Subsecretário-geral da ONU vai ao Egito para ‘escutar população’ e avaliar ajuda

Para secretário-geral da ONU as autoridades e líderes políticos egípcios compartilham a responsabilidade de acabar com a violência, que já matou mais de 500 pessoas nos últimos dias.

Em 27 de julho, manifestantes no Cairo se protegem usando barreiras improvisadas. Foto: IRIN/Saeed Shahat

O subsecretário-geral da ONU para assuntos políticos, Jeff Feltman, está no Egito a pedidos do secretário-geral da organização, Ban Ki-moon, para ouvir o que a população tem a dizer sobre a crise no país e entender como as Nações Unidas podem ajudar a nação do norte-africana nesse momento.

Ban e outros funcionários da ONU têm enfatizado repetidamente que as autoridades e os líderes políticos egípcios compartilham a responsabilidade de acabar com o surto generalizado de protestos violentos, que já matou mais de 500 pessoas e deixou milhares de feridos nos últimos dias.

Feltman chegou ao Egito na terça-feira (20) e se reuniu com o secretário-geral da Liga Árabe, Nabil Elaraby. Eles conversaram sobre a colaboração da ONU com a Liga Árabe na crise e a solução política para o conflito na Síria, o processo de paz entre Israel e Palestina e o processo político no Iêmen.

O Egito vem atravessando momentos difíceis depois que grandes protestos populares derrubaram o presidente Hosni Mubarak, há dois anos. No mês passado, os protestos recomeçaram e dezenas de pessoas foram mortas e feridas, o que levou à deposição do então presidente egípcio eleito, Mohamed Morsi. A Constituição foi suspensa e, em seguida, um governo militar interino foi criado.