Arquivo da tag: Redução das desigualdades

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU número 10 diz: “Reduzir a desigualdade dentro dos países e entre eles”.

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU número 10 diz: “Reduzir a desigualdade dentro dos países e entre eles”.

 

Mais sobre este ODS em https://nacoesunidas.org/pos2015/ods10 e notícias sobre o tema abaixo.

ONU e setor privado apresentam boas práticas de contratação de refugiados no Rio de Janeiro

Na 5ª edição do lançamento da plataforma Empresas com Refugiados, 60 pessoas se reuniram no espaço da WeWork no Rio de Janeiro para apresentar boas práticas de contratação, sensibilização e atuação em rede. O evento foi realizado no início de novembro pela Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) em parceria com a Rede Brasil do Pacto Global.

“Somos trabalhadores, temos muitas contribuições para dar. Não queremos só receber assistência, e sim mostrar que temos mãos, mente e coragem para trabalhar, como fazíamos no nosso país”, afirmou a venezelana Victoria Velasquez, de 58 anos.

Evento aconteceu em Addis Abeba, capital da Etiópia, e debateu o tema da “Assistência Alimentar Transformativa para um Mundo Sem Fome”. Foto: PMA.

Centro de Excelência da ONU participa de convocação global contra a fome

Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas (PMA) na Etiópia e Comissão Nacional de Gerenciamento de Riscos de Desastres da Etiópia (NDRMC) realizaram uma Convocação Global com intuito de reunir líderes para debater a crescente necessidade de transformação dos sistemas alimentares para superar a fome e a desnutrição.

O encontro ocorreu em Adis Abeba, capital da Etiópia, entre 4 e 6 de novembro, e teve como tema a “Assistência Alimentar Transformativa para um Mundo Sem Fome”. Na ocasião, líderes discutiram a criação de um Centro Global de Excelência para Assistência Alimentar Transformativa, com base na Etiópia.

Diretor adjunto do Centro de Excelência contra a Fome do PMA, Peter Rodrigues, compartilhou resultados de políticas públicas desenvolvidas e implementadas nos países assistidos pelo Centro.

30 anos da Convenção sobre os Direitos da Criança. Foto: UNICEF | Dejongh.

UNICEF lança relatório sobre os 30 anos da Convenção sobre os Direitos da Criança

Em marco aos 30 anos da Convenção sobre os Direitos da Criança, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) lança amanhã (12), em Brasília, um relatório com dados sobre os avanços e os desafios dos direitos da criança e do adolescente no contexto brasileiro desde a ratificação do documento.

Segundo o UNICEF, em 30 anos, Brasil alcançou uma redução histórica da mortalidade infantil e efetivou outros diretos, mas perdeu milhares de crianças para a violência e possui outros desafios pela frente.

A Convenção, adotada por 196 países, é o tratado de direitos humanos mais ratificado da história. No Brasil, ela inspirou o Artigo 227 da Constituição Federal de 1988 e o Estatuto da Criança e do Adolescente, de 1990.

Brasil participa da Cúpula de Nairóbi para discutir direitos sexuais e reprodutivos

Ações para salvar vidas de mães, atender a demanda mundial de contracepção e combater a violência baseada em gênero contra mulheres e meninas até 2030. Estes são os principais objetivos da Cúpula de Nairóbi CPID25, que começa nesta terça-feira (12).

O evento tem lugar 25 anos depois da Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento (CPID). Em 1994, 179 países fizeram um chamado ao empoderamento de mulheres e meninas em todas as esferas de suas vidas, incluindo a saúde sexual e reprodutiva.

Conferência Geral da UNESCO acontece entre 12 e 27 de novembro na sede da Organização, em Paris. Foto: UNESCO.

Cooperação global, juventude e inteligência artificial são temas da Conferência Geral da UNESCO de 2019

Entre 12 e 27 de novembro, em Paris, acontece a Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO). A Conferência reunirá os 193 Estados-Membros além dos 10 Membros Associados da UNESCO em sua sede para definir o programa e o orçamento da Organização para os próximos dois anos.

A Conferência Geral deste ano está prevista para ser um laboratório global de ideias a fim de mapear a futura cooperação multilateral.

Durante o período da Conferência, a UNESCO sediará uma série de eventos políticos importantes, como o Fórum de Ministros da Cultura; o Fórum da Juventude da UNESCO; a Reunião Ministerial sobre Inclusão e Mobilidade; além de lançamentos de publicações e painéis de debate com a presença de crianças, jovens e líderes políticos globais.

