Cidades e comunidades sustentáveis

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU número 11 diz: “Tornar as cidades e os assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis”.

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU número 11 diz: “Tornar as cidades e os assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis”.

 

Mais sobre este ODS em https://nacoesunidas.org/pos2015/ods11 e notícias sobre o tema abaixo.

Livro aborda desafios de infraestrutura para a prestação adequada de serviços de saúde. Imagem: UNOPS/Reprodução

Escritório da ONU lança livro sobre infraestrutura hospitalar na América Latina

O Escritório das Nações Unidas para Serviços de Projetos (UNOPS) lançou neste mês a versão digital do livro “Arquitetura para a Saúde na América Latina”, disponibilizado gratuitamente para o público.O livro apresenta experiências de dez países — Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, México, Peru, Uruguai e Venezuela — e aborda conhecimentos sobre planejamento, projeto e construção sustentável e inovadora de edifícios hospitalares.

Vista aérea de Teerã. Foto: Hansueli Krapf/Wikimedia Commons (CC)

ONU oferece apoio a esforços de recuperação após terremoto em Irã e Iraque

As Nações Unidas estão prontas para apoiar os esforços de recuperação após terremoto que atingiu o Irã e o Iraque no domingo (12), disse secretário-geral da ONU, António Guterres, na segunda-feira (13).

O terremoto de magnitude 7.3 que atingiu o Irã e o Iraque já é considerado o mais letal de 2017. Até o momento, já foram registrados mais de 400 mortos e cerca de 7 mil feridos, em sua maioria iranianos. Além disso, 70 mil pessoas ficaram desabrigadas e precisam urgentemente de abrigo.

Menino de sete anos observa destruição promovida pelo furacão Irma na República Dominicana. Foto: UNICEF

ARTIGO: Gênero, gestão de desastres e mudança

Em artigo, a coordenadora para o Caribe do programa de preparação para desastres do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) afirma que mulheres, meninos e meninas são 14 vezes mais propensos que os homens a morrer durante um desastre.

Por isso, é vital levar em conta a diferença de impacto em homens e mulheres, e o mesmo vale para grupos vulneráveis, como crianças, jovens ou idosos que tendem a ser desproporcionalmente afetados, completou a especialista. Leia o artigo completo.

Vista de Florianópolis, Santa Catarina. Foto: EBC

Região metropolitana de Florianópolis ocupa 1º lugar em ranking de desenvolvimento humano

A Fundação João Pinheiro (FJP), o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) acabam de lançar novos dados para o Atlas do Desenvolvimento Humano nas Regiões Metropolitanas Brasileiras.

Nesta nova fase, o site do Atlas (www.atlasbrasil.org.br) recebeu indicadores de quatro regiões metropolitanas: Florianópolis (SC), Grande Teresina (PI), Juazeiro-Petrolina (BA/PE) e Sorocaba (SP). As quatro novas regiões somam-se a outras 20 cujos indicadores foram divulgados entre 2014 e 2015.

Seminário no Rio discutiu acúmulo de lixo nos mares e oceanos. Foto: EBC

No Rio, especialistas buscam soluções para problema sistêmico do lixo nos oceanos

A responsabilidade sobre as toneladas de lixo jogadas todos os anos nos oceanos do mundo é compartilhada. Trata-se de um problema sistêmico cuja solução poderá vir da ação de empresas e do poder público, mas também de indivíduos e da sociedade civil. A conclusão é de especialistas que participaram de seminário esta semana no Rio de Janeiro sobre o tema.

Organizado pela ONU Meio Ambiente e parceiros, o I Seminário Nacional sobre Combate ao Lixo no Mar foi concluído nesta quarta-feira (8) após debates, compartilhamento de dados e detalhamento de práticas bem-sucedidas.

Seminário, promovido pelo Ministério do Meio Ambiente, ONU Meio Ambiente e Instituto Oceanográfico da USP, é primeiro passo para debate sobre Plano Nacional de Combate ao Lixo no Mar. Foto: Agência Brasil/Tânia Rêgo

Seminário no Rio impulsiona estratégia nacional de combate ao lixo no mar

Estudos apontam que 8 milhões de toneladas de plásticos acabem nos oceanos todos os anos e que, até 2050, 99% das aves marinhas terão consumido plástico. Os desertos de lixo plástico no fundo dos oceanos têm uma origem: a produção e consumo excessivos de descartáveis e seu descarte incorreto.

