Arquivo da tag: Redução das desigualdades

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU número 10 diz: “Reduzir a desigualdade dentro dos países e entre eles”.

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU número 10 diz: “Reduzir a desigualdade dentro dos países e entre eles”.

 

Mais sobre este ODS em https://nacoesunidas.org/pos2015/ods10 e notícias sobre o tema abaixo.

Motivada pelo sonho de menina e com o apoio incondicional de pessoas próximas, Betânia hoje é um dos 7.305 estudantes matriculados em uma das 53 escolas da Rede Municipal de Ensino de Maceió que oferece a Educação de Jovens, Adultos e Idosos (EJAI). Foto: PNUD/Thiago Guimarães

Alagoana de 54 anos aprende a ler e escrever em Maceió

Motivada pelo sonho de um dia aprender a ler e escrever, a alagoana Maria Betânia da Silva, de 54 anos, hoje é um dos mais de 7 mil estudantes matriculados nas escolas da Rede Municipal de Ensino de Maceió que oferece a Educação de Jovens, Adultos e Idosos (EJAI).

Tendo em vista experiências como a de Maria Betânia, a Secretaria Municipal de Educação de Maceió e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) realizam na quinta-feira (13) na cidade o encontro “Reflexões sobre Trabalho e Educação de Jovens, Adultos e Idosos”.

No Líbano, dois irmãos refugiados sírios estão desafiando sua deficiência visual e tendo sucesso na escola. Alaa usa um celular antigo para escrever: “Comecei a aprender as letras. Eu me concentrei nas letras. No começo, apertava uma tecla e ele me dizia o que era, depois duas letras, depois três. Foi assim que comecei a escrever palavras, frases e textos completos”. Confira nesse vídeo do ACNUR, a Agência das Nações Unidas para Refugiados.

No Líbano, dois irmãos sírios desafiam deficiência visual pela educação

No Líbano, dois irmãos refugiados sírios estão desafiando sua deficiência visual e tendo sucesso na escola. Alaa usa um celular antigo para escrever: “Comecei a aprender as letras. Eu me concentrei nas letras. No começo, apertava uma tecla e ele me dizia o que era, depois duas letras, depois três. Foi assim que comecei a escrever palavras, frases e textos completos”. Confira nesse vídeo do ACNUR, a Agência das Nações Unidas para Refugiados.

Com o diagnóstico, órgãos públicos estaduais, organizações do setor privado e da sociedade civil poderão identificar prioridades locais e direcionar as políticas com foco no cumprimento das metas dos ODS. Foto: Paula Mariane

Relatório aponta desafios para desenvolvimento sustentável do Piauí

Identificar, por meio de uma base de dados e de indicadores, os principais desafios do Piauí para a implementação da Agenda 2030 é o que se propõe o “Diagnóstico do Piauí à Luz dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável”, apresentado em Teresina na sexta-feira (7).

Resultado do “Projeto ODS Piauí”, parceria entre o governo do estado, Contour Global, Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), o diagnóstico servirá para medir o avanço de metas específicas da Agenda 2030.

No Rio, o "Vamos Nessa" capacitou cinco professores de jiu-jitsu da Geração UPP, projeto que leva técnicas e doutrina das artes marciais a jovens de comunidades por meio de policiais militares. Foto: UNODC

Festival da ONU no DF aborda papel do esporte na prevenção do crime e do uso de drogas

O Centro Olímpico de Samambaia, região administrativa do Distrito Federal, realiza no sábado (8) o Festival Vamos Nessa, que celebra a conclusão este ano das atividades do projeto do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) para prevenção ao crime juvenil por meio dos esportes.

Financiado pelo governo do Qatar, o programa “Vamos Nessa” visa à promoção do esporte para prevenir o crime e aumentar a resiliência dos jovens vivendo em situação de risco.

