Arquivo da tag: Consumo e produção responsáveis

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU número 12 diz: “Assegurar padrões de produção e de consumo sustentáveis”.

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU número 12 diz: “Assegurar padrões de produção e de consumo sustentáveis”. As metas incluem reduzir pela metade o desperdício de alimentos per capita mundial; alcançar o manejo ambientalmente saudável dos produtos químicos e todos os resíduos; e reduzir substancialmente a geração de resíduos por meio da prevenção, redução, reciclagem e reuso; entre outros.

 

Mais sobre este ODS em https://nacoesunidas.org/pos2015/ods12 e notícias sobre o tema abaixo.

Em 2018, a “Impossible Foods” e a “Beyond Meat” foram eleitas ‘campeãs do planeta’ pela ONU Meio Ambiente. Ambas as startups criam alternativas à base de plantas e veem seus negócios crescendo. Nos EUA, redes de restaurantes focados em carnes, agora, estão incluindo os produtos veganos dessas empresas. A pecuária é responsável por mais de 9% das emissões globais de gases de efeito estufa. Reduzir o consumo de carnes é uma parte essencial para prevenir a degradação de nosso meio ambiente. Incluir hambúrgueres sem carne beneficia empreendimentos, consumidores e o nosso planeta.

Comidas sem carne se tornam tendência e beneficiam nosso planeta; vídeo

Em 2018, a “Impossible Foods” e a “Beyond Meat” foram eleitas ‘campeãs do planeta’ pela ONU Meio Ambiente.

Ambas as startups criam alternativas à base de plantas e veem seus negócios crescendo. Nos EUA, redes de restaurantes focados em carnes, agora, estão incluindo os produtos veganos dessas empresas.

A pecuária é responsável por mais de 9% das emissões globais de gases de efeito estufa.

Reduzir o consumo de carnes é uma parte essencial para prevenir a degradação de nosso meio ambiente. Incluir hambúrgueres sem carne beneficia empreendimentos, consumidores e o nosso planeta.

Confira nesse vídeo da ONU Meio Ambiente.

Academias de ciência pedem medidas urgentes contra a poluição do ar

Na sede da ONU, em Nova Iorque, representantes das academias de ciência e medicina de quatro países — entre eles, o Brasil — apresentaram neste mês (19) um apelo urgente por mais investimentos na luta contra a poluição do ar.

As instituições pediram que todas as nações do mundo adotem medidas de controle das emissões de poluentes e implementem sistemas de monitoramento da qualidade do ar. O relato é da ONU Meio Ambiente.

Empreendedora australiana desenvolveu aplicativo que ensina conceitos de biologia e ecologia para crianças, por meio de um jogo eletrônico. Foto: My Green World

Australiana usa tecnologia para promover educação ambiental de crianças

A australiana Natalie Kyriacou, fundadora e diretora-executiva da empresa My Green World, foi finalista do prêmio Jovem Campeão da Terra de 2018, da ONU Meio Ambiente. A empreendedora tem uma missão: lembrar as pessoas da conexão intrínseca que elas possuem com a natureza e mostrar como a empatia pela biodiversidade é fundamental para o futuro da vida na Terra.

A jovem desenvolveu uma plataforma digital de conteúdos pedagógicos sobre biologia e ecologia, adaptados para crianças. Outro produto da sua companhia é o aplicativo World of the Wild, que ensina conceitos de conservação por meio de um jogo eletrônico.

Foto de capa do vídeo: Unsplash/Mark Kucharski

FAO apoia investimento responsável na agricultura e nos sistemas alimentares; vídeo

Conheça neste vídeo a importância do investimento responsável na agricultura e nos sistemas alimentares para o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e, em particular, o ODS 2, para a ‘Fome Zero’.

A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) apoia na identificação, revisão, desenvolvimento e implementação de políticas, incentivos e marcos legais que promovam o investimento responsável nos níveis nacional e regional.

Lixo plástico ao longo da costa de Cingapura. Foto: Flickr (CC)/vaidehi shah

FAO lista cinco maneiras de reduzir nossa dependência do plástico

O plástico é tão comum em nossas vidas que nem percebemos mais — é conveniente, barato e onipresente. A infeliz verdade é que mais de 70% do plástico que usamos não é reciclado e grande parte desse lixo é arrastado de nossas praias para os oceanos ou é levado das ruas para os rios. Estima-se que, atualmente, 5 trilhões de unidades de plástico flutuem em nossos oceanos.