O albinismo é uma condição rara, não contagiosa e genética presente no nascimento. É encontrada em ambos os gêneros, independentemente de etnia, em todos os países. Foto: Corbis Images/Patricia Willocq

Relatora da ONU aponta vulnerabilidade das pessoas com albinismo no Brasil

A relatora independente das Nações Unidas para os direitos humanos das pessoas com albinismo, Iponwosa Ero, concluiu nesta semana uma visita de 12 dias ao país. A especialista constatou que essa população muitas vezes passa despercebida pelas políticas públicas, já que o albinismo é uma condição relativamente rara. Ela destacou, no entanto, que com algumas ações de baixo custo, a situação pode melhorar significativamente.

Entre os dias 28 de outubro de 8 de novembro Ero teve encontros em Brasília (DF), Maceió (AL), Salvador e Ilha da Maré (BA) e São Paulo (SP). Ela se reuniu com representantes dos governos federal, estaduais e municipais, organizações da sociedade civil, acadêmicos, além de pessoas com albinismo e suas famílias.

UNICEF: O que você vai fazer pelos direitos das crianças?

Em comemoração aos 30 anos da Convenção sobre os Direitos da Criança, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) lança campanha convidando o público a contar o que faz ou pretende fazer pelos direitos de meninas e meninos.

“Queremos gerar uma corrente de boas histórias e depoimentos, mostrando como os brasileiros atuam, no seu dia a dia, para efetivar os direitos de meninas e meninos”, Michael Klaus, chefe de Comunicação e Parcerias do UNICEF no Brasil.

A Convenção é o tratado de direitos humanos mais amplamente ratificado da história. A partir dela, existem salvaguardas mais fortes para proteger as crianças e os adolescentes contra a violência e a exploração. O documento também permitiu que mais crianças e adolescentes tivessem suas vozes ouvidas e participassem de suas sociedades.

Emebet e seus filhos retornaram à Etiópia. Foto: OIM.

OIM lança Manual da Reintegração para auxiliar assistência aos retornados

A Organização Internacional para Migrações (OIM) lançou hoje (7) um guia sobre reintegração para auxiliar profissionais e organizações na oferta de assistência aos migrantes que optam ou necessitam retornar aos seus países.

De acordo com a agência, os “retornados” muitas vezes sofrem para se readaptar enquanto reconstroem suas vidas de volta ao país de origem. O “Manual da Reintegração: um guia prático para a concepção, implementação e o monitoramento da assistência à reintegração” compartilha as experiências da agência e de seus parceiros no auxílio aos retornados.

O guia contou com o apoio financeiro do Departamento do Reino Unido para o Desenvolvimento Internacional (DFID) e inclui módulos em níveis individual, comunitário e estrutural que focam nas dimensões econômicas, sociais e psicossociais da reintegração.

São Gabriel da Cachoeira é um município localizado no estado do Amazonas e relatou a segunda maior incidência de casos de malária no país em 2018. Foto: OPAS/OMS.

OPAS premia cidade no Amazonas por redução no número de casos de malária

No Dia da Malária nas Américas (6), a Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) e parceiros anunciaram os três municípios vencedores do prêmio Campeões contra a Malária nas Américas.

Em seu 11º ano, a iniciativa premiou as cidades de São Gabriel da Cachoeira, no estado do Amazonas, Brasil; La Gomera, na Guatemala; e Puerto Lempira, em Honduras. Os três municípios reduziram pela metade ou mais os índices de infecção devido aos esforços implementados na resposta à doença.

A malária é uma doença potencialmente fatal, causada por parasitos transmitidos às pessoas por meio da picada de mosquitos infectados. Nas Américas, 132 milhões de pessoas vivem em áreas com risco de transmissão. A OMS lembra que a malária é uma doença que pode ser prevenida e curada.

Mahamadou Sankareh, da Gâmbia, mora em Roma, na Itália, e trabalha no Centro de Refugiados Joel Nafuma. Foto: PNUD | Lena Mucha.

Novo relatório do PNUD revela dados do perfil dos jovens que migram irregularmente da África para Europa

Novo relatório do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) entrevistou 1.970 migrantes de 39 países africanos vivendo em 13 países europeus. O objetivo era esclarecer por que as pessoas migram por canais irregulares e o que vivenciam quando o fazem.