Torre Eiffel se ilumina de verde para comemorar a entrada em vigor do Acordo de Paris sobre Mudanças Climáticas. Foto registrada em novembro de 2016. Foto: Prefeitura de Paris/ Jean-Baptiste Gurliat

ONU defende cooperação da América Latina com França e Europa para promover desenvolvimento sustentável

Em conferência em Paris, o secretário-executivo adjunto da Comissão Econômica da ONU para a América Latina e o Caribe (CEPAL), Mario Cimoli, defendeu a cooperação da região com a França e a Europa como forma de promover desenvolvimento sustentável com igualdade. Dirigente alertou na quinta-feira (6) que o atual paradigma de crescimento das economias está fundamentado na maior falha de mercado da humanidade — as mudanças climáticas.

Sertão do Piauí. Foto: Flickr/Otavio Nogueira

Seminário em Teresina visa fortalecer desenvolvimento sustentável no Piauí

Representantes do Conselho Estadual de Desenvolvimento Sustentável do Piauí, de governos, da sociedade civil e do setor privado se reuniram na quarta-feira (5) em Teresina para o “Seminário sobre o Desenvolvimento Territorial e Agenda 2030 no estado”. O evento teve como foco o fortalecimento da sustentabilidade local, com base nos objetivos globais.

A iniciativa faz parte do projeto “ODS Piauí”, uma parceria entre o governo do estado, a empresa de geração de energia Contour Global, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Um grupo de membros da Comissão da ONU para os Direitos Humanos ensaia para a transmissão do programa de TV "Você e os Direitos Humanos" na sede provisória da ONU em Lake Success, Nova York. Da esquerda para a direita, Rene Cassin (França); P.C. Chang (China); Quincy How, da C.B.S. (Columbia Broadcasting Service, moderador); Eleanor Roosevelt, (EUA, presidente da Comissão); Charles Malik (Líbano) e E. Kelen da Rádio ONU, em 7 de junho de 1949. Foto: ONU

Artigo 17: Direito à propriedade

A Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH) foi adotada em 10 de dezembro de 1948. Para marcar o aniversário de 70 anos, nas próximas semanas, o Escritório do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos (ACNUDH) publicará textos informativos sobre cada um de seus artigos.

A série tentará mostrar aonde chegamos, até onde devemos ir e o que fazer para honrar aqueles que ajudaram a dar vida a tais aspirações.

Leia mais sobre o Artigo 17:

1. Todo ser humano tem direito à propriedade, individualmente ou em sociedade com outros.

2. Ninguém será arbitrariamente privado de sua propriedade.

Contraste entre as desigualdades no município do Rio de Janeiro. Foto: Luiz Gonçalves Martins - ODS 10

Relatores da ONU pedem ação contra desigualdades que ameaçam paz e segurança

Especialistas em direitos humanos das Nações Unidas emitiram na terça-feira (4) um pedido urgente para os países aumentarem seus esforços no combate à desigualdade econômica e à discriminação. Em comunicado marcando o 32º aniversário da Declaração sobre o Direito ao Desenvolvimento, lembrado em 4 de dezembro, os especialistas destacaram a necessidade crítica de promover sociedades menos desiguais e de melhorar a igualdade de oportunidades dentro e entre nações.

Os relatores lembraram que, atualmente, vivemos em um mundo mais rico, mas também mais desigual. Direitos sociais e econômicos estão sendo negados para muitas pessoas no mundo todo, incluindo 800 milhões que ainda vivem na extrema pobreza. A desigualdade de renda está em crescimento, com os 10% mais ricos da população recebendo até 40% da renda total global.

O estudo do IPEA faz parte de uma pesquisa regional intitulada "Millennials na América Latina e no Caribe: trabalhar ou estudar", que entrevistou mais de 15 mil jovens entre 15 e 24 anos, em nove países da região da América Latina e do Caribe. Foto: EBC

Estudo mostra que 23% dos jovens brasileiros não trabalham nem estudam

Cerca de 23% dos jovens brasileiros não trabalham nem estudam, um dos maiores percentuais entre os países da região da América Latina e do Caribe, segundo pesquisa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) divulgada na segunda-feira (3) e que teve apoio operacional do Centro Internacional de Políticas para o Crescimento Inclusivo (IPC-IG), vinculado às Nações Unidas.

