Falta de saneamento contribui para disseminação de doenças. Foto: EBC

Mais de 4 milhões de brasileiros precisam defecar ao ar livre, diz relatório da ONU

Mais de 4,1 milhões de brasileiros de áreas rurais, ou 2% da população do país, não têm acesso a banheiros e precisam defecar ao ar livre, mostrou novo relatório publicado nesta quinta-feira (13) por Organização Mundial da Saúde (OMS) e Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF).

Países como Canadá, Chile e Austrália, por exemplo, não têm cidadãos sem acesso a banheiros. A Argentina tem 1% de sua população nessa condição e a Bolívia, 14%, de acordo com o documento que detalhou as desigualdades globais no acesso a água e saneamento básico.

Atendimento de saúde no Acre. Foto: Sérgio Vale/Secom/Agência de Notícias do Acre/Flickr

UNICEF promove seminário no Acre sobre educação e saúde de jovens indígenas

Para discutir desafios enfrentados pelos jovens indígenas do Brasil, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) promove na sexta-feira (14), em Cruzeiro do Sul, no Acre, o Seminário Atenção à Criança e ao Adolescente Indígena no Selo UNICEF – Edição 2017/2020. Evento abordará estratégias para reduzir a mortalidade, a desnutrição infantil e o sub-registro civil de nascimento, além de debater iniciativas para melhorar a educação das crianças e adolescentes.

Foto: Liu Xia

ONU lamenta morte de ativista perseguido por autoridades da China

O chefe de direitos humanos das Nações Unidas, Zeid Ra’ad Al Hussein, expressou nesta terça-feira (13) “profunda tristeza” com a notícia de que o chinês Liu Xiaobo, um ativista pela democracia no país asiático, morreu aos 61 anos.

“O movimento dos direitos humanos na China e em todo o mundo perdeu um campeão de princípios, alguém que dedicou sua vida a defender e promover os direitos humanos, de forma pacífica e consistente, e que foi encarcerado por defender suas crenças”, disse Zeid sobre o ativista ganhador do Nobel da Paz.

Menina palestina dentro da casa parcialmente destruída de sua família, olha a destruição no bairro de Shejaiya, em Gaza. Foto: UNICEF

Condições de vida em Gaza estão ‘cada vez mais deploráveis’, alerta ONU

Dez anos após a ocupação do Hamas na Faixa de Gaza, as condições de vida de 2 milhões de pessoas no enclave palestino têm se deteriorado ainda mais rápido do que a previsão feita em 2012. À época, um documento da ONU afirmara que o território se tornaria “inabitável” até 2020.

As informações são do relatório “Gaza – 10 anos depois”, divulgado pelas Nações Unidas nesta semana.

Fórum sobre os Princípios de Empoderamento das Mulheres foi promovido, no Rio de Janeiro, pela ONU Mulheres e Pacto Global com apoio da White Martins. Foto: Erik Barros Pinto

No Rio, empresas e ONU debatem igualdade de gênero no setor privado

No início de julho (3), a primeira edição do Fórum sobre os Princípios de Empoderamento das Mulheres (WEPs) no Rio de Janeiro reuniu cerca de 150 gestores, especialistas e representantes de companhias e das Nações Unidas para debater a promoção da igualdade de gênero no mercado de trabalho. Presença feminina na chefia de corporações foi um dos destaques das discussões. Encontro foi promovido pela ONU Mulheres e pela Rede Brasil do Pacto Global.

Edição da Pauta Feminina de julho debaterá desafios enfrentados por brasileiras afrodescendentes. Imagem: Divulgação

ONU Mulheres participa de audiência pública sobre desafios enfrentados por brasileiras afrodescendentes

Para enriquecer o debate sobre desafios enfrentados por brasileiras afrodescendentes, a ONU Mulheres participa na quinta-feira (13) da 44ª edição da Pauta Feminina, audiência pública promovida mensalmente pela Procuradoria Especial da Mulher do Senado Federal.

Encontro será realizado em alusão ao dia 25 de julho, data em que se comemora o Dia Internacional da Mulher Negra Latino-americana e Caribenha. Entre as convidadas, está Eunice Borges, associada do Programa Liderança e Participação Política da ONU Mulheres no Brasil.

