Síria: ONU alerta contra ameaças a civis após corte de água por grupos armados em Aleppo

Cidade ficou por oito dias sem água potável e saneamento. Secretário-geral da ONU condenou o que classificou como “clara violação” do direito internacional.

Crianças sírias estão na entrada de um abrigo no acampamento Bab Al Salame, para pessoas internamente deslocadas, em Aleppo. Foto: UNICEF/Giovanni Diffidenti

Crianças sírias estão na entrada de um abrigo no acampamento Bab Al Salame, para pessoas internamente deslocadas, em Aleppo. Foto: UNICEF/Giovanni Diffidenti

Após relatos de que grupos armados cortaram o abastecimento de água na cidade de Aleppo, na Síria, deixando pelo menos 2,5 milhões de pessoas sem acesso a água potável e saneamento por dias, o secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, alertou que tal ataque deliberado contra civis é uma “clara violação” da lei internacional.

Em comunicado divulgado na noite desta sexta-feira (16) por um porta-voz da ONU, em Nova York, Ban Ki-moon disse estar preocupado com relatos de que o abastecimento de água na cidade foi deliberadamente interrompido por grupos armados por oito dias.

“O secretário-geral observa que impedir o acesso das pessoas à água potável é uma negação de um direito humano fundamental”, disse o comunicado.

Com o abastecimento de água restaurado, o secretário-geral exortou todas as partes a assegurar que o abastecimento de água em Aleppo – e em todos os lugares na Síria – seja permanentemente garantido, pedindo que as partes abstenham-se de tornar alvos as instalações civis e de infraestrutura.

“Ele pediu que os Estados-membros e as pessoas com influência sobre todas as partes envolvidas no conflito os lembre de suas obrigações”, disse o comunicado.