Foto: iranhumanrights.org

Irã: especialistas da ONU alertam para relatos de defensoras de direitos humanos espancadas em cadeia

Especialistas em direitos humanos da ONU expressaram em março preocupação com a contínua perseguição aos defensores dos direitos humanos no Irã, inclusive sobre relatos de que duas mulheres, renomadas defensoras dos direitos humanos, foram espancadas.

Atena Daemi está cumprindo pena de sete anos por seu trabalho em prol dos direitos humanos, incluindo acusações relacionadas à distribuição de panfletos contra a pena de morte e postagens no Facebook e Twitter criticando o histórico de execuções do país. Golrokh Ebrahimi Iraee está cumprindo pena de três anos por escrever uma história fictícia sobre o apedrejamento de mulheres à morte por adultério.

Mulher refugiada da Eritreia consola amiga em um ônibus em aeroporto na Itália. Foto: ACNUR/Alessandro Penso

Relatório do ACNUR revela mudanças no movimento migratório para a Europa

Apesar da queda do número de refugiados e migrantes que chegaram à Europa no ano passado, os perigos que muitos enfrentam ao longo do caminho aumentaram em alguns casos, segundo um novo relatório da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), que revela novos padrões de movimento.

A jornada até a Itália, por exemplo, mostrou-se cada vez mais perigosa. A taxa de mortalidade entre os que saem da Líbia rumo ao continente europeu por via marítima aumentou para uma em cada 14 pessoas nos primeiros três meses de 2018, em comparação com uma em cada 29 no mesmo período de 2017.

Uma mãe síria deslocada internamente fugiu de combates e bombardeios pesados dentro e ao redor da Ghouta Oriental, Síria; aqui, ela usa lenha e papelão para ferver ovos para seus filhos no abrigo coletivo de Herjelleh, na zona rural de Damasco. Foto: ACNUR/Bassam Diab

Síria: Conselho de Segurança da ONU falha e não adota três resoluções sobre armas químicas

Dias depois do alegado ataque de armas químicas no subúrbio de Douma, em Damasco, o Conselho de Segurança da ONU não adotou duas resoluções concorrentes que estabeleceriam um mecanismo para investigar o uso de tais armas na Síria, bem como outra proposta sobre uma missão de investigação no país devastado pela guerra.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, repetiu o seu apelo ao órgão de 15 membros para “encontrar unidade” na questão do uso de armas químicas na Síria e garantir a responsabilização. “As normas contra armas químicas devem ser respeitadas. Eu apelo ao Conselho de Segurança para que cumpra sua responsabilidade e encontre unidade nesta questão.”

Crianças em uma escola da ONU em Gaza. Foto: UNRWA/Rushdi Al Saraj

ONU condena resposta de Israel a protestos de palestinos em Gaza

Forças israelenses usaram munição real e gás lacrimogêneo contra os manifestantes, que se reuniram em Gaza por ocasião do Dia da Terra para pedir seu direito de voltar para suas casas. A maioria da população de Gaza – submetida a um bloqueio aéreo, terrestre e marítimo abrangente por Israel nos últimos 10 anos – é composta por palestinos que foram expulsos à força de suas casas e terras desde 1948.

“Lembramos a Israel de suas obrigações de garantir que não seja empregada força excessiva contra os manifestantes e que, no contexto de uma ocupação militar, como é o caso em Gaza, o recurso injustificado e ilegal a armas de fogo por parte da lei, resultando em morte, pode significar um assassinato intencional, uma grave violação da Quarta Convenção de Genebra”, acrescentou o Escritório de Direitos Humanos da ONU.

Relator pediu diretrizes legais globais para proteger privacidade online. Foto: Marcos Santos/USP Imagens

Relator da ONU pede ação conjunta dos países para proteger privacidade online

Ação internacional é necessária para proteger a privacidade no ciberespaço, disse o relator especial da ONU para o direito à privacidade ao Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas em Genebra, no início de março (6).

