A educação integral em sexualidade desempenha um papel central na preparação de adolescentes e jovens para uma vida segura, produtiva e satisfatória, disse o UNAIDS. Foto: UNAIDS

UNAIDS: Educação integral em sexualidade contribui para uma vida mais saudável entre jovens

A educação integral em sexualidade desempenha um papel central na preparação de adolescentes e jovens para uma vida segura, produtiva e satisfatória, e é um componente importante de um conjunto de prevenção do HIV para jovens, informou o Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS).

A educação em sexualidade proporciona oportunidades para aprender e adquirir conhecimentos abrangentes, precisos, baseados em evidências e apropriada à idade sobre sexualidade e questões de saúde sexual e reprodutiva.

Foto: PG Alves/Assessoria de Imprensa do MP/RS

PNUD visita iniciativas de Justiça Restaurativa e estratégias de acompanhamento escolar na região Sul

Uma comitiva do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) esteve no início de abril nas cidades de Porto Alegre, Caxias do Sul e Bento Gonçalves, no Rio Grande do Sul, para conhecer a experiência local no âmbito da Justiça Restaurativa e estratégias em prol da permanência dos alunos nas escolas.

Há cerca de 15 anos, o PNUD apoiou o início da aplicação da metodologia de Justiça Restaurativa no Brasil. Na ocasião, foram feitos pilotos de introdução do tema nas cidades de Porto Alegre, São Paulo e Brasília.

A Justiça Restaurativa é uma metodologia de resolução de conflitos que privilegia o diálogo e a responsabilização do praticante do delito. Ela valoriza a construção de soluções a partir de conversas com as partes envolvidas, tanto para ouvir e atender as necessidades da vítima, como para responsabilizar o agressor, resolvendo questões de forma colaborativa.

Comitiva brasileira foi formada por 20 pessoas de empresas e instituições. Foto: ONU Mulheres

Na ONU, empresas brasileiras discutem desafios e oportunidades para mulheres no mercado de trabalho

Grupo brasileiro foi formado por executivas e executivos diversas companhias e compartilhou experiência de empresas com políticas de igualdade de gênero durante os Fóruns dos Princípios de Empoderamento das Mulheres (WEPs) e WeEmpower/Ganha-Ganha, voltados a profissionais de negócios.

Encontros e debates foram promovidos pela ONU Mulheres e pelo Pacto Global das Nações Unidas na Comissão da ONU sobre a Situação das Mulheres (CSW), maior fórum intergovernamental sobre igualdade de gênero no mundo.

Foto: OPAS/OMS

OPAS publica orientações para melhorar saúde de migrantes nas Américas

A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS/OMS) apresentou nesta semana (29) um documento com orientações sobre migração e saúde para os países das Américas, sugerindo cinco linhas de ação para melhorar a saúde dos migrantes e das populações que os recebem.

As cinco áreas são: o fortalecimento da vigilância epidemiológica; a melhora do acesso aos serviços de saúde para as populações migrantes e para as que os recebem; a melhora da comunicação e o intercâmbio de informações para combater a xenofobia, o estigma e a discriminação; o fortalecimento do trabalho intersetorial e entre países para proteger a saúde dos migrantes; a adaptação de políticas, programas e marcos legais para promover e proteger a saúde e o bem-estar dos migrantes.

Imagem: ONG Repórter Brasil

Pureza: uma maranhense na linha de frente contra o trabalho escravo no Brasil

No mês em que o Brasil comemora a abolição da escravatura, em 13 de maio, a Organização Internacional do Trabalho (OIT), em parceria com o Ministério Público do Trabalho (MPT) e a ONG Repórter Brasil, lembra o ativismo da maranhense Pureza Lopes Loiola, que passou três anos à procura do filho Abel, desaparecido em 1993 após ser aliciado por agentes do trabalho escravo.

