Simpósio discute Tecnologia da Informação e Comunicação como parte da estratégia ambiental

As TICs são, provavelmente, as ferramentas que oferecem as maiores oportunidades para se reduzir as emissões de gases do efeito estufa.

Tecnologias da Informação e Comunicação

Incluir as Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) como parte da estratégia global de combate aos impactos sobre o meio ambiente pode reduzir o fosso tecnológico entre os países, aumentar o investimento dessa indústria e garantir a sustentabilidade ambiental no setor.

Nesse sentido, os participantes do VI Simpósio sobre TIC, evento organizado pela União Internacional de Telecomunicações (UIT), em Gana, produziram uma série de recomendações para serem levadas à Conferência das Partes da Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP-17), em novembro próximo, em Durban (África do Sul).

O documento pede que haja uma menção específica durante as negociações da COP-17 sobre o papel dessas tecnologias nas estratégias a serem implementadas pelos países. Pede também que seja utilizada uma metodologia comum para medir as emissões de carbono no setor, além da adoção de uma abordagem de fabricação que reduza a necessidade de extrair  matérias-primas, processo conhecido como “ciclo fechado”.

“Hoje é impensável um mundo sem TICs. No entanto, esse sucesso em si significa uma participação crescente nas emissões de gases de efeito estufa”, alertou o Diretor de Padronização da UIT, Malcolm Johnson. “Por outro lado, as TICs são, provavelmente, as ferramentas que oferecem as maiores oportunidades para se reduzir as emissões em indústrias do setor elétrico, no saneamento básico, na construção e nos transportes. Esta é a mensagem que devemos levar a COP-17.”

Durante o Simpósio, foi lançado também um projeto-piloto com a metodologia desenvolvida pela UIT para avaliação ambiental no setor de TIC.