Arquivo da tag: Redução das desigualdades

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU número 10 diz: “Reduzir a desigualdade dentro dos países e entre eles”.

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU número 10 diz: “Reduzir a desigualdade dentro dos países e entre eles”.

 

Mais sobre este ODS em https://nacoesunidas.org/pos2015/ods10 e notícias sobre o tema abaixo.

Migrantes almoçam em abrigo na Guatemala, depois de serem deportados do México. Foto: UNICEF/Daniele Volpe

CEPAL defende espaço econômico compartilhado entre México e países do norte da América Central

A chefe da Comissão Econômica da ONU para a América Latina e o Caribe (CEPAL), Alicia Bárcena, defendeu neste mês (18) a criação de um espaço econômico compartilhado entre os países do norte da América Central — El Salvador, Guatemala, Honduras — e o México.

Segundo a dirigente, a medida poderia mitigar as causas estruturais da migração na região, que incluem o crescimento econômico insuficiente e as elevadas desigualdades.

Crianças na fila para refeição diária no Equador. Foto: Banco Mundial/Jamie Martin

ONU: 64% dos jovens latino-americanos vivem na pobreza ou em situação de vulnerabilidade

Em viagem a Bruxelas, a chefe da Comissão Econômica da ONU para a América Latina e o Caribe (CEPAL), Alicia Bárcena, pediu neste mês (19) um aprofundamento da cooperação entre a região e o continente europeu, como meio para superar desigualdades e investir no desenvolvimento sustentável. Dirigente lembrou que 64% dos jovens latino-americanos são de famílias pobres ou vulneráveis e não conseguem ingressar na classe média consolidada.

Ao centro, a norte-americana Sofia Carson, atriz e apoiadora do UNICEF, durante visita a Pernambuco. Foto: UNICEF/Fagundes

Atriz de filmes da Disney visita projetos do UNICEF em Pernambuco

A atriz e cantora norte-americana Sofia Carson esteve em Pernambuco nesta semana para promover os direitos das crianças e adolescentes. A artista — que é apoiadora do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) — acompanhou atividades de empoderamento de meninas, educação e inclusão desenvolvidas pela agência da ONU e instituições parceiras no Recife e no semiárido pernambucano.

“É uma imensa honra estar no Brasil com o UNICEF para fazer o que eu puder para contribuir com esse trabalho tão inspirador e acabar com a violência contra as mulheres e as crianças”, disse a atriz, conhecida por sua atuação na franquia de filmes Descendentes, da Disney Channel, e na série Pretty Little Liars: The Perfectionists.

Em 1919, das cinzas da guerra, nasceu uma visão do mundo onde trabalhadores, empregadores e governos poderiam – juntos – construir um mundo de paz universal, baseado na justiça social. Deste sonho surgiu a Organização Internacional do Trabalho (OIT), que há 100 anos promove a justiça social e promove o trabalho decente.

OIT completa 100 anos promovendo justiça social e trabalho decente no mundo

Este ano, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) completa 100 anos realizando um mandato dedicado à promoção da justiça social e do trabalho decente no mundo todo.

Em um cenário em que mais de 190 milhões de pessoas estão desempregadas e mais de 300 milhões trabalham, mas continuam na extrema pobreza, o mandato da OIT torna-se ainda mais importante globalmente.

Para responder a esses desafios, a organização criou a Comissão Mundial sobre o Futuro do Trabalho, cujo relatório foi publicado em janeiro. As recomendações feitas neste relatório são um dos insumos para a discussão sobre este tema na Conferência Internacional do Trabalho, a ser concluída em Genebra na próxima sexta-feira (21).

Manifestante levanta cartaz onde se lê "vidas negras importam" em Londres em 2016. Foto: Flickr/Alisdare Hickson (CC)

Relatora da ONU critica Reino Unido por políticas discriminatórias e xenofóbicas

As políticas do governo do Reino Unido exacerbam a discriminação, fomentam o sentimento xenofóbico e aprofundam ainda mais a desigualdade racial no país, afirmou neste mês a relatora especial da ONU em direitos humanos e racismo, Tendayi Achiume.

Especialista alertou também que, após o referendo do Brexit, em 2016, houve aumento nos crimes de ódio, na retórica antimigrantes e na discriminação racial, étnica e religiosa.

Contraste entre as desigualdades no município do Rio de Janeiro. Foto: Luiz Gonçalves Martins - ODS 10

Pesquisadores alertam para sistema tributário regressivo no Brasil; mais pobres são afetados

Estudo publicado pelo Centro Internacional de Políticas para o Crescimento Inclusivo vinculado ao Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (IPC-IG/PNUD) e parceiros afirma que o sistema tributário brasileiro é regressivo, afetando desproporcionalmente as faixas mais pobres da população.

