Projeto apoiado pelo ONU-HABITAT no Rio ajuda pessoas em situação de extrema pobreza

Projeto implementado pela Prefeitura do Rio de Janeiro em parceria com o Programa das Nações Unidas para Assentamentos Humanos (ONU-HABITAT) localiza pessoas em situação de extrema vulnerabilidade social na capital fluminense e as encaminha a serviços públicos ou a programas de transferência de renda.

Em meio à pandemia de COVID-19, a busca por essas pessoas, antes feita presencialmente, ocorre agora por telefone. Mais de 1,6 mil ligações já foram realizadas.

Entre agosto de 2019 e fevereiro de 2020, o Projeto Territórios Sociais visitou cerca de 102 mil domicílios, entrevistou cerca de 98 mil pessoas e identificou nos seus primeiros oito meses aproximadamente 28 mil famílias como socialmente vulneráveis.

As famílias já encontradas estão sendo monitoradas e seus protocolos de atendimento sendo implantados. Cerca de 8 mil foram submetidas a uma visita de saúde, aproximadamente 4 mil foram atendidas pela assistência social e 1,6 mil crianças foram matriculadas na escola.

Novo SARS-CoV-2 de Coronavírus Micrografia eletrônica de varredura colorida de uma célula mostrando sinais morfológicos de apoptose, infectados com partículas do vírus SARS-COV-2 (laranja), isoladas de uma amostra de paciente. Imagem capturada no NIAID Integrated Research Facility (IRF) em Fort Detrick, Maryland. Crédito: NIAID

Pandemia criará um novo paradigma de sanidade alimentar, diz especialista ouvido pelo Pacto Global

A pandemia de COVID-19 coloca em discussão duas questões importantes para o agronegócio: a segurança alimentar, ou seja, garantir o acesso de todos aos alimentos; e a sanidade alimentar, que visa evitar a transmissão de doenças através da alimentação.

O projeto “Quarentena com o Pacto” recebeu Marcos Jank,  professor do Insper e titular da cátedra Luiz Queiroz da Esalq-USP,  para quem o Brasil tem um papel fundamental tanto na garantia do abastecimento global, quanto na liderança de um novo paradigma de controle de doenças que atingem animais e humanos no mundo.

Programa do PNUD e da Embrapa dá suporte para o beneficiamento de frutas da caatinga e do cerrado – Foto: PNUD

Projeto do PNUD contribui para conservação do cerrado e da caatinga em Minas Gerais

Localizado na região Nordeste do Estado do Minas Gerais, o Território do Alto do Rio Pardo abriga a transição de dois importantes biomas nacionais, a caatinga e o cerrado. A região enfrenta desafios que envolvem diretamente as famílias e o setor privado: mineração, monocultura de eucalipto e agricultura irrigada impedem a preservação da biodiversidade local e da cultura tradicional local.

O projeto Bem Diverso, implementado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) em parceria com a Embrapa e com recursos do Fundo Mundial para o Meio Ambiente (GEF), está atuando na região para contribuir para a conservação da biodiversidade local.

Conheça um pouco mais sobre o projeto.

Cozinha&Voz capacita profissionais como assistente de cozinha e promove a empregabilidade de pessoas em situação de exclusão socioeconômica. Foto: OIT

Projeto de trabalho decente para pessoas em vulnerabilidade faz sessões online

Projeto Cozinha&Voz capacita profissionais como assistente de cozinha e promove a empregabilidade de pessoas em situação de exclusão socioeconômica.

Ação faz parte de iniciativa de promoção do trabalho decente para pessoas em situação de vulnerabilidade, desenvolvida pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) e pelo Ministério Público do Trabalho (MPT), com apoio da cozinheira Paola Carosella e da Casa Poema.

"Eu tô com saudade da escola. E também eu fico com falta dos meus amigos, eu gosto deles, mas não falo com eles, entendeu? Eu tô com saudade", explica Bianca Fontoura, de 5 anos, moradora de Manaus. Desenho: Bianca Fontoura

UNICEF convida crianças a desenhar como se sentem durante a quarentena

Como as crianças estão se sentindo durante a pandemia de COVID-19? O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) está fazendo essa pergunta a meninas e meninos de diferentes partes do país.