Pureza percorreu o interior do Maranhão e do Pará, numa peregrinação por garimpos, carvoarias, madeireiras e plantações. À época, o Estado brasileiro ainda não reconhecia a existência de formas análogas à escravidão. Assista ao vídeo aqui.

Líder de projeto sobre saúde reprodutiva e adolescentes de Gana discursando na ONU. Foto: UNDESA/S. Nijam

ONU procura ONGs para ajudar a realizar sua missão; prazo é 1º de junho

A divisão de organizações não governamentais (ONGs) do Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais das Nações Unidas (DESA) está convidando todas as organizações interessadas a trabalhar em estreita colaboração com o Conselho Econômico e Social da ONU (ECOSOC) para solicitar um status consultivo. Dia 1º de junho de 2019 é o prazo para recebimento de pedidos, que serão revisados durante o ano seguinte.

Para apoiar no processo, a ONU realizará um seminário online no próximo 3 de maio (sexta-feira), das 11h às 12h30 (horário de NY) – no horário de Brasília, de 12h às 13h30. Segundo a organização, essa é uma boa oportunidade para candidatos(as) fazerem perguntas sobre o processo de inscrição. O espaço é limitado. Saiba como se inscrever aqui.

Comitê lança publicação com recomendações e estratégias sobre uso de medicamentos e “medicalização da vida”. Foto: ONU

Doenças resistentes a medicamentos poderão causar 10 milhões de mortes por ano no mundo

Uma pesquisa da ONU revelou na segunda-feira (29) que, até 2050, 10 milhões de pessoas no mundo poderão morrer a cada ano devido a doenças resistentes a medicamentos. Segundo o levantamento, infecções que não respondem a remédios já são responsáveis por pelos menos 700 mil óbitos anualmente. Dessas mortes, 230 mil são causadas por formas de tuberculose capazes de sobreviver a diferentes fármacos.

Adesão ao movimento ElesPorElas foi formalizada durante o 25º Congresso Nacional Escoteiro, realizado em Brasília. Foto: Escoteiros do Brasil

Escoteiros do Brasil aderem a movimento da ONU pela igualdade entre homens e mulheres

Os Escoteiros do Brasil aderiram neste mês (26) ao movimento ElesPorElas (HeForShe, em inglês), uma iniciativa global da ONU Mulheres em prol da igualdade de gênero. Atualmente, a associação nacional de escotismo reúne 75 mil jovens e tem o apoio voluntário de 25 mil adultos. Nos últimos dez anos, o número de integrantes cresceu em torno de 35%, chegando a 671 cidades de todas as 27 unidades federativas do Brasil.

A situação de insegurança em Mianmar para a minoria muçulmana rohingya está gerando uma das maiores crises humanitárias do mundo. Foto: ACNUR

Rejeição de recurso de jornalistas presos em Mianmar é ‘grave injustiça’, alertam relatores da ONU

Especialistas das Nações Unidas em direitos humanos expressaram preocupação com a rejeição da apelação final de dois jornalistas da agência de notícias Reuters pela Suprema Corte de Mianmar. Os relatores especiais definiram a decisão como uma “grave injustiça”, dizendo representar um momento sombrio para a liberdade de imprensa e para a democracia do país.

Na terça-feira (23), a mais alta Corte de Mianmar rejeitou o recurso de Wa Lone e de Kyaw Soe Oo, presos por sete anos por investigarem o massacre de homens e meninos rohingyas no vilarejo de Inn Din, no estado de Rakhine, em 2017. Na semana anterior, eles haviam recebido o Prêmio Pulitzer, um dos mais reconhecidos no jornalismo mundial, pelas reportagens investigativas.

O distrito de Macomia, em Cabo Delgado, Moçambique, foi duramente atingido pelo ciclone Kenneth, que chegou ao porto em 25 de abril. Foto: OCHA/Saviano Abreu

Novo ciclone atinge Moçambique seis semanas após o primeiro; ONU pede mais apoio

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, lamentou neste domingo (28) os relatos de mortes e destruição em Moçambique e em Comores como resultado do ciclone tropical Kenneth, seis semanas após o ciclone Idai atingir Moçambique, Malauí e Zimbábue.