Os pesquisadores também alertam que a deterioração da qualidade na tributação devido a crescentes incentivos fiscais, a regimes especiais mal calibrados e ao pouco progresso alcançado acerca da agenda de reformas foram causas diretas para que a carga tributária se estabilizasse na faixa dos 33% da arrecadação total do país. Leia a reportagem completa.

Educação e desigualdades no Brasil são tema de seminário promovido pela UNESCO, INSPER e Fundação Tide Setubal. Foto: Arquivo/Seed/Sergipe

Em São Paulo, UNESCO promove seminário sobre educação, desigualdades e democracia no Brasil

Em São Paulo (SP), a Fundação Tide Setubal, o INSPER e a UNESCO promovem o seminário ‘Democracia, Educação e Equidade: uma agenda para todos’. Ao longo dos dias 25 e 26 de junho, especialistas internacionais e brasileiros debaterão caminhos e soluções para enfrentar as desigualdades no acesso ao ensino e para fortalecer a justiça social no Brasil.

No seminário, será lançado o Indicador de Desigualdades e Aprendizagens (IDeA), novo instrumento de abrangência nacional, criado para auxiliar o Brasil a verificar as exclusões causadas pelo baixo nível de aprendizagem e pela desigualdade de aprendizagem (esta com recortes de nível socioeconômico, raça e gênero).

Presidente da França, Emmanuel Macron. Foto: ONU/Mark Garten

Em conferência da OIT, Macron pede salário mínimo igual para toda UE

Mudanças fundamentais no mundo do trabalho, incluindo um mesmo salário mínimo para toda a União Europeia, são necessárias para responder à crescente lacuna entre ricos e pobres, afirmou na terça-feira (11) o presidente da França, Emmanuel Macron.

Em discurso de 45 minutos na conferência de centenário da Organização Internacional do Trabalho (OIT), em Genebra, Macron insistiu que o acúmulo de riqueza nas mãos de poucos com a globalização criou uma “lei da selva”, que abriu as portas para o nacionalismo perigoso, a xenofobia e a desilusão com a democracia.

Presidente italiano, Sergio Mattarella, fala durante a 108ª Conferência Internacional do Trabalho em Genebra. Foto: OIT/Marcel Crozet

OIT: pobreza em qualquer lugar é perigo para prosperidade em todos os lugares

A Conferência Internacional do Trabalho do Centenário começou nesta segunda-feira (10) na sede da ONU em Genebra, com o chefe da Organização Internacional do Trabalho (OIT), Guy Ryder, convocando centenas de delegados de todo o mundo a “construir um futuro do trabalho com justiça social para todos”.

O diretor-geral da OIT disse que, com a possível adoção de uma declaração histórica voltada para o futuro, é hora de “dizer ao mundo que temos confiança, propósito comum, vontade e meios” para continuar a fazer da justiça social uma prioridade absoluta.

“Faremos isso juntos porque a pobreza em qualquer lugar é um perigo para a prosperidade em todos os lugares”, acrescentou o chefe da OIT. “E faremos isso porque o fracasso de qualquer nação em adotar condições humanas de trabalho obstrui outras nações que desejam fazê-lo”.

Embora sejam mais da metade da população brasileira, pessoas negras ainda têm dificuldades em acessar o mercado de trabalho no Brasil, o que piora significativamente no caso de mulheres negras. Foto: UNFPA

Evento discute desigualdades de gênero e raça no mercado de trabalho brasileiro

A desigualdade racial e de gênero persiste no mercado de trabalho brasileiro e é preciso agir para combater práticas que perpetuam a discriminação, informando e promovendo espaços empresariais mais inclusivos.

Esta foi uma das conclusões do debate realizado na quinta-feira (6) em Brasília (DF) pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura no Brasil (UNESCO), em parceria com o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), a Organização Internacional do Trabalho (OIT), a ONU Mulheres e a coordenação do Sistema ONU no país.

Segundo pesquisa do Instituto Ethos, pessoas negras ocupam apenas 6,3% dos cargos de gerência e 4,7% de cargos executivos em empresas brasileiras.

