Arquivo da tag: Cidades e comunidades sustentáveis

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU número 11 diz: “Tornar as cidades e os assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis”.

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU número 11 diz: “Tornar as cidades e os assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis”.

 

Mais sobre este ODS em https://nacoesunidas.org/pos2015/ods11 e notícias sobre o tema abaixo.

Houve 14 candidaturas, entre as quais se elegeu o jogo "Cidade do Amanhã", idealizado por uma equipe de cinco jovens do Rio de Janeiro. Foto: PEXELS

Jogo virtual estimula jovens brasileiros a pensar o desenvolvimento sustentável

Na semana em que se comemora o Dia de Combate à Corrupção, o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) anunciou o projeto vencedor de seu 1° Concurso de Jogos Digitais.

A premiação é realizada em parceria com o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) e o programa Nordic Dialogues. O concurso selecionou um game de interesse público que receberá apoio financeiro para seu desenvolvimento.

“Cidade do Amanhã” é um jogo virtual de cartas e estratégias para estimular jovens a pensarem os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e incentivar a participação social.

Festejos do Bumba meu boi no Maranhão. Foto: IPHAN/Edgar Rocha

Bumba Meu Boi do Maranhão passa a ser Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade

O Complexo Cultural do Bumba Meu Boi do Maranhão foi reconhecido na quarta-feira (11) como Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade. O título foi concedido pelo Comitê Intergovernamental para a Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial da UNESCO, que está reunido nesta semana em Bogotá, Colômbia.

O complexo é o sexto elemento brasileiro a integrar a lista, junto com a Arte Kusiwa, o Samba de Roda, o Frevo, o Círio de Nossa Senhora de Nazaré e a Roda de Capoeira.

UNICEF trabalha com parceiros de todo o Caribe para proteger e apoiar as crianças atingidas pelas mudanças climáticas. Foto: UNICEF | UN0120828.

Relatório do UNICEF alerta para aumento de crianças deslocadas no Caribe devido à crise climática

Lançado em dezembro pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), o relatório ‘Crianças desenraizadas no Caribe’ analisa o impacto da crise climática para as crianças que vivem nos Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento do Caribe.

Documento aponta que cerca de 761 mil crianças foram deslocadas internamente por tempestades na região entre 2014 e 2018 – o período de cinco anos mais quente já registrado. Segundo a diretora executiva do UNICEF, Henrietta Fore, “Este relatório é um lembrete severo de que a crise climática é uma crise dos direitos da criança”.

O UNICEF alerta que, se nada for feito, picos de deslocamento forçado no Caribe podem se tornar nova norma, uma vez que mais furacões de categoria 4 e 5 estão previstos para atingir as ilhas da região. Relatório pede aos governos que tomem medidas para a proteção das crianças desenraizadas por desastres relacionados às mudanças climáticas.

"A lógica é mostrar que é possível, sim, ter uma trajetória de vida baseada em escolhas seguras”, Junia Quiroga, representando do UNFPA Brasil. Foto: Rubens Fraulini/Itaipu Binacional.

Ação itinerante do UNFPA leva informação sobre gravidez não intencional na adolescência ao Paraná

Com o objetivo de percorrer 15 municípios do oeste do Paraná levando uma exposição interativa que dialoga com o tema da prevenção da gravidez na adolescência, o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) no Brasil e a ITAIPU Binacional inauguraram em 22 de novembro, em Foz do Iguaçu, uma caravana informativa sobre saúde sexual e reprodutiva.

“Esta é uma campanha muito bonita, com uma linguagem desenvolvida especificamente para o público adolescente, mas que também dialoga com a família, profissionais de saúde, escolas e a comunidade em geral”, avaliou a representando do UNFPA, Junia Quiroga.

Caravana faz parte da campanha ‘Tá no Rumo’, iniciativa do UNFPA e da ITAIPU Binacional que integra o projeto ‘Prevenção e Redução da Gravidez Não Intencional na Adolescência nos Municípios do Oeste do Paraná’. Ação itinerante começou na cidade de Foz do Iguaçu e termina em Ubiratã, no dia 20 de dezembro.

Vista aérea da cidade do Rio de Janeiro. Foto: ONU-Habitat/Julius Mwelu

UNESCO e parceiros realizarão eventos culturais e de arquitetura no Brasil em 2020

O Rio de Janeiro sediará o 27º Congresso Mundial de Arquitetos (UIA2020RIO), entre os dias 19 e 23 de julho. A cidade foi ainda designada como a 1ª Capital Mundial da Arquitetura, a partir de um acordo entre a União Internacional de Arquitetos (UIA) e a UNESCO, e será o local de diversas ações sobre o tema ao longo do ano.