Guterres pediu à comunidade internacional mais recursos para uma resposta imediata e a médio e longo prazo. Guterres afirmou que as Nações Unidas e parceiros humanitários estão apoiando autoridades nacionais para avaliar necessidades e fornecer assistência.

Já o chefe humanitário da ONU destacou que o ciclone Kenneth marca a primeira vez que dois ciclones atingiram Moçambique durante a mesma temporada, comprometendo ainda mais os limitados recursos do governo. Malauí e Zimbábue também devem passar por fortes chuvas e enchentes.

Antigo Parlamento em Trípoli, na Líbia. Foto: UNOCHA/Giles Clarke

Milhares se abrigam em clínicas em Trípoli; confrontos recentes já deixaram mais de 260 mortos

Três semanas após o começo de conflitos perto da capital líbia, Trípoli, a agência de saúde das Nações Unidas alertou que um grande número de pessoas está se abrigando em clínicas médicas, enquanto civis continuam sendo mortos e feridos. Segundo dados mais recentes, 264 pessoas foram mortas e 1.266 ficaram feridas.

Porta-voz da Agência Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) pediu acesso humanitário para milhares de refugiados e migrantes que podem estar presos em centros de detenção administrados pelo Estado ao sul da capital. Para responder às crescentes necessidades de cerca de 32 mil pessoas deslocadas pela violência, a OMS está recrutando mais equipes médicas especializadas em emergência para serem enviadas a hospitais em Trípoli.

Mosaico de imagens de fiéis e lideranças religiosas de diferentes credos. Foto: ONU/Rick Bajornas

Chefe da ONU alerta para avanço do discurso de ódio e da intolerância religiosa no mundo

Em pronunciamento nesta segunda-feira (29), o secretário-geral da ONU, António Guterres, alertou para o avanço dos crimes de intolerância religiosa no mundo, com a proliferação de atentados contra fiéis e locais de adoração.

Chefe das Nações Unidas vê “momento crucial” na luta contra o discurso de ódio e contra o extremismo – o que exigirá a mobilização de líderes políticos em prol da coexistência pacífica.

Imagem feita por satélite de Iquitos, no Peru, em meio à Floresta Amazônica. Foto: NASA/Good Free Photos

ONU pede ratificação de acordo latino-americano sobre justiça ambiental

Representantes da sociedade civil, governos e organizações internacionais pediram nesta sexta-feira (26) que países da América Latina e Caribe ratifiquem o mais rápido possível o Acordo de Escazú — o primeiro tratado regional sobre meio ambiente, com compromissos sobre acesso à informação, justiça e participação pública em temas ambientais. Apenas um país — a Guiana — ratificou o texto, que precisa de mais dez ratificações para entrar em vigor.

OMS quer que crianças passem menos tempo diante de telas eletrônicas e mais tempo em atividades físicas. Foto: PEXELS (CC)/Kaku Nguyen

OMS divulga recomendações sobre uso de aparelhos eletrônicos por crianças de até 5 anos

Crianças de até cinco anos de idade não devem passar mais de 60 minutos por dia em atividades passivas diante de uma tela de smartphone, computador ou TV. A recomendação foi divulgada nesta semana (24) pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que alertou ainda que bebês com menos de 12 meses de vida não devem passar nem um minuto na frente de dispositivos eletrônicos. Orientações fazem parte de conscientização da agência da ONU sobre sedentarismo e obesidade.

À extrema esquerda, Michel Sidibé, chefe do UNAIDS, entrega mantimentos a sobrevivente do ciclone Idai. Foto: UNAIDS

Sobreviventes do ciclone Idai lembram desespero para salvar remédios em meio às enchentes

No Malauí, Sophia Naphazi teve sua casa destruída pelas inundações do ciclone Idai. Apesar dos danos a sua residência, a sobrevivente conseguiu salvar os seus medicamentos antirretrovirais, essenciais para o tratamento do HIV.

