Equipe do UNFPA tem forte atuação em saúde sexual e reprodutiva. Foto: UNFPA Brasil

Jovens que trabalham com assistência humanitária em Roraima contam suas experiências

Na resposta humanitária ao fluxo de venezuelanos em Roraima, o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) tem desenvolvido ações em Boa Vista, capital do estado, e em Pacaraima, fronteira do Brasil com a Venezuela. O objetivo é garantir direitos em saúde sexual e reprodutiva, prevenção e resposta à violência baseada em gênero.

Entre o time de profissionais do UNFPA no local, estão os assistentes de campo, jovens com a missão de garantir que as pessoas refugiadas e migrantes possam ter uma resposta qualificada e sensível às suas demandas e necessidades de proteção.

Os assistentes de campo atuam ativamente contribuindo para o trabalho de assistência humanitária, tanto na mobilização comunitária quanto nos processos de escuta e referenciamento para a rede de proteção. Leia depoimentos desses profissionais.

Família brasileira durante a amamentação do recém-nascido. Foto: UNICEF/Libório

UNICEF: apenas 40% das crianças no mundo recebem amamentação exclusiva no início da vida

Apenas quatro em cada dez bebês no mundo são alimentados exclusivamente com o leite materno nos primeiros seis meses de vida, conforme recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS). A estatística foi divulgada pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) nesta quinta-feira (1º), data em que tem início a Semana Mundial de Amamentação.

Nos países de renda média e alta, 23,9% das crianças são alimentadas somente com o leite da mãe em seu primeiro semestre após o nascimento. No Brasil, o índice foi estimado em 38,6%, de acordo com o UNICEF e a OMS.

Treinamento da ONU aborda o combate e a prevenção ao abuso e exploração sexuais de venezuelanos. Foto: UNFPA/Yareidy Perdomo

Em Roraima, agências da ONU treinam militares brasileiros para combater violência sexual

Em Roraima, o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) promoveu neste mês um treinamento com militares brasileiros sobre como combater o abuso e a exploração sexuais em contextos de emergência. Os oficiais fazem parte do novo contingente que vai integrar a Operação Acolhida — a resposta do governo federal à chegada de venezuelanos ao Brasil.

A capacitação foi realizada em parceria com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), a Organização Internacional para as Migrações (OIM) e o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR).

Colégio Pedro II (federal), localizado no centro do Rio de Janeiro. Foto: Wikimedia Commons/Halley Pacheco de Oliveira (CC)

Escolas federais e particulares têm infraestrutura melhor que estaduais e municipais

A infraestrutura escolar é um dos fatores determinantes para a qualidade da educação. É sob essa prerrogativa que a representação no Brasil da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) decidiu encomendar à Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) a pesquisa que deu origem à publicação “Qualidade da Infraestrutura das Escolas Públicas do Ensino Fundamental no Brasil”.

Segundo o estudo, as escolas federais e particulares apresentam médias mais altas do que as estaduais e municipais no que se refere à infraestrutura. Porém, de 2013 para 2017, houve evolução em todas as redes, sobretudo nas escolas municipais, exatamente as que mais precisam melhorar, de acordo com o relatório.

Tendo como foco os estabelecimentos de ensino públicos estaduais e municipais, observa-se que as escolas em áreas urbanas têm médias de infraestrutura superiores às das áreas rurais. Porém, mesmo entre as escolas urbanas, merece atenção o baixo valor do indicador Atendimento Educacional Especializado (AEE), que mensura a existência de recursos para inclusão. Leia a reportagem completa.

Um centro de recepção e documentação inaugurado pelo governo federal com apoio do Sistema ONU Brasil na cidade de Pacaraima está há um mês identificando e emitindo documentos para pessoas vindas da Venezuela. Foto: ACNUR/Reynesson Damasceno

Brasil recebeu mais de 61 mil pedidos de refúgio de venezuelanos em 2018

Em 2018, o Brasil recebeu 80.057 solicitações de refúgio de estrangeiros. Desse número, 61.681 foram feitas por venezuelanos. Os dados são de balanço divulgado neste mês pelo Comitê Nacional para os Refugiados (CONARE) e pela Agência da ONU para Refugiados (ACNUR).

