Arquivo da tag: Infância & Adolescência

Confira neste espaço todas as informações sobre o tema.

Chefe humanitário da ONU, Mark Lowcock, e a chefe do UNICEF, Henrietta Fore, durante visita à República Democrática do Congo em março de 2019. Foto: OCHA

ONU alerta para necessidade de financiamento da resposta à crise humanitária na RDC

A chefe do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e o coordenador humanitário da ONU afirmaram na quinta-feira (21) que é necessário financiamento urgente e contínuo para uma resposta liderada pelo governo da República Democrática do Congo à crise humanitária no país.

“Podemos derrotar a enorme e prolongada crise humanitária. Mas precisamos urgentemente que doadores forneçam financiamentos generosos, conforme as necessidades continuam superando os recursos (disponíveis)”, disse o coordenador humanitário da ONU, Mark Lowcock.

Segundo ele, a República Democrática do Congo precisa de contínuo engajamento internacional para criar as condições para paz, segurança e desenvolvimento de longo prazo.

Uma menina rohingya de sete anos carrega um jarro d'água para o abrigo improvisado de sua família, no assentamento de Bormapara , em Ukhia, na cidade de Cox's Bazar, em Bangladesh. Foto: UNICEF/Sujan

UNICEF: mais crianças morrem por água não tratada do que por violência no mundo

Crianças menores de 15 anos que vivem em países afetados por conflitos prolongados têm, em média, quase três vezes mais chances de morrer de doenças diarreicas causadas pela falta de água potável, saneamento e higiene do que por violência direta, disse o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) em novo relatório divulgado nesta sexta-feira (22).

“As chances já estão contra as crianças vivendo em conflitos prolongados – com muitas incapazes de chegar a uma fonte de água segura”, disse a diretora-executiva do UNICEF, Henrietta Fore. “A realidade é que há mais crianças que morrem por falta de acesso a água potável do que por balas”.

O estágio visa estimular a participação das mulheres nestas missões, em concordância com os esforços das Nações Unidas de obter, até 2020, ao menos 15% do efetivo feminino nas operações de paz. Foto: CIASC

Diretor do UNIC Rio defende maior participação de mulheres em operações de paz

O diretor do Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio), Maurizio Giuliano, fez no início de dezembro (5) uma palestra sobre operações de paz da ONU no Centro de Instrução Almirante Sylvio de Camargo (CIASC), localizado na capital fluminense. A palestra fez parte do Primeiro Estágio de Operações de Paz para Mulheres, iniciativa da Marinha do Brasil em parceria com o UNIC Rio.

O estágio visa estimular a participação das mulheres nestas missões, em concordância com os esforços das Nações Unidas de obter, até 2020, ao menos 15% do efetivo feminino nas operações de paz.

O NAPEC conta com 129 voluntários que realizam atividades em ambulatórios e enfermarias. Foto: Arquivo Pessoal

Projeto voluntário desenvolve atividades lúdicas em hospital no Rio

É possível associar voluntariado a serviço público? Um exemplo de resposta a essa pergunta está no trabalho voluntário realizado no Núcleo de Apoio a Projetos Educacionais e Culturais (NAPEC), do Rio de Janeiro, vencedor da categoria Voluntariado no Setor Público do Prêmio Viva Voluntário de 2018.

Desde 2012, a instituição demonstra como o apoio da sociedade civil é fundamental para fortalecer iniciativas do serviço público.

Desde agosto de 2018, projetos como este podem usar a plataforma Viva Voluntário, criada mediante parceria entre o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e a Casa Civil, para cadastrar vagas de voluntariado em qualquer lugar do Brasil e procurar interessados.

O Clube Rise está ajudando meninas adolescentes e mulheres jovens a iniciarem conversas sobre HIV e saúde, direitos sexuais e reprodutivos. Foto: UNAIDS

Projeto na África do Sul ajuda mulheres e meninas a falar sobre sexualidade

O Clube Rise está ajudando meninas adolescentes e mulheres jovens a iniciar conversas sobre HIV e saúde, direitos sexuais e reprodutivos em cidades da África do Sul.