Por meio de desenhos, as crianças contam que sentem falta da escola, mostram que o novo coronavírus as assusta, mas também trazem mensagens de esperança.

Lançada nesta quarta-feira (22), a campanha “Sentimentos no Papel” tem como objetivo dar voz às crianças e incentivá-las a expressar seus sentimentos.

Serão priorizadas mulheres gestantes, lactantes e sobreviventes de violência doméstica, além de pessoas idosas. Ao todo, serão distribuídos 1 mil kits de higiene pessoal e limpeza. Foto: UNFPA

UNFPA distribui kits de higiene e limpeza para pessoas refugiadas e migrantes em Roraima

O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) começa a distribuir nesta quarta-feira (22) 1 mil kits de higiene pessoal e limpeza a pessoas refugiadas e migrantes em Roraima, para que possam se proteger da pandemia da COVID-19.

Nesse primeiro momento, serão priorizadas mulheres grávidas e lactantes, sobreviventes de violência de gênero, pessoas idosas e crianças. A entrega ocorre em Boa Vista e Pacaraima.

A OPAS também tem facilitado o acesso de profissionais de saúde a informações e conhecimentos atualizados em português, inclusive sobre o tema de saúde mental no contexto da pandemia de COVID-19. Foto: Reprodução

Ministério da Saúde e OPAS iniciam campanha para promover saúde mental no contexto da COVID-19

O Ministério da Saúde e a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) deram início a uma campanha para promover a saúde mental no contexto da COVID-19.

Ao longo das próximas semanas, será divulgada uma série de vídeos para ajudar diferentes grupos – como profissionais de saúde, cuidadores de pessoas idosas e de crianças e a população em geral– a lidar com os efeitos negativos da pandemia causada pelo novo coronavírus.

Bebeto Abrantes (acima) e Davi Borges (abaixo) trabalham virtualmente. Foto: Bebeto Abrantes

Filmmakers in Rio de Janeiro cope with the pandemic by developing a new creative process

“Me Cuidem-se!” (Take Care of Me-Yourselves!) is a virtual collaborative documentary showing how residents from various regions of Rio de Janeiro are dealing with social distancing imposed by the COVID-19 pandemic.

The project, headed by filmmakers Bebeto Abrantes and Cavi Borges, includes mobile phones recordings that resulted in two short films that will be made into a feature length film. Learn more about the project that emerged from the expression “solidãoriedade” (“solitarity”, a fusion between solitude and solidarity), which describes the loneliness of solidarity.

A relatora especial da ONU sobre direito à moradia adequada, Leilani Farha, disse que a pandemia mostrou que a crise mundial da habitação pode ser resolvida. Foto: EBC

CEPAL: pandemia levará à maior contração da atividade econômica na história da América Latina e Caribe

A pandemia de COVID-19 afeta as economias da América Latina e do Caribe por meio de fatores externos e internos cujo efeito conjunto levará à pior contração que a região sofreu desde 1914 e 1930. Segundo as últimas estimativas, está prevista uma contração regional média de 5,3% para 2020, informou nesta terça-feira (21) a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL).

A interrupção das cadeias de valor produzida pela pandemia afetará com maior intensidade as economias brasileira e mexicana, que possuem os maiores setores manufatureiros da região. Para o Brasil, a projeção é de retração de 5,2% e para o México, de 6,5%.

Bebeto Abrantes (acima) e Davi Borges (abaixo) trabalham virtualmente. Foto: Bebeto Abrantes

No Rio, cineastas enfrentam a pandemia rodando filme sem encontros presenciais

“Me Cuidem-se!” é o documentário colaborativo virtual mostrando como moradores de diversas regiões do Rio de Janeiro (RJ) estão enfrentando o distanciamento social imposto pela pandemia da COVID-19.

O projeto dos cineastas Bebeto Abrantes e Cavi Borges inclui gravações feitas por celular, que já renderam dois curtas-metragens e devem compor um longa. Conheça mais do projeto que surgiu a partir da expressão “solidãoriedade”, que descreve a solidão da solidariedade.

