Forças de Paz das Nações Unidas

Aqui você encontra todas as informações sobre as operações de paz das Nações Unidas. Outros detalhes em nacoesunidas.org/acao/paz-e-seguranca e www.un.org/peacekeeping

O objetivo do encontro foi discutir pesquisas realizadas pelos grupos de trabalho da rede e revisar problemas e sucessos das últimas operações de paz da ONU. Foto: UNIC Rio/Gael Moraes

Encontro no Rio discute conquistas e desafios de operações de paz da ONU

O II Encontro Anual da Rede Brasileira de Pesquisa sobre Operações de Paz (REBRAPAZ) reuniu na quinta-feira (5) profissionais e pesquisadores civis e militares, generais do exército, diplomatas e membros de organizações da sociedade civil na Escola de Comando e Estado Maior do Exército (ECEME), no Rio de Janeiro.

O objetivo foi discutir pesquisas realizadas pelos grupos de trabalho da rede e revisar problemas e sucessos das últimas operações de paz da ONU, especialmente a Missão das Nações Unidas para a Estabilização no Haiti (MINUSTAH), da qual o Brasil fez parte e comandou o componente militar por 13 anos (2004–2017).

Comboio da MINUSMA passa por rua de Meneka, nordeste do Mali. A região testemunhou uma escalada da violência e da insegurança. Foto: MINUSMA/Marco Dormino

Relator da ONU alerta para aumento das violações de direitos humanos no Mali

No Mali, um especialista das Nações Unidas descreveu um cenário de deterioração “alarmante” da segurança, dos direitos humanos e da situação humanitária no norte e leste do país.

Os comentários de Alioune Tine foram feitos após dois ataques mortíferos nos últimos dias contra forças internacionais no Mali, incluindo um homem-bomba em Gao, que deixou ao menos dois civis mortos e mais de 15 feridos.

Um número crescente de mulheres estão sendo mobilizadas para missões da ONU. No Haiti, membros do batalhão brasileiro ensinam um grupo de crianças locais a cuidar dos dentes. Foto: ONU/Marco Dormino, 2008

Serviço e Sacrifício: a contribuição do Brasil para a manutenção da paz

O Brasil tem uma longa história de contribuição com as operações de paz da ONU. Suas tropas estão presentes em dez missões das Nações Unidas globalmente, em localidades como Darfur (Sudão),  Chipre, Líbano e, até 2017, Haiti.

Este mês, o Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio), lançou no Brasil a campanha global “Serviço e Sacrifício”, em homenagem aos pacificadores — e em especial aos brasileiros. Veja fotos da atuação do Brasil nas forças de paz da ONU.

O diretor do UNIC Rio, Maurizio Giuliano, participou de palestra no CCOPAB sobre coordenação civil-militar de operações de paz da ONU. Foto: UNIC Rio

Palestra no Rio aborda coordenação civil-militar em operações de paz da ONU

O diretor do Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio), Maurizio Giuliano, realizou na quarta-feira (20) uma palestra no Centro Conjunto de Operações de Paz do Brasil (CCOPAB), no Rio de Janeiro, sobre coordenação civil-militar em operações de paz da ONU.

A apresentação, parte de curso de uma semana reconhecido pelas Nações Unidas, foi assistida por mais de 50 pessoas, entre oficiais militares do Brasil e de outros países da América Latina e da Europa.

No Sudão do Sul, a produção de mel vem transformando a vida de um grupo de mulheres. A péssima condição das estradas e a falta de segurança na região, contudo, dificultam a venda do produto e colocam em risco a comunidade. Em 2017, a Missão das Nações Unidas no país anunciou um plano para a reforma da principal estrada da área. Com a obra, a missão da ONU no Sudão do Sul poderá patrulhar melhor a região e garantir segurança para que a comunidade possa prosperar.

Com apoio da ONU, produtoras de mel melhoram vendas no Sudão do Sul; vídeo

No Sudão do Sul, a produção de mel vem transformando a vida de um grupo de mulheres. A péssima condição das estradas e a falta de segurança na região, contudo, dificultam a venda do produto e colocam em risco a comunidade.

Em 2017, a Missão das Nações Unidas no país anunciou um plano para a reforma da principal estrada da área. Com a obra, a missão da ONU no Sudão do Sul poderá patrulhar melhor a região e garantir segurança para que a comunidade possa prosperar. Saiba mais neste vídeo.

Militares da Índia e do Reino Unido servindo na missão de paz das Nações Unidas no Sudão do Sul usaram seus conhecimentos de engenharia para reformar o campo de futebol e as quadras de vôlei e de basquete no Estádio Malakal. Para os jovens da região, praticar esportes é uma oportunidade de diversão, mas também uma saída das frustrações vividas em um lugar com poucas oportunidades devido ao contínuo conflito.