Também em julho, de 13 a 17, Santos (SP) receberá a Conferência anual da Rede de Cidades Criativas da UNESCO. O evento reunirá cerca de 200 cidades e contribuirá para o fortalecimento da economia criativa local e nacional.

Segunda edição da Conferência de Políticas para Imigrantes da cidade de São Paulo contou com o apoio da Organização Internacional para as Migrações (OIM). Foto: Divulgação/OIM.

Em São Paulo, OIM apoia II Conferência Municipal de Políticas para Imigrantes

Entre 8 e 10 de novembro, cidade de São Paulo sediou a 2ª Conferência Municipal de Políticas para Imigrantes, com o apoio técnico da Organização Internacional para as Migrações (OIM).

Sob o tema “Somos todos cidadãos”, evento reuniu 383 pessoas de 42 nacionalidades e discutiu mais de 400 propostas relacionadas à participação social e aos direitos da população migrante no contexto local.

Na estratégia de interiorização promovida pela Operação Acolhida do governo federal, cidade se tornou o principal destino escolhido por migrantes e refugiados venezuelanos que chegam ao país pelo norte. Segundo o coordenador de projetos da OIM em São Paulo, Guilherme Otero, município “aponta um caminho interessante para muitas outras cidades brasileiras que enfrentam desafios semelhantes”.

Jovens recebem orientações sobre saúde sexual e reprodutiva de oficiais do UNFPA em Pacaraima, Roraima. Foto: UNFPA Brasil | Yareidy Perdomo.

UNFPA realiza oficinas de saúde sexual e reprodutiva com refugiados e migrantes em Roraima

No mês de novembro, Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) no Brasil promoveu encontros com pessoas refugiadas e migrantes venezuelanas vivendo na cidade de Pacaraima (RR), município fronteiriço entre os dois países.

Em parceria com a Associação Voluntários para o Serviço Internacional – Brasil (AVSI Brasil) e a equipe médica do Exército Brasileiro atuando na Operação Acolhida, o UNFPA realizou formação com jovens sobre saúde sexual e reprodutiva, especificamente sobre a prevenção das infecções sexualmente transmissíveis (ISTs); a gravidez não intencional; e o uso dos métodos contraceptivos.

Cerimônia de encerramento do Festival Cine Migração 2018, no Cairo, capital do Egito. Foto: OIM.

Festival Cine Migração da OIM exibe filmes em sete cidades brasileiras

Organização Internacional para as Migrações (OIM) inaugura nesta terça-feira (3) o Festival Global de Cinema sobre Migração (ou Cine Migração).

Realizado pela OIM desde 2016, o festival deste ano apresenta no Brasil uma seleção de nove filmes (três longas e seis curtas) “que abordam os desafios da migração e as contribuições únicas que os migrantes trazem para suas novas comunidades”, contou o chefe de missão da OIM no Brasil, Stéphane Rostiaux.

Com exibições em cinemas, auditórios e até abrigos para refugiados, a programação vai até 22 de dezembro e ocorre em sete cidades brasileiras: Curitiba, que sedia nesta terça-feira (3) o evento de abertura, Boa Vista, Brasília, Belo Horizonte, Manaus, São Paulo e Pacaraima, em Roraima, que abriga grande número de venezuelanos que chegam ao Brasil.

No Quênia, as mortes relacionadas à AIDS caíram mais de 50% desde 2010 e as novas infecções por HIV caíram 30%. Foto: UNAIDS.

ONU ressalta papel-chave das comunidades para acabar com a epidemia de Aids no mundo

Em mensagem oficial para marcar o Dia Mundial contra a Aids (observado anualmente em 1 de dezembro), o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres afirma que, para aumentar a cobertura do tratamento a todas e todos e acabar com novos casos até 2030, as comunidades de base desempenham um papel fundamental.

Segundo o Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS), o trabalho de conscientização e acesso a serviços relacionados ao HIV realizados pelas pessoas que vivem e lidam com a Aids é essencial para combater o estigma, assegurar direitos e frear os avanços da doença globalmente.

Vista do centro de São José do Rio Preto (SP). Foto: Wikimedia Commons/Jesiel (CC)

Municípios de SP formulam planos locais de redução do risco de desastres

Com cerca de 1 mil municípios registrados, os estados brasileiros representam 25% dos participantes da campanha global “Construindo cidades resilientes” a desastres, sendo que metade são cidades do estado de São Paulo (SP).

A campanha é uma iniciativa do Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres (UNDRR), que incentiva cidades e governos estaduais a se preparar e aumentar a resiliência frente a catástrofes.