A pesquisa mostra ainda que o Brasil acumula mais de 160 mil pedidos de refúgio em análise, feitos em 2018 e em anos anteriores. Desses requerimentos, 52% são de venezuelanos; 10%, de haitianos; 5%, de senegaleses; e 4%, de cubanos.

Instalação de mosquiteiros é uma das iniciativas de prevenção e controle da malária. Foto: Governo do Estado do Acre/Secom/Angela Peres

OPAS apresenta em Belo Horizonte perspectivas para eliminação da malária nas Américas

A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) apresentou nesta quarta-feira (31), no município de Belo Horizonte (MG), as perspectivas para eliminação da malária nas Américas. A palestra foi dada no último dia do MEDTROP-PARASITO 2019, evento de medicina tropical que reuniu pesquisadores, cientistas, profissionais de saúde e estudantes.

“A maneira mais efetiva de eliminar e reduzir a malária no continente é intensificar as ações coordenadas nos municípios com maior carga, mas de uma forma intersetorial. Essa doença não deve ser considerada sob responsabilidade somente no setor de saúde. É importante trabalhar também, por exemplo, em parceria com áreas de educação, saneamento, moradia”, afirmou Sheila Rodovalho, consultora de malária da OPAS e da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Contraída por meio da picada de um mosquito infectado, a malária continua sendo uma das principais causas de mortes no mundo, com a estimativa de 219 milhões de casos e mais de 400 mil mortes relacionadas à doença em 2017. Aproximadamente 60% das mortes ocorrem entre crianças com menos de 5 anos.

Atrasar o aleitamento materno aumenta o risco de morte de recém-nascidos em até 80%. Foto: EBC

OPAS: sucesso da amamentação não é responsabilidade exclusiva da mãe, mas de todos

Em alusão à Semana Mundial de Aleitamento Materno, celebrada entre 1º e 7 de agosto, a Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS), o Ministério da Saúde e a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) se uniram em Brasília (DF) para reforçar a importância da amamentação não só para as crianças e para suas mães, mas para a sociedade como um todo.

“Gostaria de destacar o papel de cada um de nós no apoio às famílias, lembrando que o sucesso da amamentação não é responsabilidade exclusiva da mãe, mas uma responsabilidade social de todos nós”, afirmou a representante da OPAS/OMS no Brasil, Socorro Gross.

Ela ressaltou que vários setores, além da saúde, precisam unir esforços para apoiar e proteger o aleitamento materno. “O trabalho intersetorial se torna necessário para garantir o exercício do direito que todas as mães têm de amamentar e o direito que todas as crianças têm de receber o melhor alimento que existe, indispensável e insubstituível para seu perfeito desenvolvimento”.

Ana Dayse Dorea fala da importância da Gestão Escolar para a educação de Maceió. Foto: SECOM Maceió/Pei Fon

Evento em Maceió capacita gestores de escolas da rede municipal de ensino

As múltiplas dimensões da gestão escolar são o tema do seminário realizado em Maceió (AL), nesta semana, pela Secretaria Municipal de Educação (SEMED), em parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). O evento, que segue até a próxima sexta-feira (2), visa capacitar gestores de escolas da rede municipal de ensino, além de compartilhar boas práticas e refletir sobre o pacto de gestão – documento que compactua metas entre gestores e a secretaria.

Entre os temas em debate estão a resiliência escolar como fator de desenvolvimento educacional, o enfrentamento de conflitos que influenciam o clima escolar, a administração eficiente, a importância da organização para bons resultados e a gestão no âmbito da base comum curricular. As palestras e os painéis de apresentação e debate são liderados por especialistas da área.

A banda pop sul-coreana com a diretora-executiva do UNICEF, Henrietta Fore. Da esquerda para direita, j-hope, Jin, Jungkook, RM, V, Suga e Jimin. Foto: UNICEF/Nesbitt

UNICEF e banda de pop sul-coreano pedem fim da violência nas escolas

Na semana em que a ONU comemora o Dia Internacional da Amizade, 30 de julho, os integrantes da banda de pop sul-coreano BTS divulgaram na terça-feira um vídeo de conscientização sobre o bullying nas escolas.

