Seminário organizado pelo PNUD em SP debate conceito de escolas ativas

Seminário realizado em São Paulo pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) discutiu o conceito de escolas ativas, que se refere a instituições de ensino comprometidas em garantir atividades físicas no cotidiano escolar e uma educação que contribua para a adoção de um estilo de vida ativo durante toda a vida.

Seminário debate conceito de Escolas Ativas em São Paulo. Foto: PNUD

Seminário debate conceito de Escolas Ativas em São Paulo. Foto: PNUD

Representantes de diversas instituições de ensino reuniram-se na sexta-feira (17) no Museu de Arte de São Paulo (MASP) para o seminário Escolas Ativas, que contou com o apoio da Nike.

O evento teve como objetivo discutir o conceito de Escolas Ativas e algumas iniciativas inovadoras já em implementação.

Na abertura do seminário, realizado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), a oficial de projetos Thais Braga fez as introduções iniciais e convidou a representante-residente assistente e coordenadora da área programática do PNUD, Maristela Baioni, a iniciar o evento.

Maristela ressaltou que a prática de atividade física, além de contribuir para a saúde, também promove benefícios intelectuais, sociais e emocionais.

“O Relatório de Desenvolvimento Humano Nacional sobre Esportes e Atividade Física, que mapeia as relações entre desenvolvimento humano e atividades físicas e esportivas, é uma oportunidade de chamar a atenção da sociedade para o tema”, disse, referindo-se ao documento recentemente lançado pelo PNUD, o primeiro no mundo sobre o assunto.

A diretora de impacto comunitário para a América Latina na Nike, Alice Gismonti, que também participou da abertura do seminário, reforçou a importância da prática de atividade física na infância.

“A Nike tem um compromisso com a promoção da prática da atividade física no mundo, e esse seminário é muito importante porque reforça a relevância do ambiente escolar na formação de sociedades mais ativas”, afirmou.

O assistente de projetos do PNUD, Gabriel Vettorazzo, fez uma apresentação sobre o conceito de Escolas Ativas, divulgado no Relatório de Desenvolvimento Humano Nacional 2017 – Movimento é Vida: Atividades Físicas e Esportivas para Todas as Pessoas.

Vettorazzo destacou que uma Escola Ativa é aquela em que a distribuição do tempo, a arquitetura e mobiliário dos espaços, e regras de conduta são apropriados para o estímulo e a prática das atividades físicas.

“A proposição da Escola Ativa, defendida na perspectiva do desenvolvimento humano, trata de fazer da escola um local em que o mover-se seja compreendido como uma capacidade valorosa na vida das pessoas, ampliando sua liberdade de escolha”, afirmou Vettorazzo.

No painel de iniciativas, práticas brasileiras inovadoras que promovem atividade física no contexto escolar foram apresentadas pelo coordenador pedagógico do Instituto Esporte & Educação, Fabio D’Angelo; e pela coordenadora de desenvolvimento institucional da Fundação Roberto Marinho, Bia Lima.

Outras ações foram apresentadas pelo coordenador e auxiliar de formação do Instituto Rodrigo Mendes, respectivamente Luiz Conceição e Alexandre Moreira Santos. No painel, também foi lançado o site que dissemina as metodologias do Projeto Escolas e Comunidades Ativas (www.escolasecomunidadesativas.org), na apresentação de Juliana Soares, oficial de projetos do PNUD.

O evento se encerrou com um debate entre as iniciativas e o público presente, moderado pelo professor Edison de Jesus Manuel, um dos pesquisadores envolvidos na pesquisa do Relatório Nacional de Desenvolvimento Humano de 2017.

Escolas Ativas

A experiência de Escolas Ativas pelo mundo teve início na década de 1990, especialmente em países europeus, com base no conceito de uma escola comprometida com garantir atividades físicas no cotidiano escolar e a uma educação que contribua para a adoção de um estilo de vida ativo durante toda a vida.

O conceito “Escolas Ativas” refere-se, assim, a um modelo educacional comprometido com a promoção de atividades físicas no cotidiano escolar, em que alunos são levados a adotar um estilo de vida que inclua sua prática.