Para identificar as fontes e desenvolver políticas públicas para mitigar o problema, o Ministério do Meio Ambiente (MMA), em parceria com o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (ONU Meio Ambiente) e o Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo (IOUSP), promovem, entre 6 e 8 de novembro, no Rio de Janeiro, o I Seminário Nacional sobre Combate ao Lixo no Mar. O encontro terá transmissão ao vivo pela Internet.

Vista do Cairo, no Egito, durante hora do rush. Foto: Banco Mundial/Dominic Chavez

É necessário repensar as formas de se governar as cidades, diz chefe do ONU-Habitat

No Dia Mundial das Cidades, um oficial das Nações Unidas enfatizou na terça-feira (31) a necessidade de encontrar formas inovadoras de governar as cidades, enquanto mais da metade da população mundial vive em áreas urbanas.

“O escopo e a velocidade com as quais as pessoas acessam informações e interagem entre si não têm precedentes na história, e as instituições precisam reagir a essas novas formas de exercício da cidadania”, disse o chefe do Programa das Nações Unidas para Assentamentos Humanos (ONU-Habitat), Joan Clos.

O processo de urbanização na América Latina e no Caribe melhorou os indicadores de desenvolvimento, no entanto, as cidades ainda são espaços de desigualdades, segundo a CEPAL. Foto: ONU-Habitat/Lucille Kanzawa

CEPAL: cidades ainda são marcadas por acesso desigual a serviços públicos

O processo de urbanização na América Latina e no Caribe melhorou os indicadores de desenvolvimento, no entanto, as cidades ainda são espaços de desigualdades, com um acesso díspar a serviços públicos de qualidade e altos níveis de segregação residencial socioeconômica, afirma nova publicação da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL).

“A segregação socioeconômica — a expressão da desigualdade — aprofunda e reproduz essa desigualdade e contribui para a fragmentação social e os altos níveis de violência que existem em muitas cidades na América Latina”, afirma Alicia Bárcena, secretária-executiva da CEPAL, no prólogo do documento.

Agricultores familiares de Minas Gerais.Foto: Imprensa MG/Carlos Alberto

FAO pede que negociações comerciais da OMC promovam a segurança alimentar

Os acordos comerciais negociados no âmbito da Organização Mundial do Comércio (OMC) devem considerar a iniquidade alimentar e medidas que beneficiem os agricultores familiares dos países em desenvolvimento, disse na terça-feira (24) o diretor-geral da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), o brasileiro José Graziano da Silva.

Enquanto os agricultores familiares e pequenos produtores produzem 80% da alimentação do mundo, muitos deles sofrem com a fome e dependem das possibilidades de importação e exportação para sua segurança alimentar e para sair da pobreza, declarou Graziano.

Seminário abordará os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU. Imagem: PNUD

Seminário discute mudança do clima, erradicação da pobreza e desenvolvimento humano

A mudança do clima, caso não seja controlada, reverterá os ganhos de desenvolvimento alcançados nas últimas décadas e tornará impossível a obtenção de ganhos adicionais. Esta será a base de discussão do Seminário “Diálogo Estratégico sobre Mudança do Clima, Erradicação da Pobreza e Desenvolvimento Humano”, na Casa da ONU, em Brasília, que ocorre nesta quinta-feira (26), das 14h às 18h. O evento será transmitido ao vivo pela Internet.

O seminário é uma iniciativa do Sistema ONU no Brasil, organizado pela Comissão Econômica para a América Latina (CEPAL), Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), ONU Meio Ambiente e Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Crianças do Botafogo entraram em campo com símbolos dos ODS. Foto: UNIC Rio/Pedro Andrade

Agência da ONU e Botafogo começam parceria com ação sobre sustentabilidade

O Botafogo fechou a 30ª rodada do Brasileirão com uma vitória e uma ação de conscientização especial. Na noite da segunda-feira (23), ao enfrentar — e vencer por 2×1 — o Corinthians, o time carioca abriu as portas do Estádio Nilton Santos para a ONU.

Em iniciativa para marcar o início de uma parceria entre o clube e o Programa das Nações Unidas para Assentamentos Humanos (ONU-HABITAT), crianças botafoguenses entraram em campo carregando os símbolos dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Os jogadores exibiam a marca da agência nas mangas.

VÍDEO: México um mês após os terremotos

Há um mês, no dia 19 de setembro de 2017, um terremoto de de magnitude 7.1 sacudiu o centro do México, 12 dias depois após outro movimento telúrico ter atingido o sudeste do país, especialmente as regiões de Oaxaca e Chiapas – e exatos 32 anos depois do terrível terremoto de 1985.