Grupo de Trabalho de Direitos Humanos promove treinamento de due dilligence para empresas. Foto: Rede Brasil do Pacto Global/Fellipe Abreu

UNESCO promove debate em Brasília (DF) sobre racismo no mercado de trabalho brasileiro

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) no Brasil, em parceria com ONU Mulheres, Organização Internacional do Trabalho (OIT), Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) e a coordenação do Sistema ONU no Brasil, realiza na quinta-feira (6) debate em Brasília (DF) sobre as dificuldades enfrentadas por negros e, especialmente, mulheres negras, no mercado de trabalho.

A desigualdade racial é uma realidade no mercado de trabalho brasileiro, embora pretos e pardos constituam mais da metade da população no país. O ambiente empresarial ainda tem grandes dificuldades para avançar no combate ao racismo, e o quadro se agrava ainda mais quando consideramos a situação das mulheres negras.

O projeto ‘Maré de Sabores’, realizado pela Redes da Maré, funciona há nove anos formando profissionais de cozinha. Nascido da demanda de mães interessadas em aprimorar as dietas dos filhos, o ‘Maré de Sabores’ hoje administra um buffet profissional com comidas típicas dos migrantes que ajudaram a formar o Complexo da Maré, no Rio de Janeiro. Pratos com referências de mulheres nordestinas, manauaras e afrodescendentes integram o cardápio, que conta com especialidades como o X-Marézinha (hambúrguer feito com pão caseiro, queijo coalho e molho de tucumã). O ‘Maré de Sabores’ participou do 1º Fórum Regional das Cidades Latino-Americanas Signatárias do Pacto de Milão sobre Política de Alimentação Urbana, que aconteceu entre os dias 29 e 31 de maio no Rio de Janeiro. A iniciativa é um modelo de integração e desenvolvimento social ancorado na gastronomia e no empreendedorismo, e colabora para a implementação e o desenvolvimento de sistemas alimentares sustentáveis para as cidades.

VÍDEO: Projeto ‘Maré de Sabores’ participa de fórum internacional sobre alimentação urbana

O projeto ‘Maré de Sabores’, realizado pela Redes da Maré, funciona há nove anos formando profissionais de cozinha. Nascido da demanda de mães interessadas em aprimorar as dietas dos filhos, o ‘Maré de Sabores’ hoje administra um buffet profissional com comidas típicas dos migrantes que ajudaram a formar o Complexo da Maré, no Rio de Janeiro.

Pratos com referências de mulheres nordestinas, manauaras e afrodescendentes integram o cardápio, que conta com especialidades como o X-Marézinha (hambúrguer feito com pão caseiro, queijo coalho e molho de tucumã).

O ‘Maré de Sabores’ participou do 1º Fórum Regional das Cidades Latino-Americanas Signatárias do Pacto de Milão sobre Política de Alimentação Urbana, que aconteceu entre os dias 29 e 31 de maio no Rio de Janeiro.

A iniciativa é um modelo de integração e desenvolvimento social ancorado na gastronomia e no empreendedorismo, e colabora para a implementação e o desenvolvimento de sistemas alimentares sustentáveis para as cidades.

Confira nesse vídeo especial do Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio).

Basanti Tamang, uma migrante que tentou melhores condições de vida no exterior, ao retornar para seu país de origem, recebeu ajuda do programa de reintegração “O futuro que queremos”, uma iniciativa conjunta da ONU Mulheres, da Organização Internacional para as Migrações (OIM) e da Zonta International. Por meio da costura, e agora ciente de seus direitos como migrante, Basanti vai recomeçar sua vida.

Com apoio da ONU, migrante retornada ao Nepal recomeça sua vida; vídeo

Basanti Tamang, uma migrante que tentou melhores condições de vida no exterior, ao retornar para seu país de origem, recebeu ajuda do programa de reintegração “O futuro que queremos”, uma iniciativa conjunta da ONU Mulheres, da Organização Internacional para as Migrações (OIM) e da Zonta International. Por meio da costura, e agora ciente de seus direitos como migrante, Basanti vai recomeçar sua vida. Confira nesse vídeo.

A Oficina de Consulta sobre o Cadastro de Agrupamentos Quilombolas na Base Territorial do Censo Demográfico 2020 ocorreu na Casa da ONU, em Brasília. Foto: UNFPA Brasil/Thais Rodrigues

Fundo de População da ONU apoia inclusão de quilombolas no Censo 2020

Incluir, pela primeira vez, a população tradicional quilombola no Censo está sendo um esforço do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) que, esta semana (28 e 29), reuniu lideranças quilombolas, órgãos produtores de informações e o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) na Oficina de Consulta sobre o Cadastro de Agrupamentos Quilombolas na Base Territorial do Censo Demográfico 2020. O evento aconteceu na Casa da ONU, em Brasília (DF).

