Secretário-geral da ONU adverte: ação militar na Síria pode ter consequências trágicas

Ban Ki-moon pediu aos líderes do G20 que estudem formas de evitar uma maior militarização do conflito na Síria e que revitalizem a busca de uma solução política.

Ban Ki-moon (à direita) participa da Iniciativa Humanitária para a Síria, na Rússia. Foto ONU/Eskinder Debebe

“Devo advertir que uma ação militar impensada pode causar consequências graves e trágicas, e um aumento da ameaça de mais violência sectária”, disse nesta sexta-feira (6) o secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, em seu discurso na Iniciativa Humanitária para a Síria, encontro realizado paralelamente à Cúpula dos G20, reunida em São Petersburgo (Rússia).

Ele pediu aos líderes do G20 que estudem formas de evitar uma maior militarização do conflito na Síria e que revitalizem a busca de uma solução política, advertindo que uma ação militar poderia ter consequências trágicas.

Ban Ki-moon, que está pressionando para que uma solução política à crise seja encontrada, disse que a comunidade internacional deve renovar os esforços para convocar a Conferência de Genebra, que colocaria todas as partes na mesa de negociações.

“Devemos explorar maneiras de evitar uma maior militarização do conflito e revitalizar a busca por uma solução política em seu lugar.”

O secretário-geral também apelou aos líderes mundiais para aumentar o apoio às operações humanitárias na Síria e nos países vizinhos, que estão hospedando mais de 2 milhões de refugiados. Ele observou que as operações de socorro no interior do país receberam apenas 44% dos recursos para operações humanitárias e os fundos para ajudar os refugiados receberam somente 40% do necessário.

“Esta é uma crise humanitária de proporções sem precedentes na história recente. O mundo deve fazer tudo ao seu alcance para impedir o sofrimento do povo sírio”, afirmou Ban.