Ela e outros malauienses e moçambicanos se reuniram com o chefe do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS), Michel Sidibé, no assentamento de Bangula, no distrito de Nsanje, no sul do Malauí.

Uma vítima de estupro no Sudão do Sul narra os ataques em um local não revelado perto da cidade de Bentiu. Foto: UNMISS/Isaac Billy (dezembro de 2018)

Direitos de mulheres precisam ser protegidos ‘antes, durante e após conflitos’

O Conselho de Segurança adotou na terça-feira (23) uma resolução apresentada pela Alemanha para reduzir violência sexual em conflitos e acabar com o uso de estupros como arma de guerra.

O encontro de alto nível marcou os 10 anos da adoção da resolução 1888, que criou o mandato da representante especial sobre violência sexual em conflito.

Segundo o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, ao longo desta última década houve uma “mudança de paradigmas” no entendimento do impacto devastador da violência sexual em conflitos, no âmbito da paz e da segurança internacionais.

Foto: Dierk Schaefer/Flickr/CC

Crise de sem-teto na França ofusca compromissos com direitos humanos, diz relatora especial

A França, conhecida como o berço dos direitos humanos, precisa melhorar sua abordagem ao direito à moradia e encerrar uma série de contradições na implementação deste direito, além do direito de ter uma casa e de não ser despejado à força, afirmou uma especialista independente da ONU em direitos humanos.

O governo relatou um compromisso para reverter a situação, indicando que no ano passado encontrou soluções permanentes de moradia para 70 mil pessoas. No entanto, associações estimam que existem atualmente 200 mil sem-teto no país.

Crianças caminham por uma parte do centro de Craiter, em Aden, no Iêmen. A área foi seriamente danificada pelos ataques aéreos em 2015, quando os houthi foram expulsos da cidade pelas forças da coalizão. Foto: OCHA / Giles Clarke

Iêmen: plano para retirada de tropas de porto é aceito, mas confrontos aumentam em outras áreas

Um plano de retirada de forças de linhas da frente dentro e em torno do porto iemenita de Hodeida foi aceito por forças pró-governo e por rebeldes houthis, afirmou na semana passada (15) ao Conselho de Segurança o enviado especial das Nações Unidas para o país.

No entanto, a guerra que deixou 80% da população iemenita em necessidade de ajuda humanitária não mostra sinais de diminuição em outras partes do país, alertou Martin Griffiths.

Alta-comissária da ONU para os direitos humanos, Michelle Bachelet, concede coletiva de imprensa na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque. Foto: ONU/Jean-Marc Ferre

Chefe de direitos humanos da ONU condena execuções em massa na Arábia Saudita

A alta-comissária das Nações Unidas para os direitos humanos condenou nesta quarta-feira (24) a decisão da Arábia Saudita de seguir em frente com a decapitação de 37 homens, apesar dos apelos do Sistema ONU.

Em meio acusações de que confissões foram obtidas através de torturas, Michelle Bachelet expressou preocupação com a falta do devido processo legal e de garantias de julgamentos justos. No momento da sentença, ao menos três dos executados eram menores de idade.

A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável foi estabelecida pelos países-membros da ONU no fim de 2015. Foto: ONU

‘Histórico comprovado’ de sucessos do multilateralismo é foco de data especial na ONU

O Dia Internacional do Multilateralismo e da Diplomacia para a Paz “destaca os valores da cooperação internacional para o bem comum”, afirmou o secretário-geral das Nações Unidas na quarta-feira (24), na primeira celebração da data.

Citando o direito internacional, os avanços em igualdade de gênero, a proteção ambiental e a limitação da proliferação de armas letais e doenças mortais, António Guterres afirmou que “o multilateralismo e a diplomacia têm um histórico comprovado de serviços às pessoas em todos os lugares”.

