Secretário-geral da ONU, António Guterres, apresenta relatório anual sobre o trabalho da Organização na Assembleia Geral. Foto: ONU/Cia Pak

Na Assembleia Geral da ONU, Guterres pede união dos países pela paz

Em seu discurso para a reunião anual de líderes mundiais na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque, o secretário-geral da ONU, António Guterres, lembrou nesta terça-feira (19) as diversas ameaças — incluindo o perigo nuclear, a mudança climática e os conflitos em andamento — que precisam ser superadas para criar um mundo melhor para todos.

Guterres disse que a migração segura não pode ser limitada a uma elite global, e enfatizou a necessidade de se fazer mais para enfrentar seus desafios. Refugiados, pessoas deslocadas internamente e migrantes não são o problema, e sim os conflitos, as perseguições e a pobreza, declarou. Diante desse cenário, disse Guterres, a ONU lançou iniciativas de reforma da própria Organização.

Escravidão moderna afeta 40 milhões de pessoas no mundo; trabalho infantil atinge 152 milhões

Uma nova pesquisa da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e da Fundação Walk Free, em parceria com a Organização Internacional para as Migrações (OIM), revela a verdadeira escala da escravidão moderna em todo o mundo.

Os dados, lançados nesta terça-feira (19) durante a Assembleia Geral das Nações Unidas em Nova Iorque, mostram que mais de 40 milhões de pessoas foram vítimas da escravidão moderna em 2016 globalmente. Além disso, a OIT também lançou uma nova estimativa de que cerca de 152 milhões de crianças entre 5 e 17 anos foram submetidas ao trabalho infantil no mesmo ano.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, fala sobre a reforma da organização durante encontro na sede em Nova Iorque ao lado do presidente dos EUA, Donald Trump (à direita), e a chefe de gabinete de Guterres, a brasileira Maria Luiza Ribeiro Viotti (à esquerda). Foto: ONU/Mark Garten

Mais de 128 países se comprometem com reformas para uma ‘ONU do século 21’

Comprometendo-se a tornar as Nações Unidas uma organização mais forte e mais responsiva às pessoas que apoia, o secretário-geral, António Guterres, participou na segunda (18) de uma reunião de alto nível sobre a reforma da organização global.

O encontro foi presidido pelos Estados Unidos e contou com a presença de Donald Trump; o presidente norte-americano afirmou que as Nações Unidas foram fundadas sob ‘objetivos nobres’, mas que ‘nos últimos anos não alcançou seu pleno potencial’.

A Conferência Sanitária Pan-Americana é a autoridade suprema da OPAS e se reúne a cada cinco anos para determinar suas políticas e prioridades na área da saúde. Foto: PEXELS

Agência da ONU entrega relatório sobre saúde nas Américas a embaixadores da OEA

A diretora da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), Carissa F. Etienne, apresentou na semana passada (13) aos embaixadores e representantes da Organização dos Estados Americanos (OEA) os temas que serão abordados na 29ª Conferência Sanitária Pan-Americana, que ocorre de 25 a 29 de setembro na sede da organização em Washington, nos Estados Unidos.

A Conferência Sanitária Pan-Americana é a autoridade suprema da OPAS e se reúne a cada cinco anos para determinar suas políticas e prioridades. Também atua como fórum para a troca de informação e ideias em relação à prevenção de doenças; à preservação, promoção e recuperação da saúde física e mental; e ao fomento da saúde.

O Centro de Excelência contra a Fome apoia países africanos a reproduzir iniciativas brasileiras de alimentação escolar. Na imagem, criança se alimenta em centro do Programa Mundial de Alimentos na Região das Nações, Nacionalidades e Povos do Sul (SNNPRS), na Etiópia. Foto: PMA/Silvanus Okumu

Centro da ONU contribuiu para ampliar alimentação escolar em países em desenvolvimento, revela relatório

Em relatório independente sobre o Centro de Excelência contra a Fome da ONU, organismo criado há seis anos, gestores e especialistas em políticas de nutrição elogiaram o trabalho do organismo para promover a alimentação escolar e a agricultura familiar. Dos 66 entrevistados para a pesquisa, 71% relataram um aumento nas compras institucionais de alimentos que são produzidos localmente e, então, disponibilizados para o fornecimento de refeições em unidades de ensino.

