Situação humanitária na Síria está ‘mais difícil a cada dia’, afirma chefe do Programa Mundial de Alimentos

Em visita ao país, Ertharin Cousin reforça pedido de mais acesso para os trabalhadores alcançarem os necessitados. PMA precisa de 2 bilhões de dólares para ajudar mais de 7 milhões de pessoas.

Diretora executiva do PMA, Ertharin Cousin visita centro de distribuição de alimentos em Damasco, Síria. Foto: PMA/Abeer Etefa

A situação humanitária na Síria ‘está ficando mais difícil a cada dia‘, avaliou nesta quinta-feira a chefe do Programa Mundial de Alimentos (PMA) ao visitar a capital, Damasco. Ertharin Cousin voltou a pedir a melhoria do acesso dos trabalhadores humanitários a locais de tensão e combate no país, além de apoio contínuo da comunidade internacional. ços para a entrega de assistência.

O PMA precisa de cerca de 2 bilhões de dólares para ajudar mais de 7 milhões de pessoas.

De acordo com a diretora executiva, “quase metade da população síria sofrendo de insegurança alimentar”. Cousin disse que, neste mês, o PMA aumentou a assistência para alcançar 4,25 milhões de pessoas dentro da Síria. “O desafio é ganhar o acesso para áreas em conflito e sitiadas”, explicou.

Durante a visita, além de se reunir com autoridades do país, Cousin foi a um centro de distribuição de alimentos, onde conversou com mulheres e crianças que recebiam a assistência mensal.

Uma das mulheres contou à Cousin que vive em um apartamento com 32 membros da família e que todos se deslocaram para Damasco depois que suas casas foram destruídas em diferentes regiões do país. Até agora, nenhum deles conseguiu encontrar emprego e, por isso, dependem do PMA para se alimentar.

“A crise da Síria é mais do que números. Todas as famílias que conheci compartilham uma triste história de tragédia e perda”, relatou a diretora executiva. “Estou muito comovida com a resiliência e pelo espírito do povo sírio.”