Arquivo da tag: Infância & Adolescência

Confira neste espaço todas as informações sobre o tema.

Relatório avalia resultados de Cooperação Sul-Sul em prol dos direitos de crianças e adolescentes

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e a Agência Brasileira de Cooperação (ABC) lançaram na sexta-feira (24) documento com Avaliação do Programa de Cooperação Sul-Sul Trilateral (CSST).

O programa foi estabelecido para fomentar a cooperação entre Brasil e outros países em desenvolvimento na promoção da equidade para crianças, adolescentes e mulheres. O documento abrange o período de 2013-2018 e servirá como diretriz para planejamento de atividades futuras.

60% das crianças em todo o mundo não estão recebendo educação, um nível nunca visto desde os anos 1980. Foto: PNUD Uruguai

UNICEF: é urgente buscar cada criança e adolescente que não conseguiu se manter aprendendo

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) lança nesta sexta-feira (24), em parceria com a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), a Busca Ativa Escolar em Crises e Emergência.

Trata-se de um guia para apoiar estados e municípios brasileiros na garantia do direito à educação de crianças e adolescentes em situações de calamidade pública e emergências, como a pandemia da COVID-19.

UNICEF: 40 milhões de crianças estão sem acesso a cuidados na primeira infância no mundo

Pelo menos 40 milhões de crianças em todo o mundo estão sem acesso a cuidados essenciais na primeira infância, de acordo com documento publicado na quarta-feira (22) pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF). Isso inclui acesso presencial a creches, centros de assistência social e outros serviços, que estão fechados devido à COVID-19.

A análise mostra que o distanciamento social deixou muitos pais e mães com dificuldades para equilibrar os cuidados infantis e o emprego remunerado, com um ônus desproporcional para as mulheres que, em média, se ocupam três vezes mais com os cuidados e os trabalhos domésticos.

Webnário lembra importância do acesso à informação para garantir saúde de adolescentes na pandemia

Realizado por meio de parceria com o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), a segunda edição do webinário “Tá no Rumo: Traçando Caminhos” discutiu na semana passada (9) com adolescentes e profissionais de saúde e educação o tema “Namoro na pandemia”.

Na ocasião, os participantes reforçaram a importância do acesso de adolescentes à informação sobre COVID-19 e saúde sexual e reprodutiva, assim como das medidas de distanciamento social e dos cuidados de prevenção.

A enviada especial do secretário-geral da ONU para a juventude, Jayathma Wickramanayake, durante evento em Bagdá, no Iraque. Foto: UNAMI/Ivan Djordjevic

ONU reúne jovens em seminário online para debater saúde mental durante a pandemia

A enviada do secretário-geral das Nações Unidas para a Juventude, Jayathma Wickramanayake, apresenta na quarta-feira (15), às 10h, a 9ª sessão da série de seminários online #CopingWithCOVID (lidando com a COVID-19).

Durante esta sessão – focada na saúde mental dos jovens durante a pandemia – a enviada será acompanhada pelo secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres.

Também participam a diretora-executiva do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), Henrietta Fore, o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, a Rainha Mathilde da Bélgica, além de oito jovens do mundo todo.

O artista e músico jamaicano Ziggy Marley promete seu apoio ao 'Say Yes for Children' enquanto visitava a sede da ONU, em julho de 2001. Foto: UNICEF/Nicole Toutounji

Clássico ‘One Love’ de Bob Marley é relançado para ajudar crianças afetadas pela crise

A icônica canção “One Love” de Bob Marley será relançada com a autorização da família do músico para apoiar crianças cujas vidas foram alteradas pela COVID-19, informou a ONU na semana passada (9).

A iniciativa de arrecadação de fundos surge no momento em que o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) avisa que mais 6 mil crianças podem morrer todos os dias por causas evitáveis ​​nos próximos seis meses.

Quase todas elas vivem em países em desenvolvimento, onde a pandemia do novo coronavírus colocou pressão adicional em sistemas de saúde e serviços básicos já frágeis.

Nascida e criada no Parque Colúmbia, zona norte do Rio de Janeiro, Ana Acioly, 20 anos, participa do projeto Geração que Move. Foto: UNICEF

Jovens de favelas e periferias de Rio e SP buscam soluções para desafios criados pela pandemia

Uma parceria entre Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), Fundação Abertis e empresa de concessão rodoviária Arteris está incentivando jovens da zona norte do Rio de Janeiro (RJ) e dos bairros de Grajaú e Jardim Ângela, em São Paulo (SP), a debater soluções para os desafios criados pela COVID-19.