Intitulado ‘Escalando Muros: Vozes de migrantes africanos irregulares para a Europa’, o documento foi produzido para preencher lacunas na base de dados global e mostrar uma imagem mais clara do motivo pelo qual os migrantes irregulares se mudam da África para a Europa.

Esse é o segundo de uma série de relatórios do PNUD que documentam as jornadas das jovens e dos jovens africanas e africanos. O primeiro explorou o que leva alguns migrantes aos braços do extremismo violento.

Alicia Bárcena, secretária-executiva da CEPAL, em aula ministrada na Universidade Nacional Autónoma do México (UNAM). Foto: CEPAL México.

“Não somos a região mais pobre, mas sim a mais desigual”, avalia chefe da CEPAL

A secretária-executiva da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), Alicia Bárcena, concedeu uma aula na Universidade Nacional Autónoma do México (UNAM), instituição onde é doutora honoris causa.

Sua palestra aconteceu em 30 de outubro, na Faculdade de Economia da UNAM, sob o título “Mudança de época e novo modelo de desenvolvimento: uma interpretação estruturalista”. Ela pediu por novos pactos sociais e a revisão das conversações entre Estado, mercado e sociedade.

No evento, Bárcena afirmou que o desencanto e a raiva latente na região representam um ponto de ruptura à continuidade de um modelo que se associa a três décadas de concentração de riqueza e deterioração ambiental, aliadas a um crescimento que avaliou como “insuficiente”.

Chama na Solução é uma iniciativa do UNICEF Brasil que apoia mudanças positivas que possam potencialmente impactar a vida das crianças dos adolescentes do país. Foto: Generation Unlimited.

Iniciativa do UNICEF convida jovens cariocas a enviarem soluções para problemas locais

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) em parceria técnica com o Centro de Promoção da Saúde (CEDAPS) abre inscrições para a iniciativa Chama na Solução.

O objetivo da iniciativa é envolver os jovens na criação de soluções para problemas que os afetam, e nesse processo proporcionar seu desenvolvimento como cidadãos, potencializando habilidades e competências para a vida.

Meninas e meninos que possuem entre 14 e 24 anos e moram na periferia da cidade do Rio de Janeiro podem inscrever suas ideias. O edital segue aberto até 10 de novembro.

Jornalistas cobrem debate da Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova Iorque. Foto: ONU | Laura Jarriel.

UNESCO: 90% dos autores de assassinatos contra jornalistas continuam impunes

Na véspera do Dia Internacional para Acabar com a Impunidade de Crimes contra Jornalistas (2 de novembro) deste ano, a Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) lançou um novo relatório com dados da violência praticada contra esses profissionais em todo o mundo.

Segundo o documento “Ataques intensificados, novas defesas”, número de jornalistas assassinados aumentou 18% em cinco anos, entre 2014 e 2018, e quase 90% dos responsáveis por essas mortes ainda não foram condenados.

A diretora-geral da UNESCO, Audrey Azoulay, afirma que a agência “condena todos os que colocam jornalistas em risco, todos os que matam jornalistas e todos os que não fazem nada para impedir essa violência”.

Exposição “Ojidu – Árvore da Vida Warao” em cartaz no museu A CASA com abertura no dia 7 de novembro e visitação até 20 de dezembro. Foto: Benjamin Mast.

São Paulo recebe exposição com artesanato de indígenas venezuelanas Warao vivendo no Brasil

Realizada pelo museu A CASA em parceria com a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR); Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA); Fraternidade – Federação Humanitária Internacional (FFHI); União Europeia e governo federal, a exposição “Ojidu – Árvore da Vida Warao” reúne artesanato indígena venezuelano produzido pelas mulheres Warao vivendo no Brasil.

Entre 7 de novembro e 20 de novembro, museu A CASA exibe as peças feitas em palha de buriti, árvore nativa da Amazônia brasileira e venezuelana de importância central na vida dos Warao. As peças estarão à venda no museu e o dinheiro arrecadado apoiará novas ações de geração de renda para essa população.

Desde 2016, venezuelanos Warao chegam ao Brasil em busca de proteção e refúgio. Atualmente, estima-se que pelo menos 4.500 indígenas dessa etnia vindos da Venezuela encontram-se refugiados no Brasil.

Foto: Raoni Libório/UNICEF

UNICEF: 3,5 milhões de estudantes brasileiros foram reprovados ou abandonaram a escola em 2018

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e o Instituto Claro apresentaram nesta quinta-feira (31), uma análise atualizada e inédita de dados nacionais sobre abandono, reprovação e atraso escolar, baseados no Censo Escolar. O documento revela que 3,5 milhões de estudantes brasileiros de escolas públicas municipais e estaduais foram reprovados ou abandonaram a escola em 2018.