A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) listou cinco maneiras de reduzir o uso de plásticos no dia a dia.

Vista do Elevador Lacerda, em Salvador, na Bahia. Foto: Agência Brasil/Fabio Rodrigues Pozzebom

Capital baiana sedia em agosto Semana do Clima da América Latina e Caribe

Em meio a crescentes apelos por uma ação climática mais forte e mais rápida, a Semana do Clima da América Latina e Caribe, que acontece de 19 a 23 de agosto na cidade de Salvador (BA), deverá impulsionar a resposta da região à atual emergência climática.

Realizada todos os anos em África, América Latina e Caribe e Ásia-Pacífico, as Semanas Regionais do Clima são plataformas colaborativas únicas para entidades governamentais e não governamentais abordarem a amplitude das questões climáticas sob uma estrutura única. Saiba como participar.

Sede da ONU, em Nova Iorque. Foto: ONU/Rick Bajornas

Em Nova Iorque, empresariado brasileiro apresenta iniciativas para cumprir metas da ONU

O setor privado do Brasil mostrará ao mundo, na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque, o que vem fazendo para avançar em sustentabilidade. Em 16 de julho, a Rede Brasil do Pacto Global — aliança corporativa alinhada a valores da ONU — reunirá CEOs e gestores do país e de outras nações para discutir boas práticas do empresariado brasileiro na promoção dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Lewis Pugh, embaixador da Boa Vontade da ONU Meio Ambiente, percorre a nado o Mar Vermelho. Foto tirada na Reserva Marinha de Aqaba, na Jordânia. Foto: ONU Meio Ambiente

Metade dos corais do mundo desapareceram nos últimos 150 anos, diz chefe da ONU

Em cerimônia para comemorar os 25 anos da entrada em vigor da Convenção da ONU sobre o Direito do Mar, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, alertou na segunda-feira (17), em Nova Iorque, que os oceanos enfrentam ameaças inéditas devido às mudanças climáticas e outras ações humanas.

Nas últimas quatro décadas, a poluição plástica no mar aumentou dez vezes. Estima-se que um terço dos estoques naturais de peixeis estejam super-explorados. E os ecossistemas marinhos têm sofrido o impacto da acidificação, do aumento do nível dos oceanos e do crescimento de zonas mortas — regiões dos mares com níveis baixíssimos de oxigênio, o que inviabiliza a vida marinha.

Foto: Globo/Fábio Rocha

Série ‘Aruanas’ mostra necessidade de cuidar da Floresta Amazônica

A série brasileira de ficção “Aruanas” é uma produção original da TV Globo, coproduzida pela Maria Farinha Filmes, que conta a história de quatro mulheres lutando para proteger a floresta e as terras indígenas da devastação provocada pela mineração ilegal e pela corrupção.

A série apoia a Iniciativa de Defensores Ambientais, liderada pela ONU Meio Ambiente, que busca promover o respeito aos direitos ambientais e ampliar a proteção de defensores do meio ambiente.

No Brasil, “Aruanas” será lançada na plataforma de streaming da Globo, a Globoplay, no dia 2 de julho. O primeiro episódio será exibido no dia 3 de julho na TV Globo.

Mundo perde anualmente 24 bilhões de toneladas de terra fértil. Além disso, a degradação da qualidade do solo é responsável por uma redução do produto interno bruto (PIB) de até 8% ao ano. Foto: Lubo Minar/Unsplash/CC

Planeta perde 24 bilhões de toneladas de solo fértil todos os anos, alerta ONU

Em uma mensagem em vídeo divulgada para o Dia Mundial de Combate à Desertificação e à Seca, marcado nesta segunda-feira (17), o secretário-geral da ONU, António Guterres, alertou que o mundo perde anualmente 24 bilhões de toneladas de terra fértil.

Além disso, a degradação da qualidade do solo é responsável por uma redução do produto interno bruto (PIB) de até 8% ao ano.