A produção audiovisual pede que os jovens respeitem uns aos outros e iluminem o dia de um colega com atos de gentileza e bondade. Iniciativa faz parte de campanha do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF).

À esquerda, Qu Dongyu, diretor eleito da FAO, ao lado de José Graziano da Silva, à direita, atual chefe da agência da ONU. Foto: FAO/Alessandra Benedetti

Diretor-geral da FAO transmite o cargo ao chinês Qu Dongyu

As políticas públicas e os programas de proteção social são fundamentais para reduzir a fome no mundo, enquanto a qualidade de nossos alimentos deve ser melhorada, afirmou nesta quarta-feira (31) o diretor-geral da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), o brasileiro José Graziano da Silva, no ato de transmissão do cargo em seu último dia à frente do organismo da ONU.

Seu sucessor, o chinês Qu Dongyu assumirá o cargo na quinta-feira (1º) para um mandato que irá durar até 31 de julho de 2023.

Economia latino-americana deve crescer 0,5% em 2019, de acordo com projeções da CEPAL. Foto: EBC

CEPAL: economia latino-americana deve crescer 0,5% em 2019

A Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) prevê desaceleração do crescimento econômico da região este ano, diante de um contexto internacional de maiores incertezas e complexidades e de um enfraquecimento dos investimentos, das exportações e do consumo.

A conclusão é do relatório anual “Estudo Econômico da América Latina e do Caribe 2019”, divulgado nesta quarta-feira (31) pela secretária-executiva do organismo das Nações Unidas, Alicia Bárcena, em coletiva de imprensa em Santiago, no Chile.

Segundo o documento, a região crescerá este ano apenas 0,5%, cifra inferior ao 0,9% registrado em 2018. Para o Brasil, a previsão é de avanço de 0,8% este ano.

Crescimento sustentável da economia global requer melhora da qualidade da mão de obra. Foto: Agência Brasil

ARTIGO: Perspectivas para a América Latina e o Caribe — uma recuperação estagnada

Em artigo, o diretor do Departamento do Hemisfério Ocidental do Fundo Monetário Internacional (FMI), Alejandro Werner, aponta que a América Latina e o Caribe registraram uma “atividade econômica anêmica” no primeiro semestre de 2019.

Um dos motivos é a elevada incerteza sobre as políticas econômicas de alguns países da região, como o Brasil. Werner destaca preocupações com o cronograma e a abrangência da reforma da previdência no país, além de defender a necessidade de privatizações e de medidas de controle do déficit fiscal.

Nos fins de semana de 3 e 4 de agosto, a Prefeitura de São Paulo oferece o evento cultural SLOWKIDS com atividades ao ar livre voltadas a bebês, crianças e seus cuidadores. Foto: UNICEF

Prefeitura de São Paulo e UNICEF promovem II Semana Municipal da Primeira Infância

A Prefeitura de São Paulo e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) promovem de 1º a 7 de agosto na capital paulista a II Semana Municipal da Primeira Infância, cujo objetivo é estabelecer um espaço de reflexão, discussão e troca de experiências a respeito da primeira infância, além de promover o envolvimento da sociedade e das famílias na valorização e nos cuidados dessa fase da vida (0 a 6 anos).

Marcha das Mulheres Negras Contra o Racismo, em Brasília. Foto: EBC/Marcello Casal Jr.

PNUD impulsiona empoderamento econômico de mulheres jovens no Piauí

Principais vítimas de feminicídio e de mortalidade materna, as mulheres jovens também são as mais afetadas pelo desemprego e pela carga de trabalho não remunerado no Brasil. Numa tentativa de reverter essa situação, o projeto “Mulheres Resilientes = Cidades Resilientes”, do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) Brasil, desenvolve uma iniciativa no Piauí que visa ao empoderamento econômico e à autonomia financeira de mulheres de 18 a 29 anos.

Depois de ouvir o governo local e analisar os indicadores da região, o PNUD definiu o empoderamento econômico das mulheres jovens como o principal desafio para o desenvolvimento. As ações do projeto são realizadas em cinco municípios – Teresina, Demerval Lobão, Nazária, José de Freitas e Timon (esse último, no Maranhão) – que, juntos, somam 1,05 milhão do total de 1,25 milhão de habitantes da região.