WFP Centro de Excelência arrecada doações para fornecer materiais de limpeza e proteção às escolas

O WFP Centro de Excelência contra a Fome Brasil firmou parceria com a startup de impacto social Ribon para levantar fundos para fornecer itens de limpeza e proteção a escolas públicas brasileiras.

No país, as aulas na rede pública foram suspensas como parte das medidas de combate à pandemia da COVID-19. Isso significa que mais de 40 milhões de crianças atendidas pelo Programa Nacional de Alimentação Escolar estão sem receber refeições escolares todos os dias. Saiba como doar.

UNFPA faz 7 recomendações para enfrentar a pandemia da COVID-19

O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) está trabalhando ativamente durante a pandemia da COVID-19, articulando junto a parceiros, governos e sociedade civil a proteção de pessoas em situação de vulnerabilidade e apoiando a manutenção de serviços de saúde sexual e reprodutiva e prevenção da violência baseada em gênero.

As principais recomendações da agência para esse período foram reunidas em um vídeo rápido e destacam não apenas a manutenção de serviços, como o fornecimento de contraceptivos, proteção de grávidas, pessoas idosas e mulheres que podem ser vítimas de violência doméstica, além de mostrar o papel da juventude nesta pandemia.

Cards da campanha "Cidades Inclusivas, Seguras, Resilientes, Sustentáveis & Livres do Coronavírus". Arte: ONU-HABITAT

Campanha do ONU-HABITAT aborda efeitos da pandemia de coronavírus nas cidades

As cidades são, historicamente, os principais epicentros de epidemias. Sua alta concentração de pessoas e atividades contribuem para amplificar os riscos de transmissão de doenças infecciosas.

Para alertar sobre os reflexos que a pandemia do novo coronavírus terá sobre a vida nas cidades, o escritório do Programa das Nações Unidas para Assentamentos Humanos (ONU-HABITAT) no Brasil lançou nas redes sociais a campanha “Cidades Inclusivas, Seguras, Resilientes, Sustentáveis & Livres do Coronavírus”.

A campanha aborda formas de mitigar os efeitos da pandemia da COVID-19 nas cidades brasileiras.

Fundo de População da ONU lança podcast sobre saúde sexual e igualdade de gênero

O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) lança nesta sexta-feira (17) o podcast “Fala, UNFPA”, uma iniciativa criada para dar visibilidade às ações da organização no Brasil.

O objetivo é discutir questões fundamentais sobre saúde sexual e reprodutiva, equidade de gênero, raça e etnia, população e desenvolvimento, juventude, cooperação entre países do Hemisfério Sul e assistência humanitária, assuntos abordados a partir de uma perspectiva de direitos humanos.

O primeiro episódio, já disponível nas principais plataformas de streaming, aborda a violência contra a mulher em contextos de crise, como a pandemia da COVID-19.

Cerca de 100 profissionais de rádios comunitárias da África Oriental e Austral trabalharão em estreita colaboração com os governos nacionais e locais para apresentar respostas à atual pandemia. Foto: Pixabay

Ministério da Saúde e OPAS divulgam selecionados para produção de materiais de rádio sobre sífilis

Seis projetos dos estados de Sergipe, Rio Grande do Norte, Santa Catarina, Paraná, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro foram selecionados para produzir materiais de comunicação sobre prevenção da sífilis para rádios brasileiras. Eles atenderam a chamamento público feito pelo Ministério da Saúde e a Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS).

Tendo em vista a pandemia de COVID-19, o plano de divulgação dos seis conteúdos vencedores será definido posteriormente. A premiação dos vencedores também ocorrerá em outra data, já que o 12º Congresso de HIV/Aids e o 5º Congresso de Hepatites Virais (1º Congresso de IST), que estavam programados 20 e 23 de julho de 2020, também foram adiados em razão da emergência internacional de saúde pública. Os ganhadores terão suas inscrições e passagens custeadas para esses congressos, que acontecerão em Belém, Pará.