O relator enfatizou sua crença de que a comunidade global precisa tomar medidas urgentes para desenvolver uma estrutura legal clara e abrangente sobre privacidade e vigilância no ciberespaço, a fim de que o direito à privacidade seja respeitado dentro de cada país e além das fronteiras nacionais.

Adama Dieng realizou uma visita oficial a Cox’s Bazar, em Bangladesh, para ver de perto as condições de vida de refugiados rohingya. Foto: ONU/Claudia Diaz

‘Genocídio é um processo. Requer recursos, planejamento e tempo’

Declaração é do conselheiro especial da ONU para Prevenção do Genocídio, Adama Dieng. Após visitar refugiados rohingya em Mianmar, ele diz que já é hora de a Ásia promover sociedades inclusivas. No último 7 de abril, mundo lembrou os 24 anos do genocídio em Ruanda.

Conselheiro das Nações Unidas diz que o genocídio é um processo que requer recursos, planejamento e tempo. Na Europa dos anos 30, por exemplo, já se poderiam ver os sinais. E que naquele momento alguém poderia ter tomado uma ação para evitar o Holocausto. Dieng lembrou que o Holocausto não começou com as câmaras de gás, mas sim com o discurso de ódio com a desumanização dos judeus.

Venezuelanos que vivem na Praça Simón Bolívar, em Boa Vista, fazem fila para receber alimentos fornecidos por membros da comunidade local. Foto: ACNUR/Reynesson Damasceno

Voluntários brasileiros apoiam venezuelanos que chegam a Boa Vista

“Deixamos tudo na Venezuela”, diz Nayebis, de 34 anos. “Não temos onde morar ou dormir e não temos nada para comer. Viemos para o Brasil em busca de solidariedade e apoio”.

Um grupo de voluntários brasileiros atendeu o chamado. A advogada Ana Lucíola Franco e a médica Eugênia Moura fundaram a SOS Hermanos, um grupo solidário que arrecada alimentos, roupas, móveis e eletrodomésticos para quem precisa. O relato é da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR).

Abdias Nascimento na Câmara durante pronunciamento, convenção nacional do PDT. Tribuna da Câmara dos Deputados, 1982. Foto: Acervo Abdias Nascimento/IPEAFRO

Há 40 anos, livro de Abdias Nascimento denunciava violência contra população negra do Brasil

Quarenta anos depois, o livro de Abdias Nascimento – uma obra de referência no debate étnico-racial – é relançado para denunciar a violência contra a população negra no Brasil.

Falecido em 2011, aos 97 anos, Abdias deixou um legado de luta contra o racismo na literatura, na política e em muitos aspectos da sociedade brasileira. O ativista – que viveu exilado entre 68 e 81, durante a ditadura militar – foi senador, deputado, escultor, ator e fundador do Teatro Experimental do Negro.

Confira nesse vídeo especial do Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio).

Solicitante de refúgio entra nas antigas instalações do centro de triagem de refugiados da Austrália, mantido na ilha de Manus, na Papua Nova Guiné. Foto: ACNUR/Vlad Sokhin

ONU denuncia danos psicológicos causados por política de refúgio da Austrália

Em 25 anos de carreira, nunca vi uma situação tão ruim quanto em Nauru e na Ilha Manus, da Papua Nova Guiné. É assim que o oficial sênior da ONU, Indrika Ratwatte, descreve as condições de vida de solicitantes de refúgio que buscavam asilo na Austrália, mas foram detidos em países insulares, para triagem fora do território australiano. Precariedade causou problemas psicológicos e doenças mentais.

Manifestantes em Barcelona protestam contra prisão do ex-presidente catalão Carles Puigdemont na Alemanha. Foto: Flickr (CC)/Jordi Ventura

Relator da ONU pede que governo espanhol retire acusações de ‘rebelião’ contra políticos catalães

O relator especial da ONU, David Kaye, pediu neste mês (6) que as autoridades espanholas retirem acusações do crime de “rebelião” contra personalidades políticas e manifestantes catalães. Decisão traz risco para direitos à manifestação pública e à dissidência política na Espanha, segundo o especialista. Liberdade de expressão foi lembrada como pilar das democracias e sociedades livres.

