Estado de Jonglei, no Sudão do Sul, enfrenta crise alimentar após conflitos, afirma PMA

Civis fogem para florestas e pântanos em busca de proteção. Mas perdem acesso à água potável e alimentos, segundo Programa Mundial de Alimentos.

Os recentes conflitos entre as etnias Lou Nuer e Murle levaram o estado de Jonglei, no Sudão do Sul, a enfrentar uma crise em sua segurança alimentar, segundo o Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas (PMA). Milhares de civis murles, incluindo mulheres e crianças, fugiram para florestas e pântanos na tentativa de se proteger dos ataques de grupos Lou Nuer e estão sem acesso à água potável e comida.

O PMA começou nesta quarta-feira (04/01) a fornecer suprimentos para a cidade de Pibor, principal foco do conflito em Jonglei. A previsão é de que a quantidade fornecida seja suficiente para alimentar cerca de mil pessoas nas próximas duas semanas. A agência também levou comida à cidade de Boma, onde centenas de pessoas vem se abrigando para escapar do conflito.

Sudão também sofre com problemas de segurança alimentar

No vizinho Sudão, a Subsecretária-Geral das Nações Unidas para Assuntos Humanitários, Valerie Amos, afirmou ter tido acesso a relatos de problemas de segurança alimentar e desnutrição nos estados do Cordofão do Sul e Nilo Azul. Combates no ano passado no Cordofão do Sul levaram pessoas a fugir no início da época do plantio, afetando a safra do estado.  Também houve abandono de culturas no Nilo Azul. Essa falta de estoque, junto com as chuvas irregulares, fez os preços dos alimentos duplicarem.

Os dois estados ficam na região fronteiriça com o Sudão do Sul e vem sofrendo com os confrontos entre tropas do governo sudanês e o Movimento de Libertação do Povo do Sudão (SPLM-N), um grupo rebelde alinhado com forças do país vizinho.