Mulher indígena no 14º Acampamento Terra Livre, realizado em Brasília, em 2017. Foto: Mídia NINJA/Mobilização Nacional Indígena

Water and food shortages challenge the prevention of coronavirus on the largest indigenous reserve in Brazil

Chronic vulnerabilities, intermittent water supply and food scarcity: these are some of the challenges to preventing the spread of coronavirus according to nurse Indianara Machado Indianara Ramires Guarani Kaiowá, who works with the Technical Coordination Centre for Dourados. The Centre manages the healthcare of more than 18,000 indigenous people living in Dourados, an area that encompasses the largest indigenous reserve in Brazil.

In an interview with UN Women Brazil in early April, the nurse explained why indigenous women, men and children were more vulnerable and pointed out how historical issues increased the risks posed to them by the new coronavirus pandemic.

Mulher indígena no 14º Acampamento Terra Livre, realizado em Brasília, em 2017. Foto: Mídia NINJA/Mobilização Nacional Indígena

Falta de água e de alimentos são desafios na prevenção do coronavírus na maior reserva indígena do Brasil

Vulnerabilidades crônicas, fornecimento de água intermitente e escassez de alimentos. Estes são alguns dos desafios listados pela enfermeira Indianara Machado Ramires Guarani Kaiowá, vinculada à Coordenação Técnica Polo Dourados, para o cuidado em saúde de mais de 18 mil indígenas que vivem em Dourados (MS), localidade que concentra a maior reserva indígena do Brasil.

Em entrevista à ONU Mulheres Brasil no início de abril, a enfermeira relatou a vulnerabilidade crônica em que vivem mulheres, homens e crianças indígenas e como problemas históricos aumentam os riscos da pandemia do novo coronavírus.

Elayne Sartori, assistente de campo do Fundo de População da ONU, foi uma das mediadoras da sessão. Foto: UNFPA Brasil/Igo Martini

UNFPA e ACNUR realizam primeiro treinamento online sobre prevenção ao abuso e à exploração sexual

Em razão da pandemia de COVID 19, foi realizada na segunda-feira (13) a primeira sessão remota da Oficina Proteção Contra a Exploração, Abuso Sexual e Assédio, com mediação de oficiais da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) e Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA).

A oficina teve como objetivo sensibilizar os trabalhadores e trabalhadoras da assistência humanitária sobre como os atos de exploração e abuso sexual afetam indivíduos e comunidades inteiras e o que fazer a respeito por meio de mecanismos de denúncia.

Em Manaus, ACNUR e parceiros realizam realocação de população indígena da etnia warao para abrigos temporários. Foto: ACNUR/Felipe Irnaldo

COVID-19: ACNUR e parceiros intensificam resposta emergencial a indígenas venezuelanos

Enquanto a pandemia do novo coronavírus avança em todas as partes do mundo e afeta especialmente as populações mais vulneráveis, a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) e seus parceiros no Brasil intensificam a resposta emergencial para prevenir a COVID-19 junto às populações indígenas em situação de refúgio nas regiões Norte e Nordeste do país.

Em conjunto com autoridades estaduais e municipais e com a Operação Acolhida (resposta federal ao fluxo de refugiados e migrantes venezuelanos no Brasil), o ACNUR e parceiros têm implementado ações que garantem abrigamento, segurança alimentar, acesso a serviços de saúde e informação de qualidade nos idiomas das etnias Warao e Eñepa.

UNODC discute com governo iniciativas para combate a crimes cibernéticos - Foto: PxHere

Especialistas da ONU e governo brasileiro discutem ações contra crimes cibernéticos

Governos, iniciativa privada e organismos internacionais precisam trabalhar juntos para combater crimes cibernéticos.

Este foi um dos temas debatidos na videoconferência realizada no início de abril com especialistas do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) e o Grupo de Trabalho de Crimes Cibernéticos, coordenado pela Secretaria de Operações Integradas, e a Assessoria Especial Internacional do Ministério da Justiça e Segurança Pública.

OIM apoia implementação de área de proteção e cuidados para venezuelanos em Boa Vista

Para ampliar as estruturas de saúde na prevenção e enfrentamento à pandemia de COVID-19 e reforçar o atendimento aos refugiados e migrantes em Roraima, a Operação Acolhida, com apoio dos governos estadual e municipal, irá inaugurar em Boa Vista a Área de Proteção e Cuidados (APC).

