Arquivo da tag: COVID-19 e o novo coronavírus

ONU e a COVID-19, a doença causada pelo novo coronavírus

.

Confira abaixo as últimas notícias sobre o novo coronavírus COVID-19, bem como os dados mais atualizados na página da Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS): paho.org/bra/covid19.

.

Acesse a página internacional da OMS em who.int/coronavirus, e das Nações Unidas em un.org/coronavirus. Acesse os dados globais mais atualizados em covid19.who.int e os dados do Ministério da Saúde do Brasil clicando aqui.

.

Acesse também: COVID-19 e a dimensão de direitos humanos

.

Acesse aqui todos os vídeos sobre a COVID-19.

.

Acesse aqui todas as artes gráficas sobre a COVID-19; acesse a galeria e descrições das imagens no Facebook clicando aqui.

UNESCO lança publicação com orientações sobre práticas educacionais abertas durante a pandemia

Em resposta aos atuais desafios causados pela interrupção da educação presencial, que afeta 1,57 bilhão de estudantes em 191 países, organismos da UNESCO lançaram a publicação “Diretrizes sobre práticas educacionais abertas durante a pandemia da COVID-19”.

Práticas Educacionais Abertas (PEA) são aquelas que utilizam Recursos Educacionais Abertos (REA), materiais de suporte à educação que podem ser acessados, reutilizados, modificados e compartilhados livremente.

Empresários pedem que líderes de governo planejem uma economia verde na reconstrução pós COVID-19. Foto: Singkham / Pexels

Empresas pedem atenção ao clima nos planos governamentais de recuperação da COVID-19

O Pacto Global da ONU, a iniciativa Science Based Targets (Metas baseadas na ciência), e a coalizão ‘We Mean Business’ reuniram mais de 150 empresas que pedem que os líderes mundiais incluam ações climáticas ousadas no planejamento dos esforços de recuperação da COVID-19.

Juntas, estas empresas empregam 5 milhões de pessoas em 33 países – incluindo o Brasil – e movimentam um mercado de 2,4 trilhões de dólares.

Os dirigentes das empresas assinaram o documento “Unindo Negócios e Governos para se Recuperar Melhor”, onde fazem o apelo aos líderes mundiais, lembrando que “a saúde humana depende da saúde do planeta”. Para eles, uma ação climática ambiciosa é mais necessária do que nunca.

Hackathon virtual reúne 82 propostas de transformação social diante da pandemia

A maratona virtual de desenvolvimento HACKCOVID19, realizada entre 15 e 17 de maio, reuniu 983 participantes para pensarem soluções tecnológicas para os problemas impostos pela pandemia da COVID-19. Ao fim do hackathon, 82 propostas de soluções tecnológicas foram enviadas por brasileiros e estrangeiros residentes em diversas partes do mundo.

O HACKCOVID19 é uma iniciativa é do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (CBPF), da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e do Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC), com apoio do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Especialistas discutem desafios da assistência social no contexto da COVID-19

Nesta quinta edição da série de webinários População e Desenvolvimento em Debate, especialistas discutirão sobre os desafios da assistência social no contexto da COVID-19.

A série de webinários busca promover a discussão entre academia, governo e sociedade civil sobre temas emergentes na Agenda de População e Desenvolvimento no contexto atual.

Assista a transmissão no canal do UNFPA Brasil no Youtube às 15h desta quarta-feira (27).

A crise provocada pelo novo coronavírus afeta drasticamente os grupos mais vulneráveis. Veja 5 motivos pelos quais jovens estão mais suscetíveis aos efeitos sociais e econômicos desta pandemia. Segundo especialistas da Organização Internacional do Trabalho (OIT), “ignorar os problemas específicos dos jovens trabalhadores é arriscar e desperdiçar talento, educação e treinamento, o que significa que o legado da COVID-19 pode durar décadas”.

VÍDEO: 5 razões pelas quais a pandemia afeta mais as/os jovens no mercado de trabalho

A crise provocada pelo novo coronavírus afeta drasticamente os grupos mais vulneráveis. Veja 5 motivos pelos quais jovens estão mais suscetíveis aos efeitos sociais e econômicos desta pandemia.

Segundo especialistas da Organização Internacional do Trabalho (OIT), “ignorar os problemas específicos dos jovens trabalhadores é arriscar e desperdiçar talento, educação e treinamento, o que significa que o legado da COVID-19 pode durar décadas”.