Um bebê tem a circunferência do meio do braço esquerdo medida como forme de identificar sinais de desnutrição. A área vermelha, até 12cm, indica desnutrição grave; a amarela (13cm) indica desnutrição moderada; enquanto a verde (14cm) é um bom indicador. Foto: UNICEF / Connelly

Desnutrição infantil retira mais de US$ 1 bilhão da economia da República Democrática do Congo

A economia da República Democrática do Congo (RDC) está perdendo cerca de 4,5% do produto interno bruto (PIB) para os efeitos da desnutrição infantil, de acordo com um estudo apoiado pelas Nações Unidas divulgado nesse mês. “Esses resultados exigem que todos nós atuemos agora para evitar futuras perdas causadas pela fome”, disse o diretor de campo do Programa Mundial da Alimentos da ONU (PMA), Claude Jibidar.

Um menino caminha em um banco de areia em torno de um campo de refugiados em M'bera, na Mauritânia. Foto: UNICEF / Dragaj

ONU alerta para recorde de deslocamento forçado de crianças na África Ocidental e Central

Com mais de 7 milhões de crianças na África Ocidental e Central arrancadas de suas casas todos os anos devido à violência, à pobreza e às mudanças climáticas – e com projeções de que esse número continuará a aumentar –, o UNICEF pediu mais esforços para garantir que as crianças migrantes e deslocadas sejam protegidas da exploração e do abuso. A agência da ONU observou que quase um terço desse número permaneceu na África Subsaariana, e menos de uma em cada cinco foi para a Europa.

Em 1995, um soldado do governo lê os nomes de soldados sobreviventes ou que conseguiram fugir de Srebrenica. Foto: UNICEF/LeMoyne

Srebrenica 22 anos depois: ONU pede reconhecimento de genocídio e garantia de não repetição

No vigésimo segundo aniversário do massacre de Srebrenica – a maior atrocidade em solo europeu desde a Segunda Guerra Mundial –, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, instou todos a “olhar com honestidade” para o passado, reconhecendo os crimes e a falta de ação que permitiu esses crimes ocorressem. Ele também pediu a garantia de que tais atrocidades nunca mais se repitam. A data é lembrada no dia 11 de julho.

Artistas, especialistas e jovens participaram de debate sobre educação, diversidade e juventude. Foto: UNESCO

UNESCO e Globo promovem debate sobre juventude, diversidade e educação

Para marcar o início de mais uma Campanha Criança Esperança, a UNESCO no Brasil e a Globo promoveram o debate ‘Diálogos da Esperança – Como vai você, jovem brasileiro?’. Discussões reuniram artistas, especialistas e jovens para abordar temas relacionados a educação e diversidade. Encontros foram gravados e divididos em dois programas, que serão exibidos nos dias 23 e 30 de julho, no canal GloboNews.

Um sistema de saúde reprodutiva mais efetivo pode empoderar mulheres a terminarem seus estudos e se juntarem à força de trabalho. Foto: Banco Mundial

No Dia Mundial da População, ONU lembra importância do planejamento reprodutivo

No Dia Mundial da População, a diretora-executiva em exercício do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), Natalia Kanem, lembrou que, todos os dias, mulheres em situação de vulnerabilidade, especialmente as mais pobres e refugiadas, enfrentam obstáculos sociais, econômicos e geográficos para terem acesso a informações e serviços de planejamento reprodutivo.

Há 50 anos, o então secretário-geral das Nações Unidas estabeleceu o Fundo de População da ONU, o UNFPA. Desde que iniciou suas atividades, em 1969, a agência colabora para remover os obstáculos relacionados ao planejamento reprodutivo e garantir os direitos reprodutivos das mulheres. O UNFPA contribuiu para quase dobrar o uso de métodos modernos de contracepção — de 36% em 1970 para 64% em 2016.

Foto: UNMEER / Martine Perret

OMS declara fim do mais recente surto de ebola na República Democrática do Congo

Pelo menos quatro pessoas morreram, e mais de 580 foram registradas e monitoradas de perto depois de terem entrado em contato com o vírus, informou a Organização Mundial da Saúde (OMS).