A desigualdade de gênero é uma barreira para que adolescentes e jovens tenham acesso a serviços de HIV e de saúde sexual e reprodutiva, além de educação sexual abrangente. Também coloca as meninas em maior risco de violência baseada em gênero.

O relato é do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS).

Foto: UNAIDS

UNAIDS: mulheres jovens ainda são desproporcionalmente afetadas pelo HIV

Meninas adolescentes e mulheres jovens ainda são desproporcionalmente afetadas pelo HIV. Um milhão de meninas adolescentes vivem com HIV em todo o mundo e, a cada semana, 7 mil meninas adolescentes e mulheres jovens são infectadas pelo vírus. A educação abrangente sobre sexualidade é tão limitada que os níveis de conhecimento sobre prevenção do HIV entre os jovens permaneceram inalterados nos últimos 20 anos.

“Sem a nossa voz, você está agindo por você, não por nós”, disse esta semana Winny Obure, líder juvenil e defensora dos direitos das mulheres do Quênia, na sede das Nações Unidas em Nova Iorque. Juntaram-se a ela outras jovens que exigem o fim dos obstáculos aos direitos sexuais e reprodutivos e pedem empoderamento das adolescentes.

Convocado por Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS), Rede ATHENA, governos de Austrália e Namíbia e ONU Mulheres — além de 25 parceiros das Nações Unidas e da sociedade civil – o evento “Step It Up!” foi um chamado à ação para meninas adolescentes que são deixadas para trás.

Da esquerda para a direita: o vice-presidente da Comissão Nacional sobre Direitos das Pessoas com Deficiência do Conselho Federal da OAB, Joelson Costa Dias; a a coordenadora geral de saúde da pessoa com deficiência do Ministério da Saúde, Odilia de Souza; a chefe dos Programas de Saúde, HIV/AIDS e Desenvolvimento Infantil do UNICEF no Brasil, Cristina Albuquerque. Foto: Ministério da Cidadania/Clarice Castro

PNUD ressalta necessidade de incluir crianças com deficiências em políticas públicas

No Seminário Internacional da Primeira Infância, realizado na semana passada em Brasília (DF), o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) alertou para a necessidade de incluir crianças com deficiências em políticas para os meninos e meninas de até seis anos de idade. Investimentos nesse período inicial da vida são considerados fundamentais pela ONU para o desenvolvimento neurológico e bem-estar social dos pequenos.

Em Westminster, no Reino Unido, jovens em protesto na última sexta-feira (15) por ações climáticas urgentes. Foto: Flickr (CC)/Rox

ARTIGO: Mudanças climáticas — vamos ouvir os jovens do mundo

Em artigo divulgado na imprensa portuguesa, o secretário-geral da ONU, António Guterres, celebra o ativismo dos milhares de jovens que foram às ruas na última sexta-feira (15) para cobrar ações climáticas urgentes de governos e do setor privado.

Chefe das Nações Unidas alerta para a necessidade de mudanças radicais nas sociedades, com a eliminação dos subsídios para combustíveis fósseis e atividades agrícolas de elevados níveis de emissões e com a escolha por energias renováveis, veículos elétricos e práticas que respeitem o clima.

Fundação Goi Peace recebe até 15/6 inscrições de jovens para concurso internacional de redação

Jovens do mundo todo estão convidados a se inscrever até 15 de junho do Concurso Internacional de Redação 2019 organizado pela Fundação Goi Peace. O concurso também está sendo divulgado pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO). Podem participar candidatos que tenham até 25 anos completados até o prazo de inscrição.

O tema deste ano é “Criando uma sociedade cheia de bondade”. Os candidatos são incentivados a responder as seguintes perguntas em suas redações: “O que bondade significa para você?”, “Na sua opinião, como poderemos criar uma sociedade com mais bondade?”.