Bebê recebe vacina contra o sarampo na cidade de Taguig, nas Filipinas. Foto: UNICEF/Noorani

UNICEF: lacunas de vacinação deixaram 169 milhões de crianças no mundo sem proteção contra sarampo

De 2010 a 2017, 169 milhões de crianças no mundo não receberam a primeira dose da vacina contra o sarampo, afirmou nesta quinta-feira (25) o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF).

No Brasil, segundo dados do Programa Nacional de Imunizações, foram pouco mais de 940 mil crianças que não receberam a primeira dose da tríplice viral em 2010-2017, para a prevenção do sarampo, caxumba e rubéola.

Foto: Agência Brasil/Elza Fiúza

UNICEF capacita 1,9 mil municípios brasileiros para combater violência contra crianças e adolescentes

No Brasil, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) deu início nesta semana a um ciclo de formações sobre prevenção da violência contra crianças e adolescentes. Iniciativa terá a participação de gestores de 1.924 municípios da Amazônia e do Semiárido brasileiros. Em 2016, 11.351 meninos e meninas de dez a 19 anos foram vítimas de homicídio no país, totalizando 34 mortes por 100 mil habitantes, segundo o Datasus.

Foto: Agência Brasil/Arquivo

UNESCO firma parceria para promover educação midiática de jovens brasileiros

O Instituto Palavra Aberta e a UNESCO firmaram nesta quinta-feira (25) uma parceria para promover a educação midiática dos jovens brasileiros. Cooperação vai capacitar professores para que trabalhem com seus alunos temas como o acesso à informação no mundo digital e a função das mídias nas democracias.

“Consideramos essencial a promoção da educação midiática e informacional diante da desinformação que vemos no ambiente da web”, defende a diretora e representante da UNESCO no Brasil, Marlova Noleto.

Foto: EBC

Agência da ONU pede fortalecimento da atenção primária de saúde no Brasil

Em visita ao Brasil, a diretora da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), Carissa Etienne, chamou gestores estaduais na quarta-feira (24) a fortalecer a atenção primária de saúde. Esse nível de atendimento é considerado pela agência da ONU como a base para promover a cobertura universal de saúde. A chefe do organismo regional pediu ainda que funcionários públicos promovam serviços acolhedores para os pacientes.

Centro de tratamento do ebola em Beni, na província de Kivu do Norte, na República Democrática do Congo. Foto: UNICEF/Guy Hubbard

ONU condena ataque que matou médico em clínica de ebola na RD Congo

As Nações Unidas condenaram um ataque que matou um médico num centro de tratamento para o ebola na República Democrática do Congo na sexta-feira (19). O epidemiologista Valery Mouzoko Kiboung, falecido no incidente, havia sido enviado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para trabalhar na resposta ao surto da doença, que começou em agosto de 2018 na província de Kivu do Norte, onde atuam diversos grupos armados.

O trabalho infantil atinge cerca de 3,3 milhões de crianças entre 5 e 17 anos em todo o Brasil, segundo dados de 2014 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Foto: EBC

OIT premia iniciativa regional para combater trabalho infantil na América Latina

A Iniciativa Regional América Latina e o Caribe Livres de Trabalho Infantil recebeu o “Prêmio Inovação” da Organização Internacional do Trabalho (OIT), em reconhecimento à sua contribuição na promoção do trabalho decente.

As brasileiras Fernanda Barreto Ribeiro e Maria Cláudia Mello da Silva Falcão, coordenadoras de programas da OIT e integrantes da Secretaria Técnica da Iniciativa, receberão em maio o prêmio na sede da Organização, em Genebra.

