Rio; vídeo

Ao perceber que muitas pessoas se incomodavam com o resíduo orgânico e buscavam uma solução para dar o destino correto na hora do descarte, idealizador do ‘Ciclo Orgânico’ começou a oferecer o serviço de coleta e compostagem desse material.

Só na cidade do Rio de Janeiro, o orgânico representa pouco mais da metade de todos os resíduos produzidos. Iniciativa amplia ação em prol de um dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas, mais especificamente o que busca assegurar padrões de produção e de consumo sustentáveis.

Confira nesse vídeo especial do Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio).

O Brasil tem boas práticas na área de conservação de solos, mas é preciso divulgá-las ainda mais entre os agricultores, segundo representante da FAO no país. Foto: EBC

FAO e Ministério do Meio Ambiente buscam combater desertificação em áreas degradadas

A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e o Ministério do Meio Ambiente lançaram em fevereiro iniciativa que visa a recuperação de terras degradadas, denominada projeto Redeser. As ações começarão no Maranhão, em quatro municípios com alto risco de desertificação — Barreirinhas, Tutoia Matões e Água Doce. Posteriormente, serão estendidas para os estados de Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Bahia e Alagoas.

Segundo o representante da FAO no Brasil, Ala Bojanic, o projeto integra o escopo da Convenção das Nações Unidas para o Combate à Desertificação e Mitigação dos Efeitos das Secas. “É essencial recuperar e manter a terra hoje, para garantir comida para o futuro”, declarou.

Combater as mudanças climáticas e seus impactos é um dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável propostos para serem adotados em setembro. Foto: Flickr/Tobias Sieben (CC)

Curso online certificado pela ONU visa aumentar conscientização sobre mudanças climáticas

A coalizão global de indivíduos e empresas pelo desenvolvimento sustentável ZCO2, com apoio do Instituto Pro Natura e do Instituto de Desenvolvimento e Gestão, lançou em março curso online sobre mudanças climáticas com certificação de programa financiado pelas Nações Unidas.

O projeto de educação online UN CC:Learn/ZCO2 está sendo adotado em áreas pobres do Rio de Janeiro e tem como objetivo aumentar a conscientização sobre questões de mudança climática e relacioná-las ao contexto urbano.

Residentes coletam lixo em ilha de Galápagos. Foto: Parque Nacional de Galápagos

Moradores das Ilhas Galápagos combatem a maré de plástico

Quando os voluntários de uma operação de limpeza costeira nas Ilhas Galápagos encontraram uma lata de refrigerante de uma marca proveniente da Indonésia, não se surpreenderam. Há meses estavam recolhendo toneladas de plásticos vindas de outras regiões do planeta e que chegavam a essas praias remotas, localizadas a 1 mil quilômetros do Equador.

O país é parte da campanha global Mares Limpos da ONU Meio Ambiente, o movimento mais ambicioso das Nações Unidas contra o lixo marinho. A campanha promove a aliança entre governos, setor privado e cidadãos para deter a poluição por plástico.

Menina toma água em assentamento de Kutupalong, em Cox’s Bazar, Bangladesh. Foto: OIM/Muse Mohammed

ARTIGO: Água e migração — implicações para formuladores de políticas públicas

Em artigo, especialistas da Organização Internacional para as Migrações (OIM) abordam o impacto da escassez de água nas migrações e as políticas públicas necessárias para abordar o tema em escala global.

“A falta de segurança hídrica aumenta significativamente o potencial de migração, principalmente devido a seu impacto no bem-estar e nos meios de subsistência”, disseram os especialistas. Leia o artigo completo.

Esta jovem mãe andou 20 dias de Diinsoor, na Somália, com seus sete filhos para o campo de refugiados de Hagadera, em Dadaab, no Quênia. Depois que o gado de seu marido morreu por causa da seca na Somália, ela foi para Dadaab devido à fome. Foto: OCHA/Meridith Kohut

Seca e conflitos aumentaram a fome de milhões em 2017, alerta novo relatório

Impulsionados principalmente por desastres climáticos e conflitos, os níveis de fome aumentaram em 2017, deixando cerca de 124 milhões de pessoas em 51 países enfrentando crises de fome. Esse número representa 11 milhões a mais do que no ano anterior, segundo um novo relatório apoiado pelas Nações Unidas.

Apresentado pela FAO, Programa Mundial de Alimentos (PMA) e União Europeia, o Relatório Global sobre Crises Alimentares revelou que as emergências alimentares são cada vez mais determinadas por causas complexas como conflitos, choques climáticos e preços elevados de alimentos básicos – fatores que, muitas vezes, agem ao mesmo tempo.