Neste ano, o projeto começa com debates online com 30 jovens, sendo dez de São Paulo e 20 do Rio de Janeiro, que vão atuar como produtores de conteúdo de suas comunidades, a fim de retratar suas realidades e mobilizar mais jovens e adolescentes.

Profissional de saúde coleta amostras para teste de COVID-19 no Hospital Estadual Mimar Sinan, em Istambul, Turquia. Foto: PNUD Turquia/Levent Kulu

Relatório da ONU sobre progresso dos ODS aponta que COVID-19 está comprometendo avanços sociais

De acordo com o Relatório 2020 dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, o mundo está progredindo – mesmo que de forma irregular e insuficiente – em áreas como melhora da saúde materna e infantil, expansão do acesso à eletricidade e aumento da representação das mulheres nos governos.

Mesmo assim, esses avanços foram contrabalanceados pelo aumento da insegurança alimentar, da deterioração do meio ambiente natural e das persistentes e generalizadas desigualdades. Leia o relato do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Crianças se alimentam no Equador. Foto: Banco Mundial / Jamie Martin

ONU: diante da crise, ações para atingir objetivos globais são mais urgentes do que nunca

Os dramáticos impactos da pandemia de COVID-19 expuseram “fraquezas em nossos sistemas e sociedades”, disse a principal autoridade do fórum internacional da ONU sobre desenvolvimento sustentável, iniciado na terça-feira (7), alertando que “é necessária uma nova dinâmica” para superar os choques negativos.

“A pandemia de COVID-19, embora principalmente uma crise de saúde, também rapidamente se tornou a pior crise econômica e humana em décadas”, disse Mona Juul, presidente do Conselho Econômico e Social (ECOSOC), na reunião inaugural do Fórum Político de Alto Nível sobre desenvolvimento sustentável, que será realizado até 16 de julho.

Diante da atual crise, “progressos significativos para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) não poderiam ser mais urgentes”, disse Juul, pedindo que a reunião seja “um trampolim para maior solidariedade e cooperação”.

Em 18 minutos de história, a atriz Carol Castro interpreta várias personagens, entre elas Ário e Sara – uma criatura fantástica e uma menina que viajam juntos pelo mundo em busca de respostas sobre a COVID-19. Foto: Reprodução

Em parceria com OPAS, atriz brasileira Carol Castro ajuda crianças a lidar com pandemia

Explicar às crianças o que é a pandemia de COVID-19 e quais suas consequências pode ser uma dura tarefa para mães, pais, cuidadores(as) e professores(as). Para apoiá-los nesta missão, a atriz brasileira Carol Castro interpreta direto de sua casa a história “Meu herói é você”, que busca transmitir informações sobre a doença e ajudar crianças a lidar com este momento difícil.

O videobook é resultado de uma parceria entre a Rede Internacional de Saúde Mental e Apoio Psicossocial em Emergência Humanitárias (MHPSS.net) e a Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) no Brasil.

Uma das consequências do casamento infantil é a gravidez, e consequentemente o parto, precoce. Foto: EBC

UNFPA: 1 em cada 4 meninas se casa antes dos 18 anos no Brasil; reverter tal situação é urgente

O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) lança nesta terça-feira (30) relatório global sobre a Situação da População Mundial, que chama atenção para a desigualdade de gênero e as práticas nocivas contra mulheres e meninas, como a mutilação genital feminina, a preferência por filhos do sexo masculino e o casamento infantil.

Segundo o relatório, um em cada quatro meninas se casa antes dos 18 anos no Brasil, um índice de 26%. A média mundial é de 20% (uma em cada cinco). A agência da ONU afirma que ação urgente é necessária, aqui e agora, para combater esta e outras violências contra mulheres e meninas.

Foto: UNICEF/Raoni Libório

UNICEF e parceiros apoiam mais de 1,7 milhão de pessoas em 10 capitais brasileiras na pandemia

Desde o início da pandemia do novo coronavírus, Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), 19 empresas parceiras, celebridades, organizações da sociedade civil e governos locais se uniram para apoiar mais de 1,7 milhão de pessoas vulneráveis em dez capitais brasileiras.