A estrutura, montada por trabalhadores venezuelanos e brasileiros, começa a funcionar em breve na capital e conta com suporte da Organização Internacional para as Migrações (OIM).

Matheus Martinez, 27, is unable to work from home during the coronavirus outbreak. Foto: UNIC Rio/Joana Berwanger

Brazilian delivery worker faces daily fear of coronavirus infection

When the clock strikes ten in the morning, Matheus Martinez, 27, is already riding his bicycle, carrying a big square backpack and cycling through the streets of Porto Alegre, in the south of Brazil.

Since 2018, the musician has been making food deliveries through apps andtoday, this is his main source of income.

Matheus is one of the “gig economy” workers who are unable to work from home and find themselves facing every day the fear of contracting the novel coronavirus.

Mesmo temendo contrair o coronavírus, Matheus Martinez, de 27 anos, trabalha nas ruas com entregas, sua única fonte de renda. Foto: UNIC Rio/Joana Berwanger

Entregador enfrenta diariamente medo da infecção pelo novo coronavírus

Quando o relógio marca 10 horas da manhã, Matheus Martinez, de 27 anos, já está montado em sua bicicleta, carregando sua grande mochila quadrada e pedalando pelas ruas de Porto Alegre (RS).

Desde 2018, o músico passou a fazer entregas por meio de aplicativos de entregas e, hoje, tem a atividade como principal fonte de renda.

Matheus faz parte do grupo de trabalhadores autônomos que não têm a possibilidade de trabalhar de casa e se vê enfrentando o medo da infecção pelo novo coronavírus todos os dias.

Grota do Poço Azul, Jardim Petrópolis em Maceió, Alagoas. Foto: ONU-HABITAT

ONU-HABITAT apoia elaboração de medidas contra COVID-19 nos assentamentos precários de Maceió

Programa das Nações Unidas para Assentamentos Humanos (ONU-HABITAT) entregou ao governo de Alagoas informações que permitem a visualização das diferentes condições de vulnerabilidade dos moradores de grotas e favelas da capital, Maceió.

Foram abordadas questões como o abastecimento de água, a infraestrutura de coleta de esgoto, a densidade de domicílios em cada assentamento e a densidade de moradores em cada domicílio e por dormitório, e os níveis de informalidade de emprego e renda.

Aumento extremo na temperatura na terra pode transformar a floresta amazônica em savana e até inviabilizar a vida humana dentro de dois séculos. Imagem do Vale da Morte, nos Estados Unidos. Foto: Pixabay

Mudanças climáticas podem fazer confinamento virar regra, diz cientista

O aumento da temperatura global pode colocar o mundo em estado constante de confinamento.

O alerta foi feito pelo cientista brasileiro Carlos Nobre, em webinar realizado pela Rede Brasil do Pacto Global das Nações Unidas para discutir a relação da atual pandemia com o clima.

De acordo com o especialista, uma vez que o corpo humano não consegue suportar determinadas condições de temperatura e umidade, ondas de calor levariam as pessoas a evitar ambientes externos, o que tornaria o confinamento uma regra se não conseguirmos deter as mudanças do clima.

O cientista falou ainda sobre a resposta do novo coronavírus a diferentes tipos de clima. Segundo ele, ainda não há comprovação científica de que o coronavírus gere um impacto menor em climas quentes, hipótese que é contestada pelas altas taxas de infecções em Manaus (AM).

Equipamentos de refrigeração de supermercados receberão nova tecnologia que não agride camada de ozônio. Foto: David Gomes/Pexels

Empresa brasileira desenvolve tecnologia de refrigeração que não agride a camada de ozônio

A empresa Plotter Racks, especializada em refrigeração industrial, deu início à fabricação de novos equipamentos de refrigeração que utilizam o propano R-290 como fluido frigorífico alternativo. O material não agride a camada de ozônio e tem impacto desprezível no sistema climático global. O equipamento foi desenvolvido em parceria com o Ministério do Meio Ambiente (MMA) e a Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (UNIDO).

A iniciativa faz parte do Programa Brasileiro de Eliminação dos HCFCs, projeto coordenado pelo MMA e implementado pela UNIDO no Brasil.