No Sudão do Sul, missão da ONU incentiva prática de esportes entre os jovens; vídeo

Militares da Índia e do Reino Unido servindo na missão de paz das Nações Unidas no Sudão do Sul usaram seus conhecimentos de engenharia para reformar o campo de futebol e as quadras de vôlei e de basquete no Estádio Malakal. Para os jovens da região, praticar esportes é uma oportunidade de diversão, mas também uma saída das frustrações vividas em um lugar com poucas oportunidades devido ao contínuo conflito. Mais no vídeo.

Interior de um estúdio de rádio afegão, onde mulheres reivindicam democracia e direitos humanos. Foto: UNAMA/Fardin Waezi)

No Afeganistão, mulheres jornalistas desafiam a violência – e o machismo

Os perigos do trabalho como jornalista no Afeganistão foram relembrados em um novo ataque na capital Cabul no final de abril. Nove fotógrafos e repórteres afegãos foram mortos. Os profissionais, que estavam na região para reportar um ataque suicida, foram alvejados por um segundo homem-bomba ao chegar ao local.

Fora da capital afegã, os perigos de realizar reportagens, particularmente para mulheres jornalistas, nunca foram tão claros. Confira nessa matéria especial.

Guterres cumprimenta oficial da MINUSMA em cerimônia para marcar o Dia Internacional dos Trabalhadores das Forças de Paz, 29 de maio. Foto: MINUSMA

No dia das forças de paz, secretário-geral da ONU homenageia militares no Mali

Em visita ao Mali para o Dia Internacional dos Trabalhadores das Forças de Paz, o secretário-geral da ONU, António Guterres, disse “ter orgulho de ser colega” dos soldados que servem sob a bandeira da Organização, no país e em outras partes do mundo. Dirigente reconheceu que as circunstâncias na nação africana são “extremamente perigosas” e prometeu melhorias em treinamentos, equipamentos e capacidades operacionais.

Carla Daniel na sede da UNIFIL, no sul do Líbano. Foto: Acervo Pessoal

Capitão é 1ª militar brasileira a trabalhar no Departamento de Operações de Paz da ONU

Primeira e única mulher brasileira a concluir uma missão de paz da ONU a bordo de um navio, a capitão de fragata Carla Daniel, de 51 anos, acostumou-se a vanguardismos. Desde dezembro do ano passado, ela também é a primeira militar brasileira a trabalhar no Departamento de Operações de Paz das Nações Unidas (DPKO), em Nova Iorque.

Carla atua no Escritório de Assuntos Militares (OMA, na sigla em inglês), que faz parte do Serviço de Operações Militares em Andamento (CMOS), como oficial de assuntos de missões de paz. Ela faz o elo entre a missão, no caso a Força Interina de Segurança das Nações Unidas para Abyei (UNISFA), a ONU e o país que contribui com militares para essa operação, a Etiópia. Leia a entrevista concedida ao Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio).

Integrantes da força da paz a bordo dos comboios da Missão da ONU no Mali. MINUSMA/Marco Dormino

Em dia mundial, ONU lembra 70 anos da criação de missões de paz

Em mensagem para o Dia Internacional dos Trabalhadores das Forças de Paz, observado nesta terça-feira (29), o secretário-geral António Guterres lembrou os 70 anos da primeira missão de paz criada pelas Nações Unidas, no Oriente Médio. Data, afirmou o chefe da Organização, é também uma oportunidade para honrar os mais de 3,7 mil capacetes-azuis mortos em serviço. Atualmente, a ONU mantém 14 missões de paz.

No Sudão do Sul, mais de 5 mil pessoas foram mortas ou feridas por minas terrestres ou munições não detonadas desde 2004. Em memória do Dia Internacional de Sensibilização sobre Minas e Assistência à Desminagem, o Serviço de Ação Anti-Minas das Nações Unidas (UNMAS) organizou uma corrida para incentivar a conscientização sobre os perigos causados pelas minas. Desde 2004, a ONU já tornou mais de 1 bilhão de metros quadrados seguros para a população sul-sudanesa.

No Sudão do Sul, ONU trabalha para livrar população das minas terrestres; vídeo

No Sudão do Sul, mais de 5 mil pessoas foram mortas ou feridas por minas terrestres ou munições não detonadas desde 2004. Em memória do Dia Internacional de Sensibilização sobre Minas e Assistência à Desminagem, o Serviço de Ação Anti-Minas das Nações Unidas (UNMAS) organizou uma corrida para incentivar a conscientização sobre os perigos causados pelas minas. Desde 2004, a ONU já tornou mais de 1 bilhão de metros quadrados seguros para a população sul-sudanesa.

Eleitor em local de votação em Erbil, na região do Curdistão, no Iraque, participando das primeiras eleições nacionais desde que os militares iraquianos declararam a vitória sobre o Estado Islâmico do Iraque e do Levante (ISIL), no final de 2017. Foto: ONU/UNAMI

Iraque: chefe da ONU elogia realização da primeira eleição legislativa após derrota do Estado Islâmico

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, parabenizou o povo iraquiano pela realização das primeiras eleições parlamentares nacionais, no último sábado (12), desde que o país declarou vitória sobre o Estado Islâmico do Iraque e do Levante (ISIL/Dae’sh) no final do ano passado. ONU forneceu assistência técnica à Comissão Eleitoral Independente do Iraque.