A pesquisa refuta a ideia de que esses jovens sejam improdutivos, destacando que 31% deles, principalmente homens, estão à procura de trabalho, e mais da metade, 64%, dedicam-se a trabalhos de cuidado doméstico e familiar, o que ocorre principalmente entre as mulheres.

Realizada à margem da 46ª sessão do Conselho de Desenvolvimento Industrial, a sessão foi organizada em conjunto pela UNIDO, o Comitê Organizador da GMIS e a Missão Permanente da Rússia. Foto: UNIDO

Reunião em Viena discute impactos do avanço tecnológico na indústria global

Oficiais de missões permanentes credenciadas na Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (UNIDO) e representantes do setor privado reuniram-se em Viena na semana passada (27) para sessão informativa sobre a Cúpula Global de Produção e Industrialização (GMIS, na sigla em inglês), que ocorrerá em julho de 2019 na Rússia. A reunião teve como objetivo discutir formas de impulsionar mudanças transformadoras na indústria global.

O vice-diretor-geral da UNIDO, Hiroshi Kuniyoshi, abriu a sessão, observando que “atualmente, estamos vendo uma crescente convergência de indústrias digitais e manufatureiras”. “Tecnologias e processos de fabricação avançados, como impressão 3D, inteligência artificial, robótica avançada, tecnologias vestíveis e a Internet das Coisas, vão revolucionar a indústria em escala global”, declarou.

Coletiva de imprensa com o secretário-geral da ONU, António Guterres, na sede da Organização em Nova York em de novembro de 2018. Foto: ONU/Rick Bajornas

Mundo precisa de liderança global intensificada, diz Guterres

Às vésperas do fórum internacional do G20 na Argentina e antes da conferência sobre o clima COP24 na semana que vem em Katowice, na Polônia, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, pediu uma liderança global intensificada, em um momento de queda da confiança internacionalmente.

Em briefing à imprensa na quarta-feira (28), Guterres disse que os encontros acontecem em um momento crucial.

“Nosso mundo está obviamente enfrentando uma crise de confiança. Aqueles deixados para trás pela globalização estão perdendo confiança em governos e em instituições”, disse a jornalistas na sede da ONU em Nova York.

Exposição sobre o Mais Médicos na Faculdade de Ciências da Saúde da UnB. Foto: Unb

OPAS lança relatório apontando importância de atenção primária de saúde no Brasil

A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) lançou na terça-feira (27) a versão final do relatório “30 anos de SUS – Que SUS para 2030?”. O documento apresenta uma série de evidências que mostram como o programa Mais Médicos, criado em 2013 pelo governo do Brasil, aumentou o acesso da população brasileira à saúde.

O relatório aponta que a Estratégia de Saúde da Família tem sido o principal mecanismo para induzir a expansão da cobertura de atenção primária de saúde. Esse modelo apresenta melhores resultados quanto à ampliação do acesso ao sistema de saúde e em indicadores como diminuição de internações e redução da mortalidade infantil, materna e por causas preveníveis.

Nildo Muniz, bailarino e policial, trabalha em prol de crianças no Rio de Janeiro, com apoio de um projeto das Nações Unidas. Ele promove a socialização de crianças e adolescentes no Centro Esportivo Miécimo da Silva, em Campo Grande, na zona oeste da cidade. Realizada pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime, #UNODC, a campanha “Escolha o Esporte” — #ChooseSport, no original em inglês — apresenta histórias de treinadores, professores e jovens brasileiros que tiveram sua vida transformada pela prática de atividades esportivas.