Desaceleração econômica mundial, que se traduz em um aumento acentuado do desemprego, pode aumentar o tráfico transfronteiriço de pessoas provenientes de países que registram quedas duradouras das taxas de emprego. Foto: ONU

Pandemia pode provocar aumento do tráfico de pessoas no mundo, alerta relatório do UNODC

O fechamento das fronteiras terrestres, marítimas e aéreas pode resultar em um aumento do tráfico de pessoas no mundo, segundo relatório publicado este mês (14) pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC).

Isso ocorre porque migrantes passam a ter uma necessidade ainda maior de serviços de contrabandistas para atravessar fronteiras. Os fechamentos e restrições também resultam no uso de rotas e condições mais arriscadas e a preços mais altos, expondo refugiados e migrantes a abusos e exploração.

Além disso, é provável que a desaceleração econômica global amplie o tráfico transfronteiriço de pessoas fugindo de países que sofrem quedas duradouras no emprego, de acordo com o documento.

A juventude não é invencível, alerta chefe da Organização Mundial da Saúde. Foto: ONU

CEPAL e OIT enfatizam importância de priorizar políticas de saúde e segurança no trabalho

Além de fornecer estimativas sobre a dinâmica do mercado de trabalho nos últimos meses, o relatório conjunto de Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) e Organização Internacional do Trabalho (OIT) explora algumas das políticas implementadas pelos países para proteger o setor produtivo, o emprego formal, preservar a renda dos trabalhadores e das trabalhadoras na economia formal e informal, em meio à pandemia.

Fundo de População da ONU traz recomendações para o enfrentamento da COVID-19 em podcast

Com o avanço da pandemia da COVID-19 ao redor do mundo e também no Brasil, o Fundo de População da ONU (UNFPA) preparou um episódio especial com recomendações para o enfrentamento da crise e também explicou as ações e estratégias da organização, em curso neste momento.

Entre as recomendações, estão garantir acesso a serviços de saúde materna e neonatal, como parto seguro, além de serviços de saúde sexual e reprodutiva. O UNFPA também destaca a possibilidade de escassez de contraceptivos, que pode levar a gravidezes não intencionais, caso não estejam disponíveis. Outras recomendações do episódio dizem respeito à violência de gênero, que pode crescer durante o período de isolamento social, e a disponibilidade de equipamentos de proteção individual para trabalhadores de saúde.

UNICEF e Turma da Mônica orientam comunidades sobre o coronavírus através de materiais informativos

A Mauricio de Sousa Produções (MSP), em parceria com o UNICEF, desenvolveu um folheto e um cartaz informativo para crianças, adolescentes e famílias de comunidades vulneráveis para reforçar a importância de lavar bem as mãos, usar álcool em gel 70%, utilizar máscaras e higienizar quaisquer objetos que possam ter tido contato com o vírus.

Num primeiro momento, 430 mil folhetos e 1.150 cartazes serão distribuídas em Belém, Fortaleza, Maceió, Manaus, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo, acompanhados de produtos de higiene e limpeza, que o UNICEF está oferecendo em parceria com a sociedade civil e o governo. Essa ação faz parte da resposta humanitária do UNICEF à pandemia da COVID-19 no Brasil.

Teste de COVID-19. Foto: fernandozhiminaicela/pixabay (CC)

OPAS compartilha com Brasil estudo espanhol sobre manifestações do novo coronavírus na pele

A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) tem buscado entender melhor os sinais e sintomas da COVID-19, doença causada pelo novo coronavírus, compartilhando esse conhecimento com os países. Para apoiar o Brasil, o organismo internacional tem realizado uma série de seminários virtuais com especialistas espanhóis.

O último deles, ocorrido na sexta-feira (22), tratou de recém-identificadas manifestações do novo coronavírus na pele. Na ocasião, foi apresentado um estudo que descreve cinco padrões de lesões da pele que podem estar associadas à infecção por COVID‐19 – em pacientes com variadas características demográficas, em distintos períodos e diferentes severidades.

Resposta à pandemia deve considerar condições de saúde da população negra, diz sanitarista

Em entrevista à ONU Mulheres, a sanitarista Karine Santana avalia a situação da pandemia da COVID-19 no Brasil, o racismo na saúde e as comorbidades da população negra. Para ela, “as medidas precisam ser pautadas na equidade. Qualquer medida distante disso está acirrando a existência do racismo estrutural”.

Karine Santana é docente de Saúde Coletiva, doutoranda em Medicina e Saúde na Faculdade de Medicina da Universidade Federal da Bahia e pesquisadora no Núcleo de Estudos e Pesquisa em Gênero, Raça e Saúde (NEGRAS). Leia a entrevista na íntegra.