A erradicação da pobreza é um dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Foto: Agência Brasil / Marcello Casal Jr

PNUD e Petrobras apoiam políticas municipais para desenvolvimento sustentável

Fortalecer políticas públicas locais que contribuem para a implementação das metas dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável é o objetivo do projeto “Territorialização e Aceleração dos ODS”, resultado de parceria entre a Petrobras e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

O projeto inicia este mês sua segunda fase de implementação. Dos 116 municípios atendidos, a segunda etapa terá atividades em 28 cidades, por meio do Programa Presencial de Capacitação. A seleção ocorreu de acordo com critérios econômicos, sociais e ambientais.

“A mídia é o único recurso das comunidades sem voz”, afirmou a rede ACM. Foto: StockSnap/Pixabay.

Capacitação promovida pela Missão da ONU na Somália inspira campanha de rádio em prol da inclusão

Workshop de dois dias sobre estratégia e engajamento de mídia promovido pela Missão de Assistência das Nações Unidas na Somália (UNSOM) capacitou grupos a usarem as tecnologias de comunicação a seu favor. Integrantes da rede dos Ativistas de Comunidades Marginalizadas (ACM) que participaram do treinamento da ONU criaram uma campanha de rádio para impulsionar a inclusão social na Somália.

As sessões de 15 minutos serão transmitidas por emissoras de rádio de todo o país, incluindo dois canais de televisão, e cobrirão tópicos como igualdade e não discriminação, participação política, empoderamento de mulheres, igualdade de acesso à educação, saúde, emprego e atividade econômica, direitos sociais e culturais.

Na sociedade somali, dividida por clãs, as minorias são excluídas da participação política, do emprego e do acesso à justiça. O objetivo da campanha intitulada “Igualdade e justiça para todos” visa incentivar governos e organizações da sociedade civil a advogar pelos direitos das minorias e a construir políticas e estratégias eficazes.

Participantes aprovam uma das propostas discutidas na Conferência Municipal de Políticas Para Imigrantes - Foto: Miguel Pachioni/ACNUR

Em São Paulo, Conferência Municipal de Políticas para Imigrantes discute políticas de integração

Entre os dias 8 e 10 de novembro, foi realizada a 2ª Conferência Municipal de Políticas para Imigrantes em São Paulo, sob o lema “Somos Todos Cidadãos”, para avaliar e discutir propostas de integração dessa população no município.

Organizada pela Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania, por meio do Conselho Municipal de Imigrantes e da Coordenação de Políticas para Imigrantes e Promoção do Trabalho Decente, a Conferência discutiu mais de 400 propostas que foram produzidas em etapas prévias. Nesta etapa, a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) realizou três encontros junto aos parceiros Aldeias Infantis, Associação Compassiva e Cáritas São Paulo.

Projeto ajudará a fornecer dados sobre uso de florestas - Foto: Pedro Dias/Pixabay

Novo projeto florestal da ONU ajudará países a cumprir compromissos com mudanças climáticas

A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) anunciou na última segunda-feira (11) um novo projeto que possibilitará 26 países de fornecer dados aprimorados sobre o uso de suas florestas e terras – uma promessa de todos os representantes signatários do Acordo de Paris. A iniciativa, que já apoia 70 nações, investirá 7,1 milhões de dólares no monitoramento de matas nativas, a fim de garantir um manejo mais sustentável da terra.

De acordo com a FAO, o monitoramento preciso sobre o uso das florestas e terras é essencial para que os países acompanhem o progresso em relação aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), à medida que adotam medidas de mitigação de mudança climática e de adaptação.

“Na América Latina e no Caribe, muitas crianças comem pouca comida saudável e muita comida processada”, Bernt Aasen, diretor regional do UNICEF para a América Latina e o Caribe. Foto: Kwanchai.c | Shutterstock.

ONU pede ações urgentes para frear o aumento da fome e da obesidade na América Latina e no Caribe

Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS), Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas (PMA) pediram ações urgentes aos países da América Latina e do Caribe para combater o aumento da má nutrição na região.

As quatro agências das Nações Unidas que trabalham com o tema da Alimentação lançaram hoje (12) o Panorama de Segurança Alimentar e Nutricional 2019. O relatório apresenta dados do cenário alimentar da América Latina e do Caribe, e destaca que a região está pior que o resto do mundo na maioria dos indicadores de má nutrição relacionados ao consumo excessivo de calorias – enquanto que a fome voltou a crescer: 11%, ou 4,5 milhões de pessoas, desde 2014.

Segundo a diretora da OPAS/OMS, Carissa F. Etienne, “precisamos do compromisso de toda a sociedade e de políticas públicas que regulem produtos alimentares pouco saudáveis, criem ambientes propícios à atividade física e promovam uma alimentação saudável na escola e na mesa das famílias”.

Fazem parte do Programa Paraná Seguro as cidades de Curitiba e Região Metropolitana, além de cidades do eixo Londrina e Maringá e da região de fronteira do estado. Foto: Augusto Janiscki Junior/CC.