Foto: Dirklaudio/Flickr/CC

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento lança site especial sobre água

Plataforma online reúne notícias, reportagens, fotos, vídeos, artigos com foco em dois dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas: assegurar a disponibilidade e gestão sustentável da água e saneamento para todas e todos (número seis); e promover a conservação e uso sustentável dos oceanos, dos mares e dos recursos marinhos para o desenvolvimento sustentável (número 14). Acesse aqui.

Vista aérea da ilha do Chipre, localizada no Mar Mediterrâneo. Foto: Flickr/Kamel Lebtahi (cc)

México e FAO criam fundo para adaptação do Caribe às mudanças climáticas

O governo mexicano e a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) trabalharão em conjunto para melhorar a adaptação e a resiliência às mudanças climáticas no Caribe.

O México alocará 4,3 milhões de dólares nos próximos cinco anos para criar um fundo de cooperação que trabalhará com os 20 países-membros e associados da Comunidade do Caribe (CARICOM, sigla em inglês) e com as nações da América Central em assuntos de mudanças climáticas.

José Graziano da Silva, chefe da FAO, na abertura da 35ª Conferência Regional da FAO para a América Latina e o Caribe. Foto: FAO

FAO alerta para obesidade na América Latina e Caribe

O chefe da FAO, o brasileiro José Graziano da Silva, pediu na terça-feira (6) que os países da América Latina e Caribe combatam todas as formas de má nutrição, incluindo a obesidade. Durante conferência da agência da ONU para a região, na Jamaica, dirigente afirmou que “erradicar a fome não deve ser a única preocupação em uma região na qual o sobrepeso afeta 7% das crianças com menos de cinco anos e na qual 20% dos adultos dos 24 países são obesos”.

Fome na América Latina e no Caribe aumentou e já afeta 42,5 milhões de pessoas. Foto: FAO

FAO pede apoio de governos e setor privado para combater fome e obesidade na América Latina e Caribe

Na Jamaica, a 35ª Conferência da FAO para a América Latina e o Caribe começou com um apelo do organismo das Nações Unidas por mais esforços pelo fim da fome. Na abertura do encontro, na segunda-feira (5), o representante da agência, Julio Berdegué, lembrou que a fome voltou a crescer e já afeta 42,5 milhões de pessoas na região. Evento tem quórum inédito, recebendo pela primeira vez delegações de todos os 33 países-membros da FAO a nível regional.

Vista aérea da Amazônia. Foto: EBC

América Latina e Caribe adotam primeiro acordo regional vinculante sobre meio ambiente

Representantes de 24 países da América Latina e do Caribe reunidos em San José, na Costa Rica, adotaram no domingo (4) o primeiro acordo regional vinculante para proteger direitos de acesso à informação, à participação pública e à Justiça em temas ambientais. O Princípio 10 da Declaração do Rio de Janeiro sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento é um instrumento legal inédito para a região.

O acordo prevê, entre outros pontos, que “cada parte garantirá um entorno seguro e propício no qual as pessoas, grupos e organizações que promovem e defendem os direitos humanos em assuntos ambientais possam atuar sem ameaças, restrições e insegurança”.

Cerca de 22 milhões de pessoas habitam a área da Bacia Amazônica e tiram seu sustento dela. Foto: EBC

Banco Mundial coordena iniciativa de proteção da Bacia Amazônica

Uma nova iniciativa para proteção da maior floresta tropical pluvial contínua do mundo, o Programa Paisagens Sustentáveis da Amazônia, compreende cinco projetos em três países da região: um no Brasil, dois na Colômbia e o mesmo número no Peru, que representam 83% da Bacia Amazônica. Esses foram os primeiros contemplados pela iniciativa, que começa com um investimento de 113 milhões de dólares e, aos poucos, pretende se estender aos seis países restantes.

O Banco Mundial é coordenador da iniciativa e lidera uma plataforma de intercâmbio de conhecimento e monitoramento sobre o tema.

Premiação da ONU Meio Ambiente seleciona jovens de 18 a 30 anos. Foto: PEXELS

ONU Meio Ambiente recebe inscrições para prêmio Jovens Campeões da Terra

A ONU Meio Ambiente convoca jovens de 18 a 30 anos a participar do prêmio Jovens Campeões da Terra, que reconhecerá soluções criativas para os problemas ambientais mais urgentes de nosso tempo.

Organizada em parceria com a Covestro, a competição escolherá sete vencedores, que receberão 15 mil dólares para implementar seus projetos. Ganhadores também terão treinamento personalizado e participarão de uma conferência de alto nível das Nações Unidas.

Prazo: 2 de abril; saiba os detalhes aqui.