Imagem: frame de vídeo da ONU Brasil/UNIC Rio/Paulo Portilho

VÍDEO: Missão da ONU visita Brasil para estimular carreira na Organização

O Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio) recebeu em 26 e 27 de junho uma equipe de recursos humanos da sede da ONU, em Nova Iorque.

No Rio de Janeiro, os especialistas realizaram diálogos com universitários e profissionais já formados para estimular brasileiros a buscar carreiras na Organização.

A visita — chamada pela ONU de “Talent Outreach Mission” — teve a participação de Benjamin Salignat, oficial de Recursos Humanos das Nações Unidas, que apresentou diversas oportunidades de trabalho e ingresso no organismo internacional.

O também funcionário da ONU, Maurizio Giuliano, que é diretor do UNIC Rio, ressaltou que a Organização não busca apenas aqueles que possuem graduação em Relações Internacionais.

“Procuramos engenheiros, jornalistas, cientistas sociais, especialistas em informática, administração”, pontuou Giuliano.

OPAS recomenda dose extra de vacina para quem viajará a países com surto de difteria. Foto: OMS

OPAS alerta para alto número de casos de difteria em Haiti e Venezuela

A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) apresentou a situação da difteria na região das Américas nesta segunda-feira (29), em Belo Horizonte, durante o MEDTROP-PARASITO 2019. Esse evento de medicina tropical reunirá, até terça-feira (31), pesquisadores, cientistas, profissionais de saúde e estudantes.

Atualmente, dois países se encontram em surto da doença na região. O Haiti, que, desde o início do surto, em 2014, até junho deste ano, notificou 852 casos prováveis, 276 confirmados e 108 mortes. E a Venezuela, que desde o começo do surto, em 2016, registrou até junho deste ano 2.897 casos suspeitos, dos quais 1.721 foram confirmados, e 286 resultaram em óbitos.

Lely Guzman, especialista em imunização da OPAS, ressaltou que a difteria é uma doença considerada controlada nas Américas. “Mas esse ‘controlado’ é entre aspas, porque a situação de Haiti e Venezuela acende um alerta para a região e, mais especificamente, os países que fazem fronteira com eles: Colômbia, Brasil e República Dominicana. Isso porque populações não vacinadas estão vulneráveis a surtos de difteria”.

Homem resgatado do trabalho escravo no interior do Maranhão - Foto: Marcello Casal/ABr

Encontro discute relação entre trabalho infantil e escravo no Maranhão

A pobreza e a desigualdade social fazem com que os filhos(as) de pais pobres tenham uma vida com poucas oportunidades de escolha e desenvolvimento na infância e adolescência e mais tarde uma vida mais vulnerável aos riscos de serem vítimas de trabalho com condições análogas à de escravo. Levantamentos sugerem a existência de um ciclo vicioso que precisa de iniciativas de todos os setores da sociedade para quebrá-lo.

Esse ciclo vicioso que liga o trabalho infantil ao trabalho escravo foi um dos temas do Encontro Estadual sobre as Relações entre o Trabalho Infantil e Escravo realizado pela Secretaria do Desenvolvimento Social (SEDES), em São Luís (MA), em junho. Participaram do encontro, representantes do governo estadual do Maranhão, o procurador-chefe do Ministério Público do Trabalho no estado (MPT-MA), Luciano Aragão, e o oficial de Projetos da Organização Internacional do Trabalho (OIT) no Brasil, Erik Ferraz.

Na segunda fase do processo de interiorização, 233 venezuelanos vivendo em Boa Vista foram levados a São Paulo e Manaus. Foto: ACNUR

ACNUR e Pacto Global promovem fórum sobre integração laboral de refugiados em Manaus

Com o objetivo de alinhar desenvolvimento econômico sustentável ao crescimento da população venezuelana que vive na capital amazonense, aconteceu o primeiro Fórum Empresarial de Empregabilidade e Empreendedorismo para Refugiados e Migrantes de Manaus na manhã da última sexta-feira (26). De acordo com dados da Polícia Federal, Manaus é a terceira cidade do país que mais recebe pessoas venezuelanos no Brasil.

