Secretário-Geral participa agora de Debate Temático Informal da 66ª Sessão da Assembleia Geral sobre ‘No Caminho para a Rio+20 e além’ [texto na íntegra em português e inglês]

‘Estamos a um mês de uma oportunidade única em uma geração de transformar ideias e aspirações em ação ousada no sentido do desenvolvimento sustentável.’

Nova York, 22 de maio de 2012
Ban Ki-moon, Secretário-Geral da ONU

“Obrigado pela convocação deste importante debate temático.

Estamos a um mês da Rio+20.

Estamos a um mês de uma oportunidade única em uma geração de transformar ideias e aspirações em ação ousada no sentido do desenvolvimento sustentável.

A um mês de aproveitar a nossa oportunidade de dimensionar as políticas e soluções que nós sabemos ser as capazes de produzir resultados profundos.

A um mês de construir o futuro que nós queremos… um futuro feito para durar… um futuro de maior prosperidade e crescimento equitativo em um planeta saudável para nós mesmos e nossas gerações futuras.

Mas o que nós conseguiremos daqui a um mês vai depender do que fazemos hoje e em todos os próximos dias até o encontro no Rio de Janeiro.

Acima de tudo, fundamentalmente precisamos repensar nosso modelo econômico atual e necessitamos de novas ferramentas como políticas econômicas e estratégias verdes.

Temos a oportunidade de forjar acordos e ações ousadas em várias questões temáticas. Hoje, deixe-me apresentar sete delas:

Primeiro, empregos dignos. No contexto do desenvolvimento sustentável, a economia verde deve ajudar a gerar trabalhos decentes, especialmente para os quase 80 milhões de jovens que entram no mercado de trabalho todo ano. Podemos também aumentar as redes de segurança social.

Deixe-me enfatizar que o progresso social e a criação de emprego precisam de ações contundentes em educação – o pilar central de qualquer sociedade.

Em segundo lugar, podemos avançar na segurança alimentar e na agricultura sustentável e pressionar para a meta da “fome zero” e “segurança alimentar para todos”.

Em terceiro lugar, podemos aumentar o apoio ao acesso universal às fontes energéticas mais eficientes e limpas.

Em quarto lugar, devemos apoiar ações de acesso universal à água potável e saneamento. Isto está intimamente ligado ao cumprimento das metas da saúde universal e à redução de pobreza.

Em quinto lugar, a Rio+20 deve providenciar diretrizes políticas sobre o caminho em direção ao uso sustentável, gestão e conservação dos oceanos em todo o mundo.

Em sexto lugar, precisamos de instituições que possam efetivamente apoiar o desenvolvimento sustentável em todos os níveis. Enquanto fortalecem o PNUMA, os governos devem decidir como podem fortalecer o quadro institucional para avançar da melhor maneira a agenda de desenvolvimento sustentável e oferecer espaço para a sociedade civil, para autoridades locais e para o setor privado.

Sétimo, finalmente: podemos ajudar a promover um processo para a definição de objetivos de desenvolvimento sustentável [ODS] que aproveitem e reforcem os ODM [Objetivos de Desenvolvimento do Milênio].

Os líderes devem concordar no Rio de Janeiro que os ODS com objetivos claros e mensuráveis, bem como com indicadores, que serão decisivos para um quadro de desenvolvimento global pós-2015. Os ODS dariam uma expressão concreta ao renovado compromisso político de alto nível para o desenvolvimento sustentável.

A Rio+20 é a nossa chance de fazer progresso em todas estas áreas, enquanto revitalizam-se parcerias globais para o desenvolvimento sustentável – parcerias essenciais com a sociedade civil, autoridades locais e o setor privado.

Excelências, Senhoras e Senhores,

O mundo está assistindo. Os meios de comunicação estão focados. As pessoas – jovens e velhos – estão exigindo ação.

No entanto, o ritmo atual das negociações está enviando todos os sinais errados.

Não podemos deixar que um exame minucioso do texto nos cegue de uma imagem grande.

Nós não temos tempo a perder.

É tempo de para liderança ambiciosa. É hora de nos concentrarmos no que realmente importa. É hora de um terreno comum, para o bem do nosso planeta e de nossas crianças.

Muito obrigado.”

Acompanhe o debate durante todo o dia em www.un.org/webcast

* * *
Secretary-General’s address to the Informal Thematic Debate of the 66th Session of the General Assembly on “The Road to Rio+20 and Beyond”
New York, 22 May 2012

Thank you for convening this important thematic debate.

Rio+20 is one month away.

We are one month from a once-in-a-generation opportunity to transform ideas and aspirations into bold action for sustainable development.

One month from seizing our chance to scale-up the policies and solutions that we know deliver profound results.

One month from building the future we want… a future made to last … a future of greater prosperity and equitable growth on a healthy planet for ourselves and our succeeding generations.

But what we achieve one month from now will depend on what we do today and every day to Rio.

Above all, we need a fundamental re-think of our current economic model and new tools such as green economy policies and strategies.

We have the opportunity to forge agreements and bold action on many thematic issues. Today, let me point to seven:

First, decent jobs. Within the context of sustainable development, the green economy should help generate decent jobs, especially for the nearly 80 million young people entering the workforce every year. We can also scale up social protection safety nets.

Let me emphasize that social progress and job creation require bold action on education – the basic building block of any society.

Second, we can advance food security and sustainable agriculture and push for a goal on “zero hunger” or “food security for all”.

Third, we can enhance support for universal access to more efficient and cleaner energy sources.

Fourth, we should endorse action on universal access to safe drinking water and sanitation. This is closely linked with the achievement of universal health goals and the reduction of poverty.

Fifth, Rio+20 should also provide political guidance on the way forward for the sustainable use, management, and conservation of the world’s oceans.

Sixth, we need institutions that can effectively support sustainable development at all levels. While strengthening UNEP, governments should decide what institutional framework can best advance the sustainable development agenda and provide space for civil society, local authorities and the private sector.

Seventh and finally, we can help advance a process for defining sustainable development goals that build on and reinforce the MDGs.

Leaders should agree in Rio that SDGs with clear and measurable targets and indicators will be a central part of the post-2015 global development framework. SDGs would give concrete expression to renewed high-level political commitment for sustainable development.

Rio+20 is our chance to make progress in all these areas while re-vitalizing global partnerships for sustainable development – essential partnerships with civil society, local authorities and the private sector.

Excellencies, Ladies and gentlemen,

The world is watching. The media are focused. People – young and old – are demanding action.

Yet the current pace of negotiations is sending all the wrong signals.

We cannot let a microscopic examination of text blind us to the big picture.

We do not have a moment to waste.

It is time for ambitious leadership. It is time for us to focus on what really matters. It is time for common ground, for the sake of our planet and our children.

Thank you very much.