Secretário-geral da ONU pede esforços coletivos na busca pela paz na RD Congo

Embora acordo na RDC e região tenha sido importante para processo de paz, Ban Ki-moon afirma que países devem trabalhar juntos para eliminar impasse político e estabilizar a região.

Secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon. Foto: ONU/Jean-Marc Ferré

Secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon. Foto: ONU/Jean-Marc Ferré

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, ressaltou neste domingo (26) que os países africanos têm uma “oportunidade histórica” para acabar com o conflito na República Democrática do Congo (RDC), enfatizando que os esforços conjuntos serão fundamentais para estabilizar a região.

“Um esforço político verdadeiro e colaborativo deve ser feito agora a nível regional”, disse Ban em seu discurso na reunião ’11+4′ de supervisão regional do Quadro para a Paz, Segurança e Cooperação para a RDC e região. O encontro foi realizado paralelamente à Cúpula da União Africana em Adis Abeba, na Etiópia.

“Enquanto a situação permanece volátil, temos uma oportunidade histórica para acabar com o sofrimento e estabilizar a região, que possui um grande potencial para o desenvolvimento humano”, disse.

Ban Ki-moon destacou que enquanto a assinatura do acordo de paz da região intermediado pela ONU foi um marco nos esforços para um processo de paz global, os países enfrentam agora um teste de implementação que só poderá ser cumprido “se todos os países signatários trabalharem juntos para acabar com o impasse político e gerar o impulso para a segurança humana e o desenvolvimento econômico”.

Durante a Cúpula, o secretário-geral tem se reunido com vários líderes africanos. No domingo (26), ele se reuniu separadamente com o presidente do Burundi, Pierre Nkurunziza; o presidente sul-africano, Jacob Zuma; o presidente senegalês, Macky Sall; o presidente da Zâmbia, Michael Chilufya Sata; e o vice-presidente de Angola, Manuel Domingos Vicente, com quem discutiu os acontecimentos regionais.

Em seu encontro com o presidente da República do Congo, Denis Sassou Nguesso, Ban Ki-moon elogiou o chefe de Estado por seus esforços para resolver a situação na República Centro-Africana (RCA), na sua qualidade de mediador na crise, bem como por sediar a primeira reunião do Grupo de Contato Internacional sobre a RCA.

Ban também elogiou o compromisso do presidente da RDC, Joseph Kabila, na implementação de reformas significativas no país, incluindo o estabelecimento de um mecanismo de supervisão nacional.