Projeto em Samambaia, no Distrito Federal, estimula brincadeiras ao ar livre e ocupação dos espaços públicos pela comunidade. Foto: Curumim Cultural

Líder voluntário incentiva brincadeiras de rua e cria fontes de renda em comunidade do DF

A iniciativa Curumim Cultural começou quando Bruno Lopes, morador de Samambaia, no Distrito Federal, percebeu que as crianças de seu bairro não tinham o costume de brincar ao ar livre. Na quadra em que vive, há muitos jovens que raramente eram vistos na rua, por diversos motivos, desde o fácil acesso aos equipamentos eletrônicos à sensação de insegurança que existe no ambiente externo.

O líder voluntário decidiu então criar um projeto que estimulasse a ocupação dos espaços públicos e a educação dos jovens por meio de atividades lúdicas. A iniciativa foi uma das vencedoras do prêmio Viva Voluntário em 2018, uma parceria entre a Casa Civil da Presidência da República e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Grandi conversa com crianças na escola Al-Shuhada em Souran, na Síria. Foto: ACNUR/Andrew McConnell

Família síria volta para casa e encontra cidade destruída pela guerra

A vida como refugiada nunca foi fácil para Zahida, de 35 anos. Mãe de cinco filhos, ela cuida sozinha das crianças desde que seu marido desapareceu há alguns anos na guerra da Síria.

No Líbano, onde vivia após fugir da guerra, ela diz que as ofertas de trabalho eram escassas e o valor do aluguel, muito alto. No entanto, ao voltar para sua terra natal, Zahida se deparou com novas dificuldades.

Após oito anos de conflito, refugiados retornam aos poucos para regiões da Síria onde se sentem seguros. Para muitos deles, o retorno é difícil e repleto de desafios. O relato é da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR).

Manifestação durante o Dia Internacional das Mulheres em São Paulo (SP) em 2019. Foto: Ian Maenfeld (CC)

Centro de pesquisa vinculado à ONU seleciona artigos dedicados à igualdade de gênero

Para lembrar o Dia Internacional da Mulher, o Centro Internacional de Políticas para Crescimento Inclusivo (IPC-IG) selecionou artigos dedicados ao empoderamento das mulheres e à igualdade de gênero.

O tema escolhido este ano para lembrar a data foi “Pensar igual, construir de forma inteligente, inovar para mudar”, cujo objetivo é buscar formas inovadoras de avançar na igualdade de gênero e no empoderamento das mulheres, particularmente nas áreas de sistemas de proteção social, acesso a serviços públicos e infraestrutura sustentável.

Jovens do lado de fora de centro de saúde em Bujumbura, capital do Burundi. Foto: UNFPA/Chiara Frisone

No Burundi, educação em saúde sexual e reprodutiva ajuda a proteger vida de jovens

No Burundi, a taxa de uso de métodos contraceptivos é de 32% entre a população do país. A baixa disseminação de informações sobre saúde reprodutiva e sexual afeta jovens como Cecile Nshimirimana, que abortou quatro vezes, em procedimentos ilegais e frequentemente sem as condições adequadas. Dos mais de 11 milhões de habitantes do Burundi, 31% têm entre 10 e 24 anos.

O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) apoia 18 centros de saúde abertos à juventude no Burundi, onde funcionários foram treinados para fornecer informações de forma confidencial e sem julgamentos. A agência da ONU também trabalha com o governo do país para disseminar um programa abrangente de educação sexual. O programa, lançado há três anos, tem objetivo de alcançar tanto jovens em escolas quanto a comunidade como um todo.

Protestos na Faixa de Gaza no dia 14 de maio de 2018. Foto: OCHA

Violações de Israel em Gaza podem constituir crimes de guerra, diz comissão

A comissão independente das Nações Unidas sobre protestos no Território Palestino Ocupado afirmou no fim de fevereiro (28) que soldados israelenses cometeram violações de direitos humanos e da lei humanitária internacional, algumas destas possivelmente representando crimes contra a humanidade.

A comissão apresentou relatório focado em manifestações na Faixa de Gaza ocorridas de 30 de março a 31 de dezembro de 2018, durante as quais 189 palestinos foram assassinados, incluindo 35 crianças.