“Desertificação, degradação da terra e seca são grandes ameaças que afetam milhões de pessoas em todo o mundo” – alertou Guterres – “particularmente mulheres e crianças”. Ele disse que é hora de mudar “urgentemente” essas tendências, acrescentando que proteger e restaurar a terra pode “reduzir a migração forçada, melhorar a segurança alimentar e estimular o crescimento econômico”, bem como ajudar a resolver a “emergência climática global”.

Projeto promove sustentabilidade no agroextrativismo de Marajó, no Pará. Foto: Bem Diverso

Em Marajó, PNUD difunde práticas sustentáveis de extração e manejo do açaí

Em Marajó, no Pará, os agroextrativistas estão aprendendo novas técnicas de manejo e coleta do açaí com o projeto Bem Diverso, do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). A iniciativa promove o uso sustentável dos recursos da biodiversidade brasileira.

A metodologia de manejo difundida permite aumentar em até três vezes a produção de frutos. Isso é possível por meio do estabelecimento de uma proporção adequada entre os açaizeiros e outras espécies da floresta amazônica numa mesma área.

Prêmio Jovens Campeões da Terra receberá votos do público para escolher vencedores. Foto: PEXELS

Brasileiros estão entre finalistas de premiação global sobre meio ambiente e empreendedorismo

Três brasileiros estão entre os cinco finalistas regionais da premiação Jovens Campeões da Terra, promovida pela ONU Meio Ambiente para viabilizar soluções inovadoras para problemas ambientais.

Os vencedores vão receber consultorias técnicas e uma verba de 15 mil dólares para tirar suas ideias do papel. Ganhadores serão anunciados em setembro durante evento das Nações Unidas em Nova Iorque.

Luis Alfonso de Alba, enviado especial da ONU para a Cúpula do Clima de 2019, durante reunião com empresários no Rio de Janeiro. Foto: UNIC Rio/Naiara Azevedo

Setor privado é essencial para mundo cumprir acordo climático, diz enviado especial

O setor privado brasileiro e global pode contribuir de maneira substancial para o cumprimento do Acordo de Paris para o clima, cujo principal objetivo é fortalecer a resposta mundial às mudanças climáticas ao manter a elevação de temperatura neste século abaixo do 1,5 grau Celsius.

A opinião é do enviado especial da ONU para a Cúpula do Clima de 2019, Luis Alfonso de Alba, que na quinta-feira (13) reuniu-se com empresários brasileiros no Rio de Janeiro (RJ) em um encontro articulado pela Rede Brasil do Pacto Global das Nações Unidas, braço no país da maior iniciativa de sustentabilidade corporativa do mundo.

“O setor privado a cada dia tem um papel mais claro, mais amplamente reconhecido por todos os atores, incluindo os governos, pela capacidade de inovação, pela capacidade que têm também de apoiar a transformação com recursos econômicos, e por uma série de ações coordenadas por setores que vão permitir uma transformação do modelo de desenvolvimento”, disse Alba em entrevista ao Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio).

O Rio de Janeiro está recebendo o Fórum por sua atuação no setor de segurança alimentar, que inclui restaurantes populares, circuito de feiras orgânicas e um programa de alimentação escolar. Foto: Prefeitura do Rio de Janeiro

FAO pede mais incentivos e leis públicas para impulsionar dietas saudáveis

Em Roma para a abertura do simpósio internacional ‘O Futuro dos Alimentos’, o chefe da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), José Graziano da Silva, pediu nesta segunda-feira (10) que países adotem incentivos e leis públicas para promover dietas saudáveis. Medidas incluem tanto estímulos para que o setor privado produza alimentos mais nutritivos, quanto taxações de produtos pouco saudáveis e controle da publicidade.

Aterros sanitários são uma das maiores fontes de emissões de metano. A administração adequada pode capturar o gás como uma fonte limpa de combustível, além de reduzir riscos à saúde. Foto: Banco Mundial / Curt Carnemark

ONU lança publicação em português sobre metas de produção e consumo responsáveis

O que é gestão sustentável e eficiente dos recursos naturais? O que quer dizer manejo ambientalmente adequado? O que são práticas de sustentabilidade nas cadeias de produção e abastecimento? Esses e outros conceitos são tema do recém-publicado ‘Glossário do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas (ODS) nº 12 – Consumo e Produção Responsáveis’. Publicação foi divulgada no mês em que se comemora o Dia Mundial do Meio Ambiente, 5 de junho.

