Sociedade civil se reúne com equipe conjunta do UNAIDS para debater plano de ação com foco em 2019

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Para definir as atividades da ONU no Brasil voltadas para a epidemia de HIV, representantes da sociedade civil reuniram-se neste mês (18), em Brasília, com a equipe do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (UNAIDS). Encontro teve a participação de pessoas que vivem com HIV e que atuam em movimentos sociais em prol da saúde e dos direitos da população soropositiva.

Encontro reuniu profissionais do UNAIDS e representantes da sociedade civil com o objetivo de discutir estratégias para 2019. Foto: UNAIDS

Encontro reuniu profissionais do UNAIDS e representantes da sociedade civil com o objetivo de discutir estratégias para 2019. Foto: UNAIDS

Para definir as atividades da ONU no Brasil voltadas para a epidemia de HIV, representantes da sociedade civil reuniram-se neste mês (18), em Brasília, com a equipe do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (UNAIDS). Encontro teve a participação de pessoas que vivem com HIV e que atuam em movimentos sociais em prol da saúde e dos direitos da população soropositiva.

“É muito importante ouvir o que a sociedade civil tem a dizer para contribuir com o planejamento de nossas ações para 2019. É uma visão diferente de quem está na ponta, e uma reunião apenas para falar sobre isso nos dá tempo para aprofundar questões importantes”, afirmou a diretora do UNAIDS no Brasil, Georgiana Braga-Orillard, durante o encontro.

“Mais do que apenas apoiar na construção das ações, a sociedade civil também tem um papel importante no apoio à implementação e à articulação locais”, acrescentou a representante do programa da ONU.

O diálogo na capital federal discutiu as estratégias do Plano Conjunto da ONU sobre AIDS no Brasil para o próximo ano. Também foram debatidas as ações já realizadas em 2018. O UNAIDS destina recursos financeiros e implementa iniciativas para acelerar a resposta à epidemia de HIV em países considerados prioritários, como é o caso do Estado brasileiro.

Uma das pautas levantadas pelos representantes da sociedade civil foi a necessidade de ampliar o público-alvo das intervenções de saúde pública, para além das populações-chave. “O importante é que ninguém seja deixado para trás, por isso precisamos sair das caixinhas e ampliar a nossa visão sobre como abordar as práticas envolvendo o HIV”, disse Jorge Beloqui, da Rede Nacional de Pessoas Vivendo com HIV e AIDS (RNP+).

Também estiveram na reunião os ativistas Silvia Aloia, do Movimento Nacional das Cidadãs Posithivas (MNCP), Emerson Faria Correia, da Rede Nacional de Adolescentes e Jovens Vivendo com HIV e AIDS (RNAJHVA), Rafael Batista e Alberto Carlos Andrade de Souza, representantes eleitos pelo Encontro Nacional de ONGs/Aids (ENONG).

Os participantes do encontro também representam a sociedade civil dentro do Grupo Temático Ampliado das Nações Unidas sobre HIV/Aids (GT UNAIDS).


Mais notícias de:

Comente

comentários