Arquivo da tag: Consumo e produção responsáveis

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU número 12 diz: “Assegurar padrões de produção e de consumo sustentáveis”.

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU número 12 diz: “Assegurar padrões de produção e de consumo sustentáveis”. As metas incluem reduzir pela metade o desperdício de alimentos per capita mundial; alcançar o manejo ambientalmente saudável dos produtos químicos e todos os resíduos; e reduzir substancialmente a geração de resíduos por meio da prevenção, redução, reciclagem e reuso; entre outros.

 

Mais sobre este ODS em https://nacoesunidas.org/pos2015/ods12 e notícias sobre o tema abaixo.

Agricultor da Aldeia Marcação Kiriri, comunidade alcançada pelo Projeto Pró-Semiárido, financiado pelo FIDA. Foto: Lianne Milton/Panos/FIDA.

Fundo agrícola da ONU promove workshop sobre gestão financeira para equipes de projetos no Brasil

Desde a última quarta-feira (11), capital da Bahia sedia o Workshop de Gestão Financeira promovido pelo Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) para equipes dos projetos desenvolvidos no Brasil em parceria com o Governo Federal, estados do nordeste e instituições e organizações parceiras.

Segundo o Oficial Sênior de Finanças do Escritório Regional do FIDA, Dario Rimedio, objetivo é aperfeiçoar a performance e práticas de gestão financeira dos projetos financiados pelo Fundo no país, a fim de garantir o alcance das metas e exponenciar o impacto das iniciativas.

Encontro acontece até sexta-feira (13) e discute temas como avaliação de risco; ações de planejamento; controles internos e auditorias externas. Abertura do workshop contou com a participação via videoconferência da diretora da divisão financeira do FIDA, Ruth Farrant, que se conectou da sede do Fundo, em Roma, Itália.

COP25 ocorrerá em Madri, na Espanha, até 13 de dezembro. Foto: ifema feria de madrid

COP25: conferência da ONU começa em Madri com objetivo de ampliar ambição climática

Governos de todo o mundo reúnem-se a partir desta segunda-feira (2) em Madri, na Espanha, para participar na Conferência da ONU sobre o Clima (COP25), que ocorre até 13 de dezembro com o objetivo de ampliar a ambição dos países no combate às mudanças climáticas.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, discursará na cerimônia de abertura. Segundo seu porta-voz, ele deve fazer um apelo aos líderes mundiais para que aumentem sua ambição para alcançar as metas estabelecidas no Acordo de Paris. Guterres também deve pedir que adotem as mais novas regras sobre a implementação desse acordo.

Em 1 de julho de 2016, Amaia, de 11 anos, uma menina inuíte, pisa em bloco de gelo no Oceano Ártico, em Barrow, Alasca (EUA). O derretimento anômalo do gelo do Ártico é um dos muitos efeitos do aquecimento global que tem sério impacto na vida dos seres humanos e na natureza. Foto: UNICEF

Corte de emissões precisa ser mais drástico para limitar aumento de temperatura global a 1,5ºC

Mesmo que todos os compromissos atuais sob o Acordo de Paris para o clima sejam implementados, as temperaturas deverão subir 3,2°C, trazendo impactos climáticos ainda maiores e mais destrutivos, segundo novo relatório do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA).

Para alcançar a meta de 1,5°C, a ambição coletiva precisa aumentar em mais de cinco vezes em relação aos níveis atuais para proporcionar os cortes necessários na próxima década.

Vencedoras de concurso do projeto +Algodão Paraguai, implementado em conjunto com a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), visitaram atividades da cadeia produtiva brasileira. Foto: Bishnu Sarangi | Pixabay.

Paraguaias premiadas por iniciativa da FAO conhecem produção de algodão do Brasil

Paraguaias vencedoras do Concurso de Sistema de Produção de Algodão, promovido pela Diretoria de Educação Agrícola (DEA) do Paraguai em conjunto com o projeto +Algodão Paraguai, foram premiadas com uma viagem ao Brasil para uma visita técnica sobre atividades brasileiras no setor. País é referência para o projeto por ser importante exportador da matéria-prima que é uma das 20 commodities mais importantes do mercado mundial em termos de valor.

Natalia Aguilar Venega e Luisa Curtido Martínez, da Escola Agrícola de Villarrica, no Paraguai, visitaram por uma semana as cidades nordestinas de Barbalha (CE), Campina Grande (PB), João Pessoa (PB) e Remígio (PB) e trocaram conhecimentos com os agricultores familiares que produzem algodão de maneira agroecológica na região; conheceram políticas públicas voltadas para o setor; e visitaram a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e a Empresa Paraibana de Pesquisa, Extensão Rural e Regularização Fundiária (Empaer-PB).