Leonice Tupari integra o projeto Voz das Mulheres Indígenas, realizado em parceria com a ONU Mulheres Brasil Foto:Isabel Clavelin/ONU Mulheres

COVID-19: prevenção e acesso a saúde são questões urgentes para mulheres indígenas

A pandemia do novo coronavírus e as medidas de prevenção trazem desafios ao mundo inteiro.

Para cerca de 820 mil mulheres, homens e crianças indígenas, de 305 etnias e 274 línguas no Brasil, a prevenção à contaminação e o acesso à saúde são questões preocupantes diante da intensificação das medidas para conter a disseminação da doença.

Cerca de 500 mil indígenas vivem em áreas rurais. Em 1º de abril, foi confirmado o primeiro caso de contaminação indígena no país: uma mulher indígena, no interior do Amazonas, que atua na área da saúde.

Veja as preocupações das lideranças indígenas, em entrevista à ONU Mulheres.

Porto de Santos, em São Paulo. Foto: Prefeitura de Santos

Banco Mundial prevê queda de 5% para economia brasileira este ano

A economia brasileira deve ter uma contração de 5% em 2020 diante de três choques: demanda externa fraca, queda dos preços do petróleo e interrupção econômica para a contenção do novo coronavírus.

A previsão consta em estudo do Banco Mundial divulgado na segunda-feira (13). Para 2021, a expectativa do organismo internacional é de um avanço de 1,5% do Produto Interno Bruto (PIB) do país.

A implementação inadequada das respostas políticas à crise pode falhar em mitigar o impacto na pobreza ou na desigualdade, potencialmente alimentando o descontentamento social, advertiu o organismo internacional.

Vinicius Leal (esquerda) e Júlio Pimental em casa, em Bagé. Foto: Vinicius Leal

Parceiros remotos ajudam músico brasileiro a reduzir o estresse durante a pandemia

Em apenas dois dias, três amigos compuseram e gravaram uma música, apesar de dois estarem em uma mesma cidade e o terceiro a mais de 300 km de distância. É assim que o músico e compositor Vinicius Leal lida com o estresse de estar preso em uma cidade há quase um mês devido à crise do coronavírus.

Saiba mais sobre a iniciativa que pode ajuda a promover o bem estar, como recomendam os especialistas em saúde.

Trabalhadores venezuelanos e brasileiros que atuam com a Operação Acolhida e agências da ONU em Boa Vista Foto: Allana Ferreira/ACNUR

COVID-19: Brazilians and Venezuelans come together to build a temporary hospital in Boa Vista

In Boa Vista (Roraima), Venezuelans and Brazilians construct a temporary hospital for the monitoring and treatment of COVID-19.

The site will have 1,200 hospital beds and a thousand more vacancies for possible cases. Supported by the United Nations High Commissioner for Refugees (UNHCR) and other UN agencies, it is being built by Operação Acolhida (Operation Welcome), in response to the flow of Venezuelan migrants and refugees.

Meet Diego, Yosley and other Venezuelans who are proud to contribute to the Brazilian efforts against the new coronavirus.

Trabalhadores venezuelanos e brasileiros que atuam com a Operação Acolhida e agências da ONU em Boa Vista Foto: Allana Ferreira/ACNUR

COVID-19: brasileiros e venezuelanos se unem para construir hospital temporário em Boa Vista

Em Boa Vista (Roraima), venezuelanos e brasileiros trabalham na construção de um hospital temporário para o acompanhamento e tratamento contra a COVID-19.

O local terá 1.200 leitos hospitalares e mais mil vagas para observação de casos suspeitos e está sendo construído pela Operação Acolhida, resposta do governo ao fluxo de migrantes e refugiados venezuelanos que conta com o apoio da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) e outras agências das Nações Unidas.

Conheça as trajetórias de Diego, Yasley e outros venezuelanos que conseguiram uma renda e se orgulham de participar dos esforços brasileiros contra o novo coronavírus.

