Surto de ebola ‘não está fora de controle’, rebate agência da ONU

Guiné, Libéria e Serra Leoa lutam para controlar um surto de ebola na África Ocidental, que já infectou mais de 600 pessoas e matou quase 400 desde março.

Uma enfermeira conforta um paciente que foi diagnosticado com o vírus Ebola. Foto: OMS/Chris Black

A Organização Mundial da Saúde (OMS) e seus parceiros estão trabalhando com os governos da Guiné, Libéria e Serra Leoa para controlar um surto de ebola na África Ocidental, que já infectou mais de 600 pessoas e matou quase 400 desde março.

“A situação não está fora controle”, afirmou o especialista da OMS neste assunto, nesta sexta-feira (27), Pierre Formenty, em Genebra (Suíça). “A OMS está apoiando os três países afetados e seus ministérios de saúde, e estamos trabalhando com eles diariamente para conter o surto”, disse, lembrando que existem dificuldades, especialmente nas florestas, para identificar os casos.

O vírus ebola, que causa hemorragia grave e mata até 90% das pessoas infectadas, é transmitido pelo contato direto com o sangue e fluidos corporais de animais infectados ou pessoas.

“Para ser eficaz, a OMS tem que dialogar e educar a população, as famílias afetadas e os pacientes, para fazê-los entender o modo de transmissão da doença”, disse Formenty.