O projeto +Algodão Paraguai é uma iniciativa conjunta promovida pelo governo do Paraguai; governo do Brasil –representado pela Agência Brasileira de Cooperação (ABC); e Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO). Segundo o representante da FAO no Paraguai, o intercâmbio entre Brasil e Paraguai é importante “para expandir experiências e predisposição à inovação na produção de algodão que, por muito tempo, significou um meio de vida importante para os agricultores paraguaios”.

O Projeto Paulo Freire impulsiona, desde 2013, a produção sustentável e o aumento da renda em territórios do Ceará. Foto: FIDA | Irshad Khan.

Missão do FIDA realiza avaliação do Projeto Paulo Freire desenvolvido no Ceará

De 4 a 8 de novembro, uma Missão de Avaliação e Acompanhamento do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola das Nações Unidas (FIDA) se reuniu com técnicos e diretores da Secretaria do Desenvolvimento Agrário (SDA) do Ceará para analisar os resultados obtidos com o Projeto Paulo Freire (PPF).

Executado pela SDA, o PPF é uma iniciativa que conta com recursos de investimento do FIDA a fim de diminuir a pobreza e alavancar o desenvolvimento sustentável nas localidades com os menores Índices de Desenvolvimento Humano (IDH) da região.

O Projeto Paulo Freire impulsiona, desde 2013, a produção sustentável e o aumento da renda a partir de atividades agrícolas e não agrícolas desenvolvidas pelos grupos prioritários do projeto: jovens, mulheres e povos tradicionais.

Menino trabalha no Nepal - Foto: David Longstreath/Irin

ONU aponta que crianças respondem por 26% da mão de obra no início das cadeias produtivas na América Latina

Um novo relatório da ONU aponta uma contribuição significativa do trabalho infantil e do tráfico de pessoas nos patamares iniciais das cadeias produtivas, em atividades extrativistas e de agricultura, fazendo com que a visibilidade, diligência e identificação de tais atividades seja desafiadora. A América Latina lidera a estimativa de trabalho infantil neste setor, com 26%.

O relatório “Fim do trabalho infantil, trabalho forçado e tráfico humano nas cadeias produtivas” foi produzido pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), Organização Internacional para Migração (OIM) e Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF).

O documento fornece, pela primeira vez, estimativas de trabalho infantil associadas ao setor em várias regiões: 26% na América Latina e Caribe; 12% no sul e centro da Ásia e outros 12% na África Subsaariana, além de 9% no Norte da África e Ásia Ocidental.

Lixo recolhido em 2017 em praia de Bali, onde a ONU Meio Ambiente lançou a campanha Mares Limpos. Foto: ONU Meio Ambiente/Shawn Heinrichs

Campanha do PNUMA pretende diminuir uso de plástico em produtos de higiene e beleza

O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) lançou um desafio online para que os internautas diminuam a quantidade de plásticos e microplásticos encontrados nos banheiros. “O que há no SEU banheiro?” faz parte da Campanha Mares Limpos, lançada em 2017 para gerar um movimento global para combater a poluição por plásticos.

O desafio convida que as pessoas façam vídeo ou foto dos plásticos e microplásticos encontrados no banheiro e postem nas redes sociais marcando o Programa – @UNEP_PT e a Campanha #MaresLimpos, além de se comprometerem a reduzir o consumo deste tipo de produto. A campanha digital acontece no mês de novembro.

“Na América Latina e no Caribe, muitas crianças comem pouca comida saudável e muita comida processada”, Bernt Aasen, diretor regional do UNICEF para a América Latina e o Caribe. Foto: Kwanchai.c | Shutterstock.

ONU pede ações urgentes para frear o aumento da fome e da obesidade na América Latina e no Caribe

Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS), Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas (PMA) pediram ações urgentes aos países da América Latina e do Caribe para combater o aumento da má nutrição na região.

As quatro agências das Nações Unidas que trabalham com o tema da Alimentação lançaram hoje (12) o Panorama de Segurança Alimentar e Nutricional 2019. O relatório apresenta dados do cenário alimentar da América Latina e do Caribe, e destaca que a região está pior que o resto do mundo na maioria dos indicadores de má nutrição relacionados ao consumo excessivo de calorias – enquanto que a fome voltou a crescer: 11%, ou 4,5 milhões de pessoas, desde 2014.