Com apoio da ONU, bailarino e policial trabalha em prol de crianças no Rio de Janeiro; vídeo

Nildo Muniz, bailarino e policial, trabalha em prol de crianças no Rio de Janeiro, com apoio de um projeto das Nações Unidas. Ele promove a socialização de crianças e adolescentes no Centro Esportivo Miécimo da Silva, em Campo Grande, na zona oeste da cidade.

Realizada pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC), a campanha “Escolha o Esporte” — #ChooseSport, no original em inglês — apresenta histórias de treinadores, professores e jovens brasileiros que tiveram sua vida transformada pela prática de atividades esportivas.

Relatório da OIT indicou que mulheres recebem 20% menos que os homens, exercendo as mesmas funções. Foto: OIT/Marcel Crozet

OIT: salários crescem mais nos países em desenvolvimento, mas desigualdades permanecem

Os salários cresceram mais nos países em desenvolvimento no ano passado, mas permaneceram bem abaixo do nível salarial das nações desenvolvidas, disse a Organização Internacional do Trabalho (OIT) em relatório publicado na segunda-feira (26).

“Parece uma boa notícia, porque todos nós queremos ver uma convergência (entre os salários nos países) no mundo. Mas não podemos exagerar, porque as desigualdades ainda são muito grandes. Frequentemente, o nível salarial não é suficiente para as pessoas atenderem suas necessidades básicas”, disse o diretor-geral da OIT, Guy Rider.

Participantes da conferência sobre o estado da democracia na América Latina, realizada na sede da CEPAL em Santiago, no Chile. Foto: CEPAL/Carlos Vera

Ex-presidentes de Chile, Costa Rica e Uruguai abordam desafios da democracia na América Latina

O crescente desencanto e a insatisfação dos cidadãos com a política, as novas tecnologias que mudam a forma de exercer o poder e a renovação e capacidade de adaptação de instituições como os partidos políticos são alguns dos principais temas que definirão o futuro da democracia na América Latina, destacaram na segunda-feira (26) os ex-presidentes Ricardo Lagos, do Chile, Laura Chinchilla, da Costa Rica, e Luis Alberto Lacalle, do Uruguai, durante conferência internacional na sede da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), em Santiago.

O Pró-Semiárido é um projeto de desenvolvimento regional, atuante em 32 municípios com mais baixo índices de pobreza do semiárido baiano. Foto: EBC

Comunidades do semiárido baiano recebem missão do FIDA para avaliação do Pró-Semiárido

Comunidades quilombolas, de fundo de pasto, reassentadas e acampadas no meio rural do semiárido baiano receberam na terça-feira (20) representantes do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA). A visita ocorreu em meio à missão de avaliação de meio termo do Pró-Semiárido, projeto executado pela Secretaria Estadual de Desenvolvimento Rural por meio da Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR).

O diretor de cooperação técnica da Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (UNIDO), Philippe Scholtès (direita), ao lado do ministro das Relações Exteriores do Brasil, Aloysio Nunes Ferreira. Foto: UNIDO

UNIDO participa de evento em Brasília sobre desenvolvimento tecnológico nos BRICs

O diretor de cooperação técnica da Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (UNIDO), Philippe Scholtès, participou nesta semana (22) de seminário em Brasília (DF) sobre inovação e parques científicos dos países dos BRICS — grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.

O Seminário Internacional sobre Diplomacia da Ciência foi organizado por parceria entre Ministério das Relações Exteriores e Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicação. Reuniu gestores públicos, acadêmicos e especialistas do setor privado, assim como cientistas e gestores de parques tecnológicos, incubadoras e aceleradoras dos países dos BRICs.

O evento discutiu o papel dessas instituições no impulso ao desenvolvimento sustentável e às novas tecnologias, identificando os principais obstáculos para incentivar a cooperação entre os sistemas de inovação dos países do grupo.