Amer Almohibany Ru’a, de 18 meses, é transportado na moto de seu avô em Mesraba, Ghouta Oriental, na Síria. Foto: UNICEF

ONU manifesta preocupação com informações sobre ataques químicos contra civis na Síria

Após um período de relativa calmaria em Ghouta Oriental, na Síria, o secretário-geral da ONU, António Guterres, manifestou no domingo (8) profunda preocupação com a retomada da violência em Douma, particularmente com as alegações de que armas químicas teriam sido usadas contra civis.

Em comunicado emitido por seu porta-voz, o secretário-geral da ONU pediu que todas as partes interrompam os confrontos e obedeçam totalmente a resolução 2401 do Conselho de Segurança, adotada em fevereiro e que pediu um cessar-fogo por toda a Síria.

Foto: ONU/Evan Schneider

ONU convida organizações não governamentais para diálogo de jovens em Nova York

O presidente da Assembleia Geral está convocando um Diálogo de Jovens para o próximo dia 30 de maio, na sede das Nações Unidas em Nova York, com o objetivo de discutir educação, emprego e prevenção da radicalização que leva ao extremismo violento. Representantes de organizações não governamentais podem se candidatar como oradores ou observadores, com prazos respectivamente em 20 de abril e 6 de maio; saiba como participar.

Foto: Associação Jadir de Taekwondo

Projeto comunitário de taekwondo promove inclusão pelo esporte

No Rio de Janeiro, uma iniciativa de taekwondo já ajudou quase 6 mil crianças e adolescentes em 18 anos de atividade. O projeto dialoga com os objetivos da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.

Por meio da arte marcial coreana, a Associação Jadir de Taekwondo busca melhorar a qualidade de vida dos seus alunos, proporcionando acesso gratuito ao esporte, incentivando a cultura e oferecendo oportunidades de educação.

Confira neste vídeo produzido pelo Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio).

Resposta humanitária no Brasil se intensifica diante da crescente chegada de venezuelanos

Mais de 800 venezuelanos cruzam a fronteira brasileira todos os dias, de acordo com as estimativas mais recentes do governo federal. À medida que a complexa situação política e socioeconômica na Venezuela piora, os venezuelanos que chegam ao Brasil precisam urgentemente de comida, abrigo e assistência médica. Também são muitos que demandam proteção internacional.

A Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) está trabalhando com autoridades para identificar os venezuelanos dispostos a se mudar voluntariamente de Roraima para outras partes do Brasil. A interiorização fornecerá soluções de longo prazo às pessoas necessitadas e trará alívio a pressão sobre as comunidades e serviços locais no estado. Dois voos, operados pela Força Aérea Brasileira, partiram de Boa Vista esta semana. O primeiro transportou 104 venezuelanos para São Paulo (SP). O segundo deve ocorrer nesta sexta-feira (6) com destino a São Paulo e Cuiabá (MT).

Jesse Jackson (esquerda) conversa com Joseph N. Garba, então representante permanente da Nigéria nas Nações Unidas e presidente do Comitê Especial de Combate ao Apartheid. Foto: ONU/Milton Grant (arquivo)

Reverendo Jesse Jackson fala sobre avanços e retrocessos rumo à igualdade racial nos EUA

Defensor de direitos humanos, o pastor norte-americano Jesse Jackson fazia parte do grupo que acompanhava Martin Luther King no hotel Lorraine, em Memphis, Tennessee, onde o reverendo foi baleado e morto em 4 de abril de 1968.

Em entrevista ao UN News, Jackson falou sobre os avanços dos direitos civis nos Estados Unidos nos últimos 50 anos, lembrando que, no entanto, também estão ocorrendo retrocessos.

Ele destacou as desigualdades sociais nos EUA, onde “poucos têm muito e muitos têm pouco”, e que apesar de haver o princípio da igualdade racial para afro-americanos no país, “não temos igualdade econômica, e a raça foi usada para nos oprimir e nos negar acesso a recursos”.