O ambientalista e biólogo norte-americano Thomas Lovejoy trabalha na Amazônia há mais de 50 anos. Foto: Slobodan Randjelovic

Precisamos implementar modelos de desenvolvimento que preservem a Amazônia, diz especialista

A atual taxa de declínio da natureza, sem precedentes na história da humanidade, foi confirmada pelo novo relatório da Plataforma Intergovernamental de Ciência e Política sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (IPBES), o documento mais abrangente sobre o assunto, divulgado recentemente.

Em entrevista ao Banco Mundial, o ambientalista e biólogo norte-americano Thomas Lovejoy fala sobre seu trabalho de mais de 50 anos na conservação da Amazônia, região que abriga 40% da floresta tropical remanescente do mundo, 25% da biodiversidade terrestre e mais espécies de peixes do que qualquer outro sistema fluvial do planeta.

“Um dos maiores problemas é o desmatamento motivado por atividades agropecuárias. O desenvolvimento da infraestrutura também é uma grande ameaça, especialmente se alguns projetos continuarem do jeito que estão. Precisamos pensar em alternativas e trabalhar com os governos estaduais para criar modelos de desenvolvimento sustentável que preservem a floresta”, disse. Leia a entrevista completa.

Alimentos não seguros também dificultam o desenvolvimento em muitas economias de baixa e média renda. Foto: EBC

PANAFTOSA promove discussão sobre formas de fortalecer segurança dos alimentos no Brasil

Para marcar o Dia Mundial da Segurança dos Alimentos no Brasil, o Centro Pan-Americano de Febre Aftosa (PANAFTOSA-OPAS/OMS) reuniu autoridades nacionais e especialistas na sexta-feira (7), em Brasília (DF). Na ocasião, foram sintetizadas e compartilhadas as ações de cada organização para aperfeiçoar o desenvolvimento do trabalho conjunto em segurança dos alimentos no país.

A primeira celebração do Dia Mundial da Segurança dos Alimentos das Nações Unidas, a ser marcada globalmente em todo 7 de junho, visa fortalecer os esforços para garantir que os alimentos que comemos sejam seguros e destacar que esse tema é responsabilidade de todos.

A cada ano, quase uma em cada dez pessoas no mundo (cerca de 600 milhões de pessoas) adoece e 420 mil morrem depois de ingerir alimentos contaminados por bactérias, vírus, parasitas ou substâncias químicas.

Da esquerda para a direita, a ativista do clima, Greta Thunberg; o ex-governador da Califórnia, Arnold Schwarzenegger; o presidente austríaco, Alexander Van der Bellen; e o secretário-geral da ONU, António Guterres; durante cúpula mundial em Viena. em 28 de maio de 2019. Foto: ONU Viena/Nikoleta Haffar

É preciso acabar com subsídios a combustíveis fósseis, diz chefe da ONU

É necessário taxar a poluição, não as pessoas, e acabar com os subsídios para combustíveis fósseis, disse o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, no fim de maio (28) durante a Cúpula Mundial da Coalizão R20, uma organização ambiental apoiada pela ONU e fundada por Arnold Schwarzenegger, ex-governador da Califórnia.

A ideia de subsidiar combustíveis fósseis como uma maneira de melhorar a vida das pessoas não poderia estar mais errada, disse o chefe da ONU na capital da Áustria, Viena. Subsidiar combustíveis fósseis significa gastar o dinheiro de contribuintes para “impulsionar furacões, espalhar secas, derreter geleiras, branquear corais: destruir o mundo”, disse Guterres.

Iniciativa na Índia coletou histórias de diferentes pessoas que queriam falar sobre o impacto da poluição do ar em suas vidas. Foto: PLUC

Projeto indiano aposta em telefones celulares para criar e difundir histórias sobre poluição do ar

Tamseel Hussain, de 30 anos, acompanhou com atenção a escalada da poluição do ar na Índia, que atingiu níveis alarmantes quatro anos atrás. Ele estava tão interessado em documentar o problema que, com um grupo de especialistas em redes sociais e storytelling, construiu a plataforma Let Me Breathe (Me deixe respirar, em tradução livre para o português). O relato é da ONU Meio Ambiente.