“Com o fim desta epidemia, a República Democrática do Congo provou mais uma vez ao mundo que podemos controlar o vírus muito mortal do ebola se respondemos com antecedência, de forma coordenada e eficiente”, disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, o novo diretor-geral da OMS.

Crianças se banham em um lago formado por poços de escavação em Bentiu, Sudão do Sul. Em todo o país, apenas 41% das crianças têm acesso a água segura e limpa. Foto: UNICEF / Hatcher-Moore

Cinco anos após a independência do Sudão do Sul, crianças têm infância negada

Sudão do Sul está em conflito desde dezembro de 2013, com ao menos 2,5 mil crianças mortas ou feridas, e mais de 2 milhões de crianças deslocadas ou procurando refúgio em países vizinhos. Centenas também foram estupradas e sexualmente abusadas.

“O dia de independência de um país deve ser celebrado. No entanto, hoje, no Sudão do Sul, não haverá comemoração para os milhões de crianças envolvidas nesse conflito”, disse Mahimbo Mdoe, representante do UNICEF no país, por ocasião do dia da independência do país, 9 de julho.

VÍDEO: O que é desenvolvimento sustentável?

Governo brasileiro enfatiza responsabilidade fiscal em relatório sobre objetivos globais da ONU

Em relatório sobre os objetivos globais a ser apresentado na sede da ONU em Nova Iorque a partir desta semana, o governo brasileiro enfatiza a importância da responsabilidade fiscal para atingir os princípios de responsabilidade socioambiental presentes na Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.

“No Brasil, aprendemos, na prática, que é vazio falar em responsabilidade social e ambiental na ausência de responsabilidade fiscal”, diz o texto de apresentação do relatório, assinado pelo presidente Michel Temer. “Ao repor ordem nas finanças públicas, recuperamos a confiança que se traduz em mais investimentos de qualidade, em mais atividade econômica, em mais trabalho decente”, completa.

O professor Rafael Dias acredita que Caravana do Esporte democratiza o acesso às atividades físicas no contexto olímpico. Foto: Celia Santos/Caravana dos Esportes

Ministros se reúnem na Rússia para debater como tornar esporte mais inclusivo

Representantes de cem Estados-membros da UNESCO comparecerão à sexta Conferência Internacional de Ministros e Altos Funcionários Responsáveis pela Educação Física e o Esporte (MINEPS VI), em Kazan, na Rússia. Evento acontece neste mês, dos dias 13 a 15. De acordo com a agência da ONU, encontro será divisor de águas, pois nações deverão definir estratégias com resultados mensuráveis a fim de tornar o acesso ao esporte mais inclusivo.

Sítio Arqueológico do Cais do Valongo não é apenas o principal cais de desembarque de africanos escravizados em todas as Américas, como é o único que se preservou materialmente. Foto: UNIC Rio/Natalia da Luz

Cais do Valongo, no Rio, é inscrito na Lista do Patrimônio Mundial da UNESCO

O Comitê do Patrimônio Mundial da UNESCO decidiu incluir em sua Lista do Patrimônio Mundial o sítio arqueológico Cais do Valongo, no Rio de Janeiro, por seu significado para gerações passadas, presentes e futuras no que se refere à história do tráfico atlântico e a escravização de africanos. A decisão ocorreu no domingo (9) durante a 41ª reunião do Comitê, realizada na Polônia.

Para a representante interina da UNESCO no Brasil, Marlova Jovchelovitch Noleto, “o Cais do Valongo tem valor histórico, arqueológico e cultural, traz memórias de um período da história que não pode se repetir jamais e, por isso mesmo, precisa ser lembrado”.