Para contribuir com as escolas no enfrentamento do fracasso escolar, as duas organizações lançaram o curso online Trajetórias de Sucesso Escolar, estratégia que tem por objetivo inspirar e orientar redes de ensino e escolas a desenvolver projetos e políticas curriculares, alinhadas à Base Nacional Comum, que garantam o direito de aprender para crianças com atraso escolar.

Relatora especial da ONU sobre raciscmo, Rendayi Achiume - Foto: Manuel Elias/ONU

Países que tiveram escravos devem reparar vítimas, afirma relatora independente

A relatora especial da ONU sobre formas contemporâneas de racismo, Tendayi Achiume, apresentou relatório à Assembleia Geral pedindo reparações por discriminação racial como forma essencial de cumprimento dos direitos humanos.

Achiume afirmou que racismo e discriminação são inseparáveis de suas raízes históricas e defendeu que países que tiveram colônias ou escravos devem aceitar que têm obrigações e responsabilidades, incluindo o pagamento de indenizações às vítimas e seus descendentes.

Para ela, a maior barreira às reparações por colonialismo e pela escravidão é falta de vontade política e coragem moral.

Agricultora brasileira da associação da comunidade negra de Jatobá. Foto: Banco Mundial/Romel Simon

ARTIGO: O papel das mulheres na segurança alimentar

Em artigo, o representante da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) no Brasil, Rafael Zavala, analisa o papel das mulheres na segurança alimentar à luz dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Ao mesmo tempo em que são responsáveis por mais da metade da produção de alimentos, mais de 60% das pessoas com gome crônica no mundo também são mulheres e meninas. Leia o artigo completo.

A Casa Miga em Manaus oferece um espaço seguro para que migrantes e refugiadas venezuelanas possam recomeçar a vida no Brasil. Foto: ACNUR/João Machado

Embaixador da Irlanda visita projeto da ONU que acolhe migrantes em Manaus

O Embaixador da Irlanda no Brasil, Sean Hoy, visitou a Casa Miga em Manaus e disse que levará o exemplo do projeto da Operação Acolhida para outros integrantes da comunidade diplomática.

A Casa Miga abriu as portas em agosto de 2018, coordenada pela organização não-governamental Manifesta LGBTQ+, com apoio do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) e da União Europeia.

Com capacidade para 16 pessoas, o local é o abrigo de referência para o acolhimento de pessoas da comunidade LGBTI em Manaus.

CEPAL e OIT lançaram 21ª edição da publicação Conjuntura Laboral na América Latina e no Caribe (outubro de 2019). Foto: OIT

Igualdade de gênero no mercado de trabalho é crucial para crescimento latino-americano

O acesso das mulheres a atividades remuneradas e a redução das lacunas de gênero no mercado de trabalho são cruciais para o crescimento, a igualdade e a diminuição da pobreza na América Latina e no Caribe, destacou estudo de Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) e Organização Internacional do Trabalho (OIT) divulgado na segunda-feira (28).

Apesar de redução recente, a diferença entre a taxa de participação de homens e mulheres no mercado de trabalho latino-americano era de 25,9 pontos percentuais em 2018, indicou a publicação.

Evento na Fiocruz em Brasília contou com apoio da OPAS/OMS e reuniu representantes do UNFPA e ACNUR. Foto: UNFPA Brasil | Thais Rodrigues.

ONU participa de debate sobre políticas de saúde em contexto de migração

Organizado pelo Núcleo de Estudos sobre Bioética e Diplomacia em Saúde, da Fiocruz Brasília, com apoio da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS/OMS) no Brasil, o 10º Ciclo de Debates sobre Sustentabilidade de Políticas para Migrantes reuniu representantes do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) e da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR).

O evento aconteceu na última quinta-feira (24), na Fiocruz em Brasília, e discutiu o quadro das migrações, a resposta brasileira ao fluxo migratório de venezuelanos no norte do país e a importância da atenção à saúde nas fronteiras – em especial da população em situação de maior vulnerabilidade, como mulheres, crianças, idosos, indígenas e pessoas LGBTI+.