Forças de paz da missão da ONU na República Centro-Africana (MINUSCA) em patrulha na capital do país, Bangui. Foto: ONU/MINUSCA

Fim da violência na República Centro-Africana ainda está distante, diz ONU

Na República Centro-Africana, o fim da violência e a garantia de estabilidade ainda são objetivos difíceis de serem alcançados, apesar dos esforços de diversos atores, disse um oficial sênior da ONU ao Conselho de Segurança.

O Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) descreveu a República Centro-Africana como “um país frágil” devastado por anos de conflito e que enfrenta desafios estruturais e econômicos.

Única mulher a pilotar caças na Missão de Paz da ONU no Mali, Sandra Hernandez – que integra o contingente de El Salvador – sente que seu trabalho “pode ajudar a trazer segurança e um pouco mais de estabilidade e tranquilidade ao povo do Mali”. Voando pelo vasto deserto no norte do Mali, pilotos de helicópteros de El Salvador têm participado das operações da missão das Nações Unidas nos últimos três anos. Hernandez sonhava em ser pilota desde criança. Confira nesse vídeo

VÍDEO: A única mulher a pilotar caças da ONU no Mali

Única mulher a pilotar caças na Missão de Paz da ONU no Mali, Sandra Hernandez – que integra o contingente de El Salvador – sente que seu trabalho “pode ajudar a trazer segurança e um pouco mais de estabilidade e tranquilidade ao povo do Mali”.

Voando pelo vasto deserto no norte do Mali, pilotos de helicópteros de El Salvador têm participado das operações da missão das Nações Unidas nos últimos três anos. Hernandez sonhava em ser pilota desde criança. Confira nesse vídeo.

Capacetes-azuis da MINUSCA patrulham a capital da República Centro-Africana, Bangui. Foto: MINUSCA

Secretário-geral da ONU condena violência na capital da República Centro-Africana

Manifestando preocupação com a retórica inflamada em meio à disseminada violência em Bangui, capital da República Centro-Africana (RCA), o secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu que todos os atores permaneçam calmos e trabalhem juntos para construir a paz no país.

Em meio à violência, uma igreja foi atacada e um pastor assassinado. Dois membros da Missão de Paz das Nações Unidas na República Centro-Africana (MINUSCA) também ficaram feridos quando foram apedrejados por uma multidão.

Segundo publicação no Twitter do comandante do Exército brasileiro, general Eduardo Villas Bôas, dois observadores militares brasileiros ficaram feridos na ocasião. Um dos boinas-azuis foi submetido na quarta-feira (2) a uma cirurgia em Kampala, Uganda, e passa bem. O segundo também passa bem e segue na missão, de acordo com o general.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, transformou o combate ao abuso e à exploração sexual na Organização uma prioridade. Foto: ONU/Evan Schneider

ONU recebeu 54 acusações de abuso sexual contra funcionários no 1º trimestre

Mais de 50 acusações de abuso e exploração sexual envolvendo pessoal servindo às Nações Unidas e seus parceiros em campo foram recebidas nos primeiros três meses deste ano, disse a Organização na terça-feira (1), em sua sede em Nova Iorque.

As acusações não foram totalmente verificadas e muitas estão na fase preliminar de análise. Elas envolvem 66 vítimas, incluindo 13 meninas menores de 18 anos, e 16 vítimas de idade desconhecida.

Cantando canções em homenagem às mulheres, cerca de 150 representantes de todo o Sudão do Sul deram realizaram em março deste ano um diálogo nacional de três dias com funcionários da Missão das Nações Unidas no país, a UNMISS. Realizado na capital, Juba, visa ampliar as vozes das mulheres nos processos de paz. As mulheres sul-sudanesas – incluindo mulheres no governo, na sociedade civil, na política, nas forças armadas e entre as pessoas deslocadas internamente – estão expressando a necessidade urgente de paz e maior representação política para todos e todas.

No Sudão do Sul, mulheres participam de diálogo nacional para ampliar participação política

Cantando canções em homenagem às mulheres, cerca de 150 representantes de todo o Sudão do Sul deram realizaram em março deste ano um diálogo nacional de três dias com funcionários da Missão das Nações Unidas no país, a UNMISS.

Realizado na capital, Juba, visa ampliar as vozes das mulheres nos processos de paz.

As mulheres sul-sudanesas – incluindo mulheres no governo, na sociedade civil, na política, nas forças armadas e entre as pessoas deslocadas internamente – estão expressando a necessidade urgente de paz e maior representação política para todos e todas. Assista nesse vídeo.