“A Comissão possui bases sensatas para acreditar que, durante a Grande Marcha do Retorno, soldados israelenses cometeram violações de lei internacional de direitos humanos e lei humanitária internacional. Algumas destas violações podem constituir crimes de guerra ou crimes contra a humanidade, e devem ser imediatamente investigadas por Israel”, disse o presidente da Comissão, Santiago Canton, da Argentina.

A democrata Alexandria Ocasio-Cortez, de Nova Iorque, é a mais jovem deputada da história dos EUA, aos 29 anos. Foto: Flickr/Dimitri Rodriguez (CC)

Bachelet elogia aumento do número de congressistas mulheres nos EUA

A alta-comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, afirmou na semana passada (6) que, apesar de progressos significativos em alguns países, desigualdades continuam impulsionando violações de direitos humanos em muitas regiões.

Em discurso ao Conselho de Direitos Humanos da ONU em Genebra, Bachelet destacou preocupações no mundo todo, embora tenha elogiado conquistas importantes, como o número recorde de mulheres no Congresso dos Estados Unidos.

A nova onda de mulheres conquistando assentos no Congresso norte-americano em janeiro são “passos importantes para diversidade”, disse. “Ela inclui a primeira congressista norte-americana muçulmana, a primeira congressista nativo-americana e a mulher mais jovem eleita ao Congresso. Eu saúdo todas as mulheres poderosas do mundo e o modelo que apresentam à próxima geração”.

Representantes da sociedade civil Mary Fatiya (Sudão do Sul) e Muniba Mazari (Paquistão) falam durante a 63ª sessão da Comissão das Nações Unidas sobre a Situação das Mulheres (CSW) na sede da ONU em Nova Iorque. Foto: ONU Mulheres/Ryan Brown

Cúpula da ONU discute serviços e infraestruturas para a igualdade de gênero

Uma mãe paquistanesa cadeirante que deseja visitar um parque sem ter que se preocupar com rampas de acesso e uma jovem mulher do Sudão do Sul que sonha em ter assistência de saúde acessível estiveram entre as palestrantes na segunda-feira (11) em Nova Iorque do maior encontro anual das Nações Unidas sobre igualdade de gênero e direitos das mulheres.

Em discursos à 63ª sessão da Comissão das Nações Unidas sobre a Situação das Mulheres (CSW), Muniba Mazari e Mary Fatiya pediram que proteções sociais básicas sejam garantidas para mulheres e meninas no mundo todo, com base em necessidade e em linha com seus direitos humanos inalienáveis.

COB convida ONU Mulheres para Congresso Olímpico Brasileiro

Em comemoração ao Dia Internacional das Mulheres, o Instituto Olímpico Brasileiro (IOB), área de Educação do Comitê Olímpico do Brasil (COB), fechou parceria com a ONU Mulheres para a primeira edição do Congresso Olímpico Brasileiro, que acontece no dia 13 de abril, em São Paulo.

“A ONU Mulheres é uma importante parceira e vai contribuir para o incremento da perspectiva de gênero do COB e de demais organizações esportivas, inspirando a criação de políticas e programas”, afirmou Soraya Carvalho, gerente do Instituto Olímpico Brasileiro.

O documento apresenta e analisa os mais recentes dados disponíveis sobre a saúde de jovens que vivem em 48 países e territórios das Américas. Foto: EBC

Metade das mortes de jovens nas Américas poderia ser evitada, diz OPAS

Metade de todas as mortes de jovens entre 10 e 24 anos nas Américas se deve a homicídios, mortes no trânsito e suicídios, todas elas evitáveis, revela novo relatório lançado pela Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS).

O documento apresenta e analisa os mais recentes dados disponíveis sobre a saúde de jovens que vivem em 48 países e territórios das Américas. Inclui informações sobre causas de morte, doenças com as quais sofrem, saúde sexual e reprodutiva, uso de substâncias, nutrição e níveis de atividade física.