Os terremotos recentes deixaram um saldo de pelo menos 400 pessoas mortas, danos a mais de 150 mil habitações, 12 escolas e 1,5 mil monumentos históricos. Os tremores foram seguidos de um imenso impulso de solidariedade – por parte da população, da comunidade internacional e das Nações Unidas. Confira nesse vídeo do Centro de Informação da ONU na região.

Na imagem, poluição atmosférica na cidade de São Paulo. Foto: Flickr/Thomas Hobbs (cc)

Países latino-americanos e caribenhos reafirmam compromisso com planeta livre de poluição

Os países da América Latina e do Caribe reafirmaram no início de outubro em Bogotá, na Colômbia, seus compromissos por um planeta livre de poluição, durante a consulta regional para a terceira Assembleia das Nações Unidas para o Meio Ambiente (UNEA), que acontece no início de dezembro em Nairóbi, no Quênia.

Na região, 100 milhões de pessoas vivem em áreas suscetíveis à poluição do ar — com risco de desenvolverem doenças respiratórias e outros problemas de saúde — e pelo menos 25 milhões estão em contato direto com águas poluídas originadas em áreas urbanas.

Segundo a OPAS, é necessário que todos os setores do governo — responsáveis por agricultura, comércio e desenvolvimento urbano —, promovam políticas públicas coerentes que facilitem a opção por uma vida saudável. Foto: EBC

ONU pede coerência nas políticas públicas das Américas para facilitar vida saudável

As Américas apresentam os maiores níveis de sobrepeso e obesidade do mundo e os níveis mais baixos de atividade física. Esses fatores aumentam o risco de doenças crônicas não transmissíveis (DCNT), principais causas de morte na região.

Para reverter essa tendência, a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) sugere que os países da região adotem políticas públicas coerentes — nos setores agrícola, de comércio e desenvolvimento urbano —, de forma a facilitar a opção por uma vida mais saudável por parte de seus cidadãos.

Na foto, mulher participa do 1º Circuito de Feiras e Mostras Culturais da Reforma Agrária do Distrito Federal e Entorno que acontece em Planaltina (DF), em dezembro de 2016. Foto: Mídia NINJA

Clima em mudança amplia desigualdade para mulheres rurais, alerta agência da ONU

As mulheres rurais representam mais de um quarto da população mundial, enquanto as mulheres representam 43% da força de trabalho agrícola em todo o mundo e nos países em desenvolvimento, lembrou a ONU Mulheres marcando neste domingo (15) o Dia Internacional das Mulheres Rurais.

No entanto, quando se trata de possuir terras, bem como acessar insumos agrícolas, financiamento e tecnologias para a resiliência climática, elas ainda ficam muito atrás dos homens. E isso pode piorar em meio às mudanças climáticas.

Trazer os ODS ao centro das discussões de jovens comunicadores é um dos caminhos para alcançar quem, de fato, colocará em prática a Agenda 2030, segundo o Centro RIO+. Foto: Centro RIO+/Brenda Hada

Centro RIO+ lança na quarta (18) publicação sobre inclusão social e Agenda 2030

A inclusão social e o debate sobre questões centrais da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável são alguns dos temas abordados pela publicação “Juventude 2030 — Caminhos e Aprendizados para um Mundo Sustentável”, que será lançada na próxima quarta-feira (18) pelo Centro Mundial para o Desenvolvimento Sustentável (Centro RIO+).

A publicação é resultado de parceria entre o Centro RIO+, do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), e a instituição filantrópica Centro Integrado de Estudos e Desenvolvimento Sustentável (CIEDS).

Destruição provocada por furacão Maria na ilha de Dominica. Foto: IRIN/Ben Parker

Nações Unidas apoiam retomada do saneamento em ilhas do Caribe afetadas por furacões

A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) está apoiando as ilhas afetadas pelos furacões Irma e Maria com o envio de especialistas e insumos, particularmente para as ilhas de Anguilla, Antígua e Barbuda, Ilhas Virgens Britânicas, Dominica e Ilhas Turcas e Caicos, segundo o Departamento de Emergências em Saúde da agência das Nações Unidas.