Segundo a diretora da OPAS/OMS, Carissa F. Etienne, “precisamos do compromisso de toda a sociedade e de políticas públicas que regulem produtos alimentares pouco saudáveis, criem ambientes propícios à atividade física e promovam uma alimentação saudável na escola e na mesa das famílias”.

Cerca de 420 mil pessoas estão sob cerco na Síria – sem alimentos e remédios, famílias com fome e crianças malnutridas e definhando. Elas precisam de ajuda agora, precisam de paz agora. O Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas (PMA) precisa de financiamento e acesso para ajudar.

Centro da ONU realiza seminário em Brasília para discutir combate à deficiência nutricional infantil

Realizado conjuntamente pelo Centro de Excelência contra a Fome do Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas (PMA) e pela Royal DSM – empresa global de ciências atuante nas áreas da Nutrição, Saúde e Vida sustentável, o seminário “Micronutrientes: contribuindo para a infância no Brasil” debaterá políticas públicas para a fortificação de alimentos.

Dados das Nações Unidas apontam que o Brasil está entre os 51 países mais suscetíveis à prevalência da desnutrição, alcançando a marca de aproximadamente 5,2 milhões de pessoas desnutridas no ano de 2017.

O evento acontece no dia 7 de novembro, em Brasília, e reunirá representantes do governo, de empresas, universidades e organizações que atuam em diferentes âmbitos da cadeia alimentar para discutir maneiras de combate à fome e à deficiência nutricional infantil. O seminário é gratuito e, para participar, é necessário realizar inscrição prévia.

Energia eólica, limpa e renovável. Foto: Alexander Droeger/CC.

CEPAL e Senado Federal realizam seminário para debater desenvolvimento e sustentabilidade

A Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe das Nações Unidas (CEPAL) e o Senado Federal realizam, em Brasília, o Seminário Grande Impulso para a Sustentabilidade no Brasil.

O intuito é debater um desenvolvimento social e econômico que leve em consideração a sustentabilidade ambiental.

O evento acontece em Brasília, no Auditório Petrônio Portello do Senado, no dia 05 de novembro. A entrada é gratuita, sujeita à inscrição prévia.

Agricultora brasileira da associação da comunidade negra de Jatobá. Foto: Banco Mundial/Romel Simon

ARTIGO: O papel das mulheres na segurança alimentar

Em artigo, o representante da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) no Brasil, Rafael Zavala, analisa o papel das mulheres na segurança alimentar à luz dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Ao mesmo tempo em que são responsáveis por mais da metade da produção de alimentos, mais de 60% das pessoas com gome crônica no mundo também são mulheres e meninas. Leia o artigo completo.

Castanha é produto florestal importante para comunidades que vivem na região amazônica. Foto: Agência Brasil/Marcelo Camargo

Workshop no Rio discute métricas para avaliar impacto dos negócios na biodiversidade

O Rio de Janeiro sediará, nos dias 29, 30 e 31 de outubro, workshop sobre negócios e biodiversidade, cujo objetivo é impulsionar a troca de experiências entre empresas interessadas em reformular seus modelos de negócios para práticas mais sustentáveis.

Durante os três dias, especialistas do mundo inteiro vão discutir temas como medição, monitoramento e divulgação de impactos e a dependência das empresas em relação à biodiversidade. Com a reunião de diferentes setores e metodologias, a intenção é formar uma visão comum em torno de métricas e boas práticas de preservação.

O evento é uma iniciativa do iniciativa do Centro Mundial de Monitoramento da Conservação do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA-WCMC).

Entre 9 e 10 de outubro, a Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR ), em Curitiba, recebeu a terceira edição do Simpósio Paranaense de Saúde Única. Foto: PANAFTOSA.

Centro da ONU participa de simpósio sobre segurança dos alimentos no Paraná

O Centro Pan-Americano de Febre Aftosa e Saúde Pública Veterinária (PANAFTOSA) da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS/OMS) participou, entre 9 e 10 de outubro, do 3º Simpósio Paranaense de Saúde Única, que discutiu segurança dos alimentos.

O ciclo de palestras aconteceu na Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR), em Curitiba, e contou com a presença da médica veterinária e Coordenadora da área de Segurança dos Alimentos do PANAFTOSA/OPAS-OMS, Simone Raszl.

A médica veterinária abordou em sua fala os impactos econômicos e sociais da falta de segurança na comercialização de alimentos.

