Arquivo da tag: Infância & Adolescência

Confira neste espaço todas as informações sobre o tema.

Abertura oficial da 5ª Semana do Bebê do Recife aconteceu na segunda-feira (20), no Teatro Santa Isabel. Foco é na necessidade de investir no desenvolvimento das crianças entre zero e seis anos. Foto: Andréa Rêgo Barros/PCR

Com apoio do UNICEF, 5ª Semana do Bebê do Recife realiza mais de 1.100 atividades

Com mais de 1.100 atividades programadas até o próximo domingo (26), a 5ª Semana do Bebê do Recife – uma parceria entre a Prefeitura do Recife e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) – começou com uma grande estratégia de mobilização social em diversos pontos da capital pernambucana.

Apresentando o tema “Alimentar o presente é cuidar do futuro”, a iniciativa aborda a questão da alimentação saudável, mas também a importância do afeto e de se priorizar o desenvolvimento das crianças de até 6 anos, na chamada primeira infância.

A REMS foi fundada em 2007 por um grupo de organizações da sociedade civil, em parceria com a Nike e o PNUD. Foto: PNUD

Fórum em SC debate políticas públicas de esporte para o desenvolvimento humano

A Rede Esporte pela Mudança Social (REMS), em parceria com a fabricante de artigos esportivos Nike e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), realiza na quinta-feira (23) o fórum “O Esporte que Queremos”, em Florianópolis (SC).

O evento integra a programação do 23º Encontro Nacional de Membros da REMS. Participam representantes do governo, acadêmicos, organizações não governamentais e setor privado. A ideia é debater políticas públicas voltadas ao esporte para a mudança social.

A REMS foi fundada em 2007 por um grupo de organizações da sociedade civil, em parceria com a Nike e o PNUD, e reúne atualmente 116 instituições que utilizam o esporte como fator de desenvolvimento humano. A rede é formada por mais de 10 mil funcionários e voluntários, que levam o esporte e a atividade física a mais de 400 mil pessoas por ano em 20 estados.

UNFPA e ITAIPU realizam encontros em 16 municípios do oeste do Paraná

Desde abril, uma equipe do projeto Prevenção e Redução da Gravidez Não Intencional na Adolescência nos Municípios do Oeste do Paraná realiza uma série de visitas a cidades da região. A ação faz parte das atividades previstas na parceria firmada entre Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) e ITAIPU Binacional, e tem como objetivo aproximação da gestão municipal, mobilização de profissionais e identificação de pontos focais nos 51 municípios integrantes.

Deslocada desde 2012, família síria volta para casa e encontra antigo bairro em ruínas

Após anos de deslocamento, o menino sírio Abdelmalik, de 12 anos, e sua família voltaram a viver em Al-Qusour, uma região em Homs que já foi um vibrante bairro residencial. Seu pai, Jihad, de 44 anos, morava no local havia décadas, desde que era menino.

Mas os combates violentos esvaziaram essa parte da cidade, e há poucos sinais de vida atualmente. Das mais de 100 famílias que moravam na região antes da guerra, apenas meia dúzia retornou. O relato é da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR).

Enfermeiras e médicas avaliam o estado de saúde de um bebê prematuro em Bogotá, na Colômbia. Foto: OPAS

Países avançam na eliminação da transmissão vertical de HIV, sífilis, hepatite B e doença de Chagas

Países da América Latina e do Caribe estão avançando em direção à eliminação da transmissão vertical de HIV, sífilis, hepatite B e doença de Chagas, mas os progressos têm sido desiguais, de acordo com um novo relatório da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS).

Em 2017, 20 países e territórios das Américas relataram dados que indicam a eliminação da transmissão vertical do HIV; sete receberam a validação da Organização Mundial da Saúde (OMS). No entanto, estima-se que, a cada ano, 3,5 mil crianças nasçam com HIV ou contraiam o vírus de suas mães na América Latina e no Caribe.

