Seminário sobre equidade de gênero no setor público tem início em Brasília

Realizado por Escola Nacional de Administração Pública (ENAP), ONU Mulheres e embaixadas de Noruega e Suécia, evento em Brasília apresentará casos reais de políticas públicas brasileiras e de alguns dos países que lideram ranking internacional de políticas para a igualdade de gênero.

O Objetivo do Desenvolvimento Sustentável (ODS) número 5 prevê alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas. Foto: EBC

O Objetivo do Desenvolvimento Sustentável (ODS) número 5 prevê alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas. Foto: EBC

Brasil, Noruega e Suécia apresentam a partir desta segunda-feira (5) durante evento em Brasília suas experiências sobre temas de equidade de gênero nas políticas públicas, dificuldades para a implementação de medidas para sua promoção e desafios para seu alcance, em uma perspectiva internacional.

O Seminário Internacional Equidade de Gênero no Setor Público foi aberto pela gerente de programas da ONU Mulheres Ana Carolina Querino; pela ministra de Direitos Humanos, Luislinda Valois; pelo presidente da Escola Nacional de Administração Pública (ENAP), Francisco Gaetani; pela embaixadora da Noruega, Aud Marit Wiig; e pelo embaixador da Suécia, Per-Anne Hjelmborn.

À tarde, ocorreu o painel “O empoderamento das mulheres nas instituições públicas e privadas”, com mediação de Ana Fontes, do Women 20/G20 e fundadora da Rede Mulher Empreendedora. Pelo setor público, os expositores foram Delaíde Arantes (ministra do Tribunal Superior do Trabalho), Márcia Abrahão (reitora da Universidade de Brasília) e Zélia da Luz (diretora do Instituto René Rachou). Pelo setor privado, houve a participação de Tânia Cosentino (presidente-executiva da Schneider Eletric), Flamma Zarife (presidente-executiva do Twitter) e Lídia Freire Abdalla, (presidente-executiva do Laboratório Sabin).

No primeiro dia de programação, foi realizada a palestra “As mulheres líderes colaboram com outras mulheres?”, de Gisèle Szczyglak, fundadora e presidente-executiva da WLC Partners, e o lançamento da exposição País Suecos, promovida pela Embaixada da Suécia.

Na terça-feira (6), das 8h30 às 12h30, ocorrerá o painel “Políticas públicas de empoderamento das mulheres”, com mediação de Solange Simões, professora associada e coordenadora do Grupo de Estudos de Gênero da Eastern Michigan University. Três temas serão abordados no painel: “a abordagem norueguesa para o avanço de gênero no setor público”, a ser desenvolvido por Bjorn Lescher-Nuland, diretor do Departamento de Igualdade da Diretoria Norueguesa para Crianças, Jovens e Assuntos Familiares; “Igualdade de gênero e licença parental – exemplos suecos”, a ser exposto por Johanna Dahlin, Swedisch Women’s Lobby; e “Gênero e sexualidade nas políticas públicas brasileiras: um balanço do Brasil democrático (1988-2016)”, a ser apresentado por Marlise Matos, coordenadora do Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre a Mulher da Universidade Federal de Minas Gerais (Nepem-UFMG).

O painel “Mulheres na Administração Pública”, programado para a tarde de terça-feira (6), das 14h30 às 17h30, fará a conexão entre o global, nacional e local, com mediação de Marise Ribeiro, chefa da Divisão de Temas Sociais do Ministério das Relações Exteriores.

Nadine Gasman, representante da ONU Mulheres Brasil, apresentará o tema “Participação política das mulheres para o alcance do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável nº 5 – Igualdade de Gênero”. Em seguida, será a vez de Fernando Filgueiras, diretor de Pesquisa e Pós-graduação da ENAP, e Ana Amélia da Silva, pesquisadora da instituição, que desenvolverão o tema “Apresentação da Pesquisa: Equidade de Gênero na Administração Federal”.

Após intervalo, o painel será retomado com a exposição de Ana Paula Gomes, diretora do Centro de Estudos de Políticas Públicas da Fundação João Pinheiro, e Marina Amorim, pesquisadora do Grupo de Pesquisa Estado, Gênero e Diversidade da Fundação João Pinheiro.

O evento se encerrá com a palestra “Novos desafios para a equidade de gênero”, a ser proferida por Solange Simões, professora associada e coordenadora do Grupo de Estudos de Gênero da Eastern Michigan University.

Gênero nas políticas públicas

Em março de 2017, a pesquisa IBOPE/ONU Mulheres mostrou que 75% da população brasileira considera de grande ou de extrema importância que gestoras, gestores, legisladoras e legisladores desenvolvam políticas de promoção da igualdade de gênero.

Em janeiro, o Fórum Econômico Mundial divulgou relatório sobre as lacunas de gênero, no qual o Brasil ocupa a 79ª posição na lista de países com maiores índices de igualdade entre homens e mulheres. Em escala de 0 a 1, a pontuação brasileira foi de 0,679, atrás da Namíbia, Laos e Zimbábue. A liderança é ocupada por Finlândia, Noruega, Suécia e Ruanda.

Com o objetivo de conhecer melhor a experiência de alguns desses países que lideram o ranking de igualdade entre homens e mulheres do Fórum Econômico Mundial, o Seminário Internacional Equidade de Gênero no Setor Público tem como propósito apresentar, em uma perspectiva comparada, casos reais de políticas públicas brasileiras e de alguns dos países que lideram o ranking.

Seminário Internacional Equidade de Gênero no Setor Público
Local: ENAP (SPO – Asa Sul) – Brasília/DF
Outras informações: programação completa aqui.