Sudão do Sul: ONU cobra compromisso internacional para acalmar o conflito no país

A guerra civil no país se intensifica e altos funcionários das Nações Unidas instam partes interessadas a chegar a uma solução sustentável para a crise.

Família em abrigo improvisado no complexo da ONU em Malakal, no estado do Alto Nilo, no Sudão do Sul. Foto: OCHA

Família em abrigo improvisado no complexo da ONU em Malakal, no estado do Alto Nilo, no Sudão do Sul. Foto: OCHA

À medida que o conflito civil do Sudão do Sul continua a crescer, três representantes das Nações Unidas instaram todas as partes interessadas no país a alcançar uma solução sustentável para a crise através do diálogo inclusivo e promoção de uma paz duradoura, baseada na prestação de contas e reconciliação.

“Estamos consternados com a grande escala, a natureza generalizada das violações e abusos relatados, incluindo assassinatos extrajudiciais, o rapto de mulheres e crianças, estupro e outras formas de violência sexual, recrutamento e utilização de crianças, saques e destruição de propriedade”, declararam em um comunicado conjunto a diretora executiva da ONU Mulheres, Phumzile Mlambo-Ngcuka, o assessor especial das Nações Unidas para a Prevenção do Genocídio, Adama Dieng, e a assessora especial da ONU sobre a Responsabilidade de Proteger, Jennifer Welsh.

“Os combates exacerbaram uma terrível situação econômica e humanitária através da redução do espaço humanitário, privando milhares de sul-sudaneses de assistência humanitária essencial”, completaram.

O conflito do Sudão do Sul começou em dezembro de 2013 e foi marcado pela violência brutal contra os civis e aprofundou o sofrimento em todo o país. Cerca de 120 mil pessoas estão abrigadas em complexos da ONU no país enquanto a Organização estima que o número de pessoas necessitadas para 2015 chegue a 1,95 milhão de pessoas deslocadas internamente e uma projeção de 293 mil refugiados.