Sistema ONU no Brasil lamenta morte de Dom Paulo Evaristo Arns

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

O Sistema ONU no Brasil lamenta profundamente o falecimento de Dom Paulo Evaristo Arns, cuja trajetória de vida marcou-se pela defesa dos direitos humanos.

Lideranças de direitos humanos homenageam os 95 anos de Dom Paulo Evaristo Arns em evento na Pontifícia Universidade Católica (PUC) (Rovena Rosa/Agência Brasil)

Lideranças de direitos humanos homenageam os 95 anos de Dom Paulo Evaristo Arns em evento na Pontifícia Universidade Católica (PUC) (Rovena Rosa/Agência Brasil)

O Sistema ONU no Brasil lamenta profundamente o falecimento de Dom Paulo Evaristo Arns, cuja trajetória de vida marcou-se pela defesa dos direitos humanos, em especial de presos políticos durante o regime militar, não apenas no Brasil, como também na América Latina. Criou a Comissão de Justiça e Paz de São Paulo e a Pastoral da Criança na década de 1980 com o apoio da irmã, Zilda Arns, que morreu no terremoto de 2010 no Haiti, enquanto prestava serviços humanitários.

Sob o comando de Javier Pérez de Cuéllar na ONU, Dom Paulo foi o primeiro brasileiro a receber o Prêmio Nansen do Alto Comissariado da ONU para Refugiados (ACNUR), em 1985, pelo trabalho com os refugiados na América Latina e como incansável defensor de direitos humanos. Seu trabalho é um exemplo e inspiração para todos que lutam por um mundo mais justo e menos desigual.

UNICEF

Em nota, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) também lamentou a morte do cardeal Dom Paulo Evaristo Arns, afirmando que o arcebispo emérito de São Paulo foi um importante defensor da liberdade e dos direitos humanos.

“Dom Paulo Evaristo foi também um grande amigo das crianças e dos adolescentes. Junto com James Grant, então diretor-executivo do UNICEF, idealizou na década de 1980 a Pastoral da Criança, que ajudou a reduzir a mortalidade infantil no Brasil. A organização, criada por sua irmã Zilda Arns Neumann e por Dom Geraldo Majella Agnelo em 1983, no Paraná, hoje se faz presente em todos os estados brasileiros e em outros 17 países da África, Ásia, América Latina e Caribe”, afirmou em nota o representante do UNICEF no Brasil, Gary Stahl.

“Neste momento de pesar, expressamos nossas condolências aos familiares e amigos mais próximos de Dom Paulo Evaristo. Esperamos que sua memória inspire esta e as próximas gerações na luta pela garantia dos direitos humanos, principalmente os de nossas crianças e nossos adolescentes.”


Comente

comentários