A ONU Brasil, em parceria com a Frente Nacional de Prefeitos e a Prefeitura de Recife, realizou o primeiro seminário “Vidas Negras: diálogos sobre ações governamentais de enfrentamento à violência contra as juventudes”. Foto: UNFPA Brasil/Thais Rodrigues

Gestores públicos, ONU e sociedade civil discutem em Recife violência contra juventude negra

Uma pessoa negra entre 15 e 19 anos tem hoje três vezes mais chance de ser assassinada do que uma pessoa branca na mesma faixa etária no país. Pesquisas recentes mostram que este fenômeno também se distribui de forma desigual pelos municípios brasileiros. Em 2015, 111 municípios — ou seja, 2% do total — responderam por metade dos homicídios.

Os dados demonstram que o enfrentamento à violência no Brasil merece atenção de gestoras e gestores públicos. Pensando nisso, a ONU Brasil, em parceria com a Frente Nacional de Prefeitos e a Prefeitura de Recife, realizou esta semana na capital pernambucana o primeiro seminário “Vidas Negras: diálogos sobre ações governamentais de enfrentamento à violência contra as juventudes”.

Ao longo da programação, os participantes de sete painéis discutirão o papel da inovação e da tecnologia no desenvolvimento sustentável. Foto: PEXELS

Rio receberá 1° Fórum Global de Inovação e Tecnologia em Sustentabilidade

O Centro Mundial para o Desenvolvimento Sustentável (Centro RIO+), do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), realiza no Rio de Janeiro na semana que vem (28 e 29) o 1° Fórum Global de Inovação e Tecnologia em Sustentabilidade (FITS).

Nos dois dias do evento, realizado com o Centro Global de Inovação e Tecnologia em Sustentabilidade, em parceria com o Museu do Amanhã, especialistas discutirão o papel da inovação e da tecnologia no desenvolvimento sustentável.

No aniversário de 40 anos da Declaração, em 1988, cinco pessoas são homenageadas pela Assembleia Geral por sua contribuição para a promoção e proteção dos direitos humanos. O prêmio foi entregue pelo então secretário-geral da ONU, Javier Perez de Cuellar (3º, da esq. para a dir.). Os homenageados foram ativistas anti-apartheid Winnie e Nelson Mandela; o ativista canadense dos direitos humanos John Humphrey (4º, da esq. para a dir.); o jurista e acadêmico polonês Adam Lopatka (2º, da esq. para a dir.) e Murlidhar Devidas Amte, um ativista indiano dos direitos das pessoas com deficiência. Foto: ONU/Yutaka Nagata

Artigo 8: Direito à reparação

A Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH) foi adotada em 10 de dezembro de 1948. Para marcar o aniversário de 70 anos, nas próximas semanas, o Escritório do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos (ACNUDH) publicará textos informativos sobre cada um de seus artigos.

A série tentará mostrar aonde chegamos, até onde devemos ir e o que fazer para honrar aqueles que ajudaram a dar vida a tais aspirações.

Leia mais sobre o Artigo 8: Todo ser humano tem direito a receber dos tribunais nacionais competentes remédio efetivo para os atos que violem os direitos fundamentais que lhe sejam reconhecidos pela constituição ou pela lei.

Anna Cunha, oficial de programa do UNFPA no Brasil. Foto: UNFPA/Webert da Cruz

Seminário em Brasília chama a atenção para pessoas em situação de rua

A autonomia e a transformação social de pessoas que vivem em situação de rua foram tema de seminário realizado esta semana, em Brasília (DF). Promovido por Revista Traços, Universidade de Brasília (UnB) e Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), o evento contou com o apoio e participação do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA).

No evento, o UNFPA levou para o debate a campanha da ONU Brasil Vidas Negras, que defende o fim da violência contra a juventude negra no país e lembra a importância do enfrentamento ao racismo.

Jefferson, de 18 anos, da Venezuela (à direita), trabalha no McDonald’s em São Paulo, Brasil. Foto: ACNUR/Miguel Pachioni.