Para o oficial de programa para população e desenvolvimento do UNFPA no Brasil, Vinícius Monteiro, a inclusão do quesito quilombola supera as dificuldades técnicas e mostra ser a chave para a aproximação com setores públicos. “A construção e utilização destes quesitos serão fundamentais para o desenvolvimento de políticas públicas com foco nestas populações, e para que a sociedade civil possa ter informações precisas para sua atuação”, ressaltou.

Cena de Londres, 2011. Foto: Claudia Gabriela Marques Vieira/Flickr/CC

Políticas de austeridade levaram milhões à pobreza no Reino Unido, afirma especialista da ONU

Políticas do governo britânico levaram milhões de pessoas à pobreza no Reino Unido, afirmou em novo relatório divulgado no final de maio (22) o especialista das Nações Unidas sobre pobreza e direitos humanos, pedindo uma “nova visão” que incorpore a compaixão para encerrar dificuldades desnecessárias.

“Os resultados do experimento da austeridade são claros”, disse Philip Alston em relatório após visita oficial ao país, em novembro de 2018.

“Há 14 milhões de pessoas vivendo na pobreza, níveis recordes de fome e de pessoas sem teto, queda da expectativa de vida para alguns grupos, cada vez menos serviços comunitários e policiamento reduzido, enquanto o acesso de grupos de baixa renda a tribunais caiu dramaticamente por conta de cortes em assistências legais.”

A reunião lembrou que Brasil, como um dos primeiros países a assumir o compromisso com a Década de Ação sobre a Nutrição, se comprometeu internacionalmente com a melhora da qualidade da alimentação da população e com a promoção de um sistema alimentar sustentável. Foto: Prefeitura do Rio de Janeiro

FAO: alimentação escolar é estratégica no alcance do desenvolvimento sustentável

Gestores de 19 países da América Latina e Caribe e dirigentes de agências das Nações Unidas reuniram-se esta semana no Rio de Janeiro (RJ) para discutir a alimentação escolar e a Década de Ação sobre a Nutrição, durante o I Fórum da Rede de Alimentação Escolar Sustentável.

Ao fim do evento, foi elaborada uma carta endereçada ao I Fórum Regional do Pacto de Milão, reconhecendo que as Políticas de Alimentação Escolar (PAE) permitem aos países alcançar objetivos em diferentes áreas estratégicas, como educação, saúde, agricultura, desenvolvimento social, territorial e ambiental.

“A alimentação escolar é estratégica no alcance dos resultados de desenvolvimento sustentável, abrangendo diversos setores e com mecanismos de inclusão econômica e social que combatem a obesidade e a fome”, disse Rafael Zavala, representante da FAO no Brasil.

Abertura do 1º Fórum Regional das Cidades Latino-Americanas Signatárias do Pacto de Milão sobre Política de Alimentação Urbana, no Rio de Janeiro (RJ). Foto: FAO

FAO: ambientes rurais e urbanos devem se unir para garantir segurança alimentar

Ambientes rurais e urbanos devem se relacionar de forma engajada para atingir os objetivos globais de garantir segurança alimentar e nutrição para todos, assim como combater as mudanças climáticas.

A avaliação foi feita pelo diretor-geral da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), José Graziano da Silva, em mensagem de vídeo para a abertura do 1º Fórum Regional das Cidades Latino-Americanas Signatárias do Pacto de Milão sobre Política de Alimentação Urbana, que acontece até sexta-feira (31) no Rio de Janeiro.

Segundo Graziano, para atingir tais objetivos é necessário preservar os recursos naturais e, sobretudo, a biodiversidade do planeta, integrando ações sustentáveis e responsáveis desde a produção até o consumo de alimentos.

O Rio de Janeiro está recebendo o Fórum por sua atuação no setor de segurança alimentar, que inclui restaurantes populares, circuito de feiras orgânicas e um programa de alimentação escolar. Foto: Prefeitura do Rio de Janeiro

OPAS: garantir direito à alimentação adequada significa reduzir desigualdades

A representante da Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) no Brasil, Socorro Gross, afirmou na quarta-feira (29) que é preciso o envolvimento de todos os níveis de governo, instituições não governamentais, comunidades e sociedade para alcançar a segurança alimentar e nutricional.

A declaração foi feita na abertura do 1º Fórum Regional das Cidades Latino-Americanas Signatárias do Pacto de Milão, que ocorre até sexta-feira (31) no Museu de Arte do Rio (MAR), na capital fluminense. O evento, que debate políticas alimentares urbanas inclusivas e sustentáveis, é organizado pela prefeitura da cidade.