Atualmente, o trabalho do IPC-IG inclui um conjunto variado de tópicos, englobando a Agenda 2030 e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Foto: IPC-IG

Centro de políticas vinculado ao PNUD completa 15 anos de atividades no Brasil

O Centro Internacional de Políticas para o Crescimento Inclusivo (IPC-IG), vinculado ao Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), comemora 15 anos de atividade neste mês. Desde 2004, o Centro promove serviços e ferramentas para fortalecer as capacidades institucionais dos países, com o objetivo de apoiar o desenvolvimento, a implementação e a avaliação de políticas sociais e estimular o crescimento inclusivo.

Atualmente, o trabalho do IPC-IG inclui um conjunto variado de tópicos, englobando a Agenda 2030 e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) — proteção social; desenvolvimento rural e agricultura; políticas de redução da pobreza e de desenvolvimento; desenvolvimento sustentável; crescimento econômico e desigualdade; educação; saúde e nutrição; crianças/ jovens; e gênero.

Atividade de escuta promovida pelo UNFPA Brasil está inserida em um contexto global de debates acerca do tema nos meses que antecedem a Conferência de Alto Nível a ser realizada em Nairóbi, em comemoração aos 25 anos da CIPD. Foto: UNFPA Brasil | Giselle Cintra.

Casa da ONU recebe pessoas indígenas, negras e LGBTI+ para debater avanços desde Conferência Internacional

Em marco aos 25 anos da Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento (CIPD), ocorrida em 1994 no Cairo, capital do Egito, o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) no Brasil promoveu um encontro com representantes das populações negra, indígena e LGBTQI+ para debater o tema.

O intuito do evento, que ocorreu no dia 16 de outubro na Casa da ONU, foi promover a escuta e o diálogo sobre os avanços e os desafios em relação à saúde sexual, reprodutiva e aos direitos dessas comunidades desde a Conferência Internacional de 1994.

Segundo a oficial de programa para a equidade de gênero, raça, etnia e comunicação do UNFPA Brasil, “para os grupos historicamente colocados em situação de maior vulnerabilidade social, os obstáculos para a garantia de direitos e ampliação de liberdades ainda persistem”.

Luciana Collete, de 25 anos, foi selecionada para representar o Brasil. Foto: UNFPA

Brasileira participa de conferência no Egito sobre desenvolvimento e juventude

Com o apoio do presidente do Egito, Abdel Fattah al-Sisi, o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) e o Ministério da Juventude do Egito lançaram, no dia 16 de outubro, o Modelo para a Juventude da Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento.

Durante dois dias, o evento reuniu mais de 200 jovens de 53 países, dando a eles a oportunidade de simular o marco da CIPD que ocorreu no Cairo, em 1994.

Entre as jovens estava a brasileira Luciana Collete, de 25 anos, que trabalha no UNFPA Brasil como assistente de campo em Roraima. Ela foi selecionada para representar o país no Cairo. “Aprendi que nós jovens também temos voz. A nossa participação é importante e podemos fazer muito.”

Durante o segundo semestre de 2019, o Empoderando Refugiadas promove workshops temáticos para mulheres refugiadas em São Paulo (SP) e Boa Vista (RR). Foto: Fellipe Abreu

Refugiadas são treinadas em leis trabalhistas e canais de denúncia de violência de gênero em SP

A conscientização sobre o direito trabalhista brasileiro e as possibilidades de enfrentamento da violência contra a mulher no Brasil foram temas de workshop realizado no escritório de advocacia Mattos Filho, em São Paulo (SP), na última terça-feira (22).

O encontro reuniu profissionais do Direito e as participantes da quarta edição do projeto Empoderando Refugiadas – iniciativa de Rede Brasil do Pacto Global, Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) e ONU Mulheres, com foco na empregabilidade de mulheres em situação refúgio no Brasil.

Salsabil e sua família vieram da Síria para recomeçar em São Paulo. Hoje, trabalham com culinária árabe. Foto: ACNUR/Érico Hiller

ACNUR e Caritas lançam mapeamento de pessoas em situação de refúgio em São Paulo

A Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) e a Caritas Arquidiocesana de São Paulo (CASP) lançaram na quarta-feira (23) o relatório “Georreferenciamento de Pessoas em Situação de Refúgio Atendidas pela Caritas Arquidiocesana de São Paulo em 2018”. Os dados foram levantados a partir dos atendimentos a pessoas em situação de refúgio pelo Centro de Referência para Refugiados da Caritas SP no último ano.