Solicitantes de refúgio venezuelanos fortalecem mercado de trabalho brasileiro

Iniciativas inovadoras criadas no Brasil pelo setor público — envolvendo governo federal, estados e municípios, em colaboração com empresas, Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) e parceiros locais — estão promovendo o acesso ao mercado de trabalho para refugiados e migrantes venezuelanos em diversos setores econômicos, como indústria, serviços, varejo, construção e agricultura.

Desde 2015, 3 milhões de pessoas deixaram a Venezuela. Até o momento, mais de 150 mil venezuelanos entraram no Brasil por Roraima, estado localizado no norte do país, e mais de 75 mil solicitaram refúgio.

Meninas fazem lição de casa em frente a tenda em campo de refugiados sírios no oeste de Erbil, no Iraque. Foto: UNICEF/Romenzi

Crianças migrantes e refugiadas do mundo estão sendo excluídas da educação, diz relatório

Crianças migrantes e refugiadas enfrentam duras dificuldades para frequentar escolas e acessar a educação, revelou novo relatório das Nações Unidas divulgado na terça-feira (20), que destacou também falhas estruturais nos sistemas nacionais de ensino, que muitas vezes excluem crianças em situação de deslocamento.

Segundo a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), fatores como escolas não certificadas, idioma diferente e recursos limitados estão mantendo crianças refugiadas e migrantes longe do aprendizado e de perspectivas de um futuro melhor.

“O direito dessas crianças à educação de qualidade, mesmo que cada vez mais reconhecido no papel, é desafiado diariamente em salas de aula e negado por alguns governos”, disse a agência da ONU em comunicado à imprensa, anunciando seu novo Relatório Global de Monitoramento da Educação.

Jovens negros são as principais vítimas e estão em situação de maior vulnerabilidade à violência no Brasil. Foto: EBC

Articulado pelo UNICEF, comitê de prevenção a homicídios de jovens será lançado em Salvador

Será lançado em Salvador (BA) nesta quarta-feira (21) o Comitê de Prevenção de Homicídios de Crianças, Adolescentes e Jovens.

Articulado pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), o comitê será instituído formalmente pelo Ministério Público do Estado da Bahia e será liderado por um grupo gestor composto por 13 instituições.

Somente na capital baiana, 260 meninos e meninas com idades entre 10 e 19 anos foram assassinados em 2016. Desse total, 237 eram negros, representando 91% do total de adolescentes assassinados.

Menina de 10 anos dorme em cama protegida por rede contra mosquitos esburacada em Maganja da Costa, Moçambique. Foto: UNICEF/Chris Steele-Perkins

OMS lança plano de ação em meio ao aumento dos casos de malária no mundo

As metas para reduzir os índices globais de infecções e mortes por malária não estão sendo cumpridas, afirmou a Organização Mundial da Saúde (OMS) na edição de 2018 de seu relatório sobre a doença, divulgado nesta segunda-feira (19).

Em resposta, a OMS e seus parceiros lançaram um plano liderado por países com objetivo de aumentar prevenção, tratamento e investimentos para proteger pessoas vulneráveis, retomando reduções em casos e mortes por malária.

Estudos mostram que a cor da pele é componente central na estruturação das desigualdades no Brasil, afetando o acesso ao emprego e a maiores níveis de desenvolvimento. No país, negros vivem, estudam e ganham menos do que brancos. Foto: Agência Brasil/Valter Campanato

Pacto Global discute racismo na sociedade e no mercado de trabalho brasileiros

Seminário “Abolição: 130 anos depois”, promovido pela Rede Brasil do Pacto Global da ONU e pelo governo do estado de São Paulo, discutiu os efeitos do racismo ainda presente na sociedade brasileira.

O evento debateu ainda o papel do setor privado nesse contexto. Segundo estudo de ONU Mulheres, Instituto Ethos e Organização Internacional do Trabalho (OIT), menos de 5% dos executivos de empresas brasileiras são afrodescendentes e, destes, apenas 0,4% são mulheres negras.