Família vivendo numa favela urbana em Sonagachi, Kolkata, na Índia. ONU/Kibae Park

População mais pobre é a que mais sofre consequências das crises globais, diz especialista

“A população dos países em desenvolvimento está pagando um preço muito alto pelas ações globais que estão foram do seu controle”, disse Said Alfarargi, relator especial da ONU para o direito ao desenvolvimento, em seu relatório ao Conselho de Direitos Humanos. Segundo ele, há uma politização crescente sobre temas relacionados ao direito ao desenvolvimento que tem levado a uma baixa promoção, proteção e cumprimento deste direito.

Mustapha entre seus alunos. Foto: ACNUR/Rahima Gambo

ONU premia professor nigeriano que leva educação para vítimas do Boko Haram

Levar educação para todas as crianças, incluindo as que são forçadas a abandonar suas comunidades por conta da violência. Essa é a incansável missão perseguida há quase uma década por Zannah Mustapha, professor nigeriano que foi anunciado nesta segunda-feira (18) vencedor do Prêmio Nansen da Agência das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR). Em 2007, o docente fundou uma escola na cidade de Maiduguri, capital do estado do Borno e epicentro dos confrontos provocados pelo grupo extremista Boko Haram.

Crianças em Dekoa, na República Centro-Africana. Foto: MINUSCA

ONU alerta para crise no financiamento de refeições escolares na África Ocidental e Central

Mais de 1,5 milhão de crianças vulneráveis em toda a África Ocidental e Central estão indo às aulas com fome ou mesmo abandonando a escola devido à falta de financiamento para as refeições escolares do Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas (PMA), informou a agência no início do ano escolar de 2017-2018.

As consequências dessa crise são dramáticas, uma vez que os nutritivos almoços e lanches providenciados pelo PMA são, muitas vezes, a única refeição que muitos jovens comem o dia todo.

Ativistas feministas defendem direitos das mulheres durante a passeata no Rio de Janeiro. Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Agência da ONU discute combate à violência contra as mulheres em fórum no Rio

O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) participa da quinta edição do Fórum Sexual Violence Research Initiative — SVRI (Iniciativa de Pesquisa sobre Violência Sexual), que ocorre até quinta-feira (21), no hotel Sheraton Grand Rio Hotel & Resort, no Rio de Janeiro.

No evento, a agência da ONU divulgará informações sobre como identificar a violência por parte de um parceiro íntimo durante a gestação e compartilhará experiências para combate à violência de gênero em situações de emergência, como desastres naturais, conflitos armados e instabilidades sociais e políticas.

Debate abordou desigualdades de gênero enfrentadas por servidores públicas dentro e fora das instituições onde trabalham. Foto: ONU Mulheres/Amanda Talamonte

Escola Nacional de Administração Pública adere a movimento da ONU pela igualdade de gênero

A Escola Nacional de Administração Pública (ENAP) oficializou na semana passada (13) a sua adesão ao movimento ElesPorElas (HeForShe, no original em inglês) da ONU Mulheres. Iniciativa visa engajar homens na luta pela igualdade de gênero. Cerimônia de formalização contou ainda com um debate sobre políticas para estimular a presença de mulheres em posições de liderança na política.

A maioria dos venezuelanos vivendo em Roraima é jovem e possui boa formação escolar. A maioria já trabalha, e muitos enviam recursos para seus familiares na Venezuela. Foto: ACNUR/ Luiz Fernando Godinho

Maioria de venezuelanos em Roraima é jovem, possui boa escolaridade e está trabalhando

A maioria dos venezuelanos não indígenas vivendo em Roraima é jovem, possui boa escolaridade, tem atividade remunerada e paga aluguel. Entre os que trabalham, 51% recebem menos de um salário mínimo e 28% estão formalmente empregados. Muitos enviam ajuda financeira aos familiares que estão na Venezuela, e apontam a crise econômica e política como principal motivo para se deslocar. Já os venezuelanos indígenas que vivem em Roraima indicam a fome como motivo de seu deslocamento, sendo que as mulheres são a principal fonte de renda neste grupo.