Das 84 nacionalidades atendidas pela Caritas em 2018, cinco países representam quase 70% do total de pessoas, sendo eles Angola (20%), Venezuela (19,8%), República Democrática do Congo (13,6%), Síria (10,7%) e Nigéria (4,15%). Ainda, é possível destacar que a maior parte das pessoas em situação de refúgio vive na zona leste da capital paulista (55%), mesmo que Sé e República sejam as localidades com maior número absoluto de residentes – 521 e 466, respectivamente.

Bandeira do Orgulho LGBTI. Foto: Benson Kua

ONU e ativistas brasileiras lembram importância da visibilidade intersexo

A campanha da ONU Livres & Iguais, a Associação Brasileira de Intersexos (ABRAI) e a Associação Brasileira Profissional pela Saúde Integral de Travestis, Transexuais e Intersexos (ABRASITTI) unem-se no Dia Internacional da Visibilidade Intersexo para promover maior conscientização sobre esse tema.

Pessoas intersexo nascem com características sexuais (incluindo genitais, gônadas e padrões cromossômicos) que não se encaixam nas típicas noções binárias de corpos masculinos e femininos.

Intersexo é um termo guarda-chuva usado para descrever uma ampla gama de variações naturais do corpo. Em alguns casos, características intersexuais são visíveis no nascimento, enquanto outras não são aparentes até a puberdade.

Especialista independente das Nações Unidas para os direitos humanos das pessoas com albinismo, Ikponwosa Ero - Foto: ACNUDH

Especialista independente da ONU para direitos das pessoas com albinismo visita Brasil

A especialista independente das Nações Unidas para os direitos humanos das pessoas com albinismo, Ikponwosa Ero, fará sua primeira visita ao Brasil entre os dias 28 de outubro e 9 de novembro.

Durante a visita, ela terá encontros em Brasília, Maceió, Salvador e São Paulo. Ikponwosa Ero dará uma coletiva de imprensa às 12 horas do dia 8 de novembro na Casa da ONU, em Brasília (DF), para compartilhar suas observações preliminares.

Coordenador de juventude do município de Duque de Caxias (RJ), Ewerton Vital entregou a moção "Parceiros da Juventude" em reconhecimento aos trabalhos prestados pelo UNFPA. Foto: Divulgação/Ewerton Vital

Fundo de População da ONU debate parcerias com município de Duque de Caxias (RJ)

O coordenador de juventude de Duque de Caxias (RJ), Ewerton Vital, visitou a sede do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) em Brasília (DF) no início de outubro (8) para apresentar projetos de investimento em jovens do município e se colocar à disposição para ampliar o debate e estabelecer futuras parcerias.

Na ocasião, o oficial de programa para Juventude e HIV do UNFPA, Caio Oliveira, lembrou que o investimento na juventude é urgente. No Brasil, existem quase 50 milhões de jovens, e ao menos 11 milhões estão fora do mercado de trabalho e das instituições de ensino, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE).

Gelson Henrique, de 20 anos, é estudante de Ciências Sociais da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Foto: UNICEF/Rafael Duarte

‘Quero uma cidade que garanta nosso direito de viver’

Morador da periferia do Rio de Janeiro, Gelson Henrique, de 20 anos, percebeu na adolescência que não estava exercendo seu direito de aproveitar plenamente a cidade em que morava. Não conhecia, por exemplo, os museus, inacessíveis para famílias pobres que moram longe das regiões centrais. “Descobri que há toda uma estrutura que não quer que a gente ascenda. Mas também percebi que não existo sozinho. A pele preta traz toda uma ancestralidade”, declara.

A convite do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), Gelson participou este mês da Conferência sobre as Cidades Amigas da Criança, realizada em Colônia, na Alemanha. Junto a outros jovens e adolescentes do mundo, ele discutiu formas de as cidades garantirem o pleno desenvolvimento de cada criança e adolescente.

“Para mim, cidade amiga da criança é uma cidade que não viole nossos direitos, começando pelo direito à vida, que hoje está ameaçado para um jovem negro”, afirma Gelson.

"A FabricAID redesenha a forma como pensamos a moda", Omar Itani, 24, um dos ganhadores do Prêmio Jovens Campeões da Terra 2019.

No Líbano, jovem premiado pela ONU reformula o futuro da moda enquanto ajuda refugiados

O ganhador do Prêmio Jovens Campeões da Terra 2019 para a região do Sudoeste Asiático, Omar Itani é fundador da FabricAid, uma iniciativa de Beirute, no Líbano, que recicla roupas e tecidos descartados que gerariam danos ao meio ambiente.