UNODC participa do primeiro Workshop do Programa Paraná Seguro

Realizado em 30 de outubro na sede da Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária em Curitiba (PR), primeiro workshop do Programa Paraná Seguro reuniu representantes da Secretaria da Segurança Pública; da Guarda Municipal de São José dos Pinhais; da Secretaria da Justiça, Família e Trabalho; do 6º Comando Regional da Polícia Militar; e das corregedorias das polícias Civil e Militar.

O Programa Paraná Seguro é executado pelo estado com o apoio técnico do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) e financiamento do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). A iniciativa tem como objetivo contribuir para a redução dos índices de criminalidade violenta de jovens entre 15 a 24 anos, localizados em 27 municípios paranaenses.

Evento foi o primeiro dos cinco workshops que o Paraná vai realizar para discutir resultados. Segundo o analista de programa do UNODC, Eduardo Pazinato, iniciativa também está em fase de implantação no estado do Espírito Santo.

Os capacetes-azuis apoiaram a transição do Haiti para a democracia, a reconstrução do país e os esforços para estabilidade após o terremoto de janeiro de 2010. Estimados 220 mil haitianos morreram como resultado do terremoto. Os capacetes-azuis distribuíram materiais para abrigo temporário a pessoas de Porto Príncipe que ficaram sem-teto após o desastre. Foto: Minustah/Logan Abassi, 2010

Em Cuiabá, UNDRR participa do Primeiro Seminário Mato-Grossense sobre Redução do Risco de Desastres

O Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres (UNDRR, na sigla em inglês) participou, entre 30 e 31 de outubro, em Cuiabá, do Primeiro Seminário Mato-Grossense sobre Redução do Risco de Desastres.

Presente no evento, o vice-chefe do UNDRR para as Américas e o Caribe, Nahuel Arenas Garcia, destacou a importância de um enfoque multisetorial e colaborativo entre os vários atores que trabalham com a Redução do Risco de Desastres (RRD), e insistiu no desafio econômico que os desastres representam para a região.

A agência da ONU avalia que com a organização do seminário, o Estado do Mato Grosso reconhece a importância desse tema para a agenda do desenvolvimento sustentável e a necessidade de aumentar a sensibilização sobre as oportunidades e os desafios que a Redução do Risco de Desastres traz para a região.

UNESCO e IBRAM promovem reunião técnica para discutir políticas de prevenção e gestão de riscos em museus. Foto: Ichigo/CC.

UNESCO promove encontro para discutir prevenção de riscos em museus

Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) no Brasil promove, em parceira com o Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM) e o Ministério da Cidadania, encontro técnico para discutir políticas de prevenção e gestão de riscos em museus.

Evento acontece hoje (6), no Centro Cultural Paço Imperial, no Rio de Janeiro, e conta com a participação de representantes em âmbito latino-americano de instituições especializadas em políticas patrimoniais e de preservação; gestores públicos; e sociedade civil. Diretor-geral adjunto de Cultura da UNESCO, Ernesto Ottone, também participa das discussões.

Segundo a coordenadora de Cultura da UNESCO no Brasil, “os constantes desastres, naturais ou não, que afetam o patrimônio cultural no mundo geram enorme preocupação e evidenciam a necessidade de termos um encontro como esse, que possa articular instâncias governamentais e da sociedade em prol do objetivo comum de proteger e preservar”.

Alicia Bárcena, secretária-executiva da CEPAL, em aula ministrada na Universidade Nacional Autónoma do México (UNAM). Foto: CEPAL México.

“Não somos a região mais pobre, mas sim a mais desigual”, avalia chefe da CEPAL

A secretária-executiva da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), Alicia Bárcena, concedeu uma aula na Universidade Nacional Autónoma do México (UNAM), instituição onde é doutora honoris causa.

Sua palestra aconteceu em 30 de outubro, na Faculdade de Economia da UNAM, sob o título “Mudança de época e novo modelo de desenvolvimento: uma interpretação estruturalista”. Ela pediu por novos pactos sociais e a revisão das conversações entre Estado, mercado e sociedade.

No evento, Bárcena afirmou que o desencanto e a raiva latente na região representam um ponto de ruptura à continuidade de um modelo que se associa a três décadas de concentração de riqueza e deterioração ambiental, aliadas a um crescimento que avaliou como “insuficiente”.

Exposição “Ojidu – Árvore da Vida Warao” em cartaz no museu A CASA com abertura no dia 7 de novembro e visitação até 20 de dezembro. Foto: Benjamin Mast.

São Paulo recebe exposição com artesanato de indígenas venezuelanas Warao vivendo no Brasil

Realizada pelo museu A CASA em parceria com a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR); Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA); Fraternidade – Federação Humanitária Internacional (FFHI); União Europeia e governo federal, a exposição “Ojidu – Árvore da Vida Warao” reúne artesanato indígena venezuelano produzido pelas mulheres Warao vivendo no Brasil.

