Secretário-Geral da ONU apresenta novas recomendações para atingir metas de resposta à AIDS até 2015

Em preparação para a Reunião de Alto Nível de junho, relatório apresenta uma visão geral dos esforços necessários para ajudar os países a alcançar o acesso universal a serviços de HIV e impedir novas infecções pelo HIV, a discriminação e mortes relacionadas à AIDS.

Secretário-Geral da ONU apresenta novas recomendações para atingir metas de resposta à AIDS até 2015Em preparação para a Reunião de Alto Nível de junho, relatório apresenta uma visão geral dos esforços necessários para ajudar os países a alcançar o acesso universal a serviços de HIV e impedir novas infecções pelo HIV, a discriminação e mortes relacionadas à AIDS.

NAIRÓBI, 31 de março de 2011 – Trinta anos após o início da epidemia de AIDS, os investimentos na resposta à AIDS estão dando resultados, segundo novo relatório divulgado hoje pelo Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon. Intitulado União pelo Acesso Universal: em direção a zero novas infecções pelo HIV, zero discriminação e zero mortes relacionadas com a AIDS, o relatório salienta que a taxa global de novas infecções por HIV está em declínio, que o acesso ao tratamento está em expansão e que o mundo tem feito progressos significativos na redução da transmissão do HIV de mãe para filho.

Entre 2001 e 2009, a taxa de novas infecções por HIV em 33 países, incluindo 22 na África subsaariana, caiu em pelo menos 25%. Até o final de 2010, mais de seis milhões de pessoas estavam em tratamento antirretroviral em países de média e baixa renda. E, pela primeira vez, em 2009, a cobertura global dos serviços de prevenção materno-infantil da transmissão do HIV foi superior a 50%.

Mas, apesar das conquistas recentes, o relatório ressalta que os ganhos são frágeis. Para cada pessoa que inicia o tratamento antirretroviral, duas são infectadas com o HIV. Todos os dias, sete mil pessoas são infectadas, incluindo mil crianças. Fracas infraestruturas nacionais, o financiamento de déficits e a discriminação contra as populações vulneráveis ??estão entre os fatores que continuam dificultando o acesso à prevenção, ao tratamento e a serviços de cuidado e apoio.

O relatório do Secretário-Geral, com base em dados apresentados por 182 países, oferece cinco principais recomendações a serem analisadas por líderes globais em uma Reunião de Alto Nível da Assembleia Geral da ONU sobre a AIDS, de 8 a 10 de junho de 2011.

“Os líderes mundiais têm uma oportunidade única neste momento crítico para avaliar as realizações e as lacunas na resposta global à AIDS,” disse o Secretário-Geral em conferência de imprensa na capital queniana. “Temos de tomar decisões corajosas que transformarão dramaticamente a resposta à AIDS e nos ajudarão a avançar para uma geração livre do HIV.”

“Após trinta anos de epidemia, é imperativo para nós, reenergizar a resposta atual para o sucesso nos próximos anos,” disse o Diretor Executivo do UNAIDS, Michel Sidibé, que se juntou a Ban para o lançamento do relatório. “Os ganhos na prevenção do HIV e no tratamento antirretroviral são importantes, mas precisamos fazer mais para impedir as pessoas de serem infectadas, uma revolução na prevenção do HIV é hoje mais necessária do que nunca.”

Rebecca Auma Awiti, uma mãe que vive com HIV e coordenadora de campo da organização não-governamental Mulheres Contra a AIDS, do Quênia, contou sua história na conferência de imprensa. “Graças ao movimento pelo acesso universal, minhas três crianças nasceram sem HIV, e sou capaz de vê-las crescer por causa do acesso ao tratamento,” disse.

Mobilização de impacto

No relatório, há cinco recomendações feitas pelo Secretário-Geral da ONU para reforçar a luta contra a AIDS:

  • Aproveitar a energia dos jovens para uma revolução na prevenção do HIV;
  • Revitalizar o impulso para alcançar o acesso universal à prevenção, ao tratamento, a cuidados e ao apoio até 2015;
  • Trabalhar com os países para realizar programas de HIV mais rentáveis, eficientes e sustentáveis;
  • Promover a saúde, os direitos humanos e a dignidade das mulheres e meninas;
  • Certificar a responsabilidade mútua na resposta à AIDS para traduzir os compromissos em ações.

O Secretário-Geral apela a todas as partes interessadas que apóiem as recomendações contidas no relatório e as usem para trabalhar em prol de seis metas globais:

  • Reduzir em 50% a transmissão sexual do HIV, inclusive entre as populações-chave, como os jovens, homens que fazem sexo com homens e no contexto do trabalho sexual, bem como prevenir todas as novas infecções pelo HIV como resultado do uso de drogas injetáveis;
  • Eliminar a transmissão do HIV de mãe para filho;
  • Reduzir as mortes de pessoas vivendo com HIV por decorrência da tuberculose em 50%;
  • Garantir o tratamento do HIV para 13 milhões de pessoas;
  • Reduzir em 50% o número de países com restrições de entrada e residência relacionadas ao HIV;
  • Garantir o igual acesso à educação para crianças órfãs e vulneráveis ??devido à AIDS.

Dado que o financiamento internacional para a assistência ao HIV diminuiu, o relatório incentiva os países a priorizarem o financiamento para programas de HIV, inclusive países de baixa e média renda que tenham a capacidade de cobrir os seus próprios custos relacionados ao HIV. Ele também salienta a importância de garantir que a responsabilidade compartilhada para assegurar a resposta à AIDS tenha recursos suficientes para os próximos anos.

O relatório e mais informações sobre a Reunião de Alto Nível sobre a AIDS podem ser encontrados online clicando aqui.

Contatos

  • UNAIDS Genebra | Sophie Barton-Knott | +41 22 791 1697 | bartonknotts@unaids.org
  • UNAIDS Nairóbi | Saira Stewart | +41 79 467 2013 stewarts@unaids.org
  • UNAIDS Nairóbi | Esther Gathiri-Kimotho | +254 20 762 6718 Gathirikimothoe@unaids.org
  • ONU Departamento de Informação Pública de Nova York | Vikram Sura | +1 212 963 8274 Sura@un.org
  • ONU Departamento de Informação Pública de Nova York | Pragati Pascale | +1 212 963 6870 Pascale@un.org