Sudão do Sul: Missão da ONU condena detenção de monitores internacionais no país

No Sudão do Sul, cerca de 1,5 milhão de pessoas estão deslocadas e mais de 7 milhões com riscos de fome e doenças. 

O helicóptero MI-8 da UNMISS em Juba. Foto: ONU/Martine Perret

O helicóptero MI-8 da UNMISS em Juba. Foto: ONU/Martine Perret

A Missão das Nações Unidas no Sudão do Sul (UNMISS) condenou a detenção neste fim de semana de uma equipe de seis monitores da Autoridade Intergovernamental para o Desenvolvimento (IGAD), que acompanham o cessar-fogo no país, e de três tripulantes em Bouth pelas forças aliadas e de oposição do Exército Popular de Libertação do Sudão (SPLA).

Os monitores, que fazem parte de uma equipe de verificação em Bouth, estavam em uma missão de rotina quando foram detidos. Um representante do SPLA, que fazia parte da equipe, morreu durante o período de detenção, supostamente, devido a causas naturais, disse a UNMISS. “Esforços estão em andamento para recuperar a aeronave da IGAD que voou os monitores para Bouth”, acrescentou.

A UNMISS pediu às partes que colaborem plenamente na busca de uma solução pacífica e duradoura para a crise atual no Sudão do Sul, que vem sofrendo com a onda de violência nas últimas semanas. Lutas políticas internas entre o presidente Salva Kiir e seu ex-vice, Riek Machar, iniciadas em dezembro de 2013 e, posteriormente, se transformou em um conflito que levou cerca de 100 mil pessoas a encontrarem abrigo nas bases da UNMISS em todo o país. Cerca de 1,5 milhão de pessoas estão deslocadas e mais de 7 milhões com riscos de fome e doenças. 

Acidente aéreo

Nesta terça-feira, a UNIMISS anunciou um acidente aéreo com um dos seus helicópteros que deixou três tripulantes mortos e um ferido.

As causas do acidente ainda são desconhecidas, mas a UNMISS já anunciou uma investigação para determinar o fator que levou provocou a queda da aeronave.