Cooperação Sul-Sul

A Cooperação Sul-Sul é um mecanismo de desenvolvimento conjunto entre países emergentes em resposta a desafios comuns. Acesse abaixo todas as informações sobre o tema.

Países africanos têm buscado cooperação técnica com IBGE. Foto: EBC

IBGE e Fundo de População da ONU ajudam países africanos a adotar coleta eletrônica em censos

Especialistas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) foram nesta semana ao Senegal para capacitar 25 técnicos do país africano sobre o uso de aparelhos eletrônicos na coleta de dados para censos populacionais. Realizada em parceria com o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), iniciativa teve início na segunda-feira (13) e faz parte de projeto que visa à criação de centros de referência em estatística na África.

Seca no semiárido brasileiro. Foto: Agência Brasil/Marcello Casal Jr

Publicação destaca importância da Cooperação Sul-Sul para cumprimento do Acordo de Paris

Publicação apoiada pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) lançada em Bonn, na Alemanha, durante a Conferência do Clima (COP23) dá um panorama sobre a multiplicidade de iniciativas relacionadas com a Cooperação Sul-Sul na área de mudança do clima, realizadas por países em desenvolvimento e organismos internacionais, com o apoio das Nações Unidas.

O documento destaca que países em desenvolvimento podem se beneficiar de parcerias que combatem os efeitos adversos da mudança do clima e colaboram com o alcance da Agenda 2030.

Alimentação escolar é crucial para atingir o objetivo global da ONU número dois, de fome zero. Foto: PMA/Alexandra Hilliard

Ministros africanos endossam estudo sobre alimentação escolar; experiência brasileira foi inspiração

Centro de Excelência contra a Fome do Programa Mundial de Alimentos da ONU (PMA), em colaboração com o Escritório do PMA para a África, realizou o estudo, após o Departamento da Recursos Humanos, Ciência e Tecnologia da Comissão da União Africana ter realizado uma visita de estudos ao Brasil para conhecer a experiência brasileira de alimentação escolar vinculada à agricultura local.

Plantação de algodão em Catuti (MG). Foto: OIT

Estudo mapeia informações sobre setor algodoeiro em seis países da América Latina

O algodão é um dos produtos agrícolas mais importantes do mundo. Estima-se que haja cerca de 35 milhões de hectares no produto plantados em 60 países. Na América Latina e no Caribe, esta cultura representa 80% das unidades produtivas da agricultura familiar.

A partir deste contexto, o projeto regional +Algodão publicou estudo que busca analisar a cadeia de valor do algodão em seis países da América Latina, a partir de um conjunto de marcos regulatórios para o seu desenvolvimento. O relato é da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO).

FAO, Bolívia e Brasil promovem oficina sobre agricultura familiar e comércio bilateral

Com o apoio da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), a Embaixada da Bolívia no Brasil e o Ministério das Relações Exteriores promovem nos próximos dias 7 e 8 de novembro, na cidade boliviana de Puerto Suarez, uma Oficina Técnica Preparatória para a Reunião do Comitê Binacional de Integração Bolívia-Brasil. Evento discutirá a criação de um programa de produção de vegetais e leguminosas, tendo em vista o fortalecimento da agricultura familiar e da comercialização entre os dois países.

Projeto visa contribuir para o desenvolvimento sustentável do setor algodoeiro na Bolívia. Foto: EBC

Bolívia recebe missão técnica da FAO e do governo brasileiro para impulsionar setor algodoeiro

A Bolívia recebe esta semana (de 23 a 27) a missão técnica de implementação do projeto +Algodão, que tem como objetivo contribuir para o desenvolvimento sustentável do setor algodoeiro no país em benefício de agricultores familiares comunitários, indígenas, camponeses e produtores.

O projeto +Algodão Bolívia é uma iniciativa da Cooperação Sul-Sul Trilateral em que participam a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), o governo brasileiro — representado pela Agência Brasileira de Cooperação (ABC/MRE) — e os ministérios de Desenvolvimento Rural e Terras e de Desenvolvimento Produtivo e Economia Plural da Bolívia.

Para governo brasileiro e Centro de Excelência contra a Fome, subprodutos do cultivo de algodão têm potencial comercial. Foto: Secom MT/Mayke Toscano

Centro da ONU e governo brasileiro ajudarão agricultores africanos a explorar subprodutos do algodão

A Agência Brasileira de Cooperação (ABC) e o Centro de Excelência contra a Fome, do Programa Mundial de Alimentos da ONU, firmaram uma nova parceria para dar apoio aos agricultores familiares que trabalham com o cultivo de algodão na África. Iniciativa tem por objetivo estimular o escoamento de subprodutos e também de outras culturas associadas ao plantio da fibra, como milho, sorgo e feijão. Projeto selecionará quatro países do continente.