Entre 7 de novembro e 20 de novembro, museu A CASA exibe as peças feitas em palha de buriti, árvore nativa da Amazônia brasileira e venezuelana de importância central na vida dos Warao. As peças estarão à venda no museu e o dinheiro arrecadado apoiará novas ações de geração de renda para essa população.

Desde 2016, venezuelanos Warao chegam ao Brasil em busca de proteção e refúgio. Atualmente, estima-se que pelo menos 4.500 indígenas dessa etnia vindos da Venezuela encontram-se refugiados no Brasil.

Segundo o PNUMA, a urbanização pode representar uma ferramenta crucial para o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Foto: Foster and Partners via PNUMA.

Iniciativas do Programa da ONU para o Meio Ambiente auxiliam desenvolvimento sustentável das cidades

Segundo o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), com mais da metade da população global vivendo em cidades, elas concentram tanto os desafios do combate às mudanças climáticas quanto as soluções, por serem berço das inovações tecnológicas que podem impulsionar o alcance da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.

O PNUMA trabalha em parceria com o Programa de Assentamentos Humanos das Nações Unidas (ONU-HABITAT) e outros organismos para promover o desenvolvimento sustentável dos centros urbanos, como o Centro de Conhecimento sobre Cidades e Mudanças Climáticas, um repositório on-line de informações sobre a mudança climática para apoiar a tomada de decisão de governanças locais.

Leia o relato do PNUMA para o Dia Mundial das Cidades (celebrado em 31 de outubro).

“Para que as cidades prosperem, todos precisam de serviços que melhorem sua saúde", Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS.

Novo relatório da OMS auxilia lideranças a combater principais causas de mortes urbanas

O relatório “O poder das cidades: combatendo doenças não transmissíveis e lesões no trânsito” (na tradução livre), da Organização Mundial da Saúde (OMS), é voltado para prefeitos, funcionários dos governos locais e planejadores de políticas para cidades.

O documento, lançado no Dia Mundial das Cidades (31 de outubro), reúne 19 estudos de caso e destaca as principais áreas em que os líderes podem melhorar a segurança nas vias e abordar os fatores determinantes das doenças não transmissíveis – incluindo uso de tabaco, poluição do ar, falta de exercício e má nutrição e alimentação.

“Para que as cidades prosperem, todos precisam de serviços que melhorem sua saúde”, afirmou diretor-geral da OMS. Segundo a organização, 41 milhões de pessoas morrem anualmente devido a doenças cardíacas, acidente vascular cerebral (AVC), câncer e diabetes. Já os acidentes de trânsito matam 1,35 milhão ao ano.

Energia eólica, limpa e renovável. Foto: Alexander Droeger/CC.

CEPAL e Senado Federal realizam seminário para debater desenvolvimento e sustentabilidade

A Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe das Nações Unidas (CEPAL) e o Senado Federal realizam, em Brasília, o Seminário Grande Impulso para a Sustentabilidade no Brasil.

O intuito é debater um desenvolvimento social e econômico que leve em consideração a sustentabilidade ambiental.

O evento acontece em Brasília, no Auditório Petrônio Portello do Senado, no dia 05 de novembro. A entrada é gratuita, sujeita à inscrição prévia.

Cidade de Fortaleza, no Ceará, foi escolhida pela categoria Design. Foto: Mtur | Jade Queiroz.

Belo Horizonte e Fortaleza entram na lista da Rede de Cidades Criativas da UNESCO

Belo Horizonte, pela Gastronomia, e Fortaleza, pelo Design, foram as duas cidades brasileiras escolhidas neste ano para integrar a Rede de Cidades Criativas da Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (UNESCO). Elas se juntam à Paraty (RJ), Salvador (BA), Brasília (DF), Belém (PA), Curitiba (PR), Santos (SP), João Pessoa (PB) e Florianópolis (SC), que já fazem parte da Rede.

As 246 cidades que integram o projeto funcionam como um laboratório de ideias e de práticas inovadoras, trazendo contribuições concretas para o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030 das Nações Unidas.

A divulgação da lista com os 66 municípios escolhidos pela UNESCO aconteceu no Dia Mundial das Cidades, lembrado anualmente em 31 de outubro.

Tóquio é a maior cidade do mundo, com 37 milhões de habitantes. Foto: Banco Mundial | Antony Tran.

No Dia Mundial das Cidades, ONU propõe debate acerca dos desafios da urbanização global

Concentrando mais de 70% das emissões globais de dióxido de carbono, os centro urbanos “são onde a batalha climática será amplamente vencida ou perdida”, afirmou o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, em sua mensagem oficial para o Dia Mundial das Cidades, celebrado anualmente em 31 de outubro.