Mulheres e crianças congolesas chegam a um ponto de fronteira em Chissanda, Lunda Norte, em Angola, depois de fugir de ataques de milícias na província de Kasai, República Democrática do Congo. Os trabalhadores do ACNUR estavam esperando para registrá-los e organizar o transporte para os campos ou assentamentos. Foto: ACNUR/Pumla Rulashe

ONU elogia criação de comissão para investigar violações em Kasai, na República Democrática do Congo

Desde 2016, cerca de 1,3 milhão de pessoas na região foram internamente deslocadas pela violência, enquanto cerca de 30 mil fugiram para Angola. Em abril, uma equipe da ONU e policiais locais encontraram 17 valas comuns na província central de Kasai. Outros relatos de violações graves de direitos humanos foram feitos nas semanas seguintes, em toda a região.

Para o chefe de direitos humanos da ONU, aprovação de criação pelo Conselho de Direitos Humanos envia uma “mensagem forte” para os agressores de que a comunidade internacional está atenta em responsabilizá-los.

Foto: Blogtrepreneur/Flickr/CC

EUA poderiam fazer mais para garantir direito à privacidade, diz relator da ONU

“Como resultado da sua história, os Estados Unidos, especialmente nos últimos 40 anos, desenvolveram um sistema de salvaguardas bastante robusto, complexo e sofisticado para garantir que o direito à privacidade seja respeitado nas atividades de vigilância”, disse o especialista independente da ONU sobre o direito à privacidade, Joe Cannataci, após visita oficial ao país.

Ele destacou, no entanto, que existem áreas onde “essas salvaguardas precisam ser melhoradas ainda mais”.

Mateo, de 5 anos, e sua família tiveram que fugir da violência das gangues em Honduras. Foto: Jordan Hay

Hondurenha busca refúgio no México para proteger filhos da violência das gangues

Emily tinha toda uma vida em Honduras quando seus filhos passaram a ser ameaçados por membros de gangues, os chamados “maras”. Ela mesma chegou a ser agredida por um dos criminosos e, para sobreviver, decidiu deixar mãe e irmão para trás e proteger seus quatro filhos.

No México, a família teve que dormir nas ruas, mas logo foi acolhida por um abrigo apoiado pela Agência da ONU para Refugiados (ACNUR). Hoje, seus filhos recebem apoio psicológico e, o mais velho, conseguiu um emprego em território mexicano. Leia o relato feito pela agência da ONU.

Taís Araújo, defensora dos Direitos das Mulheres Negras da ONU Mulheres Brasil, ao lado de Nadine Gasman, representante da ONU Mulheres Brasil, e Niky Fabiancic, coordenador-residente da ONU Brasil. Foto: ONU Mulheres/Bruno Spada

Grupo Temático de Gênero, Raça e Etnia da ONU discute situação das mulheres negras no Brasil

Recém-nomeada defensora dos Direitos das Mulheres Negras da ONU Mulheres Brasil, Taís Araújo foi apresentada pela representante da ONU Mulheres Brasil, Nadine Gasman, ao Grupo Temático de Gênero, Raça e Etnia do Sistema das Nações Unidas no Brasil, uma das instâncias de articulação e gestão da Agenda 2030 de Desenvolvimento Sustentável e da Década Internacional de Afrodescendentes. O encontro ocorreu na segunda-feira (3), na Casa da ONU, em Brasília.

ONU Mulheres foi uma das entidades apoiadoras da Marcha das Mulheres Negras, em 2015. À direita, a diretora-executiva da ONU Mulheres, Phumzile Mlambo-Ngcuka Foto: ONU Mulheres/Bruno Spada

ONU Mulheres e movimento de mulheres negras discutem em Brasília ações para Agenda 2030

A representante da ONU Mulheres Brasil, Nadine Gasman, apresentou no fim de junho (27) em Brasília a estratégia de comunicação e ação política “Mulheres Negras Rumo a Um Planeta 50-50 em 2030” para organizações brasileiras de mulheres negras.

Segundo Nadine, este é o momento de as organizações traçarem um posicionamento para atuação conjunta, garantindo o cumprimento da Agenda 2030 e por um Planeta 50-50. “Nós contamos com as organizações de mulheres negras do país para traçar os rumos dessa estratégia. Somente vamos obter êxito se trabalharmos conjuntamente. Há muito o que ser feito, e a ONU Mulheres está disposta atuar como colaboradora desse processo”, declarou.