“Precisamos nos unir para assegurar o acesso de todas e todos a alimentos saudáveis, proteger a biodiversidade e reduzir o desperdício de alimentos. Garantir o direito à alimentação adequada e saudável significa reduzir as desigualdades. Significa crescer e se desenvolver de maneira sustentável, sem deixar ninguém para trás”, afirmou.

Premiê de Fiji, Josai Vorege Bainimarama (centro), é cumprimentado pela diretora-executiva do ONU-HABITAT, Maimunah Mohd Sharif (esquerda), e pela presidente da Assembleia, Martha Delgado, ao chegar ao evento em Nairóbi, no Quênia. Foto: ONU-HABITAT

ONU-HABITAT defende inovação para garantir desenvolvimento sustentável das cidades

A batalha para atingir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) até 2030 ocorrerá nas cidades. Assim, elas precisam de inovação “disruptiva” de forma a garantir “impacto nas comunidades e que ninguém seja deixado para trás”.

A declaração foi feita pela chefe do Programa das Nações Unidas para Assentamentos Humanos (ONU-HABITAT), Maimunah Mohd Sharif, durante Assembleia do organismo da ONU realizada em Nairóbi, no Quênia, esta semana.

Segundo Maimunah, a inovação — definida como “novos conhecimentos e soluções para melhorar as condições de vida de todas as cidades e comunidades” — é tema central do evento porque as cidades impulsionam as economias nacionais ao criar prosperidade, desenvolvimento social e emprego, mas também podem ser local de pobreza, exclusão e degradação ambiental. 

Atualmente, o Dom Távora executa 132 planos de negócios, nos quais 17,6 milhões de reais foram investidos — 56% dos 31,6 milhões de reais disponíveis para projetos. Foto: Ministério do Desenvolvimento Agrário

FIDA vê avanço de projeto para pequenos produtores rurais em Sergipe

Em reunião na Secretaria da Agricultura, Desenvolvimento Agrário e da Pesca (SEAGRI) de Sergipe, o Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) concluiu esta semana (29) sua missão de supervisão de dez dias no estado.

A visita teve o objetivo de avaliar o andamento do Projeto de Negócios Rurais para Pequenos Produtores – Projeto Dom Távora, cofinanciado pela entidade e executado pelo governo de Sergipe.

A meta é beneficiar 12 mil famílias de pequenos produtores rurais de 15 municípios do Agreste Central, Centro Sul, Baixo São Francisco e Médio Sertão Sergipano; com o financiamento de planos de negócios, capacitações e assistência técnica rural.

Winnie Kakunta é chefe de desenvolvimento no Departamento de Relações Comunitárias da mineradora Barrick Lumwana, da Zâmbia. A companhia possui uma parceria com o Programa ‘Empregos Verdes na Zâmbia’, liderado pela OIT, para construir moradias com materiais verdes para seus funcionários. Foto: OIT/Crozet M. (2015)

Mulheres em posições de chefia nas empresas podem gerar resultados até 20% melhores

Os resultados de empresas são melhores, às vezes em até 20%, quando empregam mais mulheres em posições de chefia, afirmaram especialistas trabalhistas das Nações Unidas. Eles alertaram que a maior parte das empresas expressa a ideia de igualdade de gênero apenas em reuniões, sem concretizá-las.

Em um relatório cobrindo 13 mil empresas em 70 países, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) afirmou que, globalmente, em torno de seis a cada dez organizações privadas concordaram que a diversidade de gênero melhorou os negócios. Os entrevistados citaram ganhos em criatividade, inovação e reputação.

Um agricultor colhe feijão em uma província do norte de Camboja. Após a época da colheita, agricultores como esta mulher se mudam das terras baixas para as terras altas para obter um melhor valor por suas colheitas. Foto: Banco Mundial/Chhor Sokunthea

ONU reduz previsão de crescimento econômico em meio a tensões comerciais e incertezas políticas

Em meio a tensões comerciais não resolvidas, incertezas políticas internacionais e queda na confiança nos negócios, as Nações Unidas anunciaram na terça-feira (21) uma ampla desaceleração na economia global e cortaram suas previsões de crescimento.

Os dados são do relatório Situação Econômica Mundial e Perspectivas, do Departamento da ONU de Assuntos Econômicos e Sociais (DESA), e mostram que todas as principais economias desenvolvidas, e a maior parte das regiões em desenvolvimento, enfraqueceram perspectivas para o crescimento.