A série de animações “Crimes em julgamento”, do Tribunal Penal Internacional (TPI), conta histórias de sobreviventes de alguns dos piores crimes do mundo – incluindo genocídio, assassinato, estupro, uso de crianças-soldado, ataques a tropas de paz e muito mais. Nesse vídeo, uma ex-criança-soldado conta como foi capturada e forçada a cometer crimes, bem como os desafios que enfrenta ainda hoje. As animações são de Rosalie Loncin.

‘Quero começar minha vida novamente’: usar crianças-soldado é crime

A série de animações “Crimes em julgamento”, do Tribunal Penal Internacional (TPI), conta histórias de sobreviventes de alguns dos piores crimes do mundo – incluindo genocídio, assassinato, estupro, uso de crianças-soldado, ataques a tropas de paz e muito mais.

Nesse vídeo, uma ex-criança-soldado conta como foi capturada e forçada a cometer crimes, bem como os desafios que enfrenta ainda hoje. As animações são de Rosalie Loncin.

Funcionários do ACNUR conversam com iemenitas na província de Hajjah em março de 2019. Foto: ACNUR/Rashed Al Dubai

Mais de 15 milhões de crianças precisam de ajuda no Iêmen, alerta UNICEF

Mais de 15 milhões de crianças estão precisando de ajuda humanitária no Iêmen, disse na quarta-feira (15) o chefe do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) aos membros do Conselho de Segurança. Ele pediu ações para pôr fim aos quatro anos de conflito no país, que já matou ou feriu ao menos 7,3 mil crianças.

O coordenador humanitário das Nações Unidas, Mark Lowcock, disse a membros do Conselho de Segurança que 10 milhões de pessoas ainda precisam de assistência alimentar de emergência no Iêmen, enquanto o “espectro da fome ainda paira” sobre o país. A cólera afetou 300 mil apenas neste ano, comparado com 370 mil durante todo o ano de 2018.

Família camaronesa em colchonete improvisado ao ar livre no campo de refugiados de Agadom, em Ogoja, na Nigéria. Foto: ACNUR/Will Swanson

Refugiados camaroneses encontram dificuldades para recomeçar vida na Nigéria

Embates violentos entre militares de Camarões e separatistas armados já provocaram o deslocamento de aproximadamente 437 mil pessoas dentro das fronteiras do país e forçaram outras 35 mil pessoas a buscar refúgio na Nigéria.

Entre a população deslocada, a maioria é composta por mulheres e crianças advindas de áreas anglófonas. Elas estão tendo dificuldades para retomar suas vidas na Nigéria, devido à falta de espaço em abrigos e de escolas para as crianças. Leia o relato da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR).

Jovens debateram a relação entre racismo e violência contra as juventudes negras. Foto: UNFPA Brasil/Fabiane Guimarães

UNFPA apoia campanha educacional de combate à violência contra juventude negra

O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) participou na quinta-feira (16) de evento de lançamento em Brasília (DF) do Projeto Onda, uma iniciativa do Instituto de Estudos Socioeconômicos (INESC) de conscientização nas escolas para a necessidade de enfrentamento ao racismo e violência contra a juventude negra.

“Existe um processo de tornar a morte dos jovens negros invisível. Entendendo o processo histórico, é possível perceber que persiste a ideia de que a morte de um jovem negro parece ser menos importante. Nenhum jovem deveria morrer. Todos e todas deveriam aproveitar ao máximo seu potencial, inclusive as juventudes negras”, disse a oficial de programa para gênero e raça do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), Raquel Quintiliano.

Bebê em Papua Nova Guiné. Foto: UNICEF/Kate Holt

Países precisam investir mais para reduzir nascimento de bebês abaixo do peso, alerta ONU

Os países precisam investir e adotar mais ações para reduzir o número de bebês nascidos abaixo do peso ideal, uma vez que isso coloca a saúde dos recém-nascidos em risco, afirmou relatório divulgado na quarta-feira (15).