A indústria da moda é o segundo maior consumidor de água no mundo, utilizando água suficiente para satisfazer as necessidades de cinco milhões de pessoas e produzindo o equivalente a três milhões de barris de petróleo em microfibra – que muitas vezes são despejados no mar.

A solução de Itani está dando novos usos a antigas peças enquanto protege a natureza e ajuda refugiados vivendo em Beirute – que podem comprar as roupas da FabricAid por uma preço que varia entre 30 centavos de dólar e dois dólares.

O modo de produção da comunidade da Barra da Aroeira segue os princípios da agroecologia. A maior parte dos alimentos produzidos pelas agricultoras quilombolas são consumidos pelas famílias da própria comunidade e alguns produtos são vendidos em feiras na capital Palmas. Foto: FAO

Mulheres quilombolas destacam-se com produção agrícola sustentável no Tocantins

No município de Santa Tereza, em Tocantins, está a comunidade quilombola Barra da Aroeira. Formada em meados da década de 1930, a comunidade reúne cerca de 97 famílias que produzem de tudo um pouco: arroz, feijão, mandioca, abóbora, inhame, batata-doce, hortaliças, além da criação de galinha e porcos.

O modo de produção da comunidade da Barra da Aroeira segue os princípios da agroecologia. A maior parte dos alimentos produzidos pelas agricultoras quilombolas são consumidos pelas famílias da própria comunidade e alguns produtos são vendidos em feiras na capital Palmas. Leia a reportagem da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO).

Composta por 17 agricultoras familiares, a Associação Chocolateiras de Teixeirópolis foi criada em 2015 e, desde então, trabalha com a verticalização da produção — do plantio do cacau à fabricação do chocolate. Foto: Associação Chocolateiras de Teixeirópolis

Chocolateiras de Rondônia contribuem para aumento de renda na região amazônica

Acordar cedo e ir para o campo faz parte do dia a dia das mulheres chocolateiras de Teixeirópolis, município situado a 300 quilômetros da capital Porto Velho, Rondônia. O estado é o terceiro maior produtor de cacau do Brasil, ficando atrás apenas de Bahia e Pará.

Formada por 17 agricultoras familiares, a Associação Chocolateiras de Teixeirópolis foi criada em 2015 e, desde então, trabalha com a verticalização da produção — do plantio do cacau à fabricação do chocolate. O relato é da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO).

“Nossos Campeões e Jovens Campeões de 2019 se atrevem a sonhar mais; eles se esforçam mais e vão mais longe. Suas ações falam mais alto que palavras”, Inger Andersen, diretora Executiva do PNUMA. Foto: PNUMA.

Pioneiros globais recebem maior prêmio ambiental da ONU

O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) homenageou oficialmente 12 agentes de mudança ambiental de todo o mundo com o prêmio ‘Campeões da Terra’ e ‘Jovens Campeões da Terra’ de 2019 das Nações Unidas.

O Campeões da Terra – principal prêmio ambiental da ONU – é entregue anualmente a líderes destacados do governo, sociedade civil e setor privado cujas ações tiveram um impacto positivo no meio ambiente.

A cerimônia de premiação, realizada em Nova Iorque em 26 de setembro, reconheceu os premiados nas categorias Inspiração e Ação; Liderança em Políticas; Visão Empresarial; e Ciência e Inovação.

Conheça a rotina de trabalho da equipe da Empodera, que se desloca pelo município do Rio de Janeiro, para acompanhar de perto a implementação do programa Uma Vitória Leva à Outra, garantindo continuamente sua qualidade. Foto: ONU Mulheres

ONU Mulheres conta rotina de implementadoras do programa ‘Uma Vitória Leva à Outra’

“Uma Vitória Leva à Outra” é um programa conjunto da ONU Mulheres e do Comitê Olímpico Internacional, em parceria com as ONGs Women Win e Empodera. Ele visa garantir que meninas e mulheres possam participar, trabalhar com, governar e desfrutar do esporte em igualdade de condições.

O programa foi reconhecido como um legado dos Jogos Olímpicos Rio 2016 e, em sua segunda fase, de 2018 a 2021, treina organizações a trabalhar com o empoderamento de meninas por meio do esporte e, assim, garantir resultados de longo prazo na quebra do ciclo da violência.

A ONU Mulheres detalhou a rotina de quatro profissionais que acompanham a implementação do programa no Rio de Janeiro (RJ). Leia a reportagem completa.

