Sudão: resolução para crise humanitária precisa de fundos e acordo de paz

Fundos destinados à região sul do Sudão e um acordo de paz em Darfur são fundamentais para resolver a crise humanitárias nas duas regiões, declarou no domingo (30) o Subsecretário-geral da ONU para Assuntos Humanitários, John Holmes. Recuperação, reconstrução e desenvolvimento da região depende de cessar fogo e um acordo político definitivo.

John Holmes, Subsecretário-geral para Assuntos HumanitáriosFundos destinados à região sul do Sudão e um acordo de paz em Darfur são fundamentais para resolver a crise humanitárias nas duas regiões, declarou no domingo (30/5) o Subsecretário-geral da ONU para Assuntos Humanitários, John Holmes. A ONU e seus parceiros de assistência pediram por 1,9 bilhão de dólares até o fim do ano para o país, transformando a missão na maior operação humanitária do mundo.

Insegurança com os alimentos e desnutrição crescente causada por chuvas fracas e falhas nas colheitas, assim como preços mais caros de alimentos, estão entre os fatores que levaram a uma nova crise humanitária no sul do Sudão. Aproximadamente 1,5 milhões de pessoas sofrem as consequências da crise. Enquanto isso, a violência tribal, até o momento, exterminou 700 pessoas e desalojou mais 90 mil. Ataques contínuos por parte do grupo ugandense Exército de Resistência do Senhor (LRA, na sigla em inglês) também contribuíram para a insegurança, os desalojamentos e as mortes.

Por volta de um quarto dos 531 milhões de dólares pedidos para ajuda humanitária para o sul do país já foram recebidos até o momento. A contribuição realizada pelo Governo do sul sudanês no valor de 35 milhões de dólares será usada para combater a insegurança com alimentos. Sobre Darfur, Holmes disse que pouco mudou desde sua última visita, que ocorreu logo após Cartum (capital do país) expulsar mais de uma dúzia de organizações humanitárias em decorrência da emissão de um mandado de prisão por parte do Tribunal Penal Internacional (TPI) para o presidente sudanês Omar Al-Bashir por crimes de guerra e crimes contra a humanidade.

Ainda que algumas lacunas tenham sido preenchidas, O Escritório das Nações Unidas de Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA, na sigla em inglês) considera que qualidade e capacidade permanecem abaixo de níveis anteriores em algumas áreas. Obstáculos burocráticos e insegurança dificultam a assistência àqueles que a precisam.

Sete anos de guerra entre forças militares e grupos rebeldes em Darfur já mataram aproximadamente 300 mil pessoas e desalojaram de suas casas mais 2,7 milhões. Holmes enfatizou a necessidade de um cessar fogo em Darfur e um acordo político definitivo para que se possa alcançar a recuperação, reconstrução e desenvolvimento que a região tanto precisa.