Obesidade no Brasil será discutida em conferência da FAO na Jamaica. Foto: Flickr/Tony Alter (CC)

FAO recebe contribuições do Brasil para debate sobre desafios da segurança alimentar e nutricional

O Escritório da FAO no Brasil recebeu na terça-feira (27) cerca de 35 representantes do governo, da sociedade civil e do setor privado para um diálogo sobre os grandes desafios da segurança alimentar e nutricional, agricultura familiar e meio ambiente na região e as contribuições do Brasil, em consulta nacional prévia à 35ª Conferência Regional da FAO para a América Latina e o Caribe, que se realizará na Jamaica, de 5 a 8 de março.

“No caso do Brasil vamos ter uma delegação grande, com a participação de diversos ministérios que levarão para a conferência uma visão interministerial. O Brasil vai ter um papel importante em termos das orientações estratégicas para o trabalho da FAO para o próximo biênio na região”, explicou o representante da FAO no Brasil, Alan Bojanic.

Zona rural do Paraguai. Imagem de concurso de fotografia organizado pelo governo da Argentina sobre paisagens agrícolas paraguaias. Foto: Ministério da Cultura da Argentina

FAO consegue financiamento de fundo climático para projeto no Paraguai

Com uma verba de 90 milhões de dólares, a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) implementará uma iniciativa no Paraguai para reduzir a pobreza no meio rural e recuperar florestas do país. O objetivo é diminuir a perda de cobertura vegetal e melhorar a qualidade de vida de 17 mil famílias que estão em situação de vulnerabilidade por causa do desmatamento e das transformações do clima.

Além do aumento da fome, nos últimos anos o ritmo da redução da pobreza rural desacelerou na região da América Latina e do Caribe, segundo a FAO. Foto: EBC

Conferência regional da FAO discutirá obesidade e pobreza rural na América Latina

A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) realiza de 5 a 8 de março sua 35ª conferência regional em Montego Bay, na Jamaica, com o objetivo de discutir temas prioritários para a América Latina e o Caribe, como a erradicação da fome, o excesso de peso e a obesidade, o combate à pobreza rural e o impulso à agricultura sustentável resiliente às mudanças climáticas.

O evento será precedido de uma reunião nacional intersetorial com atores estratégicos governamentais e não governamentais que ocorrerá na terça-feira (27) em Brasília no escritório da FAO no país.

Foto: Agência Brasil

FAO cria guia para reduzir pegada de carbono do cultivo de bananas

A banana é a fruta mais popular do planeta. Depois de começar a ser cultivada 7 mil anos atrás no Sudeste Asiático, sua variante mais popular, a Cavendish, conquistou o mundo inteiro e é particularmente importante para a segurança alimentar dos países tropicais e subtropicais.

No entanto, seu cultivo também tem custos ambientais. Dessa forma, o Fórum Mundial Bananeiro da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) elaborou um guia prático para reduzir a pegada de carbono e o consumo de água da produção da fruta na América Latina e no Caribe.

O comércio líquido de produtos agrícolas na América Latina alcançará 60 bilhões de dólares, uma valor três vezes mais alto do que o registrado em 2000. Foto: SMCS/Jaelson Lucas

FAO abre consulta com atores não governamentais sobre atividades na América Latina e Caribe

Até 28 de fevereiro, a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) recebe contribuições da sociedade civil, setor privado e instituições acadêmicas para definir os rumos de suas atividades na América Latina e no Caribe. Organismos não governamentais estão convidados a participar de consulta online realizada pela agência da ONU para estabelecer prioridades ao longo do biênio 2018-2019.

Na América Latina e Caribe, existem 16,5 milhões de fazendas de agricultura familiar. Foto: FAO

Na Jamaica, FAO realiza conferência regional para definir prioridades no combate à má nutrição

A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) anunciou nesta segunda-feira (19) que realizará sua 35ª Conferência Regional para a América Latina e o Caribe em Montego Bay, Jamaica, de 5 a 8 de março de 2018.

Encontro, que é a mais alta instância decisória da FAO a nível regional, reunirá representantes dos 33 países-membros da agência da ONU na região e definirá prioridades para o trabalho do organismo ao longo dos próximos dois anos.

Foto: Mikepaws on VisualHunt.com/CC BY-NC-SA

Veja como o Reino Unido está liderando a luta contra a poluição por plástico

Ainda estamos no segundo mês do ano, mas 2018 já teve passos concretos no combate à poluição por plásticos, pelo menos no Reino Unido.

O Palácio de Buckingham implementou um plano para eliminar o uso de plásticos descartáveis em todas as propriedades reais, enquanto um número crescente de restaurantes e bares está se unindo ao movimento global para acabar com os canudinhos. Leia a lista de medidas adotadas pelo país.