O GEM 2019 analisa o impacto da movimentação de pessoas nos sistemas educacionais e mostra que milhões de crianças refugiadas em todo o mundo não têm acesso à educação. Foto: PMA

UNESCO divulga relatório sobre impactos da migração nos sistemas educacionais

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) lançará em Berlim, na Alemanha, na terça-feira (20), o Relatório de Monitoramento Global da Educação 2019, cujo tema deste ano é “Migração, deslocamento e educação: construir pontes, não muros”.

No Brasil, o documento será apresentado ao público no dia seguinte (21), no Memorial da América Latina, em São Paulo, SP, das 13h30 às 17h30.

ONU promove diálogo com gestores municipais sobre enfrentamento à violência contra juventude negra

A ONU Brasil, a Frente Nacional de Prefeitos e a Prefeitura Municipal de Recife promovem nos dias 21 e 22 de novembro na Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP) o seminário “Vidas Negras: diálogos sobre ações governamentais de enfrentamento à violência contra as juventudes”.

O objetivo do seminário é criar uma plataforma de diálogo, inaugurando um fórum no qual administradores e administradoras públicas, observatórios de políticas e programas, institutos de pesquisa e sociedade civil, possam trocar informações sobre boas práticas, adaptando-as aos seus respectivos contextos locais.

O ACNUR, Agência da ONU para Refugiados, trabalha para garantir a proteção dos refugiados e busca soluções que os permitam reconstruir suas vidas. Foto: ACNUR

Agência da ONU desmistifica sete mitos sobre refugiados e solicitantes de refúgio

Enquanto o mundo testemunha um dos maiores níveis de deslocamento já registrados na história — com 68 milhões de refugiados e deslocados internos globalmente —, a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) desmistifica sete mitos sobre essa população.

Refugiados são pessoas que foram forçadas a fugir de seu país de origem por sofrer perseguição individualizada — motivada por elementos de raça, religião, nacionalidade, opinião política ou pertencimento a determinado grupo social — e/ou para escapar de situações de grave violação de direitos humanos, como conflitos armados e guerras civis.

O ACNUR trabalha para garantir a proteção dos refugiados e busca soluções para que eles possam reconstruir suas vidas. Leia o texto completo.

Homem em situação de rua em Londres. Foto: Flickr/James Delaney (CC)

Brexit representa risco maior para pobres britânicos, diz relator da ONU

As políticas do governo britânico e os cortes drásticos na proteção social estão gerando grandes níveis de pobreza e provocando miséria desnecessária em um dos países mais ricos do mundo, disse nesta sexta-feira (16) um especialista das Nações Unidas em direitos humanos.

“A saída iminente do Reino Unido da União Europeia apresenta um risco particular para pessoas na pobreza, mas o governo aparenta estar tratando isso como secundário”, disse o relator especial da ONU sobre extrema pobreza e direitos humanos, Philip Alston, no final de uma visita de 12 dias ao país.

Crianças numa escola do Bronx, em Nova Iorque. Foto: ONU/Marcia Weistein

Em dia mundial, UNESCO defende diversidade e faz apelo contra racismo e discriminação

Em mensagem para o Dia Internacional da Tolerância, celebrado nesta sexta-feira (16), a diretora-geral da UNESCO, Audrey Azoulay, enfatizou que a tolerância não é apenas uma virtude moral, mas também um princípio político, capaz de orientar as sociedades na luta contra o racismo e outras formas de discriminação. Dirigente enfatizou que a diversidade faz parte da humanidade e é uma força do desenvolvimento.

Coalizão defende visão mais ampla sobre redução de danos no uso de drogas injetáveis

A Coalizão sobre Redução de Danos (Harm Reduction Coalition) — uma organização norte-americana de ativismo e capacitação que trabalha para promover a saúde e a dignidade de pessoas e comunidades afetadas pelo uso de drogas — realizou a 12ª Conferência Nacional sobre Redução de Danos, em Nova Orleans, de 18 a 21 de outubro.

