Surto de cólera ameaça crianças no Sudão do Sul, alerta UNICEF

O UNICEF adotou uma série de intervenções urgentes para aumentar a consciência sobre como prevenir, detectar e tratar a doença. Foto: UNICEF Sudão do Sul/Claire McKeever

O surto de cólera que ameaça as crianças no Sudão do Sul é o mais recente golpe ao país que se encontra à beira de uma crise humanitária e em meio a um conflito violento contínuo desde dezembro de 2013, relatou o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF).

De acordo com a agência da ONU, 18 pessoas, incluindo duas crianças menores de cinco anos, já perderam suas vidas para a doença, com o primeiro caso reportado no dia 27 de maio em um campo de Proteção de Civis da ONU (PoC), em Juba, capital do Sudão do Sul. Desde então, 170 casos suspeitos foram reportados dentro do local de proteção e em vilarejos em toda o estado de Equatória Central.

“Até 5 mil crianças menores de cinco anos correm risco de morte por cólera a menos que sejam tomadas medidas urgentes para conter esta ameaça”, alertou o representante do UNICEF no Sudão do Sul, Jonathan Veitch, na última terça-feira (23). O Fundo está engajado em uma série de intervenções urgentes para aumentar a consciência sobre como prevenir, detectar e tratar a cólera.

“É deplorável que uma doença tão facilmente prevenida possa destruir tantas vidas jovens”, disse Veitch, que explicou que o UNICEF trabalha com comunidades e instituições de saúde para prevenir mais mortes, mas os fundos se esgotam. Para pôr fim à propagação da doença, a agência pede 4,6 milhões de dólares para financiar ações nos próximos seis meses.