O documento, apoiado pelas Nações Unidas, mostrou que mais de 20 milhões de bebês nasceram em 2015 abaixo do peso. Além disso, 80% dos 2,5 milhões de recém-nascidos com peso baixo no mundo morrem todos os anos, porque são prematuros ou pequenos demais para a idade gestacional.

Um a cada sete bebês no mundo pesa menos de 2,5 quilos ao nascer, de acordo com dados mais recentes de 2015. O relatório Lancet Global Health foi desenvolvido por especialistas da Organização Mundial da Saúde (OMS), do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres.

Mobilização do governo, com apoio do UNICEF e da OMS, levou vacinas para mais de meio milhão de meninos e meninas moçambicanos. Foto: UNICEF

ONU apoia mobilização de saúde para levar vacinas e nutrição a crianças em Moçambique

Quase dois meses após a passagem do ciclone Idai por Moçambique, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e a Organização Mundial da Saúde (OMS) apoiaram o governo local, na semana passada, a realizar uma “semana de saúde” em resposta aos desafios vividos pela população. Iniciativa levou vacinas, remédios e suplementação alimentar para mais de meio milhão de meninos e meninas afetados pela tempestade tropical.

Chefe da ONU destaca quatro ações climáticas que devem ser tomadas pelos países

Em conversa nesta segunda-feira (13) com jovens das Ilhas do Pacífico na Nova Zelândia, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, afirmou que a “natureza não negocia” e enfatizou quatro medidas essenciais que governos devem priorizar para alcançar a neutralidade de carbono até 2050.

Reconhecendo o papel dos jovens para avançar ações climáticas no mundo todo, Guterres relembrou os presentes de que o “objetivo central é não ter mais de 1,5°C de aumento de temperatura no final do século”.

Quase 700 crianças, incluindo 106 meninas, foram libertadas das fileiras de um grupo armado chamado Força-Tarefa Civil Conjunta (CJTF), em Maiduguri, nordeste da Nigéria. Foto: UNICEF

Grupo armado liberta quase 900 crianças no nordeste da Nigéria

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) elogiou nesta sexta-feira (10) a decisão de um grupo armado do nordeste da Nigéria de libertar quase 900 crianças. Segundo a agência da ONU, os jovens libertados precisarão de ajuda de longo prazo para ter uma vida normal no futuro. A libertação é parte de um plano de ação liderado pelas Nações Unidas.

De acordo com a agência, as crianças “têm suportado o fardo de anos de conflito”, ligado a uma insurgência liderada por grupos extremistas armados da oposição.

Uma mãe rohingya atravessa um rio com seu filho no colo em busca de segurança em Bangladesh. Foto: ACNUR/Roger Arnold

ACNUR conta a história de 5 mães refugiadas que fizeram o impossível por seus filhos

Não importa de onde elas sejam, as mães refugiadas têm em comum uma força que nos impressiona e inspira. Apesar de terem fugido com medo e assustadas, elas encontraram dentro de si coragem para proteger seus filhos.

Cruzaram rios com seus filhos no colo sem saber nadar, caminharam por quilômetros sem saber aonde iam chegar, algumas abriram mão de suas vidas para priorizar a de seus filhos. Leia os relatos da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR).

FAO alerta: 70% das crianças que trabalham estão na agricultura; vídeo

FAO alerta: 70% das crianças que trabalham estão na agricultura; vídeo

O trabalho infantil é definido como o trabalho que é inapropriado na infância – ou, mais especificamente, o trabalho que afeta a educação de uma criança ou que pode prejudicar sua saúde, segurança ou moral.

Segundo a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), cerca de 70% de todas as crianças trabalhadoras estão na agricultura – pecuária, silvicultura, pesca ou aquicultura. Isso representa um aumento de 12%, ou 10 milhões de meninas e meninos, desde 2012.

Jovens em espaço apoiado pelo UNFPA utilizam aplicativo que divulga informações sobre saúde sexual e reprodutiva. Foto: UNFPA Maldivas/Tatiana Almeida

UNFPA destaca avanços e desafios em saúde sexual e reprodutiva nos últimos 25 anos

Muitos avanços em saúde sexual e reprodutiva foram alcançados no Brasil e no mundo desde a Conferência Internacional sobre Desenvolvimento e População (CIPD), realizada no Cairo há 25 anos. No entanto, um longo caminho ainda precisa ser trilhado.