Sob o tema “Mudando o mundo: inovações e uma vida melhor para as gerações futuras”, a Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) sediará hoje (31) uma conferência em Paris para debater com representantes de cerca de 24 municípios de todas as partes do mundo os desafios e as oportunidades trazidos com o processo de urbanização.

Segundo o Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais das Nações Unidas (UN Desa), até 2050, cerca de 6,7 bilhões de pessoas estarão vivendo em cidades – tornando o mundo quase 70% urbano.

Atividade de escuta promovida pelo UNFPA Brasil está inserida em um contexto global de debates acerca do tema nos meses que antecedem a Conferência de Alto Nível a ser realizada em Nairóbi, em comemoração aos 25 anos da CIPD. Foto: UNFPA Brasil | Giselle Cintra.

Casa da ONU recebe pessoas indígenas, negras e LGBTI+ para debater avanços desde Conferência Internacional

Em marco aos 25 anos da Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento (CIPD), ocorrida em 1994 no Cairo, capital do Egito, o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) no Brasil promoveu um encontro com representantes das populações negra, indígena e LGBTQI+ para debater o tema.

O intuito do evento, que ocorreu no dia 16 de outubro na Casa da ONU, foi promover a escuta e o diálogo sobre os avanços e os desafios em relação à saúde sexual, reprodutiva e aos direitos dessas comunidades desde a Conferência Internacional de 1994.

Segundo a oficial de programa para a equidade de gênero, raça, etnia e comunicação do UNFPA Brasil, “para os grupos historicamente colocados em situação de maior vulnerabilidade social, os obstáculos para a garantia de direitos e ampliação de liberdades ainda persistem”.

Fundo de População da ONU em Roraima impulsiona debate sobre saúde sexual, reprodutiva e direitos em abrigo de Roraima. Foto: UNFPA Brasil | Yareidy Perdomo.

Encontro do UNFPA em Roraima reúne adolescentes migrantes para debater câncer de mama

Em outubro, mês em que no mundo todo acontecem atividades de conscientização sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama, o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) no Brasil promoveu um encontro para falar do assunto entre adolescentes migrantes vivendo no norte do país.

A atividade aconteceu em Roraima, no abrigo São Vicente, um espaço criado pela Operação Acolhida que é a iniciativa do governo federal responsável por coordenar a resposta e atendimento às pessoas refugiadas e migrantes que chegam ao país oriundas da Venezuela.

Promovido em parceria com a Associação Voluntários para o Serviço Internacional Brasil (AVSI Brasil), o encontro visou sensibilizar as jovens sobre a importância de fazer o autoexame como uma medida preventiva em relação à doença.

Largo dos Açorianos em Porto Alegre, Rio Grande do Sul. Foto: Flickr (CC)/Filipe Castilhos

IPHAN realiza encontro internacional sobre valorização do patrimônio cultural no RS

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) promove até sábado (26) uma série de eventos voltados para a valorização do patrimônio cultural da região Sul do Brasil. As atividades acontecem em Porto Alegre (RS) e terão a participação de autoridades e especialistas nacionais e internacionais, que discutirão o potencial econômico do patrimônio cultural em sua dimensão turística.

Entre as atividades, destaca-se a exposição “Sete Povos – Retratos de um Território”, inaugurada na quinta-feira (24) no Memorial do Rio Grande do Sul. A iniciativa é fruto de uma cooperação técnica entre Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) no Brasil, Agência Brasileira de Cooperação (ABC) e países-membros do Mercosul.

Gelson Henrique, de 20 anos, é estudante de Ciências Sociais da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Foto: UNICEF/Rafael Duarte

‘Quero uma cidade que garanta nosso direito de viver’

Morador da periferia do Rio de Janeiro, Gelson Henrique, de 20 anos, percebeu na adolescência que não estava exercendo seu direito de aproveitar plenamente a cidade em que morava. Não conhecia, por exemplo, os museus, inacessíveis para famílias pobres que moram longe das regiões centrais. “Descobri que há toda uma estrutura que não quer que a gente ascenda. Mas também percebi que não existo sozinho. A pele preta traz toda uma ancestralidade”, declara.

A convite do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), Gelson participou este mês da Conferência sobre as Cidades Amigas da Criança, realizada em Colônia, na Alemanha. Junto a outros jovens e adolescentes do mundo, ele discutiu formas de as cidades garantirem o pleno desenvolvimento de cada criança e adolescente.

“Para mim, cidade amiga da criança é uma cidade que não viole nossos direitos, começando pelo direito à vida, que hoje está ameaçado para um jovem negro”, afirma Gelson.

As cidades de todo o mundo querem ser resilientes. Mas o que isso significa?

