Sucesso das missões de paz requer planejamento e focos estratégicos, diz ONU

Chefe do Departamento de Suporte de Campo (DSC), Ameerah Haq. Foto: ONU/Devra Berkowitz

Colocar uma missão de paz da ONU em pleno funcionamento não é uma tarefa fácil, afirmou nesta terça-feira (28) a chefe do Departamento de Suporte de Campo (DSC), Ameerah Haq. Enquanto o Conselho de Segurança da Organização determina o tempo do mandato e o tamanho das novas missões, criar a infraestrutura para a sua instalação é um empreendimento que leva muitos meses.

“Iniciar uma missão é um momento muito difícil, porque você está tentando trabalhar dentro de um prazo apertado”, disse Ameerah Haq.

O Departamento de Suporte de Campo foi criado pela Assembleia Geral em 2007 para reforçar a capacidade da ONU para “montar e sustentar” as operações de manutenção da paz, levando em conta o aumento da demanda e da complexidade dessas operações.

Atualmente, o departamento apoia mais de 113 mil funcionários servindo em 16 missões políticas e pacificadoras da ONU nas áreas de finanças, logística, informação, comunicações e tecnologia, recursos humanos e administração geral.

Haq retornou recentemente do Mali, onde a Missão Multidimensional Integrada das Nações Unidas para a Estabilização do país (MINUSMA) está no processo de criação.

“Há muitos, muitos desafios se observarmos o que um mandato significa, como podemos responder, determinar e operacionalizar esse mandato”, disse ela na terça-feira (28) em entrevista sobre o Dia Internacional dos Trabalhadores das Forças de Paz da ONU, lembrado nesta quarta-feira (29).

Segundo ela, antes de estabelecer uma missão, deve-se checar os contratos para o fornecimento de alimentos e água para as tropas, criar infraestrutura para atender as suas necessidades de abrigo, locomoção, comunicação e aterrissagem dos aviões.

Haq observou que a missão no Mali reflete a natureza mutável do conceito de paz da ONU, já que ela envolve mais do que apenas monitorar o cessar-fogo, incluindo também a proteção dos civis e o fornecimento de um ambiente seguro para a realização de eleições livres e justas.

Adaptar-se a estes novos desafios é o foco do Dia Internacional dos Trabalhadores das Forças de Paz. Para marcar a data, a ONU prestou homenagem a todos os homens e mulheres que serviram tanto como militares, policiais ou civis e continuam a servir nas operações de paz da ONU por seu alto nível de profissionalismo, dedicação e coragem e para honrar a memória daqueles que perderam suas vidas pela causa da paz.