No Brasil, de agosto a setembro de 2018, o governo realizou uma campanha contra pólio e sarampo alcançando mais de 11 milhões de crianças com menos de 5 anos (97,89% de cobertura). Foto: EBC

UNICEF: surto global de sarampo é ameaça crescente para crianças

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) alertou nesta sexta-feira (1) que casos de sarampo estão surgindo em níveis alarmantes no mundo, puxados por dez países — entre eles o Brasil —, responsáveis por mais de 74% do aumento, e por várias nações que tinham sido previamente declaradas livres da doença.

No Brasil, de agosto a setembro de 2018, o governo realizou uma campanha contra pólio e sarampo alcançando mais de 11 milhões de crianças com menos de 5 anos (97,89% de cobertura). O UNICEF encorajou as pessoas de todo o país a se vacinar e capacitou monitores que trabalham em abrigos para migrantes venezuelanos em Roraima para promover a vacinação entre as famílias. O UNICEF também incluiu a vacinação contra o sarampo como parte da estratégia Selo UNICEF, que alcança 1.924 municípios no Semiárido e na Amazônia.

No Iêmen, 2 milhões de crianças estão gravemente desnutridas, dentre as quais 360 mil sofrem de desnutrição aguda severa. A cada 10 minutos, uma criança morre de causas evitáveis. A desnutrição aguda é a origem, direta ou indiretamente, de quase metade dessas mortes. Em 2018, o Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas (PMA) alcançou 939 mil crianças menores de cinco anos e 670 mil mulheres grávidas e lactantes para prevenir a desnutrição aguda. O PMA está trabalhando para aumentar os esforços e alcançar mais crianças e mulheres grávidas. Mas, sem recursos adequados e acesso seguro, é difícil alcançar crianças cujas vidas estão em risco.

Iêmen: 2 milhões de crianças estão gravemente desnutridas

No Iêmen, 2 milhões de crianças estão gravemente desnutridas, dentre as quais 360 mil sofrem de desnutrição aguda severa. A cada 10 minutos, uma criança morre de causas evitáveis. A desnutrição aguda é a origem, direta ou indiretamente, de quase metade dessas mortes.

Em 2018, o Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas (PMA) alcançou 939 mil crianças menores de cinco anos e 670 mil mulheres grávidas e lactantes para prevenir a desnutrição aguda. O PMA está trabalhando para aumentar os esforços e alcançar mais crianças e mulheres grávidas. Mas, sem recursos adequados e acesso seguro, é difícil alcançar crianças cujas vidas estão em risco. Confira nesse vídeo.

Se uma mulher grávida infectada por sífilis não receber tratamento precoce adequado, pode transmitir a infecção para o feto, resultando em baixo peso ao nascer, nascimento prematuro, aborto, natimorto e manifestações clínicas precoces e tardias (sífilis congênita). Foto: PEXELS

OMS: casos de sífilis congênita somavam mais de 600 mil no mundo em 2016

Novas estimativas publicadas na quinta-feira (28) pela Organização Mundial da Saúde (OMS) mostram que, em 2016, havia mais de meio milhão (aproximadamente 661 mil) de casos de sífilis congênita no mundo, resultando em mais de 200 mil natimortos e mortes neonatais.

Apesar de uma diminuição entre 2012 e 2016, o número de mulheres e bebês afetados pela doença permanece inaceitavelmente alto, de acordo com a OMS. Segundo a organização, é crucial que todas as mulheres recebam exames diagnósticos e tratamento precoces como parte dos cuidados pré-natais de alta qualidade para uma experiência positiva de gravidez.

Crianças têm aulas em tenda em Idlib, norte da Síria. Emergências humanitárias privam crianças de saúde, nutrição, acesso a água e saneamento, educação e outras necessidades básicas. Foto: UNICEF/Watad

Síria: mais de 11 milhões de pessoas precisarão de ajuda humanitária em 2019

Níveis desconcertantes de necessidades humanitárias ainda persistem na Síria, afirmou na terça-feira (26) o Escritório das Nações Unidas de Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) a membros do Conselho de Segurança.