Violência de gênero e COVID-19: “Quando nos calamos, permitimos que esses crimes se multipliquem”

A ONU Mulheres estima que, nos últimos 12 meses, 243 milhões de mulheres e adolescentes de 15 a 49 anos foram submetidas a violência sexual e/ou física por algum parceiro íntimo. Como resultado do isolamento imposto para impedir a disseminação da COVID-19, dados mostram que esse tipo de violência se intensificou.

A rede social russa Odnoklassniki, também conhecida como OK, organizou uma transmissão on-line para que especialistas e interessados no tema pudessem discutir como sobreviver ao isolamento e evitar conflitos familiares e violência de gênero. A transmissão foi vista por 1,7 milhão de usuários da rede OK no leste da Europa e na Ásia central. A transmissão foi parte de uma iniciativa conjunta do escritório regional do UNAIDS para a Europa Oriental e Ásia Central, o Instituto de Tecnologias de Informação para a Educação da UNESCO e a rede social OK, em parceria com a ONU Mulheres.

ONU: coronavírus nos mostra como nossa saúde está vinculada à natureza

ONU: coronavírus nos mostra como nossa saúde está vinculada à natureza

Marcando o Dia Internacional da Biodiversidade (22 de maio), o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, lembrou que as soluções nessa temática estão na própria natureza.

Segundo Guterres, que gravou uma mensagem em vídeo para a data, a preservação e a gestão sustentável da biodiversidade são necessárias para mitigar as perturbações climáticas, garantir a segurança alimentar e de água e até mesmo prevenir pandemias.

“A COVID-19, que emanou da natureza, mostrou como a saúde humana está intimamente ligada com a relação que temos com o meio ambiente. À medida que invadimos a natureza e esgotamos habitats vitais, um número crescente de espécies está em risco. Incluindo a Humanidade e o futuro que queremos”, destacou; acesse aqui o vídeo.

Diretor da OMS elogia resolução para acelerar resposta à COVID-19

A Assembleia Mundial da Saúde adotou na terça-feira (19) uma resolução histórica, estabelecendo um roteiro claro das ações necessárias para sustentar e acelerar a resposta à COVID-19 nos níveis nacional e internacional, disse o diretor geral da Organização Mundial da Saúde (OMS) em coletiva de imprensa na quarta-feira (20), um dia após a conclusão da reunião.

A resolução recomenda a distribuição justa de todas as tecnologias essenciais de saúde para combater a pandemia, o aproveitamento de tratados internacionais relevantes quando for necessário, a classificação das vacinas da COVID-19 como um bem público e o incentivo a pesquisa e o desenvolvimento entre o setor público e privado.

O UNAIDS reconhece que as organizações comunitárias têm uma experiência incomparável em criar e fornecer respostas a crises de saúde e direitos humanos em suas comunidades. Foto: UNAIDS

UNAIDS pede que governos garantam prestação de serviços de HIV liderados pela comunidade

A prestação de serviços de saúde liderados pela comunidade, um pilar importante na resposta ao HIV, tornou-se ainda mais crítica no contexto da COVID-19, à medida em que as necessidades dos membros de comunidades marginalizadas e a carga sobre setor de saúde estão aumentando.

Isso torna crucial a garantia da provisão continuada de serviços de HIV, tuberculose e outros serviços de saúde. Organizações lideradas pela comunidade atuam como uma corda salva-vidas para populações mais pobres, marginalizadas e de difícil acesso, em todo o mundo.

Arte: Pixabay

ONU lança iniciativa global para combater a desinformação

As Nações Unidas lançam nesta quinta-feira (21) a Verificado, uma iniciativa para combater o crescente flagelo de desinformação sobre a COVID-19 ao aumentar o volume e alcance de informação precisa e confiável.

“Não podemos ceder nossos espaços virtuais a aqueles que publicam mentiras, medo e ódio”, afirmou o secretário-geral da ONU, António Guterres, que anunciou a iniciativa.

Voluntários poderão se cadastrar para receber conteúdo confiável.

Aula virtual do Cozinha & Voz. Foto: OIT

Da sala de aula para sala de casa: projeto da OIT utiliza treinamento inédito em meio à pandemia

Projeto Cozinha & Voz faz parte de uma ampla iniciativa de promoção do trabalho decente para pessoas em situação de vulnerabilidade, desenvolvida pela Organização Internacional do Trabalho (OIT),  e pelo Ministério Público do Trabalho (MPT), com apoio da cozinheira Paola Carosella e da Casa Poema.