O foco nos direitos humanos, a busca por igualdade de gênero e o acesso universal a serviços públicos devem continuar a nortear as ações de governos e da sociedade civil, concluiu o representante do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) no Brasil, Jaime Nadal, durante debate na Universidade de Brasília (UnB) esta semana.

A CIPD foi realizada na capital egípcia em 1994 e representou um marco histórico e uma mudança de paradigma na abordagem global sobre os temas de população e desenvolvimento. Se antes os objetivos eram exclusivamente demográficos, após a conferência o foco se tornou a promoção dos direitos humanos, com ênfase no exercício dos direitos reprodutivos e na autonomia das escolhas individuais. O ano de 2019 marca o 25º aniversário da Conferência, cujo documento foi pactuado por 179 países.

A poluição plástica é um problema crescente para os nossos oceanos. Em Montenegro, país do leste europeu, uma tecnologia inovadora está ajudando a limpar o oceano. A Seabin é uma lixeira flutuante que coleta detritos nas marinas e perto das praias da Baía de Kotor, incluindo garrafas plásticas, linhas de peixe, bitucas de cigarro e outros tipos de lixo. Confira nesse vídeo da União Internacional de Telecomunicações (UIT)

Em Montenegro, uma lixeira flutuante ajuda a combater a poluição plástica; vídeo

A poluição plástica é um problema crescente para os nossos oceanos. Em Montenegro, país do leste europeu, uma tecnologia inovadora está ajudando a limpar o oceano.

A Seabin é uma lixeira flutuante que coleta detritos nas marinas e perto das praias da Baía de Kotor, incluindo garrafas plásticas, linhas de peixe, bitucas de cigarro e outros tipos de lixo.

Confira nesse vídeo da União Internacional de Telecomunicações (UIT).

A mãe de Nelwin, Silviane Garcia, teve papel fundamental na melhora do menino e comemora a boa saúde do filho. Foto: UNICEF/Inaê Brandão

UNICEF garante assistência médica e nutricional para crianças venezuelanas em Roraima

Com um ano e nove meses, Nelwin Torres vive correndo e brincando com os primos e tios pelo abrigo Janokoida, para venezuelanos indígenas, em Pacaraima (RR). Mas nem sempre foi assim.

Quando ao chegou ao Brasil, em setembro último, o menino estava doente, desidratado, com perda de peso e indícios de desnutrição. Sem forças, parou de comer e de engatinhar. O relato é do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF).

Em Cúcuta, na Colômbia, todos os dias por volta das 5 da manhã, centenas de crianças cruzam a fronteira com a Venezuela para pegar ônibus que levam para escolas em Cúcuta. Foto: UNICEF/Santiago Arcos

Cerca de 300 mil crianças venezuelanas precisam de assistência humanitária na Colômbia

Sem mais apoio, a saúde, a educação e o bem-estar de ao menos 327 mil crianças venezuelanas que vivem como migrantes e refugiadas na Colômbia estarão em risco, alertou o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF).

A situação econômica e política na Venezuela fez com que cerca de 3,7 milhões de venezuelanos deixassem suas casas e viajassem para o Brasil, Colômbia, Equador, Peru e outros países da região.

Cerca de 1,2 milhão destes venezuelanos estão na Colômbia, muitos deles vivendo em comunidades vulneráveis e que já estão com recursos sobrecarregados, segundo o UNICEF.

Myshara, de 13 anos, refugiada rohingya de Mianmar, com suas amigas no programa de saúde mental para crianças no campo de Kutupalong, em Bangladesh. Foto: ACNUR/Will Swanson

Projeto da ONU promove saúde mental de jovens rohingya em Bangladesh

O alto-comissário da ONU para refugiados, Filippo Grandi, participou na semana passada (2) em Kutupalong, Bangladesh, de uma rodada de atividades com 18 crianças refugiadas rohingya com idade entre 12 e 17 anos, que fizeram perguntas, intercaladas com danças e exercícios.