Delegação da Guiana conheceu escolas e propriedades rurais de agricultores familiares. Foto: FAO/Fernanda Baldo

Delegação da Guiana visita Espírito Santo para conhecer alimentação escolar do Brasil

Para conhecer o Programa de Alimentação Escolar do Brasil (PNAE), representantes do governo da Guiana viajaram até Vitória, no Espírito Santo, onde puderam ver em primeira mão como a agricultura familiar é inserida nas cadeias de abastecimento dos colégios públicos brasileiros. Na capital capixaba, durante os 200 dias letivos do ano, são servidas cerca de 23 milhões de refeições aos estudantes das 103 unidades de ensino.

Viagem ocorreu dos dias 10 a 11 de outubro e foi promovida pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), com apoio do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE).

Plantação de algodão em Catuti (MG). Foto: OIT

Iniciativas brasileiras de trabalho decente no setor algodoeiro viram exemplo para outros países

Executado pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) em parceria com a Agência Brasileira de Cooperação (ABC) e o Instituto Brasileiro do Algodão, projeto busca compartilhar boas práticas brasileiras no setor algodoeiro e promover o trabalho decente em países produtores de algodão de África e América Latina por meio da Cooperação Sul-Sul.

“No Brasil, o trabalho infantil na produção de algodão está virtualmente erradicado, principalmente como resultado da atuação da inspeção do trabalho e do desenvolvimento de processos de certificação do algodão”, explica a coordenadora do programa de Cooperação Sul-Sul da Organização Internacional do Trabalho (OIT) no Brasil, Fernanda Barreto.

“Mas, infelizmente, este e outros problemas ainda persistem em outros países. Por isso, a Cooperação Sul-Sul é fundamental para compartilhar com esses países as possíveis soluções encontradas pelo Brasil.”

Mais Médicos aumentou número de pessoas atendidas e qualidade dos serviços de saúde. Imagem: OPAS

Mais Médicos ajuda Brasil a alcançar metas de saúde universal, avalia OPAS

Em visita a São Paulo, a diretora adjunta da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), Isabella Danel, elogiou o Mais Médicos, descrito como “um êxito” por ampliar o acesso à atenção primária. “O fortalecimento desse setor é primordial para a saúde universal”, defendeu a especialista durante ida ao Hospital Municipal Infantil Menino Jesus. Atualmente, o município conta com 262 profissionais do Mais Médicos. Desses, 78 são cubanos.

Na América Latina e no Caribe, há 60 milhões de agricultores familiares. Foto: Flickr/Secom/Mateus Pereira

Delegação do governo paraguaio visita projetos de agricultura familiar no Brasil

Representantes do governo paraguaio visitaram o Brasil na semana passada para conhecer as ações governamentais de incentivo à agricultura familiar. Eles contaram com o apoio da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) que, por meio da Cooperação Sul-Sul, fornece insumos, conhecimentos e experiências para o diálogo político, estratégico e técnico entre os países.

O Centro de Excelência contra a Fome apoia países africanos a reproduzir iniciativas brasileiras de alimentação escolar. Na imagem, criança se alimenta em centro do Programa Mundial de Alimentos na Região das Nações, Nacionalidades e Povos do Sul (SNNPRS), na Etiópia. Foto: PMA/Silvanus Okumu

Centro da ONU contribuiu para ampliar alimentação escolar em países em desenvolvimento, revela relatório

Em relatório independente sobre o Centro de Excelência contra a Fome da ONU, organismo criado há seis anos, gestores e especialistas em políticas de nutrição elogiaram o trabalho do organismo para promover a alimentação escolar e a agricultura familiar. Dos 66 entrevistados para a pesquisa, 71% relataram um aumento nas compras institucionais de alimentos que são produzidos localmente e, então, disponibilizados para o fornecimento de refeições em unidades de ensino.

Em artigo, economista do Banco Mundial afirma que os países desejam aprender com as experiências práticas de outros que atravessaram ou estão passando por desafios semelhantes. Foto: PMA/Isadora Ferreira

ARTIGO: Cooperação Sul-Sul é turismo de desenvolvimento ou traz resultados reais?

Em artigo, o economista do Banco Mundial e coordenador do programa Intercâmbio de Conhecimentos Sul-Sul, Igor Carneiro, fala da importância da troca de conhecimentos e experiências entre países que passaram ou estão passando por desafios semelhantes.