Camila Alves Leandro, coordenadora do pronto-socorro do Hospital São José (no destaque) e colegas usando Equipamentos de Proteção Individual comprados pelo UNOPS - Foto: Camila Alves Leandro/arquivo pessoal

Protective equipment purchased by UNOPS increases health workers’ confidence

Working with fear of the unknown, health workers from São José Hospital in Joinville in the state of Santa Catarina (southern Brazil) are adopting new practices to protect themselves from the coronavirus. The team only uses Personal Protective Equipment (PPE), which has increased their confidence when treating patients who are experiencing symptoms of COVID -19 or who might possibly be infected with the disease.

The municipal hospital is part of the Unified Health System (SUS in Portuguese) and has an exclusive emergency room for patients who show symptoms of the coronavirus. The area has been completely isolated and assigned dedicated teams of health workers to provide care.

Camila Alves Leandro, coordenadora do pronto-socorro do Hospital São José (no destaque) e colegas usando Equipamentos de Proteção Individual comprados pelo UNOPS - Foto: Camila Alves Leandro/arquivo pessoal

Equipamentos de proteção comprados pelo UNOPS aumentam confiança de trabalhadores de saúde

Trabalhando com medo do desconhecido, os profissionais de saúde do Hospital São José, em Joinville (Santa Catarina) agora adotam novas rotinas para se proteger do novo coronavírus. Na área para pacientes com suspeita ou sintomas de infecção pela COVID-19, a equipe só entra utilizando Equipamento de Proteção Individual (EPI), o que tem aumentado a confiança dos profissionais.

Na semana passada, o hospital São José recebeu 200 macacões, 100 óculos, 350 caixas de luvas e 100 protetores faciais com viseiras comprados pelo Escritório das Nações Unidas de Serviços para Projetos (UNOPS).

Mais de 1,5 bilhão de estudantes em 165 países foram afetados pelo fechamento de escolas devido à COVID-19. Foto: UNESCO

ARTIGO: A experiência internacional com os impactos da COVID-19 na educação

Em meio à pandemia de COVID-19, a principal atenção está nos desafios impostos aos sistemas de saúde, mas os sistemas de educação também são diretamente afetados. Em pouco mais de três semanas, cerca de 1,5 bilhão de estudantes em pelo menos 174 países ficaram fora da escola em todo o mundo.

No Brasil, todas as escolas estão temporariamente fechadas e provavelmente continuarão assim por algum tempo. Como podemos aprender com as experiências de como os outros países estão lidando com isso?

Leia artigo publicado na Folha de S.Paulo pelo coordenador da área econômica do Banco Mundial para o Brasil, Rafael Muñoz, que já trabalhou para a instituição na Ásia e na África.

Marta Vieira da Silva, embaixadora da Boa Vontade da ONU Mulheres. Foto: ONU Mulheres/Ryan Brown

Conheça as histórias de duas meninas que participam do projeto ‘Uma Vitória Leva à Outra’

Em fevereiro, antes que medidas de contenção do coronavírus fossem implementadas, meninas do projeto “Uma Vitória Leva à Outra”, da ONU Mulheres e do Comitê Olímpico Internacional, conheceram a estrela do futebol internacional e embaixadora da Boa Vontade da ONU Mulheres, Marta Vieira da Silva. O programa oferece sessões semanais de prática esportiva e de habilidades de vida para adolescentes brasileiras.

Agora confinadas em suas casas devido à crise do novo coronavírus, as meninas reconhecem mais do que nunca a importância das mensagens de esperança ouvidas no encontro com a jogadora. Conheça a história de duas jovens que participam do projeto “Uma Vitória Leva à Outra”.

O casal de refugiados sírios Ghazal e Talal prepara marmitas que serão doados para idosos de São Paulo. Foto: Riad Altinawi

Syrian refugees donate food to the elderly people during the pandemic in Brazil

The couple Talal e Ghazal Al-Tinawi, both Syrian refugees in Brazil, felt in their wallet the decrease of orders at their Arabic food delivery service due to the COVID-19 in Sao Paulo, the state with the highest number of cases in Brazil. Even so, they found a caring alternative to contribute to mitigate the new virus transmission.

They made an effort to increase their production so that 300 packed lunches could be delivered to the elderly, one of the most vulnerable at risk to the COVID-19 disease. Complying with the World Health Organization (WHO) recommendation, the food is safely being delivered to their homes.