"A FabricAID redesenha a forma como pensamos a moda", Omar Itani, 24, um dos ganhadores do Prêmio Jovens Campeões da Terra 2019.

No Líbano, jovem premiado pela ONU reformula o futuro da moda enquanto ajuda refugiados

O ganhador do Prêmio Jovens Campeões da Terra 2019 para a região do Sudoeste Asiático, Omar Itani é fundador da FabricAid, uma iniciativa de Beirute, no Líbano, que recicla roupas e tecidos descartados que gerariam danos ao meio ambiente.

A indústria da moda é o segundo maior consumidor de água no mundo, utilizando água suficiente para satisfazer as necessidades de cinco milhões de pessoas e produzindo o equivalente a três milhões de barris de petróleo em microfibra – que muitas vezes são despejados no mar.

A solução de Itani está dando novos usos a antigas peças enquanto protege a natureza e ajuda refugiados vivendo em Beirute – que podem comprar as roupas da FabricAid por uma preço que varia entre 30 centavos de dólar e dois dólares.

As cidades de todo o mundo querem ser resilientes. Mas o que isso significa?

Pequenas ou grandes, as cidades de todo o mundo têm desafios comuns, em especial os trazidos pela rápida urbanização e pelas mudanças climáticas. As Nações Unidas estimam que 4 bilhões de pessoas – mais da metade da população global – vivem nos centros urbanos. Até 2050, mais de dois terços da população mundial viverá nas cidades, o que gerará uma demanda crescente por moradias acessíveis, sistemas de transporte bem conectados e outras infraestruturas e serviços, além de empregos.

Além disso, o aumento da temperatura global intensifica os riscos de elevação do nível das águas, deslizamentos de terra, secas, furacões e outros desastres, que podem levar 100 milhões de pessoas à extrema pobreza.

A boa notícia é que, com conhecimento e criatividade, os centros urbanos estão encontrando formas de enfrentar novos e antigos problemas com menos perdas e maior capacidade de recuperação. Em outras palavras, criando resiliência. O relato é do Banco Mundial.

Projetos de energia renovável e de eficiência energética nos países em desenvolvimento pode apoiar o Acordo de Paris, segundo relatório da ONU Meio Ambiente. Foto: EBC

Rede Brasil lança workshops de integração dos ODS no setor elétrico

A Rede Brasil do Pacto Global, a partir do seu Grupo Temático de Energia & Clima, iniciou uma nova fase do plano de fomentar a adesão do setor de energia elétrica aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Por meio de workshops SEBLab que ocorrerão nos meses de outubro e novembro, empresas e organizações encontram um espaço de diálogo e construção coletiva para adaptar a linguagem da Agenda 2030 às demandas e oportunidades da área. A iniciativa tem apoio das empresas AES Tietê, EDP, CPFL, CeleoRedes e MRV.

Vista do rio Tâmisa, em Londres. Foto: pixabay/ChristofS (CC)

Estudo mostra alta concentração de antibióticos nas águas de rios do mundo

O uso indevido de antibióticos em humanos e animais está acelerando o processo de resistência a esses medicamentos, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Antibióticos também parecem estar se espalhando no meio ambiente. Um estudo global recente descobriu que as concentrações de antibióticos em alguns rios do mundo excedem os níveis “seguros” em até 300 vezes.

Os antibióticos são apenas um entre uma variedade de produtos farmacêuticos, produtos de higiene pessoal e outros contaminantes ambientais cada vez mais presentes nas águas residuais e nos lixões do mundo. O relato é da ONU Meio Ambiente.

“Nossos Campeões e Jovens Campeões de 2019 se atrevem a sonhar mais; eles se esforçam mais e vão mais longe. Suas ações falam mais alto que palavras”, Inger Andersen, diretora Executiva do PNUMA. Foto: PNUMA.

Pioneiros globais recebem maior prêmio ambiental da ONU

O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) homenageou oficialmente 12 agentes de mudança ambiental de todo o mundo com o prêmio ‘Campeões da Terra’ e ‘Jovens Campeões da Terra’ de 2019 das Nações Unidas.

O Campeões da Terra – principal prêmio ambiental da ONU – é entregue anualmente a líderes destacados do governo, sociedade civil e setor privado cujas ações tiveram um impacto positivo no meio ambiente.

A cerimônia de premiação, realizada em Nova Iorque em 26 de setembro, reconheceu os premiados nas categorias Inspiração e Ação; Liderança em Políticas; Visão Empresarial; e Ciência e Inovação.

