Surtos de sarampo continuam a se propagar e provocar mortes na Europa

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Os surtos de sarampo na Região Europeia da Organização Mundial da Saúde (OMS) causaram 35 mortes nos últimos 12 meses. A fatalidade mais recente ocorreu com um menino de 6 anos na Itália, onde mais de 3,3 mil casos de sarampo, incluindo dois óbitos, ocorreram desde junho de 2016. Outros países também relataram surtos. De acordo com autoridades nacionais de saúde pública, a doença causou 31 mortes na Romênia, uma morte na Alemanha e outra em Portugal.

Criança com sintomas do sarampo. Foto: Blog da Saúde/NatUlrich

Criança com sintomas do sarampo. Foto: Blog da Saúde/NatUlrich

Os surtos de sarampo na Região Europeia da Organização Mundial da Saúde (OMS) causaram 35 mortes nos últimos 12 meses. A fatalidade mais recente ocorreu com um menino de 6 anos na Itália, onde mais de 3,3 mil casos de sarampo, incluindo dois óbitos, ocorreram desde junho de 2016. Outros países também relataram surtos. De acordo com autoridades nacionais de saúde pública, a doença causou 31 mortes na Romênia, uma morte na Alemanha e outra em Portugal.

“Toda morte ou incapacidade causada por esta doença evitável por vacina é uma tragédia inaceitável”, afirma Zsuzsanna Jakab, diretor regional da OMS para a Europa. “Estamos muito preocupados com o fato de que, apesar de uma vacina segura, eficaz e acessível estar disponível, o sarampo continua a ser uma das principais causas de morte entre crianças em todo o mundo e, infelizmente, a Europa não é poupada. Trabalhar em estreita colaboração com as autoridades de saúde em todos os países europeus afetados é a nossa prioridade para controlar os surtos e manter uma alta cobertura de vacinação para toda a população”.

A região vem progredindo rumo à eliminação do sarampo. De acordo com avaliação da Comissão Regional de Verificação para a Eliminação do Sarampo e Rubéola, com base em relatórios de 2015, 37 países interromperam a transmissão endêmica. No entanto, as lacunas de baixa cobertura de imunização remanescentes permitem que esse vírus altamente contagioso se espalhe entre aqueles que optam por não se vacinar, não têm acesso equitativo a vacinas ou não podem ser protegidos devido a condições de saúde subjacentes.

Em resposta, países estão adotando medidas como a verificação na inscrição escolar, com o objetivo de aumentar as taxas de cobertura de vacinas de rotina contra o sarampo e outras doenças. A OMS recomenda que todas as crianças elegíveis recebam duas doses da vacina contra o sarampo. Isso também incentiva os adultos que não estão completamente imunizados ou que não têm certeza de seu status de imunidade a se vacinar.

Em consonância ao apelo do diretor regional para esforços intensificados, a Romênia realizou uma campanha nacional reforçada de atividades de imunização de rotina. A Itália implementou medidas de controle de surtos, incluindo a notificação de casos suspeitos, rastreamento de contatos e oferta de profilaxia pós-exposição e vacinação.

Em junho (21), em Roma, Itália, especialistas do Escritório Regional da OMS para a Europa contribuíram para uma consulta com funcionários regionais de saúde pública, representantes do Instituto Italiano de Saúde (ISS) e funcionários de laboratórios de sarampo e rubéola. Juntos, eles decidiram novas estratégias para melhorar a cobertura da vacinação entre adolescentes, adultos, grupos populacionais vulneráveis e profissionais de saúde. A gama de atividades identificadas inclui o fortalecimento da vigilância de doenças e práticas de comunicação.


Mais notícias de:

Comente

comentários