O estudo — realizado pelo Conselho Nacional de Imigração, vinculado ao Ministério do trabalho, e com o apoio da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) — aponta o perfil sociodemográfico e laboral dos venezuelanos que vivem em Roraima, de forma a apoiar a formulação de políticas migratórias no Brasil.

Alimentação escolar melhora nutrição e educação de jovens. Foto: PMA

No Canadá, ONU promove fórum sobre alimentação escolar e nutrição infantil

Teve início no domingo (17), no Canadá, o XIX Fórum Global de Nutrição Infantil, evento organizado pelo Centro de Excelência contra a Fome das Nações Unidas. Até a próxima quinta-feira (21), especialistas e gestores estarão reunidos em Montreal para discutir o papel da alimentação escolar no crescimento econômico sustentável. Cerca de 300 participantes de 50 países participam do encontro.

Frei Tomás González Castillo, diretor do La 72, abrigo para refugiados em Tenosique, no México, defende direitos dos solicitantes de refúgio, incluindo pessoas da comunidade LGBTI. Foto: ACNUR/Markel Redondo.

Trabalhos que transformam vidas; conheça indicados ao Prêmio Nansen 2017

Da educação para refugiados no oeste de Uganda ao acolhimento de solicitantes de refúgio LGBTI que fogem de perseguições na América Central, os cinco indicados ao Prêmio Nansen da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) deste ano representam o empenho de todos aqueles que apoiam pessoas deslocadas por guerras e violência no mundo todo.

O prêmio humanitário foi criado em 1954 em memória do primeiro alto-comissário para refugiados, Fridjtof Nansen, e será entregue em 2 de outubro em Genebra, na Suíça.

Refugiados residentes em São Paulo. Foto: ACNUR / L. Leite

Universidade Católica de Santos promove seminário sobre proteção de refugiados

A Universidade Católica de Santos (UNISANTOS) concluiu nesta sexta-feira (15) o 8º Seminário Nacional e a 2ª Conferência Internacional da Cátedra Sergio Vieira de Mello da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) em Santos, São Paulo.

O evento discutiu o conceito de refúgio e a necessidade de proteção dessa população, além de temas como os 20 anos da Lei do Refúgio no Brasil e os 50 anos do protocolo relativo aos refugiados.

Manifestação democrática em São Paulo, no Brasil, em maio de 2017. Foto: Mídia Ninja

Especialista da ONU pede democratização da mídia

A democracia e a autodeterminação são essenciais para a prevenção de conflitos nacionais, regionais e internacionais, mas estão sob ataque das notícias falsas – em inglês “fake news” –, notícias incompletas e politicamente direcionadas.

O entendimento é do professor de direito internacional e especialista independente das Nações Unidas, Alfred de Zayas, em uma declaração para marcar o Dia Internacional da Democracia (15 de setembro).

Entre 2015 e 2016, mais 2,4 milhões de pessoas sofreram com a subnutrição na América Latina e no Caribe. Foto: EBC

FAO vê alta da fome na América Latina e no Caribe; 42,5 milhões estão subnutridos

O número de pessoas que sofrem com a fome na América Latina e no Caribe aumentou em 2,4 milhões de 2015 a 2016, alcançando um total de 42,5 milhões de pessoas, segundo relatório das Nações Unidas, que alertou para uma deterioração da situação, especialmente na América do Sul.

Segundo o representante regional da FAO, a desaceleração econômica da região, resultado da queda dos preços das commodities e do encolhimento econômico global, tem afetado a segurança alimentar na América Latina e no Caribe.

Metade da população centro-africana passa fome devido à intensificação de conflitos internos, desde setembro de 2015. Foto: ACNUR / H. Caux

ONU: após uma década de queda, fome volta a crescer no mundo

Após um declínio constante por mais de uma década, a fome no mundo está novamente em ascensão, impulsionada por conflitos e mudanças climáticas. Em 2016, a fome afetou 815 milhões de pessoas ou 11% da população global.

Os dados constam na nova edição do relatório anual das Nações Unidas sobre segurança alimentar e nutricional. O documento alertou também que múltiplas formas de má nutrição ameaçam a saúde de milhões de pessoas em todo o mundo.