A Conexão Schurmann #MaresLimpos registra o dia a dia dessas personalidades a bordo, o contato com a natureza e com os danos causados pela ação humana. Foto: ONU Meio Ambiente

Família Schurmann e ONU Meio Ambiente lideram movimento para consumo consciente

Defensora da campanha Mares Limpos da ONU Meio Ambiente, a família Schurmann e convidados navegaram em julho ao lado de golfinhos, mas também recolheram micro plásticos nos oceanos. Nas areias de praias desertas dos estados de Rio de Janeiro e São Paulo, a tripulação também encontrou resíduos, principalmente plásticos.

A Conexão Schurmann #MaresLimpos/Rio–Ilhabela foi registrada em documentário que estreia nesta terça-feira (15), Dia do Consumo Consciente. Com 11 minutos, a produção evidencia a invasão de embalagens descartáveis em paisagens paradisíacas, além de apresentar soluções e comportamentos que podem ajudar a reverter esse cenário.

O projeto ‘Greening the Cocoa Industry’, implementado pelo PNUMA, cobre pelo menos 10% da produção mundial de cacau - 350.000 toneladas cultivadas por 250.000 agricultores. Foto: Ecosystem Services for Poverty Alleviation/CC.

PNUMA apoia projetos que visam tornar a cadeia global do cacau mais sustentável

Você sabia que, em geral, menos de 7% do preço da sua barra de chocolate é destinado aos produtores de cacau? Ou que grandes quantidades da produção global de cacau estão associadas ao desmatamento ilegal e à perda de biodiversidade?

O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) e seus parceiros vêm trabalhando há muitos anos em projetos destinados a tornar a indústria do cacau mais ecológica e sustentável. Greening the Cocoa Industry (“Tornando a indústria do cacau mais sustentável”, na tradição livre) é um deles.

O objetivo do projeto é mudar as práticas de produção e de comércio nos principais países produtores de cacau e nas empresas de chocolate, visando à conservação da biodiversidade, à provisão de maior estabilidade a longo prazo a todos os participantes da cadeia de valor; e ao aumento de renda para pequenos agricultores.

Leia mais na reportagem do PNUMA, em marco ao Dia Mundial do Cacau e Chocolate (1º de outubro).

Em dezembro de 2017, a Assembleia Geral das Nações Unidas aprovou resolução criando a Década da ONU para a Agricultura Familiar (2019-2028). Foto: MDA

FIDA: investimento em agricultura familiar é maneira mais eficaz de reduzir pobreza rural

O Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola (FIDA) das Nações Unidas lança em Brasília (DF) na terça-feira (15) a publicação “Estudo comparativo dos efeitos diretos da agricultura e do agronegócio na redução da pobreza rural”.

O estudo destaca o potencial da agricultura familiar e suas vantagens comparativas no combate à pobreza rural, analisando a geração de renda de dois sistemas produtivos em cadeias como ovinos/caprinos, aves, produção de mandioca e apicultura.

A análise trabalha com dados do semiárido nordestino, considerado o maior bolsão de pobreza da América Latina.

Público acompanha entrega de prêmio no Rock in Rio - Foto: Anette Alencar/I hate flash

ONU Brasil participa do 20º Rock in Rio promovendo agenda sustentável

O Sistema ONU no Brasil participou da edição 2019 do Rock in Rio com diversas atividades, culminando com a entrega do prêmio Atitude Sustentável, que destaca patrocinadores e fornecedores que possuem boas práticas nesta área.

A ONU Brasil também divulgou mensagens sobre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e a Agenda 2030. Nos sete dias do evento, um videoclipe chamando os roqueiros para a ação foi exibido nos intervalos dos shows nos palcos Sunset e Mundo. A ação chegou a mais de 700 mil pessoas entre os dias 27 de setembro de 6 de outubro.

Indígenas venezuelanos em abrigo em Boa Vista, Roraima. Foto: ACNUR/Reynesson Damasceno

ONU detalha impactos e oportunidades ambientais da resposta humanitária em Roraima

A ONU Meio Ambiente atua em Roraima, estado brasileiro que recebe alto fluxo de refugiados e migrantes venezuelanos, analisando os impactos e oportunidades ambientais relacionados à resposta humanitária no estado.

Segundo Dan Stothart, oficial regional de assuntos humanitários da ONU Meio Ambiente, os impactos estão ligados à forma como a provisão de alimentos e abrigo afeta o meio ambiente, como na geração de resíduos.

Já as oportunidades referem-se à chegada crescente de venezuelanos indígenas, por exemplo. “Podemos ajudar a integrá-los às comunidades venezuelanas brasileiras apoiando a agricultura local, a segurança alimentar e a gestão ambiental, como meio de facilitar a transição.” Leia a entrevista completa.

A ONU Meio Ambiente reconheceu a Ant Forest na categoria "Inspiração e Ação". Foto: Reprodução

Aplicativo para reflorestamento na China vence principal prêmio ambiental da ONU

A iniciativa de sustentabilidade Ant Forest recebeu em setembro (19) o prêmio da ONU Meio Ambiente Campeões da Terra 2019 por transformar as boas ações de meio bilhão de pessoas em árvores reais, plantadas em algumas das regiões mais áridas da China.

Os usuários da Ant Forest são encorajados a registrar sua pegada de baixo carbono por meio de ações diárias, como no uso do transporte público ou pagando contas de serviços pela Internet.

Para cada ação, eles recebem pontos de “energia verde” e, quando acumulam um certo número de pontos, uma árvore é plantada. Leia mais na reportagem.

"O ar poluído está causando milhões de mortes prematuras em todo o mundo ", Inger Andersen, Diretora Executiva do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA). Foto: PNUMA.

Arte pelo Clima – na sede da ONU, instalações chamam atenção para a necessidade de ares mais limpos

Em meio aos muitos eventos que ocorreram na sede das Nações Unidas em Nova Iorque no mês de setembro, como as Cúpulas de Ação Climática e dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), as lideranças presentes reservaram um momento para recuperar o fôlego.

A necessidade urgente de reduzir a poluição do ar e de intensificar as ações climáticas foi destaque em algumas instalações de arte promovidas nos espaços da ONU pela Arte 2030, iniciativa que visa utilizar a arte como ferramenta para abordar os temas da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.

Recentemente, a Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou o problema da poluição do ar como “emergência de saúde pública global”, quando nove em cada dez pessoas respiram um ar contendo altos níveis de poluentes. O relato é da ONU Meio Ambiente.

Aliança ‘Jogando para o Planeta’ demonstra como a indústria de videogames, que atinge 2,6 bilhões de pessoas em todo o mundo, pode apoiar ações na agenda ambiental. Foto: Reprodução/CreativeCommons.

Gigantes da indústria de games entram na luta contra as mudanças climáticas

Alguns dos maiores nomes da indústria de videogames, com uma audiência conjunta de 970 milhões de jogadores, se comprometeram formalmente a aproveitar o poder de suas plataformas para agir em resposta à crise climática.

Combinados, os compromissos firmados pelas 21 empresas resultarão em uma redução de 30 milhões de toneladas de emissões de CO² até 2030; milhões de árvores plantadas; novos “estímulos verdes” no design de jogos; e melhorias no gerenciamento de energia dos dispositivos e nas embalagens recicláveis.

O anúncio foi feito em evento paralelo à Cúpula de Ação Climática das Nações Unidas deste ano, que ocorreu na sede da ONU, em Nova Iorque, em setembro.

A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável foi estabelecida pelos países-membros da ONU no fim de 2015. Foto: ONU

Apenas 32% das empresas do mundo têm planos ambiciosos para atingir objetivos globais

De uma forma geral, um alto índice de empresas no mundo mantém políticas corporativas que atravessam as áreas-chave dos Dez Princípios do Pacto Global das Nações Unidas. Pelo menos 67% dessas companhias responderam que tais estratégias são desenvolvidas ou avaliadas no mais alto nível de governança, designada a CEOs, diretoras e diretores de empresas.

Apesar do progresso, os dados ainda são motivo de preocupação do Pacto Global. De acordo com a iniciativa das Nações Unidas, eles ainda não são o suficiente, em escala ou tempo, para alcançar os 17 ODS ou mesmo o Acordo de Paris para o clima.

Apenas 32% dos CEOs indicam que suas empresas têm planos para estabelecer objetivos suficientemente ambiciosos, baseados na ciência e alinhados à necessidade da sociedade. Enquanto isso, ações de apoio aos ODS ainda parecem estar separadas das estratégias mais centrais das empresas, e não influenciam de forma profunda produtos, serviços ou modelos de negócios.

“Esperamos que este prêmio inspire outras empresas ao mostrar que podemos ter um negócio próspero e também fazer o bem ao mundo”, Rose Marcario, Diretora Executiva da marca Patagônia. Foto: ONU Meio Ambiente.