Na ocasião, os participantes ouviram a demanda por uma redução de danos mais ampla, que vá além da prevenção e da redução de riscos, incluindo estratégias para abordar trauma, divisão social, injustiças e desigualdades.

“Não podemos acabar com a AIDS no mundo se não acabarmos com a AIDS entre pessoas que usam drogas injetáveis. O UNAIDS está comprometido com a redução de danos. Redução de danos funciona. Redução de danos é capaz de salvar vidas,” disse Ninan Varughese, assessor sênior do UNAIDS, presente no encontro.

Na Cidade do México, uma instalação artística representa mulheres mortas por crimes de feminicídio. Foto: ONU Mulheres/Dzilam Mendez

CEPAL: 2,7 mil mulheres foram vítimas de feminicídio na América Latina e Caribe em 2017

Ao menos 2.795 mulheres foram assassinadas em 2017 por razões de gênero em 23 países da América Latina e do Caribe, segundo dados oficiais compilados pelo observatório de igualdade de gênero da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL).

Em termos absolutos, a lista de feminicídios é liderada pelo Brasil (com 1.133 vítimas confirmadas em 2017). No entanto, se for comparada a taxa para cada 100 mil mulheres, o fenômeno alcança uma extensão em El Salvador sem paralelos com outros países da região — 10,2 feminicídios para cada 100 mil mulheres.

Refugiada síria, Lucia Loxca recebe seu diploma em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal do Paraná. Foto: Grupo MARIOS/Divulgação.

UFPR terá processo seletivo com 10 vagas suplementares para refugiados e migrantes

O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) da Universidade Federal do Paraná (UFPR) aprovou na sexta-feira (9) por unanimidade resolução que prevê a criação de um processo anual de seleção para pessoas refugiadas e migrantes com visto humanitário que desejem cursar graduação na instituição.

Em 2013, a UFPR firmou termo de parceria com a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) para a implementação da Cátedra Sérgio Vieira de Mello. No ano seguinte, teve início o Programa de Extensão e Pesquisa “Política Migratória e Universidade Brasileira”, com a finalidade de desenvolver políticas de acolhimento e de inserção de pessoas refugiadas e migrantes nos cursos de graduação e pós-graduação, atuando também no processo de revalidação de diplomas de estrangeiros.

Chefe da Comissão para os Direitos Humanos, Eleanor Roosevelt (direita), com Hansa Mehta, representante da Índia, em 1º de junho de 1949. Foto: ONU/Marvin Bolotsky

Artigo 1: Todos os seres humanos nascem livres e iguais

A Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH) foi adotada em 10 de dezembro de 1948. Para marcar o aniversário de 70 anos, nas próximas semanas, o Escritório do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos (ACNUDH) publicará textos informativos sobre cada um de seus artigos. A série tentará mostrar até onde chegamos, até onde devemos ir e o que fazer para honrar aqueles que ajudaram a dar vida a tais aspirações.

Leia mais sobre o Artigo 1: Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São dotados de razão e consciência e devem agir em relação uns aos outros com espírito de fraternidade.

Secretário-geral da ONU, António Guterres, no primeiro Fórum de Paris sobre a Paz, em 11 de novembro de 2018. Foto: UNESCO/Luis Abad

No centenário do fim da Primeira Guerra Mundial, ONU lembra importância do multilateralismo

De conflitos e crises econômicas a doenças e mudança climática, problemas globais exigem “mais do que nunca” um fortalecimento da cooperação internacional, disse o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, a líderes mundiais no domingo (11) no Fórum de Paris sobre a Paz, marcando o centenário do fim da Primeira Guerra Mundial.

Destacando que cooperação internacional – ou “multilateralismo” – se tornou uma “necessidade”, Guterres observou que países trabalhando juntos “geraram resultados incontestáveis”, incluindo redução da mortalidade infantil e extrema pobreza durante as últimas décadas; batalhas importantes vencidas contra ameaças à saúde pública, como varíola, pólio e AIDS; e diversos esforços de sucesso na prevenção de conflitos e construção da paz.