O Objetivo do Desenvolvimento Sustentável (ODS) número 5 prevê alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas. Foto: EBC

Austeridade fiscal ameaça igualdade de gênero no mercado de trabalho, alerta ONU

Novo relatório da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD) divulgado nesta quinta-feira (14) indicou que as recentes perdas de emprego provocadas por políticas de austeridade e mudanças estruturais e tecnológicas no mundo todo têm sido especialmente custosas para o acesso das mulheres a empregos de qualidade.

Segundo o relatório, a era de hiperglobalização falhou em produzir um número suficiente de bons empregos, enquanto as mulheres têm sido cada vez mais integradas ao mercado de trabalho por meio de trabalhos de menor qualidade. 

Família pede ajuda nas ruas da cidade de Secunda, na província sul-africana de Mpumalanga. Foto: Jan Truter (CC, Flickr)

ONU pede fim da austeridade fiscal e ousadia para reequilibrar economia global

Novo relatório da Conferência das Nações Unidas para Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD) descreve uma rota política alternativa para a construção de economias globais mais inclusivas e solidárias.

O documento pede um novo pacto em que as pessoas tenham prioridade frente aos lucros. Pontos cruciais de tal transformação seriam o fim da austeridade fiscal, a contenção do “rentismo” das empresas e o direcionamento das finanças para a criação de empregos, bem como para o investimento em infraestrutura.

Refugiado participa da Copa dos Refugiados de 2015, evento promovido para dar visibilidade à causa do refúgio e promover a integração desta população por meio do esporte. Foto: ACNUR / Emiliano Capozoli

Copa dos Refugiados começa neste fim de semana em São Paulo

A quarta edição da Copa dos Refugiados começa neste fim de semana em São Paulo e reunirá cerca de 250 jogadores, divididos em 16 seleções. O evento tem o apoio das secretarias municipais de Esportes e Lazer, dos Direitos Humanos e das Relações Internacionais da Prefeitura de São Paulo.

A abertura ocorrerá na sexta-feira (15), às 12h, no auditório do Museu do Futebol, na Praça Charles Miller, com a presença de representantes de todos os times, órgãos oficiais e patrocinadores. A Copa é realizada pela organização África do Coração, em parceria com Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), Caritas Arquidiocesana de São Paulo, SESC-SP e empresas Netshoes e Sodexo.

Evento no Museu de Arte Moderna (MAM), no Rio de Janeiro, marcou o décimo aniversário da Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas. Encontro foi promovido pelo Centro de Informação das Nações Unidas no Brasil (UNIC Rio). Foto: UNIC Rio/Gustavo Barreto

Evento no Rio debate direitos dos povos indígenas dez anos após declaração da ONU

Promovido pelo Centro de Informação das Nações Unidas no Brasil (UNIC Rio) no Museu de Arte Moderna (MAM), o encontro reuniu especialistas e representantes da comunidade indígena de várias partes do Brasil.

Convidados debaterem o documentário “Guarani e Kaiowá: pelo direito de viver no Tekoha”, gravado em aldeias indígenas do centro-oeste do país. No dia 13 de setembro foram marcados os dez anos da Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas. Assista aos vídeos aqui.

Em entrevista à ONU Mulheres, líderes quilombolas falam sobre supressão de direitos e resistência

Como parte da estratégia “Mulheres Negras Rumo a um Planeta 50-50 em 2030”, a ONU Mulheres entrevistou as líderes quilombolas Célia Cristina da Silva Pinto e Maria Rosalina dos Santos, da Coordenação Nacional de Comunidades Quilombolas (CONAQ).

Segundo elas, as mulheres quilombolas estão cada vez mais expostas a variadas formas de violência, são mais afetadas por conflitos territoriais, empreendimentos desenvolvimentistas e pela supressão de direitos. No entanto, mesmo nesse cenário, essas comunidades resistem, afirmaram. Leia a entrevista.