Nickolay Mladenov, coordenador especial da ONU para o Processo de Paz no Oriente Médio. Foto: ONU/Loey Felipe

Enviado da ONU pede moderação antes de novos protestos na Faixa de Gaza

Antes dos protestos planejados para esta sexta-feira (6) na fronteira entre Gaza e Israel, o enviado das Nações Unidas no processo de paz do Oriente Médio pediu às forças israelenses que exercitem o máximo de contenção e aos palestinos para evitar atritos na Faixa de Gaza.

A área foi cenário de violência letal – com pelo menos 15 palestinos mortos – em meio a manifestações similares na última sexta-feira (30).

A vereadora Marielle Franco, assassinada no Rio de Janeiro há cerca de 20 dias, foi homenageada por seu trabalho exponencial com as populações negras e periféricas. Foto: UNFPA/Thaís Rodrigues

Fundo da ONU discute questões populacionais e presta homenagem a Marielle em Brasília

Com o intuito de discutir os desafios da pauta populacional, o evento “I Diálogos Brasileiros em População e Desenvolvimento – Marielle Franco, presente” iniciou suas atividades na quarta-feira (4) em Brasília (DF). O debate foi aberto pela ex-presidente da Comissão Nacional de População e Desenvolvimento e conselheira do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) no Brasil, Elza Berquó, que falou sobre a atual conjuntura sociopolítica do país e a importância de abordar a situação dos refugiados em âmbito mundial.

O evento também prestou homenagem à vereadora Marielle Franco, assassinada mês passado no Rio de Janeiro. “Marielle foi um marco pela sua participação, renovação e nos lembra as bandeiras da ONU perante o combate ao racismo, ao machismo e a todas as opressões”, disse o representante do UNFPA Brasil, Jaime Nadal.

Barreiras que impedem acesso à saúde para um terço da população das Américas devem ser superadas, afirma OPAS. Foto: Agência Brasil/Marcelo Camargo

Um terço da população das Américas não tem acesso à saúde, afirma OPAS

Às vésperas do Dia Mundial da Saúde, a diretora da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), Carissa F. Etienne, e a ex-presidenta do Chile Michelle Bachelet pediram na quarta-feira (4) soluções coletivas que permitam a todas as pessoas, em todos os lugares, acessarem os serviços de saúde dos quais necessitam.

Na região das Américas, um terço da população enfrenta obstáculos para acessar a saúde. “A saúde é um direito e, por isso, devemos superar as barreiras que impedem o acesso ao atendimento”, afirmou Etienne, pedindo a eliminação do pagamento direto que muitas pessoas precisam fazer no ponto de entrada dos serviços de saúde. Esse pagamento, segundo ela, “constitui a principal barreira e leva famílias à pobreza”.

A ativista antiapartheid Winnie Mandela. Foto: ONU

ONU diz que Winnie Mandela será lembrada como símbolo da resistência

O secretário-geral da ONU, António Guterres, afirmou na segunda-feira (2) que Winnie Mandela, ativista antiapartheid e ex-mulher do primeiro presidente negro sul-africano, Nelson Mandela, deixa um legado de resistência e de luta por direitos iguais para todos.

Winnie Mandela morreu na segunda-feira (2) aos 81 anos em Johannesburgo. Segundo agências de notícias, ela enfrentava problemas de saúde devido a uma longa doença.

Crianças com autismo em escola na Espanha. Foto: Observatorio de la Infancia en Andalucía/Creative Commons

Chefe da ONU pede empoderamento de mulheres e meninas com autismo

No Dia Mundial de Sensibilização para o Autismo, lembrado em 2 de abril, o secretário-geral da ONU, António Guterres, se uniu ao chamado global para empoderar mulheres e meninas com autismo e envolvê-las na tomada de decisões frente aos desafios que enfrentam.

“Elas enfrentam (…) barreiras no acesso a educação e ao emprego, não têm seus direitos reprodutivos respeitados e a liberdade de fazer suas próprias escolhas, e não são envolvidas na tomada de decisões sobre questões relacionadas a elas”, disse o secretário-geral da ONU em mensagem para o dia.

O Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas (PMA) relatam que, em três estados afetados por conflitos na Nigéria, a situação das famílias vulneráveis vem melhorando devido à assistência humanitária. Apesar disso, com a chegada da estação chuvosa em junho, elas poderão ficar sem o reabastecimento de alimentos.

Na Nigéria, programa da ONU apoia 1,2 milhão de pessoas afetadas pelo Boko Haram

O Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas (PMA) relata que, em três estados afetados por conflitos na Nigéria, a situação das famílias vulneráveis vem melhorando devido à assistência humanitária. Apesar disso, com a chegada da estação chuvosa em junho, elas poderão ficar sem o reabastecimento de alimentos.

Apesar dos desafios de segurança, o PMA distribui alimentos como arroz, óleo de cozinha, sorgo, sal e alimentos nutricionais especializados para mais de 1,2 milhão de pessoas em todas as áreas afetadas pela Boko Haram na Nigéria. Cerca de 70% dos alimentos distribuídos são adquiridos localmente, ajudando os agricultores nigerianos.

Há também apoio financeiro em lugares onde os mercados estão funcionando, permitindo que as pessoas comprem uma variedade maior de alimentos frescos e ajudem a economia local.

Confira nessa matéria em vídeo.

Neste documentário, acompanhamos os bastidores das investigações sobre as violências sexuais cometidas durante os recentes conflitos na Síria e no Iraque. Mostramos a busca por justiça por três mulheres iazidis e uma ativista síria que foram sequestradas pelo ISIL, bem como os desafios enfrentados pelas e pelos investigadores internacionais para localizar as vítimas e coletar evidências.

Evidências de esperança: investigadores da ONU buscam justiça para vítimas de violência sexual

Neste documentário, acompanhamos os bastidores das investigações sobre as violências sexuais cometidas durante os recentes conflitos na Síria e no Iraque. Mostramos a busca por justiça por três mulheres iazidis e uma ativista síria que foram sequestradas pelo ISIL, bem como os desafios enfrentados pelas e pelos investigadores internacionais para localizar as vítimas e coletar evidências.

O congolês Alphonse, à extrema esquerda, optou por se formar em outra área de conhecimento no Brasil para conquistar um posto de gestor em uma empresa multinacional. Foto: ACNUR/Miguel Pachioni

Refugiados e empresários debatem inclusão de estrangeiros no setor privado do Brasil

Empresários e gestores de recursos humanos reuniram-se na semana passada (28), na sede do LinkedIn, em São Paulo, para debater a inclusão de pessoas refugiadas no mercado corporativo do Brasil. Com a participação de ONGs e estrangeiros que vivem no país em situação de refúgio, encontro abordou benefícios da diversidade no setor privado. Evento foi organizado pela Migraflix, instituição parceira da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR).

Suad, de 18 anos, implora no meio da estrada entre a capital do Iêmen, Sana'a, e Saada com seu sobrinho de apenas 4 anos, cuja mãe foi morta no conflito. Em todo o país, que está em guerra desde 2015, mais de 22 milhões de pessoas precisam de assistência humanitária. Foto: Giles Clarke/OCHA

Iêmen: doadores prometem US$ 2 bi em apoio humanitário; ONU pede solução política

Um apelo que levantou cerca de 2 bilhões de dólares para ajudar milhões de pessoas no Iêmen foi um “notável sucesso de solidariedade internacional” para uma população “cansada da guerra” no Iêmen. No entanto, a ajuda por si só não fornecerá uma solução para o conflito, disse nesta terça-feira (3) António Guterres, secretário-geral das Nações Unidas.

Em 2017, o pior surto de cólera do mundo até hoje afetou 1 milhão de iemenitas, e a difteria está agora em alta no que já era um dos países mais pobres e vulneráveis da região antes do início dos combates. Os últimos dados da ONU indicam que um recorde de 22,2 milhões de pessoas – cerca de 75% da população – agora precisam de ajuda humanitária.