O fórum, que teve sua primeira edição em Curitiba (PR), é uma iniciativa da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) e da Rede Brasil do Pacto Global que chegou em Manaus para esclarecer dúvidas sobre contratação de refugiados, bem como estabelecer novas metas e fluxos de trabalho no contexto da emergência incorporando cada vez mais o setor privado como um aliado na integração local.

Atletas da delegação brasileira testam conhecimentos sobre políticas e normas de combate ao assédio e abuso sexual e moral. Foto: Empodera

Nos Jogos Pan-Americanos, quiz educativo aborda assédio sexual e moral nos esportes

Como preparação para os Jogos Pan-Americanos, em Lima, no Peru, atletas passam pela tenda educativa do Comitê Olímpico do Brasil (COB). Lá participam de um quiz sobre doping, prevenção de lesões e enfrentamento a abuso e assédio moral e sexual, e ganham brindes. Até 11 de agosto, 6 mil esportistas passarão pela Vila dos Atletas, entre os quais, 400 da delegação brasileira.

O quiz testa conhecimentos sobre políticas e normas e, posteriormente, os participantes têm acesso às respostas corretas. Assim, aprendem sobre o conteúdo da Política de Combate e Prevenção ao Assédio e Abuso Moral e Sexual no Esporte do COB, elaborada em 2018 com o apoio técnico da ONU Mulheres.

Ana Lúcia Pereira recomenda aproximação dos ODS de lideranças do movimento de mulheres negras. Foto: ONU Mulheres/Mayara Varalho

Mulheres negras destacam papel dos objetivos globais na eliminação do racismo

As mulheres negras são 55,6 milhões de pessoas no Brasil. Representam 25% da população e compõem um dos grupos mais vulneráveis ao racismo, machismo e outras formas de discriminação. Os efeitos dessas desigualdades impedem que elas vivenciem direitos em todo o ciclo de vida, porque não acessam ou acessam pouco as oportunidades de desenvolvimento econômico, social e ambiental oferecidos à população brasileira.

Reconhecendo as mulheres negras como sujeitas de direitos e sujeitas políticas, a ONU Mulheres Brasil desenvolve, desde março de 2017, a estratégia de comunicação e advocacy Mulheres Negras Rumo a Um Planeta 50-50 em 2030 em parceria com organizações e entidades nacionais do movimento de mulheres negras para resposta às demandas da Marcha das Mulheres Negras contra o Racismo e a Violência e pelo Bem Viver, ocorrida no ano de 2015.

Médico clínico, o frei Leonardo Gonzales realiza exame de ultrassonografia em gestante venezuelana moradora em um abrigo de Boa Vista (RR). Foto: ACNUR/Allana Ferreira

Jornada de Saúde atende em Boa Vista brasileiros e venezuelanos em situação vulnerabilidade

Os olhos da gestante Lucylde, de 17 anos, permaneciam fixos no monitor da ultrassonografia enquanto via pela primeira vez a imagem de seu bebê na 39ª semana de gestação. “É uma menina!”, exclamou emocionada a jovem. “Me senti muito feliz por ver minha filha. É muito difícil ter acesso a médicos da cidade, mas agora pude conhecer a minha neném”, conta a mãe, ao sair de uma consulta pré-natal promovida pelo Serviço Jesuíta para Refugiados e Migrantes (SJRM), em Boa Vista (RR). Venezuelana de Anzoátegui, ela vive no Brasil há seis meses.

Lucylde está entre refugiados e migrantes venezuelanos atendidos no SJMR por meio do projeto Jornada da Saúde, que aconteceu entre os dias 8 e 16 de julho em diferentes pontos da cidade de Boa Vista. O projeto também atendeu brasileiros em situação de vulnerabilidade. O relato é do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA).

Mosquitos Aedes aegypti transmitem dengue, chikungunya e zika. Foto: AIEA

OMS recebe contribuições para roteiro de controle a 20 doenças tropicais neglicenciadas

A Organização Mundial da Saúde (OMS) apresentou no domingo (28), em Belo Horizonte (MG), um panorama do novo roteiro 2021-2030 de controle, eliminação ou erradicação de 20 doenças tropicais negligenciadas. A palestra foi dada na abertura do MEDTROP-PARASITO 2019, evento que deve reunir 3 mil pessoas até 31 de julho, entre pesquisadores, cientistas, profissionais de saúde e estudantes.