UNFPA dá sete exemplos de como a maternidade mudou nos últimos 25 anos

Na Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento (CIPD), realizada no Cairo há 25 anos, 179 governos adotaram um revolucionário programa de ação que exigia que todas as pessoas tivessem acesso a cuidados em saúde sexual e reprodutiva, inclusive planejamento familiar voluntário, e serviços em saúde materna fortalecidos.

Nos anos que se seguiram, avanços médicos, progressos sociais e crescente apoio para os direitos das mulheres ajudaram a reformular a experiência da maternidade em todo o mundo. Mas quanto mudou de verdade? Leia na reportagem do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA).

A REMS foi fundada em 2007 por um grupo de organizações da sociedade civil, em parceria com a Nike e o PNUD. Foto: PNUD

Fórum em SC debate políticas públicas de esporte para o desenvolvimento humano

A Rede Esporte pela Mudança Social (REMS), em parceria com a fabricante de artigos esportivos Nike e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), realiza na quinta-feira (23) o fórum “O Esporte que Queremos”, em Florianópolis (SC).

O evento integra a programação do 23º Encontro Nacional de Membros da REMS. Participam representantes do governo, acadêmicos, organizações não governamentais e setor privado. A ideia é debater políticas públicas voltadas ao esporte para a mudança social.

A REMS foi fundada em 2007 por um grupo de organizações da sociedade civil, em parceria com a Nike e o PNUD, e reúne atualmente 116 instituições que utilizam o esporte como fator de desenvolvimento humano. A rede é formada por mais de 10 mil funcionários e voluntários, que levam o esporte e a atividade física a mais de 400 mil pessoas por ano em 20 estados.

Da direita para a esquerda, Marcelo Ebrard, secretário de Relações Exteriores do México; Andrés Manuel López Obrador, presidente mexicano; Alicia Bárcena, secretária-executiva da CEPAL; e Maximiliano Reyes, subsecretário para América Latina e Caribe da Secretaria de Relações Exteriores do México. Foto: CEPAL.

CEPAL apresenta ao México plano de desenvolvimento para abordar causas da migração

A Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) apresentou na segunda-feira (20) na Cidade do México um plano de desenvolvimento integral para El Salvador, Guatemala, Honduras e México, com o objetivo de abordar as causas da migração de cidadãos desses quatro países. A cerimônia foi liderada pelo presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, e pela secretária-executiva da CEPAL, Alicia Bárcena.

“Como foi dito de forma muito clara, com fundamentos, com dados, as pessoas migram por necessidade, por falta de oportunidades de trabalho ou por violência e é necessário abordar essas causas, é necessário ir na origem do que está provocando esse fenômeno migratório”, disse o presidente mexicano na ocasião.

Alicia Bárcena destacou que o plano é uma oportunidade para estreitar os laços históricos entre os países participantes, além de localizar a análise e as políticas migratórias no amplo contexto do desenvolvimento. O objetivo é que, mediante sociedades mais justas, igualitárias e sustentáveis, a migração seja uma opção e não a única saída disponível.

Fundo agrícola da ONU promove intercâmbio em turismo rural na Paraíba

Experiências bem-sucedidas de comunidades rurais no interior da Paraíba servirão de exemplo para moradores de outros estados do Nordeste no “Intercâmbio com foco no Turismo Rural no Semiárido — Conhecer, Valorizar e Manter o Semiárido Brasileiro”. A iniciativa passará pelos municípios de Areia, Boqueirão e Cabaceiras entre 27 de maio e 1º de junho, com encerramento na Festa do Bode Rei.

O evento terá a participação de cerca de 30 pessoas de cinco estados do Nordeste beneficiárias de projetos apoiados pelo Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) das Nações Unidas no Brasil.

O 6º Encontro de Trabalhadores(as) Resgatados(as) do Trabalho Escravo foi organizado pelo Centro de Defesa da Vida e dos Direitos Humanos Carmen Bascarán (CDVDH/CB). Foto: OIT

OIT apoia encontro de resgatados(as) do trabalho escravo no Maranhão

Cerca de 60 resgatados(as) de situação análoga à escravidão participaram este mês (10 e 11) no município de Pindaré Mirim (MA) do 6º Encontro de Trabalhadores(as) Resgatados(as) do Trabalho Escravo. Organizada pelo Centro de Defesa da Vida e dos Direitos Humanos Carmen Bascarán (CDVDH/CB), a iniciativa teve apoio de Organização Internacional do Trabalho (OIT), Ministério Público do Trabalho (MPT) e Secretaria de Estado dos Direitos Humanos e Participação Popular (SEDIHPOP).