As ações ocorrem por meio da distribuição de produtos de higiene, limpeza e outros itens essenciais, acompanhados de informação de prevenção para as famílias.

Meninas na vila de Danja, no Níger, durante campanha de enfrentamento à violência contra as mulheres e meninas. Foto: UNFPA/Ollivier Girard

‘Não há desculpa. E deve haver tolerância zero’, diz vice da ONU sobre violência de gênero

Em meio ao aumento da violência contra mulheres e meninas em todo o mundo – incluindo o estupro –, a vice-secretária-geral das Nações Unidas, Amina J. Mohammed, enviou uma forte mensagem nessa segunda-feira (22) alertando para o frequente hábito de culpar as vítimas da violência de gênero.

Na mensagem em vídeo, Amina pediu que os homens e meninos se tornem aliados no enfrentamento desse tipo de violência.

Embora quase todos os países (88%) possuam leis importantes para proteger as crianças da violência, menos da metade dos países (47%) afirmou que essas legislações estavam sendo consistentemente aplicadas. Foto: UNICEF/Watad

Países estão falhando em prevenir violência contra crianças, alertam agências da ONU

Metade das crianças do mundo – ou aproximadamente 1 bilhão – é afetada por violência física, sexual ou psicológica a cada ano, sofrendo lesões, incapacidade e morte em razão do não cumprimento por parte dos países das estratégias estabelecidas para protegê-las.

A informação está em novo relatório publicado na quarta-feira (17) por Organização Mundial da Saúde (OMS), Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), representante especial do secretário-geral das Nações Unidas para a violência contra as crianças e End Violence Partnership.

Visita de atendimento do programa Criança Feliz - Foto: Mauro Vieira/Ministério da Cidadania

Agências da ONU fortalecem capacidade de visitadores familiares em meio à pandemia

Para apoiar o Programa Criança Feliz no contexto da pandemia, agências do Sistema ONU estão desenvolvendo uma série de conteúdos para fortalecer o trabalho dos visitadores familiares do programa.

Toda semana, esses profissionais recebem vídeos, podcasts e conteúdos informativos com foco em temas como saúde emocional familiar e os cuidados parentais; ansiedade infantil; entre outros.

O Criança Feliz, que teve início em 2016, é uma política pública com foco no desenvolvimento adequado na primeira infância e articula um trabalho entre os setores de saúde, assistência social, educação, justiça, cultura e direitos humanos. Leia o relato do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF).

Criança e avó no interior do Rio Grande do Norte. Foto: Mariana Ceratti/Banco Mundial

Políticas universais de transferência de renda são essenciais para combate à pobreza infantil

Benefícios universais para a criança, como pagamentos em dinheiro sem condicionantes, são essenciais no combate à pobreza infantil, mas só estão disponíveis em um de cada dez países, de acordo com um novo relatório publicado nesta quarta-feira (17) por Instituto de Desenvolvimento Ultramarino (ODI) e Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF).

A universalização de benefícios reduz os riscos geralmente associados a formas mais restritivas de seleção de beneficiários, nos quais algumas famílias que precisam ficam sem apoio financeiro, inclusive devido a erros de exclusão. Tais políticas são ainda mais importantes em um contexto de crise provocada pela COVID-19.

Arte: Claudius Ceccon

UNICEF e parceiros lançam cartilha sobre vacinação durante a pandemia

A Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) lançaram na semana passada (13) a cartilha digital “Pandemia da COVID-19: o que muda na rotina das imunizações”.

O material é parte da campanha “Vacinação em dia, mesmo na pandemia”, que tem como objetivo conscientizar especialistas e o público em geral sobre a importância de não deixar de se vacinar. A iniciativa inclui ações uma variedade de ações e conteúdos digitais.

Foto: Agência Brasil/Valter Campanato

Trabalho infantil na pandemia pode impedir retorno de crianças à escola

A pandemia de COVID-19 traz, como efeito secundário, o risco de aumento do trabalho infantil no Brasil. Com as escolas fechadas para prevenir a transmissão do vírus e a pobreza se acentuando, o trabalho pode parecer, equivocadamente, uma forma de meninas e meninos ajudarem suas famílias.

