Seminário no Rio capacita profissionais de serviços veterinários do Cone Sul sobre febre aftosa

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Com o objetivo de reforçar a capacidade dos profissionais de serviços veterinários do Cone Sul, o Centro Pan-Americano de Febre Aftosa (PANAFTOSA) realiza até sexta-feira (10) no Rio de Janeiro (RJ) o 2º Seminário de Vigilância Baseada em Risco para a Febre Aftosa.

Centro Pan-Americano de Febre Aftosa (PANAFTOSA) realiza até sexta-feira (10) no Rio de Janeiro (RJ) o 2º Seminário de Vigilância Baseada em Risco para a Febre Aftosa. Foto: OPAS

Centro Pan-Americano de Febre Aftosa (PANAFTOSA) realiza até sexta-feira (10) no Rio de Janeiro (RJ) o 2º Seminário de Vigilância Baseada em Risco para a Febre Aftosa. Foto: OPAS

Com o objetivo de reforçar a capacidade dos profissionais de serviços veterinários do Cone Sul, o Centro Pan-Americano de Febre Aftosa (PANAFTOSA) realiza até sexta-feira (10) no Rio de Janeiro (RJ) o 2º Seminário de Vigilância Baseada em Risco para a Febre Aftosa.

O evento é organizado em coordenação e no marco do Projeto de Cooperação Técnica do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) com o Comitê Veterinário Permanente do Cone Sul (CVP).

A iniciativa é denominada “Programa de apoio à capacitação dos serviços veterinários nos países do Cone Sul para enfrentar a última etapa do Programa Hemisférico para a Erradicação da Febre Aftosa (PHEFA)”. Faz parte de um cronograma com um total de 42 atividades de capacitação previstas no plano de trabalho.

Participam do seminário 11 técnicos dos Serviços Veterinários Oficiais de Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Paraguai e Uruguai, e José Hugo Liger, coordenador técnico do Programa BID-CVP.

No seminário, os participantes terão a oportunidade de explorar os resultados dos estudos realizados na Bolívia, dando seguimento ao primeiro seminário realizado em março, no qual se deu uma capacitação em metodologias a partir de estudos de imunidade pós-vacinação para a febre aftosa.

Também será feita uma revisão sobre técnicas de análises epidemiológicas e a aplicação de Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para analisar os resultados dos estudos realizados para a detecção da da transmissão viral, a fim de identificar fatores ou padrões que influenciam esses resultados.

O seminário tem a participação da equipe técnica da PANAFTOSA, composta por Manuel Vazquez, Lia Buzanovsky, Alexandre Santos e Alejandro Rivera.

Na fase final do PHEFA e nas zonas livres sob vacinação sistemática, a vigilância baseada em risco contribui para melhorar a capacidade de detecção de um sistema de vigilância e para uma melhor eficiência no uso dos recursos destinados a isso.

A capacitação sobre vigilância baseada em risco para a febre aftosa dos serviços veterinários oficiais do Cone Sul contribui para uma adequada caracterização dos riscos para esta doença, com vistas a identificar os locais de maior risco de persistência da infecção e para os quais devem ocorrer ações de vigilância.


Mais notícias de:

Comente

comentários