A maioria foi forçada a fugir com suas famílias das violências e atrocidades cometidas contra sua comunidade em Mianmar. Elas participam de um projeto inovador de saúde mental cujo objetivo é ajudá-las a falar sobre preocupações e tristezas. A ação, que teve início com apenas dois grupos, hoje reúne mais de 40.

Raquel sofre de hidrocefalia, uma condição médica rara caracterizada pelo acúmulo de líquidos nas cavidades internas do cérebro. Foto: Jéssica Chiareli

Programa do governo federal apoia criança com hidrocefalia em município do RN

Lançado em 2016 pelo governo federal, o Programa Criança Feliz tem o objetivo de ampliar a rede de atenção à primeira infância no país, atendendo às especificações do Marco Legal da Primeira Infância (Lei 13.257/2016).

Quatro organismos das Nações Unidas no Brasil apoiam o programa desde sua concepção: Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS/OMS) e Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Leia a história de Raquel, de 4 anos, que foi atendida pelo projeto no município de Parnamirim (RN).

Crianças andam em lamaçal no distrito de Buzi, em Moçambique, onde os efeitos do ciclone Idai ainda são visíveis. Foto: UNICEF/De Wet

Com ciclones em ascensão, UNICEF alerta para impacto de mudanças climáticas sobre as crianças

Os ciclones que atingiram Índia e Moçambique em março e abril deixaram milhares de crianças mortas. Eles devem ser considerados pelos líderes globais um alerta urgente sobre os graves riscos representados pelos eventos climáticos extremos, disse o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) na sexta-feira (3).

“Estamos testemunhando uma tendência preocupante”, disse Henrietta Fore, diretora-executiva do UNICEF. “Ciclones, secas e outros eventos climáticos extremos aumentam em frequência e intensidade. Como vimos em Moçambique e em outros lugares, os países e comunidades mais pobres são desproporcionalmente afetados. Para as crianças que já são vulneráveis, o impacto pode ser devastador”.

Foto: Centro de Excelência contra a Fome do Programa Mundial de Alimentos da ONU

Programa da ONU e Brasil trocam conhecimentos sobre segurança sanitária dos alimentos

O Centro de Excelência contra a Fome – uma parceria entre o Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas (PMA) e o governo do Brasil – recebeu Nafissatou Diop, engenheira de alimentos que trabalha na Unidade de Segurança Sanitária de Alimentos do Programa Mundial de Alimentos em Roma, para uma missão de intercâmbio no Brasil.

Ela visitou instituições brasileiras para conhecer as práticas brasileiras de garantia da qualidade e da segurança sanitária dos alimentos, além de identificar sinergias entre o trabalho do Centro de Excelência e de sua unidade em Roma.

Foto: PG Alves/Assessoria de Imprensa do MP/RS

PNUD visita iniciativas de Justiça Restaurativa e estratégias de acompanhamento escolar na região Sul

Uma comitiva do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) esteve no início de abril nas cidades de Porto Alegre, Caxias do Sul e Bento Gonçalves, no Rio Grande do Sul, para conhecer a experiência local no âmbito da Justiça Restaurativa e estratégias em prol da permanência dos alunos nas escolas.

Há cerca de 15 anos, o PNUD apoiou o início da aplicação da metodologia de Justiça Restaurativa no Brasil. Na ocasião, foram feitos pilotos de introdução do tema nas cidades de Porto Alegre, São Paulo e Brasília.

A Justiça Restaurativa é uma metodologia de resolução de conflitos que privilegia o diálogo e a responsabilização do praticante do delito. Ela valoriza a construção de soluções a partir de conversas com as partes envolvidas, tanto para ouvir e atender as necessidades da vítima, como para responsabilizar o agressor, resolvendo questões de forma colaborativa.