Pescadores no Vietnã. Foto: FAO/Hoang Dinh Nam

Chefe da FAO elogia tratado internacional de combate à pesca ilegal

O diretor-geral da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), José Graziano da Silva, cumprimentou na segunda-feira (3) os mais de 100 países comprometidos com o combate à pesca insustentável e ilegal, chamando a rápida adoção do Acordo de Medidas do Estado do Porto (PSMA) para prevenir, deter e eliminar pesca ilegal, não declarada e não regulamentada (IUU, na sigla em inglês) de uma “conquista fantástica”.

O PSMA, um tratado internacional intermediado pela FAO, entrou em vigor em 2016. Hoje, 87 países fazem parte.

“Hoje vejo uma sala cheia de mais delegados do que há dois anos”, disse Graziano em um pronunciamento no Segundo Encontro das Partes do PSMA, realizado no Chile para discutir como otimizar a implementação do tratado.

O projeto ‘Maré de Sabores’, realizado pela Redes da Maré, funciona há nove anos formando profissionais de cozinha. Nascido da demanda de mães interessadas em aprimorar as dietas dos filhos, o ‘Maré de Sabores’ hoje administra um buffet profissional com comidas típicas dos migrantes que ajudaram a formar o Complexo da Maré, no Rio de Janeiro. Pratos com referências de mulheres nordestinas, manauaras e afrodescendentes integram o cardápio, que conta com especialidades como o X-Marézinha (hambúrguer feito com pão caseiro, queijo coalho e molho de tucumã). O ‘Maré de Sabores’ participou do 1º Fórum Regional das Cidades Latino-Americanas Signatárias do Pacto de Milão sobre Política de Alimentação Urbana, que aconteceu entre os dias 29 e 31 de maio no Rio de Janeiro. A iniciativa é um modelo de integração e desenvolvimento social ancorado na gastronomia e no empreendedorismo, e colabora para a implementação e o desenvolvimento de sistemas alimentares sustentáveis para as cidades.

VÍDEO: Projeto ‘Maré de Sabores’ participa de fórum internacional sobre alimentação urbana

O projeto ‘Maré de Sabores’, realizado pela Redes da Maré, funciona há nove anos formando profissionais de cozinha. Nascido da demanda de mães interessadas em aprimorar as dietas dos filhos, o ‘Maré de Sabores’ hoje administra um buffet profissional com comidas típicas dos migrantes que ajudaram a formar o Complexo da Maré, no Rio de Janeiro.

Pratos com referências de mulheres nordestinas, manauaras e afrodescendentes integram o cardápio, que conta com especialidades como o X-Marézinha (hambúrguer feito com pão caseiro, queijo coalho e molho de tucumã).

O ‘Maré de Sabores’ participou do 1º Fórum Regional das Cidades Latino-Americanas Signatárias do Pacto de Milão sobre Política de Alimentação Urbana, que aconteceu entre os dias 29 e 31 de maio no Rio de Janeiro.

A iniciativa é um modelo de integração e desenvolvimento social ancorado na gastronomia e no empreendedorismo, e colabora para a implementação e o desenvolvimento de sistemas alimentares sustentáveis para as cidades.

Confira nesse vídeo especial do Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio).

Horta em escola do município de Belford Roxo. Foto: Centro Rio+

ARTIGO: Mudar a forma de produzir alimentos pode ajudar a combater a poluição do ar

Em artigo, o Jovem Campeão da Terra de 2018 para a Europa, Hugh Weldon, fala sobre a importância de as cidades passarem a produzir alimentos. “Ao cultivar mais alimentos em ambientes urbanos, podemos ajudar aqueles que consomem a maioria dos alimentos e recursos a entender de onde eles vêm, começar a se reconectar com o mundo natural e até mesmo melhorar nossa saúde mental e bem-estar”, disse.

“Precisamos de toda essa ação – mas, além de tratar nosso ar por meio de espaços verdes e produzir alimentos em nossas cidades, precisamos desativar o fluxo de poluição tóxica na fonte. Precisamos que a indústria, os empresários e o setor privado passem da produção em massa de “coisas baratas” para produtos de qualidade mais duradouros. Sustentabilidade e qualidade antes de quantidade.” Leia o artigo completo publicado pela ONU Meio Ambiente.