O Maranhão é o estado de origem do maior número de brasileiros vítimas de escravidão contemporânea. Segundo dados da fiscalização, 22% dos trabalhadores encontrados em situação análoga à escravidão no país são maranhenses. De 2003 a 2018, foram resgatados 8.119 trabalhadores nascidos no Maranhão em todo território nacional. Entre os municípios maranhenses com maior número de trabalhadores egressos estão Codó (357 pessoas), Açailândia (326), Pastos Bons (267), Imperatriz (230) e Santa Luzia (191).

O Sistema ONU no Brasil lembrou na quarta-feira (15) em Brasília (DF) o Dia Internacional contra a LGBTIfobia, ou IDAHOT na sigla em inglês. Foto: ONU Brasil

ONU realiza evento em Brasília (DF) para o Dia Internacional contra a LGBTIfobia

O Sistema ONU no Brasil, juntamente a missões diplomáticas e representantes de governos, academia e da sociedade civil, reuniram-se na quarta-feira (15) em Brasília (DF) para lembrar o Dia Internacional contra a LGBTIfobia, ou IDAHOT na sigla em inglês, cujo lema deste ano é “Justiça e Proteção para Todas”.

No evento, a campanha da ONU Livres & Iguais e parceiros lançaram o novo vídeo global sobre os direitos humanos das pessoas LGBTI, bem como o Manual de Replicação do Projeto Trans-Formação, iniciativa de formação de lideranças trans que já ocorreu duas vezes no Distrito Federal e agora acontece em Salvador (BA).

Jovens debateram a relação entre racismo e violência contra as juventudes negras. Foto: UNFPA Brasil/Fabiane Guimarães

UNFPA apoia campanha educacional de combate à violência contra juventude negra

O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) participou na quinta-feira (16) de evento de lançamento em Brasília (DF) do Projeto Onda, uma iniciativa do Instituto de Estudos Socioeconômicos (INESC) de conscientização nas escolas para a necessidade de enfrentamento ao racismo e violência contra a juventude negra.

“Existe um processo de tornar a morte dos jovens negros invisível. Entendendo o processo histórico, é possível perceber que persiste a ideia de que a morte de um jovem negro parece ser menos importante. Nenhum jovem deveria morrer. Todos e todas deveriam aproveitar ao máximo seu potencial, inclusive as juventudes negras”, disse a oficial de programa para gênero e raça do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), Raquel Quintiliano.

Vista de La Paz, Bolívia. Foto: Carakan/Flickr/CC

Bolívia precisa garantir que modelo de inclusão social seja economicamente sustentável, diz especialista

A Bolívia precisa garantir que seu modelo de inclusão social seja economicamente sustentável e defenda os direitos humanos, disse na quarta-feira (15) o especialista independente das Nações Unidas sobre dívida externa e direitos humanos, Juan Pablo Bohoslavsky.

“Mesmo que o governo tenha começado a fazer esforços em direção à diversificação econômica, isto foi adiado por muito tempo e prolongou a vulnerabilidade das receitas fiscais a fatores externos, como preços internacionais do petróleo”, disse o especialista em comunicado após visita de dez dias ao país. “O imposto base precisa ser ampliado para aumentar seu efeito redistributivo. A grande economia informal implica não só em receita perdida para o Estado, mas também uma falta de proteção social para todos aqueles que trabalham informalmente”.

O que são os Princípios de Empoderamento das Mulheres?

VÍDEO: O que são os Princípios de Empoderamento das Mulheres?

Pense no impacto de uma assinatura. Pense na magnitude de um movimento global. Pense na diferença que você pode fazer e no poder da mudança transformadora. Assinando os Princípios de Empoderamento das Mulheres, você pode estimular seus acionistas a impulsionar a mudança no local de trabalho, no mercado e na comunidade, por meio de uma estrutura de trabalho de sete princípios.

Promovido pela ONU Mulheres e pelo Pacto Global da ONU, os Princípios de Empoderamento das Mulheres são um roteiro para a sustentabilidade, inovação e produtividade das empresas.

Não perca a oportunidade de causar um impacto duradouro nos seus funcionários, fornecedores, clientes e investidores. Una-se a empresas líderes que já estão na jornada para criar sustentabilidade e crescimento. Comprometa-se com os Princípios de Empoderamento das Mulheres e aproveite o momento para sua organização aderir.