Conheça como a iniciativa funciona e está beneficiando pessoas trans de diversas regiões do Brasil.

Além dos artigos científicos já publicados e outros ainda inéditos, o Diretório apresenta dados de pesquisa, ensaios clínicos, teses, dissertações e outros materiais. Foto: Spark

IBICT e UNESCO lançam portal com informações científicas sobre COVID-19 em acesso aberto

O Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT), em parceria com a UNESCO no Brasil, lançou na quarta-feira (20) o portal Ciência Aberta é Vida, que reúne fontes de informação científica nacional e internacional, em acesso aberto, com conteúdo sobre a COVID-19.

Além dos artigos científicos já publicados e outros ainda inéditos, o diretório apresenta dados de pesquisas, ensaios clínicos, teses, dissertações e outros materiais referentes à produção dos pesquisadores do mundo todo.

A cantora brasileira Iza.

ONU Brasil participa de lançamento de novo sucesso da diva pop Iza

Uma campanha global será lançada nesta quinta-feira (21) para inspirar um movimento de transformação social e mobilizar pessoas em apoio aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Organizada pela Humanity Lab Foundation em parceria com a Warner Music e em colaboração com Nações Unidas, UNESCO, Agência da ONU para os Refugiados no Brasil (ACNUR) e ACM/YMCA Mundial, a ação visa gerar um debate em torno das ações necessárias para responder aos complexos desafios sociais e políticos atuais.

“A transformação real só é possível com a participação e contribuição de todos: governos, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos”, disse o coordenador-residente das Nações Unidas no Brasil, Niky Fabiancic.

Taís Araújo e Fórum Nacional das Mulheres Negras fazem live sobre violência doméstica na pandemia

Taís Araújo, defensora da ONU Mulheres Brasil para os Direitos das Mulheres Negras, conversará com Clátia Vieira, do Fórum Nacional de Mulheres Negras, nesta quinta-feira (21), às 19h, pela conta da atriz (@taisdeverdade) e de Clátia Vieira (@clatiavieira) no Instagram.

O bate-papo abordará a violência doméstica com foco na situação das mulheres negras, que são as que mais sofrem violência doméstica no Brasil. Segundo o Atlas da Violência de 2019, mais de 60% das mulheres assassinadas no país são negras.

60% das crianças em todo o mundo não estão recebendo educação, um nível nunca visto desde os anos 1980. Foto: PNUD Uruguai

COVID-19: Desenvolvimento Humano deve retroceder no mundo pela primeira vez desde 1990

O desenvolvimento humano global – medida combinada dos níveis mundiais de educação, saúde e padrão de vida – pode retroceder este ano pela primeira vez desde que o conceito foi desenvolvido, em 1990, alerta o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Quedas nos níveis fundamentais do desenvolvimento humano estão sendo sentidas na maioria dos países – ricos e pobres – em todas as regiões.

O número global de mortes causadas pela COVID-19 soma mais de 300 mil, ao passo que a renda per capita global neste ano deve cair 4%.

Programas de alimentação escolar podem contribuir para combater a má nutrição no mundo. Foto: WFP

Campanha lembra importância de garantir alimentação adequada a estudantes durante pandemia

Campanha de comunicação nas redes sociais visa sensibilizar gestores públicos sobre a importância de garantir acesso à alimentação adequada e saudável aos estudantes da rede pública de educação durante a pandemia de COVID-19.

Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) no Brasil e Aliança pela Alimentação Adequada e Saudável uniram esforços para defender o Programa Nacional de Alimentação Escolar brasileiro e a garantia do direito humano à alimentação adequada do público escolar.

Relatório de CEPAL e OIT abordará desafios que a pandemia apresenta para o trabalho nos países latino-americanos e caribenhos. Foto: Roberto Vinicius/Flickr/CC

CEPAL e OIT analisam desafios do trabalho na América Latina e no Caribe em meio à pandemia

A Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) e a Organização Internacional do Trabalho (OIT) apresentam na quinta-feira (21) uma nova edição de seu relatório conjunto em espanhol “Conjuntura Laboral na América Latina e o Caribe: o trabalho em tempos de pandemia – desafios frente à doença do coronavírus (COVID-19)”, que desta vez abordará os desafios representados pela pandemia para o trabalho nos países da região. 