De janeiro a dezembro do ano passado, cerca de 25 mil pessoas foram deslocadas da província de Deir-ez-Zor, no sudeste do país, para o acampamento de Al Hol. A situação humanitária em Rukban também continua se deteriorando. Assistência humanitária adicional está sendo preparada para acomodar 42 mil pessoas.

Além disso, intensas inundações no nordeste e noroeste destruíram abrigos em acampamentos para pessoas deslocadas internamente. Em Idlib, mudanças de controle em algumas áreas levaram à suspensão de fundos, reduzindo serviços de saúde para alguns civis.

Mercado Ver-o-Peso em Belém do Pará. Foto: EBC

Pará reafirma compromisso com UNICEF pelos direitos das crianças

A representante do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), Florence Bauer, visitou nesta semana o estado do Pará, onde se reuniu na quinta-feira (21) com o governador Helder Barbalho. Dirigentes discutiram o apoio do estado ao Selo UNICEF, iniciativa que estimula e reconhece projetos municipais voltados para os direitos das crianças e adolescentes.

O Selo UNICEF é voltado para municípios do Semiárido e da Amazônia Legal brasileira. Dos 644 municípios que aderiram ao projeto na região amazônica, 115 são do Pará.

Construído de forma colaborativa, plataforma disponibiliza acesso ao Currículo da Cidade de modo dinâmico. Foto: EBC

América Latina e Caribe alinham ações para cumprir metas globais de educação

Garantir progresso regional para atingir as metas do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável número 4 — assegurar a educação inclusiva e equitativa e de qualidade, e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todas e todos — foi o norte do 1º Encontro do Comitê Regional de Gestão do ODS-E2030 para a América Latina e o Caribe, concluído no início de fevereiro em Santiago, no Chile.

A reunião apresentou avanços em relação aos mecanismos de monitoramento, acompanhamento e relato das metas do ODS 4 realizadas pelo Instituto de Estatística da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) e pelo Laboratório Latino-Americano de Avaliação da Qualidade da Educação (LLECE).

Foto: ONU Mulheres/Ryan Brown

ONU Mulheres lista cinco formas de acabar com o comportamento tóxico

Todos os dias temos a oportunidade de defender a igualdade de gênero, de grandes e pequenas maneiras. Mas, em alguns dias, muitos de nós escorregamos quando não prestamos atenção às nossas próprias atitudes e às ações que disseminam estereótipos e desigualdade.

Das palavras que usamos no trabalho ou com nossos entes queridos até as suposições que fazemos sobre estranhos, todos nós podemos ser melhores em promover a igualdade em nosso cotidiano.

Pensando nisso, a ONU Mulheres listou cinco maneiras de romper com comportamentos tóxicos e promover a igualdade de gênero na vida.

Nickolay Mladenov (na tela), coordenador especial da ONU para o processo de paz no Oriente Médio, fala ao Conselho de Segurança sobre a situação na região, incluindo a questão palestina. Foto: ONU/Loey Felipe/Arquivo

Perspectiva de paz ‘se apaga a cada dia’ em Gaza e Cisjordânia, diz enviado da ONU

A presença de violência e radicalismo no Território Palestino Ocupado está crescendo, e a perspectiva de paz sustentável está se apagando a cada dia, disse nesta quarta-feira (20) um enviado sênior das Nações Unidas para a região ao Conselho de Segurança.

Numa avaliação em tom sombrio, Mladenov caracterizou a esperança de uma solução pacífica de dois Estados como “escassa”. Segundo ele, o extremismo está em crescimento e o risco de guerra aumentou.

O enviado especial condenou a violência e o terror na região ao longo dos últimos meses, que resultaram na morte de 40 crianças assassinadas por forças israelenses, e no disparo de 18 foguetes de militantes palestinos em direção a Israel. Houve uma onda em violência envolvendo colonos no último ano, disse ele, com 20 incidentes registrados de colonos israelenses ferindo palestinos ou danificando suas propriedades.

