Somália requer ajuda continuada contra a fome, diz Coordenador Humanitário da ONU

O Coordenador Humanitário das Nações Unidas para a Somália e Representante da ONU no país, Mark Bowden, disse ontem (12/01) que a ajuda humanitária internacional recebida no último ano para enfrentar os desafios da fome e da seca no país salvou milhares de vidas, mas que a situação continua frágil, com milhões de pessoas ainda precisando assistência continuada.

Em julho de 2011, uma epidemia de fome foi declarada em três zonas da Somália e a ONU e seus parceiros apelaram à comunidade internacional por recursos de 1,5 bilhão de dólares para enfrentar a crise. Bowden declarou que “sabemos que no último ano 1,3 bilhão de dólares foram reunidos para serem enviados a Somália, a maioria do qual já foi gasto”. Mas ressaltou que “os avanços são muito frágeis e requerem permanência da ajuda e do engajamento internacional”.

Bowden apontou que a ajuda humanitária permitiu reduzir o número de pessoas ameaçadas pelo quadro da epidemia de fome de 750 mil para 150 mil, assim como prevenir a propagação da diarreia e de outras doenças infecciosas. “Dessa forma, parte da história da Somália é um sucesso, mas como sempre, em lugares assim, o sucesso é limitado”.

Quatro milhões de somalis ainda necessitam de assistência constante, incluindo ajuda alimentar, saúde, água e serviços de saneamento.