Novo projeto de cooperação Sul-Sul promove o trabalho decente em países produtores de algodão na África e na América Latina, como parte do Programa de Parceria Brasil/OIT para a Promoção da Cooperação Sul-Sul. Foto: Flickr/Kimberly Vardeman

OIT lembra importância de garantir trabalho decente na cadeia produtiva do algodão

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) participou no fim de agosto do 11º Congresso Brasileiro do Algodão em Maceió (AL), o mais importante evento do ramo no país, que reuniu cerca de 1,2 mil participantes, incluindo representantes do setor algodoeiro de Paraguai, Peru, Moçambique e Mali.

“Foi uma ótima oportunidade para esses países terem uma visão de toda a iniciativa do algodão que está sendo promovida pelo Brasil, e da importância do trabalho decente nessa cadeia produtiva”, disse a coordenadora do Programa de Cooperação Sul-Sul Brasil-OIT, Fernanda Barreto.

Colheita de milho em Sertão Santana. Foto: Pedro Revillion / Palácio Piratini (CC)

Com participação da FAO, setores produtivos do agronegócio debatem inovação sustentável

Seminário ocorrido em Brasília contou a mediação do representante da FAO Brasil, Alan Bojanic. Produzir sem impactar o meio ambiente se tornou um desafio do agronegócio brasileiro, que este ano deve movimentar R$ 1,7 trilhão. Com as mudanças no clima, novos acordos ambientais e exigências dos parceiros comerciais do Brasil, sustentabilidade e inovação se tornaram condições exigidas pela sociedade e pelos agentes que compõe o setor.

Nelson Mandela. Foto: Fundação Nelson Mandela

Vencedores do Concurso de Vídeos da ONU serão exibidos no CCBB Rio em 21 de setembro

Os três filmes vencedores do 1o. Concurso de Vídeos da ONU Nelson Mandela, promovido pelo Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio), serão exibidos no dia 21 de setembro, no CCBB do Rio de Janeiro. A sessão especial é aberta ao público e contará com a presença de diretores e jurados. O documentário ‘Guarani e Kaiowá: pelo direito de viver no Tekoha’, produzido pelo UNIC Rio, também será exibido.

ONU lança concurso de fotografia sobre os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) lançou nesta quarta-feira (13) um concurso de fotografias para estimular a divulgação e a implementação dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) no Brasil.

As fotografias serão selecionadas de acordo com critério de linguagem fotográfica, originalidade, criatividade, aderência aos objetivos globais das Nações Unidas e respeito aos direito humanos.

Criança Esperança abre seleção de projetos para serem apoiados em 2019. Foto: UNESCO/Criança Esperança

Criança Esperança abre seleção de projetos a serem apoiados em 2019

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) recebe até 16 de outubro inscrições para a seleção de projetos para o Criança Esperança 2018, a serem apoiados em 2019. O Criança Esperança é uma parceria da agência da ONU com a Rede Globo.

Os projetos escolhidos receberão apoio financeiro de 60 mil a 300 mil reais, variando de acordo com as solicitações e o tamanho de cada iniciativa.

Mulher prepara “bolos de argila”, discos de barro, manteiga e sal, que se tornaram símbolo da luta do Haiti contra a pobreza extrema e a fome. Foto: ONU/Logan Abassi

Nações Unidas apresentam novo relatório sobre fome e nutrição no mundo

Cinco organismos das Nações Unidas lançam na sexta-feira (15) em Roma, na Itália, o primeiro relatório unificado sobre os avanços na erradicação da fome e da má nutrição no mundo até 2030. A nova edição do documento oferece estimativas atualizadas do número e proporção de pessoas que sofrem com a fome no mundo, apresentando dados globais, regionais e nacionais.

O relatório será lançado por Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA), Programa Mundial de Alimentos (PMA), Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e Organização Mundial da Saúde (OMS). O evento será transmitido pela Internet.

Miroslav Lajčák (centro) assumiu a presidência da 72ª sessão da Assembleia Geral. Foto: ONU/Kim Haughton

Assembleia Geral da ONU inaugura sua 72ª sessão com foco nas pessoas

A Assembleia Geral das Nações Unidas inaugurou nesta terça-feira (12) sua 72ª sessão, com uma ênfase na busca pela paz e vida decente para todos em um planeta sustentável.