Trabalhador de serviço de entrega de comida. Foto: Flickr/wan mohd (CC)

CEPAL: plataformas digitais e informalidade ameaçam condições de trabalho na América Latina

A expansão do trabalho por conta própria, o surgimento de novas formas de trabalho intermediadas por plataformas digitais e, em vários países, uma maior informalidade do emprego assalariado, são indicadores de novos retrocessos no cumprimento do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) número 8 da Agenda 2030. Esse ODS busca promover o crescimento econômico sustentado, inclusivo e sustentável, o emprego pleno e produtivo e o trabalho decente para todos.

Essa é a conclusão da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) e da Organização Internacional do Trabalho (OIT), em nova edição de sua publicação conjunta “Conjuntura Laboral na América Latina e no Caribe” (N⁰ 20, maio de 2019), publicada nesta quarta-feira (15).

De importância particular são as questões que envolvem o acesso à luz elétrica, como um meio de melhorar o padrão de vida em países em desenvolvimento, segundo a UNESCO. Foto: EBC

UNESCO lembra importância da luz para as artes e o pensamento científico

Em mensagem para o Dia Internacional da Luz, 16 de maio, a diretora-geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), Audrey Azoulay, disse que a luz e seu tratamento são elementos essenciais das artes visuais e performáticas, da literatura e do pensamento humano.

“Do nascimento do universo à criação de todas as espécies de novas tecnologias, dos raios-X às ondas de rádio, em campos tão diversos como medicina, agricultura, energia, óptica e inúmeros outros, a luz moldou – e continua a moldar – o nosso mundo. Ao entender a luz, nós somos capazes de alcançar o maior progresso científico e tecnológico.”

A jogadora brasileira Marta. Foto: ONU Mulheres/Ryan Brown

Secretário-geral da ONU nomeia jogadora Marta como defensora dos objetivos globais

O secretário-geral da ONU, António Guterres, anunciou na quinta-feira (9) a nomeação da jogadora de futebol Marta Vieira da Silva como uma das novas defensoras dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) para 2019-2020.

A jogadora brasileira está entre as 17 personalidades públicas encarregadas pelo secretário-geral das Nações Unidas de promover os ODS, aumentar a conscientização com novos públicos, manter o compromisso global e pedir maior ambição e ação em escala para alcançar os objetivos globais até 2030.

Jovens em espaço apoiado pelo UNFPA utilizam aplicativo que divulga informações sobre saúde sexual e reprodutiva. Foto: UNFPA Maldivas/Tatiana Almeida

UNFPA destaca avanços e desafios em saúde sexual e reprodutiva nos últimos 25 anos

Muitos avanços em saúde sexual e reprodutiva foram alcançados no Brasil e no mundo desde a Conferência Internacional sobre Desenvolvimento e População (CIPD), realizada no Cairo há 25 anos. No entanto, um longo caminho ainda precisa ser trilhado.

O foco nos direitos humanos, a busca por igualdade de gênero e o acesso universal a serviços públicos devem continuar a nortear as ações de governos e da sociedade civil, concluiu o representante do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) no Brasil, Jaime Nadal, durante debate na Universidade de Brasília (UnB) esta semana.

A CIPD foi realizada na capital egípcia em 1994 e representou um marco histórico e uma mudança de paradigma na abordagem global sobre os temas de população e desenvolvimento. Se antes os objetivos eram exclusivamente demográficos, após a conferência o foco se tornou a promoção dos direitos humanos, com ênfase no exercício dos direitos reprodutivos e na autonomia das escolhas individuais. O ano de 2019 marca o 25º aniversário da Conferência, cujo documento foi pactuado por 179 países.

Foto: UNIC Rio/Arthur Bomfim

Centro da ONU promove cine-debate no Rio sobre consequências da escravidão

O Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio) realizou na terça-feira (7) no Palácio Itamaraty, no Rio de Janeiro, um cine-debate sobre a história do tráfico de pessoas escravizadas e as consequências da escravidão para a formação da sociedade brasileira.

Após a exibição do filme “1620-1789: Do Açúcar à Revolta”, um dos episódios da série documental “Rotas da Escravidão”, palestrantes convidados participaram de uma mesa e de uma rodada de perguntas do público de cerca de 120 pessoas.

“O objetivo do cine-debate é preservar a memória, os efeitos históricos do tráfico de pessoas escravizadas, e discutir as conexões entre escravidão, desigualdade racial, étnica e social que ainda existem na sociedade brasileira”, afirmou Rachel Quintiliano, oficial do Programa para Gênero, Raça e Comunicação do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA). “Ou seja, olhar o passado e fazer uma conexão sobre o cenário atual.”