Pedro Albajar Viñas, oficial técnico de Doenças Negligenciadas Tropicais da OMS, lembrou aos participantes da cerimônia de abertura que, neste momento, a OMS está recebendo contribuições para o roteiro, que será posteriormente finalizado e submetido à aprovação pelos países.

Venezuelanos cruzam o rio Táchira em busca de alimentos e outras formas de assistência na Colômbia. Foto: ACNUR/Vincent Tremeau

ACNUR elogia Brasil por reconhecer venezuelanos refugiados com base na Declaração de Cartagena

O Brasil aplicou pela primeira vez a definição ampliada de refugiado estabelecida pela Declaração de Cartagena para analisar solicitações de reconhecimento da condição de refugiado de cidadãos venezuelanos e reconheceu, na última quarta-feira (24), 174 casos com base neste critério. Para a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), tal decisão representa um grande avanço para a proteção de venezuelanas e venezuelanos que têm sido forçados a deixar seu país.

A decisão possibilita, a partir de agora, a adoção de procedimento simplificado no processo de determinação da condição de refugiado para nacionais venezuelanos, e permitirá agilizar a análise dos pedidos. Atualmente, há cerca de 100 mil pedidos ativos feitos por venezuelanos e aguardando uma decisão do CONARE, o maior número de solicitações por nacionalidade no Brasil.

OIM Brasil promove mobilização para semana de enfrentamento ao tráfico de pessoas

O tráfico de pessoas é um crime que atinge homens, mulheres e crianças que são explorados para diversos fins, como trabalho escravo e exploração sexual.

Para enfrentar esse delito, a Organização Internacional para as Migrações (OIM) implementa e apoia diversos projetos e ações com o intuito de fortalecer políticas e atividades. Na semana de 30 de julho, dia mundial e nacional de enfrentamento a esse crime, a agência da ONU estará mobilizada em diversas cidades do Brasil.

A agência da ONU também movimenta suas redes sociais em uma parceria inédita com o Conselho Nacional de Justiça. As instituições se uniram na campanha #TráficoDePessoasNão, que informa a população sobre o tema.

Qualquer nível de exposição à fumaça do tabaco apresenta riscos. A melhor maneira de prevenir doenças respiratórias e melhorar a saúde dos pulmões é evitar o consumo do tabaco e a exposição ao fumo passivo. Foto: Município de Aracruz

OMS reconhece avanços do Brasil no combate ao tabaco

Muitos governos têm alcançado progressos significativos na luta contra o tabaco, com 5 bilhões de pessoas vivendo atualmente em países que introduziram medidas de controle desse produto, embalagens com imagens chocantes de advertência sanitária e outras medidas eficazes, o que representa quatro vezes mais pessoas do que há uma década.

Para ajudar os países a implementar a Convenção-Quadro, a OMS introduziu as medidas MPOWER, que incluem vigilância do consumo do tabaco e políticas de prevenção; proibição do consumo de tabaco em espaços públicos fechados, locais de trabalho e transportes públicos; apoio para que as pessoas possam parar de fumar.

Segundo informe da OMS, o Brasil se tornou o segundo país depois da Turquia a implementar integralmente todas as medidas MPOWER no seu mais alto nível de consecução.

A estilista Magna Coeli decidiu fazer moda de um jeito diferente, reaproveitando materiais que seriam normalmente descartados. Foto: Refazenda

No dia de sobrecarga da Terra, ONU celebra estilista brasileira que transforma lixo em luxo

Neste 29 de julho, o mundo lembra o chamado Dia de Sobrecarga da Terra — a data em que o consumo de recursos do planeta pelos seres humanos ultrapassou a capacidade que a natureza tem de repor esses recursos ao longo do ano.

Para marcar o dia, a ONU Meio Ambiente celebra a trajetória da estilista brasileira Magna Coeli, que decidiu repensar a forma de se fazer moda, reaproveitando sobras de tecido e materiais que normalmente seriam descartados.