Denise Chevanne-Vogel, especialista para o setor privado da ONU Mulheres Jamaica, participa do Fórum Weps em São Paulo. Foto: Gustavo Dantas/ONU Mulheres

Evento em SP discute ações para ambiente de trabalho seguro para mulheres

Necessidade de implementar ações para promover um ambiente seguro de assédio sexual, atenção às vítimas e promoção da educação. Estas foram as principais propostas de empresas para melhorar as condições de trabalho das mulheres no último dia do Fórum Weps 2019.

O evento foi promovido pela ONU Mulheres, Organização Internacional do trabalho (OIT) e União Europeia nos dias 8 e 9 de outubro, em São Paulo, e faz parte do programa “Ganha-Ganha: Igualdade de Gênero Significa Bons Negócios”.

A premiação é considerada um dos principais eventos do terceiro setor por reconhecer iniciativas transformadoras que promovem a inclusão e o protagonismo social. Foto: Fundação BB.

Com apoio da ONU, Prêmio de Tecnologia Social 2019 homenageia iniciativas que promovem a inclusão

A Fundação Banco do Brasil, o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e demais parceiros anunciaram na quarta-feira (16) as iniciativas vencedoras da 10ª edição do Prêmio de Tecnologia Social 2019.

A premiação é considerada um dos principais eventos do terceiro setor por reconhecer iniciativas transformadoras que promovem a inclusão e o protagonismo social, além de melhorias das condições de vida da população.

Na cerimônia de premiação, realizada em Brasília, estiveram presentes mais de 600 convidados de entidades parceiras, representantes do governo federal, de embaixadas, de organismos internacionais, do setor privado e da sociedade civil organizada.

Relatório da OIT mostrou vantagens de países combinarem políticas ativas no mercado de trabalho com medidas de apoio à renda. Foto: OIT

Nova pesquisa da OIT identifica políticas para combater pobreza e desigualdade

Estratégias para aumentar o acesso ao trabalho decente e combater a pobreza são significativamente mais eficazes quando as políticas ativas do mercado de trabalho (PAMTs) são combinadas com apoio à renda. A conclusão é de novo relatório da Organização Internacional do Trabalho (OIT) publicado nesta quinta-feira (17).

As políticas ativas incluem treinamento, orientação profissional e apoio a start-up nas economias emergentes e em desenvolvimento. O relatório aborda como essas políticas podem ajudar as pessoas a superar obstáculos do mercado de trabalho quando combinadas com o apoio à renda.

Reunião entre UNFPA, FIOCRUZ e instituições de saúde de países africanos. Foto: FIOCRUZ/Peter Ilicciev

FIOCRUZ e UNFPA reúnem-se para definir prioridades de parceria em direitos da mulher

Representantes da Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ), do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) e de ministérios e institutos de saúde de países africanos reuniram-se na semana passada na sede da fundação, no Rio de Janeiro (RJ), para definir prioridades de temas e estratégias para os próximos cinco anos da parceria.

Na primeira oficina, realizada em agosto, já havia sido definida como prioridade da parceria a redução das mortes maternas evitáveis a zero até 2030 nos países participantes.

Para isso, a estratégia pretende criar um Centro de Referência em Saúde Materna. O propósito é fazer análises e aumentar a capacidade dos países, através da troca de experiências proporcionada pela cooperação triangular entre FIOCRUZ, países de América Latina e Caribe e africanos e UNFPA.

Marlova Noleto (quarta da esquerda para a direita), diretora e representante da UNESCO no Brasil, e Ann Vehulst (quinta da esquerda para a direita), presidente da L'Oreal Brasil, com as vencedoras do Prêmio Para Mulheres na Ciência. Foto: UNESCO

L’Oréal, UNESCO e ABC premiam sete cientistas brasileiras no Rio de Janeiro

Na noite da última quinta-feira (10), a Casa FIRJAN foi palco da 14ª edição do programa Para Mulheres na Ciência, uma parceria entre a fabricante de cosméticos L’Oréal Brasil com a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) e a Academia Brasileira de Ciências (ABC).

A premiação reconheceu sete cientistas brasileiras com a entrega de bolsas-auxílio de 50 mil reais cada para que possam dar continuidade aos estudos nas áreas de Ciências da Vida, Química, Física e Matemática. Os trabalhos das pesquisadoras foram escolhidos entre mais de 500 projetos inscritos de todo o Brasil.