“A ONU foi criada para as pessoas”, disse Miroslav Lajčák em seu primeiro discurso como presidente da Assembleia Geral. “As pessoas que precisam mais da ONU não estão sentadas nesta sala hoje. Elas não estão envolvidas nas negociações de resoluções. (…) É uma das tarefas da Assembleia Geral garantir que suas vozes ainda possam ser ouvidas”.

Em 2017, a Declaração da ONU sobre os Direitos dos Povos Indígenas completa 10 anos. Este marco relembra a importância dos povos indígenas na formação e riqueza da sociedade e como eles são ameaçados. No Brasil, no ano de 1500, a população de indígenas era de 8 milhões; hoje, em 2017, eles são cerca de 900 mil. No Mato Grosso do Sul, centro-oeste do país, a situação territorial é dramática e provoca uma série de abusos de direitos humanos, que afetam principalmente os guarani e kaiowá. Para contar um pouco sobre a situação dessas populações, o Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio) visitou a Reserva Indígena de Dourados e diversas aldeias do estado de Mato Grosso do Sul. Foram mais de mil quilômetros percorridos durante cinco dias para a produção do documentário “Guarani e Kaiowá: Pelo direito de viver no Tekoha”.

ONU lança documentário ‘Guarani e Kaiowá: pelo direito de viver no Tekoha’

Em 2017, a Declaração da ONU sobre os Direitos dos Povos Indígenas completa 10 anos. Este marco relembra a importância dos povos indígenas na formação e riqueza da sociedade e como eles são ameaçados. No Brasil, no ano de 1500, a população de indígenas era de 8 milhões; hoje, em 2017, eles são cerca de 900 mil.

No Mato Grosso do Sul, centro-oeste do país, a situação territorial é dramática e provoca uma série de abusos de direitos humanos, que afetam principalmente os guarani e kaiowá.

Para contar um pouco sobre a situação dessas populações, o Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio) visitou a Reserva Indígena de Dourados e diversas aldeias do estado de Mato Grosso do Sul. Foram mais de mil quilômetros percorridos durante cinco dias para a produção do documentário “Guarani e Kaiowá: Pelo direito de viver no Tekoha”.

Programa Embaixadores da Juventude está com inscrições abertas até 17 de setembro em Salvador (BA). Foto: Embaixadores da Juventude

ONU recebe inscrições para programa Embaixadores da Juventude em Salvador

O Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) e o Instituto Caixa Seguradora recebem inscrições para edição de Salvador (BA) do programa Embaixadores da Juventude. Podem se inscrever jovens entre 18 e 25 anos, residentes do estado ou da região Nordeste, com conhecimento intermediário de inglês ou espanhol e que tenham concluído o Ensino Médio. O prazo é 17 de setembro.

Por meio de debates com especialistas, análises de casos e atividades práticas, o programa oferece um treinamento completo de liderança e ativismo em pautas como segurança, pobreza, sustentabilidade, educação, empreendedorismo e saúde, abordando os 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Mais de 3,5 milhões de crianças refugiadas com idade entre 5 e 17 anos não tiveram a oportunidade e frequentar a escola no último ano letivo, revela o ACNUR. Foto: ACNUR/ P.Wiggers

Relatório do ACNUR aponta crise na educação de crianças refugiadas

Mais de 3,5 milhões de crianças refugiadas com idade entre 5 e 17 anos não tiveram a chance de frequentar a escola no último ano letivo, mostrou a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), em relatório divulgado na segunda-feira (11).

Globalmente, 91% das crianças frequentam a escola. Entre os refugiados, no entanto, este índice é bem menor, de apenas 61%. Em países de baixa renda, chega a ser de 50%, informou a agência da ONU.

O compartilhamento de notícias falsas tem se tornado um problema de grande complexidade para a população, diz ONU. Foto: Banco Mundial

Verificar informações antes de compartilhar é a melhor forma de combater notícias falsas, destaca fórum da ONU

Em meio ao aumento da proliferação de notícias falsas – “fake news”, em inglês – e do desafio de discernir entre informações verídicas e falsas, um fórum das Nações Unidas discutiu formas de tratar deste complexo assunto. O encontro debateu caminhos para levar aos cidadãos as habilidades e ferramentas necessárias para avaliar a credibilidade de qualquer conteúdo da mídia ou de uma fonte de notícias.