A reunião lembrou que Brasil, como um dos primeiros países a assumir o compromisso com a Década de Ação sobre a Nutrição, se comprometeu internacionalmente com a melhora da qualidade da alimentação da população e com a promoção de um sistema alimentar sustentável. Foto: Prefeitura do Rio de Janeiro

FAO: alimentação escolar é estratégica no alcance do desenvolvimento sustentável

Gestores de 19 países da América Latina e Caribe e dirigentes de agências das Nações Unidas reuniram-se esta semana no Rio de Janeiro (RJ) para discutir a alimentação escolar e a Década de Ação sobre a Nutrição, durante o I Fórum da Rede de Alimentação Escolar Sustentável.

Ao fim do evento, foi elaborada uma carta endereçada ao I Fórum Regional do Pacto de Milão, reconhecendo que as Políticas de Alimentação Escolar (PAE) permitem aos países alcançar objetivos em diferentes áreas estratégicas, como educação, saúde, agricultura, desenvolvimento social, territorial e ambiental.

“A alimentação escolar é estratégica no alcance dos resultados de desenvolvimento sustentável, abrangendo diversos setores e com mecanismos de inclusão econômica e social que combatem a obesidade e a fome”, disse Rafael Zavala, representante da FAO no Brasil.

Mulher vende toranjas asiáticas em mercado flutuante. Foto: Biodiversidade Internacional

Dia da Diversidade Biológica lembra efeitos da negligência ambiental na segurança alimentar

A alimentação está se tornando cada vez mais homogênea no mundo todo, apesar do crescente acesso a uma ampla variedade de alimentos nutritivos. A advertência foi feita pelas Nações Unidas nesta quarta-feira (22), Dia Internacional para a Diversidade Biológica. A data lembra este ano os impactos da negligência ambiental na segurança alimentar e na saúde pública.

A biodiversidade na fauna e na flora – em termos de espécies, habitats e genética – leva a ecossistemas mais saudáveis, mais produtivos e mais capazes de se adaptar a desafios como mudança climática. A atividade humana está ameaçando o destino de espécies como nunca antes, de acordo com um novo relatório, divulgado neste mês.

Mata fechada na Amazônia peruana. Foto: Flickr (CC)/Joseph King

Manejo sustentável de florestas é ferramenta fundamental no combate às mudanças climáticas

No manejo florestal tradicional, as árvores ainda são vistas principalmente como fonte de madeira. Todos os outros produtos derivados de terras arborizadas — como mel, cogumelos, líquen, pequenos frutos, plantas medicinais e aromáticas, bem como quaisquer outros produtos extraídos de florestas para uso humano — são considerados de importância secundária.

No entanto, os recursos florestais não madeireiros trazem amplos benefícios para milhões de famílias no mundo todo, tanto em termos de subsistência como de renda. Além disso, o manejo sustentável das florestas permite sua conservação, garantindo o combate às mudanças climáticas e à poluição do ar. Leia o relato completo da ONU Meio Ambiente.

Projeto busca reduzir emissões de gases de efeito estufa na produção de ferro-gusa, aço e ferroligas, e promover a adoção de boas práticas produtivas na siderurgia para se alcançar sustentabilidade ambiental, social e também econômica. Foto: Rooseveelt Almado (CC)

PNUD oferece cursos sobre produção de carvão vegetal para a siderurgia brasileira

Em Belo Horizonte (MG), o projeto Siderurgia Sustentável, implementado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), promove na sexta-feira (17) uma série de minicursos sobre a produção sustentável de carvão vegetal para a siderurgia.

Mesmo que a maioria das pessoas não consiga identificar, no dia a dia, produtos da siderurgia, como o aço, o ferro-gusa e as ferroligas, esses materiais são utilizados na produção de carros, aviões, eletrodomésticos e até celulares. Na fabricação desses insumos, o carvão é indispensável.

Derretimento das calotas polares está acelerando na Groenlândia. Foto: ONU/Mark Garten

ARTIGO: Mudanças do clima e o setor privado

Em artigo publicado no jornal Folha de S.Paulo, Rodolfo Sirol, vice-presidente da Rede Brasil do Pacto Global das Nações Unidas, e Luiz Carlos Xavier, coordenador do Grupo Temático de Energia e Clima da Rede Brasil do Pacto Global, chamam a atenção para a importância do engajamento do setor privado no combate às mudanças climáticas.