Mas ele impacta o desenvolvimento físico e emocional das crianças e pode impedir a continuidade da educação, reproduzindo ciclos de pobreza nas famílias – além de ser porta de entrada para uma série de outras violações de direitos, como a violência sexual. O alerta é do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e da Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Criança carrega embalagens de plástico em La Paz, Bolívia. Foto: OIT/Marcel Crozet

Crise pode lançar até 326 mil crianças ao trabalho infantil na América Latina e Caribe

O impacto devastador da COVID-19, que acarreta redução de renda e altos níveis de insegurança econômica, pode provocar aumento significativo no número de crianças e adolescentes em trabalho infantil nos países latino-americanos e caribenhos.

O alerta foi feito na quinta-feira (11) por análise da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) e da Organização Internacional do Trabalho (OIT), que consideram imperativo adotar medidas para evitar esse cenário.

Evento online vai debater as relações entre o trabalho infantil e o racismo estrutural no Brasil. Foto: EBC

Webinário abordará trabalho infantil e racismo no contexto da pandemia de COVID-19

Organização Internacional do Trabalho (OIT) e parceiros realizam na sexta-feira (12), Dia Mundial Contra o Trabalho Infantil, o webinário “COVID-19: Agora mais do que nunca, protejam crianças e adolescentes do trabalho infantil”.

A transmissão ocorre partir das 17h, no canal oficial do Tribunal Superior do Trabalho (TST) no Youtube.

O evento integra a campanha nacional contra o trabalho infantil, e vai debater as relações entre o trabalho infantil e o racismo estrutural no Brasil, além de aspectos históricos, os mitos e os impactos da pandemia na exploração infantil.

Em São Paulo e Rio de Janeiro, adolescentes e jovens das periferias discutem desafios, impactos e discriminações em relação aos seus direitos à cidade, especialmente em tempos de pandemia. Foto: pixabay/Alexandra Koch

Projeto ajuda adolescentes a elaborar soluções para ampliar seu acesso à cidade

O Geração que Move visa promover a mobilidade segura e igualitária de crianças e adolescentes de áreas vulneráveis em São Paulo (SP) e no Rio de Janeiro (RJ). O objetivo é fomentar o acesso seguro a serviços de educação, saúde, proteção, cultura, esporte, lazer, por meio de estratégias sustentáveis, projetadas e lideradas por adolescentes.

A iniciativa é uma parceria do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) com a Arteris e Fundação Abertis, e implementação pela Viração (SP) e Agência Redes para Juventude (RJ).

Nova música de Emicida integra campanha de combate ao trabalho infantil no Brasil

O cantor e rapper Emicida lançou nesta semana uma música para alertar para a exploração do trabalho infantil no Brasil e para a possibilidade de esse crime aumentar diante dos impactos da pandemia de COVID-19.

“Sementes” tem a participação da cantora Drik Barbosa e faz parte de campanha nacional contra o trabalho infantil realizada por Ministério Público do Trabalho (MPT), em parceria com Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Mercado no Chile, durante a pandemia de COVID-19. Foto: FAO/Max Valencia

Pandemia pode ampliar fome e jogar 49 milhões de pessoas na pobreza extrema, alerta ONU

A pandemia da COVID-19 representa uma ameaça à segurança alimentar e nutricional, especialmente para as comunidades mais vulneráveis do mundo. O alerta é do secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, que lança nesta terça-feira (9) um relatório sobre o tema.

As medidas contra a doença e a recessão global emergente podem perturbar o funcionamento dos sistemas alimentares, com consequências “potencialmente terríveis”. Sem uma ação imediata, diz o documento, corremos o risco de assistir a uma emergência alimentar global – com impactos em longo prazo em centenas de milhões de crianças e adultos; acesse aqui o documento e o vídeo.

UNICEF retoma campanha de prevenção ao racismo com foco em crianças e adolescentes

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) reativou a campanha “Por uma infância sem racismo” nos seus canais de mídias sociais. Baseada na ideia de ação em rede, a iniciativa reúne 10 ações ou comportamentos que cada pessoa pode adotar para assegurar o respeito e a igualdade étnica e racial desde os primeiros anos de vida.

Confira as 10 maneiras de contribuir para uma infância sem racismo.

Foto: WFP

Centro da ONU apoia continuidade dos programas de alimentação escolar durante a pandemia

Em apresentação online, Daniel Balaban, diretor do Centro de Excelência contra a Fome do Programa Mundial de Alimentos (WFP) das Nações Unidas no Brasil, descreveu formas de manter os programas de alimentação escolar em funcionamento durante a pandemia de COVID-19, como transferências em dinheiro, cestas de alimentos, alimentos para levar para casa e refeições prontas.