Secretário-geral da ONU fala durante abertura do Fórum Global sobre Engajamento e Empoderamento para o Desenvolvimento Sustentável, realizado na Universidade de Yonsei, em Seul. Foto: ONU/Mark Garten

Em Seul, chefe da ONU diz que objetivos globais precisam ser caminho para globalização justa

O secretário-geral da ONU, António Guterres, enfatizou na quinta-feira (8) a importância do engajamento e do empoderamento para transformar os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) em benefícios para todas as pessoas no mundo, e pediu para todos os setores das sociedades se envolvam ativamente nessa empreitada.

Guterres também alertou sobre a crescente desigualdade no mundo todo, e disse que esse sentimento de “ser deixado para trás” mina a confiança das pessoas, comunidades e regiões nos governos, assim como em organizações internacionais como a ONU.

Usina de energia eólica. Foto: Flickr (CC)/Alex Abian

Brasil tem condições de reduzir até 48% das emissões até 2050, de acordo com ONU Meio Ambiente e governo

O dado é do estudo “Trajetórias de mitigação e instrumentos de políticas públicas para o alcance das metas brasileiras no Acordo de Paris”, uma das publicações que será lançada hoje, 24, pela ONU Meio Ambiente e Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), em Brasília.

O evento marca a conclusão de um projeto de cinco anos tocado pelas duas instituições, que procurou identificar as opções de redução de emissões de gases de efeito estufa no país, assim como seus impactos na economia nacional.

Fórum Econômico Mundial teve início nesta segunda-feira (23). Foto: Fórum Econômico Mundial/Manuel Lopez

Especialistas da ONU cobram inclusão dos direitos humanos em reformas discutidas em Davos

Os olhos do planeta se viram para Davos nesta semana, onde lideranças de governos, setor privado e organizações internacionais se reúnem para o Fórum Econômico Mundial. Um grupo de especialistas da ONU enviou um recado aos participantes: “a inclusão de objetivos sobre direitos humanos nas decisões políticas e econômicas é crucial se reformas desejam combater as raízes do populismo, da instabilidade global, das mudanças climáticas e da desigualdade”.

Projeto Siderurgia Sustentável. Foto: PNUD/Tiago Zenero

PNUD anuncia empresas que receberão apoio para explorar carvão sustentável na siderurgia

Seis empresas foram selecionadas pelo Projeto Siderurgia Sustentável, uma iniciativa do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), para receber assistência técnica e financeira em projetos que produzem ou utilizam carvão vegetal sustentável no estado de Minas Gerais. Parceria, que disponibilizará um total de 5 milhões de reais para as entidades participantes, visa reduzir emissões de gases de efeito estufa geradas pelo setor siderúrgico do estado.

Visão de Minsk, Belarus. Crédito da foto: Anton Rusetsky (@masmeo)/Unsplash

Ritmo das mudanças climáticas é ‘ameaça existencial para o planeta’, alerta ONU

A agência meteorológica das Nações Unidas alertou que a pressão contínua sobre o Ártico em 2017 terá “repercussões profundas e duradouras no nível do mar e nos padrões climáticos em outras partes do mundo”, intensificando por exemplo os eventos climáticos extremos.

Análise da Organização Meteorológica Mundial mostrou que, enquanto 2016 mantém o recorde de ano mais quente (1,2°C), 2017 – que chegou a aproximadamente 1,1°C acima da era pré-industrial – foi o ano mais quente sem o ‘El Niño’. Segundo a agência, isso pode impulsionar as temperaturas globais a cada ano.

“Dezessete dos 18 anos mais quentes registrados foram durante este século e o nível de aquecimento nos últimos três anos tem sido excepcional”, afirmou o secretário-geral da agência da ONU.

Em Ruanda, uma invenção vem melhorando substancialmente a vida das pessoas. O Flexi-biogas, um sistema desenvolvido na África, transforma esterco de vaca em gás de cozinha. O projeto, que será testado por 100 produtores locais, é uma das iniciativas do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola da ONU (FIDA) e do governo de Ruanda para promover a utilização de fontes de energia limpas e renováveis. Confira nessa reportagem especial

Em Ruanda, projeto inovador transforma esterco de vaca em gás de cozinha

Em Ruanda, uma invenção vem melhorando substancialmente a vida das pessoas. O Flexi-biogas, um sistema desenvolvido na África, transforma esterco de vaca em gás de cozinha. O projeto, que será testado por 100 produtores locais, é uma das iniciativas do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola da ONU (FIDA) e do governo de Ruanda para promover a utilização de fontes de energia limpas e renováveis. Confira nessa reportagem especial em vídeo.