Levantamento da consultoria EY aponta que apenas 4% das empresas integram as práticas de sustentabilidade à gestão de riscos corporativos. “Ao desconsiderar potenciais ameaças, a empresa ingressa em uma seara perigosa, que ameaça a perenidade de sua operação e o ambiente de negócios como um todo”, disseram. Leia o artigo completo.

A poluição plástica é um problema crescente para os nossos oceanos. Em Montenegro, país do leste europeu, uma tecnologia inovadora está ajudando a limpar o oceano. A Seabin é uma lixeira flutuante que coleta detritos nas marinas e perto das praias da Baía de Kotor, incluindo garrafas plásticas, linhas de peixe, bitucas de cigarro e outros tipos de lixo. Confira nesse vídeo da União Internacional de Telecomunicações (UIT)

Em Montenegro, uma lixeira flutuante ajuda a combater a poluição plástica; vídeo

A poluição plástica é um problema crescente para os nossos oceanos. Em Montenegro, país do leste europeu, uma tecnologia inovadora está ajudando a limpar o oceano.

A Seabin é uma lixeira flutuante que coleta detritos nas marinas e perto das praias da Baía de Kotor, incluindo garrafas plásticas, linhas de peixe, bitucas de cigarro e outros tipos de lixo.

Confira nesse vídeo da União Internacional de Telecomunicações (UIT).

Sapo folha esplêndido, no Equador. Foro: PNUD

Relatório da ONU mostra que 1 milhão de espécies de animais e plantas enfrentam risco de extinção

Um duro relatório acerca do impacto humano sobre a natureza mostra que quase 1 milhão de espécies de animais e plantas correm risco de extinção dentro de décadas. Os atuais esforços para conservar os recursos da Terra devem falhar caso não sejam tomadas ações radicais, disseram especialistas das Nações Unidas na segunda-feira (6).

Sobre os riscos à fauna e à flora, o estudo afirmou que atividades humanas “ameaçam mais espécies atualmente do que nunca”. A conclusão foi baseada no fato de que em torno de 25% das espécies de plantas e de animais estão vulneráveis. Em torno de 1 milhão de espécies “já enfrentam risco de extinção, muitas delas dentro de décadas, a não ser que ações sejam tomadas para reduzir a intensidade de impulsionadores de perdas à biodiversidade”.

Foto: ONU

Relatório detalha desafios para alcançar uma governança ambiental internacional

O relatório “Governança ambiental internacional: realizações e encaminhamentos” detalha esforços para reformar o sistema de governança ambiental internacional.

O documento destaca a necessidade de maior coerência, coordenação e eficácia do sistema institucional para a governança ambiental global, tanto através de reformas da governança, financiamento e funcionamento, como através do aumento de sinergias nas operações dos vários acordos ambientais multilaterais. O relato é da ONU Meio Ambiente.

Queima de plástico no lixão de Dandora, em Nairóbi, no Quênia. Foto: James Wakibia

ONU Meio Ambiente alerta para poluição causada pela queima de lixo plástico

A incineração de resíduos plásticos a céu aberto é uma das principais fontes de poluição do ar. Em torno de 12% da maior parte dos resíduos sólidos municipais é feita de plástico, de um tipo ou de outro, e 40% de todo o lixo do mundo é queimado.

A ONU Meio Ambiente alerta para a necessidade de uma gestão sustentável do plástico, considerando todo o seu clico de vida. O organismo aponta ainda que medidas para proibir ou reduzir o consumo de plásticos descartáveis ajudam a combater também a poluição do ar.

Usina de dessalinização em Al Khaluf, Omã. Foto: Wikimedia Commons

ONU alerta contra impactos ambientais da dessalinização para fornecimento de água doce

Você sabia que vários países, como as Maldivas, Malta e as Bahamas, satisfazem todas as suas necessidades de consumo de água por meio da dessalinização, isto é, com a transformação da água do mar em água doce?

Mas essa fonte pouco convencional de água tem seus riscos para o meio ambiente. Subprodutos da dessalinização são tóxicos para a natureza e suas formas de vida. O relato é da ONU Meio Ambiente.