Marca de roupas de aventura vence prêmio da ONU na categoria Visão Empreendedora

De uma pequena empresa que fabrica ferramentas para alpinistas, a marca Patagônia se tornou líder global em sustentabilidade.

Seu esforço para preservar os ecossistemas do planeta percorre todo o negócio, desde os materiais usados nos produtos até doações para causas ambientais.

Por esses e outros motivos, a marca venceu o prêmio ‘Campeões da Terra’ da ONU na categoria ‘Visão Empreendedora’. Criado pela ONU Meio Ambiente em 2005, este é o principal prêmio ambiental global das Nações Unidas.

Dispersão de poluentes na atmosfera pode influenciar equilíbrio climático. Foto: PEXELS (CC)

ONU Meio Ambiente: foco político na crise climática é o maior em uma década

A ONU Meio Ambiente divulgou no domingo (22) relatório mostrando que o foco político na crise climática é o maior em pelo menos uma década, inclusive por meio do Acordo de Paris para o clima. Eleitores e manifestantes do mundo todo, principalmente jovens, estão deixando mais claro que a crise climática é prioridade.

Além disso, cidades, regiões e empresas não estão esperando imposições de governos centrais. Cerca de 7.000 cidades de 133 países, 245 regiões de 42 países e 6.000 empresas com receita de pelo menos 36 trilhões de dólares se comprometeram a reduzir as emissões.

Tudo isso é um progresso importante, mas não chega perto do suficiente, segundo o documento. Os países devem pelo menos triplicar o nível de ambição refletido em suas promessas climáticas sob o Acordo de Paris para alcançar a meta de um aquecimento abaixo de 2°C. Eles devem aumentar a ambição pelo menos cinco vezes para a meta de 1,5 °C.

Secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, visita Vanuatu em última parada de missão ao Pacífico para ver os efeitos da mudança climática. Foto: ONU/Mark Garten

Saiba o que foi prometido durante a histórica Cúpula de Ação Climática da ONU

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, alertou aos líderes para que não fossem à Cúpula de Ação Climática deste ano somente discursar, mas que apresentassem tanto planos concretos para cortar emissões de gases de efeito estufa quanto estratégias para neutralizar as emissões de carbono até 2050.

Mas o que exatamente foi prometido durante a histórica Cúpula, que ocorreu na sede da ONU, em Nova Iorque, em 23 de setembro? Saiba mais nesta reportagem.

Vulcão na Costa Rica, país que venceu venceu prêmio ambiental da ONU na categoria Liderança Política. Foto: pixabay/InfiniteThought (CC)

Costa Rica recebe prêmio ambiental da ONU por combate às mudanças climáticas

A Costa Rica recebeu o Campeões da Terra de 2019, o maior prêmio ambiental da ONU, por seu papel na proteção da natureza e seu compromisso com políticas ambiciosas para o combate às mudanças climáticas.

A ONU Meio Ambiente reconheceu o país centro-americano na categoria Liderança Política por seu plano detalhado para descarbonizar a economia até 2050. A iniciativa vai ao encontro das diretrizes do Acordo de Paris para o clima e dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Mais de 98% da energia da Costa Rica é renovável e sua cobertura florestal é superior a 53%, após um meticuloso trabalho para reverter décadas de desmatamento. Em 2017, o país bateu um recorde de 300 dias movido apenas a energia renovável. O objetivo é atingir 100% até 2030. Espera-se que 70% de todos os ônibus e táxis do país sejam elétricos até 2030, com total eletrificação projetada para 2050.

Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) do Brasil tornou-se referência na América Latina e Caribe. Foto: Wokandapix/CC.

FAO, Brasil e governos de América Latina e Caribe compartilham práticas de alimentação escolar

Para conhecer a experiência brasileira do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), representantes desta área dos governos do Chile e do Panamá se reuniram em Brasília com dirigentes do Escritório da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) no Brasil e outros atores.

A visita técnica, que aconteceu entre 9 e 13 de setembro, foi promovida no âmbito do projeto de Cooperação Internacional Consolidação de Programas de Alimentação Escolar, uma iniciativa da FAO e do governo brasileiro para promover a troca de experiências com demais países.

Ativo no Brasil há mais de 60 anos, o PNAE atende diariamente mais de 42 milhões de crianças e jovens. O Programa tem cobertura universal e tornou-se uma iniciativa de alimentação escolar referência na América Latina e Caribe.