Sobreviventes do ciclone Idai, que destruiu Moçambique no dia 14 de março, estão enfrentando um mundo de destruição enquanto recordam o terror que viveram. Mais de 1 mil pessoas morreram só em Moçambique, com outras mortes no Zimbábue e Malauí. “Estávamos lutando por nossas vidas na escuridão”, disse Antonio Momphasa, que mora em Buzi, a quase duas horas de barco da segunda maior cidade de Moçambique, Beira. Seu município foi duramente atingido pelo ciclone. A ONU e parceiros humanitários correm contra o tempo para apoiar a população local e evitar ainda mais perdas.

VÍDEO: ‘Estávamos lutando por nossas vidas na escuridão’, diz sobrevivente do ciclone Idai

Sobreviventes do ciclone Idai, que atingiu Moçambique no dia 14 de março, estão enfrentando um mundo de destruição enquanto recordam o terror que viveram. Mais de 1 mil pessoas morreram só em Moçambique, com outras mortes no Zimbábue e Malauí.

“Estávamos lutando por nossas vidas na escuridão”, disse Antonio Momphasa, que mora em Buzi, a quase duas horas de barco da segunda maior cidade de Moçambique, Beira. Seu município foi duramente atingido pelo ciclone.

A ONU e parceiros humanitários correm contra o tempo para apoiar a população local e evitar ainda mais perdas; confira nesse vídeo e saiba como ajudar.

Durante a oficina, mulheres receberam camisinhas femininas doadas por empresa referência em saúde reprodutiva. Foto: UNFPA Brasil/Debora Rodrigues

Roraima: fundo de população da ONU discute prevenção da gravidez e de infecções sexuais com venezuelanas

Em Pacaraima (RR), o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) reuniu mulheres venezuelanas para oficinas e rodas de conversa sobre saúde sexual e reprodutiva. Encontros no último final de semana divulgaram informações sobre infecções sexualmente transmissíveis (ISTs), prevenção da gravidez e uso do preservativo feminino e masculino. A agência da ONU também distribuiu camisinhas para as refugiadas e migrantes.

Neste Dia Mundial contra a AIDS, programa da ONU destaca a importância do direito à saúde e os desafios que as pessoas vivendo com HIV enfrentam no exercício deste direito. Foto: Imprensa MG/Adair Gomes

Programas da ONU avaliam estigma associado ao HIV no Brasil

Pela primeira vez, o Brasil fará parte de uma pesquisa da ONU para avaliar o estigma associado ao vírus da AIDS. Programas das Nações Unidas começaram neste mês (15) a aplicar questionários do Índice de Estigma em Relação às Pessoas Vivendo com HIV, uma metodologia já utilizada em mais de cem países. Até o fim de maio, mais de 2 mil brasileiros soropositivos terão sido entrevistados no Rio de Janeiro, São Paulo, Salvador, Recife, Porto Alegre, Manaus e Brasília.

Vacinação contra HPV para alunos da rede pública de São Paulo (SP), em 2014. Foto: OPAS

ONU e países promovem campanha de vacinação para proteger 70 milhões de pessoas nas Américas

Com a meta de imunizar cerca de 70 milhões de pessoas contra doenças evitáveis, a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) promove a Semana de Vacinação nas Américas. A agência da ONU promove o lançamento regional da campanha nesta segunda-feira (22), em Cuiabá (MT). Iniciativa terá como foco a prevenção do sarampo — em 22 países do continente americano, governos planejam vacinar 2,25 milhões de crianças e adultos contra a doença.

O governo da Costa do Marfim anunciou seu compromisso em parar de aplicar cobranças de usuários por acesso aos testes de HIV e serviços de tratamento. Foto: UNAIDS

Costa do Marfim sinaliza remover cobranças de usuários por serviços de HIV

O governo da Costa do Marfim sinalizou esta semana sua intenção de interromper a cobrança por testes e tratamento de HIV no país, declarando que aplicará decisões anteriores para evitar que pessoas vivendo ou afetadas pelo vírus sejam obrigadas a pagar por serviços.

Em 2017, havia mais de 500 mil pessoas vivendo com HIV na Costa do Marfim e cerca 46% tinham acesso ao tratamento. O relato é do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS).