Secretário-geral da ONU lamenta falecimento do mensageiro da paz da ONU, Muhammad Ali

O renomado boxeador visitou a sede das Nações Unidas no final dos anos 1970 para promover a campanha contra o apartheid e a injustiça racial; acesse aqui o vídeo.

Este slideshow necessita de JavaScript.

O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, disse no sábado (4) estar “profundamente triste” após saber do falecimento de Muhammad Ali. Ban estendeu suas condolências à família de Ali e aos muitos milhões de fãs pelo mundo. Ele faleceu na última sexta-feira (3).

“Ali era muito mais do que um lendário boxeador; ele era um campeão mundial pela igualdade e pela paz. Com uma combinação incomparável de princípio, charme, humor e graça, lutou por um mundo melhor e usou sua plataforma para ajudar a humanidade a se erguer”, destacou Ban em um comunicado emitido por seu porta-voz.

Nomeado Mensageiro da Paz das Nações Unidas em 1998, Ali viajou o mundo para apoiar as crianças e outras pessoas envolvidas em conflitos, promovendo a reconciliação entre as pessoas e as nações.

Bem antes de assumir este papel, ele visitou a sede das Nações Unidas em Nova York, em 1978, para promover a campanha contra o apartheid e a injustiça racial. Ele participou de uma reunião do Comitê Especial da ONU contra o apartheid levando uma mensagem de paz e espiritualidade.

“O secretário-geral [Ban Ki-moon] teve a honra de se unir a Ali na abertura dos Jogos Olímpicos de Verão de 2012 em Londres. Ele se recorda da força, do humor e da capacidade de unir as pessoas de Ali”, disse o comunicado.

Ban acrescentou que a ONU é grata por ter se beneficiado da vida e obra “de um dos grandes ativistas humanitários e defensores dos direitos humanos do século passado em favor da paz e da compreensão mútua”.

Fora dos ringues, passou a maior parte de seu tempo se dedicando à busca da paz. Muhammad Ali (1942-2016) foi um defensor incansável das pessoas em necessidade em todo o mundo, sobretudo na África e na Ásia, ao apoiar causas e iniciativas de desenvolvimento e ajuda humanitária, como fornecimento de alimentos e suprimentos médicos para hospitais, crianças de rua e orfanatos.