Nos últimos 13 anos, 120 mil casos de hepatite C foram notificados às autoridades brasileiras, mas número de pessoas infectadas deve ser maior, podendo chegar a cerca de 1,4 milhões de pessoas. Foto: EBC

OMS pede investimento anual de US$ 6 bi para eliminar hepatite até 2030

Às vésperas do Dia Mundial de Luta Contra as Hepatites Virais, lembrado em 28 de julho, a Organização Mundial de Saúde (OMS) afirmou nesta sexta-feira (26) que países de baixa e média renda precisam investir um total de 6 bilhões de dólares por ano para eliminar essas doenças como uma ameaça de saúde pública até 2030.

A mobilização desses recursos permitiria evitar 4,5 milhões de mortes ao longo dos próximos 11 anos. Atualmente, existem 325 milhões de pessoas no mundo vivendo com hepatite B ou C — ou até mesmo com as duas variações. Apenas em 2017, 2,85 milhões de indivíduos se infectaram com a doença.

Atleta venezuelana ensina caratê para refugiados e migrantes em Pacaraima

Nos corredores da estrutura montada para receber refugiados e migrantes venezuelanos em Pacaraima (RR), na fronteira entre o país e o Brasil, a sensei faixa-preta em caratê Jhogsi Gómez treina novas alunas e alunos.

Campeã nacional do esporte na Venezuela — com 47 medalhas, sendo 17 de ouro —, a experiente professora dá aulas hoje em um cenário diferente. “Quando cheguei aqui, eu queria ajudar. Então, me cederam esse espaço para ensinar, principalmente as mulheres, a se defender”, conta.

O Além do Algodão é uma iniciativa conjunta entre a Agência Brasileira de Cooperação, o Instituto Brasileiro do Algodão e o Centro de Excelência contra a Fome do Programa Mundial de Alimentos. Representantes do projeto visitaram comunidades em Moçambique. Foto: PMA

Representantes do projeto Além do Algodão visitam agricultores de Moçambique

Representantes do Além do Algodão, projeto do Centro de Excelência contra a Fome da ONU e da Agência Brasileira de Cooperação (ABC) para fortalecer a cadeia do algodão em quatro países africanos, iniciaram na semana passada (15) visitas a escolas e agricultores familiares das províncias de Tete e Manica, em Moçambique.

O projeto visa apresentar novos canais de comercialização institucionais e privados aos agricultores familiares, incentivando a diversificação de cultivos e garantindo, além do consumo de subsistência, a venda dos excedentes nos próprios territórios.

O judoca congolês Popole Misenga, da Equipe Olímpica de Atletas Refugiados, levantou a torcida da Arena Carioca ao vencer sua primeira luta. Ele acabou sendo desclassificado pelo atual campeão mundial de judô. Foto: ACNUR / Benjamin Loyseau

Refugiados vivendo no Brasil treinam para participar de equipe olímpica em Tóquio 2020

A um ano das Olimpíadas de Tóquio 2020, a capital do Japão se prepara para receber atletas de todo o mundo, incluindo refugiados que vão competir sob a bandeira do Comitê Olímpico Internacional.

O organismo está financiando a preparação de 37 competidores, que vão tentar uma vaga na Equipe Olímpica de Refugiados. Entre os atletas, estão os judocas congoleses Popole Misenga e Yolande Mabika, que residem no Rio de Janeiro (RJ).

UNFPA participou de capacitação de servidores públicos com discussões sobre os grupos mais vulneráveis em contextos migratórios, como as mulheres, as crianças, os idosos e a população LGBTI. Foto: UNFPA/Yareidy Perdomo

Agências da ONU discutem direitos humanos com servidores públicos de Pacaraima

Servidores públicos da Prefeitura de Pacaraima (RR) e conselheiros tutelares participaram na semana passada de uma capacitação sobre direitos humanos, migração e refúgio.

O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) participou da iniciativa com discussões sobre leis específicas para grupos vulneráveis em contextos migratórios — como as crianças e adolescentes, as mulheres, os indígenas, os idosos, pessoas com deficiência e indivíduos LGBTI.