Pequenas ou grandes, as cidades de todo o mundo têm desafios comuns, em especial os trazidos pela rápida urbanização e pelas mudanças climáticas. As Nações Unidas estimam que 4 bilhões de pessoas – mais da metade da população global – vivem nos centros urbanos. Até 2050, mais de dois terços da população mundial viverá nas cidades, o que gerará uma demanda crescente por moradias acessíveis, sistemas de transporte bem conectados e outras infraestruturas e serviços, além de empregos.

Além disso, o aumento da temperatura global intensifica os riscos de elevação do nível das águas, deslizamentos de terra, secas, furacões e outros desastres, que podem levar 100 milhões de pessoas à extrema pobreza.

A boa notícia é que, com conhecimento e criatividade, os centros urbanos estão encontrando formas de enfrentar novos e antigos problemas com menos perdas e maior capacidade de recuperação. Em outras palavras, criando resiliência. O relato é do Banco Mundial.

As cidades podem diminuir o seu calor e ajudar a colocar o mundo na rota para um futuro mais fresco. Foto: PNUMA.

Cidades podem ajudar a combater mudanças climáticas, diz PNUMA

A vida sempre foi mais quente nas cidades. O concreto absorve e irradia a luz solar, e a concentração de pessoas, carros e máquinas faz com que as temperaturas sejam até 9°C maiores do que nas áreas rurais.

Isso levou a um rápido crescimento do número de aparelhos de ar condicionado, com um alto consumo de energia.

Ao implementar estratégias de refrigeração limpa, as cidades podem não apenas reduzir a demanda por ar condicionado, mas alinhar suas políticas para garantir qualidade do ar, saúde pública e resiliência energética. O relato é da ONU Meio Ambiente.

Vista do rio Tâmisa, em Londres. Foto: pixabay/ChristofS (CC)

Estudo mostra alta concentração de antibióticos nas águas de rios do mundo

O uso indevido de antibióticos em humanos e animais está acelerando o processo de resistência a esses medicamentos, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Antibióticos também parecem estar se espalhando no meio ambiente. Um estudo global recente descobriu que as concentrações de antibióticos em alguns rios do mundo excedem os níveis “seguros” em até 300 vezes.

Os antibióticos são apenas um entre uma variedade de produtos farmacêuticos, produtos de higiene pessoal e outros contaminantes ambientais cada vez mais presentes nas águas residuais e nos lixões do mundo. O relato é da ONU Meio Ambiente.

UNFPA participa de Semana Acadêmica em comemoração aos 25 anos da Conferência do Cairo

A Universidade Federal de Roraima (UFFR) sediará, entre os dias 29 de outubro e 1º de novembro, a 5ª Semana Acadêmica de Relações Internacionais. O evento é fruto da parceria entre o Curso de Relações Internacionais da UFFR e o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA).

O encontro deste ano vai lembrar os 25 anos da Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento (CIPD), realizada no Cairo, Egito, em 1994.

O debate se concentrará nos temas: desenvolvimento sustentável com equidade para todas e todos por meio da promoção dos direitos humanos e da dignidade; igualdade de gênero e empoderamento; juventudes e direitos humanos na agenda global de desenvolvimento; e saúde sexual e reprodutiva.

Os assuntos serão analisados à luz do contexto migratório atual observado no norte do país, sobretudo no estado de Roraima.

ONU-HABITAT participa de evento do Circuito Urbano 2019 em Ribeirão Preto (SP)

Ao longo de todo o mês de outubro, o Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos (ONU-HABITAT) participa de eventos do Circuito Urbano 2019 para discutir o tema ‘Cidades Inovadores e Inclusivas’.

Na última sexta-feira (4), a agência esteve presente em Ribeirão Preto (SP) para o seminário ‘Regularização Fundiária Urbana: aspectos práticos da Lei 13.465/2017’, na sede da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em Ribeirão Preto (SP).

O encontro foi promovido conjuntamente pela Comissão de Direito Urbanístico da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB); Sindicato dos Arquitetos do Estado de São Paulo (SASP;) e pelo Instituto Brasileiro de Direito Urbanístico (IBDU).

Marco de Sendai é um documento internacional específico para a redução de desastres, adotado por países membros da ONU. Foto: SECOM Acre

PNUD e Defesa Civil promovem integração e capacitações para prevenção de desastres

Integrar diferentes setores para a prevenção de desastres e fortalecer a cultura da gestão de risco no Brasil são duas das metas da cooperação entre a Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil (SEDEC) e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Firmado em 2012, o projeto envolve ações de capacitação, sensibilização e integração para estabelecer um leque de boas práticas que ajudem o país a atingir metas internacionais como os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e o Marco de Sendai.