Praia de Copacabana, no Rio de Janeiro. Foto: Flickr (CC)/Samuel Yoo - www.flickr.com/photos/samuelyoo

Semana Mares Limpos mobiliza país com mutirões de limpeza de praia, rios e parques

A ONU Meio Ambiente, em parceria com o Instituto Ecosurf, deu início no sábado (10) à #SemanaMaresLimpos. Cerca de 300 grupos, organizações e coletivos se comprometeram a promover ações de limpeza em praias, rios, córregos e parques em 22 estados do Brasil.

A iniciativa terminará com vários mutirões no sábado (21), quando é celebrado internacionalmente o Dia Mundial de Limpeza de Praias (Cleanup Day, em inglês). Acesse a programação completa.

Morador de Francisco Beltrão (PR), Cerqueira também atua como voluntário da associação de jovens Engajamundo o na organização não governamental de educação política Politize. Foto: Reprodução/PNUD

Com apoio da ONU, jovem brasileiro participa de cúpula em Nova Iorque sobre mudanças do clima

O brasileiro João Henrique Alves Cerqueira foi um dos 100 jovens campeões do clima de todo o mundo selecionados para receber apoio das Nações Unidas e participar da Cúpula da Juventude para o Clima, que ocorre em 21 de setembro na sede da ONU, em Nova Iorque.

Em entrevista ao Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio), o estudante de Engenharia Ambiental da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) contou sua trajetória como ativista climático. Um de seus projetos envolve viagens de bicicleta ouvindo pessoas que já estão sendo diretamente afetadas pela crise climática no Brasil.

Interior do Museu do Amanhã, localizado na Praça Mauá, zona portuária da capital fluminense. Foto: Agência Brasil/Tomaz Silva

Festival Geração do Amanhã discute no Rio o que podemos fazer hoje por um futuro melhor

Agências da ONU no Brasil apoiam a realização no sábado (14) no Rio de Janeiro (RJ) do Festival Geração do Amanhã. Organizado por TV Globo em parceria com GloboNews e Museu do Amanhã, o evento reflete sobre o futuro do planeta e as ações que podem ser feitas agora para ajudar a construir um mundo melhor.

O festival tem apoio do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e do Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio), que participa com o “Viva os ODS”, um jogo de tabuleiro para divulgar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) entre as crianças.

Brasileira cria tecnologia que rastreia biodiversidade utilizada em produtos

A brasileira Bárbara Schorchit criou uma plataforma que usa tecnologia blockchain e de aprendizagem automática para rastrear a biodiversidade usada nos produtos, permitindo que as empresas tenham confiança, segurança jurídica e transparência ao longo de suas cadeias de suprimentos.

Bárbara é finalista latino-americana e caribenha do prêmio Jovens Campeões da Terra, principal iniciativa da ONU Meio Ambiente para homenagear jovens com soluções inovadoras frente aos desafios ambientais de nosso tempo. Leia a entrevista com a jovem inovadora.

Foto: Valdir Dias, Rede de Comunicadores Geraizeiros do Território Alto Rio Pardo

Coletores de sementes restauram Cerrado de MG e resgatam tradições locais

“Berço das águas” ou “caixa d’água do Brasil”. Assim é conhecido o Cerrado, bioma que abriga oito das 12 regiões hidrográficas brasileiras e abastece seis das oito grandes bacias do país. Com mais de 50% de seu território original devastado, o Cerrado e suas comunidades lutam para a preservação da biodiversidade, considerada a savana do mundo mais rica em espécies.

A Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) Nascentes Geraizeiras, da região do Alto Rio Pardo (MG), um dos Territórios da Cidadania atendidos pelo projeto Bem Diverso, é um exemplo do que vem sendo feito para a recuperação do Cerrado. Saiba mais no relato do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Mulher afegã para ao lado de disco de energia solar em 31 de maio de 2015. Foto: PNUD/Rob Few

Relatório da ONU diz que progresso rumo aos objetivos globais está em perigo

O atual modelo de desenvolvimento global ameaça reverter anos de progresso caso as estratégias não mudem drasticamente, concluiu um grupo independente de cientistas em relatório lançado nesta quarta-feira (11).

O documento estará no centro das discussões da cúpula das Nações Unidas sobre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), no fim deste mês.

O agravamento das desigualdades e os danos potencialmente irreversíveis ao meio ambiente do qual todos dependemos exigem uma ação concertada, insistiu o Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais (DESA) da ONU, em comunicado sobre o relatório, elaborado por 15 especialistas indicados pelas Nações Unidas.