Secretário-geral da ONU pede união dos países contra o tráfico de pessoas

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Em conferência sobre o tráfico de pessoas, o secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu na quarta-feira (27) que a comunidade internacional se una para eliminar essa “prática abominável”.

O dirigente máximo das Nações Unidas participou de um encontro com representantes dos Estados-membros e alertou que esse tipo de violação ocorre em todos os cantos do planeta — o que exige parcerias entre países para o enfrentamento do crime.

Países que integram a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) se comprometeram a combater o tráfico de pessoas. Foto: EBC

Foto: EBC

Em conferência sobre o tráfico de pessoas, o secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu na quarta-feira (27) que a comunidade internacional se una para eliminar essa “prática abominável“. O dirigente máximo das Nações Unidas participou de um encontro com representantes dos Estados-membros e alertou que esse tipo de violação ocorre em todos os cantos do planeta — o que exige parcerias entre países para o enfrentamento do crime.

“Segundo o relatório sobre tráfico de pessoas do Escritório da ONU sobre Drogas e Crime (UNODC), dezenas de milhões de pessoas são vítimas de trabalho forçado, servidão sexual, recrutamento na condição de crianças-soldado e outras formas de exploração e abuso”, disse Guterres.

O chefe do organismo internacional acrescentou que a prática criminosa afeta sobretudo os mais fracos e vulneráveis — mulheres e meninas, bem como meninos explorados para fins sexuais e para a retirada de órgãos vitais, crianças que são obrigadas a mendigar e homens levados a situações de trabalho forçado.

Guterres advertiu ainda que, mais recentemente, ondas de conflito, insegurança e incerteza econômica trouxeram novos desafios para autoridades em segurança e controle de fronteiras. Lembrando os fluxos de migrantes e refugiados que deixam seus países de origem, o secretário-geral foi categórico: ao buscarem paz em outras nações, elas acabam ficando “a mercê dos que não têm misericórdia”, os traficantes.

“Redes criminosas aproveitaram-se da desordem e do desespero para expandir sua brutalidade e seu alcance”, lamentou o chefe da ONU. Guterres pediu um compromisso renovado com os mecanismos do direito internacional criados para combater o tráfico de pessoas. Durante o encontro, representantes dos países adotaram uma resolução reafirmando seu apoio ao Plano Global da ONU para conter esse tipo de crime.

O secretário-geral acrescentou ainda que a Agenda 2030 da ONU para o Desenvolvimento Sustentável tem objetivos para mitigar as principais causas da vulnerabilidade das vítimas de tráfico. “Frequentemente, o tráfico é estimulado pela pobreza e pela desigualdade. O combate ao tráfico e a busca pelo desenvolvimento sustentável e inclusivo andam de mãos dadas.”


Comente

comentários