Segundo ele, inovações e soluções desenvolvidas no Sul podem ser adaptadas em outros países em desenvolvimento de forma muito mais fácil e apropriada do que as projetadas no Norte e para o Norte.

África e América Latina discutem soluções para produção de algodão

Foram identificadas oportunidades e ações concretas necessárias para o fortalecimento do setor, a partir da criação de uma rede de intercâmbio Sul-Sul de experiências entre os dois continentes. Diálogo foi organizado em encontro em Maceió pela Agência Brasileira de Cooperação (ABC/MRE), pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e pela Organização Internacional do Trabalho (OIT).

O Centro de Excelência contra a Fome contribuiu para mudar o entendimento de governos de cerca de 30 países sobre o potencial da alimentação escolar. Foto: Jaelson Lucas/SMCS

Parlamentares da América Latina e Caribe discutem inclusão de agricultura familiar nas compras públicas

Os programas de compras públicas para a agricultura familiar fornecem um vínculo entre os mercados locais, os governos e os programas de assistência ao usuário final. Segundo a FAO, iniciativas do tipo impulsionam economias locais, ampliam a saúda da população e valorizam a cultura local.

Parlamentares de oito países – Brasil, Equador, Guatemala, Uruguai, México, Costa Rica, Paraguai e Colômbia – se reuniram em Bogotá para trocar experiências sobre o tema.

Foto: PMA/Antony Njuguna

Centro de ONU lança vídeos sobre iniciativas de proteção social e alimentação escolar

O Centro de Excelência contra a Fome, organismo do Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas (PMA), está divulgando neste mês uma série de vídeos sobre seu trabalho na área de proteção social. A instituição ajuda 18 países do Sul global a desenvolver projetos de combate à fome e à pobreza. Entre os destaques das atividades do Centro, estão iniciativas na área de alimentação escolar e segurança nutricional.

Médico cubano do programa 'Mais Médicos' realiza atendimento na Ilha de Marajó, no Pará. Foto: OPAS/OMS

Revista recebe trabalhos científicos sobre formação profissional no programa Mais Médicos

A partir de 1º de agosto, a revista Interface recebe artigos e relatos de experiência de pesquisadores, gestores, professores, trabalhadores e usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) que abordem a formação profissional no programa Mais Médicos. Trabalhos serão publicados em suplemento especial, cujo tema foi definido pelo Ministério da Saúde em parceria com a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS).

Alicia Bárcena, secretária-executiva da CEPAL. Foto: CEPAL

CEPAL elogia compromisso da América Latina e Caribe com objetivos da ONU, mas cobra mudanças tributárias

Dezenove dos 33 países da América Latina e Caribe possuem instituições intersetoriais de alto nível para coordenar o cumprimento da Agenda 2030 das Nações Unidas. Também na região, 14 Estados já apresentaram informes nacionais voluntários sobre progressos obtidos no biênio 2016-2017. Mas para avançar, nações precisam aumentar carga tributária para mobilizar recursos, defendeu a CEPAL em Nova Iorque, durante o Fórum Político de Alto Nível sobre Desenvolvimento Sustentável (HLPF).

Com apoio da OPAS, Brasil exportou sangue pela primeira vez para ajudar a salvar a vida de jovem colombiana. Foto: Governo do Ceará

OPAS articula transporte de tipo raro de sangue doado por jovem brasileiro para criança colombiana

Uma cooperação inédita entre o Brasil, a Colômbia e a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) permitiu que o sangue doado por um jovem brasileiro de Fortaleza salvasse a vida de uma criança na cidade de Medellín. A menina, de um ano e três meses de idade, precisava de uma transfusão de um tipo raro de sangue: o fenótipo Bombaim. Mas em todo o território colombiano não havia nenhum doador compatível.

Alimentação escolar no Senegal. Foto: PMA/Benedicte Pansier

No Senegal, programa da ONU triplica produtividade agrícola e aumenta áreas cultivadas em quase 400%

No Senegal, as regiões cobertas pelo Programa de Aquisição de Alimentos para a África — PAA África — tiveram seus índices de produtividade agrícola triplicados após a implementação da iniciativa. Taxas médias de produção passaram de 0,8 tonelada por hectare para 2,57 toneladas.

O projeto também aumentou as áreas cultivadas — de 51 hectares para 245 — e fez duplicar a produção de arroz. Avanços foram divulgados e debatidos ao final de junho, durante seminário sobre a continuidade da estratégia.

Zimbábue prepara estratégia para programa de alimentação escolar

O Centro de Excelência Contra a Fome — fruto de parceria entre o governo brasileiro e o Programa Mundial de Alimentos (PMA) das Nações Unidas — tem apoiado o governo do Zimbábue desde 2016 no desenvolvimento de uma estratégia nacional de alimentação escolar.