A exposição está aberta até 10 de novembro na Cidade das Artes, no Rio de Janeiro. Foto: O Dia Seguinte

Exposição no Rio mostra consequências e soluções frente às mudanças climáticas

O Programa das Nações Unidas para Assentamentos Humanos (ONU-HABITAT) e o Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio) apoiam a realização no Rio de Janeiro (RJ) da mostra interativa “O Dia Seguinte”, que alerta para as consequências e aponta soluções para enfrentar as mudanças climáticas.

A exposição está aberta até 10 de novembro na Cidade das Artes e faz parte do Circuito Urbano 2019, iniciativa do ONU-HABITAT que promove uma série de eventos pelo Brasil com o tema “Cidades Inovadoras e Inclusivas”.

Público acompanha entrega de prêmio no Rock in Rio - Foto: Anette Alencar/I hate flash

ONU Brasil participa do 20º Rock in Rio promovendo agenda sustentável

O Sistema ONU no Brasil participou da edição 2019 do Rock in Rio com diversas atividades, culminando com a entrega do prêmio Atitude Sustentável, que destaca patrocinadores e fornecedores que possuem boas práticas nesta área.

A ONU Brasil também divulgou mensagens sobre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e a Agenda 2030. Nos sete dias do evento, um videoclipe chamando os roqueiros para a ação foi exibido nos intervalos dos shows nos palcos Sunset e Mundo. A ação chegou a mais de 700 mil pessoas entre os dias 27 de setembro de 6 de outubro.

Indígenas venezuelanos em abrigo em Boa Vista, Roraima. Foto: ACNUR/Reynesson Damasceno

ONU detalha impactos e oportunidades ambientais da resposta humanitária em Roraima

A ONU Meio Ambiente atua em Roraima, estado brasileiro que recebe alto fluxo de refugiados e migrantes venezuelanos, analisando os impactos e oportunidades ambientais relacionados à resposta humanitária no estado.

Segundo Dan Stothart, oficial regional de assuntos humanitários da ONU Meio Ambiente, os impactos estão ligados à forma como a provisão de alimentos e abrigo afeta o meio ambiente, como na geração de resíduos.

Já as oportunidades referem-se à chegada crescente de venezuelanos indígenas, por exemplo. “Podemos ajudar a integrá-los às comunidades venezuelanas brasileiras apoiando a agricultura local, a segurança alimentar e a gestão ambiental, como meio de facilitar a transição.” Leia a entrevista completa.

No Dia Mundial do Habitat, ONU aborda gestão dos resíduos nas cidades

Os resíduos podem ter um efeito devastador na saúde pública, no meio ambiente e no clima, mas a inovação e a tecnologia de ponta podem fornecer soluções melhores e mais baratas para este desafio, além de ajudar cidades e comunidades a ver os resíduos como uma oportunidade de negócios. Esta foi a mensagem que marcou o Dia Mundial do Habitat, lembrado nesta segunda-feira (7), cujo foco foi o gerenciamento de resíduos.

“Temos de reduzir a quantidade de resíduos que produzimos”, afirmou o secretário-geral da ONU, António Guterres, em comunicado. “E, ao mesmo tempo, comece a vê-lo como um recurso valioso que pode ser reutilizado e reciclado, inclusive para energia.”

Vista aérea da cidade do Rio de Janeiro. Foto: ONU-Habitat/Julius Mwelu

ONU-HABITAT e Colab reabrem consulta pública sobre cidades sustentáveis

O Programa das Nações Unidas para Assentamentos Humanos (ONU-HABITAT) e o Colab, uma startup de inovação em gestão pública, lançaram na terça-feira (1) a consulta digital Cidades Sustentáveis, cujo objetivo é captar a percepção das pessoas sobre temas de desenvolvimento sustentável.

Os resultados da consulta serão utilizados na elaboração de um diagnóstico sobre o avanço das metas do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável número 11 (ODS 11), que visam tornar as cidades e os assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis. Saiba como participar.

"O ar poluído está causando milhões de mortes prematuras em todo o mundo ", Inger Andersen, Diretora Executiva do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA). Foto: PNUMA.

Arte pelo Clima – na sede da ONU, instalações chamam atenção para a necessidade de ares mais limpos

Em meio aos muitos eventos que ocorreram na sede das Nações Unidas em Nova Iorque no mês de setembro, como as Cúpulas de Ação Climática e dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), as lideranças presentes reservaram um momento para recuperar o fôlego.

A necessidade urgente de reduzir a poluição do ar e de intensificar as ações climáticas foi destaque em algumas instalações de arte promovidas nos espaços da ONU pela Arte 2030, iniciativa que visa utilizar a arte como ferramenta para abordar os temas da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.

Recentemente, a Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou o problema da poluição do ar como “emergência de saúde pública global”, quando nove em cada dez pessoas respiram um ar contendo altos níveis de poluentes. O relato é da ONU Meio Ambiente.