O sistema educacional do Afeganistão foi devastado por mais de três décadas de conflito. Para muitas crianças do país, completar o ensino primário permanece um sonho distante. Na imagem, a jovem Fatima, de dez anos, resolve uma equação de matemática em escola na cidade de Herat. Foto: UNICEF/Mohammadi

Enviado da ONU defende acesso à educação para crianças refugiadas e em situação de conflito

O enviado especial da ONU para a Educação Global, Gordon Brown, defendeu nesta semana (19) o acesso à escolarização para todas as crianças e jovens refugiados. Em vez de terem seus passaportes carimbados em postos de controle nas fronteiras, disse o dirigente, as crianças deveriam estar na sala de aula, recebendo educação, que é o “passaporte de verdade” dos meninos e meninas para o futuro.

Onze venezuelanos foram interiorizados para Montes Claros, no norte do estado de MG, inclusive o pequeno Dylan, de apenas 1 mês. Foto: Exército/Comunicação Social 12 de Guerra

Interiorização chega a MG; rede se mobiliza para acolhida de refugiados venezuelanos

A interiorização de venezuelanos chegou a Minas Gerais no último fim de semana. Na sexta-feira (15), desembarcaram no estado 37 dos 226 venezuelanos que participaram da estratégia do governo federal apoiada por agências da ONU no Brasil e por organizações da sociedade civil.

O trabalho de acolhimento foi articulado pela rede Acolhe Minas, liderada pelo Serviço Jesuíta a Migrantes e Refugiados (SJMR) e pela Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), com apoio da Arquidiocese de Belo Horizonte, da Paróquia da Igreja da Boa Viagem e do Exército Brasileiro, entre outros atores.

Crianças estão particularmente vulneráveis em Rukban, na Síria. Foto: OCHA

ONU alcança 40 mil pessoas em maior entrega de ajuda humanitária na Síria

Na fronteira sul da Síria, o maior comboio humanitário da ONU a operar dentro do país distribuiu com sucesso ajuda para 40 mil pessoas, anunciou na sexta-feira passada (15) o Escritório das Nações Unidas de Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA).

Em Rukban, região que recebeu a assistência, pelo menos oito crianças morreram recentemente por causa do inverno rigoroso e da falta de serviços médicos. No local, algumas mulheres estavam se prostituindo para sobreviver.

Crianças deslocadas internamente em Bangui, na República Centro-Africana. Foto: ONU/Evan Schneider

UNICEF lista passos concretos para garantir proteção de crianças na República Centro-Africana

Elogiando o recente acordo de paz assinado por 15 partes conflitantes na República Centro-Africana (RCA), o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) destacou na segunda-feira (18) que “agora é hora para ação” e listou passos concretos que grupos armados, autoridades judiciais e governo podem dar para que o futuro de milhões de crianças seja protegido.

“O acordo de paz assinado pelo governo da República Centro-Africana e outras partes do conflito é um passo bem-vindo em direção à paz duradoura e à esperança de um futuro melhor para as crianças do país”, disse a diretora-executiva do UNICEF, Henrietta Fore, em comunicado.

Conversas de paz começaram em 24 de janeiro deste ano e um acordo foi alcançado dez dias depois sob mediação da Iniciativa Africana para Paz e Reconciliação na RCA, liderada pela União Africana, com apoio da ONU. O acordo foi formalmente assinado em 6 de fevereiro.

Café da manhã gratuito em paróquia de Pacaraima, município de Roraima na fronteira com a Venezuela, que recebe centenas de migrantes. Foto: UNICEF/João Laet

Agências da ONU visitam Pará para verificar acolhimento de migrantes venezuelanos

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) realizam de 18 a 22 de fevereiro missão conjunta para conhecer a resposta dada pelos municípios de Belém e Santarém (PA) ao acolhimento de migrantes venezuelanos, em sua maioria indígenas da etnia warao.

A agenda da missão será composta de reuniões com equipes municipais e estaduais de Assistência Social, Saúde e Educação, de visitas aos espaços de acolhimento, além de realização de oficinas focadas em abrigamento e proteção.