Após três missões técnicas do Centro de Excelência no Zimbábue para avaliar a situação e o potencial da alimentação escolar no país, o governo zimbabuano realizou na semana passada um seminário nacional que marca a transição da fase de diagnóstico para a de elaboração do documento estratégico para o tema.

Escola em Les Cayes, no Haiti. Foto: UNICEF / Roger LeMoyne

Brasil doa vacinas contra raiva humana ao Haiti com apoio do PANAFTOSA e OPAS

O governo brasileiro doou 15 mil doses de vacinas contra raiva humana ao Haiti para proteger pessoas que foram expostas à doença. A iniciativa contou com o apoio do Centro Pan-Americano de Febre Aftosa da Organização Pan-Americana da Saúde (PANAFTOSA/OPAS).

O ministro da Saúde do Brasil, Ricardo Barros, entregou a doação pessoalmente à sua contraparte, Marie Greta Roy Clément, ministra de Saúde Pública e População do Haiti, durante cerimônia com a participação do representante da Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) no país, Luis Codina, e do diretor da PANAFTOSA, Ottorino Cosivi. As vacinas chegaram na última semana à capital haitiana, Porto Príncipe.

Autoridades ministeriais de Botsuana em visita ao Brasil. Foto: PMA/Sophia Andreazza

Delegação de Botsuana vem ao Brasil conhecer iniciativas de combate à fome

Ao longo da semana passada, uma delegação ministerial de Botsuana esteve no Brasil para conhecer as experiências de combate à fome do país sul-americano. Viagem foi organizada com o apoio do Centro de Excelência contra a Fome, organismo do Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas (PMA). Autoridades fizeram visita de campo no Distrito Federal para entender como funcionam as compras públicas de alimentos da agricultura familiar para as escolas brasileiras.

Segurança alimentar é um dos destaques da cooperação entre Brasil e países da África. Foto: Centro de Excelência contra a Fome

Agência brasileira lança publicações sobre estratégias para Cooperação Sul-Sul

Como parte das comemorações por seus 30 anos, a Agência Brasileira de Cooperação (ABC) lançou três publicações que discutem os caminhos da cooperação brasileira para o desenvolvimento e possíveis estratégias para monitorar e avaliar iniciativas de Cooperação Sul-Sul.

Uma das publicações cita o Centro de Excelência contra a Fome — fruto de parceria entre o governo brasileiro e o Programa Mundial de Alimentos (PMA) das Nações Unidas — como exemplo de parceria entre o Brasil e agências internacionais para a cooperação na área da segurança alimentar e nutricional.

Alimentação escolar. Foto: Agência Brasil

Seminário em Washington discute cooperação internacional em alimentação escolar

O Centro de Excelência contra a Fome, fruto de parceria entre o Programa Mundial de Alimentos (PMA) das Nações Unidas e o governo brasileiro, participou na semana passada (15) de seminário em Washington (EUA) para discutir evidências sobre os impactos de programas de alimentação escolar nos países. O evento foi organizado pela Global Child Nutrition Foundation e pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA).

Plantação de arroz em Chengdu, Sichuan, na China. Foto: ONU/John Isaac. (arquivo)

BRICS podem ter papel de liderança no combate à fome, diz agência da ONU

Enquanto o tempo passa rumo ao prazo de 2030 para atingir os objetivos globais de erradicar a fome e a pobreza, a agência das Nações Unidas para a agricultura afirmou que cinco importantes economias emergentes, conhecidas como BRICS, estão bem posicionadas para ter papel de liderança em ajudar o mundo a atingir essas metas.

Para a representante regional da FAO, Kundhavi Kadiresan, os programas de proteção social adotados nesses países têm papel essencial no desenvolvimento rural, reduzindo a pobreza, beneficiando a saúde e fortalecendo a confiança dos agricultores familiares.

Alimentação escolar foi definida como um super-recurso por estudo do Centro de Excelência contra a Fome. Foto: PMA

Mais de 20 países da África endossam recomendações da ONU para melhorar alimentação escolar

Representantes de 25 países africanos endossaram as recomendações do Centro de Excelência contra a Fome para melhorar iniciativas que fornecem refeições em centros de ensino. Reunidos em Nairóbi nesta semana para o III Seminário Regional sobre Alimentação Escolar, autoridades discutiram as descobertas preliminares de um estudo conduzido pelo organismo da ONU. Encontro começou no início da semana (29) e foi concluído na quarta-feira (31).