Em coordenação com seus parceiros, a OPAS tem agora centros de logística operando em Barbados, Panamá e Antígua e Barbuda, com o objetivo de entregar insumos médicos de emergência e equipamentos, geradores, recipientes d’água, tabletes de cloro e outros insumos para reparar os danificados sistemas de fornecimento de água e de gestão de dejetos.

O secretário-geral António Guterres (centro) observa o esforço local de socorro em Salybia, na Dominica, e se reúne com as autoridades locais e membros da comunidade. Ao seu lado está Roosevelt Skerrit (de pé, à direita), primeiro-ministro da Dominica. Foto: ONU/Rick Bajornas

Mundo deve pôr fim a ‘desenvolvimento suicida’, diz chefe da ONU após visita ao Caribe

Secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, visitou dois países do Caribe – Antígua e Barbuda e Dominica – para ver de perto os danos causados pelo mais recente furacão que passou pelo Caribe. “O vínculo entre as mudanças climáticas e a devastação que estamos testemunhando é clara, e existe uma responsabilidade coletiva por parte da comunidade internacional de dar um basta a esse desenvolvimento suicida”, disse.

A segregação socioeconômica nas cidades contribui para a fragmentação social e para os altos níveis de violência, alertou a CEPAL. Foto: OMS

CEPAL: segregação socioeconômica das cidades latino-americanas aprofunda violência

A segregação residencial e socioeconômica aprofunda as desigualdades e contribui para a fragmentação social e para os altos níveis de violência que caracterizam muitas cidades latino-americanas e caribenhas, disse a secretária-executiva da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), Alicia Bárcena.

Segundo dados da ONU, quase 80% da população da América Latina e do Caribe vivia em áreas urbanas em 2014, percentual que deve chegar a 85% em 2050. Trata-se da região mais urbanizada do mundo, com 68 cidades de mais de 1 milhão de habitantes que apresentam grandes desafios de gestão urbana.

Enquanto mais de 1 bilhão de pessoas carecem de moradias adequadas no mundo, o estoque de moradias desocupadas está gradualmente aumentando, lembrou o diretor-executivo do ONU-Habitat. Foto: EBC

Em dia mundial, ONU-Habitat defende políticas habitacionais e moradias acessíveis

No Dia Mundial do Habitat, lembrado na primeira segunda-feira de outubro, o diretor-executivo do ONU-Habitat, Joan Clos, afirmou que o acesso a moradias é essencial para uma nova visão da urbanização como motor do desenvolvimento sustentável.

“Hoje, 1,6 bilhão de pessoas vivem em moradias inadequadas, das quais 1 bilhão vive em favelas e assentamentos informais”, afirmou. “Assegurar a acessibilidade das moradias é, portanto, um desafio complexo de importância estratégica para desenvolvimento, paz e igualdade”, completou.

UNICEF amplia resposta humanitária na América Latina e no Caribe após desastres

Para ajudar crianças e famílias afetadas pela série de desastres naturais que devastaram países da América Latina e do Caribe, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) declarou na quarta-feira (27) ter ampliado sua resposta humanitária na região.

“É absolutamente vital que as crianças que viveram esses eventos traumáticos recebam o apoio psicossocial de que precisam”, afirmou a embaixadora do UNICEF no México, Thalía.

Destruição causada pelo furacão Maria na ilha de Dominica. Foto: Ben Parker/IRIN

Atingida por furacão Maria, Dominica precisa de água e alimentos

Um oficial das Nações Unidas em visita à ilha de Dominica, que foi atingida pelo furacão Maria, disse na segunda-feira (25) que estimadas 65 mil pessoas, ou 80% da população local, foram afetadas pelo fenômeno e demandam alimentos e água.

“Há uma enorme urgência de água e alimentos”, disse Sergio da Silva, líder da equipe das Nações Unidas para coordenação e avaliação de desastres (UNDAC), que falou a jornalistas em Nova Iorque por telefone, acrescentando que a inacessibilidade a áreas remotas tornou mais difícil estimar quantas pessoas foram afetadas.

Menino de 5 anos em frente de edifícios destruídos pelo furacão Irma na ilha de Anguilla. Foto: UNICEF

PNUD pede doações para impulsionar recuperação de países afetados pelo Irma

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) informou que tem apoiado os países afetados pelo furacão Irma, que causou mortes e destruição em grande parte do Caribe.

Segundo a agência da ONU, 1,2 milhão de pessoas na República Dominicana foram afetadas por danos em infraestruturas de saneamento básico, enquanto 17 mil precisam de abrigo. Em Anguilla, 90% da infraestrutura de serviços públicos e de estradas foi arruinada. A agência da ONU pede ajuda para continuar apoiando os países afetados. Saiba como fazer uma doação.