“Temos todas as quatro modalidades em uso no Brasil no momento e os governos locais estão trabalhando duro para apoiar as crianças durante esse período”, afirmou.

O trabalho infantil na América Latina e no Caribe caiu pela metade desde 2000, mas avanços estão sob risco por conta da pandemia. Foto: EBC

Campanha alerta para risco de aumento do trabalho infantil diante dos impactos da pandemia

Começa nesta quarta-feira (3) a campanha nacional contra o trabalho infantil, realizada por Ministério Público do Trabalho (MPT), Justiça do Trabalho, Organização Internacional do Trabalho (OIT) e Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil (FNPETI).

A iniciativa alerta para o risco de crescimento da exploração do trabalho infantil diante dos impactos da pandemia. Entre as ações, os rappers Emicida e Drik Barbosa lançam na semana que vem (9) nos aplicativos de streaming música inédita sobre o tema, intitulada “Sementes”. Um videoclipe será lançado no canal de Emicida no Youtube.

As irmãs gêmeas Emeline e Eveline lavam as mãos em uma estação pública instalada como medida preventiva contra o coronavírus no Nyabugogo Bus Park, em Ruanda. Foto: Ritzau Scanpix

Número de crianças vivendo na pobreza deve subir 15% no mundo até o fim do ano

As consequências econômicas da pandemia de COVID-19 podem levar até 86 milhões de crianças à pobreza domiciliar até o fim de 2020, um aumento de 15%, de acordo com uma nova análise divulgada na quinta-feira (28) por Save the Children e Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF).

Para abordar e mitigar o impacto da COVID-19 nas crianças de famílias pobres, as organizações pedem a expansão rápida e em larga escala dos sistemas e programas de proteção social, incluindo transferências de renda, alimentação escolar e benefícios para as crianças.

Amamentação funciona como uma primeira vacina para recém-nascidos. Foto: OMS

Países estão falhando em impedir comercialização prejudicial de substitutos do leite materno

Um novo relatório de Organização Mundial da Saúde (OMS), Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e Rede Internacional de Ação sobre Alimentos para Bebês (IBFAN) mostrou que, apesar dos esforços para impedir a promoção prejudicial dos substitutos do leite materno, os países ainda estão aquém de proteger mães e pais de informações enganosas.

“O marketing agressivo de substitutos do leite materno, especialmente por meio de profissionais de saúde em que os pais confiam para aconselhamento nutricional e de saúde, é uma grande barreira para melhorar a saúde de recém-nascidos e crianças em todo o mundo”, disse Francesco Branca, diretor do Departamento de Nutrição e Segurança Alimentar da OMS.

João Pedro Mattos Pinto, de 14 anos, foi morto na segunda-feira (18), na comunidade do Complexo do Salgueiro. Foto: Arquivo Pessoal

Sistema ONU lamenta a morte do menino João Pedro e faz apelo pela vida da juventude negra

As agências do Sistema ONU se solidarizam com os familiares, amigas e amigos do estudante João Pedro Mattos Pinto, de 14 anos, morto na última segunda-feira (18), na comunidade do Complexo do Salgueiro, na cidade de São Gonçalo, no estado do Rio de Janeiro.

“Cada vida conta e a violência letal contra adolescentes e jovens não deve ser naturalizada, transformando-se em lamentável estatística.” Leia o comunicado completo.

Uma vez que os cartões cheguem até os beneficiários, eles poderão utilizar os recursos em qualquer loja, desde que o uso seja feito para compra de produtos de primeira necessidade. Foto: WFP

Campanha lembra importância de garantir alimentação adequada a estudantes durante pandemia

Campanha de comunicação nas redes sociais visa sensibilizar gestores públicos sobre a importância de garantir acesso à alimentação adequada e saudável aos estudantes da rede pública de educação durante a pandemia de COVID-19.

Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) no Brasil e Aliança pela Alimentação Adequada e Saudável uniram esforços para defender o Programa Nacional de Alimentação Escolar brasileiro e a garantia do direito humano à alimentação adequada do público escolar.