O objetivo é fazer um diagnóstico de campo e elaborar um Plano de Ação por meio do fortalecimento e da articulação da rede local com os atores envolvidos na resposta aos fluxos migratórios.

Projeto do FIDA e do governo do Piauí visa fortalecer produção agrícola do Semiárido. Foto: FIDA/Larissa Machado

Projeto de desenvolvimento agrícola no Piauí beneficia 19 mil famílias

Cerca de 19 mil famílias do Piauí estão sendo beneficiadas pelo projeto Viva o Semiárido, uma parceria entre a Secretaria de Estado da Educação com o Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA).

O componente educacional do projeto trabalha o contexto do semiárido entre alunos das escolas públicas. Livros didáticos apresentarão às crianças e jovens uma forma lúdica de lidar com o semiárido, impulsionando a valorização dessa região brasileira pelas próximas gerações.

Criança em hospital de Maracaibo, na Venezuela. Imagem de 2013. Foto: Wikimedia (CC)/The Photographer

Agência alerta que câncer infantil é mais letal em países de média e baixa renda

A cada ano, uma média de 215 mil casos de câncer são diagnosticados em todo o mundo entre crianças com menos de 15 anos, afirmou neste mês a Agência Internacional para Pesquisa sobre Câncer (IARC). Outras 85 mil ocorrências da doença são identificadas entre jovens com idade de 15 a 19 anos. Instituição alertou para diferença de até 60% nas chances de sobrevivência entre crianças de países ricos e pobres.

Venezuelanos e brasileiros jogam lado a lado no projeto do técnico Madrid. Foto: ACNUR/Allana Ferreira

América Mineiro doa artigos esportivos para escolinha de venezuelanos e brasileiros em Boa Vista

Toda semana, mais de cem crianças do Brasil e da Venezuela trocam as suas tardes nas ruas de Boa Vista (RR) por aulas de futebol na escolinha do treinador venezuelano Luis Madrid. Na última terça-feira (12), o treino recebeu uma visita especial da comissão técnica do América Futebol Clube de Minas Gerais. Time doou para as crianças do projeto cerca 150 artigos esportivos – entre camisas, shorts, meiões e bolas.

Todos os perfis dos programas reunidos no estudo serão disponibilizados on-line por meio da plataforma online gratuita e dedicada a temas de proteção social, socialprotection.org. Foto: Unsplash/Larm Rmah

Novo estudo da ONU mapeia programas de proteção social na Ásia e no Pacífico

Nas últimas décadas, a proteção social foi alçada ao topo da agenda de desenvolvimento global como um instrumento de política pública capaz de reduzir a pobreza nos países em desenvolvimento.

Os sistemas de proteção social foram incluídos como meta no Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) 1: “Acabar com a pobreza em todas as suas formas em todos os lugares”. No entanto, informações confiáveis ​​sobre programas implementados em países em desenvolvimento podem ser difíceis de encontrar, estar fragmentadas ou inacessíveis.

Buscando preencher parte dessa lacuna, as equipes de pesquisa do Centro Internacional de Políticas para Crescimento Inclusivo (IPC-IG) e do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) na Ásia e no Pacífico produziram a publicação “Proteção Social na Ásia e no Pacífico: Inventário de Programas Não Contributivos”.

Dana, de um ano e meio, é segurada por sua mãe Inna, enquanto recebe uma dose de vacina contra caxumba, sarampo e rubéola em Kyiv, Ucrânia. Foto: UNICEF

OMS estima que casos de sarampo tenham dobrado no mundo em um ano

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que as infecções por sarampo tenham dobrado em um ano no mundo, em meio a severos e prolongados surtos em países pobres e ricos, afirmou a agência da ONU na quinta-feira (14).

Além de ser possivelmente fatal, sintomas do sarampo incluem erupções cutâneas, cegueira e inflamação do cérebro. O vírus pode ser transmitido facilmente através de espirros e tosses, além de sobreviver horas em uma gota d’água.