OMS quer que crianças passem menos tempo diante de telas eletrônicas e mais tempo em atividades físicas. Foto: PEXELS (CC)/Kaku Nguyen

OMS divulga recomendações sobre uso de aparelhos eletrônicos por crianças de até 5 anos

Crianças de até cinco anos de idade não devem passar mais de 60 minutos por dia em atividades passivas diante de uma tela de smartphone, computador ou TV. A recomendação foi divulgada nesta semana (24) pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que alertou ainda que bebês com menos de 12 meses de vida não devem passar nem um minuto na frente de dispositivos eletrônicos. Orientações fazem parte de conscientização da agência da ONU sobre sedentarismo e obesidade.

Crianças caminham por uma parte do centro de Craiter, em Aden, no Iêmen. A área foi seriamente danificada pelos ataques aéreos em 2015, quando os houthi foram expulsos da cidade pelas forças da coalizão. Foto: OCHA / Giles Clarke

Iêmen: plano para retirada de tropas de porto é aceito, mas confrontos aumentam em outras áreas

Um plano de retirada de forças de linhas da frente dentro e em torno do porto iemenita de Hodeida foi aceito por forças pró-governo e por rebeldes houthis, afirmou na semana passada (15) ao Conselho de Segurança o enviado especial das Nações Unidas para o país.

No entanto, a guerra que deixou 80% da população iemenita em necessidade de ajuda humanitária não mostra sinais de diminuição em outras partes do país, alertou Martin Griffiths.

Bebê recebe vacina contra o sarampo na cidade de Taguig, nas Filipinas. Foto: UNICEF/Noorani

UNICEF: lacunas de vacinação deixaram 169 milhões de crianças no mundo sem proteção contra sarampo

De 2010 a 2017, 169 milhões de crianças no mundo não receberam a primeira dose da vacina contra o sarampo, afirmou nesta quinta-feira (25) o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF).

No Brasil, segundo dados do Programa Nacional de Imunizações, foram pouco mais de 940 mil crianças que não receberam a primeira dose da tríplice viral em 2010-2017, para a prevenção do sarampo, caxumba e rubéola.

Foto: Agência Brasil/Elza Fiúza

UNICEF capacita 1,9 mil municípios brasileiros para combater violência contra crianças e adolescentes

No Brasil, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) deu início nesta semana a um ciclo de formações sobre prevenção da violência contra crianças e adolescentes. Iniciativa terá a participação de gestores de 1.924 municípios da Amazônia e do Semiárido brasileiros. Em 2016, 11.351 meninos e meninas de dez a 19 anos foram vítimas de homicídio no país, totalizando 34 mortes por 100 mil habitantes, segundo o Datasus.

Foto: Agência Brasil/Arquivo

UNESCO firma parceria para promover educação midiática de jovens brasileiros

O Instituto Palavra Aberta e a UNESCO firmaram nesta quinta-feira (25) uma parceria para promover a educação midiática dos jovens brasileiros. Cooperação vai capacitar professores para que trabalhem com seus alunos temas como o acesso à informação no mundo digital e a função das mídias nas democracias.

“Consideramos essencial a promoção da educação midiática e informacional diante da desinformação que vemos no ambiente da web”, defende a diretora e representante da UNESCO no Brasil, Marlova Noleto.

Vacina contra a malária é ministrada num bebê de cinco meses de idade em Mkaka, no Malauí. Foto: PATH

Com apoio da ONU, nova vacina para malária é usada em bebês no Malauí

Após 30 anos em pesquisa, uma nova vacina contra a malária foi disponibilizada pela primeira vez para bebês no Malauí nesta terça-feira (23), afirmou a Organização Mundial da Saúde (OMS). Método de imunização foi elaborado por parceria que tem o apoio da ONU.

A técnica promete revolucionar a prevenção da doença, responsável no mundo pela morte de uma criança a cada dois minutos. A vacina é a primeira a demonstrar, durante testes clínicos, que pode reduzir significativamente a malária entre meninos e meninas.