Análise revela o efeito devastador e desproporcional da pandemia sobre os jovens. Foto: Unsplash/Aalok Atreya

Projeto para inclusão de juventudes periféricas do Rio se adapta à pandemia

Uma iniciativa do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), o projeto Chama na Solução começou em 2019 e reúne jovens de favelas e periferias do Rio de Janeiro (RJ) para criar ações que reduzam a distância entre jovens mais vulneráveis e oportunidades de renda e trabalho.

Desenvolvidas nos últimos meses, as propostas estavam prontas, mas a pandemia criou a necessidade de uma readaptação nos cinco grupos do projeto. Cada um manteve a essência da proposta – aproximar jovens vulneráveis do mundo de trabalho – buscando novas formas de atuar.

Em São Paulo e Rio de Janeiro, adolescentes e jovens das periferias discutem desafios, impactos e discriminações em relação aos seus direitos à cidade, especialmente em tempos de pandemia. Foto: pixabay/Alexandra Koch

Reconstruir melhor no pós-pandemia demanda respeito ao direito das futuras gerações

Atualmente, os jovens estão muito à frente nos esforços de proteger o planeta se comparados às gerações anteriores. Eles viram em primeira mão os impactos gerados por uma crise realmente global. Para os que já estavam preocupados com a crise climática, a pandemia pode ter fortalecido sua determinação em transformar o planeta para melhor. A expectativa é do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA).

ONU quer saber como jovens da América Latina e Caribe sobre estão enfrentando a pandemia

As Nações Unidas convidam adolescentes e jovens entre 15 e 29 anos dos países da América Latina e do Caribe a participar de uma pesquisa para saber como estão enfrentando a pandemia de COVID-19, bem como suas preocupações atuais e futuras. A pesquisa estará aberta até 2 de junho.

Os resultados guiarão a resposta das Nações Unidas na América Latina e no Caribe para interromper a propagação da doença e mitigar as repercussões da pandemia. É essencial que a ONU reconheça os múltiplos e diversos impactos que a pandemia da COVID-19 já tem e terá na população jovem e em seus direitos humanos.

Médico examina gestante durante consulta pré-natal no centro de saúde de Gbaleka, norte da Costa do Marfim. Foto: UNICEF/Frank Dejongh

Grávidas e bebês nascidos durante a pandemia estão ameaçados por sistemas de saúde sobrecarregados

Estima-se que 116 milhões de bebês nascerão no mundo sob a sombra da pandemia de COVID-19, disse o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) na quinta-feira (7), antecipando-se ao Dia das Mães no próximo domingo (10).

O UNICEF alerta que as medidas de contenção da COVID-19 podem atrapalhar serviços de saúde vitais, como assistência ao parto, colocando milhões de gestantes e seus bebês em grande risco.

Os países com o maior número esperado de nascimentos nos nove meses desde a declaração da pandemia são: Índia (20,1 milhões), China (13,5 milhões), Nigéria (6,4 milhões), Paquistão (5 milhões) e Indonésia (4 milhões). A maioria desses países apresentava altas taxas de mortalidade neonatal mesmo antes da pandemia e podem ver o aumento desses níveis com as condições da COVID-19. O Brasil está entre os 10 países com maior número esperado de nascimentos (2,3 milhões).

Crianças e adolescentes têm os mesmos direitos que a condição de refugiado confere a seus pais e mães, podendo tirar a Carteira de Registro Nacional Migratório e pedir a naturalização brasileira em quatro anos. Foto: ACNUR/Victor Moriyama

Em reunião online, Brasil reconhece 772 crianças e adolescentes venezuelanos como refugiados

A Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) elogiou o governo brasileiro pelo reconhecimento, na terça-feira (28), da condição de refugiado de 772 crianças e adolescentes venezuelanos.

As crianças e adolescentes beneficiadas pela decisão são filhos ou dependentes de venezuelanos que já haviam sido reconhecidos como refugiados pelo governo brasileiro – e que solicitaram a extensão deste reconhecimento aos seus familiares com menos de 18 anos.

UNFPA e Itaipu realizam atividades online com adolescentes do oeste do Paraná

O projeto Prevenção e Redução da Gravidez Não Intencional na Adolescência nos Municípios do Oeste do Paraná, uma ação do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) no Brasil em parceria com a Itaipu Binacional, iniciou na quarta-feira (22) uma série de encontros virtuais com adolescentes.

Os encontros têm por objetivo promover debates sobre a promoção de direitos e fornecer informações adequadas às expectativas e dúvidas dos e das jovens durante a pandemia de COVID-19.