Semana Nacional de Trânsito ocorre até 25 de setembro em Brasília (DF). Foto: EBC

UNESCO apoia Semana Nacional de Trânsito e Mobilidade em Brasília

O Departamento de Trânsito do Distrito Federal (DETRAN-DF), com apoio da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), lançou na segunda-feira (18) em Brasília a Semana Nacional de Trânsito e Mobilidade com o objetivo de ampliar a conscientização sobre a segurança no trânsito.

Durante toda semana, serão desenvolvidas atividades educativas, com destaque para o respeito ao pedestre e a mobilidade urbana. Serão realizadas blitzes educativas e atividades abordando direção defensiva, regras de circulação, respeito ao ciclista, celular no trânsito, álcool e direção, além de cursos para pedestres e exposições.

Miroslav Lajčák (direita) e António Guterres durante reunião de alto nível sobre os impactos do furacão Irma. Foto: ONU

Países precisam ampliar resiliência frente a mudanças climáticas, dizem oficiais da ONU

Lembrando o crescente impacto de eventos climáticos extremos, oficiais das Nações Unidas — incluindo o secretário-geral da ONU, António Guterres, e o presidente da Assembleia Geral, Miroslav Lajčák — pediram nesta segunda-feira (18) mais esforços para impulsionar a resiliência e fortalecer medidas de mitigação de danos.

“A temporada de furacões deste ano segue um padrão: mudanças climáticas estão tornando eventos climáticos extremos mais severos e frequentes, empurrando comunidades a um ciclo vicioso de choque e recuperação”, disse Guterres em evento de alto nível sobre o furacão Irma, lembrando que somente no último mês foram registrados quatro fortes furacões no Oceano Atlântico, causando mortes e destruição.

Nova publicação da CEPAL analisa desenvolvimento urbano na América Latina e no Caribe

Um novo livro da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) analisa o desenvolvimento urbano da região a partir de um olhar integral, considerando aspectos sociais, econômicos, ambientais e de governança.

O material pretende ser uma contribuição para que os tomadores de decisões, acadêmicos e o público em geral possam reconhecer as dinâmicas da urbanização nas cidades latino-americanas e caribenhas.

Danos causados pela passagem do furacão Irma em Samana, leste da República Dominicana. Foto: PNUD/Alejandro Adames

Agências da ONU enviam apoio a afetados por furacão no Caribe e terremoto no México

À medida que a devastação causada pelo furacão Irma no Caribe e pelo terremoto no México se torna mais clara, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) está mobilizando uma resposta urgente para atender as necessidades das crianças afetadas.

Profissionais da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) também estão apoiando os esforços para a retomada dos serviços de saúde nas ilhas mais afetadas pelo Irma, com o envio de especialistas em infraestrutura de saúde, engenheiros sanitários e epidemiologistas.

O biólogo Ricardo Gomes defende a urgência da despoluição da Baia de Guanabara. Foto: Ricardo Gomes

ONU promove eventos no Rio sobre soluções sustentáveis para baías urbanas

O Centro Mundial para o Desenvolvimento Sustentável (Centro RIO+) promove dois eventos nos dias 25 e 27 de setembro no Rio de Janeiro com acadêmicos e atores da sociedade civil para tratar de soluções sustentáveis para as baías urbanas do mundo.

Os eventos celebram o compromisso representado pelo Objetivo de Desenvolvimento Sustentável número 14 (ODS 14) para conservação dos oceanos e uso sustentável dos recursos marinhos e pelo ODS 11 sobre cidades sustentáveis.

Em entrevista à ONU Mulheres, líderes quilombolas falam sobre supressão de direitos e resistência

Como parte da estratégia “Mulheres Negras Rumo a um Planeta 50-50 em 2030”, a ONU Mulheres entrevistou as líderes quilombolas Célia Cristina da Silva Pinto e Maria Rosalina dos Santos, da Coordenação Nacional de Comunidades Quilombolas (CONAQ).

Segundo elas, as mulheres quilombolas estão cada vez mais expostas a variadas formas de violência, são mais afetadas por conflitos territoriais, empreendimentos desenvolvimentistas e pela supressão de direitos. No entanto, mesmo nesse cenário, essas comunidades resistem, afirmaram. Leia a entrevista.