A apresentação será feita em espanhol durante uma entrevista coletiva virtual simultânea às 13h30, horário do Chile (14h30 horário de Brasília), liderada por Alicia Bárcena, secretária-executiva da CEPAL, e por Vinícius Pinheiro, diretor regional da OIT para a América Latina e o Caribe.

COVID-19 e mudança do clima afetam cadeia produtiva de arroz

O mundo consome muito arroz. Mais de 3,5 bilhões de pessoas têm esse cereal como parte essencial de sua dieta, o que o torna fundamental para a segurança alimentar global e vital para metade da população mundial. Das 820 milhões de pessoas que passam fome atualmente, quase 60% vivem em áreas onde o consumo desse alimento representa mais de 40% de sua dieta anual de cereais. Paradoxalmente, as pessoas que o cultivam são geralmente as que não possuem segurança alimentar. Para mais de 100 milhões de pequenos produtores de arroz, é esse alimento que os tira da fome.

Antes da COVID-19, a grande indústria do arroz já estava enfrentando os impactos das mudanças climáticas. Agora, a pandemia está devastando todo o setor, ameaçando ainda mais vidas e meios de subsistência. Leia o relato do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA).

UNESCO destaca as vozes de mulheres ao imaginar o mundo pós-pandemia

A UNESCO convidou as principais pensadoras, artistas e ativistas de diversas áreas, que vão desde a climatologia às relações internacionais, passando pela física e pelos estudos africanos, para expressar suas opiniões sobre os desafios e as oportunidades que o mundo enfrentará após a pandemia da COVID-19.

Os primeiros vídeos publicados hoje oferecem uma perspectiva feminina sobre questões relacionadas ao meio ambiente, à educação e às relações internacionais que vêm à tona durante a atual crise mundial. A UNESCO optou por destacar as perspectivas femininas em seus primeiros vídeos, uma vez que, com muita frequência e em muitas partes do mundo, o pensamento sobre essas questões prementes continua sendo dominado por vozes masculinas.

OMS entrega suprimentos médicos para COVID-19 na República Democrática do Congo em abril de 2020. Foto: OMS

Países da OMS concordam em garantir acesso equitativo e oportuno a futura vacina contra o coronavírus

A Organização Mundial da Saúde (OMS) concluiu a Assembleia Mundial da Saúde na terça-feira (19), adotando uma resolução que exige uma revisão independente da resposta global à pandemia da COVID-19, incluindo o desempenho da própria agência.

De maneira mais ampla, as organizações internacionais foram convidadas a trabalhar em colaboração para desenvolver, testar e ampliar a produção de diagnósticos, tratamentos, medicamentos e vacinas seguros, eficazes, de qualidade e acessíveis para a resposta à COVID-19 – inclusive no licenciamento de patentes para facilitar acesso a eles.

Valéria Rodrigues, presidenta do Instituto Nice, e Abigaill Santos, coordenadora do Programa Transcidadania, ao centro da foto, apoiam em 2019 a primeira capacitação do ACNUR sobre o atendimento à população refugiada e migrante trans e travesti. Foto: ACNUR

ACNUR e Prefeitura de SP lançam guia de atendimento à população trans e travesti refugiada e migrante

No marco do Dia Internacional Contra a Homofobia, Transfobia e Bifobia, comemorado globalmente no dia 17 de maio, a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) e a Prefeitura de São Paulo lançaram virtualmente na segunda-feira (18) um Protocolo Operacional Padrão (POP) que orienta o atendimento humanizado à população refugiada e migrante trans e travesti vivendo na capital paulista.

No atual contexto de pandemia causada pela COVID-19, as dificuldades existentes são agravadas e ocasionam demandas crescentes para o acesso à serviços de assistência social, incluindo acolhimento e recebimento de alimentos.

Etienne pediu um melhor acesso a medidas efetivas de saúde pública, o fortalecimento da capacidade do sistema de saúde para melhor atender as populações vulneráveis e uma forte proteção social e econômica. Foto: Banco Mundial/Alex Baluyut

OPAS pede que países protejam grupos vulneráveis dos efeitos da pandemia

A diretora da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), Carissa F. Etienne, alertou nesta terça-feira (19) para os efeitos da pandemia de COVID-19 sobre as populações mais vulneráveis nas Américas, desde pessoas com poucos recursos financeiros até indígenas.

“Se quisermos retardar a propagação da pandemia e colocar nossa região no caminho da recuperação, precisamos proteger os grupos vulneráveis da COVID-19”, afirmou.

Mais de 2 milhões de casos e de 121 mil mortes devido à COVID-19 foram relatados nas Américas até 18 de maio – um aumento de 14% nos casos e mortes em relação à semana passada.

Mulheres na fila para receber alimentos nos Camarões. Elas praticam distanciamento social para ajudar a combater a propagação da COVID-19. Foto: WFP/Glory Ndaka

ONU elogia resposta africana à COVID-19 e pede mais apoio ao continente

Em uma mensagem em vídeo para lançar um relatório sobre a COVID-19 na África, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, elogiou a resposta da África à pandemia, mas lembrou que esforços para ampliá-la – incluindo a cooperação internacional e os sistemas de saúde – ainda são necessários.

O continente africano já confirmou cerca de 2.500 mortes por COVID-19, a doença provocada pelo novo coronavírus. Guterres destacou os países africanos responderam rapidamente à pandemia e, até agora, os casos relatados são mais baixos do que se temia. “Mesmo assim, há muito a pesar na balança (…) A vigilância e a preparação são fundamentais”, ressaltou.

O chefe da ONU lembrou que ainda estamos nos “primeiros dias” da pandemia na África, alertando que o cenário pode se tornar instável “rapidamente”.

“A solidariedade global com a África é um imperativo, agora e para se recuperar melhor. Acabar com a pandemia no continente africano é essencial para que esta acabe em todo o mundo.”

No Níger, 1,6 milhão de crianças vulneráveis ​​são afetadas por crises humanitárias, incluindo o fechamento de fronteiras e medidas de contenção da COVID-19. Foto: UNICEF/Juan Haro

Coordenação é essencial para vencer coronavírus e alcançar objetivos globais

Como a crise sem precedentes da COVID-19 continua causando estragos em todo o mundo – com os mais vulneráveis ​​sofrendo mais -, o chefe da ONU disse nesta terça-feira (19) que a tarefa de erradicar a pobreza e alcançar as metas de desenvolvimento “nunca foi tão desafiadora, mais urgente e mais necessária”.

“Nosso objetivo permanece claro: ajudar os países a navegar e acelerar o progresso em direção aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), respeitando plenamente o princípio da apropriação nacional”, afirmou o secretário-geral da ONU, António Guterres, abrindo a primeira sessão virtual das atividades operacionais para o segmento de desenvolvimento do Conselho Econômico e Social (ECOSOC).

Ivete Sangalo. Foto: UNIC Rio

Ivete Sangalo e Dilsinho gravam música com artistas latinos para ajudar na resposta à COVID-19

A empresa Sony Music Latin em parceria com a ONG Global Citizen lançaram uma nova versão da música “Color Esperanza” para arrecadar recursos para ajudar a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) na resposta à COVID-19. A música, lançada há quase 20 anos, passa uma mensagem de união, paz, mudança e esperança e já foi usada por várias causas e movimentos sociais.

Os brasileiros Ivete Sangalo e Dilsinho fazem parte do grupo de 30 artistas convidados, que incluem Ruben Blades, Prince Royce, Carlos Rivera e Carlos Vives.

"Não conseguimos pagar o aluguel e fomos expulsos”, conta Orlando Martinez sobre os impactos econômicos enfrentados por ele e outros indígenas venezuelanos da etnia Warao em Belém (PA) durante a pandemia. ACNUR/Camila França

Coronavírus ameaça indígenas venezuelanos que buscam segurança no Brasil

Enquanto quase metade dos quase 5 mil refugiados indígenas venezuelanos que vivem no Brasil está em abrigos de Belém (PA), Manaus (AM), Boa Vista (RR) e Pacaraima (RR), muitos outros permanecem em situações de insalubridade, vivendo em moradias superlotadas – ou mesmo nas ruas – sem saneamento básico, o que dificulta a prevenção contra a infecção. Leia o relato da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR).

Pessoas em todo o mundo estão tomando precauções contra o novo coronavírus. Foto: Unsplash/Aalok Atreya

Projeto para inclusão de juventudes periféricas do Rio se adapta à pandemia

Uma iniciativa do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), o projeto Chama na Solução começou em 2019 e reúne jovens de favelas e periferias do Rio de Janeiro (RJ) para criar ações que reduzam a distância entre jovens mais vulneráveis e oportunidades de renda e trabalho.

Desenvolvidas nos últimos meses, as propostas estavam prontas, mas a pandemia criou a necessidade de uma readaptação nos cinco grupos do projeto. Cada um manteve a essência da proposta – aproximar